Electricidade2

2.113 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.113
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
642
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Electricidade2

  1. 1. A Electricidade Riscos e ConsequênciasDocumento Realizador por:Ana Rita CunhaTutor:Dr. Francisco Guiomar
  2. 2. A ENERGIA ELÉTRICA• O mundo actual é profundamente condicionado e caracterizado pela utilização da energia elétrica.• Deve-se à sua facilidade de transporte e de transformação noutras formas de energia.• A electricidade é das formas mais discretas de energia que existe, pois não é facilmente perceptivel através dos sentidos, não tem cheiro, não é visível e não é audível.
  3. 3. A ENERGIA ELÉTRICA• Sendo a electricidade um factor inestimável na maioria • Tanto a nível do utilizador comum das nossas actividades diárias é • Mas principalmente ao nível dos necessário realçar que esta profissionais que trabalham com a pode acarretar riscos para os electricidade seus utilizadores; • Uma actuação incorrecta pode causar lesões irrecuperáveis ou mesmo a morte.
  4. 4. • Desta forma é importante formar e informar acerca dos riscos que um trabalhador corre ao laborarem com material elétrico.• Causas • Consequências • Medidas essenciais de protecção e segurança
  5. 5. CONCEITOS RELEVANTES:• Electrocussão: um choque eléctrico que origina a morte.• Electrização: um choque eléctrico que não causa a morte mas que pode originar outro tipo de consequências que podem ser mais ou menos graves . O que faz diferença entre electrocussão e electrização è: O tempo de passagem A intensidade A frequência da corrente O percurso do corpo que esta percorre Capacidade de reação individual
  6. 6. PARA QUE EXISTA RISCO ELÉCTRICO É NECESSÁRIO:• Existência de um circuito eléctrico formado por elementos condutores. • Que o circuito esteja fechado, ou possa fechar-se. • Que o circuito tenha diferença de potencial ou tensão.
  7. 7. ACIDENTES ELÉCTRICOS POR :• Contactos Directos: contacto com uma parte activa de um material ou equipamento.
  8. 8. ACIDENTES ELÉCTRICOS POR : • Contactos indirectos: contacto com uma parte ativa de um material ou equipamento
  9. 9. CONSEQUÊNCIASTetanização Muscular: paralisia muscular causada pela circulação de corrente elétrica nosnervos que controlam o musculo. A corrente supera os impulsos elétricos que são enviados pelamente e anula-os podendo bloquear um membro ou o corpo inteiro. Se a corrente passar pela caixa torácica, pode acontecer a tetanização dos músculos respiratórios, que se caracteriza pela paralisia dos centros nervosos, provocando asfixia.Fibrilhação (ou fibrilação)ventricular: Queimaduras: passagem da correnteContrações independentes e anárquicas Esticão através de um condutor origina adas fibras do musculo cardíaco. libertação de calor.É necessária uma intervenção imediatapara prevenir a morte.
  10. 10. ACIDENTES ELÉCTRICOS POR :• Arco Eléctrico: o ar ioniza-se e torna-se condutor. Como o ar é isolante, mesmo quando se torna condutor, é um mau condutor, logo o arco provocado é fraco, mas provoca muito calor, e este é o grande perigo deste tipo de acidente.
  11. 11. CONSEQUÊNCIAS Queimaduras Perfuração por material incandescente
  12. 12. A CORRENTE ELÉTRICA E O CORPO HUMANO• Existem vários factores, físicos e biológicos, que determinam os efeitos da corrente eléctrica no corpo humano. • Intensidade da corrente • Resistência do corpo humano • Percurso da corrente através do corpo humano • Tensão • O tempo de exposição à corrente • Frequência e variação da corrente ao longo do tempo, no caso da corrente alternada
  13. 13. INTENSIDADE DA CORRENTE• Tem um papel fundamental na origem de lesões originadas pela corrente eléctrica.• Para o ser humano o limiar da percepção da corrente alternada de frequência industrial (50/60 Hz) é da ordem de 1 mA (1 miliampere = 0,001 Ampere) e para corrente continua é da ordem dos 5 mA
  14. 14. INTENSIDADE DA CORRENTE Intensidade da corrente (mA) Efeitos sobre o corpo 0,045 Percepção sensorial na língua 0,8 Percepção cutânea para a mulher 1,0 Percepção cutânea para o homem 10 Limiar de não largar 30 Possibilidade de fibrilação ventricular sob certas circunstancias 2 000 (2A) Inibição dos centros nervosos 20 000 (20A) Queimaduras muito graves, mutilações Tabela: Valores de intensidade de corrente com efeitos notórios sobre o corpo humano. (1 mA = 0,001 A)
  15. 15. RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO• Tal como qualquer material o corpo humano também oferece alguma resistência à passagem da corrente eléctrica, ou seja, possui uma determinada resistência eléctrica, normalmente o valor dessa resistência situa-se entre os 1000 e 2000.• Existe a resistência própria do corpo que varia em função da distancia dos dois pontos de contacto. Normalmente quanto mais distantes se encontrarem maior é a resistência.
  16. 16. RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANOE a resistência cutânea que varia mediante:• A superfície de contacto (maior a superfície menor a resistência)• Estado do revestimento (uma mão calosa é mais isolante que o dorso da mão)• Pressão de contacto (resistência cutânea é tanto menos quanto maior for a pressão exercida pelo ponto de contacto do corpo humano sobre o condutor eléctrico)• Estado de hidratação (pele húmida tem uma resistência muito mais fraca que a pele seca)• Duração do contacto (menos resistência da pele quando existe um contacto mais prolongado)• Tensão de contacto
  17. 17. PERCURSO DA CORRENTE ATRAVÉS DO CORPO HUMANO• Quando a corrente eléctrica flui através do corpo humano, normalmente, toma o trajecto mais curto entre os dois pontos de contacto. Se atravessar órgãos vitais (coração) as consequências podem ser dramáticas.• Por norma a corrente circula das mãos para os pés ou de uma mão para a outra, situação esta que configura o maior perigo.• O maior risco de fibrilação ventricular acontece quando a trajectória da corrente da mão direita para o pé esquerdo.
  18. 18. TENSÃO• Quando maior for a tensão ou a diferença de potencial aplicada num condutor, maior será a intensidade da corrente que circula nesse condutor.• Instalações com tensões elevadas são mais perigosas porque são suscetíveis de fazer passar pelo corpo humano correntes de maior intensidade.• Assim uma tensão baixa aplicada a uma pessoa mal isolada pode ser mais perigosa do que uma mais elevada aplicada a uma pessoa bem isolada.
  19. 19. TEMPO DE EXPOSIÇÃO À CORRENTE Os efeitos da corrente electrica sobre o organismo estão fortemente dependentes da corrente efectiva que atravessa o organismo e do tempo de exposição à corrente.• A presente imagem representa as zonas tempo/intensidade da corrente que resumem os principais efeitos produzidos por correntes alternadas de frequência compreendida entre os 15 e os 100 Hz
  20. 20. Curva (a) separa a zona verde, onde normalmente não há efeitos fisiológicos perigosos da zona amarela /vermelha, onde estes podem ser muito graves Uma corrente de 10 mA torna-se perigosa para tempos de exposição superiores a 10 s. Uma corrente de 1000 mA torna-se perigosa para tempos de exposição superiores a 0,010 s.Em baixa tensão a morte é sobretudo condicionada pela acção local da quantidade de electricidade que atinge o coração.Em alta tensão, a morte surge devido à extensão das queimaduras.
  21. 21. FREQUÊNCIA DA CORRENTE ELÉCTRICA• Determinante nas consequências do contacto com a corrente• Tem maior relevância a corrente alterna mais utilizada a nível industrial e domestico, com frequências de 50/60 Hz é a mais perigosa.
  22. 22. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E SEGURANÇA• Equipamento de Proteção Colectiva (EPC)
  23. 23. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E SEGURANÇA• Equipamento de protecção individual (EPI)
  24. 24. AS 5 REGRAS DE OURO
  25. 25. 1º REGRA DE OURO• Separar (ou isolar) a instalação das fontes de alimentação • A separação deve ser visível ou com garantia de que a operação foi efetivamente realizada.
  26. 26. 2ª REGRA DE OURO• Proteger contra reposições acidentais ou bloquear na posição de abertura. • Imobilização do órgão de isolamento • Sinalização 26
  27. 27. 3ª REGRA DE OURO• Comprovar a ausência de tensão • Identificar a instalação no local de trabalho • Verificar a ausência de tensão
  28. 28. 4º REGRA DE OURO• Ligar à terra em Curto-Circuito • A ligação à terra e em curto-circuito não é permitida sem ser precedida da verificação da ausência de tensão.
  29. 29. 5ª REGRA DE OURO• Delimitar a zona de trabalhos e proteger as peças em tensão na vizinhança, colocando dispositivos isolantes. • Proteger contra as peças em tensão que estejam na zona de trabalhos ou na sua proximidade e delimitar a zona de trabalhos
  30. 30. WEBGRAFIA• EDP (2009), Prevenção do Risco Electrico, Acedido em: 26 de Fevereiro de 2013; Disponivel em: http://www.edpdistribuicao.pt/pt/seguranca/Pages/prevencaodoRiscoElectrico.aspx• ACT; Autoridade para as Condições de Trabalho (2008); Directivas Europeias, Riscos Electricos, Acedido em 26 de Fevereiro 2013; Disponivel em: http://www.act.gov.pt/(pt- PT)/CentroInformacao/DirectivasEuropeias/Paginas/riscoselectricos.aspx• Segurança Online.pt (2010-2013); Riscos Electricos, Acedido a 26 de Fevereiro de 2013; Disponível em: http://www.segurancaonline.com/gca/?id=638• O Portal da Construção; Segurança e Higiene no Trabalho; Volume IV- Risco Electricos, Acedido a 26 de Fevereiro de 2013, Disponivel em: http://www.oportaldaconstrucao.com/files/guiastecnicos/sht-vol-4- riscos-electricos.pdf• Factor Segurança (2008); Riscos Electricos, Acedido a 26 de Fevereiro 2013, Disponivel em: http://www.factor-segur.pt/shst/docinformativos/Riscoselectricos.html
  31. 31. BIBLIOGRAFIA• MIGUEL, Alberto Sérgio - Manual de Higiene e Segurança do Trabalho. Porto Editora 3ª Edição. 1995. ISBN 972-0-45100-9.• Casola, Luísa; Guiomar, Francisco – Manual do Formando; Ação de Formação; “Responsável de Consignação – Atribuições e Responsabilidades”,2012 – 1-31.

×