Palestra Saneamento

14.987 visualizações

Publicada em

Apresentação ao Curso Técnico do Centro Paula Souza acerca da importância do cuidado com o meio-ambiente.

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.987
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
127
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
568
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra Saneamento

  1. 1. O que é Saneamento Básico? “Saneamento é o conjunto de medidas, visando a preservar ou modificar as condições do ambiente com a finalidade de prevenir doenças e promover a saúde. Saneamento básico se restringe ao abastecimento de água e disposição de esgotos, mas há quem inclua o lixo nesta categoria. Outras atividades de saneamento são: controle de animais e insetos, saneamento de alimentos, escolas, locais de trabalho e de lazer e habitações”. Normalmente qualquer atividade de saneamento tem os seguintes objetivos: controle e prevenção de doenças, melhoria da qualidade de vida da população, melhorar a produtividade do indivíduo e facilitar a atividade econômica. “ (http://www.ambientebrasil.com.br) Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  2. 2. Nos últimos meses, muito se falou sobre o aquecimento global provocado pelas emissões descontroladas de gás carbônico. Mas o debate não pode se concentrar apenas em torno do tema. Mais do que nunca, é hora de se fazer uma análise mais profunda sobre a utilização da água doce e do tratamento de esgoto no planeta. A ausência de ações para solucionar esses dois problemas vem transformando doenças aparentemente inofensivas em pragas incontroláveis, sobretudo no sempre esquecido continente africano. Recentemente, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgou um relatório estarrecedor sobre a questão. 1,1 bilhão de pessoas não tem acesso à água potável, 2,2 milhões desconhecem o que é saneamento básico. As conseqüências: morte de uma criança a cada 19 segundos. 1,8 milhões de crianças com menos de 5 anos de idade, um número bem maior que o registrado em casos de tuberculose, malária e Aids. A catástrofe poderia ser evitada se houvesse interesse das nações desenvolvidas em contribuir com recursos financeiros para a construção de redes de água e esgoto em localidades carentes. Segundo o relatório investir cerca de US$ 10 bilhões/ano. À primeira vista, o número assusta. Mas esse dinheiro tem sido gasto a cada cinco dias com a compra de armas de fogo pelo mundo afora. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  3. 3. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  4. 4. Não há Saúde sem Saneamento A atual situação do setor de saneamento no Brasil tem conseqüências muito graves para a qualidade de vida da população, principalmente aquela mais pobre, residente na periferia das grandes cidades ou nas pequenas e médias cidades do interior. Da população diretamente afetada, as crianças são as que mais sofrem. Resumindo: 15 crianças de 0 a 4 anos de idade morrem por dia no Brasil em decorrência da falta de saneamento básico, principalmente de esgoto sanitário (FUNASA-FSP, 16/jul./00). Isto significa que: Uma criança de 0 a 4 anos morre a cada 96 minutos em nosso país por falta de saneamento básico, mais precisamente, por falta de esgoto sanitário (FUNASA-FSP, 16/jul./00). Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  5. 5. Infelizmente, parece que a água potável e o saneamento básico só despertarão o interesse das nações desenvolvidas quando o impacto desse abandono começar a se refletir em um número maior de imigrantes, estiagem e doenças. A água é um bem natural muito barato, mas nem sempre será assim. Se houver disposição em cuidar desse assunto agora, com certeza poderemos amenizar uma série de problemas no futuro. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  6. 6. O saneamento ambiental tem interfaces com a saúde, com o meio ambiente e com a economia de um povo. O cálculo é que cada dólar investido em saneamento poupa quatro dólares na área da saúde. Além do mais, significa a coleta e o tratamento dos esgotos antes que sejam lançados nos rios. Hoje 70% dos rios brasileiros estão poluídos em grande parte devido aos dejetos domésticos e industriais. Portanto, investir em saneamento é poupar rios, biodiversidade - animais e plantas que dependem desses corpos d’água - e os seres humanos. Hoje é consenso que ambientes insalubres agridem o ser humano tanto física como psiquicamente. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  7. 7. AÇÕES VOLTADAS PARA O SANEAMENTO BÁSICO Tem como objetivo contribuir para a universalização dos serviços de saneamento básico nas áreas mais carentes do País, preferencialmente nos municípios integrantes dos Programas Comunidade Solidária e Mortalidade na infância. As modalidades são: Implantação e ampliação dos serviços de abastecimento de água; Implantação e ampliação dos serviços de esgotamento sanitário; Implantação ou ampliação dos serviços de coleta, tratamento e/ou disposição final de resíduos sólidos. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  8. 8. Captação de Água: Primeira etapa da produção consiste na retirada da água dos mananciais Tratamento de Água: Processo convencional envolve etapas para reduzir impurezas e tornar a água potável. Coleta de Esgotos: Os sistemas de coleta e tratamento de esgotos são importantes para a saúde pública. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  9. 9. Na figura 1, observa-se que o esgoto não coletado contamina os corpos d’água e o solo, criando um ambiente propício à propagação de microorganismos patogênicos que, por sua vez, contaminam o córrego de onde a água para consumo na residência é captada. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007
  10. 10. Na figura 2, aparece um sistema de saneamento com instalações sanitárias, coleta, tratamento e disposição final adequada do esgoto, onde não se registra a presença de microorganismos patogênicos na água do córrego que serve como fonte de abastecimento humano. Professor José Antonio L. Simas - ETE Adolpho Berezin - Maio/2007

×