HQ Memórias de um sargento de Milícias (Manuel Antônio de Almeida)

12.698 visualizações

Publicada em

HQ Memórias de um sargento de Milícias (Manuel Antônio de Almeida)

Publicada em: Educação
2 comentários
65 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
155
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
496
Comentários
2
Gostaram
65
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HQ Memórias de um sargento de Milícias (Manuel Antônio de Almeida)

  1. 1. LITERATURA MANUEL ANTÓNIO DE ALMEIDA _ _ . . _ . Mu, 47 , ._: ..› . . . , . . . ... › . í L . , . z/. ax. .. . q_ ,
  2. 2. ,: '” à ' t: : 1 : '1- , : 1 : :TJJIJKVA x. nz". '1.. .r. . : pm mu¡ '. .7.2u“: .7m&1;. m' . ma-mm un I-l ; amu-axu wanna. :v _ , u . .. ' . - ¡wwüm- o .3+'. v.'a›! .." . xw. ' , A , . .I, ,jg_= ~.mgc_uj7_. uç. _ _ __ ¡mw- ' , A V 'r n! 4 u . K A v , › _ N ; i3 ,
  3. 3. ABORRECERA'5E E VIERA AO BRASL MAS VIERA COM ELE, NO AE5M0 NAVIO. LIMA CERT MARIA DA HORTALICA. .. ERA NO 1mm vo REI. .. FORA LEONARDO RATAcA ALGíBEBE EM LISBOA. suA PÃTRIAW_ 'Nam', .rx LÉONARDO, COM O ? ERRADO SAPATÃO. ASSEN- TOLl-LHE UMA VALENTE PISADELA NO PÉ DIREI- TO. A MARIA DEU-LHE UM TREMENDO BELISCÃO! _y r _--~.
  4. 4. LEVARAM o RESTO vo mA "" ' T ' "' TERRA DE NAMO sem MESES aspas, TEVE UM FILHO¡ : f-F FESTA DE BATISMO. FOI fltAüRlNHA A PARTEIRA. SOBRE O PADRINHO, 0 BARBEIRO Í-. =°7*? DEFRONTE FO! O ESCOLHIDO. OS CONVIDADOS DA GOMADRE DANCAVAM O FADO. j- ~ . .. , › * n, ' _-, ,4 _ K) x. ; w __ . . V_ _ . u _ . . _ « N. . , _ w , _ - , ._ , . . ., . _ , . -, . *. '~_- A_ . m . _ -› C '~'. '_ _V . *› '~ ' y *A ' 4;' . -4 i. - . ..pq r - . A _- gv¡ › . V o K. -q w -¡ . ' 7 _ _ '- › ç _ _ r _i __ _ 3 w ' . ' _- g * . ._› v. . . . - _ ~; '~ _. - ¡ x I' i g_ A , .r ' › . 'v l t». a_ ' A . « . é ou N00 E57 vA em MINHA l RA PANHADO ou 592mm cA 'TAVA oe none e ve DIA Ao P ouM com os , _.
  5. 5. PASSEMOS POR ALTO SOBRE OS ANOS QUE DECORRERAIA DESDE O NASCIMENTO E VAMOS ENCONTRA-LO JÁ NA IDADE DE SETE ANOS. MARIA ERA SAI-DIA, E O LEONARDO COMEÇAVA A , E_ ARREPENDER-SE SERIAMENTE DE TUDO QUE ' TI TINHA NOTADO QUE UM CERTO SARGENTO em, UM DIA DE MANHÃ. ENTROU SEM SER ESPERADO PELA PORTA ADENTRO.
  6. 6. MERECES QUE UM PONTAPÉ re ACABE " A CASTA! 6591144005 ' UMA ? ISABELA e ~ você pgRpEuW NÃO FOI O JUÍZO. - FOI A HONRA! ... 7 9' r-'Í HONRA os MEIRINHO à como FIVELIDAVE ve SALOIA! _ L . ' x , f, "Í-À . .c . t l v' IO * 'I E' __ I -v , _ . _ _. _. _¡ 4 I. . _ * x - ' . . - , _ . l, . . ~ A A _ , . t ' 'l . Agr _ ' q r ~. .x v I .
  7. 7. ENFIM SERENOU A TORMENTA. O LEONARDO, TONIANVO LIMA RESOLU- CÃO amam JLINTOU AS FOLHAS DISPERSAS aos Agrgs a SAIU. X ELE - os VOLTAR. “F” z se NÃO, o arro à AQUILO é GÉNIO. .. c_ ESTÁ ma FICO HA_ os PASSAR¡ “' com 0 PEQUENO. oOIoIcgs DE RARARIOA. " A ' MAS NAO HÁ os _ FAZER OLrrRA. .. I POIS BEM. ser TUDO ACABADO. .. *
  8. 8. F , . , _, __. _ú__, _ . .-_ _. AO OLrrRO DIA, SABIA-SE ROR TODA A VIZINHANCA o coypgppg comppggnpgu Qua --J QUE A MOÇA DO LEONARDO TINHA FUGIDO PARA O LEONARDO ABANDONAVA O FILHQI PORIUGAI- COM 0 54197750 9¡ “M NAVIO @U5 I RARIIRA NA vesReRA oe NOITE. , _¡ w-f/ . __. .._ . -1 . J. O PADRINHO, PORÉM, sONHAWIÍ LHE UMA GRANDE FORILINA s LIMA ELEVADA RO5IÇAO. PELO *Ig OFICIO oO RAL GANHA-SE oINReIRO, É_ PORÉM SEIJIPRE se HÁ <-. . v DE DIZER: ORA. é r. -- UM MEIRINHO! NINGUÉM POR ALI GOST AVA DELE.
  9. 9. vr-~q -t-*fi-Hn- É* PELO MEU OFIGO. .. s; _ * “ ELE PARECE TER BOA , _ cLémao é Mano som, Não O QUERO FAZER A . ¡ u, MEMÓRJA. E eu ? OMA @games Mano, ue¡ os Tan ESCRAVO DOS QUATRO _ '; '> MAIS PARA DYANTE g AmoA o aosnnuo pe o ven _LVINTÉNS D05 FREGUESES. W NNW-LO ESTUDAR . mam: NA Sã. e ue¡ oe EM COíMBPA. 1 MOSTRAR A *rom 25m 52mm- À . L um aus NÃO GOSTA ven. : QUE _ à ' = eu num MurrA RAZÃO eu 32:( ** @g é _ v [ LHE QUERER BEM. t ' % 'ir-«s» T- % , À ~Irê: .<› a . y -í- A T an' x “u ' 4 No pm gggujmg_ ' , .- O MENINO LEVOU POIS TOPO O ? IA l , EM WM PBSENVOLTHRA A55U5TA90RA. l É MENINO. vam-m cz. _T“ * À COMECAREI A ENSINAR-LHE 'A ' TRAVEBSURAS POR ESTE RESTO DE SEMANA. Tíg" t o aew-aa PARTE-SB os ' FEZ CAMARAPAGEM COM POIS MENINOS QUÊ TAMBÉM IAM NO RANCHO. QUANDO 06H M0290 PB SI. ESTAVA P? VOLTA COM A VIA-SACRA NA IGREJA VB BOM JESUS. ANOTTÉCBU. LEONARDO VÊ UMA VIA-SACRA. .m- ~ ííwwyy carmem: oe mma AO ven A í H TL mocrsszo. *r À “ f. )
  10. 10. VAMOS VER O QUE É FEITO DE LEONARDO PAT/ ICA. ELE SOFRIA EM UNS NOVOS AMORES. TRATAVA-SE UE LIMA CIGANA. QUE TAMBÉM ACABAVA POR FUGIR-LHE DE CASA. POR ISSO. UECIDILI A BUSCAR COM MEIOS SOBRENATURAIS O OLIE OS MEIOS HUMANOS LHE NÃO 'IINHAM PODIDO DAR. ENTREGOLI-SE EM CORPO E ALMA AO CABOCLO VA CASA DO MANGLIE, O MAIS AFNJIADO DE TODOS OS DO OFÍCIO. À MEIA-NOITE EM PONTO. LÁ 56 MHAVA LEONARDO. LEONARDO FOI ceara/ avo A AJOELHAR-SE EM Tooos o NOJENTO NIGROMANTE os ¡Nauws DA CASA e RECITAR ORAÇÕES. 029015 oamaou-o A PôR-SE FOI 022m2 JLINTO À FOGUEIRA. NESTE MOMENTO. EM HÁBrrO-S v6 ADÃO. SAÍRAM oo amaro mês NOVAS FIGURAS. coeszxu-o DEPOIS COM LIM MANT O IMLINUO. III
  11. 11. ERA O ÃRBITRO SUPREMO. JUIZ E GUARDA QLIE DAVA CAÇA AOS CRIMINOSOS. ___. .--_-. S_ A ? SRMAJORÉOUIABO DAQUELA RAPARIGA que A ME OBRIGA A mao POIS HOMEM. você. LlM OFICIAL os JUSTICA] , ops UMA v4): _q_ syggmo. .. . »rn-as s» m» 1_ ” . f VAMOS PARA A à¡ ' - . " '° ! M CASA DA GUARDA. › L _ _ »é kífinvcumvo 1a, ?? ERA LIMA ESPÉCIE DE DEPÓSITO ONDE SE GIJARDAVAM OS PRESOS QUE SE POR INFELICIDADE SUA. PASSOU POR ACASO UM CO' LEGA. DAÍA POUCO. TODA A ILUSTRE CORPORAGÃO L 4 DOS MEIRINHOS DA CIDADE SABIA DO OCORRIDO.
  12. 12. PROCU%U, ¡NUAGOU E “SÓ 55 WCOLHEU PARA CASA E5TAPÇ7O JÁ A NOÍTE ”°_“'”'°' ”" ÉNQLIANTO ISSO, VOLTANDO AO SLIMIGO DO IIS-MING, O CQMPADRE, APENAS UEPA PGR FALTA DO AFILHAUO. VPU-SE NA MADR AFLIÕÃOJ PÓS EM ALAPMA TODA A VIZINHANGA. EU LHE D160 QUE AQUELA CRIANCA TEM V H: VIZINHA. 1550 SÃO COÍSAS QUE ! -
  13. 13. o MENINO e os COMPANHEIROS ADORMECERAM QUANDO AMANHECEu_ , Em qu¡ o u -. : ' , ' . = w ' w: MENINO aos É_ é ESTA TOLA ATEÉUM cànâz- = '~ 5' ° ro PONTO, a ? mam AT - cama, ~ gggfgãíêhw 1 REPRESENTARÃ um PAPEL poe se: : PADRE? ” ' " ' & . ›-----› . r- SR. TENENTE-CORONEL, VENHO ME VALER DE m5,; Meu commons “_« QUE V5. FIZESSE O APESAR DE VIRTUOSO E BOM, LEONARDO 25m NA CADEIA. 7.x? FAVOR oa FALAR POR NÃO oentAvA os m: NA a x *g ELE Ao SR. MAJOR consomem um soma/ ex. ma** / o LEONARDO? ' ; . VtDIGAL, QUE FOI PAR cansa/ avos. .. _A v. §:t'l1ÃÀV'. .;-'¡' _« S uM FILHO aus _ 02mm EM LI6BOAÍ. .. NADA HAVIA ELE sA oo Ao É “M4 VERGONHA¡ PA! , A95 2o ANos, mao M45 *WEP* ? L5 SENTADO PRACA. ERA um “ÃO 55 WNW CADETE 09501295190.. .
  14. 14. POUCOS DIAS ANTES DE EMBARCAR PARA O BMSIL, VIU ENTRAR-LHE PELA PORTA ADENTRO LIMA MULHER. PARECIA PRESA DE GRANDE AGITACÃO E PAIVA. AH! su. cAprrAo, OLHE QUE ISTO ASSIM NÃO VAI , r"»Í'U: J?: «," . a a', ! V é 'L ~› Í sv. CAPITÃO JÁ nao ' 5-- "J TINHA CÔNSENTÍDO ^ g_ NO CASAMENTO? " A5. Al. Al! QUE CÁ ME ANDA A CABEÇA COMO MORA SOLTA. .. POIS SR. CAPITÃO NÃO SABE QUE TEM UM FILHO? ' ' h g OLHE. VEJ I f# . .; _ ' v ' É? ) « Esso NEGÓCDNÃO E NÃO SABE TAMBÉM QUE ELI TENHO LIMA FILHA. .. A NEARIAZNHA? L! 77,' 55 ARRANJÀ, EU . .f E TOURO! í 'L/ 'm N o POBRE HOMEM FICOU nos Avunos; so¡ TER COM A OFENDIDA, s PPOCUPOU, OFERECENDO-LHE ALouMA "WWW 05 'N05' E' @Mm MENOS ESPERAVA. souss ELE aus COISA PARA ssu oors, asma aus ELA ss CALASSESE ACHA/ A No m0 DE JANEIRO EM COM_ PANHIA DO LEONARDO A TAL MARIAZINHA. EIS POR aus o LEONARDO ss DIRIGILI . Ao TENENTE-CORONEL, Po. ? : uma »soro DA coaAAvszs, E POR aus ESTE szzoMsrsu EMPENHAR-SE POR sLs. l I
  15. 15. VOLTEMOS AO NOSSO NINGUÉM VIA NO MENINO SENÃO UM FUTURO PERALTA DA PRIMEIRA GRABJDEZA? QUEM MAIS CONTAVA COM ISSO ERA A VIZINHA DO BARBEJPO, AQUELA A QUEM ELE CHAMAVA O AGOURO DO PEQUENO. NÃO PERDIA OCASIÃO DE DESMENTIR O IIZINHO EM SUAS ESPERANCAS A RESPEITO DO AFILHADO. l 4, _v f). 1.1.¡ ~ . V. . y_ f¡ . -. ', " ' A «u . ~. ,w 1 _ ENTÃO, VIZINHO. .. E E ~ -- CONOVA10 seu E ELE JÁ ENCARRILHA O PADRE-NOSSO? Er» &j; com: vrvA ? ÍÂH , ¡ ALHEIA. .. g Ú FAÇO REZAR TODAS AS NOETES UM PELO SEU DEFUNTO MARIDO. QUE ESTÁ A ESTA o DAR, TENAO AQUI O REMÉDIO:
  16. 16. UM DOS PRINCIPAIS PONTOS EM QUE ELE PASSAVA AS MANHÃS E TARDES EM QUE FUGIA Ã ESCOLA ERA A IGREJA UA SÉ. INTERNANDO-SE NA MULTIDÃO VOS QUE ENTRAVAM E PASSAVA DESPERCEBIUO. : í 1;" 'Y' ' ' '” ? Q3514 ERAM AS GAZETAS TIO REPEUDAS¡ 'ÍPÀVÀ%Ê5TREWAÀMÃÍÂÚECÔWLÍMPÉQLÉBÚ QuEopApm¡, D5evuFazAxAAcoM, SACRISTÃO. RELNlAM-SE OS DOIS, E COMECAVAM pmww mp4 A 55mm, paga_ Oyama ACONTAR SUAS . TONOULIMDMLVMIÊESOILIGÀO CIJWAE - o l PASAOPADTMHOGUEOFÍZESSESACHSTÃO. é ai; H _ . A 12kg¡ Z: . , 'a j¡ O COMPAPRE FO! PROCURAR O SACRISTÃO DA SÉ. PAI DO SACRISTÃOZINHO COM QUE O NOSSO PEQUENO TRAVARA AMIZADE. Í (a
  17. 17. COMECARAM A5 PRIMEIRAS FESTAS vA IGREJA. Mãâtfoagxâú F01 Nosso SACRISTÃO CALOURD À cAsA DA ' CIGANA. oNve o PADRE coswMAvA asma. . aI-ããMVgcê SR. PADRE? í o REVERENDO l MESTRE-DE- CERIMÔNIAS @ü PRECISAVA FALAR COM ELE POR CAUSA DO SERMÃO VENHO vrzexz A v. , REVERENDISSIMA. QUE _. ; AMANHÃ As vez HORAS = HÁ ve ESTAR NA ÃS DEZ? UMA HORA MAIS TARDE DO QUE DE . FOI LOGO DALI DAR PARTE AO COMPANHEIRO DE QUE O SEU TINHA SAIDO COMPLETA- MENTE AOS SEUS DESEJOS. .. . ..vrkR/ 'J A FESTA SEGUIU OS SEUS TRÂMITES REGULARES; PORÉM, APENAS SE FOI APROXIMANDO A HORA, COMEÇOU A DAR TARDANCA DO PREOADOR. &Xh , ›
  18. 18. FALAVA JÁ HÁ um ceu/ mo ve HORA sem @ue NINGUÉM o nvesse ENTENDIDO, ,QUANDO APARECE q__rge_sme-ve-cemMoNtAs. .. _ÍJPER SIG-NUM &êj ' * "í-s I CRUCIS. .tj ESTAVA ASSISUNDO À FESTA UM CAPUCI-Il- NHO ITALIANO, QUE, POR BONDADE, VENDO O APERTO GERAL, OFERECEU'SE PARA IMPROVISAR O SERMÃO. .. CAPISCO. ev LA NECESSITA! ? FRATELLI! LA VOCE DE LA PROVIDENZA. .. ANUNCIANDO A QUEDA DE fa' eove PERGUNTAR A _ MOÇA. QUE êLAí-'J sem OUVIU. .. _, - I rt' . « w. . .1 xx* m x. . _ . ,__í_¡v, _¡_ a AaueLA MOÇA asANA. LÁ ~ oNve vossA REVEREN- DISSIMA ESTAVA, ELA ou- . vu. ; eu DISSE AS Nove. A- . v, T 2 ' “; ;.-': '7 j-WÇÍ¡ - I' . . '”§'h. ... _.&_ '. É. '*g""'wtrr. §'. ~.; .
  19. 19. FIM DO ALVOROCO. O IHESTRE-DE-CERDAÔNIAS, SENTADO SÓ. NUM CANTO, PENSA: . ã ¡› / , _. /-" -JKJK/ L-“KH / J ÍÍ_ vou DAR COM ELE Ç DAQUI PRA FORA. .. fK . _. . . - -. F w I * . ,- _ ' f l . É a DEPOIS QUE O MALDITO MENINO ENTROU PARA ESTA IGREJA. ANDA TUDO AQUI EM UMA POEIRA! »a CI f' eu NÃO me remo vrro I QUE AQUILO TEM LEONARDO. DESPEDIDO DA IGREJA. VOLTA TRISTONHO PARA CASA. 'Í › SENH > Pew AMOR ve veus, v; META-SE com . . ~ _A E A SUA vIvA. . H
  20. 20. NÃO SABEMOS POR QUE MEIO O LEONARDO FC'. DIREITO PROCURAR O CHICO-JUCA. UM DESCOBRIU QUE O RIVAL ERA O MESTRE-DE- PARDO, ALTO, CORPULENTO. QUE TINHA CERIMÔNIAS DA SE! __ a › O VICIO DA VALENTIA. .. L › , " . a "I ' . u. _ __ *v ' L/ Jjkrítuyãvv_ “Ata, .. , _ l , _ . , I ? as UMPADRE! ? ? à _ . I emeasoaue eu 3325/ - * sALve AQUELA A . PeNseI QUE AIND esTÃvATõe XILINDRÓ TOMANDO FORTUNA vA CIGANA! 59-5». TEVENHO PROCURAR! . *A I n” _›_ A CHICO-JUCA APARECEU E COMEÇOU A OESERVAR: HAVIA NA SALA UM QUARTO CUJA PORTA V ESTAVA FECHADA. .. LEONARDO FOI PROCURAR O VIDIGAL. E DEU-LHE PARTE DO QUE NAQUELA NOITE HAVIA EM CASA DA CIGANA. : fh-fññíw __ Â ÉJUSTQLÃHEIDER ' _ . JÁ SABIApUE HAVIA *^ À »me DoIzLAANos. ..
  21. 21. m G E L. Em Ma_ Â m. m. R APARECEU O REVERENDO A O VIDIGAL FOI INFLEXIVEL; E O REVERENDO FOI CON- -. . . _ . _m_ , 1 DUZIDO COM OUTROS PARA A CASA DA DEQEROULAS CURTAS.
  22. 22. ONESWE-DE-CERNÔNMS, DEPOIS DE GPAVES COMEÇOU P015 0 SENTMENTAL LEONARDO A AEPYTACÕES DECIOIU-âã A ABANDONAR A CIGANA. . PONDAR A PORTA UA SUA ANTIGA AMANTE. % 12,: % V I À 45,4 um om DEU-LHE em os oanooue eumsse. A COMPRE ^°5N^5 50H35 W @U9 HAVIA @www DEU 14002000251, ESTAVA Nose 5UCEWVQ F0' 9330514949 LEONARW- °^ M” “M” MAS, HOMEM. voc: nao I se 'rm vaso em um A coM A5 SALGíAS NEM com A5 aromas. " ; '«›**"'"' A comuns 'num LIMA á-OBRINHA aus VMA EM sua COMPANHIA, e aus LHE PE5AVA SOFRIVEL- Meme 503122 s COSTAS. .. a: PARA aus ANTES NÃO PROCURA ' -~ __ _ uMA FILHA CÁ fx DA TERRA? 1 ! __x; _, x- ~. A _ ~ . ~ › ~ ~'_'__ t. . ¡ MÉ . W ÚÉÉVNÍMÀVÀ. ÉLÂ ÉNÀVÀ CÓM A SIG/ NA.
  23. 23. A 005 OURNES. UM UA DE 99006530 F01 SEA/ PRE NESTA @DAVE UM (M DE GRANDE FEQTA DE LUFA-LUFA DE MWIMEJTO E DE AGJTACÃO. KE55E TEMPÚ. AS Pwclãõõíô ERAM MUJIPLKADAQ E CADA QLIAL BLlâCAVA SER MAB RICA E OSTENTAR MAIOR LUXQ AS DA GLIARESfM ERAM DE LIMA POMPA EXTRAORDINÁRIA. ESPEGALMEINITE CKMNDO Bla-REI 6B ÚGNAVA ASPORTASDAOUELESGUE mmvmmsnuasmnonve _ PAssAs/ Aavnoassmse , ABRAMATODOSJZMARIAERAE - &emma; vavorAemwA , oosvceazsmazámmmumy , oosvronásvícxoszxxmmtf* - › semmssemuzuuxoosem ? CASADELMAOERTA o. m¡2mo'›1gf. ›'>§/ I COMPADREOAFILMDQA ¡“'! ._ A. r - (IO/ MORE 24mm; aus,
  24. 24. AGORA VAMOS SALTAR ALGUNS ANOS. O PEQUENO LEONARDO CONSTITUILI-SE LIM VERDADEIRO VADIO. DETESTAVA VISITAS. SÓ SE SUJEITAVA A ELAS OBRIGADO DJJIARIACPWVOUFYJRSLIASOBRINHA. LEONARDO LAUCOWLHEOSOLPDSEAQSÍOCOIJFEVEORISO. OLHAR PARA NINGUÉM. venoo~A IR. LEONARDO TORNOLI A RIR-SE. .. -_- AMIGO DE MINA CAWE, MUITO VINHO E MUITO PÃO! "I sumowmshwm-vxoemso É , á CCMOMEJJPAPAENASLIMAVEZGUEME ›a oswcamnsrooosaumoaaLa/ A,
  25. 25. NO MELHOR oA CEIA. FORAM INTERROMPIDOS PELO RONCO os UM soousrs aus SUBIA. Luuscggísmmscsu. .. LUISINHA VOLTARÁ A SELI ANTIGO ESTADO. NA PRIMEIRA VISITA QUE FIZE- TRISTISSIMA PARA os mai, I “ “ RAM. ELA NEM LEVANTARA os oLRos. .. "É" , :axu-W A i. "", ,_t' IR. j ' " 7. z' um* HJ_ '_ 7 ' u ' É( Í I_= .V"JÍ-«n; I; * 4-: I ›(' JR: »I -, . N¡ . L. I' s” s. u : Kãà-&dííz S» I '1 . LíA _ . ;' “e, f* LEONARDO. QUANDO SE VIU TRATADO ASSIM, QUASE DESATOLI A CHORAR.
  26. 26. CRÔNICA ESCANOALOSA. .. FAZIA A CORTE Ã VELHA COM INTENCÕES NA UM NOVO ESUCESSO VEIO PORÉM UM DIA DAR OUTRA COR E ANDAMENTO A05 FATOS. JOSÉ IMNLIEL ERA UMA CRÔNICA VNA. .. Ã EA DE P. MARIA E¡ ACHANPO LA JOSÉ MANUEL. PROCUROLI FAZER-SE SUA CAMARADA. em mac¡ CORRENTE PO QUE 55 PAS5AVA. ELA ÉRA BEM CAPAZ DE ARCAR COM JÚ5Ê MANUEL, E PÓLO FORA VE COMBATE. .. . ,z 50 551-5? JÁ HOJE MESMO VOU SITAR A P. MARIA! E COM ESTAS E OUTRAS IA PGNDO EM RELEVO 0 CARÁTER DO AWERSÀRIO. LEONARDO ARMA EM CIÚME5. EM RANA. ,. ENFIM. DEPOlS DE MUITAS LUTAS CONSIGO . A SENHORA. .. ME$NO PARA VENCER O ACANHAMENTO, ; ' _ ~ TOMOU UM DIA A RESOLUÇÃO. .. _É Í:
  27. 27. _' ' P05 ENTÃO ÉU P160.. . EU L '7 QUERO MUFTO I LEONARDO PATACA APERTARA-SE EM . r- i: ° . NÃO SIRVO PAPA ISTO-u mvocaosos COM A raw DA comuns. (5,7 rt? x 557/15 C0|5A$ NÃO 58 PÃO ' ' Lj' com o MEU amo. ESTOU COM em vw eu SANTA a acusam PA2.(: *' c. : 92^5§Íɧ cHmuINM mma-se DE EsPERANÇAS E f - T”. _p A meme): como se Fossa ÍppONTA A pAg à Luz_ ' « k. O NEGOCD COMIGO! . com FORCA. MENINA com sem FORÇA. s . - ISTO É PE BOM no55:: SENHORA NÃO ' ' AGOUPO- PORQUE " DESAMPARA os Fiéis. KT COM 0 OUTRO @U5 . r emu MACHO NÂO À *L fu¡ FELIZ. .. J' à &zgCX/ x/
  28. 28. k VOLTANIDO A cOfMVRE. ELA JURARA . _ ? ou JOSÉ MANUEL. o novo CANDIDATO. FORA DA CHAPA. TODOS SABEM NESTA CIDADE ONDE É O ORATÓRK) DE PEDRA. QUANDO PASSAVA A VIA-SACRA O PAI DE FAMILIA FILHOS. PILHAS. ESCRAVOS E IAM FAZER ORAÇÃO DIANTE DO ORATÓRIO. UM GRANDE ESCÂNDALO SE PASSARA NESSE LUGAR: UMA MocA ausça ›: _ ' A :1_ÍT*-¡____ VMA com A MAE, VELHA, RICA L, 'La . ; _ . ,,, _ E oEvoTA. FUGIRA com UMA ' f BOA ? oracao os PECAS í S r* , os ouszo. NINGUÉM sAanA « . I c. COM auEM 'IINHA a; í . ?amoo A MOÇA. .. à? ) *P153 * f' MAS, ENTÃO, QUEM . sE vwn coIsAs oEsrAs! . . , s' FG* 0 LADRÃO PA A : ak e ' à __ à_ MOÇA E vo POIS FOI ALL NÃO HAVIA k_- UM INSTANTE aus ELA HAVIA I¡ E _'_: ' A CHEGADO COM A VELHA. E › auE se TINHAM TODAS vuAs ç; 3 I. AJOELHADO AO PÉ DE : mw CAMARADA, A BOA A PEÇA DO JOSÉ UEL. .. / ESTAVA. AmEs nao sem/ Esse!
  29. 29. e alntuA-xruugejvJiupÍ' 'L A J __¡ a uv 'J l smÃ. . ,/ WI: ,_ A. 'M . . _Yi › j. ; p( ' _ 35, . L *É* “m-augüFá-g; - 1 . â 'ai' Q r id . '_I . ã . I . FI; IE: 2 ~e A, .I . » É; '. «Qu-xr ammríí** O' -'. › _ mgéâg V(
  30. 30. PELO GÊNERO, CONHECEU QUE A CAUSA ERA SEGURAMENTE A SUA PRETENSÃO A RESPEITO DE LUISINHA. PASSOU-LHE MUITAS VEZES PELA LEMBRANÇA O MOCO LEONARDO: PORÉM. ACHAVA-O INCAPAZ DE SE METER NESSAS COISAS. à. n¡ . I Lã a” n -r . .II VF", ,: 3 “ p I I a. [FIT l POR UMA SINGULARIDADE, ASSIM COMO LEONARDO TINHA ACHADO NA COMADRE UMA PROTETORA A SUA CAUSA TAMBEM JOSE MANUEL ACHOU UM PROCURADOR HAVIA NESSE TEMPO A INSTITUIÇÃO DOS MESTRES-DE-REZA. QUE ERAM SEMPRE VELHOS E CEGOS. ANDAVAM PELAS CASAS A ENSINAR A REZAR os FILHOS, CRIAS E D' “R” "ÃO 55 “SPENM/ A OE TER O SEU MESTRE-DE-REZA. CORRIA A SEU RESPEYI' O A FAMA DE BOM ARRANJADOR DE CASAMENTOS.
  31. 31. O VELHO COMEÇOU O SEU TRABALHO, DANDO A ENTENDER QUE CONHECIA O CASO. JOSÉ AMNUEL RECORREU A ELE. õXPôô-LHE O CASO E PEDlU-LHE QUEM ME TENHO QUE HAVER. .. DIGA LA O SR. NÃO CONHECE O Eu nao mesmo SEGREDO f ' ENQUANTO TODAS ESTAS COÍSAS SE PASGAVAM, UM TRISTE SUCEESO, E DA MAIS ALTA IMPORTÂNCIA. VEIO ALTERAR A VIDA DE LEONARDO. O COMPADRE CAIU ENFERMO. RECORRERAM A UM BOTICÂRD, QUE. APENAS VIU O DOENTE, DECLAROU QUE EM POUCOS DMS O PORJA DE . . * °'; ;rw_›. .»». c.› v . _ , “ ~ «a WÕw' g, ¡ví ' '¡ . ' A ' ' 1 - - . " r ' ' - “'- |1-. 'm' A ' 4' ' 'V u ' 4 , . › _ V _ . t . m" __ _ _x _ ~ _ . .. u_ _, .. ' . ,' * O BOWCÃRIO 56 REUPOU LEVANDO CON$I6O No pm pg rpgs mas, o common¡ peu o LEONARDO. .. - _Í «w- oue As TOMASSEE
  32. 32. SEI O QUE sua VALIA! F E / RETIRARAfA-SE TODOS. EXCETO D. MARIA. A SUA GENTE EACOMADRE_ ESTE »um um »um ve AT ' . .j IIORRSRASSVA same: : Feno, T-. ... ... _ A. Lj seumsrmarro! ' - TT¡ - JJ? " 'Í r ~ _ w W_; . . ' l! H4 BDOUTRODIA. SAIUOENTERFÚ. PAPAACOIAPANHM c v, 'v
  33. 33. A COMADRE ASSENTOLI QUE DEVIA suas- TITLIIR AO COMPADRE NO AMOR PELO AFILHA- í: DO. E DETERMINOIJ-SE A VIR MORAR COM A» " eu¡ EM CASA os LEONARDO PATACA. .. o cormAoRs HAVIA &j; INSTTIIIIDOA LEONARDO ' - como seu UNIVERSAL _K LEONARDO ATTROU A0 CHÃO LIMA PATACA, TINHA ANTIPATIA PELO RAPAZ. NÃO PERDIA AL/ KJFADA De RENDA. OPORTUNIDADE PARA FUSTIGAR DE LINGUA UM DESAFORO '13
  34. 34. 'x PevAcO ve MARIOLA! PENSAS QuE ' QUERO AGU' 'tl-WO : sro AQUI é como A cAsA os TEU RESPEITO A 700W¡ 55 PADRINHO! JÁ WÀÉFÉÊÊPT: DE¡ UM v'. u. » QUE TE PONHA LONGE DAQUI PARA SEMPRE! HA DE LHE DAR BOM PAGO; TÃO NÃO se PONHA A * ' 2,_ PERDERPORMJNHA ' _ _ aus re HAVIA os DESANCAR!
  35. 35. MAS, ENFIM, ONDE ESTÁ O RAPAZ? ORA, FOI UMA DAS COSTUMADAS DO AFILHADO DOS SEUS AMORES! SAIU POR ALI DESENCABRESTADO, a . ._ o POBRE RAPAZ ANDOLI A BOM ANDAR PGR LARGO TEMPO, e FOI DAR con-amo LÁ PARA AS IgAuvAs Dos cAJueIROs. .. ' I POR QUE CARGA d» NEM 're DIGO ' _I É AGORA TU NÃO TENS MORREU MEU f I pAgA CNpe m? PADRINHO. _V_ › . _ J _c_ ú t '~ - r _ "Zâ- ÀL I VT w IT -LZI A. .
  36. 36. CHEGAPAM TODOs DePOIs DE LONGO CAMINHAR, OuANDO JÁ BRILHAVA NO 5, céu UM Desses LuARes MAGNIFICOS. p x* yyg» z. A FAMILIA ERA COMPOSTA DE Dwas IRMÃS¡ '- ; '"'_“x, _ VlúVAS, UMA com TRÊS FILHOS, e OLITRA _g_ “; ;›( COM TRÊS PILHAS. ' . ' ~ ' T) SE“O_~§. *«1E'J§;7'”T§(' x “x , J SL= $T= IROS', T. É? 39:12.25 EM _ m. J e I Agr Tm f rx v I . T p Cu . gh lg, -' _iL- . OUVIUOS w” = caesAaT _u . x | _ _ r ___. É j. “O”. . . ~-. ;-¡. ;-. ... .~: .w ° *e F ' s _' m. O A/ W%TDT9 LECNCIJZGÇ' wsnecou A , CONVERSAR com. eLAs. .. I QUE PAI DE MÁS “mmwõl LeONARDO FOI DECLARADO _ "~ 7,. . AGREGADO A CASA. e AI OONrINuOu , ' CONVENIENTEMENTE ARRANJADO. ' VIDINHA eRA uMA RAPARIOA Oue J TINHA TANTO De BONITA como De MOI/ eDIcA e Leve. PORTANTO, NÃO FORAM De MODO ALGUM MAI. RECEBIDAS As PRIMEIRAS , / eINezAs DO LeONARDO. FOI POR cAusA DIsTO TeR UM Dos , Im , ,~*'~, ¡,_ PRIMOs PILHADO O FELIZ LEONARDO " " , A EM ABRAÇO com VIDINHA. .. W i "E f A . #2, f; ;.<'. ..I
  37. 37. :- w7- 'ç', se ALI PEGAR FOGO. NÃO HAVERÁ TT “Jr” "I ÁGUA QUE O APAGUE. OILHE O QUE A _I LHE DIGO, SE NÃO ESTÁ PEGANDO IAFOGO, ESTÁ-SE AJUNTANDO LENHA ' ESTÁ, MINHA TIA, O LUCRO QUE SE TIRA DE METER-SE PARA DENTRO DE CASA UM PAR DE PERNAS QUE NÃO PERTENCE TODOS FALAM A UM TEMPO E MAIS ALTO DO QUE TODOS OS OUTROS. UM DOS PRIMOS. QUE ERA ESOUENTADETE, AVANCOLI PARA O LEONARDO. .. VIDINHA TOMOLI A PALAVRA E FALOU DURANTE MEIA HORA SEM EVIERRUPGÃO. SOLTANW A PALAVRA 'QUAL' ENORME NÚMERO DE VEZES. LEONARDO TEVE NO MOMENTO EM QUE TENTAVA ABRIR A PORTA DA RUA, ENTROU POR ELA A ORA, ORAcAs Oue O eNcONTRO, SENHOR DOIDO DE PeDRAsI » Àv-~ TW*- . »w . -J › ÁÊR" JJJL I' ' T *I ,313 , H6 ~ . , I' J KA» t r ; p Pub* . fu. “C x1 ~< w 3.' ›. _É_ : E: 7 1:5 4:1'# l I l
  38. 38. AS TRÊS VELHAS CONVERSAPAM POR LARGO TEMPO. NO FIM. ESTIMAVAM-SE MUTLUÂMENTE ÉS LIM VIRAMUNVO: ANDAS FEITO LIM VALDEVINOS SEM EIRA NEM BEIRA NEM ? AMO DE FIGUEIRA. .. savoopasavo . A Ã ' A Ú¡ ATOOOS NESTA '“ r ; , ; _ '_. ~ n_ n** _: '. t PEIXE-O ESTAR ONDE ESTÁ. QUE ESTÁ MUITO BEM. '21 » INK; . I “e 3/ I__":1Í. #É I PR755EGUIR¡ PORÉM, 5ÉNÚO Á CAÚÁ ? A550 INTÊRROMPI A, RETIÊOLPSE. TUDO PARECIA ENFIM NOS SEUS EIXOS NATURAIS; PORÉM 05 DOIS PRI/ IOS TRAMAVAM LARGAMENTE, . - - . ~ « u . - _ . .. -. .._. ... ,.. _.. _,, . LIM DIA, FCRJAPAM UMA PATUSCADA. DEVIAM SAIR DE MADRUGADA UA CIDADE E PASSAR FORA O
  39. 39. os DXSIS mms oEmAvAM-EE oe vEz EM aumvo FICAR ATRÁS, E COCHICHAVAM com se TRAIMSSEM um: cousnmczo. VIRAM supera. ,r ¡' “ÃO í NINGUÉM 6OUBE BEM DE ouve, A FIGURA oo NOSSO CÉLEBRE _ E x TENHAÇ* v MAJOR VPIGAL. .. . a '~'^: _" "_ : rIIIüjA/ 'I : l NÃO sou NENHUM PAPA-CRIANÇAS, NEM Eu VENHO p. ~ OESMANCHAR . = , PRAZERES ALHEIOS QUERO só SABERI . :g auEM E mu¡ ¡Árr o AMIGO W” 7"! sou E' _ Eu. .. EsTE AMIGO g '. t | ELE NÃO FEZ NEM FAZ; !MS É MESMO P132 NÃO FAZER NADA QUE ISTO LHE SUSEPE! aum. , MEu vEus! MAS QUE E ENTÃO 15-507( QUE MAL é auE 9
  40. 40. POR FORCA: VENCEU ESTE PORQUE É UM FINÓRIO DE CONTA. LUISINHA CASAVA-SB NAGUELA TARDE COM JOSÉ MANUEL. .. SE A VELHA DEIXAR TUDO A SOBRINHA, NÃO É MAL ARRANJO! E O FILHO DO LEONARDO ~I ~wa7Wf . . : I V 'tf I I' J “o _ 'In ; V . E mm. mm OO u m# m . ..a um www ma aux Mw an. , M MMN mw . WIAN 5% . 40
  41. 41. ?Emis VAS BOAS OBRAS 00 MESTRE-PEPE”. Isso COINCIDIU coM A MORYE INESPERADA JOSE MANUEL REABILrTARA-SE COMPLETAMENTE u pgocumooçz os amam, José Mm 0mm? DE v. MARIA. PARA couauxsrm oEErzEcEwsE PARA ouro/ uz DA causa. .. suA soamnwx. .. COMO LEONARDO TINHA ABANDONADO LUISINHA. ELA ACEITOU A PROPOSTA DE QUE D. MARIA VEIO LER A NGA FINAL. PEDIU-LHE A MÃO VOLTEMOS A SABER O QUE FOI FEITO DO LEONARDO, QUE FORA ARRANCADO PELO VIDIGAL DOS BRACOS DO AMOR E DA FOLIA. «II
  42. 42. DE REPEMÉ 'óuvxuíê-E uM GRANUE ALARIDOW o VIDIGAL ACHAVA PRETEXTOS PARA DAR . ' SINAIS DE SI: TOSSIA. PIaAvA MAIS FORTE. “A m* mms' 45mm? E ÊÔRRERAE LEONARDO NEM ? ou ISSO ABANDONAVA A A ~ ~ suA IDÉIA: QUERIA FUGIR. -'~« à. , _~ LEONARDO, DANDO UM ENCONTRÃO NO GRANADEIRO QUE ESTAVA PERTO DELE, DESATOU A CORRER. à " '“ J . - a _ o VIDIGAL E os GRANADEIROS SOLTARAfA-SE IMEDIATAMENTE. EM "O ñ seu ALCANCE. .. À 71 ___ A, __ T' . __. _ _Wáâ n A f , x 4' ' 7-: _u_ . y _.
  43. 43. . . n, Ma_ ^ HM ? A10 DE ALEGRIA ILUMNOU TODOS O5 MÀJOQ VÍVÍGÁL. VENÚÕ-ÔE LOGRÀVÚ¡ 5EM3LÀNTÉ5, MEN05 O5 D05 ÚOÍÉ IRMÃOS DEU URPOS. . ' 7 v ^ O Iv. ORÀ. UM MÉQUETREFEZÍNHO PÔR-ME $AL NÀ MGJIPA! v- ^-/ /
  44. 44. BNVEPGONHAR-Mí DIANTE DESTES SOLDADOS E DE TODA ESTA se AQUELES RAPAZES DA CONCEIÇÃO VN? Ã 514574 ALHM aus ME FORAM LEVAR A mm oo TAL ENWENW V5 959m5 A 5454 MALANDRO ME TIVESSEM AVISADO QUE V5 “M9 ^^°"›“5“55 V944” ELE em veem LAIA. eunzoremA EWUBANVOAOSWMWO PASSADO POR ESTA IMENSA VERGONHA. .14
  45. 45. O QUE É ISTO. SENHORA? PEME-ME! ORA ! STO. HOJE É DÍA DE MÃ SNA! OH! SOLTE MEU AFILHADO, SOLTE 0 O MAJOR TOMOU TUDO AQUILO COMO UM ESCÃRNlO. POBRE RAPAZ; ELE É UM 00100, ERA MISTER QUE OECLARASSE, POR SUA PRÓPRIA É VERDADE, MAS. .. BOCA. DÍANTE DE TODA AQUELA GENTE, QUE LEONARDO HAVIA FUGIDO. .. POUCOS MAS UEPOIS, ENTROU A COMAURE MUITO COMENTE. E VEIO PAÍIHCIPAR A0 LEONARDO QUE LHE TIBHA ACHADO UM EXCELENTE ARRANJO. .. LONGE DAS ! PAS DO VIDIGAL. .. 45
  46. 46. OH! ISSO NÃO EPA ' ' j: * I - E I 55% MMA COISA QUE 6B ' INESGOTÃVEL, TÃO O MAJOR. QUE O NÃO PERDIA VISTA. MORDELI OS BEIGOS DE RAIVA QUANDO O VIU TÃO DENTRO DE POUCOS DIAS, ACHOU-EE LEONARDO INSTALADO NO SEU POSTO, MUITO CHEIO E se ELE sE EMENDA, PERCO Eu A MINHA O I VINGANÇA. °o IA: _I 'vEmnovoPAnooAucI-IARIA/ Ao -r CARA o¡ @um , Bmw LARGURA EM COMPANHIA DE uma PARA EMENDAS. ., ._ . _ ; l E _ 1 J à¡ A ÍÍ' «a . .z-f " › I 'à . . c) “ÍÍ, ? AVA UM OMA' MOÇA BONITA. .. »Iô
  47. 47. ERA UM MACHACAZ TALHAUO PELO MOLDE MAIS GROTESCÔ¡ A MOÇA FAZlA PENA A 5 MÃOS DE TAL POSSUIDOR. 2'» / p-M A MOÇA CONVIUOU LEONARDO PARA AJUDA- LA A TOMAR O CALDO. DE REPÉNTE, SENTE-SE ABRIR UMA PORTA: A MOÇA ESTREMECE. E O CALDO ENTORNA. O TOMA-LARGURA FORA A CAUSA 01560 TUDO. o LEONARDO comeu PELO CAIÃINHO / vws amo aus euconmou. .. . Fr Ç'. . ~. 4 . l " : a A . ..E NO D| A 6EGUNTE FOI DESPEDIDO DA UCPARIA.
  48. 48. VIDINHA ERA CIUMENTA ATÉ NÃO PODER MAIS. DEPOIS DE GRITAR CHORAR. MALDIZER. BLASFEMAR. AMEACAR. RASGAR. QUEBRAR DESTRUIR. TOMOLI LIMA GRANDE RESOLUÇÃO: NESSE MESMO DIA, JÁ O VIDIGAL SABIA DE COR E SALTEADO TUDO QUANTO HAVIA SUCEDIDO AO LEQJARDO E PÔS-SE ALERTA! MINHA MÃE. @uma A SUA _w FILHA DE DEUS, QUE DESATINO É ESSE? AONDE É QUE VAIS AGORA DE MANTLHA? LEONARDO TOMOU A RESOLUÇÃO DE ACOIAPANHAR vmuum oaxou ; somam Arms pe 51, VIDINIM A VER SE A DETINHA NO CAMINHO. ;gq-mou pao pag-mo pp. uçmmg e DESAPARECEU.
  49. 49. NO MOMENTO EM QUE O LEONARDO TRANSPLINHA O PORTÃO. .. Tí. -. _,_ › 4›-_. ,.. .E. UMA MÃO MAGRA. MAS VIGOROSA, O FVíD' * "'? ' I f ven OAQUI PARA me oxzaz I I I I e vosMEcê é um Há. : HOMEM aus eu NÃO se¡ - PAPA aus TRAZ aARBAs NESSA CARA! MESMO NA CARA QUE VOSMECÉ É CRIATURA SEM SENWAENTOS!
  50. 50. ENTÃO, A MENINA VEIO AQUI SÓ PARA DIZER COISAS BONITAS? QUEM A TROUXE PARA CÁ? AOPIDMÀÚAROWLIAIÍWCOSIIWÊ. DESCERÉMRALMIIUGEVWSOIKESQDEDWNWVER seus IMGNIEIODE¡ DENTES. VDNJA 'IIIMA-O _, ENCANTAIXJ. w-*FJF í""4-, .vd r"" LA cri_ ____- A- "fr- 1:3, wf' t '; . 7 E) ~ _ ELE A 555w”, ÁCÔMPANHOIkA DE LON' E PARA ÊÉBEÊ_LHE›DA Monge: J , ENTÃO. RAPARIGA. POSTE “k . . A *Ok FAZER ALGUMA , __ ” _U _ __ ASNEIRA. .. "íJ OUALMFIZO QUE FAZ auAL- < _L_ . . < @meu MULHER aue I x -~ V! rem SANGUE “r v -. à' NA GUELRA! ' , V_ NÃO me VÁ m: VENHA ELE PARA a1 QUE . , O. e . Í A “Cem” 'MWM reMos AINDA CONTAS . ' com' O “JO” O A AJUSTAR. .. : : ÉII
  51. 51. TODA A FAMILIA PA550U A NOITE NA I VIDINHA NÃO PASSAVA um só DIA eM QUE MAIOR ANSIEDADE E MUITOS DIAS NA MAIS ; ao msgs o Iron/ Ipumupg, COMPLETA IGNORÂNCIA A RESPEITO A MÃE DE VIDINHA CONFESSO! ) NÃO TER VmINgA mp4 115m4 pg pouco ACHADO O TOMA-LARGURA MAL_APE55OADO_ | INTELIGENTE. POUCOS DIAs ORA. EU PREGAVA UM MONO AO TAL LEONARDO. , E ERA BEM PREGADO, A ELE E A ELA. ? amem ELE 'nNHA um DEFEITO: COSTUMAVA 323212 e mA PAZ WNHA SIDO RE5TFFUIDA DAVA-LHE PARA VALENTÃO e DESORDEIRO. A FAMILIA. ALGUÉM ? novos QUE _ . . se SOLENIZASSE o RESTABELE- CIMENTO Do sosseao. o TOMA- LARGURA FORA coNvIDADo. ..
  52. 52. SEGURA AQUELE E ã é¡ OMEM¡ ÇRANAVEIROÍ N' 4:_ p IÀI ' 'IC ' 'j . ~. CONTEA/ :OS A PRIIJ-EÍRA DIABRURA DE LEONARDO DEPOIS QUE VESTIU FARDA. OS GAIATOS DA CIDADE, A C 145.34 O IJTDIGAL DAVA . CAT/ I. Tx_II¡PI_'-A, “V"'. 'Z'II»'_I 12% F. ”I'~_'; ^._'1 ›A. __. ._r . COMO LEONARDO CHEGARA Ã POSIÇÃO EM QUE SE ACHAVA: AGARRADO PELO MAJOR, FORA CONDUZIDO A SENTAR PRACA NA COMPANHIA DO REGIMENTO NOVO. _ 'l
  53. 53. A PERWWBM 99559 'o MAJOR ANPAVA EM BUSCA oe uma 925mm: oe seMeLnAme WW ERA 0 M4303 QUE exzAceJo. ¡Mwou vox-s ou mes ammverxzos PARA exmrw Fwumoo znoszro, VINHA BSTBNPÉR-SE MAORFALI-MVO NO MEIO ".32 _Í w ' " A. _, - Í -. " A! O' ÉÕPÊÊÀRÂM MUÍTOTEMPÔ ÊÊM @Ja '* LEONARDO 11719363553. CI5MA170; e O MAJOR MANDOU QUE CERCASSBM " ACASANOMORRO. VIRAMLLIZESE r OUVIRAM O ZLINZHM ? A5 VIOLAS E g' A TOADA ? A5 CÀNTIGAS. l", h/ V-“a 1'¡ u 't' r l »J f¡ . N 4¡ '_ N¡ i -* - e *'~“~ ' L e 'N É_ 'i7' z'. ap” . 'Ã', !É ' ' f' . a ' * e ' ' * í "'57 ' 3 “' / ÀrJTJ y _'37 .4- y' ) a_ I : l 'd'O/ kaj k '_ -/ : OLÁ CAMARA” 94 emma Ve¡ um om. OMAJORANUNCDU aue num MORTALHA! ENTÃO A ~-. . x, ,r . oevems voce que: : L › > . 1 ACARADO WGVAWEEWPÚRVWW “WW” aueoLeveM DAÍ ; f ¡› &Neeumoz 'AFAZÉVM' __ ñ . 1 w . . "" ' 5:* "f “Pç ! gre/ ol / * _ ERA O M0550 AMIGO LEONARDO! ALÉM PAS RI5AI7A5. à NADA MAIê LHE *SIJCEVELL O MAJOR VERA LIMA &RANDB PROVA DE BENEVOLBNCIA.
  54. 54. UM ENWABRADO PATUSCO 608% TOCAVA *ACR/ ç CANTAVA IJODINHAS. BANCAS/ A o FADO. FALA/ A LIXGLIA oe NBR? , emma-se @UEM “AW MU“'05 ¡"«5555 ANV/ WA 0 ; memso com MuwA mnwítaave. ;Aew MAJOR DE OLHOS ABERTOS: TEOTÔNlO. !ALVARES DE ADPJINHAÇJÕES E 54.8111 FAZER UMA o INFENIDADE DE CARETAS. LEONARDO PATACA nua: : uma: 09517,; ' F0' 0 TEOTÔ-“O CONVWAVO- 0 MAJOR 951.415, g meggy o 91,0, 5M que_ gw: _f A SOUBERA DE TUDO. E ERA EXATAMENTE AÍ UEVlA FAZER CRISTÃ. .. x _ QUE E$PERAVA PiLHÃ-LO.
  55. 55. ancommuvo 05 N “ v- J; :: f seus ammvapos, ' 5. . É 7:' aus TINHAM ? ramo A A POUCA DISTÂNCIA. Í DIRlGlU-âã A0 LEONARDO. em MISTER UMA PESSOA aus o FOSSE VIGIAR 55m à; QuE 05595217555 z- "rg › a N susperms. .. , _, 5x _ “ ' t - A_ 'frog / ' 4 «ça BOM DlA PARA » _ / É , m; ,. _. A RECON- » 7 ¡Axx cxugczo! S) , À . - _, ._____. ... . . . ríw. -.. _ , -. _› _ 757 - NÃO ameno QUE AQUELE * _ * é -. . f f "_“' VALDEVINOS ANDE TOMANDO = g3_ , gi . .g t. , j A MINHA CARA PARA ORIGINAL : " « : - A - os CARETASQ_ à , = 4*" › __. -,. . 5 ASSIM QUE PERCEBERAIA A5 CORES DA ç » i í FARDA, HOUVE UM GRITO UE MEDO E FORAM 1-5 A_ APAGADAS TODAS A5 VELAS DA '- r r-----›-~-- --~
  56. 56. E 7* BOM M090 ' ~ A_ DE SER g¡ y : :Í szscesuvo » i 2 um ? uma EM ¡ CASA os ç _ __ e s seu pa: : ' x54). “à” . ._›_s_; ¡_. :f , _ ç, !. - _›. N -. ' &f; " v. I . r E ' I . _ _ . ›=w~+-›- *rtvç-: L Il 1. I "ñ-/ Wd L1“~'-J'«-x. ¡ Ã w mam AS VELAS. asma! NÃO g HÁ NOVIDADE, QUE O CABO DA ' GUARDA É NOSSO LEONARDO. . ,- _.24 . ..APENAS PÓS OS PÉS EM TERRA. FEZ LIMA CARETA DE MEDO. HOUVE LIMA EXPLOSÃO DE HILARIDADE. ALGUMAS PESSOAS NÃO 020mm¡ os RECEAR A Passava os LEONARDO < NAGUELES TRAJES. .. 44:. : A COMADRE A TODOS TRANQÚILIZOU. --_______. f1 nuno ELE LICENÇA NO GUARTEL, VIERA 455mm ; A0 aAnzAoo DA ¡mai! á* J I “I f» , _ 7 W V àçí, g' r"' a É¡ à“"°° f? « v* n . .__. -o. 4". E I I Â. i2. s _
  57. 57. V* -y- ? r 'f “sa TEOTÔNIO, se ? usem o PÉ . ?AQUELA PORTA PARA FORA. JL Q MAJOR PÕE-LHE A UNHA. .. __ j: ? ñ I, . . ~ y . V: DISCIPLINA. HEI DE DAR HOMEM. SEJA LÁ COMO FOR! - / ' I OMAJOR VIU I . › é aus TINHA ¡; x) SEGURADO I_ ¡* CORCUNÚÂ v ALEIJADO DA PERNA DIREITA E DO BRAÇO ESQUERDO. . I . _ -I I . _, v' S «A "í . á x52». ,. ;_ "' ¡ J_ . , 55s. ” - “ _. as». - » - __. _ _A_ ______, L --% ; s “í 51.5 NÃO e. -. ÍÇTsAIu! ATÉ os JAQUETA g* 'I SAIU! ' L BRANCA E CHAPÉU os I (Í . i PALHA! ç_ Ã . v *'14 V455'- . - ; I . WN . gm «se PARA o INFERNO! suma-ss DAQUI. TAMBÉM NÃO se¡ o ou; ANDAM FAZENDO A . ESTAS HORAS PELAS RUAS _JJ '. -' . a . 't' a *oww “ í "a . ' ' '^ “L vçn-r"" u. . x I. A ea. ; rm_ s- ¡ 'n ' . W- '4 *' -_ I Í. ' s I : :a I v n' l . ui-gr _a_ 't 1 là I, .. '- __ , _ ___*~________ _ I _. ,-__. :;-_~_*_'_ . L M. .. .__. __.1
  58. 58. eu O v¡ TOMAR A 'APL PAnPs: 055m5'. I-EONAWO "W555 90 LOG” PORTA ONDE ESTAVA O 'l NUNCA LEVEL ERA . í @U5 LEVAR/ I 0 “NOW sR. MAJOR. .. O concuwom I › I o RECOLHA-SE PRESO AO GLIARTEL! VOLTEJVOS Ã LUISINHA. TINHA'SE JOSÉ MANUEL TORNADO UM VERDA- LEONARDO &Raus DO FUNDO VAL/ MA TODO O DESPEITO e RANCOR. .. _ v¡ É] -K _ 'm' n - . - n' . ; r ' . ,h - r m ' . 4 y ' I IA . AI, seuuozw AQUILO HÁ ve LEVAR A POBRE MENINA A SEPULTURA. COITADA! BEM- F CRIADA E MALFADADA. .. . g" 53|. , . . , =. ..rs. ..« _-~. , _. .- _. .--_ . __~, 7__m; _r o. MARIA FICARA SsRIA com A coMAPRe POR cAu- sA DA INTRIOA coM José uAvusL. um DIA &MOON- TRARAM-se NA MISSA e TORNARAAA-SE A FALAR.
  59. 59. * 7 vesrA CONVERSA NASCEU A . NUNCA PsNseI, CRIATURA. QUE CNONCMAÇÃQ-Dôê. DMS_ SUCEDESSE TAL. AGORA SOU EU CAPAZ DE ACREDITAR NA HISTÓRIA DA MOÇA ç FURTADA NO ORATÔRIO DE PEDRA: A' ELE TEM BOFES PARA TAL! ~ LEONARDO NÃO só FIGARIA POR MAIs TEMPO PRESO. como TERIA os ssR CHIBATAQO. .. FIZERAM PACTO DE SE AJUDAREM PARA DAR REMÉDIO AOS MALES DA SOBRINHA E ÃS DIABRURAS _. _.. ... _.. .. ›. O MAJOR TEM VERDADEIRO AMOR. COISA DO PASSADO. POR MARIA REGALADA. QUE É LUIM DAS MINHAS CAMARA- ' DAS DE CORAÇÃO. VAMOS FALAR COM ELA. LEONARDO VAI APANHAR DE CHIBATA!
  60. 60. HÁ ÚE ATENDER. ELE NÃO ESTÁ ORA. EU JÁ NÃO ? RESTO PARÁ NÀÚÀ. I550 TÃO VÉLHO QUE 5g TENHA ERA BOM NÔUTRÓ TEMPO. AGORA A5 COI5À5 E5 “amoo D05 -rgMpos ESTÃO MUÚAÚAS, D. MARIA. ?E905 QUE ELE O pg pANq-Es_ SE METEU NA POLICIA. .. -___ ' VOU FALAR-LHE, TALVEZ ELE ME vEREMOs. A SENHORA E SABE LA O OuE SÃO OS HOMENS? ! -E- VENHO AQUI, COM ESSAS TRÊS SENHORAS QUE O SR. MAJOR BEM CONHECE! NÃO ME COMECE JÁ COM BEM. SIM, ORA, A LEI. .. O : É COISAS, SR. MAJOR. POIs é, MAS A LEI. .. aus E A LEI? 55 O SIM, SENHOR, MUITO BOM _ ' MAJOR QUISER. .. RAPAZ, E NÃO HÃ RAZÃO I' * PARA SER CASTIGADO!
  61. 61. aus HAVIAMDE 01221205 MM_ uouwww' se ME VISSEJA AQUI NESTAS í o VIDIGAL. G-URAMINGAS os a, A CFCIRAR NO VCRIANCA? MEIO ve mês › RETlRARAM-SE As mas NO a. MAIOR CONTENTAIAENFO, e o là_ í MAJOR emu PARA CUMPRIR A » n . _ 1 suA PROMESSA. u. .V - . ..ía _ . _ , ... _l MAs JOSÉ MANUEL ENTRARA PARA CASA EM --_- 5_ FÁTAhV¡ sucos. namo suco AcoMsnoo os UM T i, »r _ J' ›_' ALGUÉM CHEGOU A0 VELÔRIO AO Ç . É» LUIS-WMA e Leonxíízoo REATÍRAM o ANTIGO NAMORO. Anorrecen. em LEONARDO, EM INFELIZMENTE, um SARGENTO os LINHA NÃO ? com comem umronms os A* < CASAR. .. V rgT *'°'"”* ~ ÚE GRÀNÀEEÍROS. ç 5/ -Ê r**- â ? mw ___ i r . .r l ' ' _ h : t: A' . É. JJ . ai. 'A 4 fbx* lira. . M FICAR 559490 . SOLDADO e cAsAR. [1 DANDO BAIXA NA TROPA os LINHA e PASSANDO -. .J . r q, v. " ; ç-; Wá NO MESMO POSTO PARA A5 MILFÇIAS. ' 4!! .- x' 1./ /
  62. 62. FORAM TER COM MARIA REGALADA. A ? WMEIRA o ¡Mgog 195514 vez_ Aguou o PE-'âSOA QUE LHES APARECEU POI O MAJOR. pampa Muno JUQTO_ 5M ; Wu ~ SEMANA, emxzesou A LEONARDO Í AH! PELO aus w NÃO 55 LEMB” = D015 PAPÉIS: ¡ 'J VEJO_ ¡51-0 pag DAQUELE SEGREDO COM u O A _ y 7 _ I AGU¡ VA¡ 35m! QUE ÓBTTVE O PERÚÃO E “tu-a- . a " - FW -wu "-'. -.-*'-*'~= ' g_. '›= ." UM ERA SUA BAIXA DA TRORA DE LNHA: OUTRO, SUA NOMEAÇÃO DE SARGENTO DE MILÍCIAS. : É . N 'w ' 'Í. .'LL'~. .~. › . _': L.. Jf. .-. .r. .- _ -. .^. ,«, .: _. í~ O TEMPO INUISPENSÃVEL DO LUTO, LEG DE MILIÇIAS. RECEBEU-SE NA SÉ COM LUISINHA. ASSISTNDO Ã CERIMÔNIA A FAMÍLIA EM PESO. DAQUI EM DIANTE APARECE O REVERSO DA MEDALHA. âEêUluvôE A NORTE DE D. MARIA, A DO LEONARDO PATACA E UMA ENFIAUA DE ACONTECIMENTOS TRISTES QUE POUPAREMOS A05 LEITORES, FAZENDO AQUI PONTO FBNAL. _ -N j! › ig v' . Á 1 N, J *“*'V-K~= a E: : 'I'“*-~v? :'*r
  63. 63. .. iríawízirrã/ _zzot «rare» gvzaágraan' «rzríriíararxs fjfjãlíflrâjftlgí, 140; ¡. 'Iͧ. K=! 'ÍKsÍl1;= iureexéiwara. Lift! , ííálli-fí *ir sintra» : re 'sírlefa ÊLÍIÊÓÍÍÍKÊP; era-gamers, : aqui zu: : at¡ , ggli. ›Íílíjt«Íl_l_i_réê'ifí-' m1_ nr*- litárílirlfuâl: _. «^e; .;a; ¡rç? ›í¡rits. si¡ 1 ” , = ; site r~r. :;as›. °iã^z; u,iaiabs : sina Lgçilíjblegtlmixfalêi ; nrfíf à. r=. í¡_1xíe*›, 7 iteiâilÍtk-ilixêlrtíitíãiêx, a 1 , Ê5^í), ll. .|. l'-! ÃÍ_, Vͧ v! líílf-Í Um pouco da Vida ele lvíanuel Ãmtônio de Almeida Manuel Antônio de Almeida nasceu em 1831 no Rio de Janeiro. Filho do tenen- te Antônio de Almeida e de Josefina Maria de Almeida, perdeu o pai quando tinha 11 anos de idade. Após o falecimento da mãe, na mesma época em que cursava a Faculdade de Medicina, começou a trabalhar como jorna- lista, garantindo o sustento de seus irmãos. Mesmo após ter se formado médico, em 1855, deu continuidade à carreira jorna- lística e não chegou exercer a Medicina. Seu primeiro trabalho na imprensa foi em 1851, com uma tradução de um romance de Louis Friedel. No ano seguinte, já no Correio Mercantil, publicou anonimamente em forma de folhetim, no suplemento "A paco- tilha”, os capítulos de Memórias ele um sar- gento de milícias. No mesmo jornal fez ainda críticas literárias. A publicação de seu único romance só ocorreria em 1854 (primeiro volume) e em 1855 (segundo volume), sob o pseudônimo de “Um brasileiro”. Manuel Antônio de Almeida seria creditado apenas na terceira edição, já póstuma, em 1863. Em 1858 tornou-se administrador da Tipografia Nacional, onde teve como apren- diz o jovem Machado de Assis, que anos mais tarde faria a revisão da terceira edição de Memórias ele um sargento de milícias. No ano seguinte teve sua primeira incursão na política, ao ser nomeado segundo oficial da Secretaria da Fazenda. Faleceu em 1861, no naufrágio do navio Hermes, próximo a Macaé, no estado do Rio de Janeiro. Além de Memórias de um sargento de milícias escreveu a peça teatral Dois amores, publicada no mesmo ano de sua morte. É patrono da cadeira número 28 da Academia Brasileira de Letras, por escolha de seu funda- dor, Inglês de Sousa. Como romancista, legou o que é consi- derado o primeiro romance urbano e de cos- tumes do Brasil, no qual utiliza uma narrativa sem fantasias nem distorções da realidade, características da escola romântica, influen- ciando diretamente a escola literária realista. Obras: Romance: Memórias ele um sargento ale milícias (1852-1853, em folhetim, e 1854-1855, em dois volumes) e Teatro: Dois amores (1861) 63

×