Ecoarquitetura Nossa De Cada Dia

2.476 visualizações

Publicada em

Arquitetura Sustentável

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.476
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecoarquitetura Nossa De Cada Dia

  1. 1. Ecoarquitetura nossa de cada dia O que cada um de nós pode fazer pelo desenvolvimento sustentável
  2. 2. Introdução <ul><li>Uso racional de água e </li></ul><ul><li>de energia </li></ul><ul><li>Formas alternativas de </li></ul><ul><li>energia em substituição ao petróleo </li></ul><ul><li>Manejo de florestas para evitar sua extinção </li></ul><ul><li>Exercício de uma arquitetura sustentável </li></ul><ul><li>Maior eficiência econômica </li></ul><ul><li>Menor impacto ambiental nas soluções adotadas </li></ul>
  3. 3. Emergia <ul><li>É toda energia necessária para um ecossistema produzir um recurso (energia, material, serviço da natureza, serviço humano) </li></ul><ul><li>Energia Incorporada ou memória energética </li></ul><ul><li>Energia usada na fabricação e transporte do material </li></ul>
  4. 4. Emergia
  5. 5. HISTÓRICO e CONTEXTO ATUAL
  6. 6. Bíblia Sagrada <ul><li>Gênesis 2:15 - “Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar </li></ul><ul><li>e guardar.” </li></ul>
  7. 7. Constituição (1988) <ul><li>Art.182- A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. </li></ul>
  8. 8. Estatuto das Cidades <ul><li>Lei 10.257 de 2001 </li></ul><ul><li>Estabelece diretrizes gerais da política urbana </li></ul><ul><li>Garantir direito a cidades sustentáveis </li></ul>
  9. 9. CONAMA <ul><li>Conselho Nacional do Meio Ambiente </li></ul><ul><li>Resolução 307/2002 </li></ul><ul><li>As construtoras devem elaborar um projeto de gerenciamento de resíduos e apresentá-lo à Prefeitura no processo de licenciamento de obras de construção civil </li></ul>
  10. 10. PBQP-H <ul><li>Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat </li></ul><ul><li>Carta de Istambul / Agenda Habitat (1996) </li></ul><ul><li>Visa organizar o setor da construção civil em torno de duas questões principais: a melhoria da qualidade do habitat e a modernização produtiva </li></ul>
  11. 11. ISO 14000 <ul><li>International Organization for Standardization </li></ul><ul><li>As normas ISO 14000 – Gestão Ambiental, foram inicialmente elaboradas visando o “manejo ambiental” </li></ul><ul><li>O que a empresa faz para minimizar os efeitos nocivos ao ambiente causados pelas suas atividades </li></ul>
  12. 12. ISO 14001 <ul><li>Avalia as conseqüências ambientais das atividades, produtos e serviços da organização </li></ul><ul><li>Atende a demanda da sociedade </li></ul><ul><li>Define políticas e objetivos baseados em indicadores ambientais definidos pela organização que podem retratar necessidades desde a redução de emissões de poluentes até a utilização racional dos recursos naturais </li></ul>
  13. 13. ISO 14001 <ul><li>Implicam na redução de custos, na prestação de serviços e em prevenção </li></ul><ul><li>É aplicada às atividades com potencial de efeito no meio ambiente </li></ul><ul><li>É aplicável à organização como um todo </li></ul>
  14. 14. LEED – Green Building <ul><li>Uso consciente de recursos </li></ul><ul><li>Diminuição da poluição gerada pela construção e pela operação do prédio </li></ul><ul><li>Redução do consumo de água potável </li></ul><ul><li>Diminuição do consumo de energia </li></ul><ul><li>Redução da emissão de CO2 na atmosfera </li></ul><ul><li>Gerenciamento correto de resíduos </li></ul><ul><li>Restauração de ecossistemas </li></ul><ul><li>Maior permeabilidade do solo </li></ul>
  15. 15. FERRAMENTAS
  16. 16. Onde podemos atuar ? <ul><li>Clientes </li></ul><ul><li>Fabricantes </li></ul><ul><li>Lojas de materiais para construção </li></ul><ul><li>Prestadores de serviços </li></ul>
  17. 17. Áreas de influência <ul><li>Fornecedores </li></ul><ul><li>Projeto – Fase de Execução </li></ul><ul><li>Projeto – Fase de Utilização </li></ul><ul><li>Obra </li></ul><ul><li>Pós-obra </li></ul>
  18. 18. Fornecedores <ul><li>Andaimes e escoramentos metálicos </li></ul>
  19. 19. Fornecedores <ul><li>Cobrar informações sobre </li></ul><ul><li>cada material </li></ul><ul><li>Quanta energia ele requer </li></ul><ul><li> para sua produção e transporte </li></ul><ul><li>Se é reciclável </li></ul><ul><li>Quanto gasta de energia para reciclar </li></ul><ul><li>Qual é o comportamento do material em termos de conforto ambiental </li></ul>
  20. 20. Projeto – Execução <ul><li>Paginação de pisos e </li></ul><ul><li>azulejos </li></ul><ul><li>Projetos mais detalhados </li></ul><ul><li>Planilhas quantitativas </li></ul><ul><li>Escolha de fornecedores e prestadores pela competência </li></ul><ul><li>Materiais de demolições </li></ul>
  21. 21. Sistemas construtivos modulares
  22. 22. Procurar substitutos <ul><li>Cimento </li></ul><ul><li>Concreto </li></ul><ul><li>Derivados de petróleo, tintas e vernizes insolúveis em água ou com grande concentração de metal </li></ul>
  23. 23. Algumas alternativas <ul><li>Madeira de reflorestamento ou de áreas manejadas </li></ul><ul><li>PET, Tetra-Pack, etc </li></ul><ul><li>Tijolo de plástico (Lego) </li></ul><ul><li>Adobe </li></ul>
  24. 24. Algumas alternativas <ul><li>Taipa de mão </li></ul><ul><li>Taipa de pilão </li></ul>
  25. 25. Projeto – Utilização <ul><li>Conforto ambiental </li></ul><ul><li>Insolação </li></ul><ul><li>Ventos dominantes </li></ul><ul><li>Características do entorno </li></ul>
  26. 26. Projeto – Utilização <ul><li>Definir posicionamento no lote </li></ul><ul><li>Espessura das paredes </li></ul><ul><li>Dimensão das aberturas </li></ul><ul><li>Inércia térmica dos materiais </li></ul><ul><li>Brises e bandejas de luz </li></ul><ul><li>Cores claras </li></ul>
  27. 27. Projeto – Utilização <ul><li>Explorar as formas passivas de energia até a exaustão antes de partir para as soluções de energia ativa, </li></ul><ul><li>Fachadas com grandes superfícies de vidro onde o ar condicionado permanece ligado durante o dia inteiro </li></ul><ul><li>Paisagismo (Ipê, Eritrina) </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Verão </li></ul><ul><li>Inverno </li></ul>
  29. 29. Projeto – Utilização <ul><li>Pontes térmicas - Coeficiente de transmissão global (K), quanto calor por metro quadrado uma parede opaca pode deixar passar </li></ul><ul><li>Estudo de viabilidade ambiental </li></ul><ul><li>Área de permeabilidade </li></ul>
  30. 30. Projeto Utilização <ul><li>Ventilação cruzada </li></ul>
  31. 31. Projeto – Utilização <ul><li>Vagas preferenciais p veículos de combustível limpo </li></ul><ul><li>Lotes mais amplos </li></ul><ul><li>Sensores de presença </li></ul><ul><li>Torneiras automáticas </li></ul><ul><li>Lâmpadas de baixo consumo </li></ul>
  32. 32. Projeto – Utilização <ul><li>Cisterna – água p usos menos nobres </li></ul>
  33. 33. Projeto – Utilização <ul><li>Telhados verdes </li></ul><ul><li>Casas semi-enterradas </li></ul>
  34. 34. Projeto – Utilização <ul><li>Válvulas de descarga com 2 fluxos </li></ul><ul><li>Energia solar e eólica </li></ul><ul><li>Pé-direito maior </li></ul>
  35. 35. Obra <ul><li>Minimização dos desperdícios </li></ul><ul><li>Organização e limpeza dos canteiros </li></ul><ul><li>Coleta seletiva e agrupamento por tipo </li></ul><ul><li>Reciclagem ou reaproveitamento no próprio canteiro </li></ul><ul><li>Escolha criteriosa do transportador de resíduos </li></ul>
  36. 38. Obra <ul><li>Contrato da empresa que demonstre claramente a responsabilidade do transportador pela correta destinação do entulho em áreas licenciadas de transbordo e triagem ou aterros licenciados de resíduos da construção </li></ul><ul><li>Uma via do registro do Controle de Transporte de Resíduo -CTR, documento comprobatório de que o entulho foi entregue em área licenciada para a destinação adequada dos resíduos da construção </li></ul>
  37. 39. Pós-obra <ul><li>Registro fotográfico </li></ul><ul><li>Projetos e “as-built” </li></ul><ul><li>Manual de boas práticas </li></ul><ul><li>Treinamento de zeladores </li></ul><ul><li>Vistorias técnicas a cada 3 anos </li></ul>
  38. 40. Reciclagem <ul><li>Aço e vidro </li></ul><ul><li>Alumínio, 126 vezes mais emergia que a madeira, quando se trata de produto 100% alumínio, a reciclagem é possível, e isto diminui o impacto </li></ul><ul><li>Painéis compostos de alumínio (ACM), a separação consome muita emergia e a reciclagem se torna inviável </li></ul>
  39. 41. Teoria de Gaia <ul><li>...a Terra é um corpo vivo e o seres que nela habitam são os responsáveis pelo bem-estar desse organismo...o arquiteto age como um médico que identifica doenças e dá o seu diagnóstico... (James Lovelock - 1970) </li></ul>
  40. 42. <ul><li>Jorge Ricardo Baruki Samahá </li></ul><ul><li>Arquiteto e Urbanista </li></ul><ul><li>UNITAU 1984 </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>www.pindavale.com.br/jorgesamaha </li></ul><ul><li>(12) 3642 5031 </li></ul><ul><li>(12) 9108 5255 </li></ul>Obrigado

×