Hyoujun Sagyou e Ikko Nagashi

782 visualizações

Publicada em

Muito se fala em Trabalho Padronizado, vamos ver um pouquinho sobre como isso é feito nas empresas japonesas. Vale lembrar que trata-se de um introdução, nossas montadoras sempre falam deste tema, mas no Japão a conotação é um pouco diferente e junto com outros conceitos isso se fortalece muito mais.

Publicada em: Indústria automotiva
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
782
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hyoujun Sagyou e Ikko Nagashi

  1. 1. Hyoujun Sagyou/Ikko Nagashi “Trabalho Padronizado e One Piece Flow” HYOUJUN SAGYOU - 標準 作業 (Trabalho Padronizado) é a definição do trabalho necessário de um operador para cada etapa de um processo. IKKO NAGASHI - 一個 流 し (One Piece Flow) é o conceito de criação de um processo para que um item seja trabalhado um pedaço de cada vez, um passo de cada vez. Estritamente falando, Trabalho Padronizado pode ser preparado para processos que não foram concebidos de acordo com princípios do TPS. Mas, se uma linha é projetada de acordo com o conceito de One Piece Flow, ela estará de acordo com os princípios do TPS. Use IKKO NAGASHI (One Piece Flow) para encontrar e eliminar os produtos ou peças defeituosas. Assim, você pode reduzir a taxa de retrabalho ou reduzir o número de peças refugadas. Em outra nota, o termo usual para fluxo dentro TPS é Nagare (流 れ) e não Nagashi (流 し). Qual é a distinção e que isso importa? Nagare é fluir a forma como um rio corre. Nagashi é a forma substantiva do verbo transitivo Nagasu que, neste contexto, significa "derramar". Ikko nagashi (一個 流 し) é, portanto, mais como "uma peça" em vez de "fluxo de uma peça." É algo que você faz acontecer, não é algo que acontece em seu próprio como a água fluindo corrente abaixo. Você pega uma peça de cada vez na linha de produção, e sai um produto acabado em um momento, no outro extremo da linha. HYOUJUN SAGYOU (Trabalho Padronizado): Cada operador pode fazer o passo certo de uma operação de montagem. Assim, você pode eliminar a montagem errada. Outro benefício é com meios de tempo definidos, pois com padrão de trabalho, você pode criar boas linhas balanceadas. Lean é um sistema integrado que inclui muitas ferramentas, tais como fluxo de peça única e de trabalho padrão. Na concepção de célula de trabalho de fabricação ambos são elementos-chave. O fluxo de peça única, se implementado corretamente e com sucesso pode potencialmente reduzir o estoque, prazo de entrega e custo. Trabalho Padronizado é significativamente importante no ambiente de célula de trabalho e concepção de tempo do ciclo. É também reduzir a variação do processo e melhorar a qualidade dos produtos.
  2. 2. Em algumas literaturas ou em conversas com pessoas que trabalham na Toyota, podemos encontrar uma diferença linguísitica importante que precisa ser esclarecida para que não se confunda 標準 作業 HYOUJUN SAGYOU (Trabalho Padronizado) e 作業標準SAGYOU HYOUJUN (Padrão de Trabalho). Embora algumas pessoas na Toyota faz isso, para outros, como John Shook ou Chihiro Nakao, sua definição como "o trabalho necessário de um operador para cada etapa de um processo" se aplica ao "padrão de trabalho", não "trabalho padrão." Eles reservam 標準作業 HYOUJUN SAGYOU (Trabalho Padronizado) para os gráficos-combinação de trabalho que mapeiam o caminho de um operador através de várias tarefas dentro de um takt. Eu acho que é uma terminologia confusa, e eu prefiro chamar isso de "Gráfico de Trabalho Combinado". É uma ferramenta útil, que muitas vezes é ignorado devido a consequência de seu nome estar sendo usado para outra coisa. Isso acontece com muitas outras ferramentas de TPS. Você usa ferramentas de trabalho padrão para criar normas de trabalho, ou de Trabalho Padronizado. Trabalho não é Padrão. As três ferramentas de trabalho padrão são: Máquina, Gráfico de Capacidade e a Tabela de Gráfico de Trabalho Combinado. Pense em cada finalidade destas ferramentas. Outro comentário que chama atenção é quando se afirma: "O Trabalho Padronizado é significativamente importante no ambiente de célula de trabalho e na concepção do tempo ciclo." Vale ressaltar que o tempo disponível dividido pela demanda do cliente não é tempo ciclo. Você não pode confundir velocidade da linha com o tempo takt; um erro muito comum entre os profissionais da área que desenvolvem processos e não se atentam aos conceitos de lean manufacturing ou não possuem experiência. Além disso, um fluxo peça (One Piece Flow) é mais para se definir sobre como reduzir o lead-time e inventário do que desenho de um processo. Precisamos então distinguir o que é "trabalho padronizado" em oposição ao "padrão de trabalho" Uma vez que embora se assemelhe na escrita, possuem uma conotação bem distinta e com aplicação própria para cada termo. Quando falamos Trabalho Padrão, damos a impressão de que é uma norma e não há espaço para melhorias. Padronizado implica termos documentos que explicam como o trabalho deve ser realizado nas condições atuais, mas podemos melhorar (melhoria contínua). Nós realmente podemos então chamar os nossos padrões de trabalho "Instruções de Trabalho," de Trabalho Padrão e não de Trabalho Padronizado.
  3. 3. O que precisamos entender é que se "padronizado" é mais apropriado ou não do que "padrão" na tradução para HYOUJUN SAGYOU 標準 作業, pode ser irrelevante pensar em uma tradução direta. O Trabalho Padrão pode ser demasiadamente literal. Ao mesmo tempo, se a tradução descrita desempenha o papel que é suposto para jogar, a tradução não é então enganosa a um grau sério, então não é produtivo discutir sobre a qualidade da tradução. Chamá-la de "SOP" (Procedimento Operacional Padrão), ou "Instruções de Trabalho" passa a ser correto se você entender o papel do conceito. E o conceito é: certifique-se de que o trabalho é feito da forma como foi concebido para ser feito. Independente do exposto acima, é interessante comparar o termo "Padrão de Trabalho" para "Trabalho padronizado", pois isso é algo que Shingo descreve em um de seus livros, mas também é importante lembrar que HYOUJUN SAGYOU é necessário para especificar: a sequência necessária de tarefas, o tempo necessário para concluir o processo (ou seja, tempo do ciclo), e o número de peças de HYOUJUN TE-MOCHI 標準手持ちou "Padrão de Trabalho em processo" (outra tradução, suspeito, mas basta dizer que isso significa o número de peças de trabalho que deve estar na mão"). Uma tradução mais direta de HYOUJUN TE-MOCHI pode ser "[número de] padrão na mão [peças]." Estes três elementos são considerados essenciais, mas HYOUJUN SAGYOU também é esperado para ser uma instrução para o operador sobre a melhor forma de completar a seqüência de tarefas. Por isso, deve ser fácil de entender, e deve incluir ajudas que tornam difícil a cometer erros. Shingo discute em um de seus livros a razão para decidir sobre o termo HYOUJUN SAGYOU 標準 作業 (Trabalho Padrão), ao contrário de SAGYOU HYOUJUN 作業標準(Padrão de trabalho). Talvez Shingo tenha sentido que em "Padrões de Trabalho" faltavam instruções claras sobre a seqüência de tarefas que levariam sem deixar de o "padrão", desejado ou resultado desejado da operação. Padrões de Trabalho explica o resultado desejado sem explicar como chegar lá. E assim ele inverteu o modificador para "Padrão" e isso foi feito para enfatizar que havia uma maneira definida ("padrão") para o trabalho, e que o operador deve seguir esse caminho definido. Trabalho Padrão é implícito, desde que o resultado seja aceitável, isso não importa muito como o operador o obteve. Trabalho Padronizado é implícito que o trabalho deve ser consistente, e sempre feito da mesma maneira. Talvez alguns não concordem e entendam que isso não é correto, mas isso é algo a ser refletido sobre os comentários de Shingo. E também, talvez "Gráfico de Trabalho Combinado" seja o HYOUJUN SAGYOU KUMI-awase hyou 標準作業組み合わせ表, ou "folha combinação padrão de trabalho." Que é como um gráfico de Gantt, em alguns aspectos, e mostra como
  4. 4. as tarefas são combinadas, muitas vezes mostrando como as tarefas manuais e automáticas são coordenadas. Alguns autores realmente chamam 作業 組 み 合 わ せ 表 como "trabalho combinação gráfico" é um descritivo muito longo. A técnica em si é mais útil como uma simulação manual na concepção dos postos de trabalho do operador e que envolvem as interações homem-máquina. Na concepção de células com as máquinas, você deixa cerca de metade do potencial de melhoria da produtividade em cima da mesa, se você não usar Trabalho Padronizado. É claro que, depois de ter usado um gráfico para projetar um trabalho, você pode arrumá-lo e publicá-lo para uso como uma ferramenta de instrução e um lembrete. Alguns os usam até mesmo para montagem manual, mas não é muito útil neste contexto. HYOUJUN SAGYOU 標準 作業 (Trabalho Padrão), é dito dizer então ao trabalhador como executar o seu trabalho, a fim de ser 100% seguro, ter 100% de resultados em qualidade, e ser 100% produtivo. Um pré-requisito para Hyoujun Sagyo é que o trabalho deva ser repititivo. Seu ciclo de tarefas deve fechar no início da próxima. Assim, tendem a pensar que Ikko Nagashi é incorporado em Hyoujun Sagyo. Assim, em Japonês não podemos fazer uma distinção. Não podemos pensar em Ikko-Nagashi sem Hyoujun Sagyo. Em um documento da OMCD, com alguns comentários japoneses. Algumas frases-chave são: "Não existe Hyoujun Sagyo sem Sagyo Hyoujun" (Sagyo Hyoujun = padrões de trabalho = padrões de engenharia, tais como valor de ampere, valor de fluxo spray, ergonomia, ...) "Há três tipos de trabalho padronizado 1°: apenas um SKU é produzido Takt Time = Tempo de Ciclo, 2°: diferentes SKUs são produzidos, muitas combinações são descritas e TT = Média Ponderada de tempo de ciclo, 3°: trabalhos não repetidos, entrega, cheques, troca de ferramenta - tempo total = tempo fixo ". Algumas máquinas de processar várias peças ao mesmo tempo, em operações como tratamento térmico, galvanoplastia, etc... não se adequam bem com outros processo de fluxo único. Mesmo quando os outros também processam várias peças, mas uma de cada vez, os tamanhos de carga raramente coincidem, exigindo buffers (WIP) para a conversão, tornando quase impossível a rastreabilidade, e também prorroga o lead time de produção. Tendo essas máquinas não se elimina a necessidade de normas de trabalho e padrão de trabalho, mas elas são um desafio, e fluxo de uma peça é possível mesmo assim. Como você faz isso?
  5. 5. Muitas vezes, não sem investimento. Às vezes, você pode substituir as máquinas de lote com aquelas que processam uma peça de cada vez, usando uma tecnologia diferente, como você faz, por exemplo, quando você migra tratamento térmico para têmpera por indução. Às vezes, uma máquina de uma peça em um tempo é viável com o mesmo processo, mas você não pode comprar uma de prateleira. Não é comercialmente disponível devido à demanda insuficiente, mas você pode construir uma em sua própria fábrica. Às vezes, você pode usar uma máquina de fluxo contínuo, por exemplo, quando você substituir um forno de transporte com um forno tipo túnel. Pode haver 50 partes em que em todos os momentos, mas há uma que sai a cada 30 segundos. Às vezes, você pode usar uma máquina em um conjunto de peças de encaixe, em vez de um lote de peças idênticas, o que é fluxo de uma peça em termos de produto. É frequente ouvir razões para não fazer isso, como "o nosso sistema de ERP não permite", mas isso serão os paradigmas a serem quebrados. Se você está preso com uma máquina gargalo, você ainda pode isolar o resto de sua linha de produção a partir de sua influência. Você mantem o fluxo de uma peça através das outras operações, acumula cargas de uma peça de cada vez em um buffer de entrada na frente da máquina e retira partes de uma peça de cada vez de seu buffer de saída. Este vale a pena mencionar, pois a maioria das linhas de produção que você vê no campo permite que as máquinas gargalo ditem como todas as outras trabalham. Você vê uma máquina que leva 50 peças de cada vez, e todas as outras máquinas com uma produção de 50 peças é executado por causa disso. Precisamos então abrir nosso olhos, comprender os conceitos e ferramentas de uma forma mais detalhada e partir para a batalha. Como conclusão, pode-se dizer que ainda é necessário investirmos em Trabalho Padronizado e em nosso fluxo produtivo visando sempre racionalizarmos nosso WIP e facilitarmos o entendimento de nossos processos pelos operadores. Para isso precisamos compreender os fundamentos do TPS e da essência de cada conceito pois todos estão associados como por exemplo com o Hyoujun Sagyou, temos o Kamishibai e o Mieruka que se complementam. Créditos do texto a: https://www.linkedin.com/groupItem?view=&gid=4669590&type=member&item=5949984872868102144&trk=groups_m ost_recent-0-b-ttl&goback=%2Egmr_4669590 Por: Jose Donizetti Moraes - 30/12/2014

×