Revisão segunda série

2.236 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.236
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão segunda série

  1. 1. REVISÃO SEGUNDA SÉRIE Prof. Alexandre Santos ADQUIRA AS ANÁLISES DOS LIVROS DO SERIADO 2011 PELO TELEFONE 88311769
  2. 3. <ul><li>TEXTO I </li></ul><ul><li>PLENA NUDEZ </li></ul><ul><li>Eu amo os gregos tipos de escultura: Pagãs nuas no mármore entalhadas; Não essas produções que a estufa escura Das modas cria, tortas e enfezadas. Quero um pleno esplendor, viço e frescura Os corpos nus; as linhas onduladas Livres: de carne exuberante e pura Todas as saliências destacadas... Não quero, a Vênus opulenta e bela De luxuriantes formas, entrevê-la De transparente túnica através: Quero vê-la, sem pejo, sem receios, Os braços nus, o dorso nu, os seios Nus... toda nua, da cabeça aos pés! Raimundo Correia </li></ul>
  3. 4. <ul><li>TEXTO II </li></ul><ul><li>MUSA IMPASSÍVEL I </li></ul><ul><li>Musa! um gesto sequer de dor ou de sincero Luto jamais te afeie o cândido semblante! Diante de um Jó, conserva o mesmo orgulho; e diante De um morto, o mesmo olhar e sobrecenho austero. Em teus olhos não quero a lágrima; não quero Em tua boca o suave e idílico descante. </li></ul><ul><li>Celebra ora um fantasma anguiforme de Dante, Ora o vulto marcial de um guerreiro de Homero. Dá-me o hemistíquio d'ouro, a imagem atrativa; A rima, cujo som, de uma harmonia crebra, Cante aos ouvidos d'alma; a estrofe limpa e viva; Versos que lembrem, com seus bárbaros ruídos, Ora o áspero rumor de um calhau que se quebra, Ora o surdo rumor de mármores partidos. Francisca Júlia </li></ul>
  4. 5. <ul><li>TEXTO III </li></ul><ul><li>Sai a passeio, mal o dia nasce, Bela, nas simples roupas vaporosas; E mostra às rosas do jardim as rosas Frescas e puras que possui na face. Passa. E todo o jardim, por que ela passe, Atavia-se. Há falas misteriosas Pelas moitas, saudando-a respeitosas... É como se uma sílfide passasse! E a luz cerca-a, beijando-a. O vento é um choro Curvam-se as flores trêmulas ... O bando Das aves todas vem saudá-la em coro ... E ela vai, dando ao sol o rosto brando. Às aves dando o olhar, ao vento o louro Cabelo, e às flores os sorrisos dando... Olavo Bilac </li></ul>
  5. 6. <ul><li>01 – ( Alexandre Santos 2008 ) Julgue as afirmações: </li></ul><ul><li>V F </li></ul><ul><li>00 - Os textos I, II e III pertencem ao mesmo estilo de época pelas características temáticas e estéticas que apresentam. </li></ul><ul><li>11 - O texto III, em que pese seja parnasiano, apresenta uma temática com acentuado lirismo, atitude comum em Olavo Bilac. </li></ul><ul><li>22 - O texto III é parnasiano pela sua estrutura, soneto, e ocorre a presença de rimas ricas e versos decassílabos perfeitos. </li></ul><ul><li>33= A disposição rímica do texto III reforça o aspecto parnasiano de sua estrutura, em que se observam rimas interpoladas nos quartetos e alternadas nos tercetos. </li></ul><ul><li>44 - A temática do texto III aproxima-se do Romantismo pela idealização da mulher e sua relação com elementos da natureza. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>02 – ( Alexandre Santos 2008 ) Julgue as afirmações: </li></ul><ul><li>V F </li></ul><ul><li>00 - O texto II é o mais objetivo dos três, tanto na expressão temática, quanto na forma, destacando-se a presença de versos alexandrinos uma criação do Parnasianismo brasileiro. </li></ul><ul><li>11 - As rimas perfeitas, dispostas em alternadas nos quartetos, e interpoladas nos tercetos; as rimas toantes e pobres e os versos agudos reforçam os aspectos parnasianos do texto. </li></ul><ul><li>22 - O título do poema, Musa Impassível, está coerente com a temática desenvolvida, já que enfatiza o envolvimento afetivo do eu poético com a sua musa. </li></ul><ul><li>33 - A expressão Musa que aparece reiterada no texto é um elemento denunciador da função metalingüística, pois a organização da mensagem está centrada na essência formal da poesia. </li></ul><ul><li>44 - O texto retoma os ideais românticos de expressão dos sentimentos, em que pese formalmente seja parnasiano, o que está explícito nos versos “Em teus olhos não quero a lágrima; não quero/ Em tua boca o suave e idílico descante.” </li></ul>
  7. 8. <ul><li>03 – ( Alexandre Santos 2008 ) Julgue as afirmações: </li></ul><ul><li>V F </li></ul><ul><li>00 - No texto I, a mensagem centrada na descrição de uma mulher, que eroticamente apresenta-se com formas perfeitas e belas, provocando o envolvimento afetivo do Eu. </li></ul><ul><li>11 - O texto I enfatiza a arte grega que, pelo seu ideal de simplicidade e beleza, tornou-se o paradigma artístico dos parnasianos. </li></ul><ul><li>22 - No Parnasianismo, ocorre uma ênfase na descrição da mulher pelo ângulo erótico, daí o texto I centrar-se nos aspectos físicos da escultura com destaque para a nudez. </li></ul><ul><li>33 - O amor e a mulher, no Parnasianismo, aparecem abordados pelo ângulo erótico, ocorrendo, principalmente, em Olavo Bilac, esta temática, mas também pode aparecer em outros poetas. </li></ul><ul><li>44 - Do ponto de vista formal, o texto I é parnasiano autêntico, com temática centrada numa arte essencialmente clássica, como a escultura, além de aspectos formais com rimas perfeitas, quanto à qualidade e à disposição. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>04 – Julgue as afirmações: </li></ul><ul><li>V F </li></ul><ul><li>00 - O Simbolismo apresenta-se como uma estética oposta à poesia objetiva, plástica e descritiva, praticada pelo Parnasianismo, e como uma recusa aos valores burgueses e se define pelo antiintelectualismo e mergulha no irracional, descobrindo um mundo estranho de associações, de idéias e sensações. </li></ul><ul><li>11 - &quot;Na primavera que era a derradeira,Mãos estendidas a pedir esmolaDa estrada fui postar-me à beira.Brilhava o sol e o arco-íris era a estolaMaravilhosamente no ar suspensa&quot; Alphonsus de Guimaraens, autor do texto acima é tido como um dos mais importantes representantes do Simbolismo no Brasil. No fragmento acima, pode-se destacar a característica do foco no instante, na cena particular e na impressão que causa. </li></ul><ul><li>22 - No plano temático, o Simbolismo foi marcado pelo mistério e pela inquietação mística com problemas transcendentais do homem. No plano formal, caracterizou-se pela musicalidade e por aproximação ao Parnasianismo. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>33 - O Simbolismo, surgido contemporaneamente ao materialismo cientificista, enquanto atitude de espírito, passou ao largo dos maiores problemas da vida nacional. Já a literatura realista-naturalista acompanhou os modos de pensar das gerações que fizeram e viveram a Primeira República. </li></ul><ul><li>44 - O Simbolismo, com Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens, nossos maiores poetas do período, legou-nos uma produção poética que se caracterizou pela busca da &quot;arte em arte&quot;, isto é, uma preocupação com o verso artesanal, friamente moldado. Devido a essa tendência à objetividade na composição, o movimento também se denominou &quot;decadentista&quot;. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>05 – Julgue as afirmações: </li></ul><ul><li>V F </li></ul><ul><li>00 - Acima de todas as características o Parnasianismo ressalta o primado da emoção e a aparente rejeição do racionalismo. </li></ul><ul><li>11 - A poesia parnasiana é um ritual mágico, uma combinação alquímica de palavras de outras dimensões de existência, uma simbiose do som e do sentido. </li></ul><ul><li>22 - A ênfase formalista do estilo parnasiano levou-o a desprezar o assunto em função da supervalorização da técnica e, portanto, separar o sujeito criador de seu objeto criado. </li></ul><ul><li>33 - A ênfase na característica formal induz o poeta parnasiano a associação mais analógica do que lógica entre as palavras e permite a criação do poema-prosa. </li></ul><ul><li>44 - O fazer artístico parnasiano fundamenta-se na &quot;transpiração&quot;, ou seja, no cuidado com a linguagem, a forma, a lapidação e o refinamento do texto. </li></ul>

×