Apresentação eutrofização (VCBGCV)

49 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
49
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação eutrofização (VCBGCV)

  1. 1. Avaliação de impacto em Eutrofização Jéssyca M. de Oliveira UTFPR 1
  2. 2. Eutrofização 2  Excesso de nutrientes limitante Nutriente Poluente  N e P (marinho e água doce) • Floração de microalgas • Processo natural • Diferentes fatores
  3. 3. Eutrofização -Luminosidade e temperatura 3 • Diferentes fatores -Estado trófico inicial -Profundidade -Tempo de residência: Rios / lagos e reservatórios
  4. 4. Despejo de esgoto Eutrofização – água doce Escoamento de fertilizante 4
  5. 5. Eutrofização – água doce • Cianotoxinas • Dificuldade no tratamento • Parâmetros • Impede a passagem da luz • Morte dor organismos 5
  6. 6. DESTINO EFEITO 6 EXPOSIÇÃO
  7. 7. CML CML ReCiPe- midpoint ReCiPe endpoint ReCiPe endpoint IMPACT 2002+ EPS 2000 TRACI LUCAS EDIP 2003 7
  8. 8. EPS 2000 8  EPS 2000  Endpoint  CF: métodos empíricos  Destino é considerado ( não modelado)  Taxa fixa de emissão de nutrientes
  9. 9. 9  TRACI  Midpoint  EUA  Baseado CML 2002  Transporte hidrológico TRACI
  10. 10. 10  LUCAS  Midpoint  Canadá  Baseado IMPACT 2002+  Fator de vulnerabilidade LUCAS
  11. 11. 11  EDIP 2003  Midpoint  CARMEN  Taxa fixa de remoção de P EDIP 2003
  12. 12. 12  ReCiPe  Midpoint/ endpoint  CARMEN adaptados  Permite modelar o destino do P ReCiPe- midpoint ReCiPe endpoint ReCiPe endpoint
  13. 13. Métodos Características EPS 2000  Emissões aquáticas são consideradas  Não permite nenhum tipo de regionalização CML 2002  Emissões aquáticas são consideradas  Não permite nenhum tipo de regionalização IMAPAC 2002+  FC é estimado exatamente como CML 2002 TRACI  É possível regionalizar o transporte do P ( Transporte hidrológico) LUCAS  É possível regionalizar (fator de vulnerabilidade) EDIP 2003  P inputs é modelados (CARMEN model) RECIPE 2008  P inputs e o transporte são modelados (CARMEN model- adapt) Fator de Caracterização 13
  14. 14. Gallego Alejandro, 2010 Helmes J. K. Roel, 2012 Azevedo Ligia B, 2013 14
  15. 15. 15 Precipitação Escoamento do fertilizante Efluente não tratado Efluente tratado Uso da água Assimilação Advecção Gallego Alejandro, 2010 Helmes J. K. Roel, 2012
  16. 16. Persistência do P Relação entre o dano e a variação da massa do nutriente Nutriente Poluente  Concentração de fósforo  Transporte e ou remoção • Advecção • Retenção • Uso da água Fator de Caracterização 16
  17. 17. 𝐶𝐹𝑖 = 𝐹𝐹𝑖 . 𝐸𝐹 . 𝐹𝐹𝑖 = 𝐽 𝐹𝐹𝑖,𝑗 = 𝐽 𝑓𝑖,𝑗 . 𝜏𝑗 𝜏𝑗 = 1 𝑘 𝑎𝑑𝑣,𝑗+𝑘 𝑟𝑒𝑡,𝑗+ 𝑘 𝑢𝑠𝑒,𝑗 𝑓𝑖,𝑗 = 𝑗−1 𝑘 𝑎𝑑𝑣,𝑗 𝑘 𝑎𝑑𝑣,𝑗 + 𝑘 𝑟𝑒𝑡,𝑗 + 𝑘 𝑢𝑠𝑒,𝑗 • 𝐶𝐹𝑖: Fator de c • 𝐹𝐹𝑖: Fator de d • 𝐸𝐹: Fator de e • 𝑓𝑖,𝑗: Fração de • 𝜏𝑗: Fração de P água Helmes J. K. Roel, 2012 17 Global Grid
  18. 18. Helmes J. K. Roel, 2012 18
  19. 19. Exercício 19 Excell
  20. 20. Var. Equação valor Un. Kadv transferência de Paraguai – Paraná kadv,i=Qi/Vtot,i 2,12 .10-3 Dia-1 Kret kret,j=1/Vtot,i . (Vriver . Kret,riv +vf . (Alak,j + Ares,j)) 9.10-2 Dia-1 Kuso kuse,j= Fwta . (1-fDITW,j) . Kadv,i . (1-fsoil,j) 6.10-2 Dia-1 Kadv transferência de Paraná-Paraguai kadv,j=Qj/Vtot,j 7,52.10-3 Dia-1 20 Bacia do Paraná
  21. 21. 21 Bacia do Paraná τj persistência 63,5 fi,j Fração Transportada 0,05 FF Fator de Transporte CF=FF.EF 3,175
  22. 22. Obrigada jessyca.213@gmail.com 22

×