SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO
FRUTÍFERO
Pr. Juscelino Freitas Email: juscelinofreitas799@gmail.com
I Tessalonicenses 2.1-8
1 Porque vós mesmos sabeis, irmãos, que a nossa entrada entre
vós não foi vã;
2 mas, havendo anteriormente padecido e sido maltratados em
Filipos, como sabeis, tivemos a confiança em nosso Deus para vos
falar o evangelho de Deus em meio de grande combate.
3 Porque a nossa exortação não procede de erro, nem de
imundícia, nem é feita com dolo;
4 mas, assim como fomos aprovados por Deus para que o
evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não para agradar
aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações.
5 Pois, nunca usamos de palavras lisonjeiras, como sabeis, nem
agimos com intuitos gananciosos. Deus é testemunha,
6 nem buscamos glória de homens, quer de vós, quer de outros,
embora pudéssemos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados;
7 antes nos apresentamos brandos entre vós, qual ama que
acaricia seus próprios filhos.
8 Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade
desejávamos comunicar-vos não somente o evangelho de Deus,
mas ainda as nossas próprias almas; porquanto vos tornastes
muito amados de nós.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
INTRODUÇÃO
Paulo defende-se, agora, dos ataques do Diabo contra
ele e seus companheiros de missão. É provável que
alguns dos irmãos, alcançados pelo evangelho, tenham
até acreditado nas insinuações malévolas contra os
homens de Deus. A murmuração tem sido uma arma
perigosa que age como vírus, espalhando seu veneno
em volta, às vezes de modo imperceptível. Que o
Senhor nos ensine a não sermos contaminados pelos
efeitos da murmuração.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
UMA ENTRADA ABENÇOADA.
Paulo tinha convicção de
que o trabalho
desenvolvido na capital de
Macedônia fora realizado
com amor e zelo.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
DEFENDENDO O MINISTÉRIO
OUSADIA NA PREGAÇÃO.
Paulo afirma que ele e seus
companheiros tornaram-se
“ousados em nosso Deus”
(2.2). Quando foi humilhado,
espancado, e preso
juntamente com Silas, em
lugar de lhes causar medo e
temor, na jornada
missionária, tiveram um
efeito positivo em seu fervor
na busca das almas
perdidas.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
DEFENDENDO O MINISTÉRIO
A PRUDÊNCIA NO MINISTÉRIO.
A prudente ousadia de Paulo é
um exemplo para os obreiros do
Senhor nos dias presentes. Aos
filipenses, ele disse “o viver é
Cristo, e o morrer é ganho” (Fp
1.20,21). Ele é ousado, mas
também prudente. Jesus ensinou
a não entrar em confronto com
os adversários (Mt 10.23). Certo
obreiro, julgando-se forte,
atacou os incrédulos numa
cruzada e teve de sair escondido
para não ser morto. Isso não é
ousadia. É atrevimento. Ousadia
é ação prudente em prol da
causa do Senhor.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
DEFENDENDO O MINISTÉRIO
PREGANDO SEM ENGANO.
Paulo disse que sua
pregação não foi com
“engano”, “imundícia”, ou
“fraudulência”. É preciso
cuidado com os lobos
vestidos de ovelhas, que
andam a enganar os
crentes incautos, sob a
capa de “muito
espirituais”.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
NÃO AGRADANDO A HOMENS
EXORTANDO OS CRENTES.
Paulo foi acusado pelos
inimigos. Talvez tenham
criticado suas exortações
sinceras. Ele era um zeloso
servo de Deus que levava a
mensagem de modo claro e
fiel, obedecendo à
revelação que recebera do
Senhor. Alias, era esse o
cuidado dos demais
apóstolos.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
NÃO AGRADANDO A HOMENS
PREGANDO COM PUREZA.
A pregação de Paulo não foi
com imundícia, ou
corrupção, nem
fraudulência. E muitos,
incrédulos ou crentes,
imaginavam que os
missionários não passavam
de mais um grupo de
tapeadores, que queriam
somente aproveitar-se da
boa fé dos ouvintes, a fim
de, inclusive, obter dinheiro
através da pregação do
evangelho.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
NÃO AGRADANDO A HOMENS
O PERIGO DA LISONJA.
Há quem busque a glória
para si. Há pessoas que são
movidas por elogios, ou
mesmo por lisonja, que é
sinônimo de bajulação. Isso
é perigoso para o ministério
pastoral e para qualquer
servo de Deus.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
NÃO BUSCANDO A GLÓRIA DOS HOMENS
NÃO SENDO PESADO AOS IRMÃOS.
Paulo defendeu a si e aos outros
missionários, afirmando que não
buscavam glória dos homens, nem
dos crentes, nem de outros.
Contudo nunca se aproveitou dos
irmãos, buscando ganhos
financeiros. Em lugar de buscar a
glória dos homens, em termos de
contribuição em dinheiro, ele
afirmou que “o meu Deus, segundo
as suas riquezas, suprirá todas as
vossas necessidades em glória, por
Cristo Jesus” (Fp 4.19).
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
NÃO BUSCANDO A GLÓRIA DOS HOMENS
BRANDOS COMO UMA MÃE.
Na visão de Paulo, o obreiro, ou o
ministro, deve ter o
comportamento de uma ama,
que age como uma mãe.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
COMO AMA QUE CRIA SEUS OS FILHOS
A AFEIÇÃO DO PASTOR.
Ele e seus companheiros eram tão
afeiçoados com os novos crentes. Essa
deve ser uma característica do obreiro
que tem de fato amor pelas almas que
se convertem. Hoje, há obreiros que só
querem ver as mãos levantadas na
hora do apelo. São ávidos por
números de decisões, no entanto, não
tem interesse em dar assistência aos
que aceitam o evangelho.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
COMO AMA QUE CRIA SEUS OS FILHOS
CONCLUSÃO
O ministério de Paulo foi frutífero e aprovado
por Deus. Em Tessalônica, mesmo tendo
passado menos de um mês, deixou uma igreja
bem doutrinada através do ensino e da
exortação sadia. O adversário levantou
murmuradores para acusar o apóstolo e seus
companheiros, porém não tiveram êxito, pois a
Palavra da Verdade suplantou os argumentos
da mentira e da calúnia.
A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 10 - O governo do Anticristo - última
Lição 10 - O governo do Anticristo - últimaLição 10 - O governo do Anticristo - última
Lição 10 - O governo do Anticristo - últimaAilton da Silva
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentaçãoAilton da Silva
 
lição 1 - A atualidade dos profetas menores
lição 1 - A atualidade dos profetas menoreslição 1 - A atualidade dos profetas menores
lição 1 - A atualidade dos profetas menoresAilton da Silva
 
Lição 13 - a fidelidade de Deus
Lição 13 - a fidelidade de DeusLição 13 - a fidelidade de Deus
Lição 13 - a fidelidade de DeusAilton da Silva
 
Os passos dado pelo papa em 2014
Os passos dado pelo papa em 2014Os passos dado pelo papa em 2014
Os passos dado pelo papa em 2014Eduardo Sousa Gomes
 
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem LevíticaLição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem LevíticaAilton da Silva
 
Do fracasso ao sucesso
Do fracasso ao sucessoDo fracasso ao sucesso
Do fracasso ao sucessoMiguel Alysson
 
Lição 2 - O propósito do fruto do Espírito
Lição 2 - O propósito do fruto do EspíritoLição 2 - O propósito do fruto do Espírito
Lição 2 - O propósito do fruto do EspíritoAilton da Silva
 
A carta à igreja de filadelfia
A carta à igreja de filadelfiaA carta à igreja de filadelfia
A carta à igreja de filadelfiaCarlos Nazareth
 
Lição 12 - Cosmovisão missionária
Lição 12 - Cosmovisão missionáriaLição 12 - Cosmovisão missionária
Lição 12 - Cosmovisão missionáriaAilton da Silva
 
Lição 05 - Um homem de Deus em depressão
Lição 05 - Um homem de Deus em depressãoLição 05 - Um homem de Deus em depressão
Lição 05 - Um homem de Deus em depressãoAilton da Silva
 
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição  2 - 12 DE julho de 2015 - Lição  2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 - Tcc Final
 
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSOLIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSOMarcus Wagner
 

Mais procurados (20)

Lição 14
Lição 14 Lição 14
Lição 14
 
Lição 2
Lição 2Lição 2
Lição 2
 
Lição 10 - O governo do Anticristo - última
Lição 10 - O governo do Anticristo - últimaLição 10 - O governo do Anticristo - última
Lição 10 - O governo do Anticristo - última
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentação
 
O ministério de pastor
O ministério de pastorO ministério de pastor
O ministério de pastor
 
02 Esmirna
02 Esmirna02 Esmirna
02 Esmirna
 
lição 1 - A atualidade dos profetas menores
lição 1 - A atualidade dos profetas menoreslição 1 - A atualidade dos profetas menores
lição 1 - A atualidade dos profetas menores
 
Lição 13 - a fidelidade de Deus
Lição 13 - a fidelidade de DeusLição 13 - a fidelidade de Deus
Lição 13 - a fidelidade de Deus
 
Os passos dado pelo papa em 2014
Os passos dado pelo papa em 2014Os passos dado pelo papa em 2014
Os passos dado pelo papa em 2014
 
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem LevíticaLição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é superior a Arão e à ordem Levítica
 
Lição 06
Lição 06Lição 06
Lição 06
 
Comportamentos
ComportamentosComportamentos
Comportamentos
 
Do fracasso ao sucesso
Do fracasso ao sucessoDo fracasso ao sucesso
Do fracasso ao sucesso
 
Lição 2 - O propósito do fruto do Espírito
Lição 2 - O propósito do fruto do EspíritoLição 2 - O propósito do fruto do Espírito
Lição 2 - O propósito do fruto do Espírito
 
A carta à igreja de filadelfia
A carta à igreja de filadelfiaA carta à igreja de filadelfia
A carta à igreja de filadelfia
 
Lição 4
Lição 4Lição 4
Lição 4
 
Lição 12 - Cosmovisão missionária
Lição 12 - Cosmovisão missionáriaLição 12 - Cosmovisão missionária
Lição 12 - Cosmovisão missionária
 
Lição 05 - Um homem de Deus em depressão
Lição 05 - Um homem de Deus em depressãoLição 05 - Um homem de Deus em depressão
Lição 05 - Um homem de Deus em depressão
 
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição  2 - 12 DE julho de 2015 - Lição  2 - 12 DE julho de 2015 -
Lição 2 - 12 DE julho de 2015 -
 
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSOLIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO
LIÇÃO 3 - A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO
 

Destaque

83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconalalexoliveira1976
 
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo logomarca 22.03.2016
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo   logomarca 22.03.2016IBPN - Igreja Batista Pacto Novo   logomarca 22.03.2016
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo logomarca 22.03.2016Claudio Marcio
 
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFERO
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFEROSEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFERO
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFEROClaudio Marcio
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-docAnapaula Ribeiro
 

Destaque (7)

83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
83272587 apostila-oficial-para-o-ministerio-diaconal
 
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo logomarca 22.03.2016
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo   logomarca 22.03.2016IBPN - Igreja Batista Pacto Novo   logomarca 22.03.2016
IBPN - Igreja Batista Pacto Novo logomarca 22.03.2016
 
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFERO
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFEROSEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFERO
SEJA CRISTÃO UM RAMO FRUTÍFERO
 
O perfil de um missionário
O perfil de um missionárioO perfil de um missionário
O perfil de um missionário
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
Manual do diácono claudionor de andrade
Manual do diácono   claudionor de andradeManual do diácono   claudionor de andrade
Manual do diácono claudionor de andrade
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 

Semelhante a A defesa de um ministério frutífero

APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8Samarone Melo
 
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministérioMárcio Pereira
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07Samarone Melo
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05Samarone Melo
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxCelso Napoleon
 
ASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHORASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHORibpd
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoLição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoErberson Pinheiro
 
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
A reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristãoA reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristãoMoisés Sampaio
 
Caracteríristicas de um líder autêntico Lição 11
Caracteríristicas de um líder autêntico   Lição 11Caracteríristicas de um líder autêntico   Lição 11
Caracteríristicas de um líder autêntico Lição 11guestccfa2e
 
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristãoNatalino das Neves Neves
 
Lição 7 eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015
Lição 7   eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015Lição 7   eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015
Lição 7 eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015Andrew Guimarães
 
2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade
2013   3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade2013   3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade
2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidadeNatalino das Neves Neves
 
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho crido
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho cridoConselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho crido
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho cridopralucianaevangelista
 
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoLição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoRegio Davis
 
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãLição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãÉder Tomé
 
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016Pr. Andre Luiz
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015Rogerio Rieling
 

Semelhante a A defesa de um ministério frutífero (20)

APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
 
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
2 Coríntios Capítulo 10 - Paulo defende seu ministério
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
 
ASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHORASSIM DIZ O SENHOR
ASSIM DIZ O SENHOR
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristoLição 4 - O perfil dos enviados de cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de cristo
 
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.
EBD 1°TRIMESTRE 2017 Lição 10 Mansidão:Torna o crente apto para evitar pelejas.
 
A reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristãoA reciprocidade do amor cristão
A reciprocidade do amor cristão
 
Caracteríristicas de um líder autêntico Lição 11
Caracteríristicas de um líder autêntico   Lição 11Caracteríristicas de um líder autêntico   Lição 11
Caracteríristicas de um líder autêntico Lição 11
 
Lider Autentico LiçãO 11
Lider Autentico  LiçãO 11Lider Autentico  LiçãO 11
Lider Autentico LiçãO 11
 
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão
2013 3 tri lição 12 - a reciprocidade do amor cristão
 
Lição 7 eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015
Lição 7   eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015Lição 7   eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015
Lição 7 eu sei em quem tenho crido 3º trimestre de 2015
 
Fidelidade
FidelidadeFidelidade
Fidelidade
 
2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade
2013   3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade2013   3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade
2013 3 tri - lição 2 - esperança em meio à adversidade
 
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho crido
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho cridoConselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho crido
Conselhos Gerais e Eu Sei em quem tenho crido
 
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho cridoLição 07 - Eu sei em quem tenho crido
Lição 07 - Eu sei em quem tenho crido
 
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãLição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
 
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
A fidelidade de deus - Lição 13 - 4º Trimestre de 2016
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015
 

Mais de Pastor Juscelino Freitas

Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorSer criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorPastor Juscelino Freitas
 
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaPastor Juscelino Freitas
 
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edileneCulto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edilenePastor Juscelino Freitas
 

Mais de Pastor Juscelino Freitas (20)

O verdadeiro arrependimento
O verdadeiro arrependimentoO verdadeiro arrependimento
O verdadeiro arrependimento
 
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorSer criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
 
Curso Lealdade e Deslealdade
Curso Lealdade e DeslealdadeCurso Lealdade e Deslealdade
Curso Lealdade e Deslealdade
 
Que é uma liderança
Que é uma liderançaQue é uma liderança
Que é uma liderança
 
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igreja
 
Conselhos simples para ser um Bom Obreiro
Conselhos simples para ser um Bom ObreiroConselhos simples para ser um Bom Obreiro
Conselhos simples para ser um Bom Obreiro
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Interpretação bíblica método oica
Interpretação bíblica   método oicaInterpretação bíblica   método oica
Interpretação bíblica método oica
 
As crises dentro da familia
As crises dentro da familiaAs crises dentro da familia
As crises dentro da familia
 
I seminário para jovens 2017
I seminário para jovens 2017I seminário para jovens 2017
I seminário para jovens 2017
 
Panorama do novo e antigo testamento
Panorama do novo e antigo testamentoPanorama do novo e antigo testamento
Panorama do novo e antigo testamento
 
Figuras de linguagem biblica
Figuras de linguagem biblicaFiguras de linguagem biblica
Figuras de linguagem biblica
 
Material composição da bíblia
Material composição da bíbliaMaterial composição da bíblia
Material composição da bíblia
 
Hermeneutica bíblica cópia
Hermeneutica bíblica   cópiaHermeneutica bíblica   cópia
Hermeneutica bíblica cópia
 
Como interpretar a bíblia
Como interpretar a bíbliaComo interpretar a bíblia
Como interpretar a bíblia
 
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edileneCulto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulherDia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
 
Secretaria de missões
Secretaria de missõesSecretaria de missões
Secretaria de missões
 
O que é e o que não ebd
O que é e o que não ebdO que é e o que não ebd
O que é e o que não ebd
 
A importancia da ebd
A importancia da ebdA importancia da ebd
A importancia da ebd
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

A defesa de um ministério frutífero

  • 1. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO Pr. Juscelino Freitas Email: juscelinofreitas799@gmail.com
  • 2. I Tessalonicenses 2.1-8 1 Porque vós mesmos sabeis, irmãos, que a nossa entrada entre vós não foi vã; 2 mas, havendo anteriormente padecido e sido maltratados em Filipos, como sabeis, tivemos a confiança em nosso Deus para vos falar o evangelho de Deus em meio de grande combate. 3 Porque a nossa exortação não procede de erro, nem de imundícia, nem é feita com dolo; 4 mas, assim como fomos aprovados por Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações. 5 Pois, nunca usamos de palavras lisonjeiras, como sabeis, nem agimos com intuitos gananciosos. Deus é testemunha, 6 nem buscamos glória de homens, quer de vós, quer de outros, embora pudéssemos, como apóstolos de Cristo, ser-vos pesados; 7 antes nos apresentamos brandos entre vós, qual ama que acaricia seus próprios filhos. 8 Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade desejávamos comunicar-vos não somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias almas; porquanto vos tornastes muito amados de nós. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
  • 3. INTRODUÇÃO Paulo defende-se, agora, dos ataques do Diabo contra ele e seus companheiros de missão. É provável que alguns dos irmãos, alcançados pelo evangelho, tenham até acreditado nas insinuações malévolas contra os homens de Deus. A murmuração tem sido uma arma perigosa que age como vírus, espalhando seu veneno em volta, às vezes de modo imperceptível. Que o Senhor nos ensine a não sermos contaminados pelos efeitos da murmuração. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO
  • 4. UMA ENTRADA ABENÇOADA. Paulo tinha convicção de que o trabalho desenvolvido na capital de Macedônia fora realizado com amor e zelo. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO DEFENDENDO O MINISTÉRIO
  • 5. OUSADIA NA PREGAÇÃO. Paulo afirma que ele e seus companheiros tornaram-se “ousados em nosso Deus” (2.2). Quando foi humilhado, espancado, e preso juntamente com Silas, em lugar de lhes causar medo e temor, na jornada missionária, tiveram um efeito positivo em seu fervor na busca das almas perdidas. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO DEFENDENDO O MINISTÉRIO
  • 6. A PRUDÊNCIA NO MINISTÉRIO. A prudente ousadia de Paulo é um exemplo para os obreiros do Senhor nos dias presentes. Aos filipenses, ele disse “o viver é Cristo, e o morrer é ganho” (Fp 1.20,21). Ele é ousado, mas também prudente. Jesus ensinou a não entrar em confronto com os adversários (Mt 10.23). Certo obreiro, julgando-se forte, atacou os incrédulos numa cruzada e teve de sair escondido para não ser morto. Isso não é ousadia. É atrevimento. Ousadia é ação prudente em prol da causa do Senhor. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO DEFENDENDO O MINISTÉRIO
  • 7. PREGANDO SEM ENGANO. Paulo disse que sua pregação não foi com “engano”, “imundícia”, ou “fraudulência”. É preciso cuidado com os lobos vestidos de ovelhas, que andam a enganar os crentes incautos, sob a capa de “muito espirituais”. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO NÃO AGRADANDO A HOMENS
  • 8. EXORTANDO OS CRENTES. Paulo foi acusado pelos inimigos. Talvez tenham criticado suas exortações sinceras. Ele era um zeloso servo de Deus que levava a mensagem de modo claro e fiel, obedecendo à revelação que recebera do Senhor. Alias, era esse o cuidado dos demais apóstolos. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO NÃO AGRADANDO A HOMENS
  • 9. PREGANDO COM PUREZA. A pregação de Paulo não foi com imundícia, ou corrupção, nem fraudulência. E muitos, incrédulos ou crentes, imaginavam que os missionários não passavam de mais um grupo de tapeadores, que queriam somente aproveitar-se da boa fé dos ouvintes, a fim de, inclusive, obter dinheiro através da pregação do evangelho. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO NÃO AGRADANDO A HOMENS
  • 10. O PERIGO DA LISONJA. Há quem busque a glória para si. Há pessoas que são movidas por elogios, ou mesmo por lisonja, que é sinônimo de bajulação. Isso é perigoso para o ministério pastoral e para qualquer servo de Deus. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO NÃO BUSCANDO A GLÓRIA DOS HOMENS
  • 11. NÃO SENDO PESADO AOS IRMÃOS. Paulo defendeu a si e aos outros missionários, afirmando que não buscavam glória dos homens, nem dos crentes, nem de outros. Contudo nunca se aproveitou dos irmãos, buscando ganhos financeiros. Em lugar de buscar a glória dos homens, em termos de contribuição em dinheiro, ele afirmou que “o meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus” (Fp 4.19). A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO NÃO BUSCANDO A GLÓRIA DOS HOMENS
  • 12. BRANDOS COMO UMA MÃE. Na visão de Paulo, o obreiro, ou o ministro, deve ter o comportamento de uma ama, que age como uma mãe. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO COMO AMA QUE CRIA SEUS OS FILHOS
  • 13. A AFEIÇÃO DO PASTOR. Ele e seus companheiros eram tão afeiçoados com os novos crentes. Essa deve ser uma característica do obreiro que tem de fato amor pelas almas que se convertem. Hoje, há obreiros que só querem ver as mãos levantadas na hora do apelo. São ávidos por números de decisões, no entanto, não tem interesse em dar assistência aos que aceitam o evangelho. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO COMO AMA QUE CRIA SEUS OS FILHOS
  • 14. CONCLUSÃO O ministério de Paulo foi frutífero e aprovado por Deus. Em Tessalônica, mesmo tendo passado menos de um mês, deixou uma igreja bem doutrinada através do ensino e da exortação sadia. O adversário levantou murmuradores para acusar o apóstolo e seus companheiros, porém não tiveram êxito, pois a Palavra da Verdade suplantou os argumentos da mentira e da calúnia. A DEFESA DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO