SlideShare uma empresa Scribd logo
LÍNGUA PORTUGUESA
APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVA
Na disciplina de Língua Portuguesa o objeto do estudo são os Gêneros
Textuais.
O ensino de Língua Portuguesa passou a fazer parte dos currículos
escolares brasileiros no final do século XIX, era considerada como a
“expressão do pensamento”. Na década de 1970 com a promulgação da Lei
5.692/71 dispondo que o ensino deveria ser voltado a qualificação para o
trabalho, foi constituída a Pedagogia tecnicista.
A disciplina de Língua Portuguesa passou a denominação de
Comunicação e Expressão.
Nesse momento histórico o grande desafio da educação brasileira é
modificar o quadro relativo ao domínio da língua escrita, a ideia do Letramento
ou níveis de alfabetização o que trouxe uma mudança conceitual que colocou a
humanidadeà distinção entre alfabetizados, letrados e analfabetos.
O contexto histórico e social impôs ao cidadão a necessidade de ir
além da mera capacidade de codificar e decodificar, é necessário atingir as
capacidades linguísticas que lhe permitam exercer as práticas de leitura e
escrita dos diferentes gêneros textuais que circulam no meio social,
associando-as ou dissociando-as das práticas sociais de oralidade.
Assumir essa perspectiva teórica implica em termos de ensino de
língua, um novo fazer pedagógico. Especificamente em relação aos momentos
iniciais do aprendizado da modalidade escrita da língua, as atividades de
repetições mecânicas, devem dar lugar às atividades que possibilitem o
aprendiz participar ativamente na construção do objeto de aprendizagem, tanto
no que se refere ao conhecimento sobre o sistema gráfico (alfabetização),
quanto aos usos sociais dessa modalidade linguística (letramento).
Pesquisas apontam que o contato intenso e íntimo com os múltiplos
gêneros textuais é o modo mais produtivo para que os alunos aprendam a
reconhecer as convenções exigidas em cada situação sócio- interativa.
Na pratica frequente e diversificada de uso e reflexão sobre os fatos
linguísticos, gradativamente os alunos vão se tornando usuários mais
competentes da língua, ampliam o vocabulário, se apropriam tanto das regras
gramaticais como das que especificam o que se deve fazer para organizar um
texto oral ou escrito, além de incorporarem as normas sociais de uso de
linguagem para um comportamento linguístico adequado a cada situação
sócio- discursiva.
1º ANO
OBJETIVOS
 Utilizar a linguagem oral para conversar, comunicar-se, relatar
suas vivências, expressar desejos, vontades e necessidades de
sentimentos e de interação.
 Observar e manusear materiais expressos como livros infantis,
revistas, histórias em quadrinhos, etc.
 Brincar de faz de conta, discriminando diferentes expressões
fisionômicas.
 Explorar a oralidade através de músicas, historinhas, etc.
 Estabelecer relações entre a oralidade e a escrita.
 Ler intuitivamente textos e livros já conhecidos pela criança,
escrita dentro e fora de sala.
 Produzir textos orais a partir da narração de histórias, desenhos
e outras formas de representação.
 Perceber que o todo é formado por partes e que as partes
reunidas formam novamente o todo.
 Identificar palavra-chave e o nome.
 Discriminar auditivamente as palavras que comecem e terminam
com o mesmo som da vogal em estudo.
 Observar e traçar corretamente as vogais.
 Observar os diversos tipos de letras.
 Identificar e escrever consoantes.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
ORALIDADE (LINGUAGEM ORAL)
 Narração, e expressar-se com clareza;
 Descrição de personagem;
 Relatos, transmitir avisos, recados e informações.;
 Reconto de histórias;
 Reprodução de jogos verbais trava línguas, parlendas,
adivinhas, quadrinhas, poemas e canções;
 Participação em situações que as crianças leiam, ainda que não
o façam de maneira convencional;
 Reconhecimento do próprio nome dentro do conjunto de nomes
do grupo nas situações em que isso se fizer necessário;
 Reconhecer o alfabeto e as vogais;
 Fazer leitura incidental de rótulos e cartazes;
 Desenhar e ilustrar histórias narradas;
 Fazer tentativas livre de escrita;
 Reconhecer diversos tipos de letras.
ORALIDADE
 Ampliação do vocabulário;
 Conversas informais;
 Relatos de experiências pessoais;
 Imitações, usando a linguagem onomatopeica;
 Narração de viagens, histórias, passeios e outras situações de
vida;
 Descrição de gravuras, quadros, cenas, pessoas, objetos...
 Dramatização,
 Canções infantis, poesias;
 Criação de histórias;
 Transmissão de avisos e recados;
 Interpretação oral de histórias ouvidas.
LEITURA
 Listas;
 Rótulos de embalagens;
 Anúncios de manchetes e jornais;
 Títulos de livros;
 Uso do alfabeto móvel;
 Percepção da direcionalidade da escrita;
 Representar graficamente as letras do alfabeto;
 Reconhecer e escrever o próprio nome graficamente e os nomes
dos colegas;
 Identificar o nome de colegas e professores;
 Escuta diária de leitura de textos diversos;
 Leitura de símbolos;
 Ler e escrever pequenas palavras.
LINGUAGEM ESCRITA
 Diversidade de textos;
 Leitura de textos e histórias;
 Representação gráfica da sequência de uma história;
 Reconhecimento e traçado das letras do alfabeto e das vogais;
 Junção das vogais;
 Reconhecimento e identificação de letras ou palavras em
qualquer material escrito;
 Atividades com o alfabeto móvel;
 Tentativa livre de escrita;
 Jogos que levam ao reconhecimento das letras do alfabeto;
 Revisão e reescrita coletiva e individual de palavras;
 Trabalho com rimas, poesias, letras de músicas, adivinhas;
 Expressão de ideias através de desenhos
 Produção coletiva de textos, mediada pela participação e
registro do professor.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
Na nossa visão de linguagem, optamos por um ensino contextualizado
onde as regras de sala de aula se fazem necessáriasatravés de um contrato
didático,pauta do dia, varal literário, aulas expositivas, interrogativas e
dialogadas.
É importante trazer para a sala de aula a exposição de ideias e todo
tipo de narração de fatos, histórias, etc. Sendo esse com sequência lógica.
Uma criança nos momentos iniciais de escolarização evidentemente
terá dificuldades em compreender o que lê, por isso faz-se necessário o uso de
crachás, cartões contendo palavras – chave, músicas, adivinhações, rimas,
quadrinhos, leitura de histórias e atividades diferenciadas.
AVALIAÇÃO
A avaliação em sala de aula dos conteúdos trabalhados será realizada
de forma contínua, diagnóstica e formativa, para visar a aprendizagem do aluno
e fazer intervenções necessárias.
2º ANO
OBJETIVOS
O ensino da Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os
alunos sejam capazes de:
 Narrar histórias conhecidas e relatos de acontecimentos;
 Demonstrar compreensão do sentido global de textos ouvidos
por meio de interpretação oral;
 Transmitir recados e avisos;
 Explorar poesias, trava-línguas, parlendas, quadrinhas, poéticas,
charadas, músicas;
 Fazer leitura incidental de rótulos e cartazes;
 Reconhecer o próprio nome e o nome dos colegas;
 Identificar o nome dos objetos da sala;
 Ler palavras e frases de sílabas apresentadas;
 Ler palavras, frases e pequenos textos;
 Desenhar ou ilustrar histórias narradas;
 Explorar a escrita testando o lugar das letras;
 Identificar e reconhecer o uso das letras maiúsculas e
minúsculas;
 Realizar tentativas livre de escrita;
 Produzir frases;
 Interpretar pequenos textos;
 Escrever textos coletivos;
 Produzir pequenos textos;
 Diferenciar desenho e escrita;
 Conhecer o alfabeto em diferentes formas gráficas;
 Distinguir as letras dos outros sinais usados na escrita
(acentuação e pontuação);
 Conhecer o princípio acrofônico: relação entre o nome da letra e
o som que ela apresenta;
 Conhecer a ortografia das palavras e compreender que ela não
atua de modo idêntico na leitura e escrita.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
LÍNGUA ORAL
 Transmissão de relatos orais, avisos e recados;
 Relatos de história de sua vida e família, de acontecimentos
sociais, de informações, entre outros.
 Domínio progressivo da linguagem padrão;
 Exposição de ideias;
 Exploração de poesias, trava-línguas, parlendas, charadas,
músicas, etc.;
 Reprodução oral de histórias, poesias (memorização de
quadrinhas);
 Emissão de opinião sobre determinado acontecimento ou
assunto lido;
 Transmissão oralde recados, avisos, informações, etc.;
 Exploração de ritmos e rimas das palavras;
 Relatos de histórias, desenho;
 Declamação de poesia.
LEITURA
Doprofessor para o aluno:
 Literatura Infantil; textos informativos, poesias, lendas ( Folclore,
Indígenas, etc.), Fábulas, mensagens e avisos, Bulas, receitas,
etc.
Do aluno para si ou para os colegas:
 Leitura do nome, dos objetos da sala;
 Palavras que vão sendo apresentadas, frases, pequenos textos;
 Cartazes, rótulos, placas, outdoors, avisos, nome dos colegas,
bilhetes, avisos, quadrinhas, parlendas, adivinhações, leitura de
músicas;
 Textos produzidos coletivamente.
 Prática de leitura verbal (letras, palavras, etc).;
 Prática de leitura não verbal (placas, cartazes, desenhos,
gravuras, etc).
DESCRIÇÃO
 De desenhos;
 De paisagem.
CRIAÇÃO
 De palavras;
 De frases;
 De pequenos textos.
LINGUAGEM ESCRITA
 Identificação das letras do alfabeto como sinais convencionais
para a escrita;
 Registro do alfabeto;
 Comparação de escritas com os tipos de letras (imprensa,
maiúscula, script e cursiva);
 Reconhecimento e escrita do seu nome, dos colegas, do
professor, etc.;
 Exploração de escritas, estabelecendo relações diversas na
palavra, através da troca, acréscimo ou supressão de letras e/ou
sílabas;
 Representação pelo desenho de textos produzidos, histórias
lidas e situações vividas na escola ou fora dela;
 Tentativas livres de escrita (produção de palavras, frases,
textos);
 Ditado de palavras e frases;
 Autoditado;
 Pesquisa de palavras;
 Progressão na apresentação de novas sílabas;
 Interpretação de textos;
 Produção de textos;
 Identificação e compreensão do uso da letra maiúscula e
minúscula;
 Escrita de textos com superação progressiva do fluxo contínuo
da oralidade.
ANÁLISE E REFLEXÃO SOBRE A LÍNGUA
 Interpretação de textos orais e escritos.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
Na Oralidade, as estratégias específicas da oralidade e as da escrita
compõe a tarefa de ensinar os alunos a se sentirem bem para expressar suas
ideias com segurança e fluência.
A Leitura compreende uma ampla variedade de práticas sociais que
leva o aluno a perceber o sujeito presente nos textos como notícias, crônicas,
piadas, poemas, artigos científicos, ensaios, reportagens, propagandas,
romances, contos, entre tantos outros que povoam o seu cotidiano.
Na Prática da escrita, requer ter em mente que tanto o professor
quanto o aluno necessitam, primeiramente, planejar o que será produzido; em
seguida, escrever a primeira versão sobre a proposta apresentada e então
revisar, reestruturar e reescrever o texto. O professor deverá ajudar seus
alunos a ampliarem seu domínio de uso das linguagens verbais e não verbais
pelo contato direto com textos de variados gêneros orais e escritos.
Transmissão de aviso e recados orais para: pais, amigos secretarias,
biblioteca, brincadeiras.
Relatos de um fato acontecido:
 Na cidade;
 Na família;
 Numa notícia de TV ou rádio;
 Declamação de poesias em datas comemorativas.
Leitura coletiva e individual, silenciosa e oral:
 Do alfabeto;
 De seu nome e de seus colegas;
 Das famílias silábicas;
 Do nome dos familiares;
 De rótulos;
 Placas e cartazes;
 De histórias ilustradas;
 De desenhos e paisagens;
 De frases;
 Textos diversos do livro didático;
 De literatura infantil.
Refletir nas leituras:
 Quem diz?
 Para quem diz?
 O que diz?
Descrição de si mesmo:
 Do colega e das paisagens;
 Jogos didáticos;
 Recorte e colagem;
 Dominó de palavras;
 Construção do nome.
Traçado do alfabeto nas diversas formas:
 Impressa, cursiva, maiúscula e minúscula;
 Junção de letras formando novas palavras.
Elaboração de palavras através de gravuras, carimbos e objetos:
 Elaboração de frases;
 Produção de pequenos textos através de gravuras, sequência
de cartazes, vídeo, passeios.
 Questionamento oral, escrito, desenho, gravuras, vídeos:
 Reestruturação de texto abordando: ortografia, pontuação,
sequência e margens;
 Abordagem dentro do texto de: singular e plural, masculino e
feminino, aumentativo e diminutivo, acentuação, separação de
silabas ao final da linha.
AVALIAÇÃO
A avaliação deverá ser diagnóstica, contínua e cumulativa.
 Na oralidade, deve-se avaliar a troca informal de ideias, numa
entrevista, num relato de história, as exigências de adequação
da fala são diferentes e isso deve ser considerado numa análise
de produção oral.
 Na leitura, devem-se considerar as estratégias que os
estudantes empregaram em seu decorrer. O professor pode
propor questões abertas, discussões, debates e outras
atividades que lhe permitam avaliar a reflexão que o aluno faz a
partir do texto.
 Na escrita, é preciso ver o texto do aluno com uma fase do
processo de produção, nunca como um produto final. O que
determina a adequação do texto escrito são as circunstâncias de
sua produção e o resultado dessa ação. Com o uso da
linguagem oral e escrita em práticas sociais os alunos são
avaliados continuamente, pois efetuam operações com a
linguagem e refletem sobre as diferentes possibilidades de uso
da língua, o que lhe permite, de modo gradativo, chegar à
almejada proficiência em leitura e escrita, ao letramento.
Observação de seu desempenho em relação a:
 Coerência;
 Coesão;
 Respeitando o momento de falar e ouvir.
Participar das leituras propostas pelo professor, desenvolvimento da
realidade com compreensão.
Observação de semelhança entre fala oral e de um texto escrito e de
seu desenvolvimento nas atividades.
Estabelecimento de relações entre escrita e a leitura e o
desenvolvimento da oralidade com compreensão.
Constatação do desenvolvimento do educando através de instrumentos
avaliativos diversificados.
3º ANO
OBJETIVOS
 Narrar histórias conhecidas e relatos de acontecimentos;
 Contar fatos do seu dia a dia;
 Demonstrar compreensão do sentido global de textos lidos,
ouvidos, por meio de interpretação oral;
 Transmitir recados, avisos e informações;
 Explorar poesias, trava-línguas, parlendas, quadrinhas poéticas,
charadas, músicas;
 Emitir opinião sobre determinado acontecimento ou assunto lido;
 Explorar a rima das palavras;
 Reconhecer as intenções e objetivos na fala do outro;
 Utilizar a leitura para alcançar diferentes objetivos: ler para
estudar, ler para revisar, ler para compreender, ler para
escrever;
 Ler de forma independente, textos cujos conteúdos e forma são
familiares;
 Reconhecer o alfabeto;
 Reconhecer o próprio nome, o nome dos colegas;
 Fazer leitura coletiva de palavras e frases;
 Ler palavras, frases e pequenos textos oralmente;
 Fazer leitura silenciosa;
 Compreender o que lê;
 Ler com ritmo e entonação;
 Reconhecer as intenções e objetivos na fala do outro;
 Desenhar ou ilustrarhistórias narradas;
 Reconhecer e escrever as letras do alfabeto;
 Reconhecer e escrever o próprio nome, dos colegas, e
professores;
 Explorar a escrita testando o lugar das letras;
 Identificar e reconhecer o uso das letras maiúsculas e
minúsculas;
 Fazer tentativas livre de escrita;
 Produzir frases;
 Entender o que lê e escreve;
 Interpretar pequenos textos;
 Escrever textos coletivos;
 Utilizar o dicionário;
 Produzir textos com conteúdos, coerência e sequência lógica;
 Escrever textos próximos do convencional utilizando parágrafos
e pontuação;
 Fazer pesquisas de palavras para melhorar seu vocabulário;
 Reproduzir histórias lidas ou ouvidas;
 Colaborar na reestruturação de textos;
 Utilizar alguns sinais de pontuação;
 Recapitular as dificuldades ortográficas para progressão;
 Utilizar artigos adequadamente;
 Identificar substantivos próprio e comum;
 Reconhecer os adjetivos;
 Flexionar os substantivos em gênero, número e grau.
 Transmitir oralmente, com desenvoltura as informações e
mensagens tornando a comunicação mais compreensível;
 Ler com clareza e compreender os diferentes tipos de textos;
 Reproduzir textos lidos, ouvidos ou assistidos manifestando
sentimentos, experiências, ideias e opiniões;
 Produzir textos com clareza de ideias, coerência e coesão
dentro da linguagem padrão, compartilhando opiniões, ideias e
preferências sobre leitura realizadas;
 Conhecer a ortografia das palavras e compreender que ela não
atua de modo idêntico na leitura e na escrita, percebendo a
segmentação das palavras.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
ORALIDADE
Relatos orais:
 Domínio progressivo da linguagem padrão;
 Exposição de ideias;
 Entrevista;
 Exploração de poesia, trava-língua, parlendas, músicas, etc.;
 Reprodução oral de histórias e poesias (memorização de
quadrinhas);
 Relatos de “causos” e invenção de histórias;
 Emissão de opinião sobre determinado acontecimento ou
assunto lido;
 Transmissão oral de recados, avisos, informações, etc.;
 Exploração de ritmo e rima das palavras;
 Relato de histórias, seu desenho e seu cotidiano.
LEITURA
 Prática de leitura:
Do professor para o aluno:
1. Literatura Infantil;
2. Textos informativos;
3. Poesias;
4. Lendas ( folclore, indígenas, etc);
5. Fábulas;
6. Cartas, mensagens e avisos;
7. Bulas, receitas, etc.
Do aluno para si ou para os colegas:
1. Literatura Infantil;
2. Textos informativos, narrativos;
3. Lendas;
4. Fábulas;
5. Cartazes, rótulos, placas, outdoors, avisos, etc.;
6. Textos reproduzidos por colegas (reestruturados);
7. Textos produzidos pelo professor;
8. Nome dos colegas;
9. Textos produzidos coletivamente;
10. Quadrinhas, parlendas, adivinhações, letras de músicas.
PRÁTICA DE PRODUÇÕES DE TEXTOS.
 Reprodução de textos: lidos, ouvidos e/ou assistidos
(informativos, narrativos, poéticos, literários e publicitários).
LÍNGUA ESCRITA
 Identificação das letras, alfabeto como sinais convencionais para
a escrita;
 Comparação de escritas com os tipos de letras (imprensa,
maiúscula, script e cursiva);
 Reconhecimento e escrita do seu nome, dos colegas, do
professor, etc.;
 Exploração de escritas, estabelecendo relações diversas na
palavra, através de troca, acréscimo ou supressão de letras e/ou
sílabas;
 Representação pelo desenho de textos produzidos, histórias
lidas e situações vividas na escola ou fora dela;
 Uso do dicionário;
 Tentativas livres de escrita (produção de palavras, frases,
textos);
 Interpretação de textos;
 Produção de textos;
 Identificação e compreensão do uso da letra maiúscula e
minúscula;
 Escrita de textos com superação progressiva do fluxo contínuo
da oralidade;
 Produção de textos em pequenos grupos ou individuais de:
acontecimentos do cotidiano, relatos orais, reprodução de
histórias, etc., pesquisa e escrita de palavras, reestruturação do
texto em sala de aula.
 Reestruturação de texto em vista de:
1. Sinais de pontuação, ponto final, vírgula, ponto de exclamação,
ponto de interrogação, dois pontos, travessão (como forma de marcar na
escrita as expressões de oralidade). Sequencia logica dos fatos.
 Produção de textos fictícios ou reais;
 Organização do texto (margem, título, espaço, parágrafo, etc.);
 Ortografia: s,ss,c,nh,ch,lh,as,na,al,am,rr,l e r intercalado, etc.
 Gramática: artigo, adjetivos, substantivo próprio comum e
comum, flexão do substantivo em gênero, número e grau;
 Narrativos (lenda, fábula, contos poéticos e informativos);
 Descritivos.
REESTRUTURAÇÃO DE TEXTO
 Interpretação de textos;
 Aspectos gramaticais.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
Portanto através de transmissão de recados e avisos o aluno
desenvolve a sua linguagem oral e verbal, tendo fluência na leitura de vários
gêneros textuais.
Através da leitura o aluno amplia seu conhecimento e seu vocabulário,
onde isso fará a diferença em sua vida escolar.
O desenvolvimento da escrita está relacionado com a leitura, pois
quanto mais o aluno lê, melhor será seu desempenho em seu conhecimento.
A reescrita deve ser prática frequente, pois, por meio dessa atividade, o
aluno formula e reformula hipóteses para progredir.
Sendo assim, desde o início da escolarização o aluno precisa ouvir
leituras, tentar ler e escrever coisas significativas.
Dominar a escrita, saber escolher o gênero textual mais apropriado,
selecionar informações suficientes e ordená-las de modo coeso, avaliar o grau
de formalidade da linguagem, aplicar as regras de concordância e de regência,
respeitar a ortografia e as normas gramaticais.
AVALIAÇÃO
A observação e o registro são as principais estratégias de que o
professor pode se valer para acompanhar o desenvolvimento linguístico da
criança, considerando-se de antemão que os avanços e retrocessos fazem
parte desse processo.
Deve-se avaliar a trajetória que o aluno percorreu durante todo o
processo, condição que pressupõe uma avaliação contínua e cumulativa. Isso
proporciona ao aluno a consciência de seu desenvolvimento e, por outro lado,
subsidia o próprio professor no sentido de acompanhar a eficácia do seu
encaminhamento pedagógico e diagnosticar a necessidade ou não de
redirecioná-lo.
A avaliação na área de ensino de língua deve focar os gêneros textuais
trabalhados orais e escritos, permitindo ao docente acompanhar o
desenvolvimento de cada aluno na apreensão gradativa das competências
propostas, no âmbito da oralidade, da leitura e escrita.
4º ANO
OBJETIVOS
 Identificar o sentido de mensagens orais, manifestando o
interesse por ouvir, expressando sentimentos, ideias e opiniões
em aula expositiva.
 Dominar a leitura, escrita e as diversas linguagens utilizadas
pelo homem;
 Ler textos com fluência, compreensão sanando as dificuldades
de pronúncias, entonação, respeitando a pontuação adequada;
 Buscar a qualidade com relação às produções de escritas
próprias no que se refere tanto aos aspectos textuais como a
apresentação gráfica.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
ORALIDADE (LINGUAGEM ORAL)
 Relatos (experiências pessoais, históricas, acontecimentos);
 Filmes;
 Programas de televisão;
 Debates (noticiários, anúncios, esporte, programas diversos);
 Dramatização (peças teatrais, músicas);
 Interpretação e expressão de vivências por meio de gestos,
expressões, movimentos, sons, etc.;
 Textos lidos (literários, informativos e outros gêneros);
 Criação de histórias, quadrinhas, piadas, charadas,
adivinhações, entre outros.
PRÁTICA DE LEITURA
 Oral e silenciosa;
 Conhecimento de textos de vários gêneros;
 Leitura informativa (conhecimento de textos jornalísticos,
científicos, mapas, tabelas, gráficos, legendas e outros);
 Leitura formativa (formação de opinião, conhecimento,
confrontar e argumentar ideias);
 Leitura literária (gênero literário, fluência, entonação, ritmo,
sonoridade);
 Identificar ideias básicas de um texto;
 Reconhecer os diferentes de texto;
 Confrontar e argumentar as ideias contidas num texto;
 Ler com fluência, entonação e ritmo.
PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS E ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Relatos de experiências pessoais, filmes, gravuras, programas
de televisão;
 Reprodução de textos; Produção de textos;
 Descrição (cartazes, ambientes, personagens);
 Narração (lendas, fábulas, contos poéticos e informativos);
 Reestruturação de texto (escrito pelo aluno, colega ou
professor);
 Interpretação de texto;
 Aspectos gramaticais;
 Pontuação;
 Escrita de textos considerando o leitor e os gêneros textuais.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
Vivemos numa sociedade letrada. Quando saímos à rua, estão
espalhadas por toda parte marcas que tem significados para nós: letreiros no
ônibus e lojas, placas de rua, jornais e revistas expostas em bancas, cartazes e
propaganda. Os supermercados estão abarrotados de produtos cujos rótulos
nos informam sobre seu conteúdo, organizando gôndolas com placas
indicativas.
 Na perspectiva para uma nova prática, a visão de uma
linguagem que estamos defendendo tem como objeto de
preocupação a interação verbal;
 Portanto devemos incentivar a técnica de debate, explicando
como deve ser realizado, separando a turma favorável e
contrario a ideia;
 Dramatização relâmpago de textos estudados, livros lidos,
histórias contadas.
QUESTÕES ORAIS E ESCRITAS
 Sequência lógica dos fatos, uso adequado da concordância
nominal, verbal, gráfica;
 Unidade temática cultural, utilização adequada dos elementos
coesivos, informações básicas;
 Sequência lógica dos fatos: introdução, desenvolvimento e
conclusão;
 Apresentação: título, letra maiúscula, parágrafo, legibilidade;
 Uso do discurso direto e indireto;
 Uso da língua padrão;
 Uso adequado da forma gráfica: ortografia, pontuação,
acentuação;
 Abordagem no texto dos aspectos gramaticais;
 Flexão do substantivo: gênero, número, grau, substantivo
próprio e comum;
 Classificação quanto ao número de silabas: monossílaba,
dissílaba, trissílaba, polissílaba, oxítona, paroxítona,
proparoxítona;
 Sinônimos e antônimos;
 Frases interrogativas, negativas e afirmativas;
 Substantivo coletivo;
 Verbos e pronomes.
AVALIAÇÃO
Ao longo dos tempos o papel da avaliação tem se modificado, por
influência das tendências de valorização que se acentuam em cada época.
Portanto ela é centrada no seu objeto de estudo: o texto, considerando
os seus três aspectos: oralidade, leitura e escrita.
 Participação nas atividades propostas, executando as
compreensões;
 Uso da leitura para alcance de diferentes objetivos:
 Ler para estudar;
 Ler de forma autônoma, histórias conhecidas, relatos e
acontecimentos, mantendo a ordem temporal dos fatos;
 Ler para compreender;
 Compreender o texto de maneira global e não fragmentada;
 Ler para revisar;
 Ler de forma independente, resgatando o significado e utilizando
as estratégias de leitura nos diferentes gêneros textuais;
 Ler para escrever;
 Escrever textos que demonstre o uso adequado da ortografia
convencional tanto em palavras, como em frases e textos;
Esses elementos devem ser avaliados levando em conta o rendimento
do aluno, com base nos critérios de avaliação do professor.
5º ANO
OBJETIVOS
 Utilizar a linguagem oral com clareza, conferindo significado aos
textos, participando de situações de intercambio oral,
manifestando experiências, sentimentos, ideias e opiniões de
forma clara e ordenada;
 Reconhecer a leitura como instrumento de comunicação e
compreensão, empregando dados para confirmar sentido e
recursos para resolução de duvidas, utilizando diferentes
objetivos;
 Produzir texto considerando o destinatário, a finalidade e o
gênero, introduzindo progressivamente seu conhecimento sobre
o sistema da escrita, realizando por escrito, resumos de textos
lidos e/ou ouvidos, preservando as ideias principais,
demonstrando compreensão global do texto;
 Utilizar a estratégia da escrita com a finalidade de produzir
textos coerentes, coesos e eficazes, interpretando as ideias
básicas contidas no mesmo.
CONTEÚDOS ESTRUTURANTES
ORALIDADE
 Relatos oralidade.
LEITURA
 Prática de leitura.
ESCRITA
 Produção de textos;
 Narrativas;
 Dissertativos;
 Descritivos;
 Interpretação de textos;
 Estudo do vocabulário;
 Reestruturação de textos;
 Aspectos gramaticais.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
ORALIDADE: É essencial promover reflexões sobre a
multiculturalidade e a eliminação de preconceitos, inclusive do preconceito
linguístico, uma pedagogia culturalmente sensível aos saberes do educando
está atenta as diferenças entre a cultura que os alunos representam e a da
escola, e mostra ao professor como encontrar formas efetivas de conscientizar
os educando sobre essas diferenças.
A escola é o lugar de explicitar aos alunos diferenças, além de, sem
dúvida, favorecer as condições para que eles se apropriem das regras usadas
pela variedade padrão, uma vez que nas instancias publicas de linguagem é a
ela que a sociedade confere prestigio.
LEITURA: O ato de ler é uma atividade cognitiva envolvendo processos
como percepção, memória, inferência e dedução no texto como na mente do
leitor. A atividade de leitura envolve desvelamento e produção de sentidos para
se chegar à compreensão.
Tornar-se um leitor competente depende assim de um percurso longo
que demanda o exercício frequente de leituras de gêneros de diferentes
suportes, envolvendo a linguagem verbal e também a não verbal, com
propósitos variados: ler par buscar informações, estudar, revisar texto, por lazer
e fruição, seguir instruções.
PRODUÇÃO: Produção de texto envolvendo toda tipologia textual
gradativamente, somando as dificuldades na unidade temática e estrutural:
 Exploração de elementos coesivos;
 Uso adequado de discurso direto e indireto, da concordância
nominal e verbal e das informações básicas que tornam o texto
coerente;
 Construção de textos a partir do estimulo de temas, vídeos,
gravuras, entrevistas, visitas, continuação de textos introduzidos;
 Rescrita de textos lidos em literatura infantil, filmes assistidos,
textos lidos pelo professor;
 Interpretação de textos que envolvam toda a tipologia textual;
 Utilização de dicionário, e outras fontes escritas para resolver
dúvidas ortográficas;
 Reestruturação de textos produzidos pelos alunos e da
necessidade de sanar as dificuldades dos mesmos, aprimorando
e considerando as questões de adequação ao gênero, coerência
e coesão textual, pontuação, acentuação, ortografia,
concordância nominal e verbal.
AVALIAÇÃO
A avaliação vem sendo entendida como um processo de diagnose da
dinâmica de ensino aprendizagem.
De esse modo avaliar é uma estratégia que serve para acompanhar o
desenvolvimento linguístico da criança, bem como os avanços e os retrocessos
fazem parte desse processo.
Portanto a escola possui uma avaliação contínua e somativa. Porque
essa forma de avaliar proporciona ao aluno a consciência de seu
desenvolvimento, no qual propicia ao professor acompanhar a eficácia de seu
encaminhamento pedagógico e diagnosticar a necessidade ou não de
redirecioná-lo.
A avaliação na área de ensino da língua, para ser coerente com seu
objeto de estudo, deve focar gêneros textuais trabalhados – orais e escritos –
permitindo ao docente acompanhar o desenvolvimento de cada aluno na
apreensão gradativa das competências propostas, no âmbito da oralidade, da
leitura e escrita.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Naysa Taboada
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
Mary Alvarenga
 
Geografia 1º ano
Geografia 1º anoGeografia 1º ano
Geografia 1º ano
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Projeto semana da pátria
Projeto semana da pátriaProjeto semana da pátria
Projeto semana da pátria
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
Planejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fundPlanejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestre
flaviacrm
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
Isa ...
 
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdfPLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
ssuser3646a1
 
Português 1º ano
Português 1º anoPortuguês 1º ano
Português 1º ano
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da músicaTrem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 
Atividades para silabicos
Atividades para silabicosAtividades para silabicos
Atividades para silabicos
Josi Cotrim
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
Elisangela Terra
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 
Atividades encontros-vocálicos
Atividades encontros-vocálicos Atividades encontros-vocálicos
Atividades encontros-vocálicos
Jairtes Lima
 
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Professora Cida
 
Atividades a casa
Atividades a casaAtividades a casa
Atividades a casa
Elissania Soares Silva
 
Ens. religioso 2º ano
Ens. religioso 2º anoEns. religioso 2º ano
Ens. religioso 2º ano
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
SimoneHelenDrumond
 
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Angela Maria
 

Mais procurados (20)

Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
 
Geografia 1º ano
Geografia 1º anoGeografia 1º ano
Geografia 1º ano
 
Projeto semana da pátria
Projeto semana da pátriaProjeto semana da pátria
Projeto semana da pátria
 
Planejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fundPlanejamento anual 2 ano fund
Planejamento anual 2 ano fund
 
Reunião de pais 3º bimestre
Reunião de pais   3º bimestreReunião de pais   3º bimestre
Reunião de pais 3º bimestre
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
 
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdfPLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
PLANEJAMENTO 7º ANO (2023).pdf
 
Português 1º ano
Português 1º anoPortuguês 1º ano
Português 1º ano
 
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da músicaTrem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Atividades para silabicos
Atividades para silabicosAtividades para silabicos
Atividades para silabicos
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Atividades encontros-vocálicos
Atividades encontros-vocálicos Atividades encontros-vocálicos
Atividades encontros-vocálicos
 
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
 
Atividades a casa
Atividades a casaAtividades a casa
Atividades a casa
 
Ens. religioso 2º ano
Ens. religioso 2º anoEns. religioso 2º ano
Ens. religioso 2º ano
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
 
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014Teste de ciências  3ª Unidade   Helena  Andrade 2º ano 2014
Teste de ciências 3ª Unidade Helena Andrade 2º ano 2014
 

Destaque

Cinema na escola
Cinema na escolaCinema na escola
Cinema na escola
Pedagoquimica
 
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
Claudinéia Barbosa
 
Ptd2015 9º ano-inglês
Ptd2015 9º ano-inglêsPtd2015 9º ano-inglês
Ptd2015 9º ano-inglês
Governo do Estado do Paraná
 
01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa
Jesus Sejasalvoem
 
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PECurriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
Marcia Oliveira
 
Orientações curriculares do estado do acre ensino fundamental.
Orientações curriculares do estado do acre   ensino fundamental.Orientações curriculares do estado do acre   ensino fundamental.
Orientações curriculares do estado do acre ensino fundamental.
Mauro Uchoa
 
Projeto cinema na escola
Projeto cinema na escolaProjeto cinema na escola
Projeto cinema na escola
Clotildes Clere Alcântara
 
Ensino religioso 4ª série
Ensino religioso 4ª sérieEnsino religioso 4ª série
Ensino religioso 4ª série
GERALDOGOMESDEBARROS
 
Ativs aluno 4 ano
Ativs aluno 4 anoAtivs aluno 4 ano
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos power
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos powerExpectativas de aprendizagem dos 2º anos power
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos power
Claudia Ortolan Ortolan
 
Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011
cef08sobradinho dois
 
Estrutura do plano de trabalho docente
Estrutura do plano de trabalho docenteEstrutura do plano de trabalho docente
Estrutura do plano de trabalho docente
fabiobento1984
 
Conteúdos do 1º ao 5º ano duce
Conteúdos do 1º ao 5º ano duceConteúdos do 1º ao 5º ano duce
Conteúdos do 1º ao 5º ano duce
josivaldopassos
 
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumondPlano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemáticaCaderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
Sme Otacílio Costa
 
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º anoGuia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
orientacoesdidaticas
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
Eduardo Lopes
 
Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014
Benigno Andrade Vieira
 
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidianoPlano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
Fabio Lemes
 

Destaque (19)

Cinema na escola
Cinema na escolaCinema na escola
Cinema na escola
 
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
Diversidade de cores, formas, sons, aromas e sabores! Maternal 4º bimestre 2016
 
Ptd2015 9º ano-inglês
Ptd2015 9º ano-inglêsPtd2015 9º ano-inglês
Ptd2015 9º ano-inglês
 
01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa01 lingua portuguesa
01 lingua portuguesa
 
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PECurriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
Curriculo de Língua Portuguesa Ensino Fundamental - Estado de PE
 
Orientações curriculares do estado do acre ensino fundamental.
Orientações curriculares do estado do acre   ensino fundamental.Orientações curriculares do estado do acre   ensino fundamental.
Orientações curriculares do estado do acre ensino fundamental.
 
Projeto cinema na escola
Projeto cinema na escolaProjeto cinema na escola
Projeto cinema na escola
 
Ensino religioso 4ª série
Ensino religioso 4ª sérieEnsino religioso 4ª série
Ensino religioso 4ª série
 
Ativs aluno 4 ano
Ativs aluno 4 anoAtivs aluno 4 ano
Ativs aluno 4 ano
 
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos power
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos powerExpectativas de aprendizagem dos 2º anos power
Expectativas de aprendizagem dos 2º anos power
 
Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011Proposta pedagógica 2011
Proposta pedagógica 2011
 
Estrutura do plano de trabalho docente
Estrutura do plano de trabalho docenteEstrutura do plano de trabalho docente
Estrutura do plano de trabalho docente
 
Conteúdos do 1º ao 5º ano duce
Conteúdos do 1º ao 5º ano duceConteúdos do 1º ao 5º ano duce
Conteúdos do 1º ao 5º ano duce
 
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumondPlano resgate dos valores   etica e cidadania de simone helen drumond
Plano resgate dos valores etica e cidadania de simone helen drumond
 
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemáticaCaderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
Caderno plano e diário de classe de apoio pedagógico de matemática
 
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º anoGuia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
Guia de planejamento e orientações didáticas 4º ano
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
 
Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014Planejamento 5º ano 2014
Planejamento 5º ano 2014
 
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidianoPlano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
Plano De Aula - Trabalhando a Língua Inglesa no cotidiano
 

Semelhante a Conteudos de lingua portuguesa

Plano anual grupo 6- 2013
Plano anual   grupo 6- 2013Plano anual   grupo 6- 2013
Plano anual grupo 6- 2013
silviacerqueira1
 
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdfPlanejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Antônia marta Silvestre da Silva
 
Otm. lingua portuguesa 02
Otm. lingua portuguesa 02Otm. lingua portuguesa 02
Otm. lingua portuguesa 02
elannialins
 
Otm ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
Otm   ling portuguesa fundamental1º ao 9ºanoOtm   ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
Otm ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
Flávia Maria
 
Linguagens anos iniciais
Linguagens   anos iniciaisLinguagens   anos iniciais
Linguagens anos iniciais
Damisa
 
Linguagens anos iniciais
Linguagens   anos iniciaisLinguagens   anos iniciais
Linguagens anos iniciais
Damisa
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o Letramento
Editora Moderna
 
Plano de curso portugues
Plano de curso portuguesPlano de curso portugues
Plano de curso portugues
marcusunitau
 
1º encontro quadro de acompanhamento
1º encontro     quadro  de acompanhamento1º encontro     quadro  de acompanhamento
1º encontro quadro de acompanhamento
Bete Feliciano
 
3º planejamento 3º ano
3º planejamento 3º ano3º planejamento 3º ano
3º planejamento 3º ano
Zenaide Miranda da Rocha
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
VidaRevista Consultoria e Treinamento
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Quadro de acompanhamento
Quadro de acompanhamentoQuadro de acompanhamento
Quadro de acompanhamento
Olívia Oliveira
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Edna Monteiro
 
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
ssuser95d925
 
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTALPROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
dedaprofessor
 
2 proposta curricilar 1º ao 9º ano
2  proposta curricilar 1º ao 9º ano2  proposta curricilar 1º ao 9º ano
2 proposta curricilar 1º ao 9º ano
dedaprofessor
 
Planejamento anual 1
Planejamento anual 1Planejamento anual 1
Planejamento anual 1
Atividades Diversas Cláudia
 
alfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdfalfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdf
israelf3
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 

Semelhante a Conteudos de lingua portuguesa (20)

Plano anual grupo 6- 2013
Plano anual   grupo 6- 2013Plano anual   grupo 6- 2013
Plano anual grupo 6- 2013
 
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdfPlanejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
Planejamento bimestral 2º ano - 1° bim.pdf
 
Otm. lingua portuguesa 02
Otm. lingua portuguesa 02Otm. lingua portuguesa 02
Otm. lingua portuguesa 02
 
Otm ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
Otm   ling portuguesa fundamental1º ao 9ºanoOtm   ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
Otm ling portuguesa fundamental1º ao 9ºano
 
Linguagens anos iniciais
Linguagens   anos iniciaisLinguagens   anos iniciais
Linguagens anos iniciais
 
Linguagens anos iniciais
Linguagens   anos iniciaisLinguagens   anos iniciais
Linguagens anos iniciais
 
Português: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o LetramentoPortuguês: Um Ensino Para o Letramento
Português: Um Ensino Para o Letramento
 
Plano de curso portugues
Plano de curso portuguesPlano de curso portugues
Plano de curso portugues
 
1º encontro quadro de acompanhamento
1º encontro     quadro  de acompanhamento1º encontro     quadro  de acompanhamento
1º encontro quadro de acompanhamento
 
3º planejamento 3º ano
3º planejamento 3º ano3º planejamento 3º ano
3º planejamento 3º ano
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Quadro de acompanhamento
Quadro de acompanhamentoQuadro de acompanhamento
Quadro de acompanhamento
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.pptSlidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
Slidexxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx_.ppt
 
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTALPROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
PROPOSTA CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL
 
2 proposta curricilar 1º ao 9º ano
2  proposta curricilar 1º ao 9º ano2  proposta curricilar 1º ao 9º ano
2 proposta curricilar 1º ao 9º ano
 
Planejamento anual 1
Planejamento anual 1Planejamento anual 1
Planejamento anual 1
 
alfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdfalfabetizacao_letramento.pdf
alfabetizacao_letramento.pdf
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 

Conteudos de lingua portuguesa

  • 1. LÍNGUA PORTUGUESA APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVA Na disciplina de Língua Portuguesa o objeto do estudo são os Gêneros Textuais. O ensino de Língua Portuguesa passou a fazer parte dos currículos escolares brasileiros no final do século XIX, era considerada como a “expressão do pensamento”. Na década de 1970 com a promulgação da Lei 5.692/71 dispondo que o ensino deveria ser voltado a qualificação para o trabalho, foi constituída a Pedagogia tecnicista. A disciplina de Língua Portuguesa passou a denominação de Comunicação e Expressão. Nesse momento histórico o grande desafio da educação brasileira é modificar o quadro relativo ao domínio da língua escrita, a ideia do Letramento ou níveis de alfabetização o que trouxe uma mudança conceitual que colocou a humanidadeà distinção entre alfabetizados, letrados e analfabetos. O contexto histórico e social impôs ao cidadão a necessidade de ir além da mera capacidade de codificar e decodificar, é necessário atingir as capacidades linguísticas que lhe permitam exercer as práticas de leitura e escrita dos diferentes gêneros textuais que circulam no meio social, associando-as ou dissociando-as das práticas sociais de oralidade. Assumir essa perspectiva teórica implica em termos de ensino de língua, um novo fazer pedagógico. Especificamente em relação aos momentos iniciais do aprendizado da modalidade escrita da língua, as atividades de repetições mecânicas, devem dar lugar às atividades que possibilitem o aprendiz participar ativamente na construção do objeto de aprendizagem, tanto no que se refere ao conhecimento sobre o sistema gráfico (alfabetização), quanto aos usos sociais dessa modalidade linguística (letramento). Pesquisas apontam que o contato intenso e íntimo com os múltiplos gêneros textuais é o modo mais produtivo para que os alunos aprendam a reconhecer as convenções exigidas em cada situação sócio- interativa. Na pratica frequente e diversificada de uso e reflexão sobre os fatos
  • 2. linguísticos, gradativamente os alunos vão se tornando usuários mais competentes da língua, ampliam o vocabulário, se apropriam tanto das regras gramaticais como das que especificam o que se deve fazer para organizar um texto oral ou escrito, além de incorporarem as normas sociais de uso de linguagem para um comportamento linguístico adequado a cada situação sócio- discursiva. 1º ANO OBJETIVOS  Utilizar a linguagem oral para conversar, comunicar-se, relatar suas vivências, expressar desejos, vontades e necessidades de sentimentos e de interação.  Observar e manusear materiais expressos como livros infantis, revistas, histórias em quadrinhos, etc.  Brincar de faz de conta, discriminando diferentes expressões fisionômicas.  Explorar a oralidade através de músicas, historinhas, etc.  Estabelecer relações entre a oralidade e a escrita.  Ler intuitivamente textos e livros já conhecidos pela criança, escrita dentro e fora de sala.  Produzir textos orais a partir da narração de histórias, desenhos e outras formas de representação.  Perceber que o todo é formado por partes e que as partes reunidas formam novamente o todo.  Identificar palavra-chave e o nome.  Discriminar auditivamente as palavras que comecem e terminam com o mesmo som da vogal em estudo.  Observar e traçar corretamente as vogais.  Observar os diversos tipos de letras.  Identificar e escrever consoantes.
  • 3. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES ORALIDADE (LINGUAGEM ORAL)  Narração, e expressar-se com clareza;  Descrição de personagem;  Relatos, transmitir avisos, recados e informações.;  Reconto de histórias;  Reprodução de jogos verbais trava línguas, parlendas, adivinhas, quadrinhas, poemas e canções;  Participação em situações que as crianças leiam, ainda que não o façam de maneira convencional;  Reconhecimento do próprio nome dentro do conjunto de nomes do grupo nas situações em que isso se fizer necessário;  Reconhecer o alfabeto e as vogais;  Fazer leitura incidental de rótulos e cartazes;  Desenhar e ilustrar histórias narradas;  Fazer tentativas livre de escrita;  Reconhecer diversos tipos de letras. ORALIDADE  Ampliação do vocabulário;  Conversas informais;  Relatos de experiências pessoais;  Imitações, usando a linguagem onomatopeica;  Narração de viagens, histórias, passeios e outras situações de vida;  Descrição de gravuras, quadros, cenas, pessoas, objetos...  Dramatização,  Canções infantis, poesias;  Criação de histórias;  Transmissão de avisos e recados;  Interpretação oral de histórias ouvidas.
  • 4. LEITURA  Listas;  Rótulos de embalagens;  Anúncios de manchetes e jornais;  Títulos de livros;  Uso do alfabeto móvel;  Percepção da direcionalidade da escrita;  Representar graficamente as letras do alfabeto;  Reconhecer e escrever o próprio nome graficamente e os nomes dos colegas;  Identificar o nome de colegas e professores;  Escuta diária de leitura de textos diversos;  Leitura de símbolos;  Ler e escrever pequenas palavras. LINGUAGEM ESCRITA  Diversidade de textos;  Leitura de textos e histórias;  Representação gráfica da sequência de uma história;  Reconhecimento e traçado das letras do alfabeto e das vogais;  Junção das vogais;  Reconhecimento e identificação de letras ou palavras em qualquer material escrito;  Atividades com o alfabeto móvel;  Tentativa livre de escrita;  Jogos que levam ao reconhecimento das letras do alfabeto;  Revisão e reescrita coletiva e individual de palavras;  Trabalho com rimas, poesias, letras de músicas, adivinhas;  Expressão de ideias através de desenhos  Produção coletiva de textos, mediada pela participação e registro do professor.
  • 5. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Na nossa visão de linguagem, optamos por um ensino contextualizado onde as regras de sala de aula se fazem necessáriasatravés de um contrato didático,pauta do dia, varal literário, aulas expositivas, interrogativas e dialogadas. É importante trazer para a sala de aula a exposição de ideias e todo tipo de narração de fatos, histórias, etc. Sendo esse com sequência lógica. Uma criança nos momentos iniciais de escolarização evidentemente terá dificuldades em compreender o que lê, por isso faz-se necessário o uso de crachás, cartões contendo palavras – chave, músicas, adivinhações, rimas, quadrinhos, leitura de histórias e atividades diferenciadas. AVALIAÇÃO A avaliação em sala de aula dos conteúdos trabalhados será realizada de forma contínua, diagnóstica e formativa, para visar a aprendizagem do aluno e fazer intervenções necessárias. 2º ANO OBJETIVOS O ensino da Língua Portuguesa deverá organizar-se de modo que os alunos sejam capazes de:  Narrar histórias conhecidas e relatos de acontecimentos;  Demonstrar compreensão do sentido global de textos ouvidos por meio de interpretação oral;  Transmitir recados e avisos;  Explorar poesias, trava-línguas, parlendas, quadrinhas, poéticas, charadas, músicas;
  • 6.  Fazer leitura incidental de rótulos e cartazes;  Reconhecer o próprio nome e o nome dos colegas;  Identificar o nome dos objetos da sala;  Ler palavras e frases de sílabas apresentadas;  Ler palavras, frases e pequenos textos;  Desenhar ou ilustrar histórias narradas;  Explorar a escrita testando o lugar das letras;  Identificar e reconhecer o uso das letras maiúsculas e minúsculas;  Realizar tentativas livre de escrita;  Produzir frases;  Interpretar pequenos textos;  Escrever textos coletivos;  Produzir pequenos textos;  Diferenciar desenho e escrita;  Conhecer o alfabeto em diferentes formas gráficas;  Distinguir as letras dos outros sinais usados na escrita (acentuação e pontuação);  Conhecer o princípio acrofônico: relação entre o nome da letra e o som que ela apresenta;  Conhecer a ortografia das palavras e compreender que ela não atua de modo idêntico na leitura e escrita. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES LÍNGUA ORAL  Transmissão de relatos orais, avisos e recados;  Relatos de história de sua vida e família, de acontecimentos sociais, de informações, entre outros.  Domínio progressivo da linguagem padrão;  Exposição de ideias;  Exploração de poesias, trava-línguas, parlendas, charadas,
  • 7. músicas, etc.;  Reprodução oral de histórias, poesias (memorização de quadrinhas);  Emissão de opinião sobre determinado acontecimento ou assunto lido;  Transmissão oralde recados, avisos, informações, etc.;  Exploração de ritmos e rimas das palavras;  Relatos de histórias, desenho;  Declamação de poesia. LEITURA Doprofessor para o aluno:  Literatura Infantil; textos informativos, poesias, lendas ( Folclore, Indígenas, etc.), Fábulas, mensagens e avisos, Bulas, receitas, etc. Do aluno para si ou para os colegas:  Leitura do nome, dos objetos da sala;  Palavras que vão sendo apresentadas, frases, pequenos textos;  Cartazes, rótulos, placas, outdoors, avisos, nome dos colegas, bilhetes, avisos, quadrinhas, parlendas, adivinhações, leitura de músicas;  Textos produzidos coletivamente.  Prática de leitura verbal (letras, palavras, etc).;  Prática de leitura não verbal (placas, cartazes, desenhos, gravuras, etc). DESCRIÇÃO  De desenhos;  De paisagem. CRIAÇÃO  De palavras;  De frases;
  • 8.  De pequenos textos. LINGUAGEM ESCRITA  Identificação das letras do alfabeto como sinais convencionais para a escrita;  Registro do alfabeto;  Comparação de escritas com os tipos de letras (imprensa, maiúscula, script e cursiva);  Reconhecimento e escrita do seu nome, dos colegas, do professor, etc.;  Exploração de escritas, estabelecendo relações diversas na palavra, através da troca, acréscimo ou supressão de letras e/ou sílabas;  Representação pelo desenho de textos produzidos, histórias lidas e situações vividas na escola ou fora dela;  Tentativas livres de escrita (produção de palavras, frases, textos);  Ditado de palavras e frases;  Autoditado;  Pesquisa de palavras;  Progressão na apresentação de novas sílabas;  Interpretação de textos;  Produção de textos;  Identificação e compreensão do uso da letra maiúscula e minúscula;  Escrita de textos com superação progressiva do fluxo contínuo da oralidade. ANÁLISE E REFLEXÃO SOBRE A LÍNGUA  Interpretação de textos orais e escritos.
  • 9. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Na Oralidade, as estratégias específicas da oralidade e as da escrita compõe a tarefa de ensinar os alunos a se sentirem bem para expressar suas ideias com segurança e fluência. A Leitura compreende uma ampla variedade de práticas sociais que leva o aluno a perceber o sujeito presente nos textos como notícias, crônicas, piadas, poemas, artigos científicos, ensaios, reportagens, propagandas, romances, contos, entre tantos outros que povoam o seu cotidiano. Na Prática da escrita, requer ter em mente que tanto o professor quanto o aluno necessitam, primeiramente, planejar o que será produzido; em seguida, escrever a primeira versão sobre a proposta apresentada e então revisar, reestruturar e reescrever o texto. O professor deverá ajudar seus alunos a ampliarem seu domínio de uso das linguagens verbais e não verbais pelo contato direto com textos de variados gêneros orais e escritos. Transmissão de aviso e recados orais para: pais, amigos secretarias, biblioteca, brincadeiras. Relatos de um fato acontecido:  Na cidade;  Na família;  Numa notícia de TV ou rádio;  Declamação de poesias em datas comemorativas. Leitura coletiva e individual, silenciosa e oral:  Do alfabeto;  De seu nome e de seus colegas;  Das famílias silábicas;  Do nome dos familiares;  De rótulos;  Placas e cartazes;  De histórias ilustradas;  De desenhos e paisagens;  De frases;  Textos diversos do livro didático;
  • 10.  De literatura infantil. Refletir nas leituras:  Quem diz?  Para quem diz?  O que diz? Descrição de si mesmo:  Do colega e das paisagens;  Jogos didáticos;  Recorte e colagem;  Dominó de palavras;  Construção do nome. Traçado do alfabeto nas diversas formas:  Impressa, cursiva, maiúscula e minúscula;  Junção de letras formando novas palavras. Elaboração de palavras através de gravuras, carimbos e objetos:  Elaboração de frases;  Produção de pequenos textos através de gravuras, sequência de cartazes, vídeo, passeios.  Questionamento oral, escrito, desenho, gravuras, vídeos:  Reestruturação de texto abordando: ortografia, pontuação, sequência e margens;  Abordagem dentro do texto de: singular e plural, masculino e feminino, aumentativo e diminutivo, acentuação, separação de silabas ao final da linha. AVALIAÇÃO A avaliação deverá ser diagnóstica, contínua e cumulativa.
  • 11.  Na oralidade, deve-se avaliar a troca informal de ideias, numa entrevista, num relato de história, as exigências de adequação da fala são diferentes e isso deve ser considerado numa análise de produção oral.  Na leitura, devem-se considerar as estratégias que os estudantes empregaram em seu decorrer. O professor pode propor questões abertas, discussões, debates e outras atividades que lhe permitam avaliar a reflexão que o aluno faz a partir do texto.  Na escrita, é preciso ver o texto do aluno com uma fase do processo de produção, nunca como um produto final. O que determina a adequação do texto escrito são as circunstâncias de sua produção e o resultado dessa ação. Com o uso da linguagem oral e escrita em práticas sociais os alunos são avaliados continuamente, pois efetuam operações com a linguagem e refletem sobre as diferentes possibilidades de uso da língua, o que lhe permite, de modo gradativo, chegar à almejada proficiência em leitura e escrita, ao letramento. Observação de seu desempenho em relação a:  Coerência;  Coesão;  Respeitando o momento de falar e ouvir. Participar das leituras propostas pelo professor, desenvolvimento da realidade com compreensão. Observação de semelhança entre fala oral e de um texto escrito e de seu desenvolvimento nas atividades. Estabelecimento de relações entre escrita e a leitura e o desenvolvimento da oralidade com compreensão. Constatação do desenvolvimento do educando através de instrumentos avaliativos diversificados.
  • 12. 3º ANO OBJETIVOS  Narrar histórias conhecidas e relatos de acontecimentos;  Contar fatos do seu dia a dia;  Demonstrar compreensão do sentido global de textos lidos, ouvidos, por meio de interpretação oral;  Transmitir recados, avisos e informações;  Explorar poesias, trava-línguas, parlendas, quadrinhas poéticas, charadas, músicas;  Emitir opinião sobre determinado acontecimento ou assunto lido;  Explorar a rima das palavras;  Reconhecer as intenções e objetivos na fala do outro;  Utilizar a leitura para alcançar diferentes objetivos: ler para estudar, ler para revisar, ler para compreender, ler para escrever;  Ler de forma independente, textos cujos conteúdos e forma são familiares;  Reconhecer o alfabeto;  Reconhecer o próprio nome, o nome dos colegas;  Fazer leitura coletiva de palavras e frases;  Ler palavras, frases e pequenos textos oralmente;  Fazer leitura silenciosa;  Compreender o que lê;  Ler com ritmo e entonação;  Reconhecer as intenções e objetivos na fala do outro;  Desenhar ou ilustrarhistórias narradas;  Reconhecer e escrever as letras do alfabeto;  Reconhecer e escrever o próprio nome, dos colegas, e professores;  Explorar a escrita testando o lugar das letras;
  • 13.  Identificar e reconhecer o uso das letras maiúsculas e minúsculas;  Fazer tentativas livre de escrita;  Produzir frases;  Entender o que lê e escreve;  Interpretar pequenos textos;  Escrever textos coletivos;  Utilizar o dicionário;  Produzir textos com conteúdos, coerência e sequência lógica;  Escrever textos próximos do convencional utilizando parágrafos e pontuação;  Fazer pesquisas de palavras para melhorar seu vocabulário;  Reproduzir histórias lidas ou ouvidas;  Colaborar na reestruturação de textos;  Utilizar alguns sinais de pontuação;  Recapitular as dificuldades ortográficas para progressão;  Utilizar artigos adequadamente;  Identificar substantivos próprio e comum;  Reconhecer os adjetivos;  Flexionar os substantivos em gênero, número e grau.  Transmitir oralmente, com desenvoltura as informações e mensagens tornando a comunicação mais compreensível;  Ler com clareza e compreender os diferentes tipos de textos;  Reproduzir textos lidos, ouvidos ou assistidos manifestando sentimentos, experiências, ideias e opiniões;  Produzir textos com clareza de ideias, coerência e coesão dentro da linguagem padrão, compartilhando opiniões, ideias e preferências sobre leitura realizadas;  Conhecer a ortografia das palavras e compreender que ela não atua de modo idêntico na leitura e na escrita, percebendo a segmentação das palavras.
  • 14. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES ORALIDADE Relatos orais:  Domínio progressivo da linguagem padrão;  Exposição de ideias;  Entrevista;  Exploração de poesia, trava-língua, parlendas, músicas, etc.;  Reprodução oral de histórias e poesias (memorização de quadrinhas);  Relatos de “causos” e invenção de histórias;  Emissão de opinião sobre determinado acontecimento ou assunto lido;  Transmissão oral de recados, avisos, informações, etc.;  Exploração de ritmo e rima das palavras;  Relato de histórias, seu desenho e seu cotidiano. LEITURA  Prática de leitura: Do professor para o aluno: 1. Literatura Infantil; 2. Textos informativos; 3. Poesias; 4. Lendas ( folclore, indígenas, etc); 5. Fábulas; 6. Cartas, mensagens e avisos; 7. Bulas, receitas, etc. Do aluno para si ou para os colegas: 1. Literatura Infantil; 2. Textos informativos, narrativos; 3. Lendas; 4. Fábulas; 5. Cartazes, rótulos, placas, outdoors, avisos, etc.;
  • 15. 6. Textos reproduzidos por colegas (reestruturados); 7. Textos produzidos pelo professor; 8. Nome dos colegas; 9. Textos produzidos coletivamente; 10. Quadrinhas, parlendas, adivinhações, letras de músicas. PRÁTICA DE PRODUÇÕES DE TEXTOS.  Reprodução de textos: lidos, ouvidos e/ou assistidos (informativos, narrativos, poéticos, literários e publicitários). LÍNGUA ESCRITA  Identificação das letras, alfabeto como sinais convencionais para a escrita;  Comparação de escritas com os tipos de letras (imprensa, maiúscula, script e cursiva);  Reconhecimento e escrita do seu nome, dos colegas, do professor, etc.;  Exploração de escritas, estabelecendo relações diversas na palavra, através de troca, acréscimo ou supressão de letras e/ou sílabas;  Representação pelo desenho de textos produzidos, histórias lidas e situações vividas na escola ou fora dela;  Uso do dicionário;  Tentativas livres de escrita (produção de palavras, frases, textos);  Interpretação de textos;  Produção de textos;  Identificação e compreensão do uso da letra maiúscula e minúscula;  Escrita de textos com superação progressiva do fluxo contínuo da oralidade;  Produção de textos em pequenos grupos ou individuais de: acontecimentos do cotidiano, relatos orais, reprodução de
  • 16. histórias, etc., pesquisa e escrita de palavras, reestruturação do texto em sala de aula.  Reestruturação de texto em vista de: 1. Sinais de pontuação, ponto final, vírgula, ponto de exclamação, ponto de interrogação, dois pontos, travessão (como forma de marcar na escrita as expressões de oralidade). Sequencia logica dos fatos.  Produção de textos fictícios ou reais;  Organização do texto (margem, título, espaço, parágrafo, etc.);  Ortografia: s,ss,c,nh,ch,lh,as,na,al,am,rr,l e r intercalado, etc.  Gramática: artigo, adjetivos, substantivo próprio comum e comum, flexão do substantivo em gênero, número e grau;  Narrativos (lenda, fábula, contos poéticos e informativos);  Descritivos. REESTRUTURAÇÃO DE TEXTO  Interpretação de textos;  Aspectos gramaticais. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Portanto através de transmissão de recados e avisos o aluno desenvolve a sua linguagem oral e verbal, tendo fluência na leitura de vários gêneros textuais. Através da leitura o aluno amplia seu conhecimento e seu vocabulário, onde isso fará a diferença em sua vida escolar. O desenvolvimento da escrita está relacionado com a leitura, pois quanto mais o aluno lê, melhor será seu desempenho em seu conhecimento. A reescrita deve ser prática frequente, pois, por meio dessa atividade, o aluno formula e reformula hipóteses para progredir. Sendo assim, desde o início da escolarização o aluno precisa ouvir leituras, tentar ler e escrever coisas significativas. Dominar a escrita, saber escolher o gênero textual mais apropriado,
  • 17. selecionar informações suficientes e ordená-las de modo coeso, avaliar o grau de formalidade da linguagem, aplicar as regras de concordância e de regência, respeitar a ortografia e as normas gramaticais. AVALIAÇÃO A observação e o registro são as principais estratégias de que o professor pode se valer para acompanhar o desenvolvimento linguístico da criança, considerando-se de antemão que os avanços e retrocessos fazem parte desse processo. Deve-se avaliar a trajetória que o aluno percorreu durante todo o processo, condição que pressupõe uma avaliação contínua e cumulativa. Isso proporciona ao aluno a consciência de seu desenvolvimento e, por outro lado, subsidia o próprio professor no sentido de acompanhar a eficácia do seu encaminhamento pedagógico e diagnosticar a necessidade ou não de redirecioná-lo. A avaliação na área de ensino de língua deve focar os gêneros textuais trabalhados orais e escritos, permitindo ao docente acompanhar o desenvolvimento de cada aluno na apreensão gradativa das competências propostas, no âmbito da oralidade, da leitura e escrita. 4º ANO OBJETIVOS  Identificar o sentido de mensagens orais, manifestando o interesse por ouvir, expressando sentimentos, ideias e opiniões em aula expositiva.  Dominar a leitura, escrita e as diversas linguagens utilizadas pelo homem;  Ler textos com fluência, compreensão sanando as dificuldades
  • 18. de pronúncias, entonação, respeitando a pontuação adequada;  Buscar a qualidade com relação às produções de escritas próprias no que se refere tanto aos aspectos textuais como a apresentação gráfica. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES ORALIDADE (LINGUAGEM ORAL)  Relatos (experiências pessoais, históricas, acontecimentos);  Filmes;  Programas de televisão;  Debates (noticiários, anúncios, esporte, programas diversos);  Dramatização (peças teatrais, músicas);  Interpretação e expressão de vivências por meio de gestos, expressões, movimentos, sons, etc.;  Textos lidos (literários, informativos e outros gêneros);  Criação de histórias, quadrinhas, piadas, charadas, adivinhações, entre outros. PRÁTICA DE LEITURA  Oral e silenciosa;  Conhecimento de textos de vários gêneros;  Leitura informativa (conhecimento de textos jornalísticos, científicos, mapas, tabelas, gráficos, legendas e outros);  Leitura formativa (formação de opinião, conhecimento, confrontar e argumentar ideias);  Leitura literária (gênero literário, fluência, entonação, ritmo, sonoridade);  Identificar ideias básicas de um texto;  Reconhecer os diferentes de texto;  Confrontar e argumentar as ideias contidas num texto;  Ler com fluência, entonação e ritmo.
  • 19. PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS E ANÁLISE LINGUÍSTICA  Relatos de experiências pessoais, filmes, gravuras, programas de televisão;  Reprodução de textos; Produção de textos;  Descrição (cartazes, ambientes, personagens);  Narração (lendas, fábulas, contos poéticos e informativos);  Reestruturação de texto (escrito pelo aluno, colega ou professor);  Interpretação de texto;  Aspectos gramaticais;  Pontuação;  Escrita de textos considerando o leitor e os gêneros textuais. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO Vivemos numa sociedade letrada. Quando saímos à rua, estão espalhadas por toda parte marcas que tem significados para nós: letreiros no ônibus e lojas, placas de rua, jornais e revistas expostas em bancas, cartazes e propaganda. Os supermercados estão abarrotados de produtos cujos rótulos nos informam sobre seu conteúdo, organizando gôndolas com placas indicativas.  Na perspectiva para uma nova prática, a visão de uma linguagem que estamos defendendo tem como objeto de preocupação a interação verbal;  Portanto devemos incentivar a técnica de debate, explicando como deve ser realizado, separando a turma favorável e contrario a ideia;  Dramatização relâmpago de textos estudados, livros lidos, histórias contadas. QUESTÕES ORAIS E ESCRITAS
  • 20.  Sequência lógica dos fatos, uso adequado da concordância nominal, verbal, gráfica;  Unidade temática cultural, utilização adequada dos elementos coesivos, informações básicas;  Sequência lógica dos fatos: introdução, desenvolvimento e conclusão;  Apresentação: título, letra maiúscula, parágrafo, legibilidade;  Uso do discurso direto e indireto;  Uso da língua padrão;  Uso adequado da forma gráfica: ortografia, pontuação, acentuação;  Abordagem no texto dos aspectos gramaticais;  Flexão do substantivo: gênero, número, grau, substantivo próprio e comum;  Classificação quanto ao número de silabas: monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba, oxítona, paroxítona, proparoxítona;  Sinônimos e antônimos;  Frases interrogativas, negativas e afirmativas;  Substantivo coletivo;  Verbos e pronomes. AVALIAÇÃO Ao longo dos tempos o papel da avaliação tem se modificado, por influência das tendências de valorização que se acentuam em cada época. Portanto ela é centrada no seu objeto de estudo: o texto, considerando os seus três aspectos: oralidade, leitura e escrita.  Participação nas atividades propostas, executando as compreensões;  Uso da leitura para alcance de diferentes objetivos:  Ler para estudar;
  • 21.  Ler de forma autônoma, histórias conhecidas, relatos e acontecimentos, mantendo a ordem temporal dos fatos;  Ler para compreender;  Compreender o texto de maneira global e não fragmentada;  Ler para revisar;  Ler de forma independente, resgatando o significado e utilizando as estratégias de leitura nos diferentes gêneros textuais;  Ler para escrever;  Escrever textos que demonstre o uso adequado da ortografia convencional tanto em palavras, como em frases e textos; Esses elementos devem ser avaliados levando em conta o rendimento do aluno, com base nos critérios de avaliação do professor. 5º ANO OBJETIVOS  Utilizar a linguagem oral com clareza, conferindo significado aos textos, participando de situações de intercambio oral, manifestando experiências, sentimentos, ideias e opiniões de forma clara e ordenada;  Reconhecer a leitura como instrumento de comunicação e compreensão, empregando dados para confirmar sentido e recursos para resolução de duvidas, utilizando diferentes objetivos;  Produzir texto considerando o destinatário, a finalidade e o gênero, introduzindo progressivamente seu conhecimento sobre o sistema da escrita, realizando por escrito, resumos de textos lidos e/ou ouvidos, preservando as ideias principais, demonstrando compreensão global do texto;  Utilizar a estratégia da escrita com a finalidade de produzir textos coerentes, coesos e eficazes, interpretando as ideias
  • 22. básicas contidas no mesmo. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES ORALIDADE  Relatos oralidade. LEITURA  Prática de leitura. ESCRITA  Produção de textos;  Narrativas;  Dissertativos;  Descritivos;  Interpretação de textos;  Estudo do vocabulário;  Reestruturação de textos;  Aspectos gramaticais. ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO ORALIDADE: É essencial promover reflexões sobre a multiculturalidade e a eliminação de preconceitos, inclusive do preconceito linguístico, uma pedagogia culturalmente sensível aos saberes do educando está atenta as diferenças entre a cultura que os alunos representam e a da escola, e mostra ao professor como encontrar formas efetivas de conscientizar os educando sobre essas diferenças. A escola é o lugar de explicitar aos alunos diferenças, além de, sem dúvida, favorecer as condições para que eles se apropriem das regras usadas pela variedade padrão, uma vez que nas instancias publicas de linguagem é a
  • 23. ela que a sociedade confere prestigio. LEITURA: O ato de ler é uma atividade cognitiva envolvendo processos como percepção, memória, inferência e dedução no texto como na mente do leitor. A atividade de leitura envolve desvelamento e produção de sentidos para se chegar à compreensão. Tornar-se um leitor competente depende assim de um percurso longo que demanda o exercício frequente de leituras de gêneros de diferentes suportes, envolvendo a linguagem verbal e também a não verbal, com propósitos variados: ler par buscar informações, estudar, revisar texto, por lazer e fruição, seguir instruções. PRODUÇÃO: Produção de texto envolvendo toda tipologia textual gradativamente, somando as dificuldades na unidade temática e estrutural:  Exploração de elementos coesivos;  Uso adequado de discurso direto e indireto, da concordância nominal e verbal e das informações básicas que tornam o texto coerente;  Construção de textos a partir do estimulo de temas, vídeos, gravuras, entrevistas, visitas, continuação de textos introduzidos;  Rescrita de textos lidos em literatura infantil, filmes assistidos, textos lidos pelo professor;  Interpretação de textos que envolvam toda a tipologia textual;  Utilização de dicionário, e outras fontes escritas para resolver dúvidas ortográficas;  Reestruturação de textos produzidos pelos alunos e da necessidade de sanar as dificuldades dos mesmos, aprimorando e considerando as questões de adequação ao gênero, coerência e coesão textual, pontuação, acentuação, ortografia, concordância nominal e verbal. AVALIAÇÃO
  • 24. A avaliação vem sendo entendida como um processo de diagnose da dinâmica de ensino aprendizagem. De esse modo avaliar é uma estratégia que serve para acompanhar o desenvolvimento linguístico da criança, bem como os avanços e os retrocessos fazem parte desse processo. Portanto a escola possui uma avaliação contínua e somativa. Porque essa forma de avaliar proporciona ao aluno a consciência de seu desenvolvimento, no qual propicia ao professor acompanhar a eficácia de seu encaminhamento pedagógico e diagnosticar a necessidade ou não de redirecioná-lo. A avaliação na área de ensino da língua, para ser coerente com seu objeto de estudo, deve focar gêneros textuais trabalhados – orais e escritos – permitindo ao docente acompanhar o desenvolvimento de cada aluno na apreensão gradativa das competências propostas, no âmbito da oralidade, da leitura e escrita.