Histologia vegetal

6.415 visualizações

Publicada em

SITE: www.tioronni.com.br
E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com

1 comentário
11 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
391
Comentários
1
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histologia vegetal

  1. 1. Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados ©2013. www.tioronni.com.br
  2. 2. Histologia Vegetal 1) Introdução A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas. Tecido: conjunto de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas para realizarem determinadas funções. 2) Tecidos Vegetais I. Meristemas II. Parênquima III. Colênquima IV. Esclerênquima V. Floema VI. Xilema VII. Epiderme VIII. Periderme Crescimento Preenchimento / Sustentação / Reserva Condução de seiva Revestimento
  3. 3. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais I) Meristemas (tecido vivo) Tipo de tecido presente nas partes da planta onde ocorre crescimento por multiplicação celular.  Constituído por células meristemáticas: o Pluripotentes (↑ capacidade de diferenciação) o Indiferenciadas o Parede celular delgada o Núcleo volumoso o Alta capacidade multiplicativa Células meristemáticas
  4. 4. Histologia Vegetal Meristemas e crescimento Ao contrário dos animais, a produção de órgãos vegetativos e reprodutores é contínua ao longo da vida da planta e é devida à atividade dos meristemas.
  5. 5. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: a) Meristema apical: Promove crescimento vertical  Origem: Embrião da planta (ápice do caule e da raiz) Meristema apical da raiz Procâmbio Protoderme Meristema Fundamental Meristema Apical do caule Protoderme  Origina a epiderme e periderme Procâmbio  Origina o xilema e floema Meristema Fundamental  Origina o parênquima, colênquima e esclerênquima Meristema apical Origina os meristemas primários
  6. 6. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: a) Meristema primário ou apical (na planta adulta) Gema apical do caule (meristema primário) Gema apical da raiz (meristema primário) Gemas laterais do caule (meristema primário)
  7. 7. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Tipos de Meristemas: b) Meristema secundário: Gimnospermas e Angiospermas  Origem: A partir da desdiferenciação de células parenquimáticas do córtex da raiz e do caule.  Promove o crescimento em espessura  Tipos: I. Felogênio  Súber  Feloderma II. Câmbio  Xilema secundário  Floema Secundário Floema secundário Xilema secundário
  8. 8. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais
  9. 9. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Feloderme Felogênio Súber
  10. 10. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais b) Parênquima (tecido vivo)  Origem: meristema fundamental  Funções: o Preenchimento de espaços o Reserva de substâncias o Fotossíntese  Local: Encontrado em todos os órgãos da planta Tipos I. Parênquima de preenchimento  Cortical  Medular o Realiza o preenchimento de espaços entre os tecidos o Ex: Córtex e medula do caule Caule
  11. 11. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais II. Parênquima clorofiliano o Possui grande quantidade de cloroplasto em suas células o Função: Fotossíntese o Local: Encontrado no mesófilo foliar Mesófilo da folha Parênquima clorofiliano
  12. 12. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais II. Parênquima clorofiliano
  13. 13. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais III. Parênquima de reserva o Possui a função de armazenar substâncias o Tipos: a) Amilífero: reserva amido – Ex. Batata b) Aquífero: reserva água – Ex. Cactos c) Aerífiero: reserva gases (ar) – Ex. Aguapé Parênquima amilífero Parênquima aerífero Grânulos de amido Espaçamento entre as células
  14. 14. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais c) Colênquima (tecido vivo)  Origem: Meristema Fundamental  Função: Promove resistência e flexibilidade aos órgãos da planta  Característica: Células com parede celular bastante espessada  Localização: Abaixo da epiderme Reforço de celulose nos ângulos da célula. Gavinha - Flexiblidade
  15. 15. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais d) Esclerênquima (tecido morto)  Origem: Meristema Fundamental  Função: Sustentação e proteção  Característica: Células com parede celular (celulose) bastante espessada contendo impregnação de lignina (polímero) o qual promove impermeabilização e rigidez ao tecido.  Obs.: A impregnação por lignina causa a morte da célula.  Localização: Caule, folhas, frutos e sementes. Tipos celulares I) Fibras esclerenquimáticas Reforço de ligninaLúmen vazio Promove sustentação esquelética ao vegetal
  16. 16. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais I) Fibras esclerenquimáticas
  17. 17. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais d) Esclerênquima (tecido morto) Tipos celulares II) Esclereídes Possuem lúmen celular vazio e parede celular lignificada Pode ser encontradas  Isoladas  Grupos (entre as células parenquimáticas)  Ex: Pêra.
  18. 18. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo)  Origem: Protoderme  Função: Revestimento externo dos órgãos da planta (raiz, caule, folhas, frutos, etc).  Característica: Geralmente formado por uma única camada de células. Epiderme das folhas Estruturas encontradas I. Cutícula: impermeabilização e economia hídrica. II. Estômatos: trocas gasosas III. Tricomas: retenção de água e proteção. IV. Hidatódios: gutação V. Glândulas: atração de polinizadores e proteção
  19. 19. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de algumas folhas.
  20. 20. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas II) Estômatos: Únicas células epidérmicas que possuem cloroplastos.
  21. 21. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas III) Tricomas: São pelos epidérmicos que auxiliam na redução da perda de água, além disso, podem ser urticantes, liberar odores, secreções oleosas ou digestivas.
  22. 22. Histologia Vegetal CURIOSIDADES Planta Carnívora: são fruto da evolução de certas espécies que buscaram uma forma de sobreviver nos solos pobres em nutrientes orgânicos. Essas plantas passaram a retirar do ambiente o complemento alimentar que a terra não lhes fornecia. As primeiras plantas carnívoras que surgiram na Terra desenvolveram métodos para aprisionar e digerir animais e, assim, utilizar suas proteínas
  23. 23. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das folhas III) Hidatódio: Elimina o excesso de água do interior da folha.
  24. 24. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais e) Epiderme (tecido vivo) Epiderme das raízes  Possui pêlos absorventes  Aumenta a superfície de contato e a absorção de água e sais minerais pelas células epiteliais das raízes.
  25. 25. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais f) Periderme (tecido vivo)  Somente em Gimnospermas e Angiospermas (Dicotiledôneas).  Típico de plantas que apresentam crescimento secundário.  Possui três camadas: Felogênio, Feloderme e Súber. Estruturas da periderme I) Lenticela: Abertura da periderme que permite a circulação de ar. II) Ritidoma: Periderme morta que se destaca do caule da planta. Lenticela Ritidoma Ar
  26. 26. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais f) Periderme (tecido vivo) Suber + Felogênio + Feloderme Obs.: O súber, tecido morto, faz parte da periderme. Súber Feloderme
  27. 27. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais g) Floema ou Líber (tecido vivo)  Origem: Procâmbio  Função: Conduzir a seiva elaborada (matéria orgânica) produzida pelas folhas para todas as células da planta.  Tipos celulares: (Elementos de tubo crivado) I. Célula crivada (Gimnosperma e Pteridófita) II. Tubos crivados (Angiospermas) o Elementos de Tubo crivado  Anucleadas  Sobrevive graças ao auxílio das células companheiras. o Células companheiras  Nucleada  Fornece todas as substâncias necessárias ao metabolismo das células dos elementos de tubo crivado.
  28. 28. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais g) Xilema ou Lenho (tecido morto)  Origem: Procâmbio  Função: Conduzir a seiva bruta (água e sais minerais) que é absorvida pelas raízes para as partes aéreas da planta e contribuir para a sustentação da planta.  Tipos celulares: (elementos traqueais) o Células mortas o Parede celular lignificada o Sem núcleo, citoplasma ou organelas o Dispostas em fileira, formando tubos contínuos I) Elementos de vaso (Angiospermas) o ↑ calibre o Perfuração única II) Traqueídes o ↓ calibre o Várias perfurações I II
  29. 29. Histologia Vegetal 2) Tecidos vegetais Condução de seiva
  30. 30. Histologia Vegetal CURIOSIDADES: Seca Fisiológica: ocorre quando o solo contém água, porém a planta não consegue absorver. Isto ocorre porque o excesso de água impede a difusão de oxigênio. As células da raiz, não absorvendo oxigênio, terão o metabolismo energético (respiração) comprometido, pois prejudica a produção do ATP. Com isso, não haverá absorção de nutrientes por transporte ativo. Isso também prejudica a absorção de água por osmose. Como a transpiração da planta ocorre normalmente e a absorção está prejudicada, o resultado final será o murchamento.
  31. 31. Histologia Vegetal CURIOSIDADES: Espinhos: em botânica, é um órgão axial ou apendicular, duro e pontiagudo, tais como os encontrados nas laranjeiras, resultantes da modificação de um ramo, folha, estípula ou raiz, constituído por tecido lignificado e vascular, e que se arrancado destrói o tecido subjacente. Geralmente espinhos são estruturas modificadas. Nas cactáceas os espinhos, por exemplo, são catafilos (folhas modificadas, com menor grau de organização que folhas comuns) para evitar perda d'água.

×