SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
1
1. INTRODUÇÃO
KALB distribuidora ltda. É uma distribuidora de balas e doces, localizada
na Rua Guimarães Rosa nº 458, Jardim continental, CEP: 09762-290 São
Bernardo do Campo – SP. Atende comércios varejistas como bombonieres,
minimercados e docerias do município e região.
Atualmente a distribuidora tem tido grandes problemas com o excesso de
determinados produtos em estoque, e a ausência de espaço para demais
variedades, gerando prejuízos com vencimentos de produtos e perda de
importantes clientes de sua carteira.
Á gestão de estoque neste momento é importante para identificar onde
estão os principais erros na execução das tarefas realizadas pelos funcionários,
adotar medidas de reparo e gerenciar a operação viabilizando melhorias no
departamento de compras e armazenamento buscando manter a demanda
necessária, evitando que a distribuidora KALB tenha mais prejuízos.
2
2. DESENVOLVIMENTO
2.1ESTOQUE: DEFINIÇÃO E CONCEITO
Estoques são materiais ou produtos que ficam fisicamente disponíveis
pela empresa, até o momento de ingressarem no processo produtivo ou
seguirem para a comercialização direta ao consumidor final.
Os estoques podem ser de matérias-primas e outros insumos, produtos
em processos, produtos acabados disponíveis para a comercialização e todos
os demais materiais e insumos que a empresa utiliza e que necessitam estar
armazenados nas suas dependências. Podem ser de diversas formas,
dependendo do negócio da empresa e de que forma ela executa a sua função.
Por exemplo, uma empresa que fabrica determinado produto, irá possuir
estoques diferentes de outra empresa que apenas comercializa os seus produtos
com o consumidor. Um atacadista irá ter estoques diferentes de um varejista e
de um fabricante. Uma empresa agrícola possuirá estoques diferentes em cada
nível ou estágio de sua produção. Uma empresa de serviços possuirá estoques
de produtos secundários, ou de materiais que não influenciam diretamente no
seu negócio.
Estoques também mudam em função do porte das empresas, onde
empresas grandes irão possuir estoques diferentes de empresas pequenas ou
microempresas e assim por diante.
Pode-se perceber que os estoques são todos os materiais, sejam de
qualquer espécie, que a empresa necessita utilizar na realização de seus
negócios empresariais e que ficam armazenados nas dependências da empresa
para serem utilizados em momentos específicos. Geralmente, o uso de estoques
está atrelado ao consumo dos produtos que a empresa comercializa, onde
podem surgir oscilações na demanda desses produtos, e aí então, os produtos
que estão em estoques são utilizados.
Dessa maneira, a empresa utiliza-se de estoques para se prevenir de
incertezas que possam ocorrer no tocante à comercialização de seus produtos,
evitando arcar com grandes prejuízos pelo não atendimento ao seu cliente pela
falta dos produtos no momento em que o mesmo deseja, fato que pode acarretar,
inclusive, a perda do cliente. Assim, para evitar esses transtornos, as empresas
efetuam previsões da demanda, visando compreender como será a
3
comercialização de seus produtos em determinado período, tendo condições de
poder disponibilizar os seus produtos na quantidade certa para o atendimento a
esta demanda, evitando que os produtos faltem e não estejam disponíveis aos
consumidores.
No entanto, na maioria das vezes, as empresas não conseguem prever
exatamente como ocorrerá a demanda, pois diversos fatores contribuem para
essa previsão. Para evitar-se a falta de mercadorias para o atendimento das
necessidades e desejos dos clientes, e mediante a incerteza ou risco na previsão
da demanda, as empresas utilizam-se dos estoques, mantendo determinada
quantidade de mercadorias, sejam produtos prontos e acabados, sejam produtos
em processamento, ou insumos, que podem ser matérias-primas a serem
usadas no processo de fabricação, por exemplo, a fim de se prevenir dessas
incertezas.
2.1.1 PRINCIPAIS FUNÇÕES
As principais funções do estoque são:
A) Garantir o abastecimento de materiais á empresa, neutralizando os
efeitos de:
 Demora ou atraso no fornecimento de materiais: Estando sempre
atenta a quantidade qualidade dos materiais em estoque.
 Sazonalidade no suprimento: Verificar o tempo que ta
acontecendo, as transformações nos matérias.
 Riscos de dificuldade no fornecimento: Analisando o tipo de
dificuldade encontrada.
B) Proporcionar economias de escala:
 Através da compra ou produção em lotes econômicos;
 Pela flexibilidade do processo produtivo;
 Pela rapidez e eficiência no atendimento ás necessidades.
2.1.2 TIPOS DE ESTOQUE
Os principais tipos de estoques são:
4
 ESTOQUE CONSIGNADO: estoques em posse de clientes,
distribuidores, agentes, etc, cuja propriedade continua sendo do
fabricante por acordo entre eles;
 ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO: estoque formado para nivelar as
flutuações previsíveis na demanda, entrega ou produção de um item
específico;
 ESTOQUE DE CONTINGÊNCIA: estoque mantido para cobrir potenciais
situações de falha extraordinária no sistema;
 ESTOQUE DE PROTEÇÃO OU HEDGE INVENTORY: é feito quando
excepcionalmente está previsto um acontecimento que pode colocar em
risco o abastecimento normal de estoque e gerar uma quebra na produção
e/ou vendas. Normalmente são greves, problemas de novas legislações,
período de negociação de nova tabela de preços, etc;
 ESTOQUE DE SEGURANÇA OU SAFETY STOCK: quantidade mantida
em estoque para suprir nas ocasiões em que a demanda é maior do que
a esperada e/ou quando a oferta para repor estoque ou de matéria-prima
para fabricá-la é menor do que a esperada e/ou quando o tempo de
ressuprimento é maior que o esperado e/ou quando houver erros de
controle de estoque que levam o sistema de controle a indicar mais
material do que a existência efetiva;
 ESTOQUE EM TRÂNSITO: tempo no qual as mercadorias permanecem
nos veículos de transporte durante sua entrega;
 ESTOQUE INATIVO: itens que estão obsoletos ou que não tiveram saída
nos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do
próprio administrador do estoque;
 ESTOQUE MÁXIMO: Refere-se à quantidade determinada previamente
para que ocorra o acionamento da parada de novos pedidos, por motivos
de espaço ou financeiro;
 ESTOQUE MÉDIO: metade do lote médio de compra ou fabricação,
adicionado ao estoque de segurança;
 ESTOQUE MÍNIMO: quantidade determinada previamente para que
ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é
confundido com "Estoque de Segurança". Também denominado "Ponto
de Ressuprimento";
5
 ESTOQUE PULMÃO: quantidade determinada previamente e de forma
estratégica, que ainda não foi processada. Podem ser de matéria-prima
ou de produtos semi-acabados;
 ESTOQUE REGULADOR: é normalmente utilizado em empresas com
várias unidades/filiais, onde uma das unidades tem um estoque maior
para suprir possíveis faltas em outras unidades;
 ESTOQUE SAZONAL: quantidade determinada previamente para se
antecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro,
fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e
tenham uma regularidade.
2.2GERENCIMENTO DE ESTOQUE
A gestão de estoques constitui em ações que permitem o administrador
analisar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados, bem
manuseados e controlados. A gestão de estoque busca garantir a máxima
disponibilidade de produto, com o menor de estoque possível. A gestão de
estoques entende que quantidade de estoque parada é capital parado. Ou seja,
não esta tendo nenhum retorno do investimento efetuado e, por outro lado, este
capital investido poderia estar suprindo a urgência de outro segmento da
empresa, motivo pelo qual o gerenciamento deve projetar níveis adequados,
objetivando manter o equilíbrio entre estoque e consumo. Os níveis devem ser
atualizados periodicamente para evitar problemas provocados pelo crescimento
do consumo ou vendas e alterações dos tempos de reposição.
A gestão do estoque é estritamente necessária em uma organização, pois
ele juntamente com os demais departamentos é todo o funcionamento desta
empresa. Através da racionalização do estoque, garantindo a máxima
disponibilidade do produto, com o menor estoque possível. Sendo a finalidade
da gestão de estoque, a facilitação do seu uso diário, disponibilizando as
informações necessárias para cada departamento e suas reais necessidades
das mercadorias. Pois se a empresa detém um volume alto de estoques e não
realiza esta prévia análise, as economias geradas pelas compras de lotes
maiores podem ser coberta por custos maiores na manutenção destes estoques.
Por fim, entendemos que a gestão de estoques é o planejamento do estoque,
6
seu controle e sua retroalimentação sobre o planejamento. O mesmo, consiste
na determinação dos valores que o estoque terá com o correr do tempo, bem
como na determinação das datas de entrada e saída dos materiais do estoque e
na determinação dos pontos de pedido de material.
2.2.1 FUNÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUES
Uma má gestão no estoque acarretaria em inúmeros prejuízos à empresa.
Dentre eles elevação do cancelamento de pedidos, parada de produção por falta
de matérias, falta de espaço para armazenamento, quantidades maiores de
estoque enquanto a produção permanece constante, e assim vai. Portanto, sua
existência em meio ao planejamento do controle de estoque torna-se essencial.
A gestão age como protetora do aumento dos preços é quem incentiva as
economias na produção e mais, é a gestão quem protege as empresas das
incertezas na demanda e no tempo de reabastecimento do estoque.
Sendo suas principais funções:
 Determinar “o que” manter em estoque;
 Determinar quando reabastecer;
 Determinar quanto requisitar;
 Acionar o processo de reabastecimento;
 Receber, estocar e suprir os materiais conforme requerido pelos usuários;
 Realizar saneamento do estoque.
As possíveis variáveis da Gestão de Estoque podem direta ou indiretamente
afetar a uma Organização. É necessário gerir as tarefas do dia-a-dia, ou seja, o
responsável dentro desta organização fica encarregado de controlar as possíveis
necessidades dos clientes, a reposição do estoque e assim a saída deste
determinado
produto.Para estabelecer os níveis desejados de estoques, é imprescindível ter
uma noção em relação à previsão das vendas. Dependendo do montante que a
empresa programa
7
2.2.2 PRINCIPAIS ERROS NO GERENCIAMENTO DO ESTOQUE
Estoque não é custo, é dinheiro. Deve ser classificado no ativo, ou seja,
entre as aplicações feitas pela empresa, não como uma despesa. Gerenciar de
maneira eficiente o estoque significa otimizar os investimentos. Não é a compra
dos produtos em si, mas a má gestão deles que podem gerar diversas despesas
desnecessárias.
Podem ser diversos os erros de gerenciamento e manutenção de
estoques, eles dependem da natureza de cada negócio. Segue abaixo as falhas
mais comuns:
 AQUISIÇÃO DE ESTOQUES ACIMA OU ABAIXO DO NECESSÁRIO: é
muito importante para todo empreendedor saber exatamente o quanto
precisa comprar para atender sua demanda. As mercadorias excedentes
são sempre um custo, já que a maioria delas sofrem depreciação com o
tempo até se tornarem obsoletas, além do risco de serem danificadas no
local de armazenamento.
No caso de produtos alimentícios, por exemplo, o problema é ainda mais
grave, já que eles têm curto prazo de validade e não poderão mais ser
vendidos. Por outro lado, o conservadorismo também pode ser um erro,
já que a carência de estoques atingirá diretamente o quadro de vendas,
muitas vezes passando a falsa impressão de que aquele produto é pouco
procurado em estudos posteriores.
Nas fases iniciais da empresa, o ideal é que seja realizada uma gerência
de acompanhamento para identificar os itens mais procurados. A partir
daí, a análise de vendas deve ser acompanhada a cada mês, para saber
como está o ritmo do mercado.
 NÃO UTILIZAÇÃO SOFTWARE PARA REALIZAR O GERENCIAMENTO
DO ESTOQUE: Sim, é possível gerenciar todos os movimentos de
entrada e saída de mercadorias na ponta do lápis ou até mesmo em
planilhas montada por você no computador. O que acontece na prática,
porém, é que no meio das tarefas rotineiras, a administração acaba não
dando a atenção necessária para o controle do estoque, procedimento
que, se feito manualmente, tomará muito tempo.
8
Hoje, as tecnologias estão cada vez mais baratas e acessíveis. Além de
gerenciar o estoque, ferramentas online podem auxiliar nos fluxos de
caixa e até na emissão de notas ficais.
 NÃO DESCREVER E IDENTIFICAR OS ITENS DO ESTOQUE: Azul,
preto, vermelho, pequeno, médio, grande. Descrever os produtos é uma
tarefa aparentemente supérflua, mas não se engane. A identificação de
cada item no estoque tem diversas finalidades, que vão desde a correta
aquisição dos mais vendidos “a cadeira vermelha, da mesma marca que
a azul, pode ser mais procurada” até a realização de um cadastramento
correto dos itens estocados, evitando duplicidade. Quanto mais
informações tiverem, mais fácil será para o gestor compreender como
funciona o seu mercado e sua empresa.
 PENSAR EM VALORES E NÃO NO TEMPO MÉDIO DE ESTOCAGEM:
Muitas vezes, os números podem ser traiçoeiros para o empreendedor.
Ao pegar as planilhas da sua empresa em um certo momento, por
exemplo, um gestor pode verificar que a soma do item A está avaliada em
R$ 1.000,00 e a do item B está avaliada em R$ 5.000,00. Após 5 dias, ele
é surpreendido ao perceber que o item B está esgotado, enquanto ainda
há R$ 200,00 reais em estoque do item A. Quando o gestor já domina o
seu mercado, ele deve pensar no tempo que os itens costumam ficar
estocados, não só nos seus valores, evitando assim surpresas
desagradáveis.
2.3CONTROLE DE ESTOQUE
O Controle de estoques é o procedimento adotado para registrar, fiscalizar
e gerir a entrada e saída de mercadorias e produtos numa, seja numa indústria
ou no comércio. O controle de estoque deve ser utilizado tanto para matéria
prima, mercadorias produzidas e/ou mercadorias vendidas.
O Controle de estoques exerce influencia muito grande na rentabilidade
da empresa. Os estoques absorvem capital que poderia estar sendo investido
de outras maneiras, desviam fundos de outros usos potenciais e tem o mesmo
custo de capital que qualquer outro projeto de investimento da empresa.Sendo
um importante papel na fase administrativa, pois através desse estoque e que e
9
possível saber o quanto se pode comprar o que comprar para não chegar ao
desperdício de matérias ou ate mesmo da falta de material em estoque.
O objetivo do controle de estoque é também financeiro, pois a
manutenção de estoques é cara e o gerenciamento do estoque deve permitir que
o capital investido seja minimizado. Ao mesmo tempo, não é possível para uma
empresa trabalhar sem estoque.
Portanto, um bom controle de estoque passa primeiramente pelo
planejamento desse estoque. De forma semelhante, os níveis dos estoques
estão sujeitos á velocidade da demanda. Se a constância da procura sobre o
material for maior que o tempo de ressuprimento, ou estas providências não
forem tomadas em tempo oportuno, a fim de evitar a interrupção do fluxo de
reabastecimento, teremos a situação de ruptura ou de esvaziamento do seu
estoque, com prejuízos visíveis para a produção, manutenção, vendas etc.
2.4AVALIAÇÃO DO ESTOQUE
A maioria das empresas chegam á falência por imobilizar elevadas somas de
capital em estoques, faltando-lhes recursos financeiros para capital de giro. Uma
atividade importante dentro do conjunto da gestão de estoque é prever o valor
do estoque em intervalo de tempo adequado e gerenciá-lo, comparando-o com
o planejado, e tomar as devidas ações quando houver desvios de rota. Os fatores
que justificam a avaliação de estoque são:
 Assegurar que o capital imobilizado em estoques seja o mínimo possível;
 Assegurar que estejam de acordo com a política da empresa;
 Garantir que a valorização do estoque reflita exatamente seu conteúdo;
 O valor desse capital seja uma ferramenta de tomada de decisão;
 Evitar desperdícios como obsolescência, roubos, extravios etc.
 Portanto, torna-se imperiosa uma perfeita avaliação financeira do estoque
para proporcionar informações exatas e atualizadas das matérias-primas
e produtos em estoques sob-responsabilidade da empresa.
10
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com o aprimoramento da gestão de estoques e implementação de
sistemas de informações necessários, a distribuidora KALB visa viabilizar a
a compra somente de sua demanda necessária, diminuindo a chances de
prejuízos com armazenamento de produtos vencidos e aumentar sua
variedade de produtos em busca de novos clientes e satisfação dos atuais.
11
4. Anexo
4.1 ORGANOGRAMA DAS ENTRADAS NO ESTOQUE
Imagem 1 – Disponível em: <http://p1engenharia.com.br/projetos.php>
Acesso em 14/11/2014
12
5. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COELHO, Leandro Callegari. O que é Gestão de estoque. Disponível em <
http://www.logisticadescomplicada.com/o-que-e-gestao-de-estoques/> Acesso
em 17/11/2014.
DIAS, Marco Aurélio P.Administração de Matérias. 4° Edição. São Paulo:
Editora Atlas S. A., 1995.
SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart, HARLAND, Christine, HARRISON, Alan,
JOHNSTON, Robert. Administração da Produção, São Paulo – SP: Editora
Atlas S.A., 1997.
SPEKMAM, R. SWEENEY. Sistemas básicos de controle de estoques. 2 ed. São
Paulo, Atlas, 2006.
13
6. FOTOS DO GRUPO
6.1Andréia Felix de Lima
6.2Kamilla Lima Costa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boianifabioboiani
 
Logística Empresarial - Introdução
Logística Empresarial - IntroduçãoLogística Empresarial - Introdução
Logística Empresarial - IntroduçãoWeNova Consulting
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de comprasDanilo Pires
 
Logística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicaoLogística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicaoElvis Bruno
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosRicardo Domingues
 
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...Colaborativismo
 
Distribuição Física
Distribuição FísicaDistribuição Física
Distribuição Físicavjoao
 
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distância
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distânciaLogística –Fator de competitividade em operações de vendas a distância
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distânciaAssociação Comercial de São Paulo
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoCharles Rebouças
 
Definição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocksDefinição de gestão de stocks
Definição de gestão de stockssoraiafilipa17
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaUniversidade Pedagogica
 
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégico
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégicoEstratégia corporativa & Posicionamento estratégico
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégicoFarah Serra
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGerisval Pessoa
 

Mais procurados (20)

Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
Logística Empresarial - Introdução
Logística Empresarial - IntroduçãoLogística Empresarial - Introdução
Logística Empresarial - Introdução
 
Gestão de compras
Gestão de comprasGestão de compras
Gestão de compras
 
Gestão de Distribuição
Gestão de DistribuiçãoGestão de Distribuição
Gestão de Distribuição
 
4 P`s marketing: estoque
4 P`s marketing: estoque4 P`s marketing: estoque
4 P`s marketing: estoque
 
Aulas logística 1
Aulas logística 1Aulas logística 1
Aulas logística 1
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Logística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicaoLogística de armazenagem e distribuicao
Logística de armazenagem e distribuicao
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
 
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...
Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo de ativida...
 
Logística
LogísticaLogística
Logística
 
Distribuição Física
Distribuição FísicaDistribuição Física
Distribuição Física
 
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distância
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distânciaLogística –Fator de competitividade em operações de vendas a distância
Logística –Fator de competitividade em operações de vendas a distância
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Definição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocksDefinição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocks
 
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilísticaContabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
Contabilidade internacional, normalização e harmonização contabilística
 
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégico
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégicoEstratégia corporativa & Posicionamento estratégico
Estratégia corporativa & Posicionamento estratégico
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
 
Compras logística
Compras logísticaCompras logística
Compras logística
 

Destaque

Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira Geração
Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira GeraçãoIntegração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira Geração
Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira GeraçãoJunior Ozono
 
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IV
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IVPROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IV
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IVHenry Jackman
 
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Daniel Camargos Frade
 

Destaque (6)

Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira Geração
Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira GeraçãoIntegração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira Geração
Integração do Parque de Refino com a Indústria Petroquímica de Primeira Geração
 
Pim iv
Pim ivPim iv
Pim iv
 
Sistema logístico da Natura
Sistema logístico da NaturaSistema logístico da Natura
Sistema logístico da Natura
 
Pim iv
Pim ivPim iv
Pim iv
 
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IV
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IVPROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IV
PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR IV - PIM IV
 
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
 

Semelhante a Gestão de estoque para distribuidora de doces

AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptx
AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptxAULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptx
AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptxPalomaOliveira338538
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroRicardo Pinheiro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroRicardo Pinheiro
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de materialJohn Paul John Paul
 
Origens dos stocks
Origens dos stocksOrigens dos stocks
Origens dos stocksInes Vieira
 
Projeto integrador iii 01-09-20
Projeto integrador iii   01-09-20Projeto integrador iii   01-09-20
Projeto integrador iii 01-09-20JANAINA ALVES
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisõesLeonor Alves
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisõesLeonor Alves
 
Logística Aula 7
Logística Aula 7Logística Aula 7
Logística Aula 7robsonnasc
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºJoão Barata
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºJoão Barata
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeirawarier96
 
Administração de recursos materiais
Administração de recursos materiaisAdministração de recursos materiais
Administração de recursos materiaislucasjatem
 

Semelhante a Gestão de estoque para distribuidora de doces (20)

Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptx
AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptxAULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptx
AULA 5 .PLANEJAMENTO DE RECURSOS Tipos de estoque.pptx
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giroO reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
O reflexo da política de estoque na necessidade de capital de giro
 
Adm estoque
Adm  estoqueAdm  estoque
Adm estoque
 
Tcc geovana pdf
Tcc geovana pdfTcc geovana pdf
Tcc geovana pdf
 
Noções de administração de material
Noções de administração de materialNoções de administração de material
Noções de administração de material
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Gest estoques1
Gest estoques1Gest estoques1
Gest estoques1
 
Origens dos stocks
Origens dos stocksOrigens dos stocks
Origens dos stocks
 
Projeto integrador iii 01-09-20
Projeto integrador iii   01-09-20Projeto integrador iii   01-09-20
Projeto integrador iii 01-09-20
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Gestão de stocks
Gestão de stocks Gestão de stocks
Gestão de stocks
 
Logística Aula 7
Logística Aula 7Logística Aula 7
Logística Aula 7
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
Gestão de stocks4º
Gestão de stocks4ºGestão de stocks4º
Gestão de stocks4º
 
2º trabalho jorge madeira
2º trabalho  jorge  madeira2º trabalho  jorge  madeira
2º trabalho jorge madeira
 
Administração de recursos materiais
Administração de recursos materiaisAdministração de recursos materiais
Administração de recursos materiais
 

Gestão de estoque para distribuidora de doces

  • 1. 1 1. INTRODUÇÃO KALB distribuidora ltda. É uma distribuidora de balas e doces, localizada na Rua Guimarães Rosa nº 458, Jardim continental, CEP: 09762-290 São Bernardo do Campo – SP. Atende comércios varejistas como bombonieres, minimercados e docerias do município e região. Atualmente a distribuidora tem tido grandes problemas com o excesso de determinados produtos em estoque, e a ausência de espaço para demais variedades, gerando prejuízos com vencimentos de produtos e perda de importantes clientes de sua carteira. Á gestão de estoque neste momento é importante para identificar onde estão os principais erros na execução das tarefas realizadas pelos funcionários, adotar medidas de reparo e gerenciar a operação viabilizando melhorias no departamento de compras e armazenamento buscando manter a demanda necessária, evitando que a distribuidora KALB tenha mais prejuízos.
  • 2. 2 2. DESENVOLVIMENTO 2.1ESTOQUE: DEFINIÇÃO E CONCEITO Estoques são materiais ou produtos que ficam fisicamente disponíveis pela empresa, até o momento de ingressarem no processo produtivo ou seguirem para a comercialização direta ao consumidor final. Os estoques podem ser de matérias-primas e outros insumos, produtos em processos, produtos acabados disponíveis para a comercialização e todos os demais materiais e insumos que a empresa utiliza e que necessitam estar armazenados nas suas dependências. Podem ser de diversas formas, dependendo do negócio da empresa e de que forma ela executa a sua função. Por exemplo, uma empresa que fabrica determinado produto, irá possuir estoques diferentes de outra empresa que apenas comercializa os seus produtos com o consumidor. Um atacadista irá ter estoques diferentes de um varejista e de um fabricante. Uma empresa agrícola possuirá estoques diferentes em cada nível ou estágio de sua produção. Uma empresa de serviços possuirá estoques de produtos secundários, ou de materiais que não influenciam diretamente no seu negócio. Estoques também mudam em função do porte das empresas, onde empresas grandes irão possuir estoques diferentes de empresas pequenas ou microempresas e assim por diante. Pode-se perceber que os estoques são todos os materiais, sejam de qualquer espécie, que a empresa necessita utilizar na realização de seus negócios empresariais e que ficam armazenados nas dependências da empresa para serem utilizados em momentos específicos. Geralmente, o uso de estoques está atrelado ao consumo dos produtos que a empresa comercializa, onde podem surgir oscilações na demanda desses produtos, e aí então, os produtos que estão em estoques são utilizados. Dessa maneira, a empresa utiliza-se de estoques para se prevenir de incertezas que possam ocorrer no tocante à comercialização de seus produtos, evitando arcar com grandes prejuízos pelo não atendimento ao seu cliente pela falta dos produtos no momento em que o mesmo deseja, fato que pode acarretar, inclusive, a perda do cliente. Assim, para evitar esses transtornos, as empresas efetuam previsões da demanda, visando compreender como será a
  • 3. 3 comercialização de seus produtos em determinado período, tendo condições de poder disponibilizar os seus produtos na quantidade certa para o atendimento a esta demanda, evitando que os produtos faltem e não estejam disponíveis aos consumidores. No entanto, na maioria das vezes, as empresas não conseguem prever exatamente como ocorrerá a demanda, pois diversos fatores contribuem para essa previsão. Para evitar-se a falta de mercadorias para o atendimento das necessidades e desejos dos clientes, e mediante a incerteza ou risco na previsão da demanda, as empresas utilizam-se dos estoques, mantendo determinada quantidade de mercadorias, sejam produtos prontos e acabados, sejam produtos em processamento, ou insumos, que podem ser matérias-primas a serem usadas no processo de fabricação, por exemplo, a fim de se prevenir dessas incertezas. 2.1.1 PRINCIPAIS FUNÇÕES As principais funções do estoque são: A) Garantir o abastecimento de materiais á empresa, neutralizando os efeitos de:  Demora ou atraso no fornecimento de materiais: Estando sempre atenta a quantidade qualidade dos materiais em estoque.  Sazonalidade no suprimento: Verificar o tempo que ta acontecendo, as transformações nos matérias.  Riscos de dificuldade no fornecimento: Analisando o tipo de dificuldade encontrada. B) Proporcionar economias de escala:  Através da compra ou produção em lotes econômicos;  Pela flexibilidade do processo produtivo;  Pela rapidez e eficiência no atendimento ás necessidades. 2.1.2 TIPOS DE ESTOQUE Os principais tipos de estoques são:
  • 4. 4  ESTOQUE CONSIGNADO: estoques em posse de clientes, distribuidores, agentes, etc, cuja propriedade continua sendo do fabricante por acordo entre eles;  ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO: estoque formado para nivelar as flutuações previsíveis na demanda, entrega ou produção de um item específico;  ESTOQUE DE CONTINGÊNCIA: estoque mantido para cobrir potenciais situações de falha extraordinária no sistema;  ESTOQUE DE PROTEÇÃO OU HEDGE INVENTORY: é feito quando excepcionalmente está previsto um acontecimento que pode colocar em risco o abastecimento normal de estoque e gerar uma quebra na produção e/ou vendas. Normalmente são greves, problemas de novas legislações, período de negociação de nova tabela de preços, etc;  ESTOQUE DE SEGURANÇA OU SAFETY STOCK: quantidade mantida em estoque para suprir nas ocasiões em que a demanda é maior do que a esperada e/ou quando a oferta para repor estoque ou de matéria-prima para fabricá-la é menor do que a esperada e/ou quando o tempo de ressuprimento é maior que o esperado e/ou quando houver erros de controle de estoque que levam o sistema de controle a indicar mais material do que a existência efetiva;  ESTOQUE EM TRÂNSITO: tempo no qual as mercadorias permanecem nos veículos de transporte durante sua entrega;  ESTOQUE INATIVO: itens que estão obsoletos ou que não tiveram saída nos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do próprio administrador do estoque;  ESTOQUE MÁXIMO: Refere-se à quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da parada de novos pedidos, por motivos de espaço ou financeiro;  ESTOQUE MÉDIO: metade do lote médio de compra ou fabricação, adicionado ao estoque de segurança;  ESTOQUE MÍNIMO: quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é confundido com "Estoque de Segurança". Também denominado "Ponto de Ressuprimento";
  • 5. 5  ESTOQUE PULMÃO: quantidade determinada previamente e de forma estratégica, que ainda não foi processada. Podem ser de matéria-prima ou de produtos semi-acabados;  ESTOQUE REGULADOR: é normalmente utilizado em empresas com várias unidades/filiais, onde uma das unidades tem um estoque maior para suprir possíveis faltas em outras unidades;  ESTOQUE SAZONAL: quantidade determinada previamente para se antecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro, fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e tenham uma regularidade. 2.2GERENCIMENTO DE ESTOQUE A gestão de estoques constitui em ações que permitem o administrador analisar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados, bem manuseados e controlados. A gestão de estoque busca garantir a máxima disponibilidade de produto, com o menor de estoque possível. A gestão de estoques entende que quantidade de estoque parada é capital parado. Ou seja, não esta tendo nenhum retorno do investimento efetuado e, por outro lado, este capital investido poderia estar suprindo a urgência de outro segmento da empresa, motivo pelo qual o gerenciamento deve projetar níveis adequados, objetivando manter o equilíbrio entre estoque e consumo. Os níveis devem ser atualizados periodicamente para evitar problemas provocados pelo crescimento do consumo ou vendas e alterações dos tempos de reposição. A gestão do estoque é estritamente necessária em uma organização, pois ele juntamente com os demais departamentos é todo o funcionamento desta empresa. Através da racionalização do estoque, garantindo a máxima disponibilidade do produto, com o menor estoque possível. Sendo a finalidade da gestão de estoque, a facilitação do seu uso diário, disponibilizando as informações necessárias para cada departamento e suas reais necessidades das mercadorias. Pois se a empresa detém um volume alto de estoques e não realiza esta prévia análise, as economias geradas pelas compras de lotes maiores podem ser coberta por custos maiores na manutenção destes estoques. Por fim, entendemos que a gestão de estoques é o planejamento do estoque,
  • 6. 6 seu controle e sua retroalimentação sobre o planejamento. O mesmo, consiste na determinação dos valores que o estoque terá com o correr do tempo, bem como na determinação das datas de entrada e saída dos materiais do estoque e na determinação dos pontos de pedido de material. 2.2.1 FUNÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUES Uma má gestão no estoque acarretaria em inúmeros prejuízos à empresa. Dentre eles elevação do cancelamento de pedidos, parada de produção por falta de matérias, falta de espaço para armazenamento, quantidades maiores de estoque enquanto a produção permanece constante, e assim vai. Portanto, sua existência em meio ao planejamento do controle de estoque torna-se essencial. A gestão age como protetora do aumento dos preços é quem incentiva as economias na produção e mais, é a gestão quem protege as empresas das incertezas na demanda e no tempo de reabastecimento do estoque. Sendo suas principais funções:  Determinar “o que” manter em estoque;  Determinar quando reabastecer;  Determinar quanto requisitar;  Acionar o processo de reabastecimento;  Receber, estocar e suprir os materiais conforme requerido pelos usuários;  Realizar saneamento do estoque. As possíveis variáveis da Gestão de Estoque podem direta ou indiretamente afetar a uma Organização. É necessário gerir as tarefas do dia-a-dia, ou seja, o responsável dentro desta organização fica encarregado de controlar as possíveis necessidades dos clientes, a reposição do estoque e assim a saída deste determinado produto.Para estabelecer os níveis desejados de estoques, é imprescindível ter uma noção em relação à previsão das vendas. Dependendo do montante que a empresa programa
  • 7. 7 2.2.2 PRINCIPAIS ERROS NO GERENCIAMENTO DO ESTOQUE Estoque não é custo, é dinheiro. Deve ser classificado no ativo, ou seja, entre as aplicações feitas pela empresa, não como uma despesa. Gerenciar de maneira eficiente o estoque significa otimizar os investimentos. Não é a compra dos produtos em si, mas a má gestão deles que podem gerar diversas despesas desnecessárias. Podem ser diversos os erros de gerenciamento e manutenção de estoques, eles dependem da natureza de cada negócio. Segue abaixo as falhas mais comuns:  AQUISIÇÃO DE ESTOQUES ACIMA OU ABAIXO DO NECESSÁRIO: é muito importante para todo empreendedor saber exatamente o quanto precisa comprar para atender sua demanda. As mercadorias excedentes são sempre um custo, já que a maioria delas sofrem depreciação com o tempo até se tornarem obsoletas, além do risco de serem danificadas no local de armazenamento. No caso de produtos alimentícios, por exemplo, o problema é ainda mais grave, já que eles têm curto prazo de validade e não poderão mais ser vendidos. Por outro lado, o conservadorismo também pode ser um erro, já que a carência de estoques atingirá diretamente o quadro de vendas, muitas vezes passando a falsa impressão de que aquele produto é pouco procurado em estudos posteriores. Nas fases iniciais da empresa, o ideal é que seja realizada uma gerência de acompanhamento para identificar os itens mais procurados. A partir daí, a análise de vendas deve ser acompanhada a cada mês, para saber como está o ritmo do mercado.  NÃO UTILIZAÇÃO SOFTWARE PARA REALIZAR O GERENCIAMENTO DO ESTOQUE: Sim, é possível gerenciar todos os movimentos de entrada e saída de mercadorias na ponta do lápis ou até mesmo em planilhas montada por você no computador. O que acontece na prática, porém, é que no meio das tarefas rotineiras, a administração acaba não dando a atenção necessária para o controle do estoque, procedimento que, se feito manualmente, tomará muito tempo.
  • 8. 8 Hoje, as tecnologias estão cada vez mais baratas e acessíveis. Além de gerenciar o estoque, ferramentas online podem auxiliar nos fluxos de caixa e até na emissão de notas ficais.  NÃO DESCREVER E IDENTIFICAR OS ITENS DO ESTOQUE: Azul, preto, vermelho, pequeno, médio, grande. Descrever os produtos é uma tarefa aparentemente supérflua, mas não se engane. A identificação de cada item no estoque tem diversas finalidades, que vão desde a correta aquisição dos mais vendidos “a cadeira vermelha, da mesma marca que a azul, pode ser mais procurada” até a realização de um cadastramento correto dos itens estocados, evitando duplicidade. Quanto mais informações tiverem, mais fácil será para o gestor compreender como funciona o seu mercado e sua empresa.  PENSAR EM VALORES E NÃO NO TEMPO MÉDIO DE ESTOCAGEM: Muitas vezes, os números podem ser traiçoeiros para o empreendedor. Ao pegar as planilhas da sua empresa em um certo momento, por exemplo, um gestor pode verificar que a soma do item A está avaliada em R$ 1.000,00 e a do item B está avaliada em R$ 5.000,00. Após 5 dias, ele é surpreendido ao perceber que o item B está esgotado, enquanto ainda há R$ 200,00 reais em estoque do item A. Quando o gestor já domina o seu mercado, ele deve pensar no tempo que os itens costumam ficar estocados, não só nos seus valores, evitando assim surpresas desagradáveis. 2.3CONTROLE DE ESTOQUE O Controle de estoques é o procedimento adotado para registrar, fiscalizar e gerir a entrada e saída de mercadorias e produtos numa, seja numa indústria ou no comércio. O controle de estoque deve ser utilizado tanto para matéria prima, mercadorias produzidas e/ou mercadorias vendidas. O Controle de estoques exerce influencia muito grande na rentabilidade da empresa. Os estoques absorvem capital que poderia estar sendo investido de outras maneiras, desviam fundos de outros usos potenciais e tem o mesmo custo de capital que qualquer outro projeto de investimento da empresa.Sendo um importante papel na fase administrativa, pois através desse estoque e que e
  • 9. 9 possível saber o quanto se pode comprar o que comprar para não chegar ao desperdício de matérias ou ate mesmo da falta de material em estoque. O objetivo do controle de estoque é também financeiro, pois a manutenção de estoques é cara e o gerenciamento do estoque deve permitir que o capital investido seja minimizado. Ao mesmo tempo, não é possível para uma empresa trabalhar sem estoque. Portanto, um bom controle de estoque passa primeiramente pelo planejamento desse estoque. De forma semelhante, os níveis dos estoques estão sujeitos á velocidade da demanda. Se a constância da procura sobre o material for maior que o tempo de ressuprimento, ou estas providências não forem tomadas em tempo oportuno, a fim de evitar a interrupção do fluxo de reabastecimento, teremos a situação de ruptura ou de esvaziamento do seu estoque, com prejuízos visíveis para a produção, manutenção, vendas etc. 2.4AVALIAÇÃO DO ESTOQUE A maioria das empresas chegam á falência por imobilizar elevadas somas de capital em estoques, faltando-lhes recursos financeiros para capital de giro. Uma atividade importante dentro do conjunto da gestão de estoque é prever o valor do estoque em intervalo de tempo adequado e gerenciá-lo, comparando-o com o planejado, e tomar as devidas ações quando houver desvios de rota. Os fatores que justificam a avaliação de estoque são:  Assegurar que o capital imobilizado em estoques seja o mínimo possível;  Assegurar que estejam de acordo com a política da empresa;  Garantir que a valorização do estoque reflita exatamente seu conteúdo;  O valor desse capital seja uma ferramenta de tomada de decisão;  Evitar desperdícios como obsolescência, roubos, extravios etc.  Portanto, torna-se imperiosa uma perfeita avaliação financeira do estoque para proporcionar informações exatas e atualizadas das matérias-primas e produtos em estoques sob-responsabilidade da empresa.
  • 10. 10 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o aprimoramento da gestão de estoques e implementação de sistemas de informações necessários, a distribuidora KALB visa viabilizar a a compra somente de sua demanda necessária, diminuindo a chances de prejuízos com armazenamento de produtos vencidos e aumentar sua variedade de produtos em busca de novos clientes e satisfação dos atuais.
  • 11. 11 4. Anexo 4.1 ORGANOGRAMA DAS ENTRADAS NO ESTOQUE Imagem 1 – Disponível em: <http://p1engenharia.com.br/projetos.php> Acesso em 14/11/2014
  • 12. 12 5. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS COELHO, Leandro Callegari. O que é Gestão de estoque. Disponível em < http://www.logisticadescomplicada.com/o-que-e-gestao-de-estoques/> Acesso em 17/11/2014. DIAS, Marco Aurélio P.Administração de Matérias. 4° Edição. São Paulo: Editora Atlas S. A., 1995. SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart, HARLAND, Christine, HARRISON, Alan, JOHNSTON, Robert. Administração da Produção, São Paulo – SP: Editora Atlas S.A., 1997. SPEKMAM, R. SWEENEY. Sistemas básicos de controle de estoques. 2 ed. São Paulo, Atlas, 2006.
  • 13. 13 6. FOTOS DO GRUPO 6.1Andréia Felix de Lima 6.2Kamilla Lima Costa