SlideShare uma empresa Scribd logo
MÓDULO 1

        OS ESTADOS FÍSICOS
            DA MATÉRIA

            (FRETE 132)




Prof. Marcelo
Não investir no ensino de Ciências equivale a
investir na pobreza intelectual e material, e é
um luxo que não podemos nos dar.
A Ciência é uma arma carregada de futuro.


                                      GOLOMBEK, D. A. (2009)
A palavra ciência vem do latim
scientia, que significa
“conhecimento”.

Ciência é um conjunto organizado de
conhecimentos relativos a um
determinado objeto ou fenômeno,
especialmente os obtidos mediante a
observação, a experiência e um
método próprio. Ciência é uma
atividade humana envolvida na
acumulação de conhecimentos sobre
o universo.
Tecnologia – é o uso do conhecimento científico para manipular
a natureza, o que pode envolver a produção de novas drogas,
automóveis mais seguros, melhorar plásticos, reatores nucleares
etc. Por exemplo, o cientista Wallace Carothers criou o náilon, em
1935. O tecnólogo usa o náilon na fabricação de tapetes.
A poliuretano como biomaterial




O Grupo de Química Analítica e Tecnologia de
Polímeros (GQATP – USP-São Carlos), desde
1984, desenvolve pesquisa pioneira com polímeros
poliuretanos derivados do óleo de mamona com
destaque para a aplicação na área médica.
A poliuretano como biomaterial
Biomaterial: material que apresenta propriedade
química e mecânica semelhante à existente no
organismo.
A poliuretano como
              biomaterial




2003 – o invento recebeu a aprovação da Food and
Drug Administration (FDA)
“Biodegradação de
Poliuretano Derivado     Estudo da
do Óleo de Mamona”       biodegradação da
                         espuma PU obtida a
                         partir do óleo de
                         mamona quando em
                         contato com
                         microrganismos,
                         utilizando os
                         métodos: TG, IV e
     Espuma PU vegetal
          100 x          MEV
POLÍMERO
BIODEGRADÁVEL


        Desde 2000 a Usina da Pedra
        (Serrana-SP) vem fabricando
        PHB (polihidroxibutirato)
        diretamente a partir do açúcar.
        A planta piloto produz de 50 a 60
        toneladas por ano de PHB, que
        já é exportado para o Japão, os
        EUA e a Europa.
AÇÚCAR VIRA PLÁSTICO
   BIODEGRADÁVEL
A produção mundial de bioplásticos
este ano será superior a um milhão
           de toneladas
Embalixo sustentável é alternativa
O BIC Ecolutions, primeiro barbeador     ecológica em substituição às
 da BIC produzido com bioplástico             sacolas plásticas
Coca-Cola lança
        garrafa
     mais ecológica

A Coca Cola lançou a PlantBottle,
uma garrafa PET que diminui em
25% o CO2 emitido durante a
fabricação.
O      produto     tem     etanol
proveniente da cana como
substituto de parte do petróleo e,
por ser 30% à base de planta,
diminui a dependência de recursos
não renováveis.
As transformações em que substâncias se transformam em
outras com propriedades muito diferentes daquelas iniciais
são chamadas de reações químicas. Tudo o que o ser
humano toca, come deve-se à química: matérias plásticas,
ligas metálicas, cerâmicas, componentes eletrônicos, papel,
adubos, detergentes, vidro, filmes etc. No campo da
medicina, químicos isolaram os antibióticos, sintetizaram
drogas para o trata mento da hipertensão, diabetes, artrite,
problemas mentais.
Imensa
versatilidade em se
obter materiais
com diferentes
propriedades
físicas e químicas.
A importância dos
poliuretanos na vida moderna
Alfred Nobel     Linus Pauling
 (1833 – 1896)    (1901 – 1994)
Cerca de 3/4 (75%) da
superfície terrestre são
cobertos pelos mares e
oceanos. A água é
abundante na Terra,
havendo aproximadamente
1.300 trilhões de toneladas.
Introdução
ÁGUA: recurso natural de valor econômico,
ÁGUA
estratégico e social, essencial à existência e
bem estar do homem e à manutenção dos
ecossistemas do planeta.

Especialistas acreditam
que em cerca de 20
anos teremos no mundo
uma crise semelhante ‘a
do petróleo, relacionada
com a disponibilidade de
água de boa qualidade.
Onde está a água no planeta?
A distribuição de água no planeta não é homogênea.




                                        TUNDISI, J. G. (2003)
Água em Números
  -Cerca de 70% do corpo humano
  consiste em água

  -Aproximadamente 34.000 pessoas
  morrem diariamente em consequência
  de doenças relacionadas com a água

  - 65% das internações hospitalares no
  Brasil se devem a doenças de
  veiculação hídrica

  - 9.400 L de água são necessários para
  produzir 4 pneus de carro

                                CTHIDRO (2001)
Água em Números
Um litro de leite    Um pedaço queijo (500g)




Uma garrafa vinho      Um bife de 300 g
Ligações de Hidrogênio

• Ocorrem quando temos o hidrogênio
ligado a átomos pequenos e extremamente
eletronegativos, especialmente o flúor, o
oxigênio e o nitrogênio .
Por que o gelo flutua?

         Na formação do
         sólido, as moléculas
         se afastam umas das
         outras, fazendo com
         que o volume
         aumente. A água se
         expande ao congelar
         e o sólido passa a ter
         menor densidade
         que o líquido.
- As moléculas localizadas
no interior de um líquido
sofrem            atrações
intermoleculares em todas
as direções.
Ciclo Hidrológico
Através da evaporação das águas oceânicas e da
precipitação, é o principal responsável pela reposição da
água doce encontrada no planeta.




                                                   GRASSI, M. T.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciclo biogeoquímico tiago
Ciclo biogeoquímico    tiagoCiclo biogeoquímico    tiago
Ciclo biogeoquímico tiago
marlenevbarbosa
 
Biodegradação de pc bs (2)
Biodegradação de pc bs (2)Biodegradação de pc bs (2)
Biodegradação de pc bs (2)
James Pinho Ladislau Pinho
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
FREDY TELLO
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
JoaoMaga23
 
Biorremediacao
BiorremediacaoBiorremediacao
Biorremediacao
Jacqueline Thomé
 
Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico
bikengineer
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS
CICLOS BIOGEOQUÍMICOSCICLOS BIOGEOQUÍMICOS
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS
Alexandre Pusaudse
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Lowrrayny Franchesca
 
Ciclo Biogeoquímico da água
Ciclo Biogeoquímico da águaCiclo Biogeoquímico da água
Ciclo Biogeoquímico da água
Luiz Neto
 
Ciclo Biogeoquimico
Ciclo BiogeoquimicoCiclo Biogeoquimico
Ciclo Biogeoquimico
Winer Augusto da Fonseca
 
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e EpsilonproteobactériasMicrobiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
adelinacgomes
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
mainamgar
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
Nuno Coelho
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
Teresa Monteiro
 
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Lunna01
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
Leonor Vaz Pereira
 
Aula 05 ciclos biogeoquimicos
Aula 05  ciclos biogeoquimicosAula 05  ciclos biogeoquimicos
Aula 05 ciclos biogeoquimicos
mikerondon
 

Mais procurados (20)

Ciclo biogeoquímico tiago
Ciclo biogeoquímico    tiagoCiclo biogeoquímico    tiago
Ciclo biogeoquímico tiago
 
Biodegradação de pc bs (2)
Biodegradação de pc bs (2)Biodegradação de pc bs (2)
Biodegradação de pc bs (2)
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Biorremediacao
BiorremediacaoBiorremediacao
Biorremediacao
 
Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico Ciclos biogeoquímico
Ciclos biogeoquímico
 
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
51.4.poluição e degradação de recursos2011.ivp.solos.trata.residuos
 
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS
CICLOS BIOGEOQUÍMICOSCICLOS BIOGEOQUÍMICOS
CICLOS BIOGEOQUÍMICOS
 
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas   ciclos biogeoquímicosTrabalho emas   ciclos biogeoquímicos
Trabalho emas ciclos biogeoquímicos
 
Ciclo Biogeoquímico da água
Ciclo Biogeoquímico da águaCiclo Biogeoquímico da água
Ciclo Biogeoquímico da água
 
Ciclo Biogeoquimico
Ciclo BiogeoquimicoCiclo Biogeoquimico
Ciclo Biogeoquimico
 
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e EpsilonproteobactériasMicrobiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
Microbiologia Geral - Proteobactérias - Delta- e Epsilonproteobactérias
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
Decomposição
DecomposiçãoDecomposição
Decomposição
 
Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03Ed amb aula-ecologia-aula-03
Ed amb aula-ecologia-aula-03
 
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 151.1.poluição e degradação de recursos2013  parte 1
51.1.poluição e degradação de recursos2013 parte 1
 
Aula 05 ciclos biogeoquimicos
Aula 05  ciclos biogeoquimicosAula 05  ciclos biogeoquimicos
Aula 05 ciclos biogeoquimicos
 

Destaque

Os Estados Físicos Da MatéRia
Os Estados Físicos Da MatéRiaOs Estados Físicos Da MatéRia
Os Estados Físicos Da MatéRia
nunomoita
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
Carlos Priante
 
Estados fisicos da matéria
Estados fisicos da matériaEstados fisicos da matéria
Estados fisicos da matéria
Silmara Robles
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
Isadora Girio
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
Alda Palmeiro
 
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momentoConferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Física e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matériaFísica e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matéria
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
Karol Maia
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
Carolina Suisso
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGua
TaniaRaquel
 
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
Francisco de Paula Araújo
 
Vaporização
VaporizaçãoVaporização
Vaporização
edna-cristovina
 
A matéria e suas transformações prof. laércio cavalcante
A matéria e suas transformações   prof. laércio cavalcanteA matéria e suas transformações   prof. laércio cavalcante
A matéria e suas transformações prof. laércio cavalcante
Alcance Enem
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Gleyton Gomes
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Rildo Borges
 
Aula1 matéria, suas propriedades e usos
Aula1 matéria, suas propriedades e usosAula1 matéria, suas propriedades e usos
Aula1 matéria, suas propriedades e usos
Maiquel Vieira
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
SESI 422 - Americana
 
Constituição básica da matéria
Constituição básica da matériaConstituição básica da matéria
Constituição básica da matéria
Vitor Caetano
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
TelmoMendes70
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
HannahV08
 

Destaque (20)

Os Estados Físicos Da MatéRia
Os Estados Físicos Da MatéRiaOs Estados Físicos Da MatéRia
Os Estados Físicos Da MatéRia
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Estados fisicos da matéria
Estados fisicos da matériaEstados fisicos da matéria
Estados fisicos da matéria
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Ciclo Da Agua
Ciclo Da AguaCiclo Da Agua
Ciclo Da Agua
 
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momentoConferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
Conferência Infantojuvenil pelo Meio Ambiente 3º momento
 
Física e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matériaFísica e química introdução estado físico da matéria
Física e química introdução estado físico da matéria
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGua
 
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
O movimento estudantil brasileiro como instância de construção de uma consciê...
 
Vaporização
VaporizaçãoVaporização
Vaporização
 
A matéria e suas transformações prof. laércio cavalcante
A matéria e suas transformações   prof. laércio cavalcanteA matéria e suas transformações   prof. laércio cavalcante
A matéria e suas transformações prof. laércio cavalcante
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Aula1 matéria, suas propriedades e usos
Aula1 matéria, suas propriedades e usosAula1 matéria, suas propriedades e usos
Aula1 matéria, suas propriedades e usos
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
 
Constituição básica da matéria
Constituição básica da matériaConstituição básica da matéria
Constituição básica da matéria
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
 

Semelhante a Mod. 1 os estados físicos da matéria - coc

Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptxPlásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Renato Azevedo
 
Momento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptxMomento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptx
CamilaChiquitoPalhar1
 
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.pptTreinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
WellingtonBarbosa63
 
Tb final
Tb finalTb final
Tb final
Jeiel Francis
 
Poluição por plástico e educação ambiental
Poluição por plástico e educação ambientalPoluição por plástico e educação ambiental
Poluição por plástico e educação ambiental
Vera Alfama
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
Marcelo Gomes
 
Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
ggmota93
 
Educação e gestão ambiental
Educação e gestão ambientalEducação e gestão ambiental
Educação e gestão ambiental
INTEC CURSOS PROFISSIONALIZANTES
 
Phil...JD
Phil...JDPhil...JD
Phil...JD
mluisavalente
 
introdução ao aprofundamento Agua solvente universal
introdução ao aprofundamento Agua solvente universalintrodução ao aprofundamento Agua solvente universal
introdução ao aprofundamento Agua solvente universal
lucas543699
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
Claudiney C. Rodrigues
 
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptxpalestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
emailconsultoriaagro
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
manekas123
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Pedro Oliveira
 
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
Cliade
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Jean Silva
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
Flavia Carvalho
 
Meio ambiente, aspectos conceituais e legais
Meio ambiente, aspectos conceituais e legaisMeio ambiente, aspectos conceituais e legais
Meio ambiente, aspectos conceituais e legais
Tamires De Sousa Silva
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Claudinéa Ribeiro Neves
 
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptxAula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
MrcioHenrique50
 

Semelhante a Mod. 1 os estados físicos da matéria - coc (20)

Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptxPlásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
 
Momento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptxMomento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptx
 
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.pptTreinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
 
Tb final
Tb finalTb final
Tb final
 
Poluição por plástico e educação ambiental
Poluição por plástico e educação ambientalPoluição por plástico e educação ambiental
Poluição por plástico e educação ambiental
 
Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02Apresentação gees 05.02
Apresentação gees 05.02
 
Plastico (1)
Plastico (1)Plastico (1)
Plastico (1)
 
Educação e gestão ambiental
Educação e gestão ambientalEducação e gestão ambiental
Educação e gestão ambiental
 
Phil...JD
Phil...JDPhil...JD
Phil...JD
 
introdução ao aprofundamento Agua solvente universal
introdução ao aprofundamento Agua solvente universalintrodução ao aprofundamento Agua solvente universal
introdução ao aprofundamento Agua solvente universal
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptxpalestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
palestra 2 Coletivos Jovens de Meio Ambiente-PIAUI CJMAPI.pptx
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
(Mod._04)_-_Poluicao_da_agua_e_do_solo_-_Residuos_Solidos_e_Lixo_urbano_e_rur...
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
 
Meio ambiente, aspectos conceituais e legais
Meio ambiente, aspectos conceituais e legaisMeio ambiente, aspectos conceituais e legais
Meio ambiente, aspectos conceituais e legais
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
 
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptxAula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
Aula 2 - Projeto Conexões (UFAL) - Pré - Enem..pptx
 

Mais de José Marcelo Cangemi

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
José Marcelo Cangemi
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
José Marcelo Cangemi
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
José Marcelo Cangemi
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
José Marcelo Cangemi
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
José Marcelo Cangemi
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
José Marcelo Cangemi
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
José Marcelo Cangemi
 

Mais de José Marcelo Cangemi (20)

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

Mod. 1 os estados físicos da matéria - coc

  • 1. MÓDULO 1 OS ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA (FRETE 132) Prof. Marcelo
  • 2.
  • 3. Não investir no ensino de Ciências equivale a investir na pobreza intelectual e material, e é um luxo que não podemos nos dar. A Ciência é uma arma carregada de futuro. GOLOMBEK, D. A. (2009)
  • 4. A palavra ciência vem do latim scientia, que significa “conhecimento”. Ciência é um conjunto organizado de conhecimentos relativos a um determinado objeto ou fenômeno, especialmente os obtidos mediante a observação, a experiência e um método próprio. Ciência é uma atividade humana envolvida na acumulação de conhecimentos sobre o universo.
  • 5. Tecnologia – é o uso do conhecimento científico para manipular a natureza, o que pode envolver a produção de novas drogas, automóveis mais seguros, melhorar plásticos, reatores nucleares etc. Por exemplo, o cientista Wallace Carothers criou o náilon, em 1935. O tecnólogo usa o náilon na fabricação de tapetes.
  • 6. A poliuretano como biomaterial O Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros (GQATP – USP-São Carlos), desde 1984, desenvolve pesquisa pioneira com polímeros poliuretanos derivados do óleo de mamona com destaque para a aplicação na área médica.
  • 7. A poliuretano como biomaterial Biomaterial: material que apresenta propriedade química e mecânica semelhante à existente no organismo.
  • 8. A poliuretano como biomaterial 2003 – o invento recebeu a aprovação da Food and Drug Administration (FDA)
  • 9. “Biodegradação de Poliuretano Derivado Estudo da do Óleo de Mamona” biodegradação da espuma PU obtida a partir do óleo de mamona quando em contato com microrganismos, utilizando os métodos: TG, IV e Espuma PU vegetal 100 x MEV
  • 10. POLÍMERO BIODEGRADÁVEL Desde 2000 a Usina da Pedra (Serrana-SP) vem fabricando PHB (polihidroxibutirato) diretamente a partir do açúcar. A planta piloto produz de 50 a 60 toneladas por ano de PHB, que já é exportado para o Japão, os EUA e a Europa.
  • 11. AÇÚCAR VIRA PLÁSTICO BIODEGRADÁVEL
  • 12.
  • 13. A produção mundial de bioplásticos este ano será superior a um milhão de toneladas
  • 14. Embalixo sustentável é alternativa O BIC Ecolutions, primeiro barbeador ecológica em substituição às da BIC produzido com bioplástico sacolas plásticas
  • 15. Coca-Cola lança garrafa mais ecológica A Coca Cola lançou a PlantBottle, uma garrafa PET que diminui em 25% o CO2 emitido durante a fabricação. O produto tem etanol proveniente da cana como substituto de parte do petróleo e, por ser 30% à base de planta, diminui a dependência de recursos não renováveis.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. As transformações em que substâncias se transformam em outras com propriedades muito diferentes daquelas iniciais são chamadas de reações químicas. Tudo o que o ser humano toca, come deve-se à química: matérias plásticas, ligas metálicas, cerâmicas, componentes eletrônicos, papel, adubos, detergentes, vidro, filmes etc. No campo da medicina, químicos isolaram os antibióticos, sintetizaram drogas para o trata mento da hipertensão, diabetes, artrite, problemas mentais.
  • 21. Imensa versatilidade em se obter materiais com diferentes propriedades físicas e químicas.
  • 23. Alfred Nobel Linus Pauling (1833 – 1896) (1901 – 1994)
  • 24. Cerca de 3/4 (75%) da superfície terrestre são cobertos pelos mares e oceanos. A água é abundante na Terra, havendo aproximadamente 1.300 trilhões de toneladas.
  • 25. Introdução ÁGUA: recurso natural de valor econômico, ÁGUA estratégico e social, essencial à existência e bem estar do homem e à manutenção dos ecossistemas do planeta. Especialistas acreditam que em cerca de 20 anos teremos no mundo uma crise semelhante ‘a do petróleo, relacionada com a disponibilidade de água de boa qualidade.
  • 26. Onde está a água no planeta? A distribuição de água no planeta não é homogênea. TUNDISI, J. G. (2003)
  • 27. Água em Números -Cerca de 70% do corpo humano consiste em água -Aproximadamente 34.000 pessoas morrem diariamente em consequência de doenças relacionadas com a água - 65% das internações hospitalares no Brasil se devem a doenças de veiculação hídrica - 9.400 L de água são necessários para produzir 4 pneus de carro CTHIDRO (2001)
  • 28. Água em Números Um litro de leite Um pedaço queijo (500g) Uma garrafa vinho Um bife de 300 g
  • 29.
  • 30. Ligações de Hidrogênio • Ocorrem quando temos o hidrogênio ligado a átomos pequenos e extremamente eletronegativos, especialmente o flúor, o oxigênio e o nitrogênio .
  • 31.
  • 32.
  • 33. Por que o gelo flutua? Na formação do sólido, as moléculas se afastam umas das outras, fazendo com que o volume aumente. A água se expande ao congelar e o sólido passa a ter menor densidade que o líquido.
  • 34. - As moléculas localizadas no interior de um líquido sofrem atrações intermoleculares em todas as direções.
  • 35.
  • 36. Ciclo Hidrológico Através da evaporação das águas oceânicas e da precipitação, é o principal responsável pela reposição da água doce encontrada no planeta. GRASSI, M. T.