Jornal Cidade - Ano II - Nº 24

2.840 visualizações

Publicada em

http://www.jornalcidademg.com.br
>Acesse e veja mais notícias
Jornal Cidade - Ano II - Nº 24 - 26 de Abril de 2014

Principais notícias das cidades do centro-oeste mineiro. Notícias de Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte, Moema, Pedra do Indaiá e Japaraíba.

Publicada em: Notícias e política
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Jornal Cidade - Ano II - Nº 24

  1. 1. Foto: LINDOMAR FOTÓGRAFO Conquiste seu automóvel ou caminhão com parcelas que cabem no seu bolso.Venha conhecer nossas novas taxas e prazos! FINANCIAMENTO SICOOB VEÍCULOS LAGOA DA PRATA Av. Benedito Valadares, 590 - Centro - Lagoa da Prata/MG - Telefax (37)3262-5600 MOEMA Rua Tupinambás, 325 - Centro - Moema/MG - Telefax (37) 3525-1577 ESTEIOS Praça João Batista do Couto, 460 - Centro - Esteios distrito de Luz/MG - Telefax (37) 3425-1213 JAPARAÍBA Av. Francisco Tavares de Moraes, 193 - Centro - Japaraíba/MG - Telefax (37) 3354-1105 Página 18Página 04 Vereadores mirins tomam posse em Lagoa da Prata ALUNOS DA ESCOLA VIRGÍNIO PERILO EXERCERão O MANDATO NA PRIMEIRA GESTÃO DO PROGRAMA ll Câmara Municipal realiza sessão solene de posse e eleição da primeira presidente da câmara mirim. Veja nesta edição um perfildecadaumdospequenosvereadoresqueocuparãovolun- tariamente o cargo pelo período de seis meses. Página 03 llSindicalistareclamaqueentidadenão foi convidada a participar dos encontros em defesa da indústria pirotécnica. Página 08 llRecursosserãoutilizadosparainvesti- mentos em estrutura física e equipamen- tos. Dinheiro já foi depositado. Página 06 “Tõe Ratinho” diz que Sindifogos foi excluído das negociações. Deputado destina R$ 800 mil para Santa Casa de S. A. do Monte APAE de S. A. do Monte realiza Festa da Família Página 13 Ex-funcionário cobra da prefeitura apoio a famílias rurais de LP Página 07 Chaiene é campeã brasileira de karatê Página 19 Página 18 OPINIÃO Crédito Consciente para um consumo saudável INFORMÁTICA A palavra do momento é “Selfie” MARKETING E seu estiver gastando dinheiro com o cliente errado (parte 2)
  2. 2. 2 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademg
  3. 3. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 3POLÍTICA ll Nove alunos da Esco- la Estadual Virgínio Perilo tomaram posse para o pri- meiro mandato dos verea- dores mirins em Lagoa da Prata. A cerimônia foi rea- lizada no dia 11 de abril na Câmara Municipal. O pú- blico lotou o plenário para prestigiar os pequenos le- gisladores,queirãoexercer omandatovoluntariamen- teduranteseismeses.Par- ticiparamdasessãosolene todaacomunidadeescolar, vereadoreseojuizDr.Aloy- sio Líbano de Paula Júnior. De acordo com o ve- reador Adriano Moreira (Adriano do S.O.S), autor do projeto, os parlamenta- Jadiel Duarte Martins Silva, 13 anos. Aluno do 8º ano do Ens. Fund. Pais:RonaldoFerreiradaSilva e Elzi Martins da Silva. Erick César Santos Silva, 14 anos. Aluno do 9º ano do Ens. Fund. Pais: Júnior César da Silva e Carla Cristina Santos Silva. Augusto César Xavier Pinto, 13 anos. Aluno do 8º ano do Ens. Fund. Pais: Evaldo Aparecido Pin- to e Heloísa Aparecida Xavier Pinto. Vitória Araújo Silva, 14 anos. Aluna do 9º ano do Ens. Fund. Pais: José Henrique da Silva e Elizete de Araújo Silva. Gabrielle Miranda Ferreira, 14 anos. Aluna do 9º ano do Ens. Fund. Pais:CláudioLopesFerreira(in memoriam) e Glécia Margari- da Miranda Ferreira. Laura Luiza dos Santos Amo- rim, 15 anos. Aluna do 1º do Ens. Med. Pais:LedaMirandadosSantos e Jardel Amorim Pinto. Laura Silva de Paulo, 13 anos. Aluna do 8º ano do Ens. Fund. Pais:FranciscodePauloSobri- nho e Edna da Silva de Paulo. Andressa Ferreira de Almei- da, 13 anos. Aluna do 8º ano do Ens. Fund. Pais:WanderleyGeraldodeAl- meida e Sibele Aparecida Fer- reira de Almeida. Gabriel Henrique Brandão, 14 anos. Aluno do 9º ano do Ens. Fund. Pais: Daniele Brandão Silva e Adilson da Costa Pereira. res mirins poderão discu- tir e propor pautas que te- nhamabrangênciaemtodo omunicípio.“Aatuaçãode- les transcenderá a escola. Vaiacatarosproblemasda comunidade escolar, mas também os problemas de LagoadaPrata.Vamosten- tar levá-los na Assembléia para conversar com os de- putados, para levar os nos- sos anseios enquanto po- pulação de Lagoa da Pra- ta”, acrescenta Moreira. ParaaprofessoraElzira Madré de Oliveira, que co- ordenou o projeto na esco- la,oexercíciodacidadania éumdosprincipaisbenefí- ciosdesseprograma.“Nos- sa meta principal é a edu- cação. Educando a crian- ça e o jovem para ser um cidadão, estamos comba- tendoaviolência,acorrup- ção, fazendo do nosso pa- ís um país de pessoas sé- rias. O maior desafio é a ci- dadania. Estamos amadu- recendo a democracia. E ela só é concretizada com o conhecimento. Estamos passando por um momen- to de descrédito político. É necessárioagentemostrar oqueéumaadministração, quaissãoosdeveres.Eisso se começa com os jovens”, disse Madré. Na primeira reunião, os vereadores mirins ele- geram Gabriele Miranda Ferreira como presidente. “Cadaumjápensouemum projeto e vamos tentar de- senvolvê-los juntos”, asse- gura Gabrielle. CONHEÇA OS VEREADORES MIRINS: Vereadores mirins são empossados
  4. 4. 4 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgOPINIÃO ll A política nacional es- táemdescrédito.Apopula- çãojáestácansadadetan- tas mentiras, promessas falsas e governos que “fa- zem de conta”. Os bons po- líticos (sim, é isso mesmo que você leu. É uma espé- cie rara, mas existem pou- cosebonspolíticos)pagam pelageneralizaçãodaclas- se, cuja maioria legisla ou governafundamentadaem interessesprópriosetendo em vista a reeleição. Os vereadores mirins, empossados pela Câmara de Lagoa da Prata, terão a oportunidade de aprender afazerpolíticainteressan- do desinteressadamente pelo outro, pela coletivida- de. Com apreço pela causa e discutindo de forma téc- nica e objetiva. Os vereadores mirins exercerão o mandato du- rante seis meses de forma llNoúltimo ano autiliza- ção da palavra na internet aumentou 17.000% , o que a levouaconquistara“distin- ção”porpartedosdicionários Oxford. Estapalavrateriasidouti- lizadapelaprimeiraveznum fórumonlineaustralianoem 2002,masfoiasuamaisre- cente utilização principal- mentenasredessociaisque transformou“selfie”numsu- cesso. “Selfie”significa,segundo odicionárioonlinedeOxford, “umafotografiaqueumapes- soatiroudesiprópria(autor- retrato), normalmente com umsmartphoneouwebcam, equefoicolocadanumarede social”. Um projeto chamado “Selfiecity” analisou 3200 autorretratos para estudar o comportamento em cin- cocidades:SãoPaulo,Berlin, Moscou, Nova York e Bang- coc.Comasimagensospes- quisadorescompilaramda- dos sobre sexo, idade, posi- çãodacâmera,níveldefeli- cidade,seosolhosestavam abertosoufechados,oângulo dafoto,entreoutrasinforma- ções.Osresultadosmostram queemtodasascidades,mu- lherestirambemmaisselfies doqueoshomens.Eacidade commaissorrisosfoiBang- coc,seguidadepertoporSão Paulo. A mais carrancuda é Moscou.Mulheresusamum ângulode15grausmaisalto pararetratarmaisocorpo,e emSãoPauloesseânguloé aindamaior,17graus. E você aí!? O que pensa sobreas“selfies”?Gosta?Não gosta? Costuma tirar algu- masselfiesepostarnoFace- book,porexemplo?Saibaque atravésdelaspode-seidenti- ficarmuitascoisasaseures- peito, ou na minha humil- deopiniãotambémpode-se passarumaimagemdeuma pessoa que talvez você não seja. Minha dica é, cautela antesdepublicarumaselfie. voluntária, pois a Câma- ra entende que o trabalho deles é de relevante inte- resse público. Se, pela lógi- ca, o trabalho dos vereado- resmirinsévoluntáriopor- que é de relevante interes- se público, não seria de in- teresse público a legislatu- radosparlamentaresadul- tos, que são pagos por vo- cê, pelo seu vizinho e por todos nós? Esse é apenas um ponto para que o leitor faça uma reflexão sobre o custo/benefíciodosnossos políticos – e aqui incluo os vereadoreseprefeitos(evi- ce-prefeitos, quando, nes- te caso, a administração alardear que a cidade será governada por dois entes). Por favor, não leiam a últi- ma frase em voz alta para não ter uma interpretação duvidosa do texto. Que os vereadores mi- rins aprendam que, ao se fazer política com serie- dade, o político desnuda- -sedesuasvaidadeseliga- ções partidárias para pro- ver a felicidade das outras pessoas. Que o político de- vetrabalharparagarantira felicidadedacidade,emto- dos os aspectos. Que os vereadores mi- rins aprendam, quando se tornarem adultos e poten- ciais políticos, que o gestor deumacidadedeveuniros cidadãos em torno do bem comum. E não ser simplis- ta e maniqueísta ao ponto dedividiromunicípioentre os“seus”eos“demais”,osdo “bem”eosdo“mal”,comose fazemqualquersistemato- talitário. Queelesaprendamque ser criticado pelos seus er- ros será melhor do que ser questionadopornãoterco- ragemdetomarumamedi- da necessária, mesmo que A palavra do momento é... “Selfie” Que os vereadores mirins façam diferente dos políticos atuais Rodrigo Álvaro (TR Computadores) rodrigoalvaro@trcomputadores.com.br Informática CARTA AO LEITOR Juliano Rossi contato@jornalcidademg.com.br impopular. Que os vereadores mi- rins aprendam que os ca- nais pelos quais o órgão públicosecomunicacomo cidadão devem ser usados com parcimônia e sempre deformaobjetiva.Queeles nãoaprendamcomalguns políticos que usam o espa- çopúblicoparavomitarem impropérios contra quem eles entendem ser um ad- versário político. Parafinalizar,essepro- jeto de autoria do vereador Adriano Moreira (Adriano do S.O.S) nos dá pelo me- nos a esperança de que a políticanofuturopossaser usada para o bem comum. Outras escolas, inclusive de todas as cidades da re- gião,devemparticiparees- sas crianças e adolescen- tes devem ser encorajadas a fazer o bem, não importa a quem.
  5. 5. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 5
  6. 6. 6 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgPOLÍTICA ll O deputado federal Jaime Martins (PSD/MG) esteve na segunda-fei- ra (14/04) com lideran- ças políticas, represen- tantes do Sindiemg (Sin- dicato das Indústrias de Explosivos no Estado de Minas Gerais) e empre- sários do setor pirotécni- co da cidade de Santo An- tônio do Monte. Na pau- ta, a preocupação deste setor quanto ao futuro da llOdeputadofederalJai- me Martins (PSD/MG) via- bilizouejáestádepositada nacontabancáriadaSanta Casa de Santo Antônio do Monte umaemendaparla- produção, comercializa- ção e transporte dos ar- tefatos. O deputado vem se posicionando em Bra- sília quanto à importân- cia deste setor para a ci- dade, que é considerada um dos principais pólos fabricantes deste tipo de material em toda a Amé- rica Latina. Durante o encontro os representantes do sindi- cato e demais empre- mentar no valor de R$ 800 mil.Osrecursosserãoapli- cados nos projetos de me- lhoriadoatendimento,for- talecimentoeestruturação da unidade de saúde que sários expuseram suas dúvidas e inseguranças quanto à atual situação do tema em todo o país, já que depois dos fatos en- volvendo este tipo de pro- duto, como a tragédia re- gistrada no ano passado na boate em Santa Maria, no sul do país, e a recente morte de um cinegrafista da Rede Bandeirantes de Televisão, tem motivado a criação de leis que atin- gem negativamente a co- mercialização de fogos de artifício em todo o país. O setor pirotécnico se mostrou aberto a expor a importância desta indús- tria para o cenário nacio- nal e cogitou a ida ao Dis- trito Federal para acom- panhar de perto todo o andamento destas leis atende inúmeras pessoas da cidade e municípios vi- zinhos. Em entrevista, o parla- mentar destacou a impor- tância dos recursos. “Fico que, se aprovadas, pode- rão prejudicar não só a economia de seus pólos de produção bem como todo o Brasil. Jaime Martins afir- feliz de sempre poder aju- darasaúdedeSantoAntô- nio do Monte e região. Es- sa não é a primeira emen- da que destino para a San- ta Casa e a cada ano, esta- mou aos presentes que tem acompanhado o an- damento destas propo- sições em Brasília e que não deixará de ajudar Santo Antônio do Monte, mos promovendo investi- mentos para estrutura fí- sica, equipamentos, mo- dernização e, consequen- temente, melhorando os serviçosquelásãoofereci- que tem como fonte de renda principal este tipo de indústria. O deputado se comprometeu a apoiar o sindicato e empresários do ramo pirotécnico. Jaiminho Martins se encontra com empresários do Setor Pirotécnico em Santo Antônio do Monte Deputado destina R$ 800 mil para Santa Casa Recursos destinados por meio de emenda parlamentar já estão na conta do hospital dos˜, destacou. Osrecursosfazemparte dacotadeemendasdopar- lamentareserãoconvenia- dos através do Ministério da Saúde (MS). Fotos: Paulo Reis / Assessoria de Imprensa Deputado Jaime Martins
  7. 7. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 7POLÍTICA Dr. otaviano está coordenando o programa de habitação rural DR. OTAVIANO, DEPUTADO REGINALDO LOPES, PREFEITO PAULO TEODORO E SECRETÁRIO DE ADMINIS- TRAÇÃO ZEZINHO RIBEIRO EM REGISTRO FEITO NO GABINETE DO PREFEITO. Ex-funcionário da prefeitura diz que Lagoa da Prata pode perder o Instituto Federal Ao discursar na Tribuna Popular durante sessão da Câmara, Otaviano de Oliveira também reclamou da falta de apoio da prefeitura a um projeto que beneficia famílias na zona rural ll Otaviano de Oliveira foi servidor comissiona- do do governo Paulo Teo- doro durante mais de um ano. Principal articulador e responsável direto pela implantação de uma uni- dade do Instituto Federal de Minas Gerais em Lagoa da Prata, Dr. Otaviano, co- mo é conhecido, fez uso da Tribuna Popular em uma sessão da Câmara Municipal no dia 7 de abril para denunciar a falta de apoio do governo muni- cipal a um projeto que irá beneficiar 75 famílias que moram na zona rural. O ex-servidor do municí- pio também fez um alerta: “Estão fazendo pouco ca- so da escola federal e ela pode fechar”, avisou. De acordo com Dr. Ota- viano, a escola Dr. Jacin- to Campos, escolhida pe- la prefeitura para a reali- zação das aulas, não ofe- rece estrutura adequada para atender a demanda dos cursos. “Trabalhei du- rante um ano na prefeitu- ra. Fui despedido. Mas saí com a consciência limpa de que executei um traba- lho muito importante pa- ra Lagoa da Prata, trazen- do o que muita gente não dá valor. Talvez o Executi- vo não esteja valorizando umaescolafederalCEFET. Estão fazendo pouco ca- so da escola. E ela poderá fechar porque o Chefe do Executivo tem o compro- missodeofereceremcon- trapartida salas de aula adequadas para o ensino profissionalizante. Como você vai dar aula de açú- car e álcool, plantação de cana, numa escola como o Jacinto Campos? Como vamos ter um curso de es- colaagrícolasenãotemos uma propriedade rural?”, argumenta. O ex-servidor do mu- nicípio afirma que propôs ao Chefe do Executivo que adquirisse um terreno no Fundão, zona rural de La- goa da Prata, mas as ne- gociações não evoluíram. “Oferecemos ao prefeito um terreno que perten- ce ao extinto banco Ba- merindus. O terreno está abandonado e poderia ser desapropriado por 350 mil reais. São 60 hectares de terra. Pelejamos com ele para comprar esse terre- no ou desapropriar. Aí sim seria uma desapropriação justa. Mas ele nem recebe a gente na prefeitura”, re- clama Dr. Otaviano. A unidade do Institu- to Federal de Minas em Lagoa da Prata oferece os cursos técnicos em “Ali- mentos”, “Açúcar e Álco- ol”, “Eletromecânica” e “Produção de Moda”. FAMÍLIAS SEM APOIO Dr. Otaviano também reclamou do posiciona- mento do Governo Mu- nicipal em não celebrar o convênio que iria be- neficiar 75 famílias resi- dentes no campo, que es- tão inscritas no Progra- maNacionaldeHabitação Rural (PNHR). A iniciativa do Governo Federal é uma extensão do programa “Minha Casa, Minha Vi- da”, que concede o finan- ciamento de quase 30 mil reais para a construção da moradia.Obeneficiadoirá pagarapenas4%desseva- lor, aproximadamente R$ 1.200,00 em quatro parce- las anuais. Treze projetos já estão prontos, faltando apenas a celebração do convênio entre o municí- pio e o banco. “É lamentável que o Poder Executivo esteja enterrando esse projeto do Governo Federal, não sei se por política ou por qualquer outro motivo. O prefeito tem medo que a prefeitura não tenha di- nheiro e não possa fazer esse programa. Todos os candidatos à casa própria assinaram um documen- to isentando o municí- pio e agradecendo ao se- nhor Prefeito: ‘não que- remos nada do senhor. O que queremos é que o se- nhor assine um convênio que está mofando nas ga- vetas do Banco do Brasil’. É lamentável. Lamento muito! O Chefe do Execu- tivo se recusou a me rece- ber em seu gabinete, co- moseeufosseumcachor- ro, como se fosse um ho- mem sem valor. Modéstia à parte, tenho uma noção dedevercumprido.Passei pelaprefeitura,mastraba- lhei. Não ficava lá como vagabundo. Ganhava R$ 2.700 por mês, mas cum- pri com meu dever. Não é possível que o Chefe do Executivo, por um capri- cho sei lá por quê, se for por mim, saio do progra- ma na hora. Não ganho um centavo. Estou mui- to chateado e desencan- tado com Lagoa da Pra- ta, Arcos já tem casas em andamento.EmSantoAn- tônio do Monte o prefeito está ajudando muito. São 60.000 moradias rurais para Minas Gerais. Aí nós vamos passar batido em Lagoa da Prata porque o prefeito não quer?”, desa- bafa Dr. Otaviano. O OUTRO LADO Sobre o Programa Na- cional de Habitação Rural, a administração munici- pal informou por meio da assessoria de comunica- ção a existência de uma cláusula no contrato que gera um custo para o Mu- nicípio. “Por isso mesmo houve uma preocupação em assinar o convênio”, explicou a assessora Sa- brina Silva. Segundo ela, a reclamação de que o pre- feito Paulo Teodoro tenha se recusado a receber Dr. Otaviano para tratar do assunto “não é verídica”. A Ascom (assessoria de comunicação da pre- feitura) garantiu, por meio de nota enviada ao Jor- nal Cidade, que a prefei- tura não tem a obrigação de oferecer o terreno pa- raaconstruçãodasededo Instituto Federal de Mi- nas Gerais, embora o go- verno tenha a intenção de construí-la. “O Município precisa é oferecer estru- tura de laboratório quan- do se iniciar as aulas prá- ticas, o que já está sendo providenciada em parce- ria com a Embaré, Usina e outras. O Município ofe- rece todo o apoio ao IFMG e Pronatec, mas Lagoa da Prata pertence ao pólo de Formiga, que é responsá- vel por toda a administra- ção dos cursos”, informou a Ascom. FOTO: ARQUIVO PESSOAL
  8. 8. 8 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgECONOMIA llO presidente do Sindi- fogos (Sindicato dos Tra- balhadores nas Fábricas deFogosdeSantoAntônio do Monte e Região), Antô- nio Camargos dos Santos (Tõe Ratinho), afirma que a entidade foi excluída das negociações com de- putados nas assembléias e Congresso sobre os pro- jetos delei querestringem a venda de fogos de artifí- cio no país. Uma comiti- va de políticos e empresá- rios da cidade participou de encontros em Belo Ho- rizonte,PortoAlegreeBra- sília para tratar sobre o as- sunto, mas sem a presen- ça do Sindifogos. “A única vezemqueconvidaramfoi duranteavisitadodeputa- doErosBiondini”,reclama Tõe Ratinho. Osindicalistadisseque a entidade tem o apoio de deputadosdabancadatra- balhadoraquetambémpo- deriam defender a indús- tria pirotécnica. “Eu es- tive com um patrão e ele me disse que não estamos querendo ajudar. Mas eles fizeram reuniões com de- putados e não nos chama- ram. Temos a deputada Jô Moraes, que é da área tra- balhadora. Acho que al- guns têm raiva de mim. A gente precisa do trabalho, vivemosdofoguete.Agen- tequerajudar,masnãose- remosescravosdelesnão”, avisa. MELHORIAS SALARIAIS Os trabalhadores filia- dos ao sindicato realiza- ram duas assembléias e aprovaram a pauta de rei- vindicação. Entre os itens, os trabalhadores pedem 12% de reajuste, piso sala- rial de R$ 850 e a negocia- ção da Participação dos LucroseResultados(PLR). “Umanegociaçãojustapa- raotrabalhadorénomíni- mo 10%. O trabalhador já sentiudemais.Noanopas- sado fechamos com o au- mento de 9%. O salário au- menta,ainflaçãoaumenta, eelesnãoqueremaumen- taronossosalário”,afirma Tõe Ratinho. Paraopresidente,outro problemaenfrentadopelos trabalhadores é o fato da carteiradetrabalhoseras- sinadasobreumvalorbem menordoqueoganhoreal. “Na carteira o trabalhador ganham somente 1,3 salá- rio. Se ele recebe R$ 2.000, mas na carteira está ape- nas R$ 940, ele tem prejuí- zo. E se o trabalhador tiver de ser afastado pelo INSS? Játenhocompanheiroque adoeceu, queimou o bra- ço, o médico não o liberou para trabalhar, mas, mes- mo assim, teve que voltar ao trabalho. Como ele iria manterafamíliacomosa- lárioqueestánacarteira?”, finaliza o presidente. Aentrevistacomosin- dicalista foi realizada no dia 18 de abril. A negocia- ção com os patrões esta- va marcada para o dia 24, após o fechamento desta edição do Jornal Cidade. Informaremos o desfecho daassembléianapróxima edição. Presidente diz que sindicato foi excluído das negociações Indústria pirotécnica Foto: ARQUIVO SINDIFOGOS ANTÔNIO CAMARGOS (TÕE RATINHO), PRESIDENTE DO SINDIFOGOS TRABALHADORES APROVAM ESTADO DE GREVE NA PENÚLTIMA ASSEMBLÉIA FOTO: JULIANO ROSSI
  9. 9. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 9ECONOMIA Lagoacred cresce 39% em 2013 Ativo da cooperativa nos últimos 12 anos obteve crescimento de mais de 30% ao ano. ll O ativo total da Lago- acred (todos os bens e di- reitos que uma institui- ção econômica possui e que possam ser valoriza- dos em termos monetá- rios) ultrapassou o mon- tantedeR$61,4milhõesem 2013. A instituição cresceu 39% em relação a 2012. Os resultadosforamapresen- tadosnaAssembléiaGeral Ordinária, realizada no dia 11 de abril, no Salão Divina Gulaesãomaioresdoquea médiadetodasascoopera- tivas de crédito filiadas ao Sicoob Cecremge (Central das Cooperativas de Eco- nomia e Crédito de Minas Gerais). A economia bra- sileira, no mesmo período, cresceu 2,3%. A previsão da Lago- acred é crescer 37% em 2014. “Mas diante das in- certezas da economia na- cional e mundial, a gestão da cooperativa quer asse- gurar um crescimento mí- nimo de 6%, o que ainda é consideradomuitobomao ser comparado com a pre- visãode1,7%paraoPIBna- cional”, informou a coope- rativa em seu relatório de gestão. No cenário social, a La- goacred também parti- cipou de diversas ações. “Contribuímos financeira- mentecomONG´seentida- dessociais.Doamosbolsas de estudo para que crian- ças de baixa renda pudes- sem freqüentar e estudar nas escolas de futebol. Re- alizamosmaisumaedição da Copa Lagoacred Card de Futsal, objetivando pro- porcionar entretenimento à comunidade e a doação de alimentos arrecadados às entidades de caridade. Apoiamos iniciativas cul- turais.Noâmbitodaeduca- çãolançamosoprojetoJo- vemCooperativistanases- colas,envolvendocrianças, adolescentes e jovens de 5 a 18 anos com o tema ‘Coo- perar’,onde,atravésdecar- tilhas, falamos sobre o iní- cio da prática do coopera- tivismo pela humanidade. Foi um trabalho rico e gra- tificante, que, certamente, complementaráeenrique- ceráaformaçãodavidade muitas crianças e adoles- centes”, disse Nilson Bes- sas, presidente do Conse- lho de Administração do Sicoob Lagoacred Gerais. A Lagoacred possui 17.158 associados. FOTO: JULIO MARCOS / LAGOACRED
  10. 10. 10 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgECONOMIA No Encontro Empresarial, diretoria afirma que ACE-CDL irá promover o evento Mérito Empresarial Empresa anuncia a criação de uma incubadora para gerir e incentivar novos talentos e projetos em Lagoa da Prata ll A ACE-CDL de Lagoa da Prata realizou nes- ta semana o 8º Encon- tro Empresarial. A edi- ção de 2014 contou com as palestras de Eduar- do Shinyashiki (escritor e conferencista interna- cional), Ciro Botini (con- siderado um dos melho- res vendedores da televi- são brasileira) e Daniel Bi- zon, que combina conhe- cimento e mágica em su- as palestras. “Essas pa- lestras, além de entre- ter e emocionar, transfe- rem conhecimento aos empresários e às pesso- as que trabalham no co- mércio para que tenham mais qualificação para desempenhar suas fun- ções”, disse o presiden- te da CDL, Paulo Roberto Agostinho Pereira. O empresário ressal- tou em seu discurso na abertura do evento o fo- co de atuação da nova di- retoria. “Nunca podere- mos deixar de lembrar a importância do trabalho do ex-presidente Valdir Andrade. Foi ele que es- truturou e amadureceu a instituição. Agora, temos uma missão com esta no- va diretoria jovem e com- petente. A ACE-CDL será voltada somente para o empresário”, afirmou Pe- reira. Dentre as novidades anunciadas pelo presi- dente, está a realização do evento Mérito Empre- sarial. “A partir de 2014 a ACE-CDL vai promover o Mérito Empresarial. É comum várias empresas promoverem esse even- to, mas a associação co- mercial tem a capacida- de de fazê-lo de uma for- ma mais transparente, na qual o título seja mereci- do”, desta. SEBRAE INTEGRA O presidente da ACE, Geraldo de Almeida, agradeceu a confiança das empresas que patro- cinam e apoiaram o en- contro empresarial e fa- lou de um novo serviço que já está à disposição das empresas associa- das. “A Carmen e a Cecília estarão disponíveis para apresentar o Sebrae Inte- gra, que é uma consulto- ria dentro da sua empre- sa cujo objetivo é orientar as mudanças necessárias para o crescimento do ne- gócio”. Almeida também fa- lou da implantação do novo departamento de cobrança e do serviço de correspondente do Ban- co de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), que oferece às empresas a possibilidade de contrair financiamentos com ju- ros baixos. PROJETOS INOVADORES Durante o encontro, o diretor-presidente da Pa- trimoniumContabilidade, Márcio Bento, anunciou o novo projeto da empresa, intitulado de “Colméia”. “Temos muitos jovens ta- lentos em Lagoa da Pra- ta. A idéia é oferecer con- dições para que eles se prepararem e desenvol- vam seus projetos inova- dores. A idéia da incuba- dora é gerir e encubar es- sa idéia. No ramo de tec- nologia podem surgir vá- rias startups de desenvol- vimento de negócios, de aplicativos. A idéia é dar condição aos jovens de crescer. É ser um anjo na vida desses meninos”, ex- plica Márcio Bento. O assessor de comu- nicação da Patrimonium, Rubens Macouff, acres- centou que a empresa irá fazer o investimen- to nesses talentos. “Exis- tem muitas boas idéias que morrem por falta de apoio”, ressalta. NOVA DIRETORIA DA ACE/CDL LAGOA DA PRATA públicou lotou o centro catequético nos 3 dias do encontro EQUIPE DO SICOOB LAGOACRED EM VISITA AO ESTANDE DA PATRI- MONIUM CONTABILIDADE eduardo shinyashiki abriu o encontro FOTOS: JULIANO ROSSI
  11. 11. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 11EMPRESAS E NEGÓCIOS Planeta Diversão inaugura novo espaço llCom mais de três anos de experiência, o Plane- ta Diversão inaugurou su- as novas instalações com o objetivo de fazer sua fes- taummomentoúnicoees- pecial. O novo espaço ofe- rece três ambientes am- plos e confortáveis: salão principal, salão do meza- nino e área infantil, com capacidade para acomo- dar 250 pessoas. Sob a coordenação das empresáriasAllineCristia- ne Lacerda Santos e Ana Luisa da Silveira, o Plane- ta Diversão está preparado para atender a qualquer ti- po de evento. “Hojetemosumespaço maisamploemaisarejado. Osbrinquedosforamrefor- madoseficamemambien- teseparadodosalãodefes- ta. Convido todos a conhe- ceronovoespaço.Fizemos com muito carinho. Pen- samos muito no bem estar dascriançasedospais.Tu- dofoifeitocommuitocari- nho”, afirma Alline. as empresárias alline lacerda santos e ana luisa da silveira INFORME PUBLICITÁRIO
  12. 12. 12 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademg Quer aparecer aqui? Envie e-mail para rhaiane@jornalcidademg.com.br Rhaiane CarvalhoNOSSA TERRA, NOSSA GENTE ll Os colaboradores do Sicoob Crediprata Clarisce Gon- tijo e Maurício Rezende participaram da palestra de Ciro Botini, no 8º Encontro Empresarial de Lagoa da Prata. ll Isaías Ribeiro, dedicado policial militar e instrutor do Proerd, é também um músico refinado e competente. ll OlagopratenseLindomarDuartesaboreiaumacerve- jabemgeladaemPianodiBobbio,altodamontanhaloca- lizada na cidade de Lecco, na Itália. ll Mauro de Castro, reco- nhecidolocutorcomercial, tematuadocomgrandesu- cesso na área de fotografia com sua esposa Claudia- na Gonzaga. Acesse o site www.jornalcidademg.com. br/ensaios e veja algumas fotos produzidas por eles. ll ACasaElétricafoiumadasempresaspatrocinadoras do 8º Encontro Empresarial de Lagoa da Prata. Na foto o gerente Lucas Morais e a esposa Kely Sylva.
  13. 13. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 13CIDADES APAE de S. A. do Monte realiza Festa da Família llCom o objetivo de pro- mover a socialização dos alunos à comunidade, a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcio- nais) promoveu a Festa da Família no dia 10 de abril. O evento foi coordenado pelas professoras Aline Roberta de Araújo e Nilce Estelina Borghi e contou com a apresentação artís- tica de alunos da institui- ção. A cantora Alessandra Lobato também se apre- sentou voluntariamente na festa. Os próximos even- tos que serão promovidos pela APAE em 2014 são a Festa Junina, a Semana do Excepcional, Festa das Crianças e a Festa de Na- tal. Nas últimas quintas- -feiras de cada mês acon- tece um teatro com a par- ticipação dos alunos. É um evento interno, on- de as pessoas que contri- buem com o Tele Apae po- dem ver de perto o traba- lho feito pela instituição. A diretora da Escola Especial Marcelo Cardo- so de Oliveira, Ana Apare- cida da Silva (Nena), des- taca a importância dos re- cursos recebidos dos doa- dores do Tele Apae na ma- nutençãodostrabalhos.“A genteprecisademaisade- sões. O número de profis- sionais poderia ser bem maior para poder aten- der a demanda inteira da escola, com mais atendi- mentos aos nossos 85 alu- nos”, afirma. “Agradecemosàequipe organizadora da festa, aos demais colaboradores da Apae e principalmente ao apoiodospais,queémuito importante para a efetivi- dade de nosso trabalho. É necessário ressaltar tam- bém a importância das pessoas que dedicam par- te de seu tempo volunta- riamenteàinstituição,aos doares do Tele Apae e um agradecimento especial à cantora Alessandra Loba- to”, finaliza Nena. O telefone do Tele Apae é 3281-1332. As pes- soaspodemfazerdoações de qualquer valor. A APAE possui um mensageiro credenciado que recolhe as doações no endereço informado pelo doador. A DIRETORA NENA RECEBE O CARINHO DE DUAS ALUNAS FOTOS: VALÉRIA COSTA FERREIRA
  14. 14. 14 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgCIDADES Iniciativa que poder valer uma vida Trabalho das agentes comunitárias de saúde da UBS Nossa Senhora de Fátima, em Santo Antônio do Monte, influencia de forma efetiva no controle das doenças crônicas em pacientes idosos AGENTES DA UBS NOSSA SENHORA DE FÁTIMA l l O projeto “Medica- mento Certo Na Hora Cer- ta”, de iniciativa das agen- tes comunitárias de saú- de(ACS)daUBSNossaSe- nhora de Fátima, foi um dos selecionados entre as 43 experiências mineiras bem sucedidas pelo Prê- mio Mineiro de Práticas Exitosas na Atenção Pri- mária à Saúde, promovi- do pela Secretaria de Es- tado de Saúde de Minas Gerais. O prêmio é um re- conhecimento aos muni- cípios e suas equipes com relação a ações bem suce- didas e inovadoras. Cada uma das 18 pessoas que participaram do projeto recebeu R$ 429,22. As agentes de saú- de perceberam que mui- tos idosos (analfabetos ou não) estavam com di- ficuldades em tomar as medicações prescritas no horário certo e da forma correta. Para ajudá-los, as ACS confeccionaram pequenas caixas, com divisórias claras e escu- ras, simbolizando o dia e a noite, de forma que os pacientes pudessem to- mar o medicamento cer- to e na hora certa. As cai- xas são personalizadas com o nome do usuário. “Fiquei muito satisfeita, porque na hora em que eu cheguei com a caixi- nha, com o nome da pa- ciente, ela se sentiu mui- to importante. A pacien- te mora sozinha. A famí- lia veio até mim e agrade- ceu ao tratamento. É gra- tificante”, diz a agente Ká- tia Cristina Rezende, cuja experiência artesanal foi essencial para o projeto. Ela trabalhava anterior- mente com restaurações sacras e pinturas em ge- ral. De acordo com a co- ordenadora da atenção primária da secretaria de Saúde, Juliana Ferreira Silva, a única equipe de saúde que se cadastrou foi a do UBS Nossa Se- nhora de Fátima, mas a iniciativa já repercute em outras unidades do muni- cípio. A agente Kátia dis- se que recebe diversos pe- didos para montar novas caixas. “A gente não dá conta de fazer caixinhas para todas as pessoas que precisam. Mas estamos à disposição para ensinar o procedimento às outras agentes de saúde do mu- nicípio”, ressalta. A aposentada Eunice Limeira dos Santos (70) recebe mensalmente a visita da agente Apareci- da. Ela disse que a inicia- tiva foi muito importan- te. “Ela me explicou direi- tinho. Não cheguei a to- mar medicamento erra- do, porque a caixinha é importante para organi- zar os horários”, finaliza a aposentada. A APOSENTADA EUNICE LIMEIRA DOS SANTOS EXIBE A CAIXA DE MEDICAMENTOS OFERECIDA PELAS AGENTES DE SAÚDE FOTOS: JULIANO ROSSI
  15. 15. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 15CIDADES José Antônio (Rádio Samonte FM) bandeirantes@isimples.com.br Causos e Prosas ll Um dos meus primeiros serviçosfoideentregadorde leitenarua.Euestudavaàtar- deenapartedamanhãentre- gava o leite. Arrumei o servi- çonosítiodoCarlinhoNorato, abaixo do bairro Dom Bosco, na zona rural, chamado “Ca- choeirinha”. Eu já descia à pé. Chega- valá,pegavaocabresto,pega- vaaeguinhanopastoeleva- vaparaocurral,arriavaepre- paravatudodireitinho.Naho- ra que ele terminava de tirar oleite,colocavaduaslatasde leiteemcimadaeguinha.As latastinhamumatorneirinha paratiraroleiteparaosclien- tes.Eassimagentefazia. Nessemeiotempo,naho- raqueterminavadetirarolei- te,montavaoZéAntôniones- sa eguinha e corria a espora. Saía do sítio do Carlinho No- rato, passava na porteira do curral do sítio do Zé Astolfo. Subia.tambémtinhaumter- reno do Davi do Couto, onde passavaem frente.Jánoiní- cio do bairro Dom Bosco, na travessa Ferreira, perto do botecodoZauro,começavaa entregaàsprimeirasclientes. Eu gritava: “Óia o leite, dona Maria!”. Ela vinha com a leiteira, tirava um ou meio litro. Eudebruçavaemcimado arreio, onde alcançava a tor- neira e despejava na leiteira das clientes. Eu chamava to- das de dona Maria. Elas não gostavam muito de mim. ti- nha vez que errava a boca da leiteira e derramava leite no braço delas. Dava um banho de leite em pelo menos duas todososdias. Nasegundaclientedodia nãosaiuleitenenhumnator- neira. Pensei: “Uai, tá errado essetrem!Leitenalatatem!”. Então tirei o leite da outra la- ta em que tinha tirado para a primeira cliente. Eu não po- dia destampar a lata na rua e olhar. “Nesse angu tem caro- ço”. Subi a travessa Ferrei- ra, passei na porta do boteco doJoãoJilóedoBonito.Che- guei no campinho, onde ho- jeéoCentroSocialDomBos- co.Resolvidestamparalatae olharoqueaconteceu.Estava cheiadeleite.Despejaroleite nãopodia. Enfiei o braço na lata de leiteedeiumamexida.Enfiei odedonoburaquinhodator- neira.Entãosaiuumaperere- caládedentro.Elapulounos meuspeitos,geladinha.Buru- rupu! Levei aquele susto da- nado!Atéaéguaassustou. Aí fiz o teste na torneira e saiu o leite. Voltei no início daruaeentregueioleite.Não podia jogar fora. Era uma ca- restia.Uma“pitimba”danada! Entreguei o leite em todas as clientes. Hoje fico olhando os meninos, já homens fei- tos. Ninguém teve uma “per- renguice” por causa da pere- reca no leite. Estão até mais sadios os que tomaram o lei- tecomaperereca. A perereca no leite Lagoa da Prata recebe médico cubano ll UmmédicodoProgra- ma “Mais Médicos”, do Go- verno Federal, já está em LagoadaPrataeestáaten- dendo no PSF do Américo Silva 2, na rua Belo Hori- zonte,desdeaúltimaquar- ta-feira, 23. Juan Carlos é clínico geral e tem 20 anos de profissão. Ele trabalhou emCuba,naVenezuelaena Bolívia. No Brasil ele esta- vaatendendoemGuarapa- ri, no Espírito Santo. Lagoa da Prata já fez o pedidoaoGovernoFederal para que mais um médico possa atuar no município. JUAN CARLOS (CAMISA AZUL) FOI RECEBIDO PELO PREFEITO PAULO TEODORO E EQUIPE DE GOVERNO. Foto: ASCoM/P. M. DE LAGoA DA PRAtA
  16. 16. 16 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademg
  17. 17. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 17 Dr. Fabiano Lemos 37 3261-2693 cirurgiaplastica@fabianolemos.com R. Olegário Maciel, 135 - Lagoa da Prata/MG Saúde e Beleza llHoje, todos tém o sonho de corrigir algumas imperfeições queincomodamnocorpo,que não são solucionadas apenas comdieta,tratamentosestéti- cos ou academia , mas neces- sita de um procedimento ci- rúrgico. o estar bem consigo mes- mo é algo que necessita ser avaliado, pois transcende aos acontecimentos cotidianos e as transformações ditadas pe- lo tempo. Equilibrar beleza e saúde é importantíssimo nes- sabusca elançarmãodacirur- gia plástica, pode ser um meio paraestarbemconsigomesmo. o Brasil é o segundo pa- ís no mundo que mais realiza cirurgia plástica estética, per- demosapenasparaosEstados Unidos ,que têm uma popula- çãomaiorqueanossa eganha- mosdaChina,paísmaispopu- loso do mundo. As brasileiras gostam de operar e sentirem mais bonitas, até porque esta- mos num clima tropical, onde oscorposficamamostra. A Cirurgia Plástica é uma especialidademédica nova,co- meçou na época da primeira e segunda guerra mundial, com objetivodeestudar,formulare realizar cirurgias reparadoras em soldados sequelados de guerra.Hojeomaiorcampode ação do Cirurgião Plástico es- tá na estética e cada dia mais surgem novos procedimentos e aparelhos. Um grande invento na Ci- rurgia Plástica foi a Lipoaspi- raçãonofinaldadécadade 70, por um médico francês , cuja especialidade era ginecologis- ta e obstetra . Dr. Ilouz utilizou da ideia de fazer uma cureta- gem a vácuo, desenvolvendo a lipoaspiração de gordura do nossocorpoetornouacirurgia mais realizada no meio estéti- co. outro grande invento fo- ramos implantesdesilicones, quejáestãonaquartageração, após vários anos de desenvol- vimento de tecnologias. Fica- ram famosos na indicação de projeção das mamas, mas ho- je são colocados nos mais di- versos lugares do nosso corpo. São seguros, não causam cân- cer,feitosdegelcoersivo,ouse- ja,nãovazamsetiveremruptu- ra. Muitoseperguntamsobrea segurançadascirurgias plásti- cas,principalmentealipoaspi- ração , procedimento em evi- dência na mídia como causa- dora de agravo á saúde. Pode- mos falar que a cirurgia estéti- ca é um procedimento seguro desdequerealizadoporprofis- sionais adequados com espe- cializaçãoemCirurgiaPlástica. A maioria dos processos que estão no Conselho Regio- nal de Medicina, são procedi- mentos estéticos que foram realizados por profissionais que não tinham o curso de re- sidência médica em Cirurgia Plástica, ou seja, por profissio- nais que não tiveram uma for- maçãoadequadapararealizar tais cirurgias. Se você tiver um sonho de realizarumacirurgiaparame- lhorar a forma do seu corpo , nãodeixepassaraoportunida- de, procure um bom cirurgião plástico,quetenhaumaboafor- maçãoetiretodasassuaduvi- dascomele. Procure seu cirurgião nos sitesCRMeSociedadeBrasilei- radeCirurgiaPlastica www.crmmg.org.br www.cirurgiaplastica.org.br Cirurgia Plástica nos Tempos Modernos OPINIãO Solange Barbosa (Buffet Divina Gula) solangecfb@gmail.com Alimentos e Culinária llParareceberosamigos, nemsempreéprecisofazer um jantar formal. Você po- de organizar um encontro mais descontraído, reunin- do os convidados em torno da mesa de centro da sala deestar.Diversoscozinhei- rostêmoferecidoumasele- çãovariadadecanapéseen- tradascomorefeiçãoprinci- pal.Emmuitosmomentos,a refeiçãoclássicadetrêspra- tosestácedendolugaràspe- quenasporções-asseduto- rascomidinhas. Dependendo do pa- ís, esses pratos minimalis- tas são chamados de ape- ritivos (Brasil), tapas (Es- panha), mezzes(Líbano), antepastos(Itália) ou entra- das. Mas seja qual for sua origem, eles compartilham amesmasemelhança:uma mescladesaboressalgados, doces,ácidosepicantesque despertam o paladar. E não há como resistir: todos vão querermais. Noentanto,osabornãoé oúnicomotivoparaessemo- vimentoemdireçãoàmesa de centro; o outro é o estilo devida.Umanoitadaaore- dor de vários pratos exóti- cospromoveumaatmosfe- ra mais sociável e descon- traída do que quando expe- rimentamos vários pratos maisformais.Alémdisso,é umamaneiraderecebercom estilo,mesmomorandoem umapartamentopequeno. Espero que tenha tan- toprazeremfazê-lasquan- toeutive.Seusamigosfica- rãoimpressionadossevocê osrecebercomumacombi- nação de entradas ou criar um cardápio completo. Se- gue a primeira sugestão, de muitasoutrasquevirãopos- teriormente. Comidinhas (Finger Foods) INGREDIENTES •500gdecamarõesgrandes,limpos, semcas- ca,comacolinha •125gdemaizena •4clarasligeiramentebatidas •125gdecocodesidratadosemaçúcar •Sal,limãoepimentaagosto •600ml de óleo vegetal (canola, milho ou gi- rassol) MODO DE PREPARO Preaqueça o forno a 150°C. Lave e seque oscamarõesempapeltoalha.Coloqueamai- zena, as claras de ovo levemente batidas e o cocoemtrêsvasilhasseparadas.tempereos camarões com sal, limão e pimenta a gosto e passe na maizena. Retire o excesso. Passe na clara e por fim no coco. Aqueçaoóleonumawokgrandeounumapanelamédiaatéqueumpedaçodepão seco colocado no óleo comece a fritar imediatamente. Mergulhe os camarões no óleo atédourarem,cercadeseisporvez.Deixeescorrerempapeltoalhaemantenhaquen- te no forno até terminar o procedimento. Sirva com o molho de manga e hortelã e, se quiser, enfeite com raspas de limão. MOLHO DE MANGA E HORTELã •1 manga grande em pedaços •Suco de 2 limões •1 pimenta dedo de moça de 1cm sem sementes picada •Folhas de hortelã •Coentro fresco picado •1 colher (chá) de molho de peixe (hondashi) •2 colheres de( sopa) de iogurte natural MODO DE FAZER: Bata bem todos os ingre- dientesnoprocessador. Camarão ao Coco (Ao molho de manga e hortelã)
  18. 18. 18 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademgOPINIÃO Nilson Bessas nilson@lagoacred.com.br Empreendedorismo e Negócios ll O consumo do brasileiro, nestes últimos anos, atingiu um patamar jamais experi- mentado antes. Seria um fato positivo para a economia na- cional se o brasileiro não es- tivesse com boa parte de sua rendacomprometidacomem- préstimoseprestações.Ocon- sumo em si é importante para o crescimento do país, geran- do empregos e recolhimento de impostos, porém, quando feito de maneira sustentável. Isto é, quando feito com base noaumentodarendadotraba- lhador ou através de linhas de créditosplanejadas. Masopro- blema é que o crescimento do consumoqueassistimosepar- ticipamosnãoteveestaproce- dência e veio de forma inade- quada, através de linhas de créditos mirabolantes oferta- dasportodososlados,evadin- doarendaecapacidadedepa- gamento do trabalhador. Com isso, uma parte considerável deconsumidores,semorienta- ção necessária, caiu numa ar- madilhafinanceiraesetornou refémdejuroselevadosedívi- dasimpagáveis,esemmuitoo quefazer,viuseunomehabitar o banco de dados de inadim- plentes. Sinto, mais do que nunca, a falta de educação financeira nas escolas. Precisa, urgente- mente, que seja acrescentada estamatérianagradecurricu- lar dos alunos. Se não, o pobre, cada vez mais ficará mais po- breeorico,cadavezmaisfica- rá mais rico. Quanto ao rico fi- carmaisrico,ótimo,nadacon- tra.Oquenãopodeéopobrefi- carmaispobre.Explico:Quan- do um trabalhador de baixa renda, sem plano de consumo (quenãojuntaodinheiroantes da compra) e sem noção de fi- nanças (não sabe fazer cálcu- lo de juros), procura uma loja de eletrodomésticoparacom- prar financiada uma geladei- ranovalorR$1.000,00,eleaca- baficandomaispobre. Agela- deirafinanciadanoprazode24 meses, devido ao juro de vare- jo cobrado, passará seu preço final e real para mais ou me- nos R$ 1.900,00. Agora, quan- do uma pessoa com noção de finanças e com plano de con- sumoprocuraestamesmaloja, elenegociaumabatimentopa- ra pagamento à vista. Portan- to, esta mesma geladeira com desconto, custará para este o preço de mais ou menos R$ 900,00. Considerando o valor à vista da geladeira, o primeiro consumidor pagou duas e le- vouuma. Jáosegundoconsu- midorlevouamesmageladei- ra por R$ 900,00 e ainda ficou com R$ 100,00. Considerando os R$ 900,00 perdidos com os jurosmaisosR$100,00obtidos no desconto, o primeiro con- sumidor perdeu R$1.000,00, daí a expressão de ter ficado mais pobre.Eosegundolevou amesmageladeiraeaindapo- deaplicarR$100,00napoupan- ça. Daí a expressão que o rico, cada vez mais, ficará mais ri- co.Esteéumsimplesexemplo doqueocorrecorriqueiramen- tenomercado.Desdeacompra de uma peça de roupa à com- pradeumcarro,praticamente, grande parte vem sendo feito deste jeito. Estas são comparações verdadeiras,masbemprofun- das ao lidarmos com o com- portamento humano. Tem gentequesepreocupasomen- tecomoagoraeosrecursosdo amanhã são comprometidos para lhe proporcionar o con- sumohoje. Etemgentequese preocupa somente com o fu- turo e está sempre guardando seus recursos para o amanhã. Porém,nãodáparadizerquem está certo e quem está errado. Trata-se de um modo de vida e a economia precisa do equi- líbriodeambosparafuncionar. Entretanto,osconsumido- res deste primeiro time preci- sam ficar atentos para não se tornarem vítimas do sistema financeiro e assistirem suas rendasescoarempeloralo.Fa- zer um simples cálculo mate- mático na hora da compra po- de-lheserumaarmapoderosa contra as ofertas de financia- mentos com práticas de juros abusivos. Uma geladeira não pode sair pelo preço de duas. A grande rede varejista, mesmo sabendo do alto endi- vidamento das famílias brasi- leiras e presenciando o cami- nhar do consumo para um es- tado de esgotamento e fadi- ga, permanecerá ofensiva pa- ra vender e financiar. O cres- cimento da economia e seus benefícios dependerão mui- to disso, porém, não vejo isso com bons olhos. A economia para ser sustentável em longo prazo precisa crescer através de investimentos públicos e privadosedegeraçãodenovas e mais rendas e não somente através de ofertas de créditos. E diante desse fato eminente, esperoqueotrabalhadorsaiba se posicionar. Consumir sem- pre é bom, mas é melhor ain- da,seoconsumoforfeitocom cautela e consciência. Nilson Antonio Bessas PresidentedoConselhodeAd- ministração e Diretor Comer- cial/FinanceirodoSicoobLa- goacred Gerais. Crédito consciente para um consumo saudável Sinto, mais do que nunca, a falta de educação financeira nas escolas. Precisa, urgentemente, que seja acrescentada esta matéria na grade curricular dos alunos. Se não, o pobre, cada vez mais ficará mais pobre e o rico, cada vez mais ficará mais rico. Rodrigo Castro (Agência Blue360) rodrigo@agenciablue360.com.br Marketing llNaminhaprimeiravez aqui, falei da importância de vocês desenvolverem um trabalho de CRM “Ge- renciamento de Relações comoCliente”ouatémes- mo na pior das hipóteses, fazer aquela velha listi- nha de contatos dos seus clientes. Rodrigo, comecei mas e agora? Bom, e agora que você tem em seu compu- tador(algunsaindaemsu- as mãos) um celeiro de in- formaçõesquepodemala- vancar e muito os resulta- dos de seu negócio. A primeira coisa a ser feitaéentenderasegmen- tação, ou seja, quem são as mulheres, quem são os homens, qual a faixa etá- ria, em qual cidade, bair- roeruaelesmoram,qualé a frequência de compras, o que eles compram, etc. Depois disso, use as infor- mações para transformar seus potenciais e atuais clientes em advogados da marca, é isso que nós que- remos! Queremos clien- tes que defendam nossa causa, que comprem nos- sa marca/produto/servi- ço até mesmo “debaixo d’agua”. E isso se faz com relacionamento. O cliente querserexclusivo,elepre- cisa perceber que é exclu- sivo. Chame-o sempre pe- lonome, já éum excelente começo. Abraços e até a próxi- ma. RODRIGOCASTRO Desde sempre me interessei por comunicação. Por incrível que pareça, sou fã de Polishop e do Shoptime porque a argu- mentação de vendas que eles usam é de tirar o chapéu. Tal- vez por isso resolvi me formar em publicidade, me especia- lizar em Marketing e fundar a Blue360,agênciadeComunica- ção,DesigneMarketing.Acre- ditoqueavidamereceumatri- lha sonora e por isso não vivo sem música. Sou torcedor fa- nático,workaholic,amominha famíliaemeusamigos! E seu estiver gastando dinheiro com o cliente errado (parte 2)
  19. 19. Veja outras notícias no site www.jornalcidademg.com.br 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 19ESPORTES Chaiene conquista ouro e prata no campeonato brasileiro de karatê Atleta lagopratense conquistou medalha nas disputas de kata e luta. Professor pede apoio para disputar o campeonato sul-americano ll A karateca Chaiene Queren Fonseca Martins, de Lagoa da Prata, con- quistou duas medalhas no Campeonato Brasileiro de karatê Inter-Estilos, reali- zadoemSãoPaulonosdias 4, 5 e 6 de abril. A atleta faz parte da equipe Sei Shin Kai, comandada pelo pro- fessorWagnerHeleno(40). Outros dois lutadores con- quistaram medalhas. Paul Richard ficou com o ter- ceiro lugar na disputa de luta. Iago Dias Júnior con- quistou a mesma posição, porém, na disputa de ka- ta (conjunto de movimen- tos de ataque e defesa rea- lizados em conjunto ou in- dividualmente). A delega- çãodeLagoadaPrataeste- verepresentadanacompe- tição por seis integrantes, queforamconvocadospela Federação Mineira de Ka- ratê para defender o Esta- do no torneio. Os atletas têm a possi- bilidade de disputarem se- tecompetiçõesaolongodo ano.Aotodo,sãocincoeta- pasdocampeonatominei- ro, o campeonato brasilei- ro e o sul-americano. Pa- ra o professor, a maior difi- culdadeparaaequipeépro- videnciar o transporte aos alunos. “O que mantém as criançastreinandoéapos- sibilidade de participar de competições. O desloca- mento fica muito caro. A maioria dos campeonatos érealizadanoSuldeMinas eemSãoPaulo.Geralmen- te viajamos durante a ma- drugadaparacompetirdu- rante o dia, o que dificulta aindamaisonossodesafio. Nesta última etapa a equi- peconseguiuaajudade230 reais, por meio de doações devoluntários,masanossa despesa ficou em 2.000 re- ais”,lamentaWagner.Ade- legação viajou a São Paulo paradisputarocampeona- tobrasileironopróprioveí- culo do professor. POTENCIAL Para Wagner Heleno, muitoskaratecasemLagoa daPrataestãoprontospara disputarqualquercompeti- ção,inclusiveocampeona- tomundial.Masfaltaapoio. “O que não temos é recur- sosparaqueelescheguem lá. A nossa aluna Maria Eduarda conquistou a me- dalha de ouro no campeo- nato mineiro. A atleta que perdeu para ela, na sema- na seguinte foi para a Tur- quiadisputaromundialde karatê. A nossa aluna não disputou nem o brasileiro porque não tinha recurso. Os atletas estão prontos. Precisam é de mais apoio”, lamenta. De 30 de maio a 1 de ju- lho será realizado o cam- peonato sul-americano de karatê interestilos, no Gi- násio Ibirapuera, em São Paulo. O professor diz que osalunosestãopreparados paraacompetição,masre- afirma a necessidade de ajuda. “Acho que é possí- velconquistarnosul-ame- ricano um resultado mui- to maior. Depois da parti- cipação no Brasileiro, ga- nhamos muita experiên- cia. Nós já estamos prepa- rados tecnicamente, mas não temos condições ne- nhuma.Quempuderajudar que olhem também para o lado do karatê, para o lado dosatletasqueestãolutan- do muito para trazer os re- sultadosparanossacidade. Estamos tirando crianças darua”,acrescentaWagner. EXPERIÊNCIA OprofessorWagnerHe- leno iniciou os estudos do karatê aos sete anos. Ho- je possui duas graduações: 4º grau Shotokan e 3º grau Shitoriu (estilos reconhe- cidos internacionalmente da arte marcial). “No meu tempo era difícil demais. A mensalidade muito alta. Euuseikimonofeitodepa- nodechãodurantemuitos anos, pois não tinha con- dições de comprar. Estou abrindo mão de muita coi- saparamanteresseprojeto funcionando”,afirmaopro- fessor. O karateca também participadeumprojetovo- luntárionaAssociaçãoSa- ra Aparecida, no qual ensi- naaartemarcialacrianças de famílias com baixa ren- dadobairroSolNascentes. “Para mim esta é a melhor equipe principiante que ti- ve em Lagoa da Prata. São pessoas carentes, humil- des, mas com uma vonta- deenormedeaprender.Fi- co orgulhoso de falar de- les.Estãomuitoempenha- dos.Odesenvolvimentoes- tá sendo muito rápido. Os alunos abraçaram a causa com muita força de vonta- de”, ressalta. a campeã brasileira chaiene e o professor wagner heleno FOTO: ARQUIVO PESSOAL
  20. 20. 20 26 de Abril de 2014 ANO I I - Nº 24 Siga-nos @jornalcidademg sicoob.com.br Parabéns , Trabalhador! Você está associado à força do nosso País. 1º de maio, dia do trabalhador. Homenagem do Sicoob aos trabalhadores do Brasil. Fotos produzidas com a participação de associados e funcionários do Sicoob.

×