SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 92
De acordo com a Federação Internacional das
Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente
Vermelho, define-se os primeiros socorros como a
prestação e assistência médica imediata a uma
pessoa ou ferida até à chegada de ajuda
profissional. Centra-se não só no dano físico ou de
doença, mas também no atendimento inicial,
incluindo o apoio psicológico para pessoas que
sofrem emocionalmente devido a vivência ou
testemunho de um evento traumático.
Diversas situações podem precisar de primeiros
socorros. As situações mais comuns são
atendimento de vítimas de acidentes
automobilísticos, atropelamentos, incêndios,
tumultos, afogamentos, catástrofes naturais,
acidentes industriais, tiroteios ou atendimento de
pessoas que passem mal,apoplexia (ataque
cardíaco), ataques epilépticos, convulsões, etc. Tão
importante quanto os próprios primeiros socorros é
providenciar o atendimento especializado. Ao
informar as autoridades, deve-se ser direto e
preciso sobre as condições da(s) vítima(s) e o local
da ocorrência.
Definição
• Os primeiros socorros referem-se ao atendimento temporário
e imediato de uma pessoa que está ferida ou adoeceu
repentinamente. Também podem envolver o atendimento em
casa quando não se pode ter acesso a uma equipe de resgate
ou quando técnicos em emergência médica (TEM) não
chegam. Trata-se de procedimentos de emergência, os quais
devem ser aplicados a vítimas de acidentes, mal súbito ou em
perigo de vida, com o intuito de manter sinais vitais. Os
procedimentos não substituem o médico, a enfermeira ou a
equipe técnica. Na verdade, um dos principais fundamentos
dos primeiros socorros é a obtenção de assistência médica
em todos os casos de lesão grave. O socorro tende a ser
prestado sempre que a vítima não tem condições de cuidar
de si própria, recebendo um primeiro atendimento e logo
acionando-se o atendimento especializado.
O QUE FAZER EM CASO DE
AFOGAMENTO
Se a pessoa estiver consciente, providencie
algum tipo e aquecimento, como cobertores
ou um banho quente.
Se ela estiver inconsciente, chame o resgate e inicie
os procedimentos de respiração boca a boca. Se
houver parada cardíaca, alterna com manobras de
reanimação.
O que fazer em caso de AVC/derrame
Em caso de suspeita de Acidente Vascular Cerebral
(AVC ou derrame cerebral), leve o paciente
imediatamente para um hospital. Não perca tempo
esperando uma ambulância, utilize qualquer meio
de transporte rápido: carro, táxi ou viatura policial.
Caso suspeite que você mesmo esteja sofrendo um
AVC e não haja ninguém para te ajudar, não tente
dirigir sozinho até o hospital. Mesmo que os
sintomas ainda sejam discretos, procure uma
carona, táxi ou peça ajuda a uma viatura policial. Só
tente ir ao hospital sozinho se não houver nenhuma
outra possibilidade de obter ajuda
Os principais sintomas dos AVCs, são os seguintes:
paralisia, insensibilidade ou formigamento em um
dos lados da face ou do corpo (a boca pode ficar
torta, a pálpebra de um dos olhos pode cair e a
visão ficar dupla ou embaçada); incapacidade de
falar ou a fala pastosa, como a dos bêbados;
dificuldade para entender o que os outros falam ou
para executar raciocínios intelectuais simples. Além
disso, sintomas mais genéricos que podem aparecer
são tonturas, dores de cabeça, fraqueza, náuseas,
vômitos e desmaio.
O que fazer em caso de choque
elétrico
Interrompa imediatamente o contato da pessoa com
a fonte elétrica sem tocar diretamente na vítima, ou
seja: desligue a chave-geral ou afaste a pessoa com
o auxílio de um material não condutor, como panos
secos, borracha ou madeira.
Verifique se a pessoa respira, se consegue se
movimentar ou emitir algum som. Se estiver em
dúvida, realize uma reanimação cardíaca na vítima.
O que fazer em caso de corpos estranhos
no nariz
Comprima a narina desobstruída com um dedo e
assoe bem forte pela narina obstruída. Repita o
processo até expelir o objeto.
Se mesmo assim não for possível retirar o corpo
estranho, não tente utilizar pinças ou outros
instrumentos. Procure ajuda médica.
O que fazer em caso de corpos estranhos
nos olhos
Lave os olhos com água em abundância, mas evite
coçá-los ou esfregá-los. Movimentos bruscos nessa
região podem causar lesões. Se o problema
persistir, procure ajuda médica.
O que fazer em caso de corpos estranhos
no ouvido
Não tente tirar o corpo estranho utilizando pinças, palitos ou
agulhas. Esses instrumentos pode causar sérios danos,
como perfuração do tímpano e perda auditiva. Leve a
pessoa para um pronto-socorro ou hospital tomando
cuidado para não movimentar muito a região.
O que fazer em caso de cortes superficiais
com facas
Lave as mãos com água e sabão. Coloque a pessoa
ferida deitada e mantenha o membro machucado
em posição mais elevada que o resto do corpo.
Pressione a região ferida com um pano limpo ou
gaze até estancar o sangue, o que leva no máximo
10 minutos. Procure atendimento médico, pois
pode haver necessidade de levar pontos.
O que fazer em caso de cortes muito
profundos com sangramento
abundante
Leve a vítima para o hospital ou chame socorro. Antes
de chegar ao hospital ou enquanto aguarda socorro,
comprima a região ferida com gaze ou pano limpo
para ajudar a estancar o sangue. Mantenha a região
atingida mais elevada do que o resto do corpo.
O que fazer em caso de cortes profundos
Lave as mãos com água e sabão antes de mexer no
ferimento. Coloque a pessoa ferida deitada e
mantenha o membro machucado em posição mais
elevada do que o corpo. Pressione a região ferida
com um pano limpo ou gaze até estancar. O
procedimento deve levar no máximo 10 minutos.
JAMAIS FAÇA TORNIQUETES (TAMBÉM CHAMADOS
DE GARROTES) NOS BRAÇOS OU PERNAS.
Caso você esteja envolvido no acidente e sua pele
também esteja ferida, a própria vítima deve
pressionar o ferimento sozinha, para evitar a
contaminação de ambos. Se ela não conseguir
pressionar o próprio corte, providencie uma luva ou
improvise material de proteção para evitar o
contato entre o sangue da vítima e o seu ferimento.
Mesmo com o sangue estancado, procure
atendimento médico. Há casos em que é necessário
levar pontos.
O que fazer em caso de cortes superficiais
e esfoladuras
Antes de examinar o local, lave as mãos com água e
sabão. Se o corte ainda estiver sangrando, pegue
uma gaza ou um pano limpo e comprima o local.
Lave o ferimento com água e sabão e retire a sujeira
da região com cuidado para não traumatizar o local.
Não aplique pomadas ou antissépticos e muito
menos utilize algodão para limpar a ferida, porque
ele pode grudar na pele
Se a ferida tiver entrado em contato com objetos
enferrujados ou sujos de terra, procure
atendimento médico para saber se há necessidade
de receber reforço da vacina antitetânica. Será
preciso procurar um médico caso surja
vermelhidão, dor, inchaço ou pus na ferida. Esses
sintomas podem ser sinal de infecção.
O que fazer em caso de
engasgamento em bebês e crianças
pequenas
Sentado, coloque a criança de bruços de comprido sobre uma
de suas coxas, com as pernas voltadas para sua barriga e a
cabeça levemente inclinada para baixo, um pouco à frente
do seu joelho.
Use um dos seus braços para apoiá-la sobre sua coxa
e com a mão desse mesmo braço segure o queixo
da criança.
Com a outra mão, comprima firmemente as costas da
criança, na altura entre as costelas. Repita a
manobra 5 vezes seguidas (contar em ritmo: 1 – 2 –
3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa... (contar de novo 1
– 2 – 3 – 4 – 5).
Se não funcionar, tente esta outra manobra: sentado,
apoie a criança em um de seus braços como na
técnica anterior, mas de modo que ela fique de
barriga pra cima.
Com a mão do mesmo braço, segure a cabecinha da
criança um pouco abaixo do nível do corpo.
Com dois dedos da outra mão, comprima firmemente o tórax
logo abaixo da linha imaginária que liga os mamilos. Faça 5
compressões firmes seguidas. (contar em ritmo: 1 – 2 – 3 –
4 – 5). Dê uma breve pausa... (contar de novo: 1 – 2 – 3 – 4
– 5). Se nada funcionar e houver parada cardiorrespiratória,
chame a emergência e, enquanto aguarda socorro, faça
respiração boca a boca.
O que fazer em caso de engasgamento
com vítima consciente
Segure a pessoa por trás, passando seus braços em
torno da cintura da vítima, de maneira que as suas
mãos se encontrem na altura do umbigo dela.
Feche uma das mãos e apoie-a logo acima do umbigo
da vítima bem firme.
Use a outra mão para manter o punho fixo no local
Comprima o abdômen rápida e fortemente de baixo
para cima, em sequências de 5 vezes seguidas.
(contar em ritmo 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve
pausa e conte de novo.
O que fazer em caso de vítima
inconsciente (socorrista consegue erguê-
la)
Deite a pessoa no chão de barriga para cima e tente enxergar
o que está causando o engasgo. Se conseguir visualizar,
retire o objeto cuidadosamente com os dedos.
Se não conseguir enxergar, não tente encontrar o
objeto nem coloque a mão dentro da boca da
vítima.
Sente-se em uma cadeira e coloque uma almofada ou
travesseiro sobre os joelhos
Coloque a pessoa de bruços no seu colo, com o
abdômen e o tórax apoiados na almofada e a
cabeça para baixo.
Faça 5 compressões fortes e em seguida apoiando-se
nas costas da vítima, usando seus braços e o peso
do seu corpo para comprimir o abdômen da vítima
contra o seu colo.
O que fazer em caso de engasgamento
com vítima inconsciente (socorrista não
consegue erguê-la)
Deite a pessoa no chão de barriga para cima e tente enxergar
o que está causando o engasgo. Se conseguir visualizar,
retire o objeto cuidadosamente com os dedos.
Se não conseguir enxergar, não tente encontrar o
objeto nem coloque a mão dentro da boca da
vítima
Mantenha a pessoa deitada no chão e fique por cima
dela, apoiando seus joelhos um em cada lado do
corpo do socorrido, sem se sentar sobre ele, é
lógico.
Apoie suas mãos abertas uma sobre a outra na região
acima do umbigo da vítima.
Comprima o abdômen de maneira rápida e forte, de
baixo para cima, 5 vezes seguidas. (contar em ritmo:
1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa e conte de
novo.
Se não funcionar
Deite a pessoa de lado. Agache-se perto da vítima e
coloque um dos seus joelhos dobrado na região
acima do umbigo.
Posicione suas mãos nas costas da vítima na mesma
altura em que está o seu joelho.
Feche uma das mãos e apoie-a firmemente contra as
costas da vítima. Para dar mais firmeza, use a outra
mão para segurar o punho fechado.
Faça 5 compressões fortes e seguidas, de modo que o
abdômen dela seja pressionado contra seu joelho.
(contar em ritmo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve
pausa e conte de novo.
O que fazer em caso de fratura na coluna
Nessa situação, só se deve movimentar a vítima se for mais
arriscado deixá-la no local, como no caso de um incêndio.
Se ela estiver com a coluna curvada ou deformada, jamais
tente colocá-la no lugar. O melhor a se fazer nessas horas é
chamar o resgate, orientando a pessoa para que não se
mexa em hipótese nenhuma.
Se precisar retirá-la do local, mantenha a calma e não
faça movimentos bruscos na vítima. Prossiga com
os próximos passos somente se conseguir
improvisar uma maca com material rígido e de
superfície lisa, como uma porta ou uma tábua de
madeira.
Coloque a maca improvisada no chão, bem ao lado da
vítima. Nunca use lonas nem improvise padiolas
com cobertores e lençóis, porque a coluna ficará
arqueada e poderá sofrer lesões que causem
paralisia irreversível ou levem à morte.
O ideal nesse momento é contar com a ajuda de mais duas ou
três pessoas. Cada uma deve se ajoelhar ao lado da vítima,
onde não esteja a maca. ATENÇÃO: DURANTE TODO O
PROCESSO, O MAIS IMPORTANTE É MANTER O
ALINHAMENTO ENTRE A CABEÇA, O PESCOÇO E O CORPO.
Qualquer movimento que interfira nessa posição pode
causar sequelas graves.
Um socorrista fica encarregado da cabeça, pescoço e ombro.
O braço do socorrista deve passar por trás do pescoço da
vítima, deixando cabeça e pescoço apoiados no antebraço.
Nessa posição ele consegue segurar o ombro da vítima. O
outro braço deve passar por baixo das costas, segurando
firmemente o braço da pessoa do outro lado.
Outro socorrista deve passar seus braços pela região
lombar e pela região entre as nádegas e as coxas. Se
houver um terceiro socorrista, ele deve passar os
braços pela região posterior dos joelhos e pela
batata da perna.
O ideal é que consiga ajuda de uma quarta pessoa. Nesse
caso, deve-se erguer a vítima firmemente, mas com
cuidado e todos ao mesmo tempo, levantando-a apenas o
suficiente para que o quarto socorrista escorregue a maca
improvisada para baixo da vítima. Se não houver esse
quarto socorrista, os três devem passar a pessoa para maca
movimentando-a o mínimo possível, sempre lembrando de
manter o alinhamento da cabeça com o pescoço e o corpo.
Lentamente, coloque a pessoa na maca improvisada.
Se possível, prenda o corpo dela à maca com tiras
de tecido. Passe as tiras na altura da testa, dos
ombros, da bacia e das pernas. Carregue a maca
com a ajuda de uma ou mais pessoas, com calma e
sem movimentos bruscos.
O ideal é somente retirar a vítima do local de risco e aguardar
o resgate. Se você tiver que levar a maca ao hospital com o
seu próprio veículo, preste atenção: a maca só pode ser
colocada em um automóvel se for possível acomodá-la em
realizar movimentos bruscos e se uma pessoa puder ir
junto com a maca, para garantir a estabilidade e controlar o
estado da vítima no caminho.
O motorista deve manter a calma e dirigir com
cuidado, sem fazer curvas em alta velocidade ou
paradas bruscas
O que fazer em caso de fratura nas mãos,
braços ou ombros
Jamais tente colocar os ossos deslocados no lugar.
Pressione as pontas dos dedos umas contra as outras
e observe se o sangue demora para voltar a circular.
Se demorar muito, chame o resgate imediatamente.
Caso o sangue volte a circular normalmente, imobilize
o antebraço com uma tala improvisada, que pode
ser feita com um pedaço de madeira amarrado com
jornal ou tiras de pano. A madeira deve ser
suficiente para apoiar todo o braço.
Se a suspeita de fratura for na mão, faça a
imobilização com os dedos levemente dobrados,
nunca esticados.
Durante o processo, se possível, use uma bolsa de
gelo para aliviar a dor e diminuir o inchaço. Quando
o gelo começar a causar queimação, retire-o até o
incômodo passar e volte a aplicá-lo.
Improvise uma tipoia com um pedaço de tecido, tipo
um pano de prato. Dobre o tecido e apoie o braço
da vítima dentro, amarrando as duas pontas por
trás do pescoço.
Ajuste a tipoia de forma que o braço fique na altura
do coração e procure atendimento médico
O que fazer em caso de fratura no pé
Procure atendimento médico o quanto antes.não mexa no pé
da vítima. Se ela estiver com meia ou sapato, não tire. Se
você precisar deslocar a pessoa, coloque a perna dela sobre
o centro de um cobertor ou toalha e enrole as
extremidades, formando dois rolinhos acolchoados ao
redor da perna de forma a imobilizá-la.
Use três tiras de tecido (pode ser um pano de prato)
para amarrar a tala improvisada. Coloque uma tira
na ponta do pé, uma no tornozelo e outra na
canela. Aguarde o socorro ou leve a pessoa para o
hospital, movimentando a região o mínimo
possível.
O que fazer em caso de fratura na perna
ou coxa
Deite a vítima. Em seguida, faça rolos com toalhas ou
cobertores e acomode-os entre as pernas dela.
Com cinco pedaços de pano imobilize as duas pernas
apoiadas nos rolos situados no meio. Amarre os tornozelos,
a parte superior das canelas, os joelhos e a parte inferior e
superior das coxas. Procure dar os nós de modo que
fiquem sobre os rolos na parte central, para não machucar
a pele, mas não aperte demais. Feito isso, procure
atendimento médico.
O que fazer em caso de infarto
Antes de mais nada, dê dois comprimido de ácido
acetilsalicílico infantil para a pessoa. Se ela for
alérgica, passe para a próxima etapa. Leve a pessoa
o mais rápido possível para um pronto-socorro ou
hospital. Se não tiver como transportá-lo, chame
socorro imediatamente. Enquanto aguarda, afrouxe
as roupas do socorrido. Tente mantê-lo calmo, mas
não ofereça nenhum calmante e muito menos
bebidas alcoólicas.
É importante não deixá-lo fazer qualquer esforço,
como andar, agachar-se, subir ou descer degraus. O
ideal é que fique deitado em local arejado e
confortável. Quando há parada cardíaca, a pessoa
não respira e não responde, chame socorro
imediatamente. Jamais tente transportar uma
pessoa em parada cardíaca. Em seguida comece a
massagem cardíaca.
Reanimação cardíaca
Ajoelhe-se ao lado da pessoa, altura dos ombros dela.
Com seus braços esticados, apoie uma mão em cima
da outra sobre o tórax dela, no centro da linha
imaginária que liga os mamilos.
Usando o peso dos eu corpo, faça 30 compressões
firmes.
Faça respiração boca a boca conforme as instruções a
seguir e repita a sequência até o resgate chegar.
Respiração boca – a – boca
Deite a pessoa de barriga para cima em uma
superfície firme.
Tampe o nariz dela com a mão e sopre o ar dentro da
boca duas vezes. Fique atento para o tórax da
pessoa: se ele elevou, como quando inspiramos,
significa que a manobra está correta.
Continue repetindo as sequências de duas sopradas
seguidas com um breve intervalo entre elas até que
chegue o socorro. Se não se sentir confortável para
fazer respiração boca a boca, faça apenas as
compressões, você já estará ajudando.
O que fazer em caso de insolação
Tire a roupa do socorrido. Leve-o a um hospital ou
chame socorro. Resfrie o corpo da pessoa usando
compressas de água fria. Se for aguardar socorro,
você pode usar ventiladores ou, a melhor opção,
deixá-la imersa na água fria. Atenção: a água deve
ser fria, não gelada, porque a temperatura muito
baixa pode queimar o corpo da pessoa. É
importante lembrar quem nem todas as pessoas
com insolação estão desidratadas. Por isso, evite
dar água em excesso
O que fazer em caso de torções e
estiramentos
Coloque gelo em uma bolsa térmica ou saco plástico e
aplique sobre a região afetada, protegendo o local
com um pano fino para evitar queimaduras.
Mantenha a compressa por 15 ou 20 minutos. Se a
pele ficar pálida, adormecida ou com
formigamento, retire a compressa, espere alguns
minutos e reinicie o processo. Repita a técnica a
cada 2 horas por várias dias, até a dor e o inchaço
sumirem.
Não utilize compressas quentes. O calor aumenta o
fluxo de sangue e pode agravar o sangramento,
aumento o inchaço e a inflamação. Compressas
quentes só devem ser aplicadas depois que o
inchaço tiver desaparecido completamente. Proteja
o local lesado com uma faixa ou bandagem.
Comprima a área, mas não aperte muito forte para
não dificultar a circulação. Faça repouso, mas não
absoluto. É importante se movimentar um pouco
para evitar que os músculos enfraqueçam e as
articulações percam a elasticidade. Se necessário,
use muletas, bengala ou andador, mas não exagere.
A atividade física intensa pode aumentar a dor ou o
inchaço.
Ao se deitar, tente manter o membro lesionado
elevado em posição mais alta que o coração. Anti-
inflamatórios podem ser eficazes para reduzir a dor,
mas não são recomendados para pessoas que
sofrem de diabetes, insuficiência renal, gastrite e
úlcera duodenal. Nesses casos, é mais seguro optar
por dipirona ou paracetamol.
O que fazer em caso de intoxicação e
alergias por agrotóxicos
Se o caos for de ingestão acidental do agrotóxico
puro, procure atendimento médico imediatamente.
São raros os casos de emergência por ingestão de
agrotóxicos residuais em alimentos. Se estiver em
dúvida, chame o resgate e descreva o caso com
calma
O que fazer no caso de intoxicação e
alergia por água sanitária
Se houver contato com os olhos ou com a pele, leve a
região com água corrente por pelo menos 10
minutos. Se a pessoa engoliu, ofereça água pura ou
azeite para ela beber. Os primeiros socorros são
muito importantes, mas não descartam o parecer
de um profissional. Antes de tudo, procure um
atendimento médico.
O que fazer em caso de intoxicação e
alergia alimentar
Dê a vítima um comprimido antialérgico
imediatamente e procure atendimento médico.
O que fazer em caso de intoxicação e
alergia por gasolina
Nunca tente provocar vômitos, isso pode agravar o
quadro! Leve a pessoa para um ambiente arejado
enquanto providencia o transporte até um pronto –
socorro ou peça atendimento.
O que fazer no caso de intoxicação ou
alergia por mandioca - brava
A pessoa deve ser levada imediatamente para um
hospital. Se não for possível chame o resgate.
Informe o serviço de emergência que se trata da
ingestão de mandioca – brava, pois essa intoxicação
libera cianeto, substância que pode levar à morte.
Enquanto aguarda atendimento, não tente nenhum
tipo de tratamento caseiro.
O que fazer no caso de intoxicação e
alergia por paracetamol
Se souber quantos comprimidos foram ingeridos,
guarde o número para informar o médico. Em
seguida, induza o vômito e, se possível, adquira em
uma farmácia um envelope de N- acetilcisteína.
Dissolva o conteúdo em água e dê para a pessoa
beber. Leve-a ao hospital ou chame o resgate.
O que fazer no caso de intoxicação e
alergia por querosene
Não tente provocar vômitos! O querosene pode
ir para os pulmões e causar complicações
ainda piores. Leve a pessoa imediatamente ao
hospital.
O que fazer no caso de intoxicação e
alergia por sabonetes, perfumes e
desodorantes
Leve a pessoa ao hospital imediatamente. No
caminho ou enquanto espera o resgate, dê
água pura e analgésicos comuns, como
paracetamol ou dipirona. Em caso de contato
com os olhos, lave-os com água corrente por
pelo menos 5 minutos.
O que fazer no caso de intoxicação e
alergia por soda caustica e derivados de
amônia
Caso o produto tenha sido inalado, mantenha a
pessoa em um local bem ventilado enquanto
providencia o transporte até o hospital. Se houver
contato com a pele, lave a área atingida com água
corrente por no mínimo 10 minutos. No caminho
até o hospital ou enquanto aguarda socorro, dê
sucos cítricos, como de laranja ou limão, mas jamais
provoque vômito. Isso pode prejudicar ainda mais o
estado da pessoa.
O que fazer no caso de queimaduras de 1º
grau
Deixe o local da queimadura embaixo da água fria
durante 5 minutos. Se a área for extensa, utilize um
chuveiro. Seque cuidadosamente a região com uma
toalha macia, mas sem esfregar. Tome analgésicos
comuns, como dipirona e paracetamol, para aliviar
o incômodo. Se a dor for mais forte, use anti-
inflamatórios, mas jamais coloque pomadas, pasta
de dente, manteiga, pó de café ou qualquer outro
produto sobre a queimadura. Além de grudar na
pele, eles podem causar alergia e agravar o estado.
O que fazer no caso de queimaduras de 2º
grau
O tratamento é simples: coloque o local da queimadura
embaixo da água fria durante 5 minutos. Se a área for
grande, entre no chuveiro e permaneça também por 5
minutos. Se as bolhas estiverem intactas, cubra a área
queimada com gaze ou um pano limpo. Caso as bolhas
se rompam, passe vaselina na parte do pano que ficará
em contato com a queimadura, para evitar que o
ferimento grude no tecido. Os curativos devem ser
trocados diariamente após o banho. Jamais coloque
pomadas, pasta de dente, manteiga, pó de café ou
qualquer outra substância sobre a queimadura. Além
de grudar na pele, elas podem causar alergia e piorar o
quadro. Não estoure as bolhas! Os germes da pele
podem infeccionar a região exposta.
O que fazer no caso de queimaduras de 3º
grau
A queimadura deve ser colocada sob a água fria
durante 5 minutos. Se a área for grande, utilize o
chuveiro. Cubra a região com um pano limpo e leve
a pessoa a um pronto – socorro imediatamente.
Lembre-se jamais coloque pomadas, pasta de
dente, manteiga, pó de café ou qualquer outra
substância sobre a queimadura. Além de grudar na
pele, elas podem causar alergia e agravar o quadro.
Atenção
Caso a queimadura tenha atingido uma área extensa
do corpo ou do rosto, pescoço ou tórax, leve a
pessoa para um pronto socorro imediatamente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVemanueltstegeon
 
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSO
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSOPRIMEIROS SOCORROS PRO CURSO
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSOKaymir Freitas
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorrosguest5a4e95d
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAna Hollanders
 
Apresentação primeiros socorros
Apresentação primeiros socorrosApresentação primeiros socorros
Apresentação primeiros socorrosruy vicente Santos
 
Aula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosAula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosGizele Lima
 
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointSusana Cardoso
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosRocha Neto
 
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim Hitalo Vieira
 
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSRobson Peixoto
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosOberlania Alves
 
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4 omissao de socorro
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4   omissao de socorroPUCPR Aspectos Legais - Aula 4   omissao de socorro
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4 omissao de socorroalcindoneto
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaNilton Goulart
 

Mais procurados (20)

Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Primeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IVPrimeiros Socorros Modulo IV
Primeiros Socorros Modulo IV
 
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSO
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSOPRIMEIROS SOCORROS PRO CURSO
PRIMEIROS SOCORROS PRO CURSO
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Treinamento primeiros socorros
Treinamento primeiros socorros Treinamento primeiros socorros
Treinamento primeiros socorros
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Atendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicosAtendimento em primeiros socorros basicos
Atendimento em primeiros socorros basicos
 
Apresentação primeiros socorros
Apresentação primeiros socorrosApresentação primeiros socorros
Apresentação primeiros socorros
 
cartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdfcartilha-convulsao-novo.pdf
cartilha-convulsao-novo.pdf
 
Aula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosAula primeiros socorros
Aula primeiros socorros
 
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpointUnidade 14 primeiros socorros powerpoint
Unidade 14 primeiros socorros powerpoint
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
Primeiros socorros Profª Enfª Tarcila Amorim
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
 
Engasgamento
EngasgamentoEngasgamento
Engasgamento
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4 omissao de socorro
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4   omissao de socorroPUCPR Aspectos Legais - Aula 4   omissao de socorro
PUCPR Aspectos Legais - Aula 4 omissao de socorro
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 

Semelhante a Primeiros socorros

CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxCARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxAlexandreAlmeida213
 
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptx
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptxvdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptx
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptxCELEYCOELHODESOUZA
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorrosRita Dias
 
Manual de primeiros socorros
 Manual  de primeiros socorros Manual  de primeiros socorros
Manual de primeiros socorroscristinarocha24
 
Primeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anosPrimeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anosaluisiobraga
 
Primeiros Socorros.docx
Primeiros Socorros.docxPrimeiros Socorros.docx
Primeiros Socorros.docxYanes Souza
 
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdfSilvio Duque
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...claudineilenz1
 
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptx
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptxPRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptx
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptxLayzeSilva2
 
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorroAula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorrorenataldelucena
 
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTILGRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTILFernanda Bueno
 
Manual primeiros socorros
Manual primeiros socorrosManual primeiros socorros
Manual primeiros socorrosAJ Reis
 
CIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VICIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VIMarco Lamim
 

Semelhante a Primeiros socorros (20)

PRIMEIRO SOCORROS
PRIMEIRO SOCORROSPRIMEIRO SOCORROS
PRIMEIRO SOCORROS
 
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxCARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptx
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptxvdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptx
vdocuments.pub_primeiros-socorros-58b24533791d5.pptx
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Manual de primeiros socorros
 Manual  de primeiros socorros Manual  de primeiros socorros
Manual de primeiros socorros
 
49579762 apostila-mod-3
49579762 apostila-mod-349579762 apostila-mod-3
49579762 apostila-mod-3
 
Primeiros Socorros 2
Primeiros Socorros 2Primeiros Socorros 2
Primeiros Socorros 2
 
Primeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anosPrimeiros socorros 1ºs anos
Primeiros socorros 1ºs anos
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
 
Primeiros Socorros.docx
Primeiros Socorros.docxPrimeiros Socorros.docx
Primeiros Socorros.docx
 
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf
23.03 e 30.03_Noções de Primeiros Socorros _Rosana e Thaís_1.pdf
 
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
Projeto-Educação-em-Saúde-nas-Escolas-Programa-Noções-Básicas-de-Primeiros-So...
 
Apres0000158
Apres0000158Apres0000158
Apres0000158
 
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptx
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptxPRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptx
PRIMEIROS SOCORROS RESUMIDO.pptx
 
Suporte básico 1
Suporte básico 1Suporte básico 1
Suporte básico 1
 
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorroAula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
 
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTILGRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
GRANKIDS CENTRO DE EDUCAÇÃO E RECREAÇÃO INFANTIL
 
Manual primeiros socorros
Manual primeiros socorrosManual primeiros socorros
Manual primeiros socorros
 
CIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VICIPA - Modulo VI
CIPA - Modulo VI
 

Último

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 

Último (10)

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 

Primeiros socorros

  • 1.
  • 2. De acordo com a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, define-se os primeiros socorros como a prestação e assistência médica imediata a uma pessoa ou ferida até à chegada de ajuda profissional. Centra-se não só no dano físico ou de doença, mas também no atendimento inicial, incluindo o apoio psicológico para pessoas que sofrem emocionalmente devido a vivência ou testemunho de um evento traumático.
  • 3. Diversas situações podem precisar de primeiros socorros. As situações mais comuns são atendimento de vítimas de acidentes automobilísticos, atropelamentos, incêndios, tumultos, afogamentos, catástrofes naturais, acidentes industriais, tiroteios ou atendimento de pessoas que passem mal,apoplexia (ataque cardíaco), ataques epilépticos, convulsões, etc. Tão importante quanto os próprios primeiros socorros é providenciar o atendimento especializado. Ao informar as autoridades, deve-se ser direto e preciso sobre as condições da(s) vítima(s) e o local da ocorrência.
  • 4. Definição • Os primeiros socorros referem-se ao atendimento temporário e imediato de uma pessoa que está ferida ou adoeceu repentinamente. Também podem envolver o atendimento em casa quando não se pode ter acesso a uma equipe de resgate ou quando técnicos em emergência médica (TEM) não chegam. Trata-se de procedimentos de emergência, os quais devem ser aplicados a vítimas de acidentes, mal súbito ou em perigo de vida, com o intuito de manter sinais vitais. Os procedimentos não substituem o médico, a enfermeira ou a equipe técnica. Na verdade, um dos principais fundamentos dos primeiros socorros é a obtenção de assistência médica em todos os casos de lesão grave. O socorro tende a ser prestado sempre que a vítima não tem condições de cuidar de si própria, recebendo um primeiro atendimento e logo acionando-se o atendimento especializado.
  • 5.
  • 6. O QUE FAZER EM CASO DE AFOGAMENTO Se a pessoa estiver consciente, providencie algum tipo e aquecimento, como cobertores ou um banho quente.
  • 7. Se ela estiver inconsciente, chame o resgate e inicie os procedimentos de respiração boca a boca. Se houver parada cardíaca, alterna com manobras de reanimação.
  • 8. O que fazer em caso de AVC/derrame Em caso de suspeita de Acidente Vascular Cerebral (AVC ou derrame cerebral), leve o paciente imediatamente para um hospital. Não perca tempo esperando uma ambulância, utilize qualquer meio de transporte rápido: carro, táxi ou viatura policial. Caso suspeite que você mesmo esteja sofrendo um AVC e não haja ninguém para te ajudar, não tente dirigir sozinho até o hospital. Mesmo que os sintomas ainda sejam discretos, procure uma carona, táxi ou peça ajuda a uma viatura policial. Só tente ir ao hospital sozinho se não houver nenhuma outra possibilidade de obter ajuda
  • 9. Os principais sintomas dos AVCs, são os seguintes: paralisia, insensibilidade ou formigamento em um dos lados da face ou do corpo (a boca pode ficar torta, a pálpebra de um dos olhos pode cair e a visão ficar dupla ou embaçada); incapacidade de falar ou a fala pastosa, como a dos bêbados; dificuldade para entender o que os outros falam ou para executar raciocínios intelectuais simples. Além disso, sintomas mais genéricos que podem aparecer são tonturas, dores de cabeça, fraqueza, náuseas, vômitos e desmaio.
  • 10. O que fazer em caso de choque elétrico Interrompa imediatamente o contato da pessoa com a fonte elétrica sem tocar diretamente na vítima, ou seja: desligue a chave-geral ou afaste a pessoa com o auxílio de um material não condutor, como panos secos, borracha ou madeira.
  • 11. Verifique se a pessoa respira, se consegue se movimentar ou emitir algum som. Se estiver em dúvida, realize uma reanimação cardíaca na vítima.
  • 12. O que fazer em caso de corpos estranhos no nariz Comprima a narina desobstruída com um dedo e assoe bem forte pela narina obstruída. Repita o processo até expelir o objeto.
  • 13. Se mesmo assim não for possível retirar o corpo estranho, não tente utilizar pinças ou outros instrumentos. Procure ajuda médica.
  • 14. O que fazer em caso de corpos estranhos nos olhos Lave os olhos com água em abundância, mas evite coçá-los ou esfregá-los. Movimentos bruscos nessa região podem causar lesões. Se o problema persistir, procure ajuda médica.
  • 15. O que fazer em caso de corpos estranhos no ouvido Não tente tirar o corpo estranho utilizando pinças, palitos ou agulhas. Esses instrumentos pode causar sérios danos, como perfuração do tímpano e perda auditiva. Leve a pessoa para um pronto-socorro ou hospital tomando cuidado para não movimentar muito a região.
  • 16. O que fazer em caso de cortes superficiais com facas Lave as mãos com água e sabão. Coloque a pessoa ferida deitada e mantenha o membro machucado em posição mais elevada que o resto do corpo. Pressione a região ferida com um pano limpo ou gaze até estancar o sangue, o que leva no máximo 10 minutos. Procure atendimento médico, pois pode haver necessidade de levar pontos.
  • 17. O que fazer em caso de cortes muito profundos com sangramento abundante Leve a vítima para o hospital ou chame socorro. Antes de chegar ao hospital ou enquanto aguarda socorro, comprima a região ferida com gaze ou pano limpo para ajudar a estancar o sangue. Mantenha a região atingida mais elevada do que o resto do corpo.
  • 18. O que fazer em caso de cortes profundos Lave as mãos com água e sabão antes de mexer no ferimento. Coloque a pessoa ferida deitada e mantenha o membro machucado em posição mais elevada do que o corpo. Pressione a região ferida com um pano limpo ou gaze até estancar. O procedimento deve levar no máximo 10 minutos. JAMAIS FAÇA TORNIQUETES (TAMBÉM CHAMADOS DE GARROTES) NOS BRAÇOS OU PERNAS.
  • 19. Caso você esteja envolvido no acidente e sua pele também esteja ferida, a própria vítima deve pressionar o ferimento sozinha, para evitar a contaminação de ambos. Se ela não conseguir pressionar o próprio corte, providencie uma luva ou improvise material de proteção para evitar o contato entre o sangue da vítima e o seu ferimento. Mesmo com o sangue estancado, procure atendimento médico. Há casos em que é necessário levar pontos.
  • 20. O que fazer em caso de cortes superficiais e esfoladuras Antes de examinar o local, lave as mãos com água e sabão. Se o corte ainda estiver sangrando, pegue uma gaza ou um pano limpo e comprima o local. Lave o ferimento com água e sabão e retire a sujeira da região com cuidado para não traumatizar o local. Não aplique pomadas ou antissépticos e muito menos utilize algodão para limpar a ferida, porque ele pode grudar na pele
  • 21. Se a ferida tiver entrado em contato com objetos enferrujados ou sujos de terra, procure atendimento médico para saber se há necessidade de receber reforço da vacina antitetânica. Será preciso procurar um médico caso surja vermelhidão, dor, inchaço ou pus na ferida. Esses sintomas podem ser sinal de infecção.
  • 22. O que fazer em caso de engasgamento em bebês e crianças pequenas Sentado, coloque a criança de bruços de comprido sobre uma de suas coxas, com as pernas voltadas para sua barriga e a cabeça levemente inclinada para baixo, um pouco à frente do seu joelho.
  • 23. Use um dos seus braços para apoiá-la sobre sua coxa e com a mão desse mesmo braço segure o queixo da criança.
  • 24. Com a outra mão, comprima firmemente as costas da criança, na altura entre as costelas. Repita a manobra 5 vezes seguidas (contar em ritmo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa... (contar de novo 1 – 2 – 3 – 4 – 5).
  • 25. Se não funcionar, tente esta outra manobra: sentado, apoie a criança em um de seus braços como na técnica anterior, mas de modo que ela fique de barriga pra cima.
  • 26. Com a mão do mesmo braço, segure a cabecinha da criança um pouco abaixo do nível do corpo.
  • 27. Com dois dedos da outra mão, comprima firmemente o tórax logo abaixo da linha imaginária que liga os mamilos. Faça 5 compressões firmes seguidas. (contar em ritmo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa... (contar de novo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Se nada funcionar e houver parada cardiorrespiratória, chame a emergência e, enquanto aguarda socorro, faça respiração boca a boca.
  • 28. O que fazer em caso de engasgamento com vítima consciente Segure a pessoa por trás, passando seus braços em torno da cintura da vítima, de maneira que as suas mãos se encontrem na altura do umbigo dela.
  • 29. Feche uma das mãos e apoie-a logo acima do umbigo da vítima bem firme.
  • 30. Use a outra mão para manter o punho fixo no local
  • 31. Comprima o abdômen rápida e fortemente de baixo para cima, em sequências de 5 vezes seguidas. (contar em ritmo 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa e conte de novo.
  • 32. O que fazer em caso de vítima inconsciente (socorrista consegue erguê- la) Deite a pessoa no chão de barriga para cima e tente enxergar o que está causando o engasgo. Se conseguir visualizar, retire o objeto cuidadosamente com os dedos.
  • 33. Se não conseguir enxergar, não tente encontrar o objeto nem coloque a mão dentro da boca da vítima.
  • 34. Sente-se em uma cadeira e coloque uma almofada ou travesseiro sobre os joelhos
  • 35. Coloque a pessoa de bruços no seu colo, com o abdômen e o tórax apoiados na almofada e a cabeça para baixo.
  • 36. Faça 5 compressões fortes e em seguida apoiando-se nas costas da vítima, usando seus braços e o peso do seu corpo para comprimir o abdômen da vítima contra o seu colo.
  • 37. O que fazer em caso de engasgamento com vítima inconsciente (socorrista não consegue erguê-la) Deite a pessoa no chão de barriga para cima e tente enxergar o que está causando o engasgo. Se conseguir visualizar, retire o objeto cuidadosamente com os dedos.
  • 38. Se não conseguir enxergar, não tente encontrar o objeto nem coloque a mão dentro da boca da vítima
  • 39. Mantenha a pessoa deitada no chão e fique por cima dela, apoiando seus joelhos um em cada lado do corpo do socorrido, sem se sentar sobre ele, é lógico.
  • 40. Apoie suas mãos abertas uma sobre a outra na região acima do umbigo da vítima.
  • 41. Comprima o abdômen de maneira rápida e forte, de baixo para cima, 5 vezes seguidas. (contar em ritmo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa e conte de novo.
  • 42. Se não funcionar Deite a pessoa de lado. Agache-se perto da vítima e coloque um dos seus joelhos dobrado na região acima do umbigo.
  • 43. Posicione suas mãos nas costas da vítima na mesma altura em que está o seu joelho.
  • 44. Feche uma das mãos e apoie-a firmemente contra as costas da vítima. Para dar mais firmeza, use a outra mão para segurar o punho fechado.
  • 45. Faça 5 compressões fortes e seguidas, de modo que o abdômen dela seja pressionado contra seu joelho. (contar em ritmo: 1 – 2 – 3 – 4 – 5). Dê uma breve pausa e conte de novo.
  • 46. O que fazer em caso de fratura na coluna Nessa situação, só se deve movimentar a vítima se for mais arriscado deixá-la no local, como no caso de um incêndio. Se ela estiver com a coluna curvada ou deformada, jamais tente colocá-la no lugar. O melhor a se fazer nessas horas é chamar o resgate, orientando a pessoa para que não se mexa em hipótese nenhuma.
  • 47. Se precisar retirá-la do local, mantenha a calma e não faça movimentos bruscos na vítima. Prossiga com os próximos passos somente se conseguir improvisar uma maca com material rígido e de superfície lisa, como uma porta ou uma tábua de madeira.
  • 48. Coloque a maca improvisada no chão, bem ao lado da vítima. Nunca use lonas nem improvise padiolas com cobertores e lençóis, porque a coluna ficará arqueada e poderá sofrer lesões que causem paralisia irreversível ou levem à morte.
  • 49. O ideal nesse momento é contar com a ajuda de mais duas ou três pessoas. Cada uma deve se ajoelhar ao lado da vítima, onde não esteja a maca. ATENÇÃO: DURANTE TODO O PROCESSO, O MAIS IMPORTANTE É MANTER O ALINHAMENTO ENTRE A CABEÇA, O PESCOÇO E O CORPO. Qualquer movimento que interfira nessa posição pode causar sequelas graves.
  • 50. Um socorrista fica encarregado da cabeça, pescoço e ombro. O braço do socorrista deve passar por trás do pescoço da vítima, deixando cabeça e pescoço apoiados no antebraço. Nessa posição ele consegue segurar o ombro da vítima. O outro braço deve passar por baixo das costas, segurando firmemente o braço da pessoa do outro lado.
  • 51. Outro socorrista deve passar seus braços pela região lombar e pela região entre as nádegas e as coxas. Se houver um terceiro socorrista, ele deve passar os braços pela região posterior dos joelhos e pela batata da perna.
  • 52. O ideal é que consiga ajuda de uma quarta pessoa. Nesse caso, deve-se erguer a vítima firmemente, mas com cuidado e todos ao mesmo tempo, levantando-a apenas o suficiente para que o quarto socorrista escorregue a maca improvisada para baixo da vítima. Se não houver esse quarto socorrista, os três devem passar a pessoa para maca movimentando-a o mínimo possível, sempre lembrando de manter o alinhamento da cabeça com o pescoço e o corpo.
  • 53. Lentamente, coloque a pessoa na maca improvisada. Se possível, prenda o corpo dela à maca com tiras de tecido. Passe as tiras na altura da testa, dos ombros, da bacia e das pernas. Carregue a maca com a ajuda de uma ou mais pessoas, com calma e sem movimentos bruscos.
  • 54. O ideal é somente retirar a vítima do local de risco e aguardar o resgate. Se você tiver que levar a maca ao hospital com o seu próprio veículo, preste atenção: a maca só pode ser colocada em um automóvel se for possível acomodá-la em realizar movimentos bruscos e se uma pessoa puder ir junto com a maca, para garantir a estabilidade e controlar o estado da vítima no caminho.
  • 55. O motorista deve manter a calma e dirigir com cuidado, sem fazer curvas em alta velocidade ou paradas bruscas
  • 56. O que fazer em caso de fratura nas mãos, braços ou ombros Jamais tente colocar os ossos deslocados no lugar.
  • 57. Pressione as pontas dos dedos umas contra as outras e observe se o sangue demora para voltar a circular. Se demorar muito, chame o resgate imediatamente.
  • 58. Caso o sangue volte a circular normalmente, imobilize o antebraço com uma tala improvisada, que pode ser feita com um pedaço de madeira amarrado com jornal ou tiras de pano. A madeira deve ser suficiente para apoiar todo o braço.
  • 59. Se a suspeita de fratura for na mão, faça a imobilização com os dedos levemente dobrados, nunca esticados.
  • 60. Durante o processo, se possível, use uma bolsa de gelo para aliviar a dor e diminuir o inchaço. Quando o gelo começar a causar queimação, retire-o até o incômodo passar e volte a aplicá-lo.
  • 61. Improvise uma tipoia com um pedaço de tecido, tipo um pano de prato. Dobre o tecido e apoie o braço da vítima dentro, amarrando as duas pontas por trás do pescoço.
  • 62. Ajuste a tipoia de forma que o braço fique na altura do coração e procure atendimento médico
  • 63. O que fazer em caso de fratura no pé Procure atendimento médico o quanto antes.não mexa no pé da vítima. Se ela estiver com meia ou sapato, não tire. Se você precisar deslocar a pessoa, coloque a perna dela sobre o centro de um cobertor ou toalha e enrole as extremidades, formando dois rolinhos acolchoados ao redor da perna de forma a imobilizá-la.
  • 64. Use três tiras de tecido (pode ser um pano de prato) para amarrar a tala improvisada. Coloque uma tira na ponta do pé, uma no tornozelo e outra na canela. Aguarde o socorro ou leve a pessoa para o hospital, movimentando a região o mínimo possível.
  • 65. O que fazer em caso de fratura na perna ou coxa Deite a vítima. Em seguida, faça rolos com toalhas ou cobertores e acomode-os entre as pernas dela.
  • 66. Com cinco pedaços de pano imobilize as duas pernas apoiadas nos rolos situados no meio. Amarre os tornozelos, a parte superior das canelas, os joelhos e a parte inferior e superior das coxas. Procure dar os nós de modo que fiquem sobre os rolos na parte central, para não machucar a pele, mas não aperte demais. Feito isso, procure atendimento médico.
  • 67. O que fazer em caso de infarto Antes de mais nada, dê dois comprimido de ácido acetilsalicílico infantil para a pessoa. Se ela for alérgica, passe para a próxima etapa. Leve a pessoa o mais rápido possível para um pronto-socorro ou hospital. Se não tiver como transportá-lo, chame socorro imediatamente. Enquanto aguarda, afrouxe as roupas do socorrido. Tente mantê-lo calmo, mas não ofereça nenhum calmante e muito menos bebidas alcoólicas.
  • 68. É importante não deixá-lo fazer qualquer esforço, como andar, agachar-se, subir ou descer degraus. O ideal é que fique deitado em local arejado e confortável. Quando há parada cardíaca, a pessoa não respira e não responde, chame socorro imediatamente. Jamais tente transportar uma pessoa em parada cardíaca. Em seguida comece a massagem cardíaca.
  • 69. Reanimação cardíaca Ajoelhe-se ao lado da pessoa, altura dos ombros dela.
  • 70. Com seus braços esticados, apoie uma mão em cima da outra sobre o tórax dela, no centro da linha imaginária que liga os mamilos.
  • 71. Usando o peso dos eu corpo, faça 30 compressões firmes.
  • 72. Faça respiração boca a boca conforme as instruções a seguir e repita a sequência até o resgate chegar.
  • 73. Respiração boca – a – boca Deite a pessoa de barriga para cima em uma superfície firme.
  • 74. Tampe o nariz dela com a mão e sopre o ar dentro da boca duas vezes. Fique atento para o tórax da pessoa: se ele elevou, como quando inspiramos, significa que a manobra está correta.
  • 75. Continue repetindo as sequências de duas sopradas seguidas com um breve intervalo entre elas até que chegue o socorro. Se não se sentir confortável para fazer respiração boca a boca, faça apenas as compressões, você já estará ajudando.
  • 76. O que fazer em caso de insolação Tire a roupa do socorrido. Leve-o a um hospital ou chame socorro. Resfrie o corpo da pessoa usando compressas de água fria. Se for aguardar socorro, você pode usar ventiladores ou, a melhor opção, deixá-la imersa na água fria. Atenção: a água deve ser fria, não gelada, porque a temperatura muito baixa pode queimar o corpo da pessoa. É importante lembrar quem nem todas as pessoas com insolação estão desidratadas. Por isso, evite dar água em excesso
  • 77. O que fazer em caso de torções e estiramentos Coloque gelo em uma bolsa térmica ou saco plástico e aplique sobre a região afetada, protegendo o local com um pano fino para evitar queimaduras. Mantenha a compressa por 15 ou 20 minutos. Se a pele ficar pálida, adormecida ou com formigamento, retire a compressa, espere alguns minutos e reinicie o processo. Repita a técnica a cada 2 horas por várias dias, até a dor e o inchaço sumirem.
  • 78. Não utilize compressas quentes. O calor aumenta o fluxo de sangue e pode agravar o sangramento, aumento o inchaço e a inflamação. Compressas quentes só devem ser aplicadas depois que o inchaço tiver desaparecido completamente. Proteja o local lesado com uma faixa ou bandagem. Comprima a área, mas não aperte muito forte para não dificultar a circulação. Faça repouso, mas não absoluto. É importante se movimentar um pouco para evitar que os músculos enfraqueçam e as articulações percam a elasticidade. Se necessário, use muletas, bengala ou andador, mas não exagere. A atividade física intensa pode aumentar a dor ou o inchaço.
  • 79. Ao se deitar, tente manter o membro lesionado elevado em posição mais alta que o coração. Anti- inflamatórios podem ser eficazes para reduzir a dor, mas não são recomendados para pessoas que sofrem de diabetes, insuficiência renal, gastrite e úlcera duodenal. Nesses casos, é mais seguro optar por dipirona ou paracetamol.
  • 80. O que fazer em caso de intoxicação e alergias por agrotóxicos Se o caos for de ingestão acidental do agrotóxico puro, procure atendimento médico imediatamente. São raros os casos de emergência por ingestão de agrotóxicos residuais em alimentos. Se estiver em dúvida, chame o resgate e descreva o caso com calma
  • 81. O que fazer no caso de intoxicação e alergia por água sanitária Se houver contato com os olhos ou com a pele, leve a região com água corrente por pelo menos 10 minutos. Se a pessoa engoliu, ofereça água pura ou azeite para ela beber. Os primeiros socorros são muito importantes, mas não descartam o parecer de um profissional. Antes de tudo, procure um atendimento médico.
  • 82. O que fazer em caso de intoxicação e alergia alimentar Dê a vítima um comprimido antialérgico imediatamente e procure atendimento médico.
  • 83. O que fazer em caso de intoxicação e alergia por gasolina Nunca tente provocar vômitos, isso pode agravar o quadro! Leve a pessoa para um ambiente arejado enquanto providencia o transporte até um pronto – socorro ou peça atendimento.
  • 84. O que fazer no caso de intoxicação ou alergia por mandioca - brava A pessoa deve ser levada imediatamente para um hospital. Se não for possível chame o resgate. Informe o serviço de emergência que se trata da ingestão de mandioca – brava, pois essa intoxicação libera cianeto, substância que pode levar à morte. Enquanto aguarda atendimento, não tente nenhum tipo de tratamento caseiro.
  • 85. O que fazer no caso de intoxicação e alergia por paracetamol Se souber quantos comprimidos foram ingeridos, guarde o número para informar o médico. Em seguida, induza o vômito e, se possível, adquira em uma farmácia um envelope de N- acetilcisteína. Dissolva o conteúdo em água e dê para a pessoa beber. Leve-a ao hospital ou chame o resgate.
  • 86. O que fazer no caso de intoxicação e alergia por querosene Não tente provocar vômitos! O querosene pode ir para os pulmões e causar complicações ainda piores. Leve a pessoa imediatamente ao hospital.
  • 87. O que fazer no caso de intoxicação e alergia por sabonetes, perfumes e desodorantes Leve a pessoa ao hospital imediatamente. No caminho ou enquanto espera o resgate, dê água pura e analgésicos comuns, como paracetamol ou dipirona. Em caso de contato com os olhos, lave-os com água corrente por pelo menos 5 minutos.
  • 88. O que fazer no caso de intoxicação e alergia por soda caustica e derivados de amônia Caso o produto tenha sido inalado, mantenha a pessoa em um local bem ventilado enquanto providencia o transporte até o hospital. Se houver contato com a pele, lave a área atingida com água corrente por no mínimo 10 minutos. No caminho até o hospital ou enquanto aguarda socorro, dê sucos cítricos, como de laranja ou limão, mas jamais provoque vômito. Isso pode prejudicar ainda mais o estado da pessoa.
  • 89. O que fazer no caso de queimaduras de 1º grau Deixe o local da queimadura embaixo da água fria durante 5 minutos. Se a área for extensa, utilize um chuveiro. Seque cuidadosamente a região com uma toalha macia, mas sem esfregar. Tome analgésicos comuns, como dipirona e paracetamol, para aliviar o incômodo. Se a dor for mais forte, use anti- inflamatórios, mas jamais coloque pomadas, pasta de dente, manteiga, pó de café ou qualquer outro produto sobre a queimadura. Além de grudar na pele, eles podem causar alergia e agravar o estado.
  • 90. O que fazer no caso de queimaduras de 2º grau O tratamento é simples: coloque o local da queimadura embaixo da água fria durante 5 minutos. Se a área for grande, entre no chuveiro e permaneça também por 5 minutos. Se as bolhas estiverem intactas, cubra a área queimada com gaze ou um pano limpo. Caso as bolhas se rompam, passe vaselina na parte do pano que ficará em contato com a queimadura, para evitar que o ferimento grude no tecido. Os curativos devem ser trocados diariamente após o banho. Jamais coloque pomadas, pasta de dente, manteiga, pó de café ou qualquer outra substância sobre a queimadura. Além de grudar na pele, elas podem causar alergia e piorar o quadro. Não estoure as bolhas! Os germes da pele podem infeccionar a região exposta.
  • 91. O que fazer no caso de queimaduras de 3º grau A queimadura deve ser colocada sob a água fria durante 5 minutos. Se a área for grande, utilize o chuveiro. Cubra a região com um pano limpo e leve a pessoa a um pronto – socorro imediatamente. Lembre-se jamais coloque pomadas, pasta de dente, manteiga, pó de café ou qualquer outra substância sobre a queimadura. Além de grudar na pele, elas podem causar alergia e agravar o quadro.
  • 92. Atenção Caso a queimadura tenha atingido uma área extensa do corpo ou do rosto, pescoço ou tórax, leve a pessoa para um pronto socorro imediatamente