INSTITUTO RACINE 
Pós- Graduação em Desenvolvimento e Pesquisa de Produtos Cosméticos – Cosmetologia Avançada 
José Eder F...
José Eder Fontana 
Marisa César Domingues Protta 
Carolina Kei Miyazaki 
AVALIAÇÃO DE UM CREME FACIAL CONTENDO MELITINA CO...
Fontana, José Eder 
Avaliação de um creme facial contendo MELITINA como auxiliar 
no tratamento cosmético antissinais  Jos...
José Eder Fontana 
Marisa César Domingues Protta 
Carolina Kei Miyazaki 
AVALIAÇÃO DE UM CREME FACIAL CONTENDO MELITINA CO...
DEDICATÓRIA 
Dedicamos este trabalho aos nossos pais, cônjuges e filhos os quais serviram de apoio e incentivo em todos os...
AGRADECIMENTOS 
A Professora Carla Aparecida Pedriali Moraes pelo apoio e incentivo constantes, tanto em aulas como na ela...
RESUMO 
O envelhecimento cutâneo facial é um processo fisiológico que fatalmente resultará no aparecimento de rugas ou sin...
produto. Podemos concluir que o uso da Melitina veiculado em um cold cream, neste trabalho, foi eficaz na hidratação e mac...
ABSTRACT 
The aging facial skin is a physiological process which inevitably results in the appearance of wrinkles or expre...
However regarding the safety of use it was proved totally safe. 
Key Words: 1. Melittin. 2. Anti-wrinkle. 3. Antiaging. 4....
LISTA DE GRÁFICOS 
GRÁFICO 1 - Médias das avaliações clínicas no decorrer do tempo experimental para os itens: Hidratação,...
LISTA DE TABELAS 
TABELA 1 - Comparação de produtos contendo ativos antirrugas ........................................10 ...
LISTA DE ANEXOS 
ANEXO A - Informações Gerais sobre a extração do veneno de abelhas ...............................37 
ANE...
LISTA DE FIGURAS 
FIGURA 1 - Aparelho extrator de veneno de abelhas..........................................................
LISTA DE ABREVIATURAS 
IDP - Irritabilidade Dérmica Primária 
IDA - Irritabilidade Dérmica Acumulada 
SD - Sensibilidade D...
Sumário 
1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................
1 
1. INTRODUÇÃO 
Antissinais é e sempre será uma importante fonte de pesquisa em cosmetologia como nos mostra a própria h...
2 
As rugas são geralmente formadas pela diminuição do colágeno e a perda da retenção de água celular, que ocorre naturalm...
3 
Considerando a importância de ativos que possuem a capacidade de atuar diretamente no envelhecimento da pele, como os c...
4 
(b) Apresentação de resultados da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica que envolveu testes de Irritabilida...
5 
A camada córnea é composta por células mortas, de forma achatada, fina e sem núcleo. É essa camada que sofre constante ...
6 
extrínseco. O primeiro se refere às mudanças ocorridas na pele que são programadas geneticamente e que ocorre de maneir...
7 
A formação de rugas ocorre principalmente devido a fatores externos, como a exposição aos raios ultravioleta, esse resp...
8 
C14H12O3 com pico de absorção em 290 nm, usado geralmente em associação a outros filtros UVB em bloqueadores solares de...
9 
receptores de células de fibroblastos, queratinócitos e células endoteliais modulando atividades como proliferação, dif...
10 
Tabela 1 - Comparação de produtos contendo ativos antirrugas. 
Produto 
Empresa 
Ativos 
SINEIK® 
Germed® 
Acico Hialu...
11 
4.4. A Melitina 
O veneno da abelha Apis mellifera, também conhecido como apitoxina ou bee venom, possui componentes c...
12 
possui atividade na membrana devido a capacidade de causar micelização de algumas proteínas, impedindo assim a ruptura...
13 
5. MATERIAIS E MÉTODOS 
5.1. Fórmula Quantitativa Utilizada 
A fórmula utilizada para a preparação do creme antirrugas...
14 
5.2. Procedimento de Preparação da Fórmula 
Em recipientes adequados, pesar as matérias-primas de acordo com a fase a ...
15 
5.3.2. Equipamentos de Extração de Veneno de Abelhas 
O aparelho para extração de veneno de abelhas consiste de um pot...
16 
5.3.3. Modo de Operação 
Colocar o aparelho na entrada (alvado) da colmeia, deixando uma distância de um centímetro da...
17 
5.4. Avaliação dermatológica de Compatibilidade Tópica, Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), Acumulada (IDA) e Sensi...
18 
dos resultados considerando o ICDRG. Para produtos irritantes, deve ser realizado com amostras diluídas, de forma a nã...
19 
5.4.2. Método de Teste de Irritabilidade Dérmica Acumulada 
Paralelamente ao estudo de Irritabilidade Dérmica Primária...
20 
tratamento durante o estudo. Estes ensaios seguiram os protocolos conforme Anexos 2 e 3 e o cronograma apresentado na ...
21 
que foi feita de forma padronizada, no início e ao final do estudo, onde o aumento da nota representa a melhora do ite...
22 
pele e/ ou mucosa e confirmar a ausência de formação de eritema, edema, descamação, vesiculação ou outro sinal clínico...
23 
6. RESULTADOS 
6.1. Resultado da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica, Irritabilidade Dérmica Primária (I...
24 
TABELA 8: Resultados obtidos nas avaliações de Irritação Dérmica Primária e Acumulada. 
Legenda: 
Escala de Leitura do...
25 
Tabela 9: Resultados obtidos nas avaliações de Sensibilização Dérmica. 
Legenda: 
Sítios Apósitos 
A Controle Negativo...
26 
6.2. Resultados da Avaliação Clínica 
O Gráfico 1 abaixo mostra as médias das notas obtidas inicialmente (T0) e ao fin...
27 
* Nível de Significância: 5% 
** Hipótese: não existe diferença entre os tempos experimentais, n = 23. 
6.3. Avaliação...
28 
6.4. Avaliação de Atributos Físicos 
Os gráficos 7, 8 e 9 mostram os resultados dos atributos físicos do creme compila...
29 
O detalhamento dos resultados informando número de sujeitos que foram desclassificados desde início ou foram desclassi...
30 
intensa 
 21% dos voluntários declararam que a pele ficou com firmeza intensa ou muito intensa 
 17% dos voluntários...
31 
nesta resposta, que apesar de ser subjetiva, sem valor estatístico, deve ser levada em consideração e explorada em tra...
32 
9. REFERÊNCIAS: 
ACTIVE C®/ LA ROCHE-POSAY®. Detalhes do Produto. La Roche Posay, 2013. Disponível em: <http://www.lar...
33 
DAVOLOS; M.R., FLOR, J., CORREA, M.A.- Protetores Solares. - Quimica Nova, vol. 30 nº1, pag.153 a 158, 2007. 
DI PAOLA...
34 
HIRATA, L.L.,SATO, M. E. O., SANTOS, C. A. M.,. Radicais Livres e o envelhecimento cutâneo. Acta Farm. Bonaerense volu...
35 
MELITIN CHEMICAL STRUCTURE: http://www.chemicalregister.com/MELITTIN_FROM_HONEY_BEE_VENOM/Suppliers/pid313585.htm - co...
36 
SOLANGE TERESINHA CARPES;ADNA PRADO; IVANI APARECIDA M. MORENO; GERSON BARRETO MOURÃO; SEVERINO MATIAS DE ALENCAR; MAR...
37 
10. ANEXOS 
ANEXO A 
INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EXTRAÇÃO DO VENENO DE ABELHAS 
O preço de cada grama da apitoxina já a...
38 
ANEXO B 
PROTOCOLOS DOS ENSAIOS DE IDP, IDA E SD 
A Considerações éticas sobre os testes 
Os estudos foram conduzidos ...
39 
ANEXO B (continuação) História de sensibilização ou irritação a produtos tópicos; Patologias cutâneas ativas (locais e...
40 
ANEXO C 
PROTOCOLOS DOS TESTES DE EFICACIA CLINICA E SUBJETIVA 
A Considerações éticas sobre os testes 
Este estudo fo...
41 
ANEXO C (Continuação) Marcas cutâneas na área experimental que interfiram na avaliação de possíveis reações cutâneas (...
42 
ANEXO C (Continuação) 
Modo de uso: 
- Aplicar uma camada fina do creme sobre a pele friccionando por alguns minutos. ...
43 
ANEXO D 
Escala de Fototipos de Fitzpatrick
44 
ANEXO E 
SOBRE AS MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS 
Foi utilizado uma pré-mistura de cetearyl alcohol e polysorbate 60 desse...
45 
ANEXO E (Continuação) 
O BHT ou Butilhidroxitolueno é comercializado sob a forma de cristais brancos finos e é solúvel...
46 
ANEXO F 
INFORMAÇÕES DETALHADAS SOBRE CRITÉRIOS EXCLUSÃO DE DADOS 
Irritabilidade Dérmica Primaria 
Nenhum dos 58 volu...
Trabalho de Conclusão de Curso - avaliação de um creme facial contendo melitina como auxiliar no tratamento cosmetico anti...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de Conclusão de Curso - avaliação de um creme facial contendo melitina como auxiliar no tratamento cosmetico antissinais - racine 2014-

3.813 visualizações

Publicada em

RESUMO

O envelhecimento cutâneo facial é um processo fisiológico que fatalmente resultará no aparecimento de rugas ou sinais de expressão. Uns apresentarão estes sinais proeminentes mais rapidamente e outros os terão com menos intensidade e mais tardiamente. O presente trabalho propõe a utilização de um ativo oriundo do veneno das abelhas, a melitina, como um possível redutor destes sinais. A melitina é um composto formado por uma mistura complexa de aminoácidos, peptídeos, carboidratos, lipídeos, enzimas entre outros, cujo mecanismo de ação pressupõe aumento de fluxo sanguíneo e o estimulo a produção de colágeno além de inibir a produção de metaloproteinas que podem causar danos ao colágeno em formação. Um creme baseado na formulação cold cream foi desenvolvido e 0,085% de melitina como ativo foi adicionado. A segurança de uso foi testada por meio de testes da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica que envolveu testes de Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), Acumulada (IDA) e Sensibilização Dérmica (SD) cujos resultados demonstraram total inocuidade alergênica nos 59 indivíduos de ambos os sexos testados. A Eficácia de Uso foi testada por meio de um Ensaio Clínico para os itens Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão, pontuados em uma escala de 1 a 5. Os indivíduos aplicaram o creme no tempo inicial T0 e durante os 30 dias subsequentes T30. As medições foram realizadas por médico dermatologista nos tempos T0 e T30. Com um grau de significância estatística de 5% (teste t de student) pode-se observar que houve melhora para os itens: Hidratação e Maciez. O percentual de voluntárias com algum grau de melhora observada clinicamente após o uso do produto por 30 dias foi de: 65% para Hidratação; 52% para Maciez; 4% para Firmeza. No ensaio Clinico Subjetivo, realizado em paralelo, os resultados foram comparados aos mesmos itens mencionados acima no tempo T0 e após 30 dias de uso T30 onde a percepção do individuo pôde ser captada por meio do preenchimento de um questionário específico no último dia de avaliação. Os resultados foram: 96% dos voluntários declararam que a pele ficou hidratada ou muito hidratada, 56% declararam que a pele apresentou maciez intensa ou muito intensa, 21% declararam que a pele ficou com firmeza intensa ou muito intensa, 17% declararam que as rugas de expressão ficaram leves ou ausentes. Outro questionário de Atributos do produto contendo os seguintes itens :Perfume, Espalhabilidade, Toque na Pele e Intenção de Compra também foi distribuído no último dia da avaliação e os resultados foram: 39% manifestaram que o perfume é bom ou excelente; 82% manifestaram que a espalhabilidade é boa ou fácil; 83% declararam que o toque na pele do produto é macio ou possui a textura macia; 91% declararam que provavelmente ou com certeza comprariam o produto. Podemos concluir que o uso da Melitina veiculado em um cold cream, neste trabalho,

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.813
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de Conclusão de Curso - avaliação de um creme facial contendo melitina como auxiliar no tratamento cosmetico antissinais - racine 2014-

  1. 1. INSTITUTO RACINE Pós- Graduação em Desenvolvimento e Pesquisa de Produtos Cosméticos – Cosmetologia Avançada José Eder Fontana Marisa César Domingues Protta Carolina Kei Miyazaki AVALIAÇÃO DE UM CREME FACIAL CONTENDO MELITINA COMO AUXILIAR NO TRATAMENTO COSMÉTICO ANTISSINAIS SÃO PAULO 2014
  2. 2. José Eder Fontana Marisa César Domingues Protta Carolina Kei Miyazaki AVALIAÇÃO DE UM CREME FACIAL CONTENDO MELITINA COMO AUXILIAR NO TRATAMENTO COSMÉTICO ANTISSINAIS Trabalho de Conclusão de Curso de Pós Graduação apresentado ao Instituto Racine como requisito parcial para obtenção de título de especialista em Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Cosméticos – Cosmetologia Avançada ORIENTADORA: Profa. Carla Aparecida Pedriali Moraes SÃO PAULO 2014
  3. 3. Fontana, José Eder Avaliação de um creme facial contendo MELITINA como auxiliar no tratamento cosmético antissinais Jose Eder Fontana, Carolina Kei Miyazaki, Marisa C.D. Protta. São Paulo: RCN 2014, 60f. Orientação: Professora. Carla Aparecida Pedriali Moraes. Trabalho de Conclusão de Curso de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Cosméticos – Instituto Racine, 2014. 1. Melitina. 2. Anti Rugas. 3. Antissinais. 4. Veneno de Abelhas. 5. Bee venon . I. Título
  4. 4. José Eder Fontana Marisa César Domingues Protta Carolina Kei Miyazaki AVALIAÇÃO DE UM CREME FACIAL CONTENDO MELITINA COMO AUXILIAR NO TRATAMENTO COSMÉTICO ANTISSINAIS Comissão Avaliadora Professora Carla Aparecida Pedriali Moraes Assinatura ___________________________________________________ Data da Aprovação:
  5. 5. DEDICATÓRIA Dedicamos este trabalho aos nossos pais, cônjuges e filhos os quais serviram de apoio e incentivo em todos os momentos.
  6. 6. AGRADECIMENTOS A Professora Carla Aparecida Pedriali Moraes pelo apoio e incentivo constantes, tanto em aulas como na elaboração deste Trabalho de Conclusão de Curso.
  7. 7. RESUMO O envelhecimento cutâneo facial é um processo fisiológico que fatalmente resultará no aparecimento de rugas ou sinais de expressão. Uns apresentarão estes sinais proeminentes mais rapidamente e outros os terão com menos intensidade e mais tardiamente. O presente trabalho propõe a utilização de um ativo oriundo do veneno das abelhas, a melitina, como um possível redutor destes sinais. A melitina é um composto formado por uma mistura complexa de aminoácidos, peptídeos, carboidratos, lipídeos, enzimas entre outros, cujo mecanismo de ação pressupõe aumento de fluxo sanguíneo e o estimulo a produção de colágeno além de inibir a produção de metaloproteinas que podem causar danos ao colágeno em formação. Um creme baseado na formulação cold cream foi desenvolvido e 0,085% de melitina como ativo foi adicionado. A segurança de uso foi testada por meio de testes da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica que envolveu testes de Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), Acumulada (IDA) e Sensibilização Dérmica (SD) cujos resultados demonstraram total inocuidade alergênica nos 59 indivíduos de ambos os sexos testados. A Eficácia de Uso foi testada por meio de um Ensaio Clínico para os itens Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão, pontuados em uma escala de 1 a 5. Os indivíduos aplicaram o creme no tempo inicial T0 e durante os 30 dias subsequentes T30. As medições foram realizadas por médico dermatologista nos tempos T0 e T30. Com um grau de significância estatística de 5% (teste t de student) pode-se observar que houve melhora para os itens: Hidratação e Maciez. O percentual de voluntárias com algum grau de melhora observada clinicamente após o uso do produto por 30 dias foi de: 65% para Hidratação; 52% para Maciez; 4% para Firmeza. No ensaio Clinico Subjetivo, realizado em paralelo, os resultados foram comparados aos mesmos itens mencionados acima no tempo T0 e após 30 dias de uso T30 onde a percepção do individuo pôde ser captada por meio do preenchimento de um questionário específico no último dia de avaliação. Os resultados foram: 96% dos voluntários declararam que a pele ficou hidratada ou muito hidratada, 56% declararam que a pele apresentou maciez intensa ou muito intensa, 21% declararam que a pele ficou com firmeza intensa ou muito intensa, 17% declararam que as rugas de expressão ficaram leves ou ausentes. Outro questionário de Atributos do produto contendo os seguintes itens :Perfume, Espalhabilidade, Toque na Pele e Intenção de Compra também foi distribuído no último dia da avaliação e os resultados foram: 39% manifestaram que o perfume é bom ou excelente; 82% manifestaram que a espalhabilidade é boa ou fácil; 83% declararam que o toque na pele do produto é macio ou possui a textura macia; 91% declararam que provavelmente ou com certeza comprariam o
  8. 8. produto. Podemos concluir que o uso da Melitina veiculado em um cold cream, neste trabalho, foi eficaz na hidratação e maciez da pele, no entanto sua eficácia no tange a firmeza e presença de rugas foi discreto o que sugere que outros trabalhos devam ser realizados. Contudo no que tange a segurança de uso se mostrou totalmente inócua. Palavras Chave: 1. Melitina. 2. Antirrugas. 3. Antissinais. 4. Veneno de Abelhas. 5. Bee venon
  9. 9. ABSTRACT The aging facial skin is a physiological process which inevitably results in the appearance of wrinkles or expression signals. In some people these prominent effects will appear faster and in other this effects will appear later and with less intensity. This paper proposes the use of an asset derived from bee venom, melittin. Melittin is a compound composed of a complex mixture of amino acids, peptides, carbohydrates, lipids, enzymes and others, which mechanism of action involves an increased blood flow and stimulation of collagen production, besides inhibiting the production of metalloproteins that can cause damage to collagen formation. A cream based on cold cream formulation was developed and added 0.085 % of melittin as active. The product was safety tested using the Evaluation of Topical Dermatological compatibility involving the Primary Dermal Irritation (IDP) Dermal Accumulated (IDA) and Dermal Sensitization (SD) tests which results shows the total allergen safety in 59 individuals of both genders that participated in the test. The efficacy of use was tested through a Clinical Trial for hydration, smoothness, firmness and wrinkles and this items was scored on a scale of 1 to 5. Subjects applied the cream at the initial time T0 and during the next 30 days T30. The measurements were performed by a dermatologist at T0 and T30. With a value of statistical significance of 5 % (Student t test) an improvement can be observed for the items: hydration and smoothness. The percentage of volunteers with some degree of clinical improvement observed after using the product for 30 days were: 65 % for Hydration; 52 % for Softener; 4 % for Firmness. In the Subjective clinical trial, conducted in parallel, the results were compared in the same items mentioned above at -T0- and after 30 days of use -T30- . The self-perception could be captured by a specific questionnaire completed on the last day evaluation. The results were: 96 % of volunteers stated that the skin was very hydrated or moisturized, 56 % stated intense or very intense softness, 21 % said intense or very intense firmness, 17 % stated that wrinkles were mild or absent. Other product attributes questionnaire containing the following items: scent/perfume, Spreadability, Touch Skin and Purchase Intention was also distributed on the last day of the assessment and the results were: 39 % stated that the smell / perfume is good or excellent; 82 % indicated that the spreadability is good or easy; 83 % declared that the skin touch of the product is soft or has soft texture; 91 % said they probably or definitely buy the product. We can conclude that the use of Melittin, in a typical cold cream, in this paper was effective in skin hydration and smoothness, however its effectiveness in terms of firmness and wrinkles presence was discreet suggesting that other studies should be conducted.
  10. 10. However regarding the safety of use it was proved totally safe. Key Words: 1. Melittin. 2. Anti-wrinkle. 3. Antiaging. 4. Bees Poison. 5. Bee Venon
  11. 11. LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - Médias das avaliações clínicas no decorrer do tempo experimental para os itens: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão ......................................................26 GRÁFICO 2 - Porcentagem de voluntários que apresentaram melhora, através da avaliação clínica, para os itens: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão .............................26 GRÁFICO 3 - Avaliação Subjetiva Hidratação T30 ...............................................................27 GRÁFICO 4 - Avaliação Subjetiva Maciez T30 .....................................................................27 GRÁFICO 5 - Avaliação Subjetiva Firmeza T30 ....................................................................27 GRÁFICO 6 - Avaliação Subjetiva Rugas de Expressão T30 .................................................27 GRÁFICO 7 - Avaliação do produto quanto ao Cheiro/Perfume ............................................28 GRÁFICO 8 - Avaliação do produto quanto a Espalhabilidade ..............................................28 GRÁFICO 9 - Avaliação do produto quanto ao toque na Pele ................................................28 GRÁFICO 10 - Intenção de Compra .......................................................................................28
  12. 12. LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Comparação de produtos contendo ativos antirrugas ........................................10 TABELA 2 - Fórmula utilizada para a preparação do creme antirrugas .................................13 TABELA 3 - Cronograma do estudo de Irritabilidade Dérmica Primária ...............................18 TABELA 4 - Cronograma do estudo de Irritabilidade Dérmica Acumulada ..........................19 TABELA 5 - Cronograma do estudo de Sensibilização Dérmica ...........................................20 TABELA 6 - Tabela com a escala de graduação do ensaio de eficácia clínica .......................21 TABELA 7 - Tabela de avaliações de atributos ......................................................................22 TABELA 7.1- Teste IDP, IDA e SD versus Reação Positiva...................................................23 TABELA 8 - Resultados obtidos nas avaliações de Irritação Dérmica Primária e Acumulada............................................................................................................24 TABELA 9 - Resultados obtidos nas avaliações de Sensibilização Dérmica ..........................25 TABELA 10 - Resultados do teste T de Student para os itens Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão, avaliados nos tempos experimentais ..................................26
  13. 13. LISTA DE ANEXOS ANEXO A - Informações Gerais sobre a extração do veneno de abelhas ...............................37 ANEXO B - Protocolos dos ensaios de IDP, IDA e SD ..........................................................38 ANEXO C - Protocolos dos ensaios de avaliação de eficácia na redução dos sinais do envelhecimento facial .........................................................................................40 ANEXO D - Escala de Fototipos de Fitzpatrick ......................................................................43 ANEXO E - Informações Técnicas sobre as Matérias Primas Usadas ....................................44 ANEXO F - Informações detalhadas sobre Critérios Exclusão de Dados ...............................46
  14. 14. LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Aparelho extrator de veneno de abelhas..............................................................15 FIGURA 2 - Placas de vidro coletoras de veneno de abelhas .................................................15
  15. 15. LISTA DE ABREVIATURAS IDP - Irritabilidade Dérmica Primária IDA - Irritabilidade Dérmica Acumulada SD - Sensibilidade Dérmica UV - Ultra Violeta DMAE - Dimetilaminietanol UVA - Ultra Violeta tipo A UVB - Ultra Violeta tipo B BHT - Butil Hidroxi Tolueno ICDRG - International Contact Dermatitis Research Group GCP - Good Clinical Pratices (Boas Praticas Clínicas)
  16. 16. Sumário 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 1 2. JUSTIFICATIVA ................................................................................................................. 3 3. OBJETIVOS ......................................................................................................................... 3 3.1. OBJETIVO GERAL ................................................................................................................ 3 3.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS .................................................................................................... 3 4. REFERENCIAL TEÓRICO ............................................................................................... 4 4.1. A PELE E O APARECIMENTO DE RUGAS ............................................................................. 4 4.2. MATÉRIAS-PRIMAS ANTISSINAIS NO MERCADO ................................................................ 7 4.3. FORMULAÇÕES DO MERCADO ............................................................................................ 9 4.4. A MELITINA ....................................................................................................................... 11 5. MATERIAIS E MÉTODOS .............................................................................................. 13 5.1. FÓRMULA QUANTITATIVA UTILIZADA ............................................................................. 13 5.2. PROCEDIMENTO DE PREPARAÇÃO DA FÓRMULA ............................................................. 14 5.3. EQUIPAMENTOS E MÉTODOS .................................................................................. 14 5.3.1. MÉTODOS PARA EXTRAÇÃO DE VENENO DE ABELHAS .................................................... 14 5.3.2. EQUIPAMENTOS DE EXTRAÇÃO DE VENENO DE ABELHAS ............................................... 15 5.3.3. MODO DE OPERAÇÃO....................................................................................................... 16 5.3.4. RASPAGEM DO VENENO ................................................................................................... 16 5.4. AVALIAÇÃO DERMATOLÓGICA DE COMPATIBILIDADE TÓPICA, IRRITABILIDADE DÉRMICA PRIMÁRIA (IDP), ACUMULADA (IDA) E SENSIBILIZAÇÃO DÉRMICA (SD) ........... 17 5.4.1. MÉTODO DE TESTE DE IRRITABILIDADE DÉRMICA PRIMÁRIA .......................................... 18 5.4.2. MÉTODO DE TESTE DE IRRITABILIDADE DÉRMICA ACUMULADA ..................................... 19 5.4.3. MÉTODO DE TESTE DE SENSIBILIDADE DÉRMICA – SD .................................................... 19 5.4.4. EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NOS TESTES DE IDP, IDA E SD.......................................... 20 5.5. MÉTODO DE AVALIAÇÕES CLÍNICAS NA REDUÇÃO DOS SINAIS DO ENVELHECIMENTO FACIAL ...................................................................................................................................... 20 5.6. MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE EFICÁCIA SUBJETIVA NA REDUÇÃO DOS SINAIS DO ENVELHECIMENTO FACIAL ...................................................................................................... 22 5.7. MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE ATRIBUTOS .......................................................................... 22 6. RESULTADOS ................................................................................................................... 23 6.1. RESULTADO DA AVALIAÇÃO DERMATOLÓGICA DE COMPATIBILIDADE TÓPICA, IRRITABILIDADE DÉRMICA PRIMÁRIA (IDP), ACUMULADA (IDA) E SENSIBILIZAÇÃO DÉRMICA (SD).......................................................................................................................... 23 6.2. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO CLÍNICA ............................................................................ 26 6.3. AVALIAÇÃO SUBJETIVA .................................................................................................... 27 6.4. AVALIAÇÃO DE ATRIBUTOS FÍSICOS ................................................................................ 28 7. DISCUSSÃO ....................................................................................................................... 29 7.1. SEGURANÇA DE USO .......................................................................................................... 29 7.2. AVALIAÇÃO CLINICA E AVALIAÇÃO SUBJETIVA ............................................................. 29 7.3. AVALIAÇÃO DE ATRIBUTOS FÍSICOS ................................................................................ 30 7.4. DISCUSSÃO GERAL ............................................................................................................. 30 8. CONCLUSÃO ..................................................................................................................... 31 9. REFERÊNCIAS: ................................................................................................................ 32 10. ANEXOS............................................................................................................................ 37
  17. 17. 1 1. INTRODUÇÃO Antissinais é e sempre será uma importante fonte de pesquisa em cosmetologia como nos mostra a própria história desta área da ciência. De acordo com historiadores, os Egípcios foram os primeiros usuários de cosméticos e produtos de toucador em larga escala. Há relatos de que alguns tipos de minérios foram utilizados como sombras de olhos, e alguns tipos de extratos vegetais, como por exemplo, a henna, que foi utilizada como realçadores e auxiliares de beleza, ao disfarçarem irregularidades da pele, entre eles as rugas (TREVISAN; MENDA, 2011). Na era Romana, por volta do ano 180 D.C., um médico grego chamado Claudius Galeno realizou sua própria pesquisa científica na manipulação de produtos cosméticos, iniciando assim a era galênica dos produtos químico-farmacêuticos. Galeno desenvolveu um produto chamado Unguentum Refrigerans, também conhecido como Cold Cream1, baseado em cera de abelha e bórax, e que, provavelmente, era usado também no tratamento antissinais (SÍLVIA, TANIA REGINA, 2008). Desde o nascimento, a pele está sujeita ao processo biológico de fenômenos fisiológicos do envelhecimento (GOBBO, 2010). Esse pode ser classificado como extrínseco ou intrínseco, sendo o primeiro causado por fatores ambientais tais como: radiação UV e fumo, e o segundo causado por fatores cronológicos, ou seja, por degradação, ao longo do tempo, dos componentes do próprio organismo. Com o aumento da expectativa de vida, o interesse pelo retardo do envelhecimento tem aumentado, principalmente quando se trata de cuidados estéticos. Hoje, conta-se com uma moderna tecnologia e recurso que podem maximizar os resultados de tratamentos a fim de se retardar os efeitos fisiológicos do envelhecimento (SOUZA; JUNIOR, 2008). Dessa forma, a preocupação com os cuidados da aparência torna a área de pesquisas em produtos que ofereçam benefícios à sua beleza, muito atrativa. Umas das categorias desses produtos são os considerados antissinais os quais auxiliam a reduzir linhas de expressões e rugas, utilizados principalmente na área do rosto. 1 Creme frio formulado a partir de óleo e água. É utilizado para hidratar a pele e suavizar queimaduras solares. O Creme Protetor Hidratante com Água Termal da La Roche Posay é considerado um cold cream, por exemplo.
  18. 18. 2 As rugas são geralmente formadas pela diminuição do colágeno e a perda da retenção de água celular, que ocorre naturalmente com o avanço da idade. Elas consistem em formação de sulco na superfície da pele devido à degeneração e diminuição dos tecidos elásticos (RIBEIRO, 2010). As fibras de colágeno e as fibras elásticas são responsáveis em manter a aparência de uma pele rejuvenescida. Estas fibras, por estarem dispostas de uma maneira única na derme, tem a capacidade de formarem uma rede de sustentação (LIMPIANGKANAN, 2010). Com o envelhecimento, os níveis de colágeno vão diminuindo (AZULAY, 2008). Ainda de acordo com (RIBEIRO, 2010), uma boa formulação cosmética para peles envelhecidas, deve ser capaz de atuar em diferentes fenômenos responsáveis pelo aparecimento de sinais de envelhecimento. Dessa forma, a formulação deve conter pelo menos uma mistura de ativos que possam conferir maior hidratação, fotoproteção, redução de radicais livres e principalmente, os que possuem capacidade de melhorar o metabolismo da pele. A vitamina C e o DMAE Bitartarato seriam bons exemplos de ativos utilizados amplamente por formuladores além da vitamina A ou Retinol e a provitamina B5 ou d- pantenol que são exemplos de ativos capazes de melhorar o metabolismo da pele, pois atuam diretamente em fenômenos fisiológicos do envelhecimento da pele. A vitamina C (ácido ascórbico) é um antioxidante que ocorre na natureza, quando incorporada em formulações cosméticas, é utilizada com o propósito de prevenir e tratar a pele danificada pelo sol, doando elétrons de modo sequencial, neutralizando os radicais livres e protegendo as estruturas intracelulares do estresse oxidativo (DRAELOS, 2009). Quando utilizada topicamente, a vitamina C pode diminuir a quebra do colágeno, aumentar a síntese de colágeno tipo I, conferir elasticidade e firmeza à pele e reduzir a síntese de melanina (DRAELOS, 2009; KEDE; SABATOVICH, 2009). Como comentado acima, outro ativo utilizado na indústria cosmética é o Dimetilaminoetanol (DMAE) Bitartarato. O DMAE bitartarato é um antioxidante e estabilizador de membrana capaz de fazer com que a mesma se torne mais resistente ao estresse oxidativo e se estabilize (PERRICONE, 2001). A melitina é um peptídeo antimicrobiano isolado do veneno da abelha Apis melífera (Bee Venon) que tem a característica de romper membranas lipídicas, formar poros, causar fusão de membranas e hemólise. Esse peptídeo compõe 50% do peso seco do veneno e é caracterizado por possuir 26 aminoácidos e carga +5 ou +6 quando o resíduo de Glicina é protonado em pH 7 (RAGHURAMAN; CHATTOPADHYAY, 2006).
  19. 19. 3 Considerando a importância de ativos que possuem a capacidade de atuar diretamente no envelhecimento da pele, como os citados anteriormente, esse trabalho consiste em avaliar e discutir os estudos realizados em um creme à base de melitina - presente em toxinas de abelhas (apitoxina). Esse creme contém uma concentração de melitina que tem a capacidade de simular uma reação fisiológica a uma picada de abelha, porém mais branda. Isso leva ao organismo desencadear uma reação a essas toxinas, sendo capaz de aumentar o fluxo sanguíneo, bem como a produção de colágeno, substância que fortalece os tecidos do corpo e de elastina, proteína que confere flexibilidade (LEE et al., 2004), eliminando as células mortas e reduzindo as rugas. 2. JUSTIFICATIVA A ação anti-inflamatória da melitina já foi amplamente estudada e sua aplicação é maior na área de medicamentos. Considerando a importância de ativos que possuem a capacidade de atuar diretamente no envelhecimento da pele e a reduzida informação do uso dessa substância na área cosmética, percebemos uma possível oportunidade de ampliar seu potencial de uso no mercado cosmético para fins estéticos e dispor aos novos formuladores uma bibliografia contendo estudos realizados em um produto contendo tal substância. 3. OBJETIVOS 3.1. Objetivo Geral Estudo da eficácia antissinais e da inocuidade alergênica da melitina em uma formulação de creme tipo Cold Cream, caracterizado por ser uma emulsão Óleo em Água (O/A) e possuir ótimas propriedades de hidratação, permeabilidade cutânea, de ação intradérmica e por ser ideal para veiculação de ativos hidro e lipossolúveis. 3.2. Objetivos Específicos (a) Apresentação de uma discussão, com base em levantamentos da literatura técnica a respeito da melitina, relativos ao seu uso na área Cosmética;
  20. 20. 4 (b) Apresentação de resultados da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica que envolveu testes de Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), Acumulada (IDA) e Sensibilização Dérmica (SD); (c) Apresentação de resultados de Avaliações Clínica e Subjetiva na redução dos sinais do envelhecimento facial. 4. REFERENCIAL TEÓRICO 4.1. A Pele e o Aparecimento de Rugas A pele é um órgão complexo e é considerado como um revestimento protetor de toda a superfície do corpo (HOARE, 2010). É o maior órgão do corpo humano, chegando a constituir 16% do peso corporal total. Além de conferir proteção ao corpo, outras funções podem ser atribuídas a esse órgão: controle de temperatura, sensorial, estética, absorção da radiação ultravioleta (UV), síntese de vitamina D e eliminação de algumas substâncias químicas (RIBEIRO, 2010). Do ponto de vista estético, a pele constitui a fachada, ou aparência que determina o perfil característico do homem e o diferencia de forma única na natureza. Suas variações são determinantes nas diferentes características raciais, sexuais e individuais que existem na população humana (CORRÊA, 2012). Em análises histológicas da pele, é possível observar duas camadas básicas: a epiderme e a derme. Abaixo dessas, encontra-se uma camada formada por tecido adiposo, conhecida como hipoderme (RIBEIRO, 2010). A epiderme é separada da derme por um conjunto de células chamada lâmina basal (CORRÊA, 2012). A epiderme consiste em uma estrutura formada por diferentes camadas de queratinócitos (células epiteliais). Essas são estratificadas e sofrem diferenciação à medida que saem da camada basal até a superfície mais externa da pele. Essas camadas são conhecidas como basal, espinhosa, granulosa, lúcida e córnea (RIBEIRO, 2010). A camada basal, também chamada de germinativa, é a única camada de células em que essas se encontram na fase de divisão celular e proliferação. A camada espinhosa é formada por células ativas com citoplasma denso e repleto de substâncias como aminoácidos. As células da camada granulosa possuem núcleos achatados e granulares, mas em fase de maior diferenciação possuem o núcleo oval. Nelas estão presentes os grânulos de queratohialina. A camada lúcida é formada por células homogêneas e transparentes e que se encontram mortas.
  21. 21. 5 A camada córnea é composta por células mortas, de forma achatada, fina e sem núcleo. É essa camada que sofre constante esfoliação devido a algum processo mecânico ou químico (HOARE, 2010). A derme é formada por um tecido resistente e elástico, proporcionando assim, resistência física frente à agressão mecânica. Além disso, é responsável pelo fornecimento de nutrientes à epiderme (RIBEIRO, 2010). A derme é dividida em duas regiões: papilar e reticular. Ambas são compostas por células, fibras e substância fundamental amorfa, além de fibroblastos, histiócitos, células endoteliais e mastócitos. As fibras presentes são as colágenas, reticulares e elásticas (CORRÊA, 2012). O colágeno é sintetizado pelos fibroblastos na forma de pro-colágeno, seu precursor. Esse, quando se encontra no meio extracelular, sofre ação enzimática formando unidades de tropocolágenos, que se polimerizam formando as fibras de colágeno (RIBEIRO, 2010). Tem a característica de ser uma fibra de proteína dura, branca e inelástica, encontrada em feixes paralelos à superfície da pele e é responsável por conferir resistência à pele (HOARE, 2010). Já a elastina, apesar de ser produzida também pelos fibroblastos, são proteínas amarelas e estão dispostas de forma que formam uma rede (HOARE, 2010). São muito ramificadas, retas e altamente resistentes. Geralmente são mais espessas na derme papilar e mais fina na derme reticular (RIBEIRO, 2010). Por causa dessa formação e características, conferem à pele a capacidade de se estender e voltar à posição original (HOARE, 2010). As fibras reticulares são produzidas pelo colágeno proteico e formam uma rede de ramificações que possuem a função de apoio (HOARE, 2010). Na derme, estão presentes também glucosaminoglicanas como o ácido hialurônico, sulfato de heparana, sulfato de condroitina, entre outros. Essas moléculas possuem a capacidade de se ligarem à um proteína formando um composto conhecido como proteoglucanas. Esses compostos são altamente hidrofílicos, ou seja, possuem forte capacidade de se ligarem a moléculas de água. Consequentemente são responsáveis por reter água na derme, bem como e conferir a turgescência cutânea (RIBEIRO, 2010). Em condições normais, ou seja, natural, a pele está constantemente se renovando de forma equilibrada entre a quantidade de componentes produzidos e degradados. Porém, com o envelhecimento desse órgão, essa dinâmica se encontra prejudicada (PUPO, 2012). O processo de envelhecimento da pele é um fenômeno biológico (BATISTELA, 2007) complexo, geralmente classificado como: envelhecimento intrínseco e envelhecimento
  22. 22. 6 extrínseco. O primeiro se refere às mudanças ocorridas na pele que são programadas geneticamente e que ocorre de maneira semelhante em qualquer outro órgão do corpo. O segundo se refere às exposições repetitivas a substâncias ou situações danosas ao tecido cutâneo (HIRATA et al, 2004). O envelhecimento intrínseco é influenciado por quatro processos distintos: controle metabólico, resistência ao estresse, desregulação gênica e estabilidade genética. Em relação ao controle metabólico, pode ocorrer interferência pelo descontrole de regulação da secreção de certos hormônios como o luteinizante e o do crescimento. O estresse oxidativo é relacionado ao excesso de formação de radicais livres pelo corpo. Esses componentes são altamente reativos e são de grande importância por participarem e promoverem uma série de reações necessárias à manutenção do organismo, porém, fabricado em excesso, pode reagir de forma não equilibrada com o DNA, lipídeos, proteínas e carboidratos. Já a desregulação gênica e estabilidade genética se referem ao fato de que o próprio envelhecimento intrínseco causa uma redução na atividade das células da pele devido a alterações de moléculas que regulam o crescimento de fibroblastos, além do aumento de degradação de fibras elásticas e colágeno por metaloproteínas, devido à redução de inibidores dessas enzimas (MORAES, 2012). Como o crescimento de fibroblastos no tecido conjuntivo se encontra deficiente, ocorre consequentemente, a redução da produção do colágeno (PUPO, 2012). Deve-se considerar também que ocorre o enfraquecimento dos vasos superficiais e redução da superfície de contato entre a derme e epiderme, desencadeando assim a desnutrição da epiderme (MORAES, 2012). O envelhecimento extrínseco está relacionado às alterações cutâneas causadas principalmente pelo foto-envelhecimento, conhecido como envelhecimento causado por exposição ao sol. Porém, outros fatores também possuem a capacidade de interferir nesse processo de envelhecimento, como a exposição à poluição, fumo, radicais livres, entre outros (RIBEIRO, 2010). O envelhecimento que ocorre pela idade, ou seja, o intrínseco, geralmente é mais suave, lento e gradual, apresentando mudanças ou danos estéticos muito pequenos. Já o envelhecimento proveniente da exposição à fatores ambientais é mais agressivo, sendo considerado responsável por modificações severas da superfície da pele (BATISTELA,2007). Não há um processo único de envelhecimento da pele, existem influências multifatoriais, sendo elas genéticas, metabólicas, adquiridas ou provenientes do ambiente agindo em diferentes mecanismos (BATISTELA, 2007).
  23. 23. 7 A formação de rugas ocorre principalmente devido a fatores externos, como a exposição aos raios ultravioleta, esse responsável por modificações mais perceptíveis à pele (BATISTELA, 2007). O tecido conjuntivo de uma pele envelhecida apresenta elasticidade e turgor inadequados. Isso acontece porque o colágeno não se encontra em sua forma natural e não podem deslizar entre si facilmente, além de apresentarem estruturas mais rígidas reduzindo o seu poder de absorver umidade. Além disso, o órgão apresenta quantidades reduzidas de mucopolissacarídeos que possuem capacidade de se ligar à água presente, que consequentemente, reduz também o turgor comum de uma pele jovem (HIRATA, et. al, 2004). De acordo com Ribeiro (2010), todas essas alterações contribuem para a redução da capacidade da pele em reter água na região da derme, ocorrendo a diminuição do turgor e tornando a situação favorável à formação de rugas. Além disso, de acordo com Pupo (2012), o aparecimento de rugas ocorre devido a perda de elasticidade da pele causada pela rápida degradação do colágeno. 4.2. Matérias-Primas Antissinais no Mercado Existem no mercado, diversas matérias-primas que possuem propriedade antissinais e/ou antienvelhecimento. Para possuir tal propriedade, deve-se levar em consideração que a substância tenha capacidade de atuar em algum fenômeno responsável pelo aparecimento dos sinais de envelhecimento. Sendo assim, existem os fotoprotetores, os que diminuem a formação ou ação de radicais livres, os que hidratam a epiderme e principalmente, os que melhoram o metabolismo dérmico e epidérmico (RIBEIRO, 2010). É possível associar a proteção da pele contra a radiação ultravioleta, utilizando sequestradores de radicais livres e substâncias que possuam alguma ação anti-inflamatória, que reduzem a reação eritematosa (pele avermelhada) e também a peroxidação da membrana celular por radicais livres. Dessa forma, pode-se minimizar o envelhecimento precoce da pele (MORAES, 2012). As substâncias fotoprotetoras, são aquelas que possuem a capacidade de proteger a pele de absorver as radiações UVB e UVA emitidas pelo sol. É o caso da benzofenona 3, um composto aromático, com presença de um grupo doador de elétrons. Essa estrutura molecular permite absorver os raios UVA ao invés da pele (DAVOLOS; et al, 2007). Sua fórmula é
  24. 24. 8 C14H12O3 com pico de absorção em 290 nm, usado geralmente em associação a outros filtros UVB em bloqueadores solares de elevado FPS (MAPRIC, 2014). Existem trabalhos científicos que demonstram atividade fotoquimioprotetora de flavonoides presentes em vegetais. O ácido ferúlico (ácido 4-hidroxi-3-metoxi-cinâmico tem demostrado ação protetora aos fosfolipídios presentes nas membranas dos efeitos da peroxidação lipídica, ou seja, atua como um anti radical livre. Além disso, confere à pele proteção contra a formação de eritema induzido por raios UVB (MORAES, 2012). Os radicais livres estão associados ao envelhecimento da pele, pois possuem a capacidade de causar alterações estruturais e fisiológicas no organismo. A vitamina A e vitamina C possuem a propriedade de combater radicais livres sendo conhecidos como antioxidantes (GUERRA; et al, 1994) e como cofator em reações para produção de colágeno (RIBEIRO, 2010). Além disso, de acordo com Draelos (2009), a vitamina C é utilizada como prevenção e para peles danificadas pelo sol, pois tem a capacidade de doar elétrons, neutralizando radicais livres e protegendo as estruturas intracelulares do possível estresse oxidativo causado pelos raios UV. Ainda de acordo com Draelos (2009), quando utilizada de forma tópica, ou seja, presente em formulações de emulsões, pode reduzir a quebra de colágeno, aumentar a síntese de colágeno conferindo elasticidade e firmeza à pele. A vitamina A, também conhecida como retinol (C36H60O2), é bem absorvida pela pele possuindo uma ação moderadora da produção de queratina e estimula o desenvolvimento e maturação das células da pele. Em formulações cosméticas se encontra associada a vitaminas D e E e é indicada para pessoas com a pele seca ou sujeita a exposições à intempéries. Seu efeito cosmético torna a pele mais lisa e macia (MAPRIC, 2013). O retinol e seus derivados favorecem a manutenção da pele normal devido a sua capacidade de atuar no processo de hiperqueratinização, na diferenciação das células epiteliais e na síntese de colágeno. Essa capacidade propicia à pele maciez e consequentemente uma aparência mais jovem e saudável (CATEC, 2011). O DMAE ou dimetilaminoetanol é classificado como um antioxidantes e, portanto, possui a capacidade de estabilizar a membrana celular. Além disso, tem a capacidade de fazer com que a membrana se torne mais resistente à ação de radicais livres (MAPRIC, 2013). Sua molécula tem peso molecular de 89,14 e que devido a isso, tende a atravessar a barreira da pele com facilidade. Estruturalmente, o DMAE é análogo ao neurotransmissor colina e possui a capacidade de aumentar a biossíntese de acetilcolina tanto no sistema nervoso central quanto na derme. Na derme, a acetilcolina tem como função ser um citotransmissor se ligando a
  25. 25. 9 receptores de células de fibroblastos, queratinócitos e células endoteliais modulando atividades como proliferação, diferenciação e migração. Além disso, possui capacidade antioxidante e anti-inflamatória (FIORINI et al, 2008). O DMAE bitartarato (C4H11NO.C4H6O6) é indicado em formulações com efeito lifting para o rosto, ou seja, área ao redor dos olhos e pálpebras, além do pescoço. É utilizado também em formulações antirrugas e antienvelhecimento (MAPRIC, 2013). Pode muitas vezes ser associado a ativos como o ácido glicólico e a vitamina C, tendo como benefício associado a prevenção de danos causados pelos raios UV (FIORINI et al, 2008). Com o envelhecimento, a lubrificação e hidratação da pele ficam prejudicadas. Assim, o uso de produtos contendo hidratantes e lipídeos ajudam a repor e melhorar essas características. As matérias-primas comumente utilizadas são os lipídeos vegetais, pois além de conferirem a lubrificação, causa oclusão da cútis, aumentado a retenção de água e dessa forma, a hidratação da epiderme. O óleo de buriti é um exemplo desse tipo de matéria-prima (RIBEIRO, 2010). O óleo de buriti possui a capacidade de aumentar a elasticidade da pele, bem como reduzir o ressecamento da pele exposta a radiação solar. Além disso, auxilia na regeneração dos lipídeos presentes na camada córnea de pele, sendo indicado para formulações antiaging (MAPRIC, 2013). A pró-vitamina B5, também conhecida como d-pantenol, é um exemplo de matéria- prima capaz de melhorar o metabolismo dérmico e epidérmico, pois ao ser aplicado topicamente, é convertida em ácido pantotênico, um componente natural da pele (GUIMARÃES, et al, 2011). Além disso, de acordo com (RIBEIRO, 2010), aumenta a regeneração celular. O ácido lático e o glicólico, também possuem capacidade de melhorar o metabolismo dérmico, pois quando usados de forma correta e contínua, podem aumentar a espessura da pele. Além disso, aumentam a deposição de colágeno e outros componentes do tecido conjuntivo. Dessa forma, reduzem o aspecto da pele envelhecida (RIBEIRO, 2010). 4.3. Formulações do Mercado A fim de exemplificar o uso de matérias-primas com propriedades antissinais e/ou antienvelhecimento, alguns produtos disponíveis no mercado de cosméticos são descritos no tabela abaixo:
  26. 26. 10 Tabela 1 - Comparação de produtos contendo ativos antirrugas. Produto Empresa Ativos SINEIK® Germed® Acico Hialurônico Hidrolizado; Diaminobutiroil Dipeptideo; Palmitoil Tripeptideo -5 NEODERM COMPLEX® ADCOS® Ácido Glicólico 10%; Niacinamida 4%; Óleo de Semente de Uva; Alantoína ACTIVE C® LA ROCHE-POSAY® Vitamina C 5% DMAE PLUS CREME® VALMARI® Retinol; Extrato de Melancia; PCA Sódio; Algisium C; DMAE LINE SMOOTHING EYE CREAM® PALMER’S® Extrato Oenothera; Shea Butter; Cocoa Butter; Vitamin E; Milk Proteins; Peptides; Retinol O produto da Germed®, SINEIK®, de acordo com a propaganda escrita em seu site, afirma que o produto possui uma associação adequada de ativos emolientes, hidratantes e regeneradores que auxiliam na prevenção do envelhecimento cutâneo. Utiliza em sua formulação um peptídeo que mimetiza a ação do veneno de cobra atuando dessa forma como um potente antirrugas e um outro peptídeo que estimula a síntese de colágeno. O produto da LA ROCHE POSAY®, ACTIVE C®, de acordo com a propaganda escrita no site da empresa, afirma que o produto intensifica a síntese do colágeno, suaviza o aspecto da pele. Além disso, melhora o seu brilho que é apagado pelo envelhecimento cronológico. O produto da VALMARI®, DEMAE PLUS CREME®, de acordo com a propaganda escrita no site da empresa, afirma que sua fórmula age com efeito firmador e antirrugas. Seu uso resulta em uma pele tonificada e luminosa. O produto PALMER’S®, LINE SMOOTHING EYE CREAM®, de acordo com a propaganda escrita no site da empresa, afirma que é um rico hidratante para a região dos olhos contendo uma mistura de ingredientes suaves que atuam como antiaging e hidratante. Além disso, a sua fórmula suave reduz o aspecto de linhas finas ao redor dos olhos sem causar irritação.
  27. 27. 11 4.4. A Melitina O veneno da abelha Apis mellifera, também conhecido como apitoxina ou bee venom, possui componentes com alto peso molecular. A composição exata e completa desse produto, ainda não está totalmente elucidada, porém, sabe-se que é formado por uma mistura complexa de aminoácidos, peptídeos, carboidratos, lipídeos, enzimas entre outros. Dentre os compostos já isolados, um dos mais importantes é a melitina (SILVA, 2009). A melitina é um peptídeo que compõe 50% do peso seco do veneno da abelha e possui 26 aminoácidos podendo ter carga +5 ou +6 caso o resíduo do aminoácido Gly (glicina) esteja protonado. Isso ocorre em meio de pH 7 (MANZINI, 2011). A sequência de aminoácidos em sua forma monomérica é NH2-Gly-Ile-Gly-Ala-Val-Leu-Lys-Val-Leu-Thr-Thr-Gly-Leu-Pro- Ala-Leu-Ile-Ser-Trp-Ile-Lys-Arg-Lys-Arg-Gln-Gln-CONH2 (WEINBERG, 2011). Abaixo mostramos a estrutura química da MELITINA a partir do tetrâmero: MELITINA – (BEE VENOM) -CAS RN: 37231-28-0 Sinônimos: Melitten, Melittin, Forapine, Mellitin, Forapin, Melittin I, Melittin-T, Honeybee melittin, Bee venon melittin, Melittin (honeybee), Melittin (major), Melittin (apis cerana), Melittin (major) (8CI), C2H6, PKS043, EINECS 253-417-7, GIGAVLKVLTTGLPALISWIKRKRQQ-NH2, LS-89467, LS-89468, GIGAVLKVLTTGLPALISWIKRKRQQ-NH2 MELITTIN Fórmula Molecular: C131H229N39O31 Peso Molecular: 2846,462660 g/mol Segundo Baker (1995), a melitina possui efeitos sobre a membrana celular devido a sua afinidade por fosfolipídios. Para Monette (1995), a melitina é um peptídeo catiônico que
  28. 28. 12 possui atividade na membrana devido a capacidade de causar micelização de algumas proteínas, impedindo assim a ruptura da membrana. Já em outros tipos de proteínas presentes na membrana, é capaz de desempenhar um efeito estabilizador. A modulação dos efeitos da melitina sobre a estrutura e organização da membrana depende da natureza do componente lipídico da mesma. Algumas propriedades físicas do componente lipídico parecem contribuir para a arquitetura resultante da interação melitina/lipídeo. Não se observa nenhuma lise celular nas membranas quando a melitina interage com os lipídeos de carga negativa presente na camada bilamelar da célular, em compensação, a ligação da melitina com lipídeos de carga alterada é prejudicial a vitalidade celular. Isso indica que há polimorfismos nas macroestruturas melitina/lipídeo (SHARMA, 1993). O veneno de abelha já possui estudos demonstrando ser efetivo em tratamentos de alergia, feridas, queimaduras e outras doenças de pele (DUNCAN, 2013). Ainda de acordo com (DUNCAN 2013) a melitina pode ser aplicada topicamente para acelerar a resolução de uma ferida devido a sua capacidade de regenerar a pele. Isso porque além de desencadear outros fatores, causa inibição da produção de metaloproteínas da matriz celular e que é importante para a redução de danos ao colágeno. De acordo com o claim descrito pela empresa RODIAL, o veneno de abelha é usado para imitar a própria picada de abelha na pele. Isso causa um aumento do fluxo sanguíneo na área aplicada estimulando a produção de colágeno e elastina. Já para a empresa MANUKA DOCTOR, o claim presente em seu site afirma que os benefícios incluem: aumento de regeneração celular, redução da aparência de cicatrizes, auxilia no tratamento e redução de linhas finas e rugas; auxilia na formação de colágeno e reduz o envelhecimento causado por raios UV.
  29. 29. 13 5. MATERIAIS E MÉTODOS 5.1. Fórmula Quantitativa Utilizada A fórmula utilizada para a preparação do creme antirrugas tem como base o Cold Cream onde foi adicionado e estabilizado a melitina (Bee Venon). Vide a tabela 2 abaixo: Tabela 2: Fórmula utilizada para a preparação do creme antirrugas. * 0.17% de Bee Venon equivale a aproximadamente 0.085% de MELITINA ativa s cremes do tipo O/A (óleo em água) apresentam elevado poder de penetração cutânea, pois devido a suas propriedades umectantes, são capazes de atravessar a barreira lipídica presente na pele. São fortemente hidrófilos favorecendo a migração iônica por osmose além de possuírem a capacidade de combinarem com proteínas celulares e dessa forma, serem excelentes veículos de ativos. A formulação resultou num creme de cor branca com odor característico do produto onde o pH variou entre de 4,50 - 6,80, a viscosidade variou entre 50-90.000 cps e densidade final ficou entre 0,887-0,900 g/mL. FASE INGREDIENTES – INCI NAME- CAS # % Função A CETEARYL ALCOHOLPOLYSORBATE 60 67762-27-0 9005-67-8 12,00 Base auto- emulsionante CETYL ACETATEACETYLATED LANOLIN ALCOHOL 629-70-- 61788-49-6 3,75 Mistura de Emolientes OCTYL STEARATE 109-36-4 3.75 Emoliete ALMOND OIL - SWEET 8007-690 22,85 Emoliente BUTYLATED,HYDROXYTOLUENE-BHT 128-37-0 0,10 Antioxidante B METHYLPARABEN 99-76-3 0,18 Conservante PROPYLPARABEN 94-13-3 0,15 Conservante PROPYLENE GLICOL 57-55-6 6,20 Umectante C AQUA 7732-18-5 50,75 Veículo D BEE POLLEN EXTRACT INDEX ABC 3a ED. Pg 1050 0,10 Ativo BEE VENON 37231-28-0 0,17* Ativo
  30. 30. 14 5.2. Procedimento de Preparação da Fórmula Em recipientes adequados, pesar as matérias-primas de acordo com a fase a qual pertence. Aquecer a Fase A e a Fase C a uma temperatura de aproximadamente 75 0C. Verter o conteúdo da Fase C na Fase A sob agitação. Quando a mistura atingir aproximadamente 45 0C, adicionar a Fase B homogeneizada. Manter a agitação por 20 (vinte) minutos. Deixar essa mistura repousar por no mínimo 24 (vinte e quatro) horas. Para o preparo da Fase D, com o auxílio de um pistilo e um Gral, triturar o veneno de abelha junto ao pólen, ambos secos com uma pequena quantidade da mistura obtida anteriormente. O suficiente apenas até a obtenção de uma mistura uniforme e sem grumos. É necessário que essa operação seja realizada em ambiente com exaustão (capela de exaustão). Após a preparação da Fase D, vertê-la sobre o resto da mistura e misturar bem, até que se obtenha uma mistura uniforme. O creme acima preparado é envasado em potes de plástico e devidamente identificados para serem utilizados nos testes de Irritabilidade Dérmica Primária - IDP, Irritabilidade Dérmica Acumulada - IDA e Sensibilização Dérmica – SD. 5.3. EQUIPAMENTOS E MÉTODOS 5.3.1. Métodos para Extração de Veneno de Abelhas Utilizando o equipamento de extração de veneno conforme descrito no item abaixo (ver Figuras 1 e 2), quando as abelhas pousam sobre a placa, recebem um choque e reagem tentando ferroar o vidro e depositando assim, uma carga de veneno. Liberam também uma secreção de feromônio, que atrai mais abelhas. O veneno perde seus óleos voláteis e adere à placa, sob a forma de um pó de cor marfim. Desligado o aparelho esse material é raspado e conservado sob-refrigeração para não se deteriorar. O aparelho em uso conjunto com várias placas de vidro eletrificadas terá capacidade de extrair cerca de 400 gramas de apitoxina por mês, um aumento de capacidade de extração extraordinária levando-se em conta que cada inseto carrega em seu corpo apenas 10 milionésimos de grama (Anexo A).
  31. 31. 15 5.3.2. Equipamentos de Extração de Veneno de Abelhas O aparelho para extração de veneno de abelhas consiste de um potenciômetro (Figura 1) que emite choques elétricos de baixa potência suficiente para estimular as glândulas ejetoras de veneno, que estão situadas na parte posterior das abelhas. Os fios que transmitirão o choque elétrico são enrolados em uma placa de madeira, a qual possui um entalhe por onde uma lâmina de vidro se encaixará. Esta lâmina de vidro funciona como uma ¨gaveta¨ e é colocada na entrada da colmeia, exatamente onde as abelhas devem pousar ao entrarem na colmeia, o cabo elétrico é conectado ao potenciômetro e o sistema é então ligado ao rede elétrica. Seus componentes são: - 1 placa coletoras - 1 lâmina de vidro - 1 bateria interna - 1 caixa eletrônica - 1 Chicote com 10 plugs RCA (20 metros) Figura 1 - Aparelho Extrator Figura 2 - Placas Coletoras com lâminas de vidro
  32. 32. 16 5.3.3. Modo de Operação Colocar o aparelho na entrada (alvado) da colmeia, deixando uma distância de um centímetro da parede de entrada. Regular o potenciômetro de choque até que as abelhas comecem a ferroar a lâmina de vidro. Deixar o aparelho ligado por cerca de 45 minutos, ou até que não haja mais abelhas sobre a placa coletora, onde aconselha-se a coletar da mesma colmeia após 3 dias. Após um dia de coleta, limpar os filamentos com um pequeno pano com álcool, tendo o cuidado para não amassar ou entortar os fios. Após o tempo de coleta, trocar a lâmina de vidro, e caso ainda não esteja cheia de veneno, totalmente opaca, colocar em outra colmeia repetindo a operação, ou caso cheia trocar por outra lâmina limpa. 5.3.4. Raspagem do Veneno Colocar as lâminas de vidro sobre uma superfície lisa e escura, e com uma espátula de aço inox, ou lâmina de estilete, proceder a raspagem até que não fique mais veneno grudado, o veneno deve sair seco, branco ou levemente bege, e deve ser imediatamente transferido para um recipiente limpo de vidro âmbar ou plástico e proteger com lâmina de alumínio, por fora do vidro. Após a raspagem, as lâminas de vidro devem ser lavadas com água e sabão neutro, e depois também ser limpa com álcool e armazenada em lugar seco e limpo. Considerações: A mortandade de abelhas neste processo é insignificante, sendo bem menor do que em uma colheita de mel. Aconselha-se repetir o processo de três em três dias na mesma colmeia para não estressar as abelhas. Em época de produção de mel, poderá ocorrer queda de 25 ou 30%. Não aconselhamos usar o extrator de veneno junto com produção de geleia real.
  33. 33. 17 5.4. Avaliação dermatológica de Compatibilidade Tópica, Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), Acumulada (IDA) e Sensibilização Dérmica (SD) Produtos cosméticos necessitam de ensaios clínicos em humanos, para que as empresas possam oferecer aos consumidores, o máximo de segurança com o menor risco, garantindo as melhores condições de uso do produto. A partir das informações pré-clínicas coletadas, deve haver a comprovação de segurança de uso por humanos. Os ensaios de compatibilidade têm por objetivo comprovar a inocuidade dos produtos em pele humana. São realizados de modo geral com apósitos oclusivos ou semi-oclusivos (patch tests) ou em modelos abertos (open tests). Representam o primeiro contato do produto acabado com um ser humano, e por isso devem seguir premissas de ordem ética (levantamento prévio de dados pré-clínicos segundo Resolução 196/96 do MS) e de Boas Práticas Clínicas. Há várias metodologias e critérios de avaliação na literatura. O estudo de avaliação de ausência de irritação dérmica primária pode ser considerado como a primeira etapa clínica. Quando realizado de forma isolada na avaliação de novos produtos, não é suficiente para comprovação de segurança. A avaliação de irritação dérmica acumulada tem sido realizada por no mínimo três semanas de aplicação e 50 voluntários, o que normalmente atende às exigências de todas as agências regulatórias mundiais. Porém existem outros modelos de avaliação clínica estabelecidos que permitam um número menor de voluntários em prazos diferentes, desde que haja uma sustentação técnica adequada. Em geral, a interpretação dos resultados considera a escala do International Contact Dermatitis Research Group – ICDRG (DRAIZE, 1965; MAILBACH; EPSTEIN, 1965; KLIGMAN; WOODING, 1967; WILKINSON, 1970; MARZULLI, 1975; CTFA, 1991; FISHER, 1995; WALKER et al., 1997; MARZULLI, 2008). O ensaio de Irritabilidade Dérmica Primaria (IDP) tem como objetivo comprovar a ausência de potencial de irritação primária ou alergia (sensibilização) do produto. Esses estudos têm por objetivo comprovar a ausência de reações alérgicas por sensibilização (reações imunes de hipersensibilidade tardia ou do tipo IV) e contemplam 3 fases: indução, repouso e desafio. O teste de sensibilização dérmica SD tem as mesmas premissas do teste de compatibilidade e consiste em uma série de aplicações de forma semi-oclusiva ou oclusiva, de acordo com o produto a ser avaliado em, no mínimo, 50 voluntários, seguindo a interpretação
  34. 34. 18 dos resultados considerando o ICDRG. Para produtos irritantes, deve ser realizado com amostras diluídas, de forma a não induzir resultados falsos positivos (DRAIZE, 1965; MAILBACH, EPSTEIN, 1965; AGRUP, 1968; SHELANSKI; SHELANSKI, 1979 DOOMS; GOOSSENS, 1993; FISHER,1995). Todos os testes de IDP, IDA e SD foram todos realizados nas dependências da empresa MEDCIN onde se encontram os originais e os arquivos dos dados. Todos os protocolos dos ensaios em humanos de IDP, IDA e SD estão descritos no Anexos 2 e 3. 5.4.1. Método de Teste de Irritabilidade Dérmica Primária Os ensaios devem contemplar um número mínimo de voluntários (50) com critérios de inclusão e exclusão previamente padronizados (Anexos 2 e 3) . O produto é aplicado de forma aberta, semi-oclusiva ou oclusiva, de acordo com o produto a ser avaliado. A duração do contato e periodicidade das leituras são padronizadas. A interpretação dos resultados deve ser feita considerando o ICDRG (International Contact Dermatitis Research Group). A avaliação deve ser feita por dermatologista. Foram aplicados no dorso dos voluntários apósitos contendo 0,02 mL do produto em estudo puro, solução fisiológica ou óleo mineral usado como controle. Após dois dias os apósitos foram retirados e a região foi avaliada. Caso houvesse algum indício de positividade, realizar-se-ia uma nova avaliação após 30 minutos. Ao final de quatro dias após aplicação, foram realizadas novas avaliações, conforme cronograma mostrado na Tabela 3. As avaliações foram realizadas conforme escala de leitura preconizada pelo International Contact Dermatitis Research Group (ICDRG) e anotadas em uma Brochura de Investigação contendo a compilação de todos os dados durante o estudo. Tabela 3. Cronograma do estudo de Irritabilidade Dérmica Primária.
  35. 35. 19 5.4.2. Método de Teste de Irritabilidade Dérmica Acumulada Paralelamente ao estudo de Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), foi realizado o estudo de Irritabilidade Dérmica Acumulada (IDA), aplicando no dorso dos voluntários apósitos contendo 0,02 mL do produto em estudo puro, solução fisiológica ou óleo mineral, usados como controle. Estes ensaios seguiram os protocolos conforme Anexo B e C e o cronograma conforme Tabela 4 abaixo. Tabela 4. Cronograma do estudo de Irritabilidade Dérmica Acumulada 5.4.3. Método de Teste de Sensibilidade Dérmica – SD O ensaio de Sensibilidade Dérmica (SD) foi conduzido após a realização dos ensaios de IDP e IDA, os voluntários ficaram em intervalo por duas semanas e retornaram para a fase de sensibilização (desafio), na qual foram aplicados apósitos em áreas que não foram ocluídas anteriormente. Conforme Tabela 5, os voluntários retornaram para as avaliações seguintes. Completada a última etapa do teste de SD, os voluntários passaram por uma nova avaliação dermatológica, que comparou as condições iniciais do voluntário com as condições apresentadas após a participação. Durante os estudos os voluntários foram instruídos a não agitar ou molhar os apósitos, não iniciar o uso de produtos tópicos novos durante o período de avaliação, não se expor diretamente ao sol, comparecer no horário estipulado para reavaliações e comunicar ao Instituto caso fosse necessário o uso de algum medicamento ou realização de algum
  36. 36. 20 tratamento durante o estudo. Estes ensaios seguiram os protocolos conforme Anexos 2 e 3 e o cronograma apresentado na Tabela 5 abaixo. Tabela 5. Cronograma do estudo de Sensibilização Dérmica 5.4.4. Equipamentos Utilizados nos Testes de IDP, IDA e SD Balança semi-analítica. Utilidades Apósitos semi-oclusivos compostos por discos de papel de filtro (100% celulose) de 1 cm de diâmetro e fita adesiva semipermeável Micropore®; Solução fisiológica; Óleo mineral; Amostra do produto puro. 5.5. Método de avaliações clínicas na redução dos sinais do envelhecimento facial Os voluntários foram inicialmente recrutados a partir dos critérios indicados na SELEÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS (Anexo 2 e 3). Somente indivíduos que possuíam os requisitos necessários segundo os critérios da seleção citados anteriormente, e que compreenderam, aceitaram e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foram incluídos no estudo. A metodologia aplicada consistiu em avaliar os voluntários segundo os parâmetros de Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão no T-0d inicial, sem o uso do creme e no T-30d, após 30 dias de uso. Esta avaliação foi feita por médico dermatologista e seguiu uma escala de 5 notas, ver Tabela 6 abaixo, para cada item avaliado, definidas previamente para a orientação da análise
  37. 37. 21 que foi feita de forma padronizada, no início e ao final do estudo, onde o aumento da nota representa a melhora do item avaliado. Tabela 6. Escala para teste de eficácia clinica Hidratação NOTAS DESCRITIVO 1 Muito ressecado, esbranquiçado e descamativo 2 Ressecado 3 Levemente Hidratado 4 Hidratado 5 Muito Hidratado, com brilho e luminosidade Maciez NOTAS DESCRITIVO 1 Muito leve (comparável com a pele da área pré-tibial) 2 Leve 3 Moderada 4 Intensa 5 Muito Intensa (comparável com a pele da face interna do braço) Firmeza NOTAS DESCRITIVO 1 Muito leve 2 Leve 3 Moderada 4 Intensa 5 Muito Intensa Rugas de Expressão NOTAS DESCRITIVO 1 Linhas muito intensas (sulcos) 2 Intensa 3 Moderada 4 Leve 5 Ausência de rugas Após a avaliação clínica inicial T-0d, as amostras foram distribuídas juntamente com uma cópia do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido contendo as informações pertinentes ao modo de uso definidas previamente (Anexo 2 e 3). Após 30 dias de uso do produto investigacional os voluntários retornaram ao Instituto para nova avaliação clínica feita por medico dermatologista, para verificar a integridade da
  38. 38. 22 pele e/ ou mucosa e confirmar a ausência de formação de eritema, edema, descamação, vesiculação ou outro sinal clínico no local que o produto foi utilizado. Para fins de comparação, foram avaliados novamente os mesmos parâmetros clínicos, com relação aos itens: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão. 5.6. Método de avaliação de eficácia subjetiva na redução dos sinais do envelhecimento facial Adicionalmente a visita final, os voluntários se auto avaliaram (avaliação subjetiva T30) com relação aos mesmos itens da avaliação clínica citados acima por meio de uma escala de 0 a 5, conforme Tabela 6. Uma tolerância de ± 2 dias foi permitida para o retorno dos voluntários na a avaliação final. 5.7. Método de avaliação de atributos Os voluntários também responderam um questionário referente a alguns atributos do produto como segue na Tabela 7 abaixo: Tabela 7. Avaliação de atributos QUESITOS PERGUNTAS DIRETAS Cheiro/Perfume Péssimo ruim Indiferente bom excelente ideal Espalhabilidade Muito difícil ruim Difícil Normal Boa fácil e agradável Toque na Pele Grudento demais, pegajoso, intolerável Toque grudento Toque indiferente Toque macio Textura macia, diferenciada, muito agradável Intenção de Compra Com certeza compraria Provavel- mente compraria Não sei se compraria ou não Provavelmente não compraria Com certeza não compraria
  39. 39. 23 6. RESULTADOS 6.1. Resultado da Avaliação Dermatológica de Compatibilidade Tópica, Irritabilidade Dérmica Primária (IDP), acumulada (IDA) e Sensibilização Dérmica (SD) Como podemos observar na Tabela Resumo 7.1 não houve reações adversas durante o uso do creme proposto. Tabela Resumo 7.1: Teste IDP,IDA e SD versus Reação Positiva TESTE REAÇÃO POSITIVA* IDP 0 IDA 0 SD 0 *-Numero de sujeitos submetidos ao teste As Tabelas 8 e 9 abaixo mostram em detalhes os resultados das avaliações dermatologias de irritabilidade dérmica primaria, acumulada e sensibilização dérmica respectivamente.
  40. 40. 24 TABELA 8: Resultados obtidos nas avaliações de Irritação Dérmica Primária e Acumulada. Legenda: Escala de Leitura do ICDRG A B A B A B A B A B A B A B A B A B A B 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 F EXCLUIDO F F F F F F F F F NÃO SELECIONADO F F F F F F F IDP IDA Dias de Avaliações dos Sítios após Aplicação dos Apósitos F Vol. F 3° 5° 3° 5° 8° 10° 12° 15° 17° 19° Sítios Apósitos A Controle Negativo B Produto Testado
  41. 41. 25 Tabela 9: Resultados obtidos nas avaliações de Sensibilização Dérmica. Legenda: Sítios Apósitos A Controle Negativo B Produto Testado Escala de Leitura do ICDRG Dias de Avaliações dos Sítios após Aplicação dos Apósitos A B A B A B 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 não incluido F F excluido F excluido SD F Vol. 36° 38° 39°
  42. 42. 26 6.2. Resultados da Avaliação Clínica O Gráfico 1 abaixo mostra as médias das notas obtidas inicialmente (T0) e ao final do estudo (T30), segundo os critérios de avaliação clínica para os itens: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão. O percentual de voluntários com algum grau de melhora observada clinicamente após o uso do produto por 30 dias foi de: 65% para Hidratação, 52% para Maciez e 4% para Firmeza conforme mostra o Gráfico 2 abaixo: Todos os 23 voluntários finalizaram o estudo sem apresentar reação constatada ou referida na pele, sob monitoramento dermatológico. O aumento da média indica melhora para o item avaliado. Gráfico 1: Gráfico 2: Os resultados acima foram tratados estatisticamente utilizando-se o teste T de Student e conforme mostrado na Tabela 10 abaixo pudemos observar que houve melhora estatisticamente significativa para os itens: Hidratação e Maciez, após o uso do produto por 30 dias. Tabela 10: Resultados do teste T de Student: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão Item estudado T0 – T30 * Conclusão Hidratação <0,001 Rejeita a hipótese** Maciez <0,001 Rejeita a hipótese** Firmeza 0,328 Não Rejeita a hipótese** Rugas de Expressão 0,328 Não Rejeita a hipótese** 2,702,402,402,303,303,002,502,30HIDRATAÇÃOMACIEZFIRMEZARUGAS DE EXPRESSAOt-0t-30MÉDIA DAS AVALIAÇÕES 65% 52% 4% 0HIDRATAÇÃOMACIEZFIRMEZARUGAS DE EXPRESSÃOPERCENTUAL DE VOLUNTÁRIOS COM MELHORA
  43. 43. 27 * Nível de Significância: 5% ** Hipótese: não existe diferença entre os tempos experimentais, n = 23. 6.3. Avaliação Subjetiva Os gráficos 3, 4, 5 e 6 abaixo mostram os resultados das avaliações subjetivas realizadas no final do estudo (T30), após utilização do produto: 0% 4% 79% 4% 13% Gráfico 6 > RUGAS DE EXPRESSÃO LINHAS MUITO INTENSAS INTENSA MODERADA LEVE AUSENCIA DE RUGAS
  44. 44. 28 6.4. Avaliação de Atributos Físicos Os gráficos 7, 8 e 9 mostram os resultados dos atributos físicos do creme compilados dos questionários recebidos após a avaliação subjetiva com 30 dias de uso. O gráfico 10 mostra os resultados após compilação da intenção de compra por partes dos usuários
  45. 45. 29 O detalhamento dos resultados informando número de sujeitos que foram desclassificados desde início ou foram desclassificados durante os teste estão descritos no Anexo F e Tabelas 8 e 9. 7. DISCUSSÃO 7.1. Segurança de uso O creme contendo Melitina, conforme fórmula expressa no item 3.1, foi avaliado seguindo o protocolo de Estudo Clínico de Compatibilidade Cutânea Tópica, cujo testes envolveram: Avaliação da Irritabilidade Dérmica Primária, Irritabilidade Dérmica Acumulada e Sensibilização Dérmica, nos permitiram considerar que:  Não foi observado potencial de Irritação Dérmica Primária;  Não foi observado potencial de Irritação Dérmica Acumulada;  Não foi observado potencial de Sensibilização Dérmica. 7.2. Avaliação Clinica e Avaliação Subjetiva Uma análise detalhada dos resultados obtidos na avaliação de Eficácia na Redução dos sinais do Envelhecimento Facial, demonstrado pelo Estudo Clínico e Subjetivos nas condições em que a fórmula expressa no item 5.1 foi aplicada nos voluntários é possível considerar que: Na avaliação clínica, o uso do produto por 30 dias proporcionou melhora estatisticamente significativa para os itens Hidratação e Maciez; Para o item Firmeza a melhora foi marginal e sem significância estatística; Para o item Rugas de Expressão (ausência ou diminuição) não houve alteração. De acordo com os resultados da avaliação subjetiva a percepção da maior parte da população de voluntários avaliados que usaram o produto por 30 dias, proporcionou resultados positivos para todos os itens avaliados: Hidratação, Maciez, Firmeza e Rugas de Expressão, conforme demonstrado abaixo:  96% dos voluntários declararam que a pele ficou hidratada ou muito hidratada  56% dos voluntários declararam que a pele apresentou maciez intensa ou muito
  46. 46. 30 intensa  21% dos voluntários declararam que a pele ficou com firmeza intensa ou muito intensa  17% dos voluntários declararam que as rugas de expressão ficaram leves ou ausentes. 7.3. Avaliação de Atributos Físicos Na avaliação de atributos, foi possível observar os seguintes resultados positivos:  39% dos voluntários manifestaram que o cheiro/perfume do produto é bom ou excelente;  82% dos voluntários manifestaram que a espalhabilidade é boa ou fácil;  83% dos voluntários declararam que o toque na pele do produto é macio ou possui a textura macia;  91% dos voluntários manifestaram que provavelmente ou com certeza comprariam o produto. 7.4. Discussão geral O creme proposto não apresentou nenhum indício de alergia ou efeito adverso conforme ficaram demonstrados nos resultados das avaliações de IDP, IDA e SD. Entendemos que a concentração de Melitina presente neste creme, que foi da ordem de 0.085% , mostrou-se seguro ao uso. Nas avaliações clínica e subjetiva o que vimos foram dados positivos para itens como hidratação da pele e maciez após o uso do produto. A resposta positiva no item hidratação pode ser atribuída ao tipo de creme que escolhemos para veicular o ativo Melitina, um cold cream, e esse é reconhecidamente como um creme hidratante de alta performance. No que diz respeito ao aspecto maciez a resposta positiva poderia ser atribuída a presença do octil estearato e do óleo de amêndoas presentes na formulação. Um resultado encorajador foi obtido na avaliação subjetiva onde 17% dos voluntários declararam que houve uma diminuição das rugas ou até ausência delas após 30 dias de uso. Não podemos afirmar e tão pouco negar que a presença da Melitina pode ter influenciado
  47. 47. 31 nesta resposta, que apesar de ser subjetiva, sem valor estatístico, deve ser levada em consideração e explorada em trabalhos futuros. Uma explicação para esta resposta pode ser o mecanismo proposto para a ação da melitina, que segundo LEE (2004), consiste na capacidade do ativo em simular brandamente uma picada de abelha e a reação decorrente disso seria a capacidade de aumentar o fluxo sanguíneo no local bem como a produção de colágeno. Ainda segundo (DUNCAN ,2013), a melitina causa inibição da produção de metaloproteínas da matriz celular e que é importante para a redução de danos ao colágeno. Como sabemos, o colágeno fornece sustentação à pele e é importante para o seu vigor e sua resistência. Alterações em relação a sua estrutura e quantidade parecem ser fatores importantes na formação de rugas (GILCHREST; KRUTMANN, 2007). Outra resposta estimulante foi observada na avaliação de atributo, pois demonstrou que o produto possui um grande potencial de mercado a ser explorado á medida em que a intenção de compra foi da ordem de 93%, um índice sem dúvida elevado. Esse trabalho consiste apenas como um estímulo à procura por novos dados e resultados. Ainda existem pesquisas que devem ser realizadas para a total elucidação da sua atividade, testes em outras concentrações de uso entre outras características pertinentes. 8. CONCLUSÃO O presente trabalho atingiu seu objetivo à medida que demonstrou a inocuidade alergênica do creme proposto contendo Melitina em todos os indivíduos testados e demonstrou melhoras significantes em avaliações clínicas de itens como hidratação e maciez da pele quando comparados ao creme placebo. Apesar de os resultados do estudo clínico não terem demonstrado eficácia no item redução de rugas e resultado marginal no item firmeza, o mesmo não ocorreu nas avaliações subjetivas, os quais tiveram valores relevantes. De certa forma estes valores de avaliação subjetiva foram corroborados com os resultados das avaliações de atributos os quais se mostraram elevados, principalmente na intenção de compra do produto.
  48. 48. 32 9. REFERÊNCIAS: ACTIVE C®/ LA ROCHE-POSAY®. Detalhes do Produto. La Roche Posay, 2013. Disponível em: <http://www.laroche-posay.com.br/produtos-tratamentos/Active- C/ACTIVE-C-p6189.aspx> Acesso em: 28 de out. 2013 ALMARAZ-ABARCA, N.; CAMPOS, M. G.; ÁVILA-REYES, J. A.; NARANJO- JIMÉNEZ, N.; CORRAL, J. H.; GONZÁLEZ-VALDEZ, L. S. Journal of Food Composition and. Analysis. v. 20, p. 119-124, 2007, ALMAS, K.; MAHMOUD, A.; DAHLAN, A.; Indian Journal of Dental Research. v 12, p 21, 2001. ALMEIDA-MURADIAN, L. B.; PAMPLONA, L. C. ; COIMBRA, S. ; BARTH, O. M.; Journal of Food Composition and. Analysis., volume 18, pagina 105, 2005. ANVISA: Guia de Avaliação de Segurança de Produtos Cosméticos. 2003 acesso pelo site: (http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/guia/html/sumario.htm) AZULAY, Rubem David- Dermatologia - 5ª Ed. Rio de Janeiro. Cap. 1, p. 1 - 14, 2008. BASIM, E.; BASIM, H.; ÖZCAN, M.; Journal of Food Engineering. Ano 2006, volume 77, pagina 992. BATISTELA, M. A., CHORILLI, M., LEONARDI, G. R. – Abordagens no estudo do envelhecimento cutâneo em diferentes etnias – Re. Bras. Farm., vol. 88(2), pág 59-62, 2007. BOGDANOV, S.; Apiacta Journal , volume38, pagina 334, 2004. BORELLI, F.; MAFFIA, P.; PINTO, L.; IANARO, A.; RUSSO, A.; CAPASO, F.; IALENTI, A.; Fitoterapia , suplemento 73, pagina53, 2002. CATEC, ANVISA: Parecer Técnico nº 4, de 21 de dezembro de 2010 - (atualizado em 05/07/2011) CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE: Resolução 196/96 do Ministério de Saúde. Diário Oficial, 16/10/1996. COLIPA- THE EUROPEAN COSMETIC TOILETRY AND PERFUMERY ASSOCIATION –. Guidelines for the evaluation of the efficacy of cosmetic products: 2a edição, ano 2001 CORRÊA, M.A. - Cosmetologia: Ciência e Técnica. 1. ed. São Paulo: Medfarma, 2012. CTFA - Cosmetics Toiletries and Fragrance Association. Safety Testing Guidelines, 1991.
  49. 49. 33 DAVOLOS; M.R., FLOR, J., CORREA, M.A.- Protetores Solares. - Quimica Nova, vol. 30 nº1, pag.153 a 158, 2007. DI PAOLA-NARANJO, R. D.; SÁNCHEZ, J. S.; PARAMÁS, A. M. G.; GONZALO, J. C. R.; Journal of Chromatography, volume 1054, pagina205, 2004. DMAE PLUS CREME®/ VALMARI®. Detalhes do Produto. Valmari. 2013. Disponível em: <http://www.valmari.com.br/produtos/clientes/facial-clientes-1-1-1-1-1-1/retroage-dna- action/dmae-plus-creme-30g/>. Acesso em: 28 de out. 2013 DOOMS, H.; GOOSSENS, A. Cosmetics as Causes of Allergic Contact Dermatitis And Cutis. volume 52, paginas 316-320, 1993. DRAELOS, 2009 - DRAELOS, Zoe Diana. Cosmecêuticos 2 edição. Rio de Janeiro: Elsevier, capitulo 8, paginas.65 á 71, 2009 DRAELOS, 2009; KEDE; SABATOVICH, 2009 - KEDE, M. P. V; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia Estética. São Paulo: Atheneu, 2009. DRAIZE, J. H. Appraisal of the safety of chemicals. Foods, drugs and cosmetics. paginas. 46-49,OECD 404, 1965. FIORINI, D., CAPATTO, J., LEITÃO, J. B. S., LEONARDI, G. R.. Dimetilaminoetanol – DMAE: Uma revisão bibliográfica. INFARMA: Volume 20, páginas 17 -20, 2008. FISHER, A. A. Ask the experts - “status cosmeticus” (cosmetic intolerance). American Journal of Contact Dermatitis, volume 6, paginas 250-251, 1995. GARCÍA, M.; PÉREZ-ARQUILLUE, C.; JUAN, T.; JUAN, M. I.; HERRERA, A.; Food Science and Technology International. volume 7, pagina155 , 2001. GEBARA, E. C. E.; LIMA, L. A.; MAYER, M. P. A.; Brazilian. Journal of. Microbiology. volume 33, p. 365, 2002. GILCHREST B.A ;KRUTMANN J. Envelhecimento cutâneo. Rio de Janeiro Guanabara, Koogan, 2007. GOBBO, PRISCILA DAL- Estética Facial Essencial: Orientações para o profissional de estética. São Paulo. Editora Atheneu, 2010 GUERRA, S. S., FANAN, S. - Visão Cosmética dos Radicais Livres. Cosmetic and. Toiletries. Volume 6, paginas.51-54, 1994. GUIMARÃES, G.N., CAMPOS, M. S. M. P., LEONARDI, G.R., DIB-GIUSTI, H. H. K., POLACOW, M. L. O.- Efeito do ultrassom e do dexapantenol na organização das fibras colágenas em lesão tegumentar. Rev Bras Fisioter. Volume.15, n.3, pag.227-232, 2011 HERMITTE, R. – Pele envelhecida: Retinóides e Alfa-Hidroxi-Ácidos. Cosmetic and Toiletries. Vol. 6, pag. 55 – 58, 1994.
  50. 50. 34 HIRATA, L.L.,SATO, M. E. O., SANTOS, C. A. M.,. Radicais Livres e o envelhecimento cutâneo. Acta Farm. Bonaerense volume 23 (3): paginas 418-24, 2004. HOARE, J. - Guia Completo de Aromaterapia. 1. edição. São Paulo:Pensamento, ano 2010. IMPROVE C®/ DERMAGE®. Detalhes do Produto. Dermage. 2013. Disponível em: <http://www.dermage.com.br/novidades/rosto/improve-c-olhos.html>. Acesso em: 28 de out. 2013. KLIGMAN, A. M.; WOODING, W. M. A method for the measurement and evaluation of irritants of human skin. Journal of Investigative Dermatology. volume 49, paginas 78-94, ano 1967 LEE, J.D.; KIM, S.Y.; KIM, T.W.; LEE, S.H.; YANG, H.L.; LEE, D.L.; LEE, Y.H. Anti- inflammatory effect of bee venom on type II collagen-induced arthritis. American Journal of Chinese Medicine,v.32, n.3, p.361-367, 2004.Disponível em http://69.164.208.4/files/Antiinflammatory%20Effect%20of%20Bee%20Venom%20on%20Type%20II%20Collagen-Induced%20Arthritis..pdf. Acesso em 23 mai 2014. LIMPIANGKANAN, M.D.W. 2010 Foto-envelhecimento: Uma revisão da Literatura. 6 ed. Tailândia: Journal Medicine Associate Tailandês Volume.93, Departamento de Medicina de Naresuan: Phitsanulok, volume 93, nº 6, 2010 LINE SMOOTHING EYE CREAM®/ PALMER’S®. Detalhes do Produto. Palmer’s. 2013. Disponível em: <http://www.palmersaustralia.com/products/face-care/line-smoothing-eye- cream/>. Acesso em: 28 de out. 2013 MAILBACH, H. I.; EPSTEIN, W. L. Predictive patch testing for sensitization and irritation. American Perfumary and. Cosmestry, volume 80, . paginas.55-56. 1965 MARZULLI, F. N.; MAILBACH, H. Dermatotoxicology. 7.edição. Florida: CRC Press, 2008. MARZULLI, F. N.; MAIBACH, H. I. Model for evaluating skin irritants: A comparision of results obtained on animals and man using repeated skin exposures. Food And Cosmetic. Toxicology., volume 13, paginas. 533-540, 1975 MARGALEF ESTEVE, M. - Envelhecimento cutâneo. Cosmetic and. Toiletry. Volume 6, n. 2, paginas.42-50, 1994. MAURÍCIO PUPO. -Mecanismo da Formação de Rugas – O Mais Proeminente Sinal do Envelhecimento Cutâneo. Mauríciopupo.com. 2012. Disponível em: <http://www.mauriciopupo.com/wp/?p=187>. Acesso em: 28 out. 2013 MEDA, A.; LAMIEN, C. E.; ROMITO, M.; MILLOGO, J.; NACOULMA, O. G.; Food Chemesty. volume 91, pagina 571, 2005. MEDCIN – Instituto da Pele. WWW.medcinonline.com.br
  51. 51. 35 MELITIN CHEMICAL STRUCTURE: http://www.chemicalregister.com/MELITTIN_FROM_HONEY_BEE_VENOM/Suppliers/pid313585.htm - consultado em 10 de novembro de 2013. MORAES, C. A. P.. Síntese e avaliação da segurança in vitro da turina e do succinato de rutina visando sua incorporação em formulações fotoprotetoras eficazes associados a filtros químicos e físico. 2012. 201p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, 2012. NEODERM COMPLEX®/ ADCOS®. Detalhes do Produto. Adcos. 2013. Disponível em: <http://www.adcos.com.br/produto/139/neoderm_complex_mascara_10_ag>. Acesso em: 28 de out. 2013 ORSOLIC, N.; BASIC, I.; Journal of Enthnopharmacology. ,volume84, pagina 265, 2003. ÖZCAN, M.; ÜNVER, A.; CEYLAN, D. A.; YETISIR, R.; Journal Nahrung- Food ,volume48, pagina188, 2004. PARISH LC, BRENER S, SILVA MR. Women´s Dermatology: Form infancy to maturity.. London. The Parthenon publishing group; paginas 586 – 590, 2001 PERRICONE, 2001- O Fim das Rugas: um método natural e definitivo para evitar o envelhecimento da pele. 2 edição. Rio de Janeiro: Campus, pagina 82, 2001 RAGHURAMAN & CHATTOPADHYAY, 2006- A. Effect of ionic strength on folding and aggregation of the hemolytic peptide melittin in solution, Biopolymers ; volume 83:paginas 111–121, 2006 RIBEIRO, CLAÚDIO - Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. 2. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2010. SERRA-BONVEHÍ, J.; SOLIVA-TORRENTÓ, M.; CENTELLES-LORENTE, E.; Journal. Agriculture And Food Chemistry, volume 49, pagina 1848, 2001 SERUP J. Efficacy testing of cosmetic products. J of the International Society for Bioengineering – Skin Research and Technology,;volume 7: paginas 141-151, 2001 SHAI A, MAIBACH H, BARAN R. Handbook of cosmetic skin care. London: Martin Dunitz;. Paginas 129-133, 2001 SHELANSKI, H. A; SHELANSKI, M. V. A new technique of human patch tests. Proceeding of Scientific. Section of the Toilet. Goods Association, volume. 19, paginas 46- 49, 1979. SÍLVIA, TANIA REGINA – ano 2008 Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO http://www.portaleducacao.com.br/farmacia/artigos/6352/historia-da- cosmetologia#ixzz2WriVd0SC consultado em outubro de 2013 SOBOTTA: Atlas de Anatomia Humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: ano 2000; Volume 2;
  52. 52. 36 SOLANGE TERESINHA CARPES;ADNA PRADO; IVANI APARECIDA M. MORENO; GERSON BARRETO MOURÃO; SEVERINO MATIAS DE ALENCAR; MARIA LÚCIA MASSON; Avaliação do potencial antioxidante do pólen apícola produzido na região sul do Brasil SOMERVILLE, D. C.; NICOL, H. I.; Australian Journal of Experimental. Agriculture. volume 46, pagina141, 2006. SOMERVILLE, D. C.; Australian Journal of Experimental. Agriculture. , volume 45, pagina 1659, 2005. SOUZA; JUNIOR, 2008)- SOUZA, Valéria Maria de; JUNIOR, Daniel Antunes. - Ativos Dermatológicos: Guias de Ativos Dermatológicos Utilizados na Farmácia de Manipulação para Médicos e Farmacêuticos. volume 5, São Paulo: Pharmabooks Editora, 2008 T C TERWILLIGER AND D EISENBERG -The structure of melittin. II. Interpretation of the structure : Journal of Biology and Chemistry, volume 257: paginas6016-6022, 1982 TREVISAN; MENDA, 2011- Site CRQIV região- Carlos A. Trevisan e Mari Menda WALKER, A. P. et al. Test Guidelines for the assessment of skin tolerance of potentially irritant cosmetic ingredients in man. Food and ChemicalToxicology, v. 35, p. 1099-1160, 1997. WILKINSON, D.S.; COL. Terminology of contact dermatites. Acta Dermatovener (Stockolm), volume 50, paginas. 287-292, ano 1970. http://www.crq4.org.br/historiadoscosmeticosquimicaviva -Acesso em 08112013 http://www.farmacam.com.br/monografias/polawaxfarmacam.PDF- consultado em 10 112013. http://www.mapric.com.br/anexos/boletim109_24082007_115848.pdf -Consultado em novembro de 2013 http://www.newhealthguide.org/Almond-Oil-For-Skin.html -Consultado em Nov de 2013 http://msdssearch.dow.com/PublishedLiteratureDOWCOM/dh_0034/0901b80380034a21.pdf?filepath=propyleneglycol/pdfs/noreg/117-01144.pdf&fromPage=GetDoc- consultado em novembro de 2013
  53. 53. 37 10. ANEXOS ANEXO A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EXTRAÇÃO DO VENENO DE ABELHAS O preço de cada grama da apitoxina já alcançou 5 (cinco) vezes mais que o mesmo peso em ouro no mercado internacional, tornando-a uma fonte de renda adicional ao apicultor, ao invés de apenas uma ameaça. Entretanto, o problema estava em como extraí-lo de forma eficiente. O processo utilizado em laboratório de pesquisa tinha o inconveniente de servir apenas para quando se trabalha com abelhas mortas e em pequenas quantidades, de forma artesanal, retirando-se o ferrão do inseto e apertando a extremidade do seu corpo até que saísse toda a apitoxina. Com a criação de um aparelho, em 1987, desenvolvido por Ciro Gomes Protta, deu então um primeiro passo para a extração comercial da apitoxina no Brasil, possibilitando a coleta do veneno de até 10 colmeias simultaneamente. O mais importante foi que não é necessário sacrificar os insetos. Quando as abelhas pousam sobre a placa, recebem um choque e reagem tentando ferroar o vidro e depositando assim, uma carga de veneno. Liberam também uma secreção de ferômonio, que atrai mais abelhas. O veneno perde seus óleos voláteis e adere à placa, sob a forma de um pó de cor marfim. Desligado o aparelho esse material é raspado e conservado sob refrigeração para não se deteriorar. O aparelho em uso conjunto com várias placas de vidro eletrificadas, terá capacidade de extrair cerca de 400 gramas de apitoxina por mês, um aumento de capacidade de extração extraordinária levando-se em conta que cada inseto carrega em seu corpo apenas 10 milionésimos de grama. O apicultor disposto a produzir apitoxina tem que ser extremamente rigoroso nos cuidados técnicos para a coleta do material, já que sua procedência, uniformidade e pureza do veneno serão bastante exigidas. A apitoxina não pode ser exposta ao ar livre e ao calor por muito tempo, sob o risco de alteração na sua composição. Por causa disso, cada utilização do tempo tem que ser feita por um tempo muito curto.
  54. 54. 38 ANEXO B PROTOCOLOS DOS ENSAIOS DE IDP, IDA E SD A Considerações éticas sobre os testes Os estudos foram conduzidos de acordo com as normas de Boas Práticas Clínicas (GCP), as normas internacionais de pesquisa para seres humanos (Declaração de Helsinque) e a resolução nº. 196 de 10 de Outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde e suas complementares. B Seleção de voluntários Amostragem populacional: Foram selecionados 59 voluntários de ambos os sexos de acordo com os critérios de INCLUSÃO e NÃO-INCLUSÃO listados abaixo para realização do estudo. Os indivíduos participantes foram identificados pelas quatro primeiras letras do primeiro nome e a primeira letra do último sobrenome, um número de identificação individual (gerado por sistema eletrônico) e um número protocolar anotados na Ficha Clínica do Voluntário. C Critérios de inclusão Faixa etária: 18 a 60 anos; Fotótipos: I, II, III e IV (Anexo D); Pele da região de teste íntegra; Concordância em obedecer aos procedimentos do ensaio e comparecer à clínica nos dias e horários determinados para as avaliações médicas e para aplicação e leitura dos apósitos; Assinatura de termo de consentimento livre e esclarecido. D Critérios de não-inclusão Gestação e lactação; Uso de drogas antiinflamatórias 30 dias e/ou imunossupressora por até três meses antes da seleção; Doenças que causam supressão da imunidade, tais como Diabetes, HIV, etc.; Antecedentes pessoais de atopia;
  55. 55. 39 ANEXO B (continuação) História de sensibilização ou irritação a produtos tópicos; Patologias cutâneas ativas (locais e/ ou disseminadas) que possam interferir nos resultados do estudo; Uso de novas drogas e / ou cosméticos durante o experimento; Reatividade cutânea; Participação anterior em um estudo com o mesmo produto em teste; Voluntários que apresentam imunodeficiência congênita ou adquirida conhecidas; Histórico clínico relevante ou atual evidência de abuso de álcool ou outras drogas; Histórico conhecido ou intolerância suspeita a qualquer ingrediente dos produtos em estudo (produtos em teste ou comparadores) E Ficha clínica do voluntário Foi gerada uma Ficha Clínica para cada voluntário, sendo que todas as páginas foram identificadas com o número do painel e carimbadas com o número do voluntário (gerado por sistema eletrônico). F Termo de consentimento livre e esclarecido Os indivíduos participantes foram identificados pelas quatro primeiras letras do primeiro nome e a primeira letra do último sobrenome, um número de identificação individual (gerado por sistema eletrônico) e um número protocolar anotados no Termo de Consentimento Livre Esclarecido. Uma cópia do Termo contemplando todas as informações sobre o estudo foi entregue ao voluntário. G Duração do teste Os ensaios de IDP, IDA e SD ao todo duraram seis semanas.
  56. 56. 40 ANEXO C PROTOCOLOS DOS TESTES DE EFICACIA CLINICA E SUBJETIVA A Considerações éticas sobre os testes Este estudo foi conduzido de acordo com as normas de Boas Práticas Clínicas (GCP), as normas internacionais de pesquisa para seres humanos (Declaração de Helsinque) a resolução nº. 196 de 10 de Outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde e suas complementares. B Seleção de voluntários Amostragem populacional: Foram necessários 23 (vinte e três) voluntários para participar do estudo, com os seguintes critérios de inclusão e exclusão listados nos itens abaixo C Critérios de inclusão CHECAGEM DOS CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Fototipo de I à IV na escala de Fitzpatrick; Voluntários do sexo feminino na faixa etária de 35 a 65 anos; Sinais de envelhecimento cutâneo classificados como grau II, III ou IV na escala de Larnier; Concordância em obedecer aos procedimentos do ensaio e comparecer a clínica nos dias e horários determinados para a aplicação e leituras; Assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. D Critérios de não-inclusão CHECAGEM DOS CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO Gestação/lactação ou intenção de engravidar no período do estudo; Uso de drogas anti-inflamatórias, imunossupressoras, anti-histamínicos e/ ou novas drogas por até 15 dias antes da seleção; Antecedentes atópicos ou alérgicos a produtos cosméticos; Patologias e/ou lesões cutâneas ativas (local e/ou disseminadas) na área de avaliação;
  57. 57. 41 ANEXO C (Continuação) Marcas cutâneas na área experimental que interfiram na avaliação de possíveis reações cutâneas (distúrbios da pigmentação, má-formações vasculares, cicatrizes, aumento de pilosidade, efélides e nevus em grande quantidade, queimaduras solares); Patologias que causam supressão da imunidade, tais como diabetes, HIV, etc.; Patologias endócrinas tais como tireoidopatias, distúrbios ovarianos ou de glândula adrenal; Voluntários portadores de imunodeficiência congênita ou adquirida conhecidas; Histórico clínico relevante ou atual evidencia de abuso de álcool ou outras drogas; Histórico conhecido ou intolerância suspeita a produtos da mesma categoria; Exposição solar intensa até 15 dias antes da avaliação; Tratamento estético ou dermatológico na área de avaliação até 04 semanas antes da seleção; Profissionais diretamente envolvidos na realização do presente estudo; Outras condições consideradas pelo médico avaliador como razoáveis para desqualificação da participação do estudo. Se Sim, deverá ser descrito em observação na ficha clínica. E Ficha clínica do voluntário Foi gerada uma Ficha Clínica para cada voluntário, onde todas as páginas foram identificadas com o número de ensaio e carimbadas com o número do voluntário (gerado por sistema eletrônico). F Termo de consentimento livre e esclarecido Os indivíduos participantes tiveram as quatro primeiras letras do primeiro nome e a primeira letra do último sobrenome, um número de identificação individual (gerado por sistema eletrônico) anotados no Termo de Consentimento Livre Esclarecido. Uma cópia do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido contemplando todas as informações sobre o estudo foi entregue ao voluntário. G Duração dos testes Duração de 30 dias, com tolerância de ± 2dias. H Orientações durante o uso:
  58. 58. 42 ANEXO C (Continuação) Modo de uso: - Aplicar uma camada fina do creme sobre a pele friccionando por alguns minutos. Precauções: - Manter o produto bem fechado; - Manter os produtos fora do alcance de crianças; - Caso ocorra contato com os olhos, enxágue e procure a equipe médica da Medcin. Durante o período de teste é importante: - Comunicar ao médico qualquer uso de medicamento ou qualquer outro produto cosmético; - Evitar a mudança de produtos para higiene. Ex.: Hidratantes corporais, sabonetes, desodorantes, etc.; - Comparecer na data combinada; - Evitar exposição ao sol por motivos de bronzeamento; - O produto só deverá ser utilizado durante o período de estudo, somente nas semanas especificadas no modo de uso.
  59. 59. 43 ANEXO D Escala de Fototipos de Fitzpatrick
  60. 60. 44 ANEXO E SOBRE AS MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS Foi utilizado uma pré-mistura de cetearyl alcohol e polysorbate 60 desses componentes cuja marca comercial é conhecida como POLAWAX®, produzida pela empresa Farmacam. Dosado em cerca de 30% do material graxo contido na formulação, esse material difere de maneira significativa dos tipos mais antigos de ceras auto-emulsionantes, visto que suas propriedades emulsionantes de óleo em água não derivam da presença de tensoativos aniônicos ou de álcool graxo sulfatado, de álcalis, gomas e similares. É de natureza não- iônica, não se deteriora com aquecimento de 150 – 152 ºC,é uma cera auto-emulsionante de alta densidade, produzindo emulsões espessas e sólidas sem a adição de outras ceras enrijecedoras em concentrações tão baixas quanto 5%, embora uma concentração de 10% possa proporcionar estabilidade superior. Foi utilizado uma pré-mistura de cetyl acetate, acetylated lanolin cuja marca comercial é conhecida como Crodalan®, produzida pela empresa Croda. É uma mistura de emolientes de álcoois acetilados e álcool de lanolina acetilada, um derivado de lanolina não tensoativo para aplicações em cuidado pessoal. Possui cor clara e baixa viscosidade, é um emoliente dotado de excelentes propriedades de dispersão sobre a pele. É de natureza completamente não pegajosa ou cerosa. Sendo um derivado do álcool de lanolina, por acetilação. Sua elevada capacidade de dispersão sobre a pele proporciona uma agradável sensação de maciez. Compõe cerca de 9% da quantidade de ácidos graxos da formulação. O octyl stearate é um emoliente; ela confere à pele uma aparência macia e suave, evitando a perda de água. Além disso, é também um agente espessante. Compõe outros 9% da quantidade de ácidos graxos da formulação. O óleo de amêndoas é extraído a partir de amêndoas secas por meio de um processo chamado prensagem a frio. Possui em sua composição derivados de vitaminas E, A e D. Também é rico em ácidos oléico e linoléico. É utilizado principalmente como um produto de cuidado de pele. Alguns benefícios incluem alto poder hidratante e de lubrificação mantendo a umidade da pele por mecanismo de oclusão. Além disso, possui capacidade de ser absorvido pela pele podendo restaurar o pH normal da pele e permitir que a pele tenha brilho, preservando assim a sua umidade.
  61. 61. 45 ANEXO E (Continuação) O BHT ou Butilhidroxitolueno é comercializado sob a forma de cristais brancos finos e é solúvel em diversos óleos e gorduras. É um dos antioxidantes mais utilizados possuindo um custo benefício excelente. O Propileno Glicol USP/EP é completamente miscível em água e muitos materiais orgânicos como álcoois, ésteres, éteres, aldeídos, assim como muitos óleos e gorduras vegetais e animais. Esta propriedade é benéfica na solubilização e estabilização de produtos para cosméticos e alimentos. A sua baixa toxicidade permite que seja utilizado como aditivo direto em alimentos e produtos farmacêuticos. Tem capacidade de atrair e reter água em um produto. Em emulsões de cremes para as mãos óleo-em-água (O/A) típicas, o propileno glicol ajuda a estabilizar a emulsão e também atua hidratando a pele aliviando o ressecamento. Produtos contra envelhecimento contendo colágeno são desenhados para rejuvenescer a camada dérmica da pele. A habilidade do propileno glicol em penetrar através da pele pode aumentar a efetividade de produtos contendo colágeno. O pólen apícola é um aglomerado de pólen de flores de várias fontes vegetais, os quais são coletados pelas abelhas e misturados com néctar e secreções das glândulas hipofaringeanas, como as enzimas α e β-glicosidase. (SERRA-BONVEHÍ et.al, 2001). O pólen contém nutrientes como carboidratos, proteínas, aminoácidos, lipídeos, vitaminas e minerais, além de carotenóides, flavonoides e fitosterois (SERRA-BONVEHÍ et.al, 2001) sendo o motivo da sua utilização como alimento alternativo e/ou suplemento alimentar. (D. C. et.al, 2006). O pólen, a própolis e o mel têm recentemente recebido atenção especial entre os pesquisadores de todo o mundo, devido principalmente as suas propriedades biológicas, como atividade antibacteriana (PÉREZ-ARQUILLUE et.al, 2006), antifúngica (PÉREZ- ARQUILLUE et. al, 2001), antiinflamatória (BORELLI et. al., 2002), anticariogênica (ALMAS et. al, 2002) e imunomodulatória (ORSOLIC, 2003). Estudos têm demonstrado que a ação biológica do pólen é devida à presença de compostos fenolicos, tais como flavonoides, ácidos fenolicos e diterpenos fenolicos, que dentre outras propriedades biológicas possuem ação antioxidante (BOGDANOV, 2004).
  62. 62. 46 ANEXO F INFORMAÇÕES DETALHADAS SOBRE CRITÉRIOS EXCLUSÃO DE DADOS Irritabilidade Dérmica Primaria Nenhum dos 58 voluntários iniciantes apresentou reação positiva ao produto ou aos controles. A voluntária 49 foi excluída, pois fez somente a visita 01 referente a essa fase, não retornando para as demais visitas do estudo. Concluíram esse período de estudo 57 voluntários, entretanto 06 resultados não foram considerados como válidos devido a 05 ausências (voluntários 05, 24, 26, 27 e 30). A Tabela 6 apresenta os resultados individuais da Irritação Dérmica Primária. Irritabilidade Dérmica Acumulada Nenhum dos 58 voluntários iniciantes apresentou reação positiva ao produto ou aos controles. A voluntária 49 foi excluída, pois fez somente a visita 01 referente a essa fase, não retornando para as demais visitas do estudo. 57 voluntários finalizaram e as ausências não comprometeram os resultados obtidos, conforme representado na Tabela 8. Sensibilização Dérmica Finalizaram essa fase 56 voluntários dos 57 que iniciaram. . A voluntária 56 não compareceu às visitas 10 e 11 pertencentes à Sensibilização Dérmica, assim não houve aplicação do produto nem tampouco foram coletadas leituras. Não houve prejuízo aos dados referentes às fases anteriores.

×