Publicidade e Multi-screening- Patrícia Dias

409 visualizações

Publicada em

Intervenção de Patrícia Dias nas VI Jornadas de Publicidade & Comunicação que decorreu na Escola Superior de Comunicação Social, no dia 23 de Outubro de 2014.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Publicidade e Multi-screening- Patrícia Dias

  1. 1. Publicidade e Multi-screening Escola Superior de Comunicação Social – IPL, 23 de outubro de 2014 www.patriciadias.pt
  2. 2. Quantos de vocês veem televisão em sincronia com a emissão? Quantos de vocês veem televisão num televisor? Quantos de vocês veem os anúncios publicitários televisivos?
  3. 3. As práticas de visionamento televisivo estão a mudar significativamente
  4. 4. Fonte: Nielsen’s “Digital Consumer Report 2014”.
  5. 5. Fonte: Nielsen’s “Cross-Platform Report Q1 2014”.
  6. 6. Multi-screening é a utilização sequencial ou simultânea de dois meios com ecrã Pode ser articulado ou independente
  7. 7. Fonte: Nielsen’s “Digital Consumer 2014”.
  8. 8. Social TV
  9. 9. Fonte: Microsoft’s “Connected Experiences Report” (2014). TELEVISÃO “A onmipresente” PORTÁTIL “O sábio” TABLET “O explorador” CONSOLA “A palhaça” SMARTPHONE “O amante”
  10. 10. Fonte: Microsoft’s “Connected Experiences Report” (2014). “A minha principal motivação para usar o tablet enquanto vejo televisão é sentir que não estou a perder tempo, poder fazer várias coisas ao mesmo tempo.” FG3, PARTICIPANTE 7 (M, 20) “Quando o que estou a ver na TV não é assim tão interessante, uso o iphone para me distrair. Posso tentar passar um nível de um jogo que ando a jogar, ou ver o que se passa no Facebook e no Instagram.” FG2, PARTICIPANTE 3 (F, 19) “Detesto publicidade. Por isso nunca vejo televisão. E no computador, uso filtros sempre que possível. Quando vejo programas gravados, passo sempre à frente os intervalos.” FG3, PARTICIPANTE 1 (M, 19)
  11. 11. Fonte: Microsoft’s “Connected Experiences Report” (2014).
  12. 12. As medições das audiências já não são fidedignas
  13. 13. Fonte: Kickstarter
  14. 14. Tanto a televisão como a publicidade necessitam (e estão à procura de) novos modelos de negócio
  15. 15. Placement Marketing
  16. 16. Fonte: Nielsen’s “Unleashing the Power of Cross-Platform Advertising” (2014).
  17. 17. Fonte: Microsoft’s “Connected Experiences Report” (2014).
  18. 18. Fonte: Nielsen’s “Unleashing the Power of Cross-Platform Advertising” (2014).
  19. 19. “Eu gostava que houvesse mais aplicações articuladas com os programas televisivos. Acho que era capaz de comprar um artigo que visse numa série, por exemplo, a partir de uma aplicação móvel.” FG2, PARTICIPANTE 2 (F, 23) “Estava disposto a pagar para ter um canal em que pudesse escolher a minha programação a partir de uma lista e não ter publicidade nenhuma.” FG1, PARTICIPANTE 3 (M, 43) “Eu não me importo de ver anúncios sobre produtos e marcas que gosto. Se a televisão conseguisse fazer como o Google e o Facebook, ajustar os anúncios a cada telespectador, eu se calhar já não passava à frente os anúncios.” FG1, PARTICIPANTE 5 (M, 36) “Agora estão na moda aquelas ideias colaborativas. Acho que isso podia ser explorado. Por exemplo, numa aplicação, se juntássemos muitas pessoas interessadas no mesmo produto, o preço descia.” FG3, PARTICIPANTE 4 (m, 20)
  20. 20. Pulicidade Multi- screening FUTURO www.patriciadias.pt OBRIGADA!

×