Aula 3 psicologia anormal

2.088 visualizações

Publicada em

Psicologia Anormal

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.088
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 psicologia anormal

  1. 1. Psicologia Anormal
  2. 2. PSICOLOGIA ANORMAL • Psicologia anormal é o estudo dos desvios do comportamento normal e da configuração da personalidade desajustada. • Ela tem por objetivo as neuroses, psicoses, os distúrbios psicossomáticos, o desajustamento social do indivíduo.
  3. 3. Psicose
  4. 4. Psicose • O termo psicose vem do Grego, significando estado mental anormal (psic= mente, ose = condição anormal).
  5. 5. Psicose • É uma forma extrema de desorganização da personalidade, em que o indivíduo psicótico típico tem delírios e alucinações • Falta-lhe o discernimento da natureza de seu real estado • Deficiência da parte do indivíduo em distinguir, avaliar e apreciar a realidade.
  6. 6. Psicose • Psicose é um distúrbio da percepção da realidade; estado de psicose se caracteriza pela agitação, agressividade, impulsividade e outras alterações do comportamento.
  7. 7. Psicose - Sintomas • Alucinação: São percepções falsas de um dos sentidos. A alucinação auditiva é a mais comum, seguido em ordem pela visual, tátil, olfatória e paladar. Podem também ocorrer alterações do equilíbrio e da propriocepção (noção de posicionamento espacial do próprio corpo). As alucinações auditivas podem ser com uma ou várias pessoas falando, assim como música sendo tocada. São vozes que impõe ordens, muitas vezes mandam o paciente pular de uma janela ou ponte. A olfatória costuma estar associada a cheiros desagradáveis como vômitos e fezes. A alucinação visual pode ocorrer com objetos sem forma ou até com pessoas e animais. Pode- se imaginar o corpo sendo tomado por inúmeros insetos ou a presença de pessoas no ambiente.
  8. 8. Psicose - Sintomas • Delírio (delusão): São falsas crenças e convicções que sem mantém apesar de claras evidências contrárias e da implausibilidade dos fatos. Os mais comum é o delírio persecutório, onde o indivíduo acha que há forças externas tentando prejudicá-lo, como conspirações, gás venenoso na tubulação, comida envenenada, câmeras escondidas na sua casa, micro-chips implantados secretamente no cérebro etc… • No delírio de ciúmes, o paciente está convicto que o parceiro comete adultério e imagina evidências em pequenas manchas nas roupas e alterações na posição do banco do carro. Tem certeza que o parceiro vai ao banheiro, não para urinar, mas sim para encontrar o amante dentro da cabine. Coisas absurdas. Nos delírios religiosos o doente pensa ser uma divindade ou ter contacto direto com Deus. Existem também delírios sobre abdução por ETs, clonagem, contato com mortos, etc.
  9. 9. Psicose - Sintomas • Pensamento desorganizado: Alterações do discurso e comportamento bizarro. Incapacidade de formular frases compreensíveis. Conclusões ilógicas como ” uma maçã cabe dentro de uma caneta preta mas não de uma azul”. Criação de palavras que não existem, interrupção de frases no meio, sem completá-la e frases com palavras desconectas.
  10. 10. Psicose - Sintomas • Agitação e agressão: Agitação é um estado agudo de ansiedade, com aumentada atividade motora. Pode ocorrer pela percepção do paciente do quadro psiquiátrico através da alucinações ou alterações de pensamento. Atos de violência podem ocorrer nos delírios persecutórios
  11. 11. Psicose Maníaco- depressiva
  12. 12. Psicose maníaco-depressiva • Atualmente, o termo maníaco-depressivo deve ser empregado com referência a uma pessoa que padeceu de um ou vários episódios de depressão
  13. 13. Psicose maníaco-depressiva • Também denominado de transtorno bipolar é uma desordem cerebral que causa alterações incomuns no humor, energia e capacidade de desempenhar funções. • A psicose maníaco depressiva causa mudanças dramáticas no humor - de super exultante até triste e sem esperança - e essas variações se repetem geralmente com períodos de humor normal entre elas.
  14. 14. Psicose maníaco-depressiva • Mudanças dramáticas na energia e comportamento acompanham essas alterações de humor. Os períodos de "alto" e "baixo" humor são chamados de mania e depressão. Indivíduo com transtorno bipolar costuma ser chamado de "maníaco-depressivo" por leigos.
  15. 15. Psicose maníaco-depressiva • Os sinais e sintomas da fase de mania incluem: • Aumento de energia, atividade e agitação. • Euforia excessiva. • Irritabilidade extrema. • Pensamentos voando e fala muito rápida, pulando de uma idéia para outra. • Falta de concentração. • Pouca necessidade de sono. • Crença irrealista em suas habilidades. • Julgamentos pobres. • Período duradouro de comportamento diferente do usual. • Desejo sexual aumentado. • Abuso de drogas, particularmente álcool, cocaína e remédios para dormir. • Comportamento provocativo, intrusivo ou agressivo. • Negação de que alguma coisa está errada.
  16. 16. Psicose maníaco-depressiva • Os sinais e sintomas da fase de depressão incluem: • Humor ruim, tristeza e ansiedade. • Sentimento de desesperança e pessimismo. • Sentimento de culpa, inutilidade e desamparo. • Perda de interesse ou prazer em atividades que costumava gostar, incluindo sexo. • Queda de energia e sensação de fadiga. • Dificuldade de concentração, de lembrar e tomar decisões. • Irritabilidade e agitação. • Dormir demais ou falta de sono. • Alterações no apetite e ganho ou perda de peso não intencional. • Pensamentos suicidas e de morte, ou tentativa de suicídio.
  17. 17. Psicose maníaco-depressiva • Embora os episódios de mania e depressão naturalmente venham e vão, é importante entender que o transtorno bipolar é uma doença que atualmente não tem cura. Seguir o tratamento, até nos momentos em que a pessoa está bem, pode ajudar a manter a doença sobre controle e reduzir as chances de ter episódios recorrentes mais graves.
  18. 18. Psicose Alcoólica
  19. 19. Psicose alcoólica • O uso excessivo e prolongado do álcool acarreta perturbações mentais, causadas diretamente pela ação do álcool sobre o organismo. Devemos reconhecer, também, que o uso imoderado do álcool afrouxa a tal ponto o controle do indivíduo sobre si próprio que as dificuldades básicas, anteriormente resolvidas com os recursos da sua personalidade, irrompem como autênticos distúrbios durante o alcoolismo.
  20. 20. Psicose alcoólica - Sintomas • Excitação, dificuldade de ser mantido no leito. • Ansiedade, inquietação, medo, angústia. • Tremores, especialmente na face, língua e dedos. • Irritabilidade, insubordinação, agitação psicomotora. • Idéias delirantes as mais diversas. • Perda do apetite. • Insônia. • Convulsões. • Alucinações auditivas e visuais
  21. 21. Ansiedade
  22. 22. Ansiedade • O paciente é tomado por sentimentos generalizados e persistentes de intensa angústia sem causa objetiva. • Há uma exagerada a ansiosa preocupação consigo próprio.
  23. 23. Ansiedade • O termo "ansiedade" tem várias definições nos dicionários não técnicos: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, entre outros.
  24. 24. Ansiedade • Levando-se em conta o aspecto técnico, devemos entender ansiedade como um fenômeno que ora nos beneficia, ora nos prejudica, dependendo das circunstâncias ou intensidade, e que tornar-se patológico, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal). • A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações.
  25. 25. Ansiedade: Sintomas • Os transtornos da ansiedade têm sintomas muito mais intensos do que aquela ansiedade normal do dia a dia. Eles aparecem como: • Preocupações, tensões ou medos exagerados (a pessoa não consegue relaxar) • Sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer • Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho • Medo extremo de algum objeto ou situação em particular • Medo exagerado de ser humilhado publicamente • Falta de controle sobre pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade • Pavor depois de uma situação muito difícil.
  26. 26. Ansiedade: Tratamento • Existem três tipos de tratamento para os transtornos de ansiedade: • Medicamentos (sempre com acompanhamento e receita médica) • Psicoterapia com psicólogo ou médico psiquiatra • Combinação dos dois tratamentos (medicamentos e psicoterapia).
  27. 27. Reação fóbica • A fobia é um medo persistente e irracional de um determinado objeto, animal, atividade ou situação que represente pouco ou nenhum perigo real, mas que, mesmo assim, provoca ansiedade extrema.
  28. 28. Reação fóbica • O medo, por si só, é uma reação psicológica e fisiológica perfeitamente que surge em resposta a uma possível ameaça ou situação de perigo. Já a fobia não segue uma lógica propriamente dita, e a ansiedade nesses casos é incoerente com o perigo real que aquilo representa.
  29. 29. Reação fóbica • As mais comuns são alturas, espaços fechados, elevadores, sujeiras, germes, pessoas estranhas e escuridão. • Agorafobia: medo de lugares abertos ou públicos; • Batofobia: medo de profundidades; • Claustrofobia: medo de lugares fechados; • Demofobia: medo de multidão; • Hidrofobia: medo de água; • Patofobia: medo de doenças; • Tanatofobia: medo da morte. •
  30. 30. Reação fóbica • Reações fóbicas comuns • Catsaridafobia – Medo de baratas • Aracnofobia – Medo de aranhas • Glossofobia – Medo de falar em público • Hematofobia – Medo de sangue • Nictofobia – Medo da noite ou escuro
  31. 31. Reação fóbica • Fobias estranhas • Alectorofobia – Medo de Galinhas • Anuptafobia – Medo de ficar solteiro • Botanofobia – Aversão a plantas • Caliginefobia – Medo de mulheres bonitas • Androfobia – Medo de homens • Clinofobia – Medo de ir para a cama • Coulrofobia – Medo de palhaços • Cronofobia – Medo da passagem do tempo
  32. 32. Reação fóbica • Fobias estranhas • Efebofobia – Aversão a adolescentes • Ergofobia – Aversão ao trabalho • Falacrofobia – Medo de ficar careca • Gamofobia – Aversão ao casamento • Nostofobia – Medo de voltar para casa • Penterafobia – Medo da sogra • Ombrofobia – Medo da chuva • Ablutofobia – Medo de tomar banho • Pogonofobia – Medo de barbas
  33. 33. Quais os Seus Medos?
  34. 34. Reação de Conversão
  35. 35. Reação de conversão • A reação de conversão é um condição médica em que os pacientes apresentam sintomas neurológicos como dormência, cegueira e paralisia, ou crises não epilépticas sem causas neurológicas. • Pensa-se que estes problemas surgem em resposta a dificuldades na vida dos pacientes (ocorre mais em pessoas de baixa renda)
  36. 36. Reação de conversão • Anteriormente conhecido como "histeria", a reação de conversão tem sido conhecido desde há milénios, apesar de ter surgido com maior proeminência no fim do século XIX. • O termo "conversão" tem a sua origem na doutrina de Freud, na qual a ansiedade é "convertida" em sintomas físicos. Apesar de pensar-se que teria desaparecido do mundo ocidental no século XX. algumas pesquisas sugeriram que é tão comum como outrora
  37. 37. Transtorno obsessivo compulsivo
  38. 38. Transtorno obsessivo compulsivo • O transtorno obsessivo-compulsivo, conhecido popularmente pela sigla TOC, é um distúrbio psiquiátrico de ansiedade. Sua principal característica é a presença de crises recorrentes de obsessão e compulsão.
  39. 39. Transtorno obsessivo compulsivo • Analogicamente falando, uma pessoa com TOC é como um disco riscado, que repete sempre o mesmo ponto daquilo que está gravado. Pacientes deste distúrbio sofrem com imagens e pensamentos que os invadem insistentemente e, muitas vezes, sem que a pessoa possa controlá-los. Para essas pessoas, a única forma de controlar esses pensamentos e a própria ansiedade é por meio de um ritual, que pode ser repetido muitas vezes ao longo do dia. Esse ritual é chamado de compulsão, um tipo de comportamento irracional e repetitivo que segue um padrão de regras e etapas extremamente rígido, geralmente pré-estabelecido pela própria pessoa.
  40. 40. Transtorno obsessivo compulsivo • É muito comum que pacientes com TOC acreditem que, se deixarem de cumprir o ritual, algo terrível poderá acontecer. Esse comportamento tende a agravar-se à medida em que a doença evolui. Por isso, o diagnóstico e o tratamento precoces são muito importantes e essenciais para a recuperação.
  41. 41. Os Delírios de Consumo de Becky Bloom - Trailer
  42. 42. Transtorno obsessivo compulsivo - Tipos • Verificação • Gás ou elétricos botões do fogão (medo de incendio), torneiras de água (medo de inundações), fechaduras e janelas (medo de permitir que um ladrão a arrombar e roubar sua casa), carro (medo do carro ser roubado), carteira e bolsa (medo de perder informações importantes), doença e sintoma on-line ( medo de desenvolver uma doença e verificação constante dos sintomas) ....
  43. 43. Transtorno obsessivo compulsivo - Tipos • Contaminação • Usando banheiros públicos (medo de contrair germes de outras pessoas), agitando as mãos, tocar maçanetas , usar telefones públicos (medo de contrair germes de outras pessoas), espera no consultório de um médico de clínica geral ou visitante em hospitais (medo de contrair germes de outras pessoas), comer em um café / restaurante (medo de contrair germes de outras pessoas), estar em uma multidão (medo de contrair germes de outras pessoas), roupas (ter que sacudir roupas para remover as células mortas da pele, medo de contaminação), limpeza de cozinha e banheiro (medo de germes sendo espalhado para a família) • Acumulação • Incapacidade de descartar bens inúteis ou desgastados.
  44. 44. Transtorno obsessivo compulsivo - Tipos • Pensamentos de relacionamento intrusivos • Constantemente a necessidade de buscar confiança e aprovação de um parceiro. • Dúvidas de que um parceiro está sendo fiel. • Dúvidas de que se pode enganar em seu parceiro. • Questionar a própria sexualidade, e ter sentimentos, pensamentos e impulsos sobre ser atraídos por membros do mesmo sexo. • Sexuais pensamentos intrusivos • Temendo ser um pedófilo e sendo sexualmente atraídos por crianças. • Temendo ser sexualmente atraídos por membros da própria família. • Temendo ser atraídos por membros do mesmo sexo
  45. 45. Transtorno obsessivo compulsivo - Tipos • Religiosos pensamentos intrusivos • Pecados cometidos nunca será perdoado por Deus e um vai para o inferno. • Uma vai ter maus pensamentos em um edifício religioso. • Um vai gritar palavras blasfemas alto em um local religioso. • Orações foram omitidos ou recitado incorretamente. • Algumas orações deve ser dito uma e outra vez. • Objetos religiosos precisam ser tocado ou beijou várias vezes. • Violentos pensamentos intrusivos • Medo de matar pessoas inocentes. • Medo de utilizar facas de cozinha e outros objetos pontiagudos • Medo de saltar na frente de um trem ou ônibus em movimento rápido. • Medo de envenenar a comida de entes queridos
  46. 46. Esquizofrenia
  47. 47. Esquizofrenia • A esquizofrenia é um transtorno mental complexo que dificulta na distinção entre as experiências reais e imaginárias, interfere no pensamento lógico, nas respostas emocionais normais e comportamento esperado em situações sociais. • Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a esquizofrenia não é um distúrbio de múltiplas personalidades. É uma doença crônica, complexa e que exige tratamento por toda a vida.
  48. 48. Esquizofrenia - Sintomas • Delírios • Crenças em fatos irreais ( ex. que está sendo prejudicada de alguma forma ou até mesmo assediada). Pode achar, que determinada pessoa está apaixonada por ela. • Alucinações • Ver e ouvir coisas que não existem • Pensamento desorganizado • Falar coisas sem nexo • Habilidade Motora desorganizada ou anormal • Resistência a instruções, postura inadequada e bizarra • Movimentos inúteis e excessivos. • Ouros sintomas • Não fazer contato visual • Não apresentar emoções • Não alterar as expressões faciais • Isolamento social • Negligência na higiene pessoal
  49. 49. Paranoia
  50. 50. Paranoia • Paranoia se refere a um sentimento de desconfiança persistente, excessivo e mal fundamentado. • Os sentimentos são profundos e o paranoico procura agredir aqueles que estiveram presentes em seus conflitos. • O paranoico é agressivo, porém não se dá conta de sua agressividade.
  51. 51. Paranoia • Transtorno de personalidade paranóide - caso a desconfiança, distanciamento e sensibilidade a críticas tenha início na infância e persista até a idade adulta. • Transtorno delirante paranoide - caso o principal sintoma sejam delírios de perseguição e não sejam parte de sua personalidade. • Esquizofrenia paranoide - do tipo paranoide caso o principal sintoma sejam alucinações hostis e não sejam parte de sua personalidade. • Folie à deux - paranoia induzida por outra pessoa, geralmente dos pais ou cônjuge (genético ou social)
  52. 52. Psicopatia
  53. 53. Psicopatia • Psicopatia e/ou sociopatia é a designação atribuída para um indivíduo portador de uma desordem de personalidade, caracterizada em parte por um comportamento antissocial, diminuição da capacidade de empatia/remorso e baixo controle comportamental.
  54. 54. Psicopatia - Sintomas • Egocentrismo / Sensação grandiosa de autoestima. • Necessidade de estimulação / Tendência ao tédio. • Manipulação. • Falta de remorso e de sentimento de culpa. • Falta de controle comportamental. • Conduta sexual promiscua. • Falta de metas realistas no longo prazo. • Impulsividade. • Incapacidade de aceitar a responsabilidade pelas próprias ações. • Delinquência juvenil. • Revogação da liberdade condicional. • Versatilidade criminal.
  55. 55. Depressão
  56. 56. Depressão • A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. É imprescindível o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.
  57. 57. Depressão - Causas • A depressão é uma doença. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células.
  58. 58. Depressão - Sintomas • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia • Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas • Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis • Desinteresse, falta de motivação e apatia • Falta de vontade e indecisão • Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio
  59. 59. Depressão - Sintomas • Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte. • A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento • Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido • Perda ou aumento do apetite e do peso • Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual)
  60. 60. Hiperatividade
  61. 61. Hiperatividade • A hiperatividade é um estado excessivo de energia, que pode ser motora (física, muscular) ou mental (intenso fluxo de pensamentos). • Em geral o hiperativo é desatento, não possui um bom desempenho na escola e tende a ter problemas com a leitura e outras tarefas acadêmicas. Frequentemente esse transtorno pode ser acompanhado de outros atrasos no desenvolvimento como dificuldade na fala e falta de habilidade
  62. 62. Hiperatividade - Sintomas • Os principais sintomas da hiperatividade em crianças são: • Estar sempre inquieto • Estar sempre se mexendo (pés e mãos) e tamborilando dedos • Sempre se levantar quando é para ficar sentado • Ficar correndo, perambulando e falando excessivamente • Ter dificuldades em participar de brincadeiras calmas • Os principais sintomas da hiperatividade em adultos são: • Inquietude interna e ansiedade • Dificuldade de ficar sentado em reuniões • Tendência a ser workaholic, ou seja, viciado em trabalho • Falar excessivamente • Fumar e ou beber em demasia
  63. 63. TDAH • O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico que aparece na infância e que na maioria dos casos acompanha o indivíduo por toda a vida. O TDAH se caracteriza pela combinação de sintomas de desatenção, hiperatividade (inquietude motora) e impulsividade • O TDAH é um dos transtornos psiquiátricos mais bem estudados no mundo, entretanto existe um questionamento contínuo sobre a sua origem e até o momento não há um consenso científico sobre as suas reais causas.
  64. 64. TDAH - Sintomas • Sintomas comuns de desatenção: • Deixar de prestar atenção a detalhes ou comete erros por descuido em atividades escolares, de trabalho ou durante outras atividades • Ter dificuldade de manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas • Não escutar quando lhe dirigem a palavra • Não seguir instruções e não termina deveres de casa, tarefas domésticas ou tarefas no local de trabalho • Ter dificuldade para organizar tarefas e atividades • Evitar, não gostar ou relutar em se envolver em tarefas que exijam esforço mental prolongado • Ser facilmente distraído por estímulos externos Ser esquecido em relação a atividades cotidianas. • Sintomas comuns de hiperatividade e impulsividade: • Remexer ou batucar mãos e pés ou se contorcer na cadeira • Levantar da cadeira em sala de aula ou outras situações nas quais se espera que permaneça sentado • Ser incapaz de brincar ou se envolver em atividades de lazer calmamente • Não conseguir ou se sentir confortável em ficar parado por muito tempo, em restaurantes, reuniões, etc. • Falar demais • Ter dificuldade de esperar a sua vez
  65. 65. Cleptomania
  66. 66. Cleptomania • Cleptomania é um distúrbio psicopatológico que faz a pessoa começar a roubar coisas diversas inclusive sem valor, como pedaços de giz, sabonetes, canetas, etc., sem muita consciência e muitas vezes sem necessidade para o ato - de lojas, das casas dos outros, da escola ou de outros tipos de lugares.
  67. 67. Hipocondria
  68. 68. Hipocondria • Hipocondria é o quadro em que se tem um medo excessivo e não realista de ter algum sintoma ou condição de saúde que pode ameaçar sua vida e ainda não foi diagnosticado. Nesses quadros, o hipocondríaco tende a ficar ansioso com a doença, mesmo se nenhuma evidência médica justifique a preocupação ou acreditar que qualquer sintoma simples pode evidenciar um problema terrível. Por exemplo: uma dor de cabeça certamente significará um tumor cerebral.
  69. 69. Hipocondria
  70. 70. Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo. Buda

×