Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.

9.975 visualizações

Publicada em

livro paradidático sobre alquimia , pode ser utilizado por profs do 9º ano e alunos das diversas series

Publicada em: Educação
3 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.975
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
174
Comentários
3
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lavoisier e a ciencia no iluminismo braga,freitas,guerra,reis.

  1. 1. Este livro nasceu da vontade de ver a ciência sendo ensinada na escola deforma diferente. De uma maneira quefaça com que o aluno perceba que a produção do conheci- mento técnico-científico é parte da cultura humana, assim como a literatura, a pintura, a música, o cinema. Às sextas-feiras os autores deste livro, todos professo- res do ensino médio, se reúnem num grupo de estudo deno- minado Teknê. Assim como nos velhos ateliês da Idade Mé-dia, onde os artesãos estudavam e trabalhavam o ferro, obronze, a pedra, no Teknê se estuda a ciência, a técnica, aarte e se trabalha a palavra. Lá não só são lidos e discutidostextos de filosofia e história da ciência e da técnica comotambém são escritos textos didáticos e ensaios, além de se-rem produzidas experiências educacionais. Nesse trabalhocompartilha-se uma grande amizade. O Teknê é a formaque encontramos de manter vivo um sonho que alimenta-mos desde os bancos universitários: continuar estudando,discutindo, escrevendo e, acima de tudo, ensinando de for-ma criativa. Este livro é dedicado a todos aqueles que nosajudaram na construção desse projeto de vida. Os autores••••••••••••••••••••••••••••••••
  2. 2. Para que estudar a ciência noiluminismo? ••••••••••••••••••••••••• volta e ver quantas coisas encon- Vocêtram-separou seu estado naturalsuae já em para observar à quantas já foram transformadas pela mão do homem? Dessas coisas, quantas foram transformadas pela indústria quí- mica? Tintas, plásticos, remédios, quase tudo. Vivemos num mundo em que tal- vez seja impossível imaginar como seria o cotidiano sem os produtos fornecidos por indústrias que se utilizam de conhe- cimentos químicos acumulados durante séculos. Pare e pense mais um pouco! Quando isso tudo se iniciou? Quan- do o homem começou a procurar conhe- cer melhor as substâncias da natureza e a.8 transformá-Iasm em outras substâncias,~ úteis aos seus propósitos?-ij~ O estudo da natureza e a produçãogc de novas substâncias são atividadesiE que talvez remontem à Pré-História.~ Entretanto, apenas a partir do séculogCJXVt com o reconhecimento dos benefí- 9 8>
  3. 3. cios farmacêuticos conquistados por es- desse processo ocorreu ao longo do ses estudos/ a manipulação de substân- século XVIII e fez parte de um movi- cias/ ou seja/ a prática química/ passou a mento mais amplo/ que mudou por . ter sua importância reconhecida pelas completo diversos ramos do conheci- universidades. Mas é somente no sécu- mento. Nesse período ocorreram trans- lo XVIII que a química se tornou uma formações fundamentais nos processos ciência moderna/ seguindo os passos de construção do conhecimento cientí- dados por outra ciência/ a física/ um sé- fico. Mesmo tendo se tornado uma ciên- culo antes. cia moderna no século XVIt a física Que tipo de transformações ocorre- também esteve no centro das transfor- ram então? Quais as diferenças entre a mações do século XVIII.A física produ- manipulação de substâncias feita ante- zida a partir daí é/ de certa forma/ dife- riormente ao século XVIII e a química rente daquela de Galileu Galilei/ René moderna? Descartes e Isaac Newton. Na realidade/ foram necessários vá- Vamos exemplificar. rios séculos de transformações antes de Se você tivesse a oportunidade de a química ser reconhecida como uma ler um livro escrito pelos fundadores ciência moderna. O ponto culminante da ciência moderna/ talvez ficasse sur-• 10
  4. 4. preso com a forma de apresentação das historiadores da ciência. Por ter aconteci-idéias. Você encontraria diversas refe- do no interior de um movimento culturalrências religiosas e até conceitos tipica- mais amplo, que hoje conhecemos pelomente característicos de uma visão má- nome de iluminismo, também poderiagica da natureza. Os físicos· e astrôno- ser chamada de revolução científica domos de hoje se apresentam como her- iluminismo.deiros desses fundadores, mas também A química moderna nasceu comocomo detentores de um conhecimento um produto dessa "revolução", coman-que se pretende puramente racional, dada por um cientista francês chamadobaseado em fatos experimentais e ex- Antoine-Laurent Lavoisier. Ele lideroupresso numa linguagem matemática. um movimento científico, e ao mesmoPortanto, um cientista moderno, ao ler tempo político, de criação das bases pa-os escritos originais dos fundadores de ra a ciência moderna. Para compreen-sua ciência, tenderia a achar a maioria dermos o que representou a revoluçãodas conclusões corretas, mas considera- científica do iluminismo, vamos seguir osria falso o ponto de partida dessas con- passos das transformações que foramcepções sobre a natureza. ocorrendo na química desde a Antigui- Algo então mudou ao longo de to- dade até a revolução comandada pordo esse tempo. Não foram só novas teo- Lavoisier.rias que surgiram nem apenas se desco- Será importante, entretanto, que,briram novos fenômenos. Algo mudou antes de começar a leitura, você não sena forma de se olhar para a natureza, na esqueça de uma questão. A revoluçãoforma de se construir o conhecimento científica do iluminismo não nasceu dacientífico. mente de uma única pessoa. Ela é parte Essa transformação, ocorrida no sé- de transformações por que passava a to-culo XVIII,é considerada hoje uma ver- talidade da sociedade européia do sécu-dadeira revolução científica por muitos lo XVIII. 11 ~
  5. 5. CAPíTULO 1 A tradição alquímica intensa atividade de manipula- Desde de Antiguidade . cão a substâncias, já havia uma em diversas partes do mundo, sempre associada à medicina e à fabricação de metais. No primeiro caso, procurava-se preparar misturas com ervas e plantas em busca da cura para doenças. No segundo, o ob- jetivo era utilizar o fogo para derreter metais, misturando-os e transformando- os em novos metais. Esse tipo de manipu-" lação era denominado transmutação. Os europeus tomaram conhecimento do grande desenvolvimento alcançado pe- los egípcios nesse campo e passaram a denominar essa arte khemia, que era o nome utilizado pelos egípcios para deno- minar as transmutações. Mais tarde, já na Idade Média, a partir da influência da cultura árabe na península Ibérica, os eu- ropeus passaram a utilizar a palavra al- quimia para denominar a khemia egípcia. Você já deve ter ouvido falar nessa palavra. Muita gente hoje a tem usado para indicar coisas misteriosas, ligadas a algum tipo de ocultismo. Se você parar B um pouco para pensar em tudo o que nos t. -" vem à mente quando as palavras alquimia a "- e alquimista são utilizadas, perceberá que, ~ i <: com quase toda certeza, surgirá a idéia de E algo misterioso, oculto, esotérico (algo só ~ 2 acessível a iniciados). CJ• 12
  6. 6. Esse raciocÍIÚonão é de todo um en- po de conhecimentos secretos, restrito agano. A alquimia representou uma forma alguns poucos iniciados, que perten-de compreender a natureza e de mani- ciam a grupos fechados, corporaçõespulá-Ia baseada numa concepção mágica secretas. Os alquimistas transmitiamda natureza, que, vinda da Antiguidade, seu saber e sua arte contando suas expe-permaneceu viva durante séculos. Mui- riências uns para os outros, desenvol-tos acreditam que essa concepção ainda vendo uma tradição oral. Entretanto,esteja viva, não só nos discursos eso- como alguns alquimistas também or-téricos, mas no fundamento de alguns ganizavam em manuscritos suas obser-discursos ditos científicos e racionais. vações sobre a manipulação das subs- O saber dos alquimistas, principal- tâncias, um pouco dessa arte pôde che-mente na Idade Média, formava um cor- gar até nós.Os primórdios1111 1IIIIIIill1ill . o Não se sabe ao certo quando a alqui-mia surgiu. Há registros de manuscritos Jda Antiguidade, escritos em diversaspartes do Oriente. Algumas das princi-pais características da concepção de na-tureza própria da alquimia podem serencontradas em diversas dessas culturas. Os chineses, por exemplo, sempreimaginaram. o universo como um grandeorganismo. Nesse organismo existiriamsimpatias, ou afinidades, e antipatias. To-das as ligações entre as coisas, incluindoaí os homens, se davam por meio dessasafinidades ou antipatias. Como explicar ofato de que, entre tantas pessoas existen-tes no mundo, você só se tome amigo dealgumas delas? Talvez você responda:"Porque tenho afinidade com elas". Masvocê pensou em que consiste essa afini-dade? Mesmo quando sabemos intuitiva- Da alquimia chinesa fazia parte um conjunto de técnicas desenvolvidas desde a Antiguidade e quemente o que é afinidade, é difícil explicá- só se tornaram conhecidas na Europa durante aIa apenas pela razão. Idade Média. Entre elas se incluíam novos tipos de metalurgia, a fabricação do papel e da pólvora. A Os chineses acreditavam que a idéia ilustração representa chineses trabalhando nade afinidades e antipatias poderia ajudar metalurgia. 13 <a>
  7. 7. a compreender por que algwnas substân- Os alquinústas clúneses foram forte-cias tinham maior facilidade de se combi- mente influenciados por essa visão filosófi-nar do que outras, fato difícil de ser expli- ca, em que a harmonia do universo é pen-cado pela razão. sada a partir dessa complementaridade. Outra idéia presente na filosofia chi- Muitas das concepções alquímicasnesa e também usada na sua alquimia era dos chineses foram, com O tempo, se espa-a do par ljin/ljnng. Essas palavras repre- lhando pela Ásia e pela África. A partir dosentam o lado escuro (ljin) e o lado enso- conhecimento da tradição chinesa, lugareslarado (ljnng) da montanha e servem para como a Arábia e o Egito desenvolveramexplicar dualidades existentes no cosmo suas próprias concepções de alquimia. Ose que formam, na realidade, uma unida- egípcios, por exemplo, tornaram-se hábeisde. Diversos são os exemplos desses dua- na matúpulação de substâncias. Eles fabri-lismos: claro/escuro, homem/mulher, cavam cosméticos, produziam peças emquente/frio, etc. Cada uma dessas partes ouro ou tin tas para a pintura de tumbas.completa a outra, não existindo uma sem Por sua vez, muitas das concepçõesa outra. O ljnng representa o forte, o pode- alquímicas egípcias influenciaram forte-roso, o homem, o céu. Já o ljin representa mente a alquimia desenvolvida na Europao receptivo, o dócil, a mulher, a terra. durante a Idade Média.Yin/yang - esse é osímbolo utilizado peloschineses para represen-tar a dualidade comple-mentar yin/yang. Obser-ve que a porção maisexpandida de cada umadas partes representa aomesmo tempo seu fim eo início da outra. A boli-nha existente em cada .- . I 11.":-um dos lados significa ;wJ.?que o yintrazem si a se-mente do yang e vice-versa. ~[-.;~~ , < ,-: Mural encontrado em um túmulo em Tebas, datae de 1400 a.C.A alquimiamedieval •••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••. Na Europa, a difusão dos manuscri- naram grande parte da península Ibér:,tos alquimicos só ocorreu durante a Ida- onde fundaram importantes universi.:.de Média. Os grandes responsáveis por des, que se tornaram pólos de difusão.essa difusão foram os árabes. Durante novas idéias. Para lá dirigiam-se filóso:um período de quase setecentos anos, en- de toda a Europa em busca de conh"tre os séculos VIII e XV, os árabes domi- mento. Dos estudos ali empreendi.:
  8. 8. A alquimia européia medieval, as- sim como muitas de suas correntes ante- cessoras, partia de uma visão mágica da natureza, isto é, partia do princípio de que existia um espírito nas substâncias e que muitos fenômenos poderiam serconstava a leitura de diversos manuscri- explicados pela ação desses espíritos.tos da alquimia árabe, além de outros,provenientes da China e do Egito. Esses Muitos alquimistas medievais eramtextos haviam sido conservados durante monges que realizavam suas investi-séculos em bibliotecas, no Oriente. gações em laboratórios situados no in- Ao mesmo tempo, os árabes também terior dos mosteiros. A ordem dos fradesforam responsáveis pela difusão de diver- franciscanos foi uma das mais envolvidassos textos da filosofia grega. A junção dos com as experiências alquímicas. Sãotextos alquírnicos com a filosofia grega e Francisco de Assis, fundador dessa or- Adaptado de Alias ilÍslárico - Eucyclopll,dill lirilmlllim do Brasil. Barcelona: Editorial Marín, 1988. 15 ~
  9. 9. dem, havia afirmado, no século XIII, que esse motivo, o elixir da longa vida deve-Deus também falava aos homens através ria ter por base o ouro. O trabalho nos la-da natureza. Essa afirmação, que na ver- boratórios dos alquimistas visava produ-dade era uma crítica ao excessivo poder zir ouro, por meio do contato com a pe-dos teólogos da época, foi interpretada dra filosofal, e transformá-io mun líquidcpelos franciscanos como um incentivo ao que pudesse ser bebido. Dessa forma, se-estudo dos fenômenos naturais. ria obtida a cura para todas as doenças e Um dos principais objetivos dos portanto, a vida eterna.alquimistas medievais era encontrar a pe-dra filosofa I e o elixir da longa vida. Apedra filosofal era uma espécie de agenteespiritual que, em contato com os metais,seria capaz de transformá-Ios em ouro. Abuscado ouro não estava necessariamen-te ligada à obtenção de riqueza, mas àbusca do elixir da longa vida. Esse elixir,como o próprio nome já indica, seria umasubstância que, ao ser ingerida por umapessoa, a tornaria imortal. Os alquimistas Ilustrações de um livro medieval mostrando duas f ses distintas do trabalho dos alquimistas: à esquEacreditavam que o ouro era o metal mais da, o recolhimento de ervas; à direita, a manipulaç;nobre e durável existente na natureza. Por das ervas em um laboratório.Oselementos danatureza segundo os ••••••••••••••••••••••••alquimistas medievais Para os homens medievais, o uni- Terra). O mundo sublunar constituía-severso era dividido em mundo supralu- quatro elementos fundamentais:nar (além da Lua) e mundo sublunar (a terra - ar - água - fogo Essa forma de encarar a cc tituição da na tureza era wna rança da filosofia grega. Em docles, filósofo e médico gr, que viveu por volta do sécul a.c., acreditava que os quatro mentos da natureza eram coe tuídos a partir de dois pares, mando quatro qualidades bás:Esse desenho, datado de 1100, mostra os quatro elementos in-terligados: ar, água, terra e fogo. seco/úmido - quente/fric
  10. 10. Essas qualidades, ao serem associa- Idade Média - tinha, muitas vezes, a in-Ias, formariam cada um dos elementos: tenção de conseguir uma substância que possibilitasse a obtenção da quinta-essên- seco + quente = fogo seco + frio = terra cia. Os alquimistas sabiam que a mistura de "águas ardentes" extremamente puras úmido + quente = ar (álcool 95°) com plantas, flores, frutos e úmido + frio = água raízes permitia a obtenção de substâncias Tais concepções da filosofia grega aromáticas bastante voláteis (perfumes).·oram muito difundidas através dos es- Alguns chegaram a acreditar que, ao ex-:ritos de Aristóteles. Este filósofo e PIa tão trair tais aromas de folhas e flores, haviam·oram os pensadores mais lidos ao longo conseguido descobrir um método de se-Ia Idade Média. Os alquimistas árabes paração da quinta-essência dos corpos.ltilizaram as idéias difundidas por es-;es escritos para compreender a consti- uição das substâncias com as quais tra-Jalhavam. Os alquimistas europeusnedievais absorveram essa concepção. Outra busca empreendida pelos al-juimistas medievais era por encontrar a,hamada quinta-essência. A quinta-essên-cia estaria além dos quatro elementos;;eria uma espécie de espirito que, alémie ocupar todo o espaço, preenchendo-o,staria em todos os corpos. Muitos ai qui-nistas tentaram desenvolver métodosJara extrair a quinta-essência dos corpos.Vluitos processos químicos foram desen-IOlvidos e aperfeiçoados com esse objeti- Pintura mostrando um laboratório alquímico. Obser~10, como foi o caso da destilação. A pro- ve os instrumentos utilizados: o fole para manter a chama, o alambique, a ampulheta para medir o tem-iução de "água ardente" - nome pelo po das reações (pendurada na chaminé) e a balança, deixada no chão (canto direito inferior do quadro).lual era conhecido o álcool na Europa dalIermes Trismegisto e ohermetismo . Os escritos de alguns alquimistas- tiu um indivíduo com esse nome, queicaram famosos ao longo do Renasci- seria o autor dessa obra. Os manuscri-nento. Talvez o mais importante deles tos atribuídos a Hermes Trismegisto são:enha sido o Corpus herl11eticul11, de Her- possivelmente uma coletânea de textosnes Trismegisto. Na realidade, não exis- de diversos autores traduzidos pelos 17Q
  11. 11. antigos gregos. Esse nome, Hermes, por Deus. Dessa forma, o Corpus her- provém da mitologia grega, na qual é o meticum adquiriu um caráter sagrado deus da sabedoria. Ao lerem textos al- entre os alquimistas. químicos inspirados por Thot, deus Vocêjá deve ter ouvido as palavras egípcio que representava a sabedoria, os hermético ou Ilenlletismo para descrever gregos o associaram ao deus grego Her- algo que esteja fechado ou uma lingua- mes. Portanto, na tradução grega, os gem difícil de ser compreendida. Pois textos foram atribuídos a Hermes, o bem, o atual sentido dessas palavras se Trismegisto, isto é, o três vezes grande. deve ao fato de os escritos de Hermes Na Idade Média, os alquimistas judeus Trismegisto serem conhecidos só pelos e cristãos o compararam a Moisés, a iniciados na arte da alquimia, que forma- quem as Tábuas da Lei foram entregues vam um grupo fechado. o MA""t,,~ , MEDlAI.J o brasileiro [saias Pessott escreveu um romallce histórico milito illteressallte, chli", mado O manuscrito de Mediavilla, lançado pela Edito"a 34. Ele nan-a a busca de u,.l pesqllisadOJ; na Itália, por 11m ma- IIl1scrito, sllpostamellte p",-dido, escri- to pelo mOllge frallcisca,lO Rica/do de Mediavilla, que, além de ser um filó- sofo importallte, era adepto da alqui- mia na Idade Média. Nessa busca, à medida que o leitor vai sendo envolvi- do pela trama, também passa a co- nhecer alguns dos mistérios da alqui- mia praticada nos mosteiros medie- vais. Al110res, vinhos e ótimas COlHi- das italianas são descritos Hesse li- vro, dando 11msabor todo especial à bllsca do manllscrito.~ 18
  12. 12. Paracelso e a medicinaalquímica . A busca da eternidade e, portanto, o ria necessidade de uma revolução na for-combate às doenças fizeram com que a mação dos médicos.alquimia se ligasse de forma estreita à Para celso acreditava na existência demedicina. Um dos alquimistas mais im- uma Íntima relação entre o macrocosmo,portantes foi um médico chamado Para- que era Deus, e o microcosmo, a natureza.celso. Seu nome verdadeiro era Aureo- O homem era visto como parte da har-lus Theofrastus Bombastius von Hohen- monia desses cosmos, sendo ele uma pe-heim. Nasceu na Suíça em 1493 e faleceu quena parte imperfeita do cosmo maior,na Áustria em 1541. Paracelso estudou que é perfeito. Segundo Paracelso, aos fundamentos da medicina em diver- doença era consíderada uma desarmoniasos lugares, como nas escolas de Basi- entre o corpo e o espírito do homem. Cu-léia, na Suíça, e de Ferrara, na Itália. rar seria, portanto, fazer retornar essa har- monia. Entretanto, contrariamente ao que pregava a medicina de Galeno, Para celso acreditava que esse equilíbrio poderia ser afetado por fatores externos como, por exemplo, a ingestão de alguma substân- cia química. Foi aí que surgiu o uso das poções na restituição do equilíbrio do corpo. Como a natureza operava qui- micamente, a restituição da saúde deve- ria seguir o mesmo principio. Paracelso viajou muito por toda a Europa, realizando conferências, procu- rando difundir suas idéias. De forma ge- ral, entre as duas correntes da alquimia de sua época - a panacéia (proteção con- Para celso procurou criar uma nova tra as doenças e o envelhecimento) e aconcepção de medicina, assocíada à al- crisopéia (transformação de metais emquimia. Para ele, os médicos deveriam se ouro) -, ele optou pela primeira. Aabun-desvencilhar do passado: tudo o que ha- dância do ouro proveniente do Novovia sido escrito por médicos, como Ga- Mundo fez com que diminuísse o interes-leno, a suprema autoridade em medicina se pela obtenção desse metal por meiosna época, e por filásofos, como Aris- artificiais.táteles, deveria ser colocado de lado. A Paracelso também desenvolvia umanova medicina deveria partir da expe- alquimia do espírito. Para ele, Jesus Cris-riência, de um conhecimento aprendido to era a pedra filosofal do espírito. O ho-dü:<;:t""m<;:lt<;: l""t1t<;:"U.r""m Ü;~Q, b.",,I<;:- m<;:m "m CQlt"tCl CClill CüStCl s" t."ns- d""
  13. 13. mutaria da imperfeição para a perfeição, A partir do século XVUI, a alquimia da mesma forma que os metais se trans- na sua forma tradicional, começa a per- mutariam em ouro. Embora vivesse em der importância. Essa decadência é po, um tempo extremamente conturbado, vezes atribuída à ascensão dos novo- numa região - a Suíça - onde as diver- métodos da ciência moderna, surgido, gências religiosas entre católicos e protes- a partir do século XVII, com a física. Er- tantes estavam muito intensas, ele não se tretanto, parte desses novos método, envolveu nessas polêmicas. Permaneceu como a experimentação nas práticas de I,· católico, mas contrário ao poder dos pa- boratório, já existiam na alquimia haYi: pas dentro da Igreja. séculos. Aquilo que chamamos hoje é, química moderna nasce muito mais é A alquimia e a medicina de Para- tentativa de se apagar por completo o Cê celso influenciaram enormemente o ráter místico presente na tradição alqu pensamento europeu dos séculos XVI e mica do que pelo surgimento de nol XVII. Muitos estudiosos da história métodos de investigação da nah,reza. E" das ciências consideram mesmo que o caráter estava em desacordo com a no nascimento da química moderna foi sociedade e com as novas formas de pe- um processo lento e gradual, que come- sar o mundo que começavam a se estr. çou com Paracelso e só terminou com rurar dentro de um movimento chamac Lavoisier. iluminismo. A HOtA~Q"K~ Se observarmos (f l1ledici/la de hoje, prinCtplOS básicos, que sintetizamO percebemos que ela POIlCO011 nada tem seguir. O primeiro deles é que não f em C0I111lnt com a medicina praticada no tem doenças, mas doe/ltes. COl/l issc passado. Entreta/lto, existe uma cOITente idéia de doença como algo extelior de peIlSame1lto, criada no século XVIII, homem é abando/lada, i/ldividualizaJl que apresenta algumas concepções her- se os problemas apresentados: o mér- dadas da medici/la de Paracelso. É a 110- deve analisar seus pacielltes caso a c meopatia, criada pelo médico alemão O seg/lndo p1Í/lcipio é o da similitude Christian Fliedrich Samuel Hallllemall/l gtlndo o qual os semelha/ltes são Clil"l (1755-1843). A l1Omeopatiaparte de algllns pelos semellta/ltes; em outras pala •.ail 0
  14. 14. toda substância capaz de provocar um atribuída a Parace/so e escrita numa edi-problema num organismo sadio também ção de um de seus livros de 1658: similiaserá capaz de fazê-lo desaparecer. O últi- similibus curantur (os semelhantes sãomo princípio é o de que a diluição de uma curados pelos semelhantes). A idéia desubstância, isto é, a sua utilização em que a doença é fruto de um desequilibriodoses muito pequenas, é capaz de curar entre o corpo e o cosmo maior tambémuma doença sem causar efeitos cola- foi absorvida do alquimista suíço.terais. A homeopatia foi vista com muita De forma geral, Hahnemann sofreu desconfiança pelas academias de ciênciaforte influência de Paracelso ná constru- ao longo do século XVIII, chegando a serção de seus métodos terapêuticos. Ele es- condenada e proibida em 1835. Em 1925 tudou as obras de Parace/so e de seus se- foi criada a Liga Homeopática Interna-guidores, baseando seus métodos em al- cional, e somente em 1980 ela foi reconhe-gumas idéias defendidas por eles. O prin- cida no Brasil como uma especialidadecípio da similitude baseia-se numa frase médica.Gravura de Pieter Bruegel (1525?-1569) satirizando a medicina praticada durante o Renascimento.
  15. 15. CAPíTULO 2o iluminismoe a nova forma depensar o mundoA na Europa um movimento inte- . o longo que século XVIII, surge lectual do pretende lançar asbases de uma nova razão, isto é, de umanova forma de pensar o mundo. Desde aIdade Média o pensamento na Europa vi-nha sendo regido por algo que podería-mos chamar de "razão teológica". De for-ma simplificada, poderíamos dizer quenessa razão as formas de pensar o mundotinham por base a ação ou a presença deDeus entre os homens. Muitos foram osfilósofos medievais que construíram asbases dessa forma de pensar. Santo Agos-tinho, que elaborou uma interpretação daobra do filósofo grego PIa tão à luz da fécristã, foi um deles. Santo Tomás deAquino, ao interpretar o pensamento deoutro filósofo grego, Aristóteles, seguin-do esse mesmo caminho, foi também umpensador medieval de destaqLre. À medida que a sociedade medievalfoi se transformando no plano religioso(com a decadência do poder eclesiástico),no plano econômico (com a prática do ~mercantilismo) e no plano social (com a tascensão de uma nova classe, a burgue- ~ "sia), começaram a ocorrer também trans- ~ "formações no plano das idéias, nas for-mas de pensar o mundo. Durante críticas ~CLllosXVI e XVII, iniciaram-se as os sé- i f
  16. 16. à razão teológica. Muitos filósofos pro- dano Bruno, que morreu queimado nacuraram romper com essa velha forma de fogueira da Inquisição, ou talvez co-pensar, propondo novos caminhos. Des- nheça o processo por que passousas propostas surgiu o que conhecemos Galileu Galilei. A história desses ho-hoje como ciência moderna. mens é um exemplo de como se pode Preste atenção: a ruptura com as até pagar com a própria vida pelo fatovelhas formas de pensar não se dá de de se elaborarem críticas às idéiasmaneira imediata. Trata-se de um pro- estabelecidas como verdadeiras. Numacesso longo, que envolve a participação segunda etapa desse processo de trans-de diversas gerações. Num primeiro formação, depois que as críticas já co-momento, surgem apenas críticas ao meçam a se tornar comuns, chega o mo-pensamento que está estabelecido. Esse mento da construção de uma nova for-processo de crítica é extremamente difí- ma de pensar o mundo. É necessário ul-cil para quem o faz. Vocêtalvez já tenha trapassar a crítica para chegar ao planoouvido falar de pensadores como Gior- da formu lação das novas idéias.o iluminismo comomovimento filosófico . No século XVIII surgiu na Europa Você é supersticioso? Muita genteum movimento que pretendia construir tem superstições! Vocêjá pensou sobre ouma nova razão, diferente da medieval. que é superstição? É a crença na existên-Esse movimento foi chamado de ;Ium;- cia de relações entre fatos que não podemn;smo ou esclarecimento. Sua importância ser comprovados por meios racionais.foi tão grande que o sécu 10 XVIIIé, por Pense no seguinte: o torcedor de um clu-vezes, chamado de Século das Luzes. be de futebol assiste a diversos jogos de seu time e, por acaso, em todas as vezes É muito difícil resumir o que foi o ele está vestindo a mesma camisa. Se oiluminismo, pois fizeram parte desse time dele vencer todas as partidas, elemovimento vários filósofos, que defen- pode começar a imaginar que existe algu-diam diversas correntes de pensamento. ma relação entre sua camisa e a vitóriaEntretanto, em linhas gerais, pode-se do time e passar a usá-Ia sempre que as-afirmar que os iluministas queriam fun- sistir aos jogos. Acreditar nesse tipo dedar uma nova razão. Acreditavam numa relação, que não tem nenhuma base ra-nova forma de pensar e ver o mundo,1í- cional, é típico de uma postura supersti-vre das influências religiosas que for- ciosa ou visão mágica do universo.mavam a base da razão teológica medie- A nova razão procurava se opor àsval, razão essa que eles denunciavam superstições. Grande parte dos ilumi-como supersticiosa. rustas criticava as concepções religiosas
  17. 17. por basearem-se, segundo sua perspecti- nistas declaravam que esse conhecimen·va, em superstições. As tradições religio- to revelado, como não podia ser provadosas baseiam-se em verdades que foram em sua totalidade por caminhos pura-reveladas por Deus a alguns homens. As mente racionais, não poderia ser conside-formas dessas revelações são muito va- rado verdadeiro. Aceitar um conheci-riadas. Entretanto, para os que têm fé, es- mento revelado era, para eles, inadlnissÍ-sas revelações são verdades inquestio- vel e poderia levar ao irracionalismo, à_náveis. Mesmo que sejam submetidas à crendices.razão, sempre chegará um momento em Dessa forma, filosofia e religião de-que não haverá mais explicações possí- veriam estar em campos opostos. O novalveis, e considerá-Ias falsas ou verdadei- movimento surgia para iluminar as men-ras será uma questão de fé. Os ilumi- tes. A difusão dessa nova racionalidade Família burguesa em 1785.
  18. 18. levaria à construção de urna nova cultu- de produção cultural. E para isso tinhara, que seria completamen te livre de que desqualificar as antigas idéias, divul-dogmas e de autoritarismos intelectuais. gando outras. O iluminismo surge como base filo- Lavoisier viveu durante essa épocasófica da sociedade que se estava cons- de elaboração das novas idéias. A Fran-truindo. Uma sociedade em que grande ça foi um dos países em que o ilumi-parte do poder político e cultural ainda nismo se desenvolveu de forma maisse encontrava nas mãos da Igreja. A intensa. Vamos procurar conhecer al-nova classe ascendente, a burguesia, de- gumas dessas idéias em dois campossejava conquistar não só o poder econô- nos quais Lavoisier atuou com mais in-mico e político, mas também as formas tensidade.o iluminismo naeconomia •••••••••••••••••••••••••••••••••••• A Europa dos séculos XVI e XVII já Os economistas ligados ao movi-havia se organizado políticamente sob a mento ilLUninista propuseram outra for-forma dos Estados nacionais. Até então, a ma de encarar esse problema. Eles defen-organização política girava em tomo das diam que, para a economia prosperar,cidades. Com o advento do absolutismo, não deveria haver intervenção do Estado.surgiu uma nova organização política em Consideravam a economia semelhante àque um território maior era governado natureza e, portanto, sujeita às leis natu-por um poder central, o rei. Uma das rais. Assim, os economistas, a exemploprincipais preocupações desses reinos dos físicos, deveriam apenas procurarera tornarem-se cada vez mais ricos. Os compreender as leis que regem os merca-estudiosos da economia dessa época pro- dos, sem propor nenhuma intervençãocuraram analisar esse problema e sugeri- do Estado.ram algumas saídas. Bastaria que se pro- Veja que situação interessante! Asduzissem mais riquezas do que a nação idéias apresentadas pelos físicos, funda-necessitava para seu consumo. O exce- dores da ciência moderna, influenciaramdente deveria ser exportado; e o lucro ob- a economia das nações. Os economistas,tido, armazenado. Os Estados, para que embora estivessem estudando o funcio-isso pudesse ocorrer, deveriam controlar namento do mercado, conheciam aquilotoda a economia criando normas que re- que Galileu, Descartes e Newton haviamgulassem o seu funcionamento. Com esse proposto para a ciência.controle poderiam ser alcançados os ob- Esses economistas ficaram conlleci-jetivos pretendidos. Esse tipo de política dos como fisiocratas. Esse vocábulo tem aeconômica ficou conhecido mais tarde mesma origem de físíca, isto é, a palavrapelo nome de mercantilistllo e foi pratica- grega physis, que significa, de formado por grande parte dos países europeus simplificada, o que nós hoje chamamosno princípio do século XVIII. de natl/reza. O lema desses economistas 25 Q>
  19. 19. era laissez-jaire, que em francês significa pelo campo. Por isso defendiam a idéia deixai jazer. de um incentivo à agricultura em detri- A França foi a nação em que o con- mento das outras áreas da produção. trole mercantilista sobre a economia foi Para os fisiocratas, o controle total da mais radical. Existia um verdadeiro exér- economia era absurdo porque os produ-cito de fiscais que controlavam a econo- tores deveriam seguir o curso natural dolnia. Por exemplo: imagine que um pro- mercado, isto é, fazer o que fosse possíveldutor de tecidos, observando as prefe- para ampliar sua riqueza. As normas im-rências das pessoas de sua região, deci- pediam o fluxo natural do mercado.disse fabricar um novo tipo de tecido. Como a maioria dos países euro-Não podia As leis impediam que sua fá- peus no século XVIII era governada porbrica produzisse tecidos fora dos pa- monarquias, e como toda a economia eradrões estabelecidos. controlada por elas, nada mais previsível Os fisiocratas defendiam que a raiz do que a nova classe, a dos burgueses, emde toda a riqueza de uma nação estava busca de uma ascensão em termos econô-na agricultura. O comércio e a indústria micos e políticos, passar também a defen-apenas transformavam os bens gerados der as idéias dos fisiocratas.o iluminismonas ." ClenClaS . ". . A ciência moderna surge no século Igreja e em todo conhecimento baseadoXVII como parte de um movimento mais em elementos místicos.amplo. A burguesia, à medida que vai As novas ciências, pouco a pouco,ampliando seu poder na área econômica, vão procurando abandonar as referênciastambém começa a questionar o poder em religiosas que ainda persistiam nos escri-outros campos. Nada mais natural que se tos de seus fundadores.questionem as velhas formas de produ- Talvez você ache isso estranho Re-ção de conhecimentos ligadas à Igreja. ferências religiosas nos escritos dos fun-Galileu irá viver o ponto alto desse emba- dadores da ciência?! Pode parecer esqui-te ao defender suas idéias perante os tri- sito, porém é a mais pura verdade. Os es-bunais da Santa Inquisição. Embora saia critos dos fundadores das ciências, comoderrotado, obrigado a permanecer em Copérnico, Descartes, Galileu e Newton,prisão domiciliar até o fim de sua vida, continham, de maneira explícita, refe-não há mais como impedir que a nova rências às concepções religiosas de suaciência se estabeleça*. Será só uma ques- época.tão de tempo para que ela se estruture Copérnico, no século XVI, colocou ocomo saber. À medida que o tempo passa, Sol no centro do sistema planetário por-aumenta a desconfiança no poder da que acreditava, entre outras coisas, que* Leia mais sobre esse assunto em GlllifclI e o IIllscill/rIIto da citlIcil1l1lodcl"IIlJ, desta coleção.
  20. 20. )eus não poderia ter feito um astro tão,rilhante e não colocá-Io no centro, demde poderia iluminar tudo. Newton, no.éculo XVII, ao imaginar a atração entreorpos como a Terra e o Sol, em seu estu-10 sobre a gravitação, afirmou que essaItração acontecia em um meio que preen-:heria todo o espaço e que ele denominoule fléter". Para ele, o éter seria o senSOrillJ1l)ei, ou os "sentidos de Deus", pois esta-ia em todos os lugares do universo, re-)[esentando uma espécie de quinta-essên-:ia (um conceito proveniente da alquimia).viuitos OUtros conceitos existentes na fí-,ica newtoniana continham referências aTelhas idéias aIquímicas. A atração entre)S corpos, criada por Newton para expli-:ar o movimento dos planetas em tornoio Sol, possui algo daquele conceito deafinidade" presente nos primórdios dallquimia*. Todo esse caráter da obra de New- on, e dos demais fundadores da ciên-:ia moderna, será considerado me- afísico pelos cientistas iluministas. Diversos cientistas ligados ao mo-limento iluminista procuraram eliminarIS referências metafísicas ainda existen- Isaac Newton (1642-1727).es na ciência. A melhor forma para isso~ra apagar O passado, reescrevendo no- de, o que se fez foi uma releitura de suasras livros. Foram então escritas diversas obras a partir de novas bases.)bras, denominadas Tinlndos, que apre- Já no campo da química essa revo-;entavam as teorias de NewtoTI, assim lução foi mais radical. Antoine Laurent:omo as dos demais fundadores da ciên- Lavoisier foi o principal nome dessa re-:ia moderna, sem o caráter meta físico volução. Ele tomou parte do movimento:on tido nos originais. Essa atitude dos iluminista procurando fundar uma nova:ientistas iluministas foi considerada químjca, ou seja, sem as referências rne-nais tarde uma nova revolução científi- tafísicas da alquimia. Assim, seu princi-:a. Na física, essa revolução preservou as pal objetivo foi apagar todo o passado:lrincipais idéias de fundadores como herdado da alquimia e se proclamar O=opérruco, Galileu e Newton. Na verda- fundador da química moderna.- Leia mais sobre esse assunto em Ncw/oll ( o frilflljo do IJIccnllicislIIO, desta coleção. 27 ~
  21. 21. VOCÊ SABE O QUE É METAFíSICA? ,~ o prefixo mel(n) religiosas existentes nas obras dos fun- t significa "além de" dadores da ciência moderna nós mencio- ~ ou "após" alguma namos o éter, aquele meio material que coisa. A palavra me- preencheria todo o universo e que foi Infísiea foi inventada utilizado por Newton e outros cientis- pelo filósofo And ro~ tas para explicar como um planeta conse- nico de Rodes, no ano guia atrair outro estando a uma grande 50 a.c., para classifi- d istãncia dele. O éter nunca teve sua exis- car e denominar os tência confirmada por meios experimen- escritos de Aristóte- tais. Logo, a justificação do fenômeno da les posteriores aos atração a distãncia estava baseada num seus estudos sobre elemento da natureza que não tinha sua física. Nos escritos existência confirmada. Os cientistas do meta físicos, Aristó- século xvrn consideravam-na uma expli- teles procurou pen- cação metafísica, que por isso não deveria sar aquilo que ficou fazer parte da ciência. Outro exemplo in- conhecido como a teressante é também uma conseqüênciaEstátua de Aristóte- "filosofia primeira", da obra de Newton. A força de atração en-les (384-322 a.C.), fi- isto é, a busca da es- tre os planetas também foi consideradalósofo grego. sência de todas as por alguns cientistas do século XVlII coisas. Ao redigir es- como metafísica, pois a capacidade de umses escritos, ele inaugurou um campo corpo atrair outro era percebida comoda filosofia que, de causa em causa, tendo relação com o princípio alquímicobusca o conhecimento da natureza das afinidades entre corpos e substãncias.última de todas as coisas. Você já deve Os cientistas mecanicistas do séculoter visto como as crianças gostam de fa- XVI]] tentaram afastar toda e qualquer ex-zer perguntas sobre o porquê das coi- plicação que não tivesse por base a exis-sas. A cada resposta dada pelo adulto tência de corpos que pudessem ser ob-ela emenda um outro: por quê? Na servados ou ter sua existência comprova-meta física também é assim, vai-se de da experimentalmente. Mais tarde, já noporquê em porquê, à procura da expli- século XIX,alguns cientistas tentaram ba-cação última para tudo. Nas ciências, nir completamente a metafisica da ciên-um conhecimento é considerado meta- cia. Eles acreditavam que a ciência nãofísico quando tem suas bases de susten- poderia buscar compreender a essênciatação apoiadas em alguma explicação da natureza. Os cientistas simplesmenteou elemento da natureza que não possa deveriam criar expressões matemáticaster sua existência confirmada por meios que descrevessem seu comportamento. Aexperimentais. tentativa de banir a metafísica da ciência Vamos exemplificar: você se lem- gerou, no século XIX, lllna corrente filo-bra que ao comentarmos as referências sófica denominada positivismo.
  22. 22. o Quando você desejafa- A enciclopédia nãofoi ENCYCLOPEDJE, .~zer uma pesquisa sobre ()lj 1.. inventada na França.Entre- DICTIONNAlltE RAISONNE &um assunto que conhece tanto, os iluministas fran- DES SCIENCES,pouco, ou do qual nunca DES ARTS foT DES METIERS. ceses se propuseram a es-ouviu falar, onde procura as t";.• r. SOCIET~ /)c CE."s J)C LCITIlES. crever lima que ficou mili- - IAIl Wio _";-o.,..!o!.N/)FlOf •• ••• ,~_"" ••.,,,,_ , •. .., r.o.~infonnações sobre o tema? - •••.•.•. ••,.•,,,"_~",<, :>L.D·"l_.<.oT. ,,_ ..••. to famosa. O objetivo de- :~_ •.. --.•.•...•. ~"•...•..•.•.•. ..."O P"óprio título desta se- T~ ••••••• o"f"o.~""-_·&<.o.,. -J les era reunir mim grande T ••••••••• ~· •••• ,... ••ção já deve ter indicado a TOME PIt(.lEJ:.. livro, dividido em volumes,resposta. O que é uma en- todo o conhecimento pro-ciclopédia? Você já pensou duzido até aquela época.sobre isso? É uma tentati- Essa enciclopédia francesava de reunir todo O conhe- teve como subtítulo os se- A P. ~,~.cimento existente e anna- guintes dizeres: "Dicioná-zená-Io num lÍnico lugar. "- 0(:. II rio racional das ciências, .•••<~~~~"s ••,,"~« .•••~.• c."" •• , t.Você deve sabe, a utilidade das artes e dos ofícios".que esse tipo de livro tem. Numa bibliote- Dois filósofos iluministas, Denis Diderotca encontramos diversos livros sobre os (1713-1784) e Jean dAlembert(1717-1776),mais variados assuntos. coordenaram a edição dessa enciclopédia Por onde começar uma pesquisa? e convidaram diversos sábios da época a A boa enciclopédia fornece essa por- escreverem sobre os assuntos dos quais elesta de entrada. Ela dá uma informação re- mais entendiam. Os livros foram dividi-sumida sobre um tema e aponta como dos em verbetes, isto é,palavras que suge-contÍllllar se aprofillldando nele através riam temas. Os 35 volumes da enciclopé-de outros livros. dia levaram 21 anos para serem editados. .~ A edição da enciclopédia teve IIIn ~ grande valor simbólico para a con- ; solidação da sociedade modema. Ela representa uma tentativa de se criar uma forma de organização de todo o saber existente em detenniuada épo- ca, a partir da óptica dos iluministas. É como se eles estivessem dizendo ao mundo: a partir de agora este passa- rá a ser o verdadeiro conhecÍlnento, quem quiser adquiri-Ia é só consul-Denis Diderot (1713-1784). Jean dAlembert (1717-1776). tar os verbetes. 29 <a>
  23. 23. CAPíTULO 3Lavoisier:político e cientistaA em 26 de agosto de 1743, em Pa- ntoine Laurenttinham urnanasceu ris. Seus pais Lavoisier situa-ção econômica muito boa. Sua mãe fale-ceu quando ele tinha cinco anos. Seu pai,que era advogado e procurador do Parla-mento, procurou criá-Io com ajuda deuma tia, irmã da mãe do menino. O fatode a fanúlia materna possuir muitas pos-ses permitiu que Lavoisier estudasse emcolégios de prestígio. Um deles, o CollegeMazarin, era famoso pelos seus cursos de 2ciências. Seu pai desejava que ele tam- ~bém se tornasse advogado. Lavoisier sa- ~ ~ i!tisfez o deseJ·o de seu pai. Entretanto, -após concluir O curso de direito, passou ase dedicar às ciências. Naquela época, di-versos cientistas ministravam cursos, l ~
  24. 24. fora das universidades, a estudantes que quimica. Por causa disso, começou a es-se interessassem pelo tema. Lavoisier par- tudar os temas relativos à quimica queticipou de muitos deles. Seus interesses estavam em voga na época.iam da botânica à geologia, da química à À medida que o tempo passava, doisastronomia. Um de seus mestres, o pro- caminhos foram se apresentando à frentefessor Rouelle, era famoso pelos cursos de Lavoisier: seguir uma carreira política,que ministrava no Jardin du Roi, uma es- ligada à administração do reino como ha-pécie de jardim botânico de Paris. Além via fei to seu pai, ou seguir uma carreirade Lavoisier, freqüentaram esses cursos científica, realizando investigações novários cientistas e políticos, que participa- campo da geologia e da química. Lavoi-ram ativamente do movimento iluminista. sier não optou nem por uma nem por ou- Lavoisier começou a estudar qlúmi- tra. Seguiu as duas. E as interligou de talca devido ao seu interesse pela geologia. forma que, ao estudar sua biografia, ficaAlguns de seus professores o convence- difícil distinguir quando ele está atuandoram de que um bom mineralogista deve- como administrador e político e quandoria conhecer muito bem os princípios da atua como cientista.o desenvolvimento •de uma carreira . Lavoisier escreveu seu primeiro tra- classes: geometria, mecânica, astrono-balho sobre geologia em 1764. Era um mia, anatomia, química e botânica. Cadaestudo sobre a composição de diversos classe possuía oito acadêmicos. Existiamtipos de gesso. Apresentou esse trabalho também os acadêmicos suplentes, quena renomada Academia Real de Ciên- não eram nomeados pelo rei, mas po-cias de Paris, em fevereiro de 1765. Essa diam fazer parte das reuniões. Eramacademia, fundada em 1666, reunia os normalmente escolhidos pelos própriosprincipais cientistas franceses da época. acadêmicos, caso mostrassem compe-Lá, para realizar investigações nos cam- tência em suas áreas de estudo.pos da ciência e para controlar todos os Em 1768, surgiu urna vaga na acade-trabalhos ligados à produção científica mia devido à morte de um dos acadêmi-francesa, eles recebiam um salário. Nes- cos. Lavoisier candidatou-se a ela, tendosa época, existiam muitos cientistas a indicação dos membros para ocuparamadores e inventores de máquinas; essa cadeira. O rei, entretanto, acabou in-para terem seus trabalhos reconhecidos, dicando outro cientista, um geólogo deeles precisavam apresentá-Ios aos mem- maior prestígio que Lavoisier devido aosbros da academia. Algumas vezes eram trabalhos realizados para o governo fran-instituídos prêmios para a realização de cês. Porém, atendendo ao pedido dostrabalhos em determinadas áreas. O tra- demais acadêmicos, indicou o jovembalho da academia era dividido em seis Lavoisier para um posto de suplente na 31
  25. 25. A principal sala de reuniões da Academia de Ciências de Parisvura do século XVII que mostra uma hoje. Nessa instituição são debatidas, desde o século XVII, as prin-nião da academia. cipais controvérsias relativas às teorias científicas.sse de qtúmica. Um ano depois da in- da Ferme Générale. A Ferme tinha sido:ação, surgiu outra vaga de acadêmico, incumbida pelo rei da França de cobraravoisier assumiu uma cadeira na Aca- os impostos da população, recebendonia Real de Ciências. uma parcela como pagamento pelo servi- À medida que o tempo passava, La- ço. Os jermiers, sócios da Ferme Générale,.sier foi galgando cargos na hierarquia administravam o trabalho de diversosacademia, até que, em 1785, assumiu a cobradores de impostos em toda a Fran-,sidência da instituição por um ano. ça. Devido a isso, eles tinham de viajar>curou então elaborar uma reforma da muito, vistoriando a cobrança desses im-rutura acadêmica, criando duas novas postos. A Ferme Générale não tinha boa,ses, a de Física Geral e a de Mineralo- reputação junto à população francesa., mas reduzindo o número de acadê- Muitos a acusavam de retirar somas con-:os por classe. Esse tipo de atitude cau- sideráveis dos impostos como pagamen-I muito descontentamento e fez aumen- to, o que certamente tornava os impostos o número de cientistas politicamente muito altos ..trários a Lavoisier. A reforma represen-a uma busca de elitização da academia, n momento em que diversos cientis- amadores desejavam se profissiona- r, fazendo parte do grupo e recebendoirios por sua atividade. Note que a re-na aconteceu quatro anos antes do ini- da Revolução Francesa. No mesmo ano em que entrou para a ldemia Real de Ciências, Lavoisier Lavoisier observa prou ações de uma empresa chama- um experimento. 32
  26. 26. Ser membro da Academia Real deCiências e trabalhar na Ferme Gênéraleproporcionou uma situação muito pro- ,veitosa para a carreira científica deLavoisier. Sendo obrigado a realizar di-versas viagens para vistoriar a cobran-ça de impostos no interior da França, Jele aproveitava sua estada em cada ci-dade para realizar palestras nas acade-mias científicas locais, pois, a exemplo Ilustração de Marie-Anne no livro de Lavoisier.de Paris, as cidades do interior tambémpossuíam suas pequenas academias pintores franceses da época. A partir des-científicas. Isso contribuiu muito para se conhecimento de desenho e pinturaque sua fama como cientista se propa- ela passou a ilustrar os livros de La-gasse por todo o país. VOlSler. Em 1775,Lavoisier foi chamado pa- ra resolver um problema científico e eco- nômico vivido pela França. A escassez de salitre e a corrupção em algumas empresas produtoras de pólvora impe- diam o Estado de obter a pólvora ne- cessária para a defesa de seu território. O cientista sugeriu ao controlador geral das finanças que se criasse uma empresa controlada pelo Estado para a produção de pólvora. Lavoisier foi então nomeado para dirigir essa empresa, chamada de Administração de Pólvoras e Salitres, que ficou encarregada de produzir toda a pólvora necessária para a defesa da França. Lavoisier mudou-se para um ar- senal e mandou construir ali um labora-Detalhe de pintura que retrata o casal Lavoisier, tório para o aperfeiçoamento da produ-feita por Jacques Louis David em 1788. ção de pólvora. Esse laboratório tornou- se um dos mais bem equipados do mun- Lavoisier casou-se em 1771 com do. Lavoisier encomendou instrumentosMarie-Anne-Pierrette Paulze, filha de ou- de medição, como balanças, a diversostro fermier. Marie-Anne mostrou-se uma artesã os franceses. Nesse local, que hojecolaboradora dedicada de Lavoisier. poderíamos chamar de um laboratórioAprendeu latim e inglês, tornando-se tra- industrial, Lavoisier realizou diversasdutora de diversos livros científicos. Ao pesquisas no campo da química, alémmesmo tempo, estudou pintura com de produzir a melhor pólvora da EuropaJacques Louis David, um dos maiores na época.
  27. 27. Lavoisier recebeu muita influência Essa mistura de ciência e política :l pensamento iluminista no campo não foi uma atitude isolada por parte de :onômico. A idéia dos fisiocratas de que Lavoisier. Assim como ele, em outros verdadeira riqueza viria dos campos le- campos e na mesma época, vários cien- :lUo cientista a comprar, na região fran- tistas realizaram tarefas semelhantes: ~sa de Orleans, uma fazenda, que ele Gaspard Monge (1746-1818) foi mate- eqüentava somente nas épocas de se- mático e ministro da Marinha; Pierre- eadura e colheita. Nesse local procurou Simon Laplace (1749-1827) foi matemá- esenvolver métodos e processos para O tico, físico e auxiliou o Congresso du- umento da produção agrícola. Verificou rante os mais difíceis anos da Revolu- ue o aumento da produtividade se rela- ção; Lazare Carnot (1753-1823) foi mate- ionava com a quantidade de esterco mático, físico e trabalhou durante a Re- xistente no solo. Calculou então a pro- volução, comandando o exército fran- ·orção adequada de cabeças de gado cês. Enfim, muitos cientistas se engaja- ara a área de pastagem e de terra culti- ram num processo político-científico. ada. Com isso, conseguiu duplicar a Não poderia ser diferente, uma vez que rodutividade da lavoura e quintuplicar quase todos provinham das classes po- , número de cabeças de gado. pulares, eram filhos de burgueses e esta- Como você pode notar, as carreiras vam inconformados conl a situação de )olítica e científica de o ~ miséria em que se encon- ... avoisier se nüstu- ] trava seu país. A maio- avanl de fornla m- ~ ria deles participou ati- ensa. Ele procurava vamente da Revoluçãoplicar idéias cientí- Francesa.lCas no campo po- .~ ítico e "ice-versa.::riar wn laboratório,lue modernamente:loderia ser denomi-~ado industrial, para:lroduzir a pólvoraio reino foi uma ati-vidade política e aomesmo tempo cientí-fica, já que o labora-tório permitiu a La-voisier realizar diver-sos experimentos científicos. De modo aná-logo, transformar sua fazenda num gran-de laboratório agrícola foi a forma que eleencontrou para oferecer comprovações prá-ticas das idéias dos fisiocratas do ilurninis-mo francês.
  28. 28. cAPírUL04Umana química revoluçãoEm mica ainda não tinha o statlls de ciência, como século XVIII, a quí- meados do a física possuía.Havia muito preconceito em relação aotrabalho dos químicos. A química era vis-ta como uma atividade artesanal, em queapenas se manipulavam substâncias. Oso preconceito existente em relação aos trabalhos ]manuais levou muitos i1uministas a não considerar a ~química como uma ciência. Foi preciso vencer esse ~preconceito, que associava as experiências de labo- p.ratório com as práticas artesanais, para que a quími- ~ca ascendesse a uma nova condição. Na figura, um ::::artesão prepara um recipiente de vidro. ,~ .....
  29. 29. :ilósofos iluministas a viam como uma trução das bases de uma química científi-ltividade ainda muito ligada à alqui- ca. Gabriel François Venel (1723-1775) foinia, conhecimento considerado mágico o médico francês que escreveu o verbete~sem as bases racionais que uma verda- chymica (química) na Enciclopédia. Nessefeira ciência deveria ter. Na c1assifica- verbete, Venel discordava de D Alembert;ão dos conhecimentos feita por D Alem- e procurava dar à química um caráter)ert para a Enciclopédia, a química ocu- mais científico. Para tanto, procurou ex-:lava um lugar muito baixo na hierar- por as recentes teorias de um médico nas-luia científica. cido na Prússia (hoje Alemanha) que es- Alguns químicos, entretanto, já co- tava criando as bases de uma nova quí-:neçavam a se esforçar na busca da cons- mica. Seu nome era Georg Ernst Stahl.fllJllil;tlJ . Stahl, assim como todos os químicos ria sempre combinada com a terra presentedo século XVIII, trabalhava com os qua- nos corpos ou com o ar. A luz e o calor per-tro elementos: terra, água, ar e fogo. Ele cebidos durante a queima das substânciashavia construído uma importante teoria eram as únicas manifestações sen-para explicar as reações químicas, síveis desse princípio do fogo.principalmente as que ocorriam Vamos dar um exemplona presença do fogo. Esse pes- de como os quimicos do sé-quisador acreditava na existên- culo XVIII explicavam o fe-cia de um "princípio do fogo", nômeno da combustão.uma espécie de espírito do fo- Você já deve ter ob-go, que era encontrado nas servado que um pedaçosubstâncias e que se des- de carvão, após queimar,prendia delas quando estas se transforma numaeram aquecidas. O princí- pequena quantidadepio do fogo era denomi- de cinzas. Stahlnado flogislo ou flogís- defendia quelico, palavra deriva- o carvão erada do grego phlo- formado degislos, que significa terra e de uma"queimando". O flo- enorme quan-gisto seria urna subs- tidade de flo-tância imperceptível gisto; então,aos olhos dos ho- quando aque-mens e impossível de cido, ele libe-ser isolada, pois esta- Georg Emsl SI.hl (1660-1734). raria todo o
  30. 30. flogisto existente em seu interior e sobra- então a desconfiar da existência do flo-ria apenas a pequena quantidade de ter- gisto, que parecia ter um caráter místico,ra, as cinzas. Outro fenômeno que era ex- próprio da velha alquimia.plicado por meio da teoria do flogisto era As críticas do ponto de vista experi-a calcinação dos metais: quando um me- mental provinham de algumas experiên-tal era aquecido, ele produziria uma cin- cias que eram então realizadas. Algunsza então denominada "cal" do metal; químicos perceberam que a massa decor-esse processo era conhecido como" cal- pos queimados aumentava após o pro-cinação" dos metais; o surgimento dessa cesso de combustão e calcinação. Lem-cal seria ocasionado pela perda de flo- bre-se: dizia-se que a presença do fogo fa-gisto por parte do metal. A operação in- zia com que o flogisto abandonasse o cor-versa, isto é, a transformação dessa cal po. Como explicar tal fato? Alguns quí-num metal também seria possível: para micos defensores do flogisto ainda tenta-isso, bastaria aquecê-Ia com carvão; este ram elaborar explicações, propondo, porperderia o flogisto para a cal, que, ao exemplo, que o flogisto seria animadoabsorvê-lo, se reconstituiria como metal. por forças contrárias à da gravidade. Isso A teoria do flogisto funcionava co- fazia com que a sua presença tornasse omo um grande princípio unificador, isto corpo mais leve, e a sua ausência, maisé, era uma teoria que explicava diversos pesado. Esse tipo de explicação tornava ofenômenos da química. Entretanto, ao flogisto cada vez mais irreal aos olhosmesmo tempo que o flogisto explicava dos químicos. A teoria do flogisto come-uma série de fenômenos, era um proble- çou a ser considerada metafisica, e essama duplo para os químicos, pois havia era uma forma de pensar a natureza quecríticas à sua existência no campo filosó- os cientistas iluministas queriam ver ba-fico e no campo experimental. nida da ciência. A crítica do ponto de vista filosófico Não pense que abandonar uma teo-vinha do fato de o flogisto apresentar ria seja tarefa fácil. Como a teoria doum caráter meta físico. Lembre-se de que flogisto explicava de forma aparente-estamos nos referindo ao século XVIII, o mente coerente diversos fenômenos, eraSéculo das Luzes, um tempo em que os defendida por inúmeros químicos do sé-homens acreditavam estar se libertando culo XVIII. Para que ela fosse abandona-das visões mágicas do passado e criando da, deveria ser criada outra teoria queuma forma diferente de ver o mundo e a fosse, como ela, abrangente nas explica-natureza, baseada única e exclusiva- ções dos fenômenos. A nova teoria, alémmente na nova razão científica. Tudo o de explicar os fatos que a velha teoria jáque não pudesse ser percebido por explicava, deveria também explicar os fa-meio da observação e cuidadosamente tos que estavam causando problemastestado por experimentos não poderia para os cientistas. Portanto, a princípio,ser aceito como verdadeiro. O flogisto era mais fácil tentar aperfeiçoar a velhanão podia ser percebido pelos sentidos teoria, acreditando que a ausência de ex-nem podia ser isolado por meios expe- plicação dos fenômenos se devesse muitorimentais. Muitos químicos, influencia- mais a uma incompetência dos cientistasdos pelos ideais iluministas, começaram do que à falsidade da teoria existente.
  31. 31. Existe uma atividade que 110S permi- linhas. Você terá transformado o papel compreender melhor como se dá a subs- num conjunto de pedaços fonnados de :tlição de uma teoria por outra. Cons- triângulos, quadriláteros e um pentágono. Úlemos um quebra-cabeça para fazer Entregue os pedaços desordenados na al1alogia com a c011st11lção conhe- do ao seu colega. Diga-lhe que é um quebra- >11ento ciel1tifico. Entretal1to, você não cabeça para ser mOl1tado. Observe que, se ,de esquecer que analogias são compa- você não disser mais nada, ele irá per- .ções e não retratos fiéis do processo. gUl/tar o que deverá ser mOl1tado, pois as Você irá desafiar um colega, que peças, sem a idéia do que deve se, feito :nda não tenha lido este liv1O,a mOI1- com elas, não significam nada. Somente lr um quebra-cabeça. Ele terá de mOI/- então lhe diga que ele deverá fonnar um lr um quadrado a partir de peças feitas quadrado com as peças, ? papel. Sua atuação ficará restrita à ?servação de como ele elabora solu- Jes para esse problema. Não se esqueça isto: embora seja uma brincadeira, ocê deverá estar todo o tempo concen- ado, observando-o, sem dar dicas de 91110 resolve o quebra-cabeça. se Recorte um quadrado numa folha de apel em bmnco. Se você tiver cartolina u papelão de embalagens será melhor. sse quadrado deverá ter 20 cm de lado. /ace com "" lápis a configul"ação da fi- ltra 1 lto papel, obsenJando que existem :l1gulos retos l1a ligação de algumas li-·has. Esses ângulos devem se, respeita-os de fonna precisa. Após desenhar as li-,h as na folha, recorte-a seguindo essas Figura 1.
  32. 32. Normalmente as pessoas começam Em ciência também é assim. No fim-tentando posicionar os vértices das figuras do, a construção de teorias é como a mon-de forma a fazer com que eles coincidam tagem de um grande quebra-cabeça: semprecom os do quadrado que se deseja montaJ, se procura uma ordem para os fatos. Entre-Como existem muitos vértices, o trabalho tanto, antes da montagem, os cientistas játoma-se bem difícil, Outra tendência é co- têm uma idéia do que desejam montar. Oslocar os lados do retângulo coincidindo dados das experiências são as peças que secom os do quadrado. Como a posição do deseja ordenar. Quando conseguem encai-"etângulo na montagem é torta em relação xar algumas peças, procuram manter esseà disposição do quadrado, esse tipo de ten- encaixe, tentando adaptar as outras peçastativa toma a montagem mais difícil. a ele. Só abandonam essa disposição se ela Após encaixar duas ou três peças, ele se mostrar muito complicada e se existirdificilmente abandonará essa configura- uma crença muito forte de que outro cami-ção. Procurará adaptar as outras peças a nho seja mais proveitoso. É lógico que asessa disposição. Somente se o encaixe se escolhas desses caminhos não nascem dotornar muito difícil ele abandonará a nada. As concepções filosóficas existentesprimeira configuração, desmanchando as em cada época são fimdamentais para a es-peças, para começar tudo de novo. colha desses caminhos, Lavoisier foi o químico que se opôs suía muitos vestígios metafísicos, O cará-de forma mais intensa à teoria do f1o- ter abstrato, quase espiritual, do flogistogisto. Mesmo percebendo que a química não poderia ser aceito como um modelode Stahl já havia rompido, em parte, com explicativo para o comportamento da na-a alquimia, restavam ainda alguns pon- tureza, Por não ser material, o f1ogistotos de discordância, não poderia ser explicado pelas leis de Newton. Lavoisier, junto com alguns físicos A princípio, Lavoisier ainda trabalhoude sua época, como Laplace, defendia com a teoria do f1ogisto e dos quatro ele-uma visão mecanicista da natureza: para mentos aristotélicos. Mas ele não poderiaeles, a natureza era como uma grande simplesmente dizer que o flogisto não exis-máquina formada por uma infinidade tia. Era preciso construir outra teoria, oude corpos. O comportamento desses cor- seja, desfazer-se das peças do quebra-ca-pos deveria ser explicado pelas leis da beça e recomeçar a partir de uma nova dis-mecânica de Newton. No projeto de posição dessas peças. A maioria dessas pe-construção de uma nova química desen- ças já existia. Foram construídas por ou-volvido por Lavoisier, as reações quími- tros químicos a partir dos estudos sobrecas também deveriam ser compreendi- os elementos fiar" e lIágua". Lavoisier foidas a partir dessas leis. aquele que as juntou e que recompôs o for- mato do quebra-cabeça a partir de uma A teoria do f1ogisto não poderia ser nova ordem. Vamos acompanhar o pro-aceita por Lavoisier, pois ela ainda pos- cesso de sua construção.
  33. 33. A decomposiçãodo ar . Vários cientistas britânicos desenvol- a médico britânico·Joseph Blackviam estudos sobre o ar desde o século (1728-1799), utilizando as bombas de ar,XVII.Diversos trabalhos experimentais fo- verificou que alguns compostos orgâni-ram feitos a partir da bomba de ar, um cos com que trabalhava, quando subme-equipamento inventado no século XVII tidos a intenso calor ou a ácidos, des-pelo engenheiro alemão atto von Gue- prendiam urna espécie de "ar". Blackricke (1602-1628) para provar a existência chamou-o de "ar fixo", pois parecia en-do vácuo. Robert Boyle (1627-1691) e contrar-se fixo nas substâncias, só se des-Robert Hooke (1635-1703), químicos com prendendo durante seu aquecimento ougrande experiência na construção e no em contato com ácidos. Hoje, esse "araperfeiçoamento de equipamentos de la- fixo" é conhecido pelo nome de gásboratório, construíram na Inglaterra algu- carbõnico (Ca,).mas dessas bombas - capazes de reco- Joseph Priestley (1733-1804), umlher os gases desprendidos de reações quimico britânico que também era pas-químicas - e desenvolveram métodos tor presbiteriano, realizou diversaspara sua operação. Esse trabalho foi fun- experiências com os "ares". Nunla delas,damental para que os laboratórios ingle- em 1774, ao aquecer o óxido vermelhoses do século XVIII contassem com exce- de mercúrio, obteve um "ar" sem cor.lentes instrumentos de pesquisa. Priestley observou que esse "ar" tambémRobert Boyle (1627-1691). Projeto da bomba de ar de Boyle.
  34. 34. tinha a propriedade de "nu-trir a chama de uma vela",como fora observado porBoyle e Hooke no século an-terior. O aumento do fogona presença desse ar fezcom que Priestley o chamas-se de "ar deflogisticado".Ele acreditava que a ausên-cia do flogisto no ar faziacom que certa quantidadede flogisto saísse com maisintensidade do fogo paraocupar o espaço vazio exis-tente nesse ar. Essa des-coberta já havia sido feitapelo farmacêutico suecoCarJ ScheeJe, em 1772. En-tretanto, suas pesquísas sóforam publica das fora daSuécia a partir de 1777. Pare e pense por ummstante! Você deve ter perce-Jido que o fato de Priestleychamar o "ar" que nutria achama de uma vela de "ar:leflogisticado" tinha como Laboratório de química no século XVIII.Jase o fatode que ele acredi-tava que esse era o mesmoar" da teoria dos quatro elementos só cações do If ar" I um dos elementos aris-lue modificado, isto é, sem o flogístico. totélicos básicos constituintes da nature- A grande questão com a qual La- za. Ele (o ar) deveria ser considerado,misier vai se defrontar é a de dar uma portanto, um composto formado de ga-~ova interpretação para esses fatos. La- ses. O ar deflogisticado de Priestley eJoisier tomou conhecimento de todas es- Scheele deveria ser um gás componente;as pesquisas sobre a natureza do ar pela do ar atmosférico, assim como o ar fixoeitura das traduções feitas por sua es- de Black, um outro.Josa a partir dos escritos desses cientis- Lavoisier, acreditando que as inter-:as. Ele conversou ainda com Priestley pretações das experiências, feitas pelos~um encontro que tiveram em Paris, em químicos britânicos, estavam erradas,L774. Para Lavoisier, que não acreditava começou a planejar uma série de expe-~a existência do flogístico, esses" ares" riências para verificar como se dava alão poderiam ser considerados modifi- participação do ar nos processos de com-
  35. 35. ) e calcinação dos metais. Enco- óxjdo de chumbo e verificou que nesse JU aos artesãos parisienses as ba- processo ocorria um grande desprendi- ; mais precisas que se conheciam mento de um gás. Esses experimentos oca. Cercou -se dos melhores ins- levaram-no à conclusão de que o flogis- ntos de laboratório existentes. Fez to realmente não poderia existir. Para iências nas quais aquecia materiais Lavoisier, a velha questão do aumento o fósforo e o enxofre, e constatou do peso das substãncias após sua com- pós a combustão, os resíduos se bustão confirmava que deveria haver ~ntavam mais "pesados" do que os outra explicação para esse fenômeno. s originais. Aqueceu também o Talvez o ar atmosférico tivesse um papel fundamental nesses proces- sos de combustão e calcina- ção dos metais, que não ha- via sido considerado pelos outros quúnicos. Após a realização da sé- rie de experimentos planeja- dos por Lavoisier, pôde ser construída uma teoria capaz de explicar os fenômenos da combustão e da calcinação dos metais. A primeira con- clusão de Lavoisier foi que o ar atmosférico não era um elemento puro. Ele era consti- tuído de um conjunto de ga- ses, e estes participavam ati- vamente da combustão e da calcinação. O cientista procu- rou, então, identificá-los. O primeiro gás constituinte do ar atmosférico a ser identifi- cado foi aquele" ar" incolor que Priestley havia chamado de "ar deflogisticado". Como ele tornava a chama da vela mais intensa, Lavoisier perce- beu que era a parte combus- tível do ar atmosférico, res- ponsável pela queima das substãncias. Vamos ler o que Lavoisier escreveu nas suas:Iho de Lavoisier para o estudo do oxigênio. conclusões: 42
  36. 36. o ar da atmosfera não é 11m tal", por ter percebido, em suas expe- elemento, isto é, lima substân- riências, ser ele de extrema importân- cia sbnples, mas nna mistura cia para a respiração. Como também ode diversos gases. O ar da atmosfera é encontrou em alguns ácidos, chamou-composto de aproximadamente 11m qllar- o de "principio oxigênio", pois, no gre-to de ar deflogistieado, 011 ar eminente- go, oxus significa ácido. Mais tarde, per-mente respirável, e três quartos de 11m ar maneceu apenas o nome "oxigênio". Omalcheiroso e nocivo." outro componente do ar identificado Nesse trecho, Lavoisier ainda usa por Lavoisier é o azoto, que hoje é co-a nomenclatura de Priestley, chaman- nhecido por nitrogênio.do o novo gás de "ar deflogisticado". Com esse conjunto de experimen-Entretanto, como a base de sua nova tos e a partir da nova interpretação dadateoria era a negação da existência do por Lavoisier, O ar deixava de ser consi-f1ogisto, Lavoisier iria criar outro nome derado um dos elementos básicos cons-para esse componente do ar atmosfé- tituintes da natureza. Na realidade, elerico. A principio chamou-o de "ar vi- era composto de gases. ,A decomposiçãodallllllll .................••....................... Em 1783, Lavoisier tomou conhe- ca "água"). Em seguida ele conseguiucimento de novas experiências que juntar esses dois gases e obter novamenteJoseph Priestley e Henry Cavendish água.(1731-1810) estavam realizando na In- Lavoisier cOlllunicou suas experiên-glaterra. Eles haviam conseguido pro- cias à academia e explicou que a águaduzir orvalho através de descargas elé- também não é uma substância simplestricas. Perceberam que o orvalho era, constituinte da natureza, mas um com-na realidade, água pura. O conheci- posto.mento desse fato levou Lavoisier a re- A nova teoria de Lavoisier, explican-fazer as experiências dos químicos bri- do os fenômenos independentemente datânicos e dar aos fatos uma interpreta- idéia de flogisto, começou a ser aceita ra-ção à luz de sua nova teoria. pidamente pelos químicos. Joseph Black Ele realizou uma experiência de aná- já a ensinava a seus alunos em 1784. Oslise (decomposição) da água e posterior químicos franceses perceberam que algosíntese (recomposição). Na análise, ele diferente havia surgido na química. No-mostrou que a água é composta de duas vos elementos constituintes da matériaIIsubstâncias" sendo Ullla delas o seu I estavam nascendo. A química vivia um"princípio oxigênio". A outra foi denomi- momento revolucionário. Seria necessá-nada "princípio da água" 0,u "princípio rio reescrever os livros dessa ciência ahidrogênio" (do grego IH/dor, que signifi- partir das novas idéias.

×