SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
SISTEMAS DE ENSINO
Por dentro do Montessori
O objetivo da teoria de ensino e aprendizagem criada por Maria
Montessori é a formação integral do jovem, uma "educação para a vida"
Maria Montessori defende o respeito às necessidades de
cada estudante, segundo a sua faixa etária. Mesmo as crianças são capazes de
conduzir o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar esse
processo.
"Ela acreditava que a educação é uma conquista da criança, pois percebeu
que já nascemos com a capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem
dadas as condições", diz Talita de Oliveira Almeida, presidente da Associação
Brasileira de Educação Montessoriana.
Quem desenvolveu a ideia?
A pedagoga italiana Maria Montessori (1870-
1952)
Onde está o foco?
O foco é o aluno. A teoria montessoriana crê que
as crianças trazem dentro de si o potencial criador
que permite que elas mesmas conduzam o
aprendizado e encontrem um lugar no mundo.
"Todo conhecimento passa por uma prática e a
escola deve facilitar o acesso a ela", diz a educadora
Talita de Oliveira Almeida.
Qual o papel do professor?
Maria Montessori foi pioneira no campo
pedagógico ao dar mais ênfase à auto-educação do
aluno do que ao papel do professor como fonte de
conhecimento.
"Ela acreditava que a educação é uma conquista
da criança, pois percebeu que já nascemos com a
capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem
dadas as condições", diz Talita.
Assim como no construtivismo, os professores
assumem o papel de guia, conduzindo e motivando o
aluno no processo de aprendizado.
Como se aprende?
O método Montessori parte do concreto rumo ao
abstrato. Baseia-se na observação de que meninos e
meninas aprendem melhor pela experiência direta de
procura e descoberta.
Para tornar esse processo o mais rico possível, a
educadora italiana desenvolveu os materiais didáticos
que constituem um dos aspectos mais conhecidos de seu
trabalho.
São objetos simples, mas muito atraentes, e
projetados para provocar o raciocínio. Há materiais
pensados para auxiliar todo tipo de aprendizado, do
sistema decimal à estrutura da linguagem.
Como se introduz um novo conceito?
Na Educação Infantil, enfatiza a manipulação de
peças de tamanhos, formas, texturas e cores
diferentes.
Na alfabetização, com a ajuda de objetos como o
alfabeto móvel, utiliza-se o método fonético, em que
o aprendizado parte do som da letra para se construir
a palavra e depois o texto.
Devido principalmente, às exigências do vestibular,
a pedagogia montessoriana raramente é aplicada no
Ensino Médio.
Quais os reflexos na sala de aula?
Crianças de idades diferentes são agrupadas numa
mesma turma. Nessas classes “multi-idades”, alunos de 5
e 6 anos estudam na mesma sala e seguem um programa
único.
Posteriormente eles passam para as turmas de 7 e 8,
em seguida para as de 9 e 10, e, finalmente, alcançam o
último estágio, que agrega jovens de 11, 12, 13 e 14 anos.
Até os 10 anos, os alunos têm aulas com um único
professor polivalente, enquanto nas salas de 11 a 14, esse
professor ganha a companhia de docentes específicos
para cada uma das disciplinas.
Para que esse método funcione bem, frequentemente
há atividades em duplas, trios ou grupos.
Quais os reflexos na sala de aula?
Dependendo do conteúdo, o professor pode dividir a classe em grupos
por idade.
A maior parte do material didático, especialmente entre os mais novos, é
de uso coletivo, como livros e lápis.
A avaliação é feita para todas as tarefas, portanto, não existem provas
formais.
"Além de dar um conceito para cada aluno, os professores preparam
boletins detalhados, especificando as posturas e os procedimentos dos
estudantes", conta Edimara de Lima, diretora pedagógica da Escola Prima
Montessori de São Paulo
Que tipo de individuo pretende formar?
Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria,
com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e
objeto do ensino.
Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além
dos limites do acúmulo de informações.
O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma "educação para
a vida".
A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram
desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à
vontade de aprender - conceito que ela considerava inerente a todos os seres
humanos.
Referências
• http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendi
zagem/materias_295179.shtml
• Texto Carolina Tarrío

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Maria Montessori
Maria Montessori Maria Montessori
Maria Montessori
 
Maria montessori
Maria montessoriMaria montessori
Maria montessori
 
Teorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos PedagógicosTeorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
Teorias da Aprendizagem e Modelos Pedagógicos
 
Froebel
Froebel Froebel
Froebel
 
Decroly
DecrolyDecroly
Decroly
 
Celestin Freinet
Celestin FreinetCelestin Freinet
Celestin Freinet
 
Modelos Pedagógicos
Modelos PedagógicosModelos Pedagógicos
Modelos Pedagógicos
 
P.R.A ALEXANDRE TORRES-tecnico de ação educativa.docx
P.R.A ALEXANDRE TORRES-tecnico de ação educativa.docxP.R.A ALEXANDRE TORRES-tecnico de ação educativa.docx
P.R.A ALEXANDRE TORRES-tecnico de ação educativa.docx
 
1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento1. teorias do desenvolvimento
1. teorias do desenvolvimento
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Biografia e contribuições pedagógicas de Froebel
Biografia e contribuições pedagógicas de FroebelBiografia e contribuições pedagógicas de Froebel
Biografia e contribuições pedagógicas de Froebel
 
Base nacional comum curricular cepeja cópia
Base nacional  comum curricular cepeja   cópiaBase nacional  comum curricular cepeja   cópia
Base nacional comum curricular cepeja cópia
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
Ufcd-9634-Jovens.doc
Ufcd-9634-Jovens.docUfcd-9634-Jovens.doc
Ufcd-9634-Jovens.doc
 
Intervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infânciaIntervenção precoce na infância
Intervenção precoce na infância
 
Portfólio ricardo
Portfólio ricardoPortfólio ricardo
Portfólio ricardo
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
 

Destaque (20)

Mente absorvente cap.20
Mente absorvente cap.20Mente absorvente cap.20
Mente absorvente cap.20
 
Maria Montessori
Maria MontessoriMaria Montessori
Maria Montessori
 
Maria montessori
Maria montessoriMaria montessori
Maria montessori
 
Maria montessori
Maria montessoriMaria montessori
Maria montessori
 
Biografia de Maria Montessori
Biografia de Maria MontessoriBiografia de Maria Montessori
Biografia de Maria Montessori
 
Maria Montessori CERB
Maria Montessori CERB Maria Montessori CERB
Maria Montessori CERB
 
Montessori
MontessoriMontessori
Montessori
 
Proposta de elaboração sobre os materiais pedagógicos elaborador
Proposta de elaboração sobre os materiais pedagógicos elaboradorProposta de elaboração sobre os materiais pedagógicos elaborador
Proposta de elaboração sobre os materiais pedagógicos elaborador
 
Metodo Montessori
Metodo MontessoriMetodo Montessori
Metodo Montessori
 
Paschoal lemme
Paschoal lemmePaschoal lemme
Paschoal lemme
 
Educação montessoriana
Educação montessorianaEducação montessoriana
Educação montessoriana
 
251 alfabeto movel
251 alfabeto movel251 alfabeto movel
251 alfabeto movel
 
Aprender brincando uma forma divertida de ensinar
Aprender brincando   uma forma divertida de ensinarAprender brincando   uma forma divertida de ensinar
Aprender brincando uma forma divertida de ensinar
 
As crianças, o brincar e o currículo
As crianças, o brincar e o currículoAs crianças, o brincar e o currículo
As crianças, o brincar e o currículo
 
Matematica material dourado
Matematica material douradoMatematica material dourado
Matematica material dourado
 
Metodo Montessori
Metodo MontessoriMetodo Montessori
Metodo Montessori
 
Cagliari
CagliariCagliari
Cagliari
 
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃOHISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO
 
Slide 6encontro
Slide 6encontroSlide 6encontro
Slide 6encontro
 
Montessori
MontessoriMontessori
Montessori
 

Semelhante a Sistemas de ensino Montessori

As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasJessica Nuvens
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Ana Mara Oliveira de Sousa
 
Contexto educativo
Contexto educativoContexto educativo
Contexto educativoXana Santos
 
Grupo 2 tendências pedagógicas
Grupo 2 tendências pedagógicasGrupo 2 tendências pedagógicas
Grupo 2 tendências pedagógicasBeatrizBalanga
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03aline totti
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaEdilene Jadao
 
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...Psicanalista Santos
 
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptx
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptxAula 01 - Métodos pedagógicos.pptx
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptxRafaelaPavanelliChav
 

Semelhante a Sistemas de ensino Montessori (20)

As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
 
A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
 
A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
 
A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
 
Contexto educativo
Contexto educativoContexto educativo
Contexto educativo
 
Grupo 2 tendências pedagógicas
Grupo 2 tendências pedagógicasGrupo 2 tendências pedagógicas
Grupo 2 tendências pedagógicas
 
Resumo da aula do dia 23 de abril
Resumo da aula do dia 23 de abrilResumo da aula do dia 23 de abril
Resumo da aula do dia 23 de abril
 
resumo da aula do dia 23 de abril
resumo da aula do dia 23 de abrilresumo da aula do dia 23 de abril
resumo da aula do dia 23 de abril
 
Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03Pedagogia atv 03
Pedagogia atv 03
 
Resumo da aula tecnologia digital e educação
Resumo da aula tecnologia digital e educaçãoResumo da aula tecnologia digital e educação
Resumo da aula tecnologia digital e educação
 
Pedagogia diferenciada
Pedagogia diferenciadaPedagogia diferenciada
Pedagogia diferenciada
 
TCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de AprendizagemTCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de Aprendizagem
 
Teoria motenssoriana
Teoria motenssorianaTeoria motenssoriana
Teoria motenssoriana
 
Apres SemináRio Modelo
Apres SemináRio ModeloApres SemináRio Modelo
Apres SemináRio Modelo
 
Compartilhando conhecimentos
Compartilhando conhecimentosCompartilhando conhecimentos
Compartilhando conhecimentos
 
Teoria e crítica literária
Teoria e crítica literáriaTeoria e crítica literária
Teoria e crítica literária
 
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...Projeto para o tcc   orientação educacional – mediação e  intervenção diante ...
Projeto para o tcc orientação educacional – mediação e intervenção diante ...
 
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptx
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptxAula 01 - Métodos pedagógicos.pptx
Aula 01 - Métodos pedagógicos.pptx
 
Avaliação como principio da autoria slideshare
Avaliação como principio da autoria slideshareAvaliação como principio da autoria slideshare
Avaliação como principio da autoria slideshare
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 

Sistemas de ensino Montessori

  • 1. SISTEMAS DE ENSINO Por dentro do Montessori O objetivo da teoria de ensino e aprendizagem criada por Maria Montessori é a formação integral do jovem, uma "educação para a vida" Maria Montessori defende o respeito às necessidades de cada estudante, segundo a sua faixa etária. Mesmo as crianças são capazes de conduzir o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar esse processo. "Ela acreditava que a educação é uma conquista da criança, pois percebeu que já nascemos com a capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem dadas as condições", diz Talita de Oliveira Almeida, presidente da Associação Brasileira de Educação Montessoriana.
  • 2. Quem desenvolveu a ideia? A pedagoga italiana Maria Montessori (1870- 1952)
  • 3. Onde está o foco? O foco é o aluno. A teoria montessoriana crê que as crianças trazem dentro de si o potencial criador que permite que elas mesmas conduzam o aprendizado e encontrem um lugar no mundo. "Todo conhecimento passa por uma prática e a escola deve facilitar o acesso a ela", diz a educadora Talita de Oliveira Almeida.
  • 4. Qual o papel do professor? Maria Montessori foi pioneira no campo pedagógico ao dar mais ênfase à auto-educação do aluno do que ao papel do professor como fonte de conhecimento. "Ela acreditava que a educação é uma conquista da criança, pois percebeu que já nascemos com a capacidade de ensinar a nós mesmos, se nos forem dadas as condições", diz Talita. Assim como no construtivismo, os professores assumem o papel de guia, conduzindo e motivando o aluno no processo de aprendizado.
  • 5. Como se aprende? O método Montessori parte do concreto rumo ao abstrato. Baseia-se na observação de que meninos e meninas aprendem melhor pela experiência direta de procura e descoberta. Para tornar esse processo o mais rico possível, a educadora italiana desenvolveu os materiais didáticos que constituem um dos aspectos mais conhecidos de seu trabalho. São objetos simples, mas muito atraentes, e projetados para provocar o raciocínio. Há materiais pensados para auxiliar todo tipo de aprendizado, do sistema decimal à estrutura da linguagem.
  • 6. Como se introduz um novo conceito? Na Educação Infantil, enfatiza a manipulação de peças de tamanhos, formas, texturas e cores diferentes. Na alfabetização, com a ajuda de objetos como o alfabeto móvel, utiliza-se o método fonético, em que o aprendizado parte do som da letra para se construir a palavra e depois o texto. Devido principalmente, às exigências do vestibular, a pedagogia montessoriana raramente é aplicada no Ensino Médio.
  • 7. Quais os reflexos na sala de aula? Crianças de idades diferentes são agrupadas numa mesma turma. Nessas classes “multi-idades”, alunos de 5 e 6 anos estudam na mesma sala e seguem um programa único. Posteriormente eles passam para as turmas de 7 e 8, em seguida para as de 9 e 10, e, finalmente, alcançam o último estágio, que agrega jovens de 11, 12, 13 e 14 anos. Até os 10 anos, os alunos têm aulas com um único professor polivalente, enquanto nas salas de 11 a 14, esse professor ganha a companhia de docentes específicos para cada uma das disciplinas. Para que esse método funcione bem, frequentemente há atividades em duplas, trios ou grupos.
  • 8. Quais os reflexos na sala de aula? Dependendo do conteúdo, o professor pode dividir a classe em grupos por idade. A maior parte do material didático, especialmente entre os mais novos, é de uso coletivo, como livros e lápis. A avaliação é feita para todas as tarefas, portanto, não existem provas formais. "Além de dar um conceito para cada aluno, os professores preparam boletins detalhados, especificando as posturas e os procedimentos dos estudantes", conta Edimara de Lima, diretora pedagógica da Escola Prima Montessori de São Paulo
  • 9. Que tipo de individuo pretende formar? Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino. Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma "educação para a vida". A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à vontade de aprender - conceito que ela considerava inerente a todos os seres humanos.