Livro

67 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
67
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro

  1. 1. Capítulo 1 Eram quase seisda tarde,quandoresolvi me deitarnojardime entenderminha existência.Olharparao céuafimde encontrarexplicações.Euestavaexaustaemocionalmente e fisicamente,de umaformaque somente quemsente entende. -Nãovai comer? – perguntouminhamãe,comavoz umpouco arrastada. Sacudi a cabeça afimde dizernão.Elafranziua testae se sentouao meulado. -Nãopode parar de comer.Vai ficaranêmica. – suspirei e entãoretruquei–Não estoucom fome. -Sei,sei,nuncaestácomfome.. –elafezuma breve pausaantesde me lançar um olhar preocupado – Isabelle,sei que estápassandoporummomentodifícil,masprecisa continuar..Sabe,seguiremfrente.Ele nãoé oúnico. Lembrar-me dele ascendeuminhafúria. -Sei que ele não é o único! – gritei – Mas não possoignorarmeussentimentosmãe..Foi tudo tão rápido.Ele se foi e arrastoutudoconsigo.Nãome restounada... Quandovi,jáestavachorando.Aslágrimasescorriampelosmeusolhose eutentavanão prestaratençãoem minhamãe,que agorachoravacomigo.A piorparte de chorar empúblico,é perceberque osoutrosestãochorandocom você. Ela me abraçou e disse que meualmoçoestavaesfriandoahoras.Minhamãe não sabiadar conselhos.Elaapenasdemonstravacarinhoe saía.Aocontráriodele,quesempre sabiaoque dizer.Tudoque agente fazia,ousentiajuntos,eracomose fosse um livro,e ascitaçõeseram sempre dele. Tomei corageme me levantei.Corri paraomeuquarto e fechei aporta.A dor era intensa,mas consegui andaraté a passagem aobanheiro.Tomarumbanhoaté que seriabom,paraaliviar minhamente de pensamentosnegativos. Apóso banho,comecei ame lembrar.Nãohaviaoque eutentasse fazer,sempre irialembrar dele.Eununcairiaesquecer. “Belle,eu te amo como se fôssemoso sol.Vocênascendo eeu,mepondo.Massempreao mesmo dia.Como sefôssemosumsó.Não há nada como umnascer-do-solpara umpôr-do-sol.” Pare.Pare de me lembrarcada segundode comoele falava,doque elefalava,davoz,do cheiro...Ele me deixou.Sim,ele foi embora.Ele nãovai voltar,Isabelle.Você temque esquecer.Seguiremfrente.Suavidavale maisque ele. Mas euprecisoentender.Precisosaberporque ele me deixou.Não.Você temque superar.E ponto.Vai voltarasair com seusamigose começara guardar nofundodo coração todas as lembrançasdele.Chegade John..meninosnasuavida.Oumelhor,chegadele.Osoutrospodem. Fui até o armárioe peguei ovestidoque tinhaguardadopromeuaniversáriode umanode namorocom ele.Umamisturade azul com verde turquesae repletode borboletinhasrosasno comprimento.Tomei corageme ovesti.Coloqueiaminhasapatilhaazul e o meuperfume favorito,que poracaso,eleteriame dado.Masissoagoranão importa.Ele nãofazmaisparte da minhavida.
  2. 2. Fui até o espelhoe me assustei comoque vi.Estavatodapálida,cobertade rímel nas pálpebras,meucabelolisoe enorme(que eunãocortavaa quase um ano) todo emaranhado na nuca e meuslábiosestavamrachados,emalgumasregiõesque eumorderaporraiva,dore angústia.Principalmente angústia. Peguei meuestojode maquiageme solteiocabelo.O observei uminstante.Pegueiaescova maispróximae o desembaracei,fioporfio.Quandoacabei,oreparti de ladoe pegueimeu celular.Listei oscontatosaté encontraro nome da minhamelhoramiga – Anna– e perceber que tinha50 chamadas perdidasdela.Assimque liguei,elaatendeunosegundotoque. -Belle??–umavoz preocupadaecoou – É você? -Sim.Oi,Anna. -Ah,graçasa Deus!Te liguei váriasvezes,comovocê está? -Melhor.Só...nãotoque noassunto. -Okay.Aconteceu algumacoisa? -Sime não.Quero...querosaberse estálivre hoje.Agora. -Claro. -Quersaircomigo,daruma volta,fazerumascompras...? -E você aindapergunta?Óbvioque sim!Voute pegaremvinte minutos. -Okay.Beijos. Desligueie peguei minhabolsa.Desci as escadasrapidamente,masparei nacozinhaprapegar algumacoisa.Estavafaminta. -Fiu-fiu–minhamãe disse –Aonde vai? Ela tinhaum certoentusiasmonavoz.Nãopude deixarde rir. -Vousaircom a Anna. -Ah,que ótimo,filha!Nãosabe comoficofelizporte versorrir de novo!Você temque viver,querida,é jovem.Com16anos,jáé hora de você ser feliz,Belle. -Ahn..Obrigada,mãe. Me surpreendeuomodocomoelafalou.Comoeudisse,minhamãe nãoeraboa com conselhos. Ouvi a buzinadocarro da Annaassimque acabei de comer.Me despedi daminhamãe e fui em direçãoá porta. -Uau!Você estáincrível! –exclamouAnna,que,comosempre,estavaperfeitamente impecável. -Você também– respondi. -Então...shopping? -Sim. – engoli emsecoaome lembrardoque eu e ele costumávamosfazerno shopping.Andávamosde mãosdadas,nos enchíamos de pipocae saíamosdo cinemana metade dofilme porque a)nãoestávamosprestandoatençãoquando tínhamos apenasumao
  3. 3. outro grudadosemuma únicacadeirae b)gostávamosde brincarnaseção de jogosdo shopping.Algumasvezes,eleconseguiapegarumbichinhode pelúcianasmáquinas. Antesque eupercebesse,Annaestavaestacionando.Eladirigiacalmamente e imensamente bem.Tocavaumamúsicacalma e feliznarádio,e elatinhaumsorrisinhoescondidonocantodo rosto. -Vamos?– elaperguntou. Assenti e começamosacaminharshoppingadentro.
  4. 4. Capítulo2 -Belle,seique nãoquerfalarnoassunto,masprecisosaberde umdetalhe:querconhecer outrosgarotos ou vai ficarsemelesporum bom tempo? Pensei nasminhasopções. -Quero...Precisoconhecergente nova. -Issoé ótimo!Vamos,tenhocertezaque vamosacharalguém. Assimque entramos,Anname arrastouá praça de alimentação.Estavalotada.Eunãoviatanta gente há tantotempoe me assustei coma possibilidadede encararaquelagente toda. -Ahn,desculpe-me Belle.Vem,vamospraumlugar maiscalmo. Chegamosaooutro lado,relativamentevazio,excetoporummeninoe suamãe numa mesaao fundo,umasenhorafazendoopedido,umagarotaque acabara de pagar e um homemsentado numbanco do ladoesquerdodaparede. -O que vãoquerer? – perguntouumagarçonete,que,enquantoeuanalisavaaspessoas presentes,acabeiporesquecerde vê-laali. -Aahn..água. –respondi. -Pra mimumMartini. -Comou sembebida? -Com. -Já vai beber,Anna?Achei que tinhasuperadoisso. -E eutambém. O homemsentadonosencarava.Logopercebi que seriapelaAnna,queestavaabsolutamente linda.Qualquerumolhariapraela.Mas,depois,percebique me encarava.Olhoaolho. -O que foi? – eladisse – Alguémestáte incomodando? -Não,imagina.Nãoestoulouca,Anna. -Sei disso,Belle.Sóque,você nãosai aalgumtempo,achei que poderiate incomodarum olhar,umaaproximação... -Estoubem,nãose preocupe. -Estoutão orgulhosade você!Emuitofelizportersuperado.Vocêmerece serfeliz,Belle. -Engraçado,minhamãe me disse omesmohoje de manhã. Assimque me virei,repareique o homemnãoestavamaislá.Okay,confesso:issome incomodouumpouco.Nãoque eusejaparanoica,oualgodotipo,masquandoumhomem estranhote encara e depoissome,acredite,é suspeito. -Anna,eu..precisoiraobanheiro. -Querque euvá junto?
  5. 5. -Não,nãoprecisa. -Tá,euespero. Eu sei que pode pareceregoístaeuir ao banheironumasituaçãosuspeita.Mas,quandoháalgo suspeito,euficogélida,sintopavore nãopossomais me arriscar a me colocarem situaçõesde risco.Nãomais. Assimque chegavaao banheiro,trombei comalguémque saía.Ótimo –pensei –agora,uma situaçãomico.Jáme preparavapara me desculparquandovi que trombei comocara – sim,aquelecara– e entrei e pânico. -Opa– ele disse -F-Foi mal. -Nãopor isso. Enquantoele se esquivava,me senti tontae esbarrei –veja,maisumavez – emoutra pessoa.Equilíbrionãoerao meuforte.Percebi que ialevarumtombofeioe me preparavapara o choque.Sóque este nãoaconteceu.Alguémme segurouenquantoeucaía,e nãome atrevi a abrir osolhospra descobrir.
  6. 6. Capítulo3 -BELLE!BELLE,FALA COMIGO!! Reconheci avoz,assimque despertei.Masnãoreconheci olugarque estava. -Onde euestou? -AahBelle,graçasaDeus!Se você nãoacordasse emmais5 minutos,chamaríamosa ambulância. Logo reparei que haviamaisgente emvolta.Umpolicial,agarçonete,umamulhere o homem.Sim,ele estavaláe pálidocomoo gelo. -O que houve? -Você desmaiou –ele respondeu. -E se não fosse poresse herói aqui,teriatidonomínimoumtraumatismocraniano,batidoa cabeça diretonochão. -Obrigada– respondi. -Maisuma vez,nãoporisso.Émeudeversairpor aí salvandosenhoritasde bateranuca no chão.Disponha. De algumaforma,ele me fezsorrir.Coisaque eunãofaziahámuito,muitotempo. -A gente se vê. – ele disse,e se foi. -Vamos,eute ajudo –respondeuAna Resolvemossairde umlugarfechadoe andar ao ar livre.Sempre me fazbemestaremcontato com a natureza. -Que tal o parque da Ensenha? -Pode ser. Durante o caminho,fiquei associandotudooque aconteceu:quase bati acabeçae fui salvapor um cara estranho.Tudoissoemumdia.Éinteressante vercomoeuconsigoarranjarconfusões emapenasalgumashoras. Esperei que Annaencontra-se umbomlugarpra estacionar.Saímosdocarro e fomos caminhar.Oparque estavacheio,masaregiãogramadaestavavazia.Fomosandandopor ali,quietas,sóadmirandoapaisagem.Setemumacoisaque euamo é admirara paisagemao meuredor. -Então... – Annadisse –O que achou dele? -De quem?– perguntei distraída. -Do seuherói,poxa.Conheçoele. -Conhece? -Sim.Ele erameuprofessorquandofaziaaquelasaulasde inglêsnoPEC.Achoque ele nem trabalhamaislá.
  7. 7. -Eu me inscrevi noPEC há algunsmeses,fizaprova,masaindanãorecebi a resposta.Achoque não entrei,afinal. -Ficatranquila,você vai passar. -É,pode ser– disse Não tenhocertezase passaria.Eramuitagente concorrendoe poucasvagas. -Lembrado Patrick? – falouAnna -Aquele de óculos,baixinho? -Sim,oque estudavacoma gente naquarta série. -Lembro...Oque temele? -Estamossaindo. -Sério?Issoé ótimo. -Fiquei commedode te contar e você ficarmal,por..Você sabe. -Nuncaficariamal com uma amigaminhapor estar feliz.Issoseriaumegoísmoenorme da minhaparte. -Obrigadaamiga.Senti suafalta. -Tambémsenti suafalta,Anna. Eu realmente amo aAnna.E apesarde tudo,me senti simumpoucomal por elae o Patrick.Não que eunão quisesse vê-lafeliz,masporque me fazialembrardele.Eele eratudoque eutinha naquelaépoca.Agoraeunãotenhonada. ... Na manhã seguinte,acordei mais cedo que o normal.Resolvi arrumar algumas coisas no meu quarto pra passar o tempo.Arrumei minha estante de livros (mesmo não tendo nada pra arrumar porque meus livros são a parte mais arrumada da casa) apenas tirei um pouco do pó deles.Organizei minhasroupas,meusCDSe meus sapatos.No meu antigo estado mental,tinha me esquecidode comoeuodeiobagunça.Resolvi tomar coragem e arrumar minha estante de fotos.Era lá que eu guardava todas as fotos dos meus quatorze anos pra cá.Sem pensar,comecei a pegá-las,uma por uma,revendo os bons momentos da minha vida.Foi só quando vi uma foto dele,que entrei em choque. “Para a meninaque eu mais amo na vida,uma foto do seu ‘Jow’.Para a minha namorada,meu tudo. -J.” Sem querer esbarrei na lateral da estante e ela,com todas as fotos,caiu no chão fazendo um baque estrondoso.Sercuidadosatambémnão era lá o meu forte.Minha mãe entrou correndo no quarto,como se houvesse ocorrido um terremoto. -Belle?!Ah meu Deus,você está bem? Perdi o fôlego por alguns segundos,talvez minutos,e não consegui responder.
  8. 8. -Belle?O que foi? Ela pegou a foto da minha mão,e quando finalmente entendeu,me mandou voltar a dormir.
  9. 9. Capítulo 4 Quando acordei,eleestava lá.Bemao meu lado.Ele sorriu,etive que sorrir devolta.O sorriso dele era lindo.Tinha me esquecido completamentedisso. “Eu te amo,Belle – ele disse – Nunca quiste deixar.Eu estava emtranse.Sevocêpudesse entendero queaconteceu,seao menosmedeixasseexplicar,meaproximardevocê... – ele deu umleve sorriso e se aproximou –Sinto sua falta.” “Tambémsinto sua falta” “Então,porquenão podemosficarjuntos?Vocêainda meama,certo?” “Sim.Eu te amo.Muito.” E realmente amava.Acho queeleera pra mim como a água épra Terra: eu não me vejo sem ele. “Belle,volta pra mim.Oque vocêviu foi umerro.Meperdoa.Eu não posso teexplicar o que aconteceu,maspreciso queconfieemmim.” “Eu confio...Maspreciso saber,preciso entender...Eu sou uma burra.” “Ei,você não é burra.Vocêsó entendeu errado.Não confia emmim?Acha queeu seria capazde fazeralgo pra te fazersofrer?Não era eu,Belle.Não era eu” Despertei donadae não me acostumei como que vi.Umsonho.Sabe quandovocê estátendo um sonhotão real,que quandoacorda,parece que nadamaisfazsentido? Desci as escadase minhamãe não estavalá.Haviaumrecadona geladeira. Fui levar sua irmã na aula de balé,e depoisvou passarno banco eno supermercado.Tem frango na geladeira.Não meespere,volto tarde.Beijos. Frango.Umadas coisasque eu menosgostonomundo:qualquercomidaderivadade um animal.Pode parecerclichê,jáque paraalgunselessóservempraisso,maspramim,elessão fofinhosdemaisparaseremengolidossempiedade. Resolvi fazerummacarrão.Maisútil,práticoe fácil.Enquantoopreparava,sem perceber,cantarolavaumamúsicasemsentido.Aquele tipode músicaque te contagiamasque o significadonemé tãobomassim.Músicasde sucessoamericano. Lembrei-me dosonho.Foi tudotãoreal.Pensei nomodocomoele me disse ascoisas,e emtudo que ele disse.Penseitambémemcomofui idiota.Pareci umamenininhade dezanosbeijando os pésdo primomaisvelhosópra fazerele gostarde mim.Mesmosendoumsonho,me senti mal pelaminhaestupidez. Enquantocomia,me dei contaque tinhaque verificarse oresultadodaminhaprova da PEC tinhasaído.Mas estavasempique praisso.Ásvezes,sábadonãoé diapra badalar:é diapra descansar.
  10. 10. ... Minha mãe chegouemcasa algumashorasdepois,e sósoube quandoparei ovideogame e ouvi unsgritosdo ladode fora.Quanto maispertoelachegava,maioreramosgritos. -ADIVINHA SÓBELLE,ADIVINHA? -Estoutendoum sonhobemmalucoe minhamãe está gritandomuitoalto? -Não,besta.Chegousuacarta da PEC! -Nãoacredito! Assimque abri a carta,fiquei como coração apertado.Ese eu não passasse,afinal? -Abre logo,Belle,peloamorde Deus! Devagar,fui arrancandooseloe abrindo.Parei quandocomeceiaveras letras.Fiquei com medodo resultado.Mastomei corageme abri de vez. “Isabelle Almeida Vieira,temoso imenso prazer deanunciar queo sue aproveitamento da prova foide 75,4 %. Pela prova deadmissão da PEC ------------------APROVADA” Não acreditavanoque estavavendo.Eurealmente haviapassadonumafaculdade. -Então,Belle,falalogo! -Eu passei! -Ah,filha! –minhamãe me abraçou– Eu sabiaque você iaconseguir!Issoé ótimo!Vouavisaro seupai. Minha mãe não falavacom o meupai faziaquase um ano.Elessóse falavamquandohaviaalgo realmente importante acontecendo,tipoeupassarnumafaculdade.Elesse divorciaramfaz sete anos.Minhamãe descobriuque meupai nãoqueriamaissabertantoassimda famíliae elesbrigaramfeio.Aí,minhamãe oexpulsoude casa,e ele disse que nãoiriasair.Maseladeu um jeito:jogoutodasasroupas dele narua.Ele sódeuum beijoemmime na minhairmãzinha (que na épocaera umbebê de doismeses) e saiu.Nuncamaisovimosemcasa. Liguei praAnna pra avisarda novidade.Assimque termineide contar,elaquisfazeruma festa,masnãodeixei.Possotermelhorado,masnãoestavaprontapra enfrentar ummonte de gente.

×