SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
COESÃO
José Antonio Ferreira da Silva - ISEP
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Textual
● interligação dos elementos linguísticos na
superfície do texto.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Textual
● Palavras como preposições, conjunções e pronomes
possuem a função de criar um sistema de relações,
referências e retomadas no interior de um texto;
garantindo unidade entre as diversas partes que o
compõe.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Em um texto bem amarrado, isto é, coeso,
há termos (pronomes e advérbios) que
retomam palavras já citadas (Anáfora) e
termos que introduzem novas palavras
(Catáfora):
A voz, o sorriso cínico, a leviandade das opiniões,
tudo me irritava.
Tudo me irritava: a voz, o sorriso cínico, a
leviandade das opiniões.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Outro recurso de coesão referencial é a
substituição. Os termos já citados são
substituidos por outros similares para evitar
a repetição.
 As principais formas coesão referencial por
substituição são: nominalização, nome
genérico, sinônimo e hiperônimo.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Nominalização: consiste em transformar
em substantivos palavras de outras classes
gramaticais: (Amar – amor / Esperto –
esperteza / Necessitar – necessidade etc.)
Eu o amei desde que nos vimos pela
primeira vez. Pensei que você também
compartilhasse desse amor, enganei-me.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Nome genérico: consiste em empregar
nomes genéricos, abstratos, vagos,
imprecisos para retomar um termo já citado:
(coisa, negócio, problema, situação, pessoa,
fato, fenômeno, algo etc.)
O exagero de tempo dedicado aos
videogames sempre nos preocupa. A coisa não
deve passar dos limites.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Sinônimo: emprego de expessões
sinônimas, equivalentes: (Fé – convicção,
crença, confiança. Ajudar – auxiliar, socorrer,
assistir, amparar)
Às crianças cabe levar a sério a brincadeira. Não
será eficiente se os infantes desrespeitarem as
regras dos videogames.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Referencial
 Hiperônimo: palavra de significado
genérico que abrange outras de sentido
específico, podendo substitui-las em
qualquer situação: (Calçado – sandália,
chinelo, sapato, bota, tênis etc.)
A lição que me deram com o famoso videogame
Mario Brothers foi ainda melhor. Não tendo a
paciencia de meus filhos eu vivia cortando
caminho pelos vários atalhos existentes no jogo.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Sequencial
 Consiste em utilizar conjunções, advérbios e
expressões de ligação (operadores
argumentativos) para amarrar o sentido
de um texto, fazendo com que o tema
progrida ao estabelecer relações lógicas
entre as partes.
 As conjunções são os principais operadores
argumentativos:
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Coesão Sequencial
 Pode-se dividir as conjunções em dois grandes
grupos: as coordenativas (introduzem orações
coordenadas) e as subordinativas (introduzem
orações subordinadas).
 As coordenativas são de 5 tipos. As
subordinativas que introduzem orações adverbiais
são de 9 tipos. As subordinativas que introduzem
orações substantivas são de 2 tipos.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Tipo Ideia que encerra
Principais Conjunções ou
Locuções conjuntivas
1 - Aditiva
Soma, adição, acréscimo, fatos
sucessivos ou simultâneos.
e, nem, mas também, mas ainda,
não só, como também.
2 - Adversativa
Oposição mútua entre dois
fatos, contraste, restrição,
adversidade, retificação.
mas, porém, contudo, entretanto,
todavia, no entanto, não obstante.
3 - Alternativa
Fatos que se alternam ou se
excluem mutuamente.
ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer,
já...já, umas vezes...outras vezes,
seja...seja, talvez...talvez.
4 - Conclusiva
Conclusão lógica sobre um
raciocínio expresso
anteriormente.
logo, portanto, por isso, por
conseguinte, pois (depois do verbo),
assim, então, em vista disso.
5 - Explicativa
Justificativa de uma opinião,
explicação, motivo, razão.
que, porque, porquanto, pois (antes
do verbo) senão (quando equivale a
porque).Prof. José Antonio Ferreia da Silva
1 – Não só fez a sua parte, mas também ajudou a mãe.
(Orações coordenadas sindéticas aditivas)
2 – Pedro fuma, e não traga.
(Oração coordenada sindética adversativa)
3 – Ou você me engana, ou não está madura.
(Orações coordenadas sindéticas alternativas)
4 – Meu carro está estragado, portanto não viajarei com ele.
(Oração coordenada sindética conclusiva)
5 – Vamos embora, que a chuva vai desabar.
(Oração coordenada sindética explicativa )
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Oração
Subordinada
Adverbial
Principais
Conjunções
Circunstância
expressa por esse
tipo de oração
Exemplo
1 - Causal
Porque, já
que, visto
que, como,
uma vez
que
Indica a causa que
provoca o fato
expresso na oração
principal.
Não fui ao jogo porque choveu
muito.
(“chover” é a causa de “não ir ao
jogo”)
2- Condicional
Se, caso,
contanto
que, desde
que, a
menos que
Exprime a condição
necessária para a
ocorrência do fato
referido na oração
principal.
Ele virá, contanto que tu peças.
(“pedir” é a condição para ela “vir”)
3- Conformativa
Conforme,
como,
segundo,
consoante
Exprime a
conformidade de
um pensamento
com outro, existente
na oração principal.
Ele agiu como manda o
regulamento.
(Ele não agiu de qualquer jeito, ele
agiu conforme manda o
regulamento)
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Oração
Subordinada
Adverbial
Principais
Conjunções
Circunstância
expressa por esse
tipo de oração
Exemplo
4 - Concessiva
Embora, se
bem que,
ainda que,
mesmo que
Exprime um fato
que poderia
impedir o fato da
ação principal,
mas não o impede.
Mesmo que chova, irei ao jogo.
(“chover” poderia impedi-lo de “ir
ao jogo”, mas não impedirá)
5 - Comparativa
Que, do
que, como,
mais... que,
menos...
que
Estabelece uma
comparação com o
fato expresso na
oração principal.
O rapaz chorava como uma
criança.
(Ele chorava “igual” uma criança
[chora]. Note que na oração
subordinada o verbo está
subentendido )
6 - Consecutiva
Tão que,
tanto que,
tamanho
que, tal que
Indica a
conseqüência ou o
resultado do fato
expresso na oração
principal.
Choveu tanto, que não fui ao jogo.
(“não ir ao jogo” é o resultado de
“chover tanto”)
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
Oração
Subordinada
Adverbial
Principais
Conjunções
Circunstância
expressa por esse
tipo de oração
Exemplo
7 - Final
Para que, a
fim de que,
que
Exprime a
finalidade, o
objetivo do fato
expresso na oração
principal.
Para que você me ouça bem,
gritarei.
(O objetivo de “gritar” é “você
ouvir bem”)
8 - Proporcional
À
proporção
que, à
medida
que,
quanto
mais...
mais
Indica um fato que
ocorre
simultaneamente e
proporcionalmente
ao fato expresso na
oração principal.
Quanto mais fala, mais ele se
confunde.
(“falar e confundir-se” são fatos
proporcionais e simultâneos)
9 - Temporal
Quando,
enquanto,
logo que,
desde que
Expressa o tempo
de ocorrência do
fato da oração
principal.
Ele a odeia, desde que ela o traiu.
(A segunda oração indica quanto
tempo faz que “ele a odeia”.
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
John Lennon chegou mais tarde em casa no dia 8 de
dezembro de 1980. John Lennon tinha hábitos diferentes. John
Lennon estava contrariando os hábitos costumeiros. John
Lennon ocupara o trono de maior astro da música pop
internacional. John Lennon havia se transformado em um pacato
homem doméstico. John Lennon cuidava do filho Sean, de cinco
anos. John Lennon preparava-se para lançar um álbum, “Double
Fantasy”, com a esposa de John Lennon, Yoko Ono.
Na noite do dia 8 de dezembro de 1980, John Lennon
chegou à uma hora da manhã. John Lennon não chegou a entrar
no edifício Dakota, em Nova York. John Lennon morava no
edifício Dakota, em Nova York. John Lennon foi recebido por
cinco tiros, disparados por um desconhecido. O desconhecido
saltou do crime para a prisão. O desconhecido chamava-se Mark
Chapman.
COESÃO TEXTUAL
Prof. José Antonio Ferreia da Silva
John Lennon chegou mais tarde em casa no dia 8 de
dezembro de 1980. Ele tinha hábitos diferentes, portanto Ø
estava contrariando os hábitos costumeiros. Depois que Ø
ocupara o trono de maior astro da música pop internacional, o ex-
Beatle havia se transformado em um pacato homem doméstico:
Ø cuidava do filho Sean, de cinco anos, e Ø preparava-se para
lançar um álbum, “Double Fantasy”, com a sua esposa, Yoko Ono.
Na noite do dia 8 de dezembro de 1980, o ídolo do rock
chegou à uma hora da manhã, mas Ø não chegou a entrar no
edifício Dakota, em Nova York, onde Ø morava. Lennon foi
recebido por cinco tiros, disparados por um desconhecido,
chamado Mark Chapman, que saltou do crime para a prisão.
COESÃO TEXTUAL
Prof. José Antonio Ferreia da Silva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxewww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou SintaxeVideoaulas De Português Apoio
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidadeAFMO35
 
Aula pronome e coesão textual
Aula  pronome e coesão textualAula  pronome e coesão textual
Aula pronome e coesão textualMarcia Oliveira
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)WalterNeyAdosSantos
 
Aula 4 - Crase
Aula 4 - CraseAula 4 - Crase
Aula 4 - CraseGedalias .
 
Relação letra x fonema
Relação letra x fonemaRelação letra x fonema
Relação letra x fonemaAires Jones
 
Gerúndio, gerundismo e articulação textual
Gerúndio, gerundismo e articulação textualGerúndio, gerundismo e articulação textual
Gerúndio, gerundismo e articulação textualma.no.el.ne.ves
 
Preposição e coesão coerência textuais
Preposição e coesão coerência textuaisPreposição e coesão coerência textuais
Preposição e coesão coerência textuaisProfFernandaBraga
 
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação VerbalAngélica Manenti
 
Os conectores preposições e conjunções
Os conectores   preposições e conjunçõesOs conectores   preposições e conjunções
Os conectores preposições e conjunçõesMatheus Alves
 

Mais procurados (20)

Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxewww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Figuras de Construção ou Sintaxe
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Figuras de Construção ou Sintaxe
 
Concordância nominal slides
Concordância nominal slidesConcordância nominal slides
Concordância nominal slides
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Aula pronome e coesão textual
Aula  pronome e coesão textualAula  pronome e coesão textual
Aula pronome e coesão textual
 
Regras do hifen
Regras do hifenRegras do hifen
Regras do hifen
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
PRONOME RELATIVO
PRONOME RELATIVOPRONOME RELATIVO
PRONOME RELATIVO
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
 
O Substantivo
 O Substantivo O Substantivo
O Substantivo
 
Aula 4 - Crase
Aula 4 - CraseAula 4 - Crase
Aula 4 - Crase
 
Relação letra x fonema
Relação letra x fonemaRelação letra x fonema
Relação letra x fonema
 
Gerúndio, gerundismo e articulação textual
Gerúndio, gerundismo e articulação textualGerúndio, gerundismo e articulação textual
Gerúndio, gerundismo e articulação textual
 
Preposição e coesão coerência textuais
Preposição e coesão coerência textuaisPreposição e coesão coerência textuais
Preposição e coesão coerência textuais
 
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal
2ª série E. M. - Conectores, Pronomes, Verbos, Correlação Verbal
 
Os conectores preposições e conjunções
Os conectores   preposições e conjunçõesOs conectores   preposições e conjunções
Os conectores preposições e conjunções
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 

Destaque

Atividade 3 (apontamentos)
Atividade 3 (apontamentos)Atividade 3 (apontamentos)
Atividade 3 (apontamentos)Iga Almeida
 
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - alunoelannialins
 
Frase, período, oração
Frase, período, oraçãoFrase, período, oração
Frase, período, oraçãoCassandra Cruz
 
Valores semânticos das conjunções 2012
Valores semânticos das conjunções 2012Valores semânticos das conjunções 2012
Valores semânticos das conjunções 2012noamresnick
 
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdoLp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdogoogle
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALDébora Costa
 
Planejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaPlanejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaSolange Vargas
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoThiago Rodrigues
 
Frase, oração e período 7º ano informática
Frase, oração e período   7º ano informáticaFrase, oração e período   7º ano informática
Frase, oração e período 7º ano informáticaClenice Matheus
 
Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Sergio Santos
 
Plano de Aula - Português
Plano de Aula - PortuguêsPlano de Aula - Português
Plano de Aula - Portuguêsmarciopakram
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período compostoandreiaarruda
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...Angélica Manenti
 
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Pework
 
Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e períodoMara Virginia
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidosimonclark
 

Destaque (19)

Atividade 3 (apontamentos)
Atividade 3 (apontamentos)Atividade 3 (apontamentos)
Atividade 3 (apontamentos)
 
Palavras
PalavrasPalavras
Palavras
 
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno
6 anolp aluno2caderno de apoio pedagógico - aluno
 
Frase, período, oração
Frase, período, oraçãoFrase, período, oração
Frase, período, oração
 
Valores semânticos das conjunções 2012
Valores semânticos das conjunções 2012Valores semânticos das conjunções 2012
Valores semânticos das conjunções 2012
 
Caderno - Lógica
Caderno - LógicaCaderno - Lógica
Caderno - Lógica
 
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdoLp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
Lp Aula 06 Frase, OraçãO E PeríOdo
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
 
Planejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesaPlanejamento de aula de língua portuguesa
Planejamento de aula de língua portuguesa
 
Frase, Oração e Período
Frase, Oração e PeríodoFrase, Oração e Período
Frase, Oração e Período
 
Frase, oração e período 7º ano informática
Frase, oração e período   7º ano informáticaFrase, oração e período   7º ano informática
Frase, oração e período 7º ano informática
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1Frase,oração e período 1
Frase,oração e período 1
 
Plano de Aula - Português
Plano de Aula - PortuguêsPlano de Aula - Português
Plano de Aula - Português
 
Período simples e período composto
Período simples e período compostoPeríodo simples e período composto
Período simples e período composto
 
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
9º ano E. F. II - Período Simples e Composto, Período Composto por Subordinaç...
 
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações) Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
Conjunções e locuções conjuncionais (orações)
 
Frase, oração e período
Frase, oração e períodoFrase, oração e período
Frase, oração e período
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
 

Semelhante a Coesão

fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxBruna Dantas
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestreMarcia Facelli
 
Slide verbos - 6 anos.pdf
Slide verbos - 6 anos.pdfSlide verbos - 6 anos.pdf
Slide verbos - 6 anos.pdfgeroboaosouza
 
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdf
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdfPortugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdf
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdfAdryasophiaRochapied
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - VerbosApoioAulas ParticularesCom
 
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17luisprista
 
Capítulo – verbo
Capítulo  – verboCapítulo  – verbo
Capítulo – verboLucas Jansen
 
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisGramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisCarson Souza
 
Slides cap. 3 6 ano
Slides cap. 3 6 anoSlides cap. 3 6 ano
Slides cap. 3 6 anoFiama Cutrin
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAna Vaz
 

Semelhante a Coesão (20)

Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 
Gramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdfGramática - módulo 1.pdf
Gramática - módulo 1.pdf
 
Tipos de Sujeito
Tipos de SujeitoTipos de Sujeito
Tipos de Sujeito
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
Portugues sujeito e predicado
Portugues  sujeito e predicadoPortugues  sujeito e predicado
Portugues sujeito e predicado
 
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptxfraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
fraseoraoeperiodo-keu-110320144846-phpapp01.pptx
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestre
 
Denotação.docx
Denotação.docxDenotação.docx
Denotação.docx
 
Tempos verbais dicas
Tempos verbais dicasTempos verbais dicas
Tempos verbais dicas
 
Slide verbos - 6 anos.pdf
Slide verbos - 6 anos.pdfSlide verbos - 6 anos.pdf
Slide verbos - 6 anos.pdf
 
O pronome
O pronomeO pronome
O pronome
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
 
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdf
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdfPortugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdf
Portugues Plano de Aula Ortografia Acentuando 4º ano.pdf
 
As palavras que e se
As palavras que e seAs palavras que e se
As palavras que e se
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
 
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 17
 
Capítulo – verbo
Capítulo  – verboCapítulo  – verbo
Capítulo – verbo
 
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos VerbaisGramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
Gramática - Predicação Verbal e Complementos Verbais
 
Slides cap. 3 6 ano
Slides cap. 3 6 anoSlides cap. 3 6 ano
Slides cap. 3 6 ano
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva

Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisJosé Antonio Ferreira da Silva
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva (20)

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Pratica livro
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
 

Último

Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 

Último (20)

Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 

Coesão

  • 1. COESÃO José Antonio Ferreira da Silva - ISEP Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 2. Coesão Textual ● interligação dos elementos linguísticos na superfície do texto. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 3. Coesão Textual ● Palavras como preposições, conjunções e pronomes possuem a função de criar um sistema de relações, referências e retomadas no interior de um texto; garantindo unidade entre as diversas partes que o compõe. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 4. Coesão Referencial  Em um texto bem amarrado, isto é, coeso, há termos (pronomes e advérbios) que retomam palavras já citadas (Anáfora) e termos que introduzem novas palavras (Catáfora): A voz, o sorriso cínico, a leviandade das opiniões, tudo me irritava. Tudo me irritava: a voz, o sorriso cínico, a leviandade das opiniões. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 5. Coesão Referencial  Outro recurso de coesão referencial é a substituição. Os termos já citados são substituidos por outros similares para evitar a repetição.  As principais formas coesão referencial por substituição são: nominalização, nome genérico, sinônimo e hiperônimo. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 6. Coesão Referencial  Nominalização: consiste em transformar em substantivos palavras de outras classes gramaticais: (Amar – amor / Esperto – esperteza / Necessitar – necessidade etc.) Eu o amei desde que nos vimos pela primeira vez. Pensei que você também compartilhasse desse amor, enganei-me. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 7. Coesão Referencial  Nome genérico: consiste em empregar nomes genéricos, abstratos, vagos, imprecisos para retomar um termo já citado: (coisa, negócio, problema, situação, pessoa, fato, fenômeno, algo etc.) O exagero de tempo dedicado aos videogames sempre nos preocupa. A coisa não deve passar dos limites. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 8. Coesão Referencial  Sinônimo: emprego de expessões sinônimas, equivalentes: (Fé – convicção, crença, confiança. Ajudar – auxiliar, socorrer, assistir, amparar) Às crianças cabe levar a sério a brincadeira. Não será eficiente se os infantes desrespeitarem as regras dos videogames. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 9. Coesão Referencial  Hiperônimo: palavra de significado genérico que abrange outras de sentido específico, podendo substitui-las em qualquer situação: (Calçado – sandália, chinelo, sapato, bota, tênis etc.) A lição que me deram com o famoso videogame Mario Brothers foi ainda melhor. Não tendo a paciencia de meus filhos eu vivia cortando caminho pelos vários atalhos existentes no jogo. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 10. Coesão Sequencial  Consiste em utilizar conjunções, advérbios e expressões de ligação (operadores argumentativos) para amarrar o sentido de um texto, fazendo com que o tema progrida ao estabelecer relações lógicas entre as partes.  As conjunções são os principais operadores argumentativos: Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 11. Coesão Sequencial  Pode-se dividir as conjunções em dois grandes grupos: as coordenativas (introduzem orações coordenadas) e as subordinativas (introduzem orações subordinadas).  As coordenativas são de 5 tipos. As subordinativas que introduzem orações adverbiais são de 9 tipos. As subordinativas que introduzem orações substantivas são de 2 tipos. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 12. Tipo Ideia que encerra Principais Conjunções ou Locuções conjuntivas 1 - Aditiva Soma, adição, acréscimo, fatos sucessivos ou simultâneos. e, nem, mas também, mas ainda, não só, como também. 2 - Adversativa Oposição mútua entre dois fatos, contraste, restrição, adversidade, retificação. mas, porém, contudo, entretanto, todavia, no entanto, não obstante. 3 - Alternativa Fatos que se alternam ou se excluem mutuamente. ou, ou...ou, ora...ora, quer...quer, já...já, umas vezes...outras vezes, seja...seja, talvez...talvez. 4 - Conclusiva Conclusão lógica sobre um raciocínio expresso anteriormente. logo, portanto, por isso, por conseguinte, pois (depois do verbo), assim, então, em vista disso. 5 - Explicativa Justificativa de uma opinião, explicação, motivo, razão. que, porque, porquanto, pois (antes do verbo) senão (quando equivale a porque).Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 13. 1 – Não só fez a sua parte, mas também ajudou a mãe. (Orações coordenadas sindéticas aditivas) 2 – Pedro fuma, e não traga. (Oração coordenada sindética adversativa) 3 – Ou você me engana, ou não está madura. (Orações coordenadas sindéticas alternativas) 4 – Meu carro está estragado, portanto não viajarei com ele. (Oração coordenada sindética conclusiva) 5 – Vamos embora, que a chuva vai desabar. (Oração coordenada sindética explicativa ) Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 14. Oração Subordinada Adverbial Principais Conjunções Circunstância expressa por esse tipo de oração Exemplo 1 - Causal Porque, já que, visto que, como, uma vez que Indica a causa que provoca o fato expresso na oração principal. Não fui ao jogo porque choveu muito. (“chover” é a causa de “não ir ao jogo”) 2- Condicional Se, caso, contanto que, desde que, a menos que Exprime a condição necessária para a ocorrência do fato referido na oração principal. Ele virá, contanto que tu peças. (“pedir” é a condição para ela “vir”) 3- Conformativa Conforme, como, segundo, consoante Exprime a conformidade de um pensamento com outro, existente na oração principal. Ele agiu como manda o regulamento. (Ele não agiu de qualquer jeito, ele agiu conforme manda o regulamento) Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 15. Oração Subordinada Adverbial Principais Conjunções Circunstância expressa por esse tipo de oração Exemplo 4 - Concessiva Embora, se bem que, ainda que, mesmo que Exprime um fato que poderia impedir o fato da ação principal, mas não o impede. Mesmo que chova, irei ao jogo. (“chover” poderia impedi-lo de “ir ao jogo”, mas não impedirá) 5 - Comparativa Que, do que, como, mais... que, menos... que Estabelece uma comparação com o fato expresso na oração principal. O rapaz chorava como uma criança. (Ele chorava “igual” uma criança [chora]. Note que na oração subordinada o verbo está subentendido ) 6 - Consecutiva Tão que, tanto que, tamanho que, tal que Indica a conseqüência ou o resultado do fato expresso na oração principal. Choveu tanto, que não fui ao jogo. (“não ir ao jogo” é o resultado de “chover tanto”) Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 16. Oração Subordinada Adverbial Principais Conjunções Circunstância expressa por esse tipo de oração Exemplo 7 - Final Para que, a fim de que, que Exprime a finalidade, o objetivo do fato expresso na oração principal. Para que você me ouça bem, gritarei. (O objetivo de “gritar” é “você ouvir bem”) 8 - Proporcional À proporção que, à medida que, quanto mais... mais Indica um fato que ocorre simultaneamente e proporcionalmente ao fato expresso na oração principal. Quanto mais fala, mais ele se confunde. (“falar e confundir-se” são fatos proporcionais e simultâneos) 9 - Temporal Quando, enquanto, logo que, desde que Expressa o tempo de ocorrência do fato da oração principal. Ele a odeia, desde que ela o traiu. (A segunda oração indica quanto tempo faz que “ele a odeia”. Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 17. John Lennon chegou mais tarde em casa no dia 8 de dezembro de 1980. John Lennon tinha hábitos diferentes. John Lennon estava contrariando os hábitos costumeiros. John Lennon ocupara o trono de maior astro da música pop internacional. John Lennon havia se transformado em um pacato homem doméstico. John Lennon cuidava do filho Sean, de cinco anos. John Lennon preparava-se para lançar um álbum, “Double Fantasy”, com a esposa de John Lennon, Yoko Ono. Na noite do dia 8 de dezembro de 1980, John Lennon chegou à uma hora da manhã. John Lennon não chegou a entrar no edifício Dakota, em Nova York. John Lennon morava no edifício Dakota, em Nova York. John Lennon foi recebido por cinco tiros, disparados por um desconhecido. O desconhecido saltou do crime para a prisão. O desconhecido chamava-se Mark Chapman. COESÃO TEXTUAL Prof. José Antonio Ferreia da Silva
  • 18. John Lennon chegou mais tarde em casa no dia 8 de dezembro de 1980. Ele tinha hábitos diferentes, portanto Ø estava contrariando os hábitos costumeiros. Depois que Ø ocupara o trono de maior astro da música pop internacional, o ex- Beatle havia se transformado em um pacato homem doméstico: Ø cuidava do filho Sean, de cinco anos, e Ø preparava-se para lançar um álbum, “Double Fantasy”, com a sua esposa, Yoko Ono. Na noite do dia 8 de dezembro de 1980, o ídolo do rock chegou à uma hora da manhã, mas Ø não chegou a entrar no edifício Dakota, em Nova York, onde Ø morava. Lennon foi recebido por cinco tiros, disparados por um desconhecido, chamado Mark Chapman, que saltou do crime para a prisão. COESÃO TEXTUAL Prof. José Antonio Ferreia da Silva