Criado e Desenvolvido por:
Todos os direitos são reservados ©2013.
www.tioronni.com.br
REINO MONERA
A célula bacteriana é procariótica
REINO MONERA
 Possui seres Unicelulares
 Todos os seres desse reino são Procariontes, e o reino
Monera é o único reino P...
A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE
Bactéria (do grego bakteria = bastão), foram observadas pela
primeira vez por Antonie van Lee...
A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE
O Reino Monera na classificação atual encontra-se sofrendo
alteração e seus integrantes foram...
A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE
A diferença mais marca entre bactérias e arqueas está na
organização e funcionamento dos gene...
OS AMBIENTES
São encontradas em todos os ecossistemas da Terra, em qualquer
tipo de meio: mar, água doce, solo, ar, e bast...
IMPORTÂNCIAS DAS BACTÉRIAS
São de grande importância para a saúde humana, para o ambiente e para a
economia. Com destaque ...
BACTÉRIAS CARNÍVORAS
Utilizadas no combate de pragas da agricultura. Um exemplo é o Bacillus
thuringensis, que ataca as la...
ESTRUTURA E FORMAS DAS BACTÉRIAS
ESTRUTURA E FORMAS DAS BACTÉRIAS
NUTRIÇÃO
Quanto à fonte de átomos de carbono para a produção de suas
moléculas orgânicas (alimento), as bactérias são clas...
NUTRIÇÃO: Bactérias Fotoautotróficas
Ex: proclorófitas, cianobactérias e sulfobactérias.
Realizam a fotossíntese, tendo co...
NUTRIÇÃO: As Cianobactérias
Diferem das proclorófitas por apresentar apenas clorofila do tipo a,
além de pigmentos de vari...
NUTRIÇÃO: As Sulfobactérias
As sulfobactérias realizam um tipo de fotossíntese em que a
substância doadora de hidrogênio n...
NUTRIÇÃO: As Fotoheterotróficas
São bactérias que mesmo utilizando a luz, não conseguem converter
o gás carbônico em moléc...
NUTRIÇÃO: As Quimioautotróficas
São as bactérias que utilizam a oxidação de compostos inorgânicos,
como fonte de energia p...
NUTRIÇÃO: As Quimioheterotróficas
A maioria das espécies bacterianas apresenta nutrição
quimioheterotróficas, isto é, a fo...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
A parede celular bacteriana
proteína
cadeias peptídicas
parede celular
(peptidioglicanos)
membran...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Diversidade metabólica nas bactérias
• Bactérias heterótrofas
 Parasitas
 Decompositoras
 Simb...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Metabolismo energético nas
bactérias heterótrofas
• Anaeróbias obrigatórias
• Anaeróbias facultat...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
• Fotossintetizantes
As bactérias autótrofas
• Quimiossintetizantes
2 H2S + CO2 + luz bacterioclo...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Esporos: formas de resistência
esporo confeccionado no
interior da bactéria (endósporo)
esporo li...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Reprodução assexuada em bactérias
mesossomo
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Mecanismos de recombinação
gênica em bactérias
• Conjugação
fragmento duplicado de DNA
bactéria
d...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Mecanismos de recombinação
gênica em bactérias (cont.)
• Transdução
DNA da
bactéria
que morreu
DN...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
• Transformação
divisão celular: as bactérias-filhas
terão o novo DNA
fragmento de DNA
no meio de...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Bacterioses: doenças causadas por bactérias
• Tuberculose
• Cólera
• Sífilis
• Gonorréia (blenorr...
CAP. 16 “O REINO MONERA”
Antibióticos
• Tratamento das doenças causadas por bactérias
• A resistência das bactérias aos an...
 Acne
 O folículo é invadido pelo Propionibacterium acne ou
Propionibacterium propionicus.
 Algumas pessoas associam a ...
 Furúnculo
 O furúnculo é uma infecção dos folículos das cavidades de onde saem
os pelos (pilossebáceos), geralmente cau...
 Botulismo
 O nome botulismo é derivado do bacilo (anaeróbico), que provoca a
doença, o clostridium botulinum. Ele é enc...
 Cólera
 Sintomas: diarréia intensa, vômitos , em casos mais acentuados,
câimbras, perda de peso intensa e olhos turvos,...
 Tétano
 Sintomas: provoca espasmos nos músculos voluntários, principalmente os
do pescoço, sendo que os músculos respir...
BACTERIOSES
 Hanseníase ou Lepra
 Sintomas: manchas dormentes, de cor avermelhada ou esbranquiçada
feridas na pele e nervos periféri...
Leptospirose
 Sintomas: febre alta, dor de cabeça forte, calafrio, dor muscular e
vômito, olhos e pele amarelada, olhos v...
Reino monera
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Reino monera

4.620 visualizações

Publicada em

SITE: www.tioronni.com.br
E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.620
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
125
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reino monera

  1. 1. Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados ©2013. www.tioronni.com.br
  2. 2. REINO MONERA A célula bacteriana é procariótica
  3. 3. REINO MONERA  Possui seres Unicelulares  Todos os seres desse reino são Procariontes, e o reino Monera é o único reino Procarionte da Terra  Possui seres Anaeróbios e Aeróbios  Possui seres Heterótrofos e Autótrofos  Possuem Parede Celular composta por Peptídeoglicanos  Exemplo de seres desse reino: Árqueas, Bactérias e Cianobactérias (antigas algas Azuis)  Doenças Bacterianas
  4. 4. A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE Bactéria (do grego bakteria = bastão), foram observadas pela primeira vez por Antonie van Leeuwenhoek (1632-1723), final do século XVI; O reino é formado por Bactérias e Arqueas; os seres mais abundantes do planeta; são unicelulares e com célula procariótica (sem núcleo diferenciado no citoplasma); podem viver isoladas ou em colônias; A unidade de medida desses microrganismos é o micrômetro. (1µm = 0,001 mm), isto é, um milímetro dividido em mil partes. Medem entre 0,2 a 1,5 µm. Raras não microscópica.
  5. 5. A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE O Reino Monera na classificação atual encontra-se sofrendo alteração e seus integrantes foram divididos entre: Eubacterias (do grego, eu = verdadeiro). Archaeobacterias (do grego, Archaeo = antigo), ENTRETANTO: mais recentemente descobriu-se que as Arquebactérias são mais semelhantes aos Eucarióticos e passaram a ser chamadas apenas de Arqueas. E as Eubactérias, simplesmente Bactérias.
  6. 6. A CLASSIFICAÇÃO MAIS RECENTE A diferença mais marca entre bactérias e arqueas está na organização e funcionamento dos genes das Arqueas. As sequências codificadas nos genes e a ação gênica das Arqueas são mais semelhantes às sequências encontradas nos Eucarióticos, isto é, elas são evolutivamente mais relacionadas com os organismos Eucarióticos do que com as bactérias. Provavelmente, no passado, um grupo deu origem às bactérias e o outro, deu origem às Arqueas.
  7. 7. OS AMBIENTES São encontradas em todos os ecossistemas da Terra, em qualquer tipo de meio: mar, água doce, solo, ar, e bastante no corpo de muitos seres vivos. Além de áreas difíceis à vida se estabelecer como em alta salinidade, altas temperaturas, sem oxigênio, escuridão, profundidades oceânicas, regiões vulcânicas, etc.
  8. 8. IMPORTÂNCIAS DAS BACTÉRIAS São de grande importância para a saúde humana, para o ambiente e para a economia. Com destaque para as ciências médicas, biológicas, para a indústria alimentícia, farmacêutica, cosmética etc. Na decomposição de matéria orgânica morta. O processo de decomposição é efetuado tanto por bactérias do tipo aeróbias como as anaeróbias; Em processos industriais, como por exemplo, os lactobacilos, utilizados na indústria de fermentação alcoólica, láctica, produzindo alimentos( bebidas, queijos, coalhadas, iogurtes, etc dando sabor e aroma aos mesmos); No ciclo do nitrogênio, em que atuam em diversas fases, fazendo com que o nitrogênio atmosférico possa ser utilizado pelas plantas; Na Engenharia Genética e Biotecnologia para a síntese de várias substâncias, entre tantas a insulina, o hormônio de crescimento, a toxina botulínica (aplicação "botox"), entre tantas outras aplicações médicas; Além do estudo de agentes bacterianos que trazem doenças ao homem (o largo campo das pesquisas nessa área);
  9. 9. BACTÉRIAS CARNÍVORAS Utilizadas no combate de pragas da agricultura. Um exemplo é o Bacillus thuringensis, que ataca as larvas de determinados insetos; também com aplicação de técnicas de despoluição de meios como no tratamento biológico da água de rios poluídos; no tratamento de esgotos; etc.
  10. 10. ESTRUTURA E FORMAS DAS BACTÉRIAS
  11. 11. ESTRUTURA E FORMAS DAS BACTÉRIAS
  12. 12. NUTRIÇÃO Quanto à fonte de átomos de carbono para a produção de suas moléculas orgânicas (alimento), as bactérias são classificadas em 2 grandes grupos: autotróficas e heterotróficas Quanto à fonte de energia que utilizam, as bactérias, também são classificadas em 2 grandes grupos: fototróficas e quimiotróficas. Combinadas as duas classificações anteriores (isto é, a fonte de energia e a fonte de átomos de carbono), pode-se classificar as bactérias em 4 grandes grupos quanto às suas necessidades nutricionais: As fotoautotróficas; As fotoheterotróficas; As quimioautotróficas; As quimioheterotróficas.
  13. 13. NUTRIÇÃO: Bactérias Fotoautotróficas Ex: proclorófitas, cianobactérias e sulfobactérias. Realizam a fotossíntese, tendo como fonte de carbono o CO2 e como fonte de energia a Luz . Entre as fotoautotróficas distinguem- se dois grupos: proclorófitas + cianobactérias e sulfobactérias; as primeiras, antigas cianofíceias. As proclorófitas são dotadas de clorofila dos tipos a e b. Acredita- se que sejam os seres mais abundantes no planeta, responsáveis por cerca de metade da fotossíntese realizada nos oceanos. Também, além do mar, vivem na água doce e em meio terrestre úmido.
  14. 14. NUTRIÇÃO: As Cianobactérias Diferem das proclorófitas por apresentar apenas clorofila do tipo a, além de pigmentos de variadas cores, responsáveis pela sua coloração. Tem forma variada entre as espécies. Algumas espécies apresentam células isoladas ou agrupadas ou em filamentos lineares. Tem papel na fixação do nitrogênio, por ex. na síntese de compostos orgânicos nitrogenados (como aminoácidos) Tem importância ecológica por serem capazes de colonizar ambientes inóspitos (que dificultam a sobrevivência de seres vivos), como superfícies rochosas, água e solo pobres em nutrientes. Algumas espécies formam associações mutualísticas, onde os dois seres se beneficiam ( associam-se a fungos formando os líquens ). A eficiência na fixação de nitrogênio pelas cianobactérias (Ex. Azolla) é tanta que em plantações de arroz onde há essas plantas, é desnecessário usar fertilizantes nitrogenados. A coloração das cianobactérias pode ser explicada através da presença dos pigmentos clorofila-A (verde), carotenóides (amarelo-laranja), ficocianina (azul) e a ficoeritrina (vermelho). Todos estes pigmentos atuam na captação de luz para a fotossíntese
  15. 15. NUTRIÇÃO: As Sulfobactérias As sulfobactérias realizam um tipo de fotossíntese em que a substância doadora de hidrogênio não é água, mas sim compostos de enxofre, o gás sulfrídico (H2S). A maioria vive em locais pobres em oxigênio (fundo de lagos, lagoas). São anaeróbias obrigatórias. Veja a equação da reação: CO2 + 2H2S  (CH2O) + 2S + H2O
  16. 16. NUTRIÇÃO: As Fotoheterotróficas São bactérias que mesmo utilizando a luz, não conseguem converter o gás carbônico em moléculas orgânicas(alimento). Elas utilizam compostos orgânicos do meio externo, como álcoois, ácidos graxos (gorduras), glicídios(açúcares), como fonte de carbono para alimentar-se. São aneróbicas. Ex.: as bactérias não-sulforosas verdes e as púrpuras.
  17. 17. NUTRIÇÃO: As Quimioautotróficas São as bactérias que utilizam a oxidação de compostos inorgânicos, como fonte de energia para a obtenção de seu alimento, a partir do gás carbônico (CO2) e de átomos de hidrogênio (H), vindos de substâncias diversas. As substâncias que se formam das reações químicas são utilizadas pelas bactérias, no seu metabolismo e sobrevivência. Ex. bactérias que vivem no solo como as dos gêneros Baggiatoa, Thiobacillus, Nitrosomonas e Nitrobacter., estas últimas são importantes para as plantas.
  18. 18. NUTRIÇÃO: As Quimioheterotróficas A maioria das espécies bacterianas apresenta nutrição quimioheterotróficas, isto é, a fonte de energia e a de átomos de carbono são moléculas orgânicas que a bactéria ingere como alimento. Neste grupo vamos encontrar as chamadas saprofágicas e as parasitas.
  19. 19. CAP. 16 “O REINO MONERA” A parede celular bacteriana proteína cadeias peptídicas parede celular (peptidioglicanos) membrana plasmática bactéria Gram-negativa bactéria Gram-positiva paredecelular membrana exterior peptidioglicanos membrana plasmática polissacarídeos e lipídios
  20. 20. CAP. 16 “O REINO MONERA” Diversidade metabólica nas bactérias • Bactérias heterótrofas  Parasitas  Decompositoras  Simbiontes
  21. 21. CAP. 16 “O REINO MONERA” Metabolismo energético nas bactérias heterótrofas • Anaeróbias obrigatórias • Anaeróbias facultativas • Aeróbias obrigatórias • A respiração anaeróbia
  22. 22. CAP. 16 “O REINO MONERA” • Fotossintetizantes As bactérias autótrofas • Quimiossintetizantes 2 H2S + CO2 + luz bacterioclorofila (CH2O) + 2 S + H2O 2 NH3 + 3 O2 2 HNO2 + 2 H2O + energia
  23. 23. CAP. 16 “O REINO MONERA” Esporos: formas de resistência esporo confeccionado no interior da bactéria (endósporo) esporo livre (forma de resistência) esporo sendo liberado (o restante da bactéria degenera)
  24. 24. CAP. 16 “O REINO MONERA” Reprodução assexuada em bactérias mesossomo
  25. 25. CAP. 16 “O REINO MONERA” Mecanismos de recombinação gênica em bactérias • Conjugação fragmento duplicado de DNA bactéria doadora (bd) bactéria receptora (br) união das duas bactérias e passagem de um pedaço de DNA da doadora para a receptora bd br DNA transferido é incorporado à cromatina da receptora br bd separação das bactérias br divisão celular – as células-filhas terão o novo pedaço de DNA
  26. 26. CAP. 16 “O REINO MONERA” Mecanismos de recombinação gênica em bactérias (cont.) • Transdução DNA da bactéria que morreu DNA do vírus degenera divisão celular – as bactérias-filhas terão cópias do DNA transduzido vírus (transdutor) carregando um pedaço de DNA da bactéria que morreu nova bactéria
  27. 27. CAP. 16 “O REINO MONERA” • Transformação divisão celular: as bactérias-filhas terão o novo DNA fragmento de DNA no meio de cultivo DNA penetra na bactéria DNA no hialoplasma incorporação à cromatina bacteriana Mecanismos de recombinação gênica em bactérias (cont.)
  28. 28. CAP. 16 “O REINO MONERA” Bacterioses: doenças causadas por bactérias • Tuberculose • Cólera • Sífilis • Gonorréia (blenorragia) •Leptospirose •Tétano •Botulismo •Salmonelose (infecção intestinal)
  29. 29. CAP. 16 “O REINO MONERA” Antibióticos • Tratamento das doenças causadas por bactérias • A resistência das bactérias aos antibióticos  Transferência de resistência entre bactérias  O uso inadequado de antibióticos
  30. 30.  Acne  O folículo é invadido pelo Propionibacterium acne ou Propionibacterium propionicus.  Algumas pessoas associam a ingestão de determinados alimentos com o aparecimento de acne. Entretanto, não existe comprovação científica.  Lavar o rosto várias vezes NÃO ajuda a evitar. Isso pode inclusive provocar aumento da oleosidade da pele (efeito rebote).  Apesar de ser uma infecção, a acne não é contagiosa. BACTERIOSES
  31. 31.  Furúnculo  O furúnculo é uma infecção dos folículos das cavidades de onde saem os pelos (pilossebáceos), geralmente causados pela bactéria Staphylococcus aureus. Ocorre em diversos locais, mas está mais sujeito a surgir em regiões onde há maior transpiração e/ou fricção, como axilas, virilha, nádegas e pescoço. Assim, o uso de roupas apertadas e substâncias que obstruem os poros favorecem sua manifestação. BACTERIOSES
  32. 32.  Botulismo  O nome botulismo é derivado do bacilo (anaeróbico), que provoca a doença, o clostridium botulinum. Ele é encontrado nas fezes dos homens e dos animais, nos alimentos e no solo. O bacilo produz esporos resistentes. BACTERIOSES
  33. 33.  Cólera  Sintomas: diarréia intensa, vômitos , em casos mais acentuados, câimbras, perda de peso intensa e olhos turvos, desidratação, diminuição da pressão sanguínea em curto espaço de tempo, com possibilidade de causar a morte.  Transmissão: Através de água ou comida contaminada pela pelas fezes de pessoas contaminadas  Prevenção: Saneamento básico, lavar bem os alimentos, beber água tratada e tratar da higiene  Tratamento: Uso de Antibióticos BACTERIOSES
  34. 34.  Tétano  Sintomas: provoca espasmos nos músculos voluntários, principalmente os do pescoço, sendo que os músculos respiratórios podem ser atingidos, causando a morte por asfixia  Transmissão: Cortes com materiais infectados com a bactéria  Prevenção: Vacina anti-tetânica  Tratamento: Uso de soro anti-tetânico e Antibióticos BACTERIOSES
  35. 35. BACTERIOSES
  36. 36.  Hanseníase ou Lepra  Sintomas: manchas dormentes, de cor avermelhada ou esbranquiçada feridas na pele e nervos periféricos, mas pode afetar outros órgãos como o fígado, os testículos e os olhos  Transmissão: Via Respiratória  Prevenção: Evitar o contato com pessoas contaminadas  Tratamento: Uso de Antibióticos e remédios específicos BACTERIOSES
  37. 37. Leptospirose  Sintomas: febre alta, dor de cabeça forte, calafrio, dor muscular e vômito, olhos e pele amarelada, olhos vermelhos, dor abdominal, diarréia e erupções na pele.  Transmissão: contato com água, alimentos ou solo contendo urina de animais com leptospirose  Prevenção: Evitar andar descalço, beber e comer alimentos descontaminados.  Tratamento: Uso de Antibióticos e remédios específicos BACTERIOSES

×