Etica

1.553 visualizações

Publicada em

plano de estudos

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.553
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Etica

  1. 1. CÓDIGO DE ÉTICA E LEGISLAÇÃO RELACIONADA AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO GUIA DE TURISMO ADM.ESP.KARLLA COSTA GUIA DE TURISMO REGIONAL BA.EXCURSÃO NACIONAL-BRASIL/AMÉRICA DO SUL CADASTUR 05.019184.96-8 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS-URUÇUCA CONCURSO PÚBLICO - PROFESSOR TEMPORÁRIO EDITAL Nº117/ 2013
  2. 2. ÉTICA  A palavra “ética” vem do Grego “ethos” que significa “modo de ser” ou “caráter. A ética está associada ao estudo fundamentado dos valores morais que orientam o comportamento humano em sociedade.
  3. 3. CÓDIGO MUNDIAL DE ÉTICA DO TURISMO 1999 (OMT ) :  A Assembléia Geral das Nações Unidas na promoção no desenvolvimento do turismo com a finalidade de contribuir ao crescimento econômico, a compreensão internacional, a paz e a prosperidade dos países, assim como ao respeito universal e observação dos diretos humanos e das liberdades fundamentais sem distinção de raça, sexo, língua nem religião.
  4. 4. CÓDIGO MUNDIAL DE ÉTICA DO TURISMO 1999 (OMT ) :  O contato direto, espontâneo e imediato que permite entre homens e mulheres de culturas e formas de vida diferentes, o turismo é uma força viva ao serviço da paz e um fator de amizade e compreensão entre os povos.
  5. 5. CÓDIGO MUNDIAL DE ÉTICA DO TURISMO 1999 (OMT ) :  O rápido e continuo crescimento, tanto passado como previsível, da atividade turística originada por motivos de lazer, negócios, cultura, religião ou saúde, seus poderosos efeitos positivos e negativos no meio ambiente, na economia e na sociedade dos países emissores e receptores, nas comunidades locais e nas populações autóctones, assim como nas relações e nos intercâmbios internacionais
  6. 6. CÓDIGO MUNDIAL DE ÉTICA DO TURISMO 1999 (OMT ) :  Movidos peIa vontade de fomentar um turismo responsável e sustentável, ao que todos tenham acesso no exercício do direito que corresponde a todas as pessoas de dispor de seu tempo livre para fins de lazer e viagens, com o devido respeito as opções de sociedade de todos os povos.
  7. 7. CÓDIGO MUNDIAL DE ÉTICA DO TURISMO 1999 (OMT ) :  Afirma, o direito ao turismo e a liberdade de deslocamentos turísticos, expressamos nossa vontade de promover um ordenamento turístico mundial eqüitativo, responsável e sustentável, em benefício mutuo de todos os setores da sociedade e uma volta da economia internacional aberta e liberalizada .
  8. 8. O CÓDIGO ESTÁ DIVIDIDO EM ARTIGOS QUE VERSAM SOBRE A: 1.Contribuição do turismo para o entendimento e respeito mútuo entre homens e a sociedades 2.O turismo, instrumento de desenvolvimento pessoal e coletivo. 3. O turismo, fator de desenvolvimento sustentável 4. O turismo, fator de aproveitamento e enriquecimento do patrimônio cultural da humanidade. 5. O turismo, atividade benéfica para os países e as comunidades de destino.
  9. 9. 6. OBRIGAÇÕES DOS AGENTES DO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO:  Os agentes profissionais do turismo têm obrigação de facilitar aos turistas uma informação objetiva e autêntica sobre lugares de destino e sobre as condições de viagem, recepção e estada. 7.Direito ao turismo ; 8.Liberdade de deslocamento turístico; 9.Direito dos trabalhadores e dos empresários do setor turístico; 10.Aplicação dos princípios do código ético mundial para o turismo ;
  10. 10. GUIAS DE TURISMO E PRINCÍPIOS ÉTICOS: Princípios éticos relacionados à( cor, raça, sexo), escolhas individuais( sexualidades, crença, tipo de alimentação , time de futebol), tanto com turistas ou moradores locais . O comportamento do guia será analisado consciente e inconscientemente pelos turistas durante toda a viagem.
  11. 11. GUIAS DE TURISMO E PRINCÍPIOS ÉTICOS:  O envolvimento emocional ou físico com passageiros deve ser concretizado apenas após o término da programação para o guia não perder a autoridade o moral e o controle do grupo.  O guia jamais deve ficar alcoolizado ou consumir drogas durante a viagem .  O consumo de cigarro deve ser feito longe do passageiro.
  12. 12. GUIAS DE TURISMO E PRINCÍPIOS ÉTICOS:  O guia não deve fazer distinção de cor, raça, credo ou religião entre os turistas- crime passível de prisão.  Não deve privilegiar algum passageiro;  Deve ter cuidado com piadas, brincadeiras, comentários.  O guia deve evitar que terceiros cometam discriminação.
  13. 13. GUIAS DE TURISMO E PRINCÍPIOS ÉTICOS:  O guia deve respeitar os costumes e às características sócio-culturais .  Jamais poderá ridicularizar crenças, costumes e outros aspectos socioculturais da comunidade visitada.  Respeito aos profissionais e fornecedores , nunca fale mal ou deprecie o colega de trabalho ou a empresa.
  14. 14. LEGISLAÇÃO X EXERCÍCIO PROFISSIONAL GUIA DE TURISMO :  LEI GERAL DO TURISMO : LEI Nº 11.771, DE  17 DE SETEMBRO DE 2008.  CAP. V : DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS TURÍSTICOS- ORDENAMENTO DAS ATIVIDADES – CADASTRAMENTO NO MTUR ( CADASTUR)  VÁLIDO POR 2 ANOS .  ART.36 –POSSIBILIDADE DE CANCELAMENTO DO CADASTRO .
  15. 15. REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO:  A atividade turística começou a ser vista como profissão quando o turismo passou a ter um caráter mercadológico no final do século XIX, com Thomas Cook, considerado o primeiro agente de viagens.  No Brasil o guia de turismo foi reconhecido como profissão com a 1ª versão da Classificação Brasileira de Ocupações em 1982 e depois com a regulamentação em lei nº 8.623, de 28/01/1993 pessoas habilidades e qualificadas para este fim .
  16. 16.  LEI Nº 8.623, DE 28 DE JANEIRO DE 1993: REGULAMENTA O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO DO GUIA DE TURISMO :  Art.2 é considerado guia de turismo o profissional que, devidamente cadastrado no MTUR.  Atribuições do guia e cancelamento de registro .  Além disso, garante a entrada gratuita do profissional em estabelecimentos de patrimônio nacional com a utilização do crachá de Guia de Turismo.
  17. 17. LEGISLAÇÃO X EXERCÍCIO PROFISSIONAL GUIA DE TURISMO :  Deliberação Normativa n.º 427, de 04 de Outubro de 2001- critérios para formação técnica do guia de turismo  Deliberação Normativa n.º 426, de 04 de Outubro de 2001- produção e renovação de crachá .  Decreto n.º 946/93, de 10 de Janeiro de 1993 é a responsabilidade do guia de agendar previamente a visita com os organizadores dos locais escolhidos para as excursões. Além disso, classifica o profissional como Guia Regional, de Excursão Nacional e Internacional, e Especializado em Atrativo Turístico
  18. 18. INFRAÇÕES DISCIPLINARES AO GUIA DE TURISMO :  Deixar de portar, em local visível, o crachá de identificação.  Induzir o usuário ao erro de utilização indevida de símbolos e informações privativas de guia de turismo .  Faltar a qualquer dever profissional imposto pelo decreto nº 946, de 1 de outubro de 1993.  Utilizar a identificação funcional do guia cadastrado fora dos estritos limites de suas atribuições.
  19. 19. INFRAÇÕES DISCIPLINARES AO GUIA DE TURISMO :  Não cumprir integralmente os acordos e contratos de prestação de serviços, nos termos e nas qualidade e que forem ajustados com os usuários.  Descumprir totalmente os acordos e contratos de prestação de serviços.  Facilitar, por qualquer meio, o exercício de atividade profissional a não-cadastrados.  Praticar, no exercício da atividade profissional, ato que contrarie as disposições do Código de Defesa do Consumidor( CDC).
  20. 20. INFRAÇÕES DISCIPLINARES AO GUIA DE TURISMO :  Praticar, exercício da atividade profissional, ato que a lei defina como crime ou contravenção.  Manter conduta e apresentação incompatível com o exercício da profissão: prática de jogo de azar, embriaguez habitual, conduta pública escandalosa, contrabando
  21. 21. AVALIAÇÃO  Simulação de atividades correspondentes a ética profissional do guia de turismo , através de encenações práticas em sala, com divisão de equipes para execução dos trabalhos .
  22. 22. REFERÊNCIAS  CHIMENTI, Silvia. Guia de Turismo: o profissional e a profissão/Silvia Chimenti, Adriana Menezes Tavares.São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.     OMT. Obrigações dos Agentes de Desenvolvimento Turístico IN: Código de Ética Mundial do Turismo . Disponível em <:http://ethics.unwto.org/sites/all/files/docpdf/brazil_0.pdf> . acesso em 05 set 2013.     BRASIL . LEI GERAL DO TURISMO . Disponível em <: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11771.htm.>. acesso em 05 set 2013.     BRASIL .LEI 8.623 de 28 de Janeiro de 1993. Disponível em <: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8623.htm>. acesso em 05 set 2013     SENAC.DN.Ética e trabalho/Maria H.B.Gonçalves;Nely Wyse. Rio de Janeiro: Senac Nacional ,2006.80p.     LEIS DE TURISMO .Disponível em: <http://turismolegal- brasilrs.blogspot.com.br/> acesso em 05 de set de 2013 .   

×