SlideShare uma empresa Scribd logo
SERVIÇO DE ALOJAMENTO
DE REVISTAS CIENTÍFICAS

    8 de Dezembro 2012
     João Mendes Moreira
1. Acesso Aberto
2. RCAAP
3. SARC
O que é o Open Access?
 Open Access, "Acesso Livre" (ou “Acesso Aberto”) significa
 a disponibilização livre na Internet de cópias gratuitas,
 online, de artigos de revistas científicas revistos por pares
 (peer-reviewed), comunicações em conferências, bem como
 relatórios técnicos, teses e documentos de trabalho.
Essencial:

Acesso Livre acerca de 2.5 milhões de artigos
            Aos quê?                                         publicados por
               ano, a nível mundial, em cerca de 25,000 revistas com
               peer-review em todas as disciplinas académicas e
               cientificas.
               Opcional:
                A comunicações, teses e dissertações, relatórios,
                working papers, artigos não revistos (preprints);
                monografias; etc.


                Não Aplicável:
                O Acesso Livre não se aplica a livros sobre os quais os
                autores pretendam obter receitas ou textos não
                académicos, como notícias ou ficção.
Acesso Livre porquê?

● Aumentar a visibilidade, o acesso, a utilização
  e o impacto dos resultados de investigação.

● Acelerar e tornar mais eficiente o progresso da
  ciência.

● Melhorar a monitorização, avaliação e gestão
  da actividade científica.
Duas vias para o Acesso Livre

•   Óptima (dourada): Publicar os artigos em revistas de
    acesso livre sempre que existam revistas adequadas
    para o efeito (presentemente cerca de 8462, ≃ 34% -
    ver www.doaj.org)

•   Boa (verde): Publicar os restantes artigos nas revistas
    comerciais habituais e auto-arquivá-los em repositórios
    da própria instituição (actualmente mais de
    40(PT)/3003 – ver http://roar.eprints.org/)
1. Acesso Aberto
2. RCAAP
3. SARC
Projecto RCAAP
              • Aumentar a visibilidade e difusão dos resultados de investigação
              • Facilitar o acesso à informação sobre a produção científica
 Objectivos     nacional
              • Integrar Portugal num conjunto de iniciativas internacionais


              • MEC/FCT(Política/Financiamento)
Governance    • FCCN (Coordenação geral e infra-estruturas)
              • UM (Coordenação científica e técnica)

              •   Serviços eletrónicos
              •   Comunicação, disseminação e formação
Actividades   •   Apoio e suporte
              •   Advocacy e Networking
ESSE Frassineti



                 UAçores




UTAD




       UAveiro
Portal
                                         RI




                                                 Oai-pmh
         SARI                                                    SARC




          SARI – Repositórios alojados pelo RCAAP

          IR – Repositórios alojados pela Instituição

          SARC – Serviço de Alojamento de Revistas Científicas




                                                                        RCA
                                                                         AP
10-12-2012   RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   11
Disseminação e comunicação Web 2.0

  ● Blog – http://blog.rcaap.pt
  ● Twitter – www.twitter.com/rcaap
  ● Facebook – www.facebook.com/rcaap
  ● Website Projecto http://projecto.rcaap.pt




19-Out-10                  RCAAP                12
1. Acesso Aberto
2. RCAAP
3. SARC
  a.   Objetivos
  b.   Características
  c.   Implementação
  d.   Conclusões e
       recomendações
Objetivos

  ● Aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão da
    produção científica nacional (revistas científicas)
             ● Formato impresso -> online
             ● Acesso restrito -> acesso aberto (AA)
             ● Online+AA => maior visibilidade e impacto
  ● Aumentar eficiência e qualidade da gestão do ciclo
    editorial e de publicação dos conteúdos
             ● Processo manual -> processo automatizado (ferramentas)
             ● Processo mais transparente
  ● Apoiar a requalificação das revistas científicas nacionais

10-12-2012                        RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   14
1. Acesso Aberto
2. RCAAP
3. SARC
  a.   Objetivos
  b.   Características
  c.   Etapas
  d.   Conclusões
Ciclo de vida editorial




      Submissão               Revisão                                         Publicação



10-12-2012          RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal            16
10-12-2012   RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   17
Integração no Portal RCAAP

  ● Ligação com B-On




10-12-2012         RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   18
10-12-2012   RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   19
Modelo Serviço
        Características           Responsabilidades       Direitos da
          Principais                  da equipa           Instituição

      • Entidade PT ou     •   Housing (Datacenter)     • 1 TB
        sediada em PT      •   Gestão Infraestruturas   • Preserva
      • PP científica em                                  Identidade
        OA                 •   Gestão de Software
                           •   Formação                 • Portal RCAAP
      • Gratuíto           •   Helpdesk e suporte
      • Regulado
        contrato
      • Baseado
        modelo SaaS


10-12-2012                               RCAAP                           20
1. Acesso Aberto
2. Projeto RCAAP
3. SARC
  a.   Objetivos
  b.   Características
  c.   Etapas
  d.   Conclusões
Etapa de seleção                           Seleção
  Elegibilidade                                   ● Revisão por pares dos
  ● Publicação periódica                            artigos publicados;
    científica                                    ● Conselho editorial;
  ● entidade portuguesa ou                        ● Maior longevidade da
    sedeada em Portugal;                            publicação;
  ● Publicação em acesso                          ● Maior número de artigos
    aberto                                          publicados
  Diversidade:                                    ● Embargo/%Autores Ex
  • áreas científicas
  • entidades editoras                              Qualidade Científica não
  • distribuição geográfica                         avaliada
10-12-2012             RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   22
Revistas selecionadas                               (10 em 48)

Acta Pediátrica Portuguesa – Soc. Portuguesa de Pediatria
Antropológicas – Univ. Fernando Pessoa
Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática – Univ. Porto
Interacções - IPSantarém
Revista de História de Arte – Univ. Nova de Lisboa
Revista de Motricidade – Univ. Trás-os-Montes
Revista de Ciências Agrárias – Soc. de C.Agrárias de Portugal
Revista Portuguesa de Geografia – Finisterra – Univ. Lisboa
Sinais de cena – Assoc. Portuguesa de Críticos de Teatro
Sociologia, problemas e práticas - ISCTE



                       http://revistas.rcaap.pt
  10-12-2012                   RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   23
Etapa de implementação
Bastam 5 passos para configurar 1 revista




10-12-2012            RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal   25
1. Acesso Aberto
2. Projeto RCAAP
3. SARC
  a.   Objetivos
  b.   Características
  c.   Etapas
  d.   Conclusões
Conclusões 1/2

● Os gestores/editores de revistas científicas portuguesas
  revelaram um grande interesse pelo SARC
● O SARC contribuiu para aumentar a acessibilidade e
  difusão da produção científica nacional
● O modelo de serviço (SaaS) provou ser, tal como SARI,
  adequado ao contexto nacional
● A avaliar por feedback dos aderentes as expectativas
  dos aderentes foram atingidas ou mesmo superadas
Conclusões 2/2

● Tempo de implementação é substancial
● Parametrização da revista é “complexa”
● Ciclo de publicação das revistas é específico, as
  necessidades das revistas são distintas
  =>implementação à medida.
● Requer tempo e disponibilidade dos gestores de
  revistas para a curva de aprendizagem

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1 rcaap-sarc congresso-oftalmologiav2

O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
Projeto RCAAP
 
RCAAP in a nutshell 2013
RCAAP in a nutshell 2013RCAAP in a nutshell 2013
RCAAP in a nutshell 2013
João Mendes Moreira
 
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte II
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte IIJornadas 2016 - RCAAP - Parte II
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte II
FCCN - RCAAP
 
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAPServiços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
FCCN - RCAAP
 
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
Edilson Damasio
 
Palestra 01_Visao PPEC
 Palestra 01_Visao PPEC Palestra 01_Visao PPEC
Palestra 01_Visao PPEC
UNICAMP - PPEC
 
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - Repositórios: Desafios de ali...
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - 	Repositórios: Desafios de ali...Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - 	Repositórios: Desafios de ali...
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - Repositórios: Desafios de ali...
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Pps blimunda braga 26 nov 3
Pps blimunda braga 26 nov 3Pps blimunda braga 26 nov 3
blimunda braga 26 nov
blimunda braga 26 nov blimunda braga 26 nov
blimunda braga 26 nov
Biblioteca FCT/UNL
 
Apresentações da Reunião RCAAP Online
Apresentações da Reunião RCAAP OnlineApresentações da Reunião RCAAP Online
Apresentações da Reunião RCAAP Online
Projeto RCAAP
 
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Forum cidtff2018
Forum cidtff2018Forum cidtff2018
Forum cidtff2018
Diana Silva
 
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
Pedro Príncipe
 
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
Projeto RCAAP
 
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
Pedro Príncipe
 
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte I
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte IJornadas 2016 - RCAAP - Parte I
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte I
FCCN - RCAAP
 

Semelhante a 1 rcaap-sarc congresso-oftalmologiav2 (20)

O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
O Serviço de Alojamento de Revistas Científicas (SARC)
 
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
e-Jornadas FCCN 2020 - Sessão do Projeto RCAAP - Parte 1
 
RCAAP in a nutshell 2013
RCAAP in a nutshell 2013RCAAP in a nutshell 2013
RCAAP in a nutshell 2013
 
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte II
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte IIJornadas 2016 - RCAAP - Parte II
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte II
 
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAPServiços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
Serviços para o Acesso Aberto em Portugal: o Projeto RCAAP
 
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
Jornadas FCCN 2019 - Sessão do RCAAP - Parte 1
 
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
A cooperação luso-brasileira no Acesso Aberto
 
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
Critérios de Qualidade de Revista Científicas 2013
 
Palestra 01_Visao PPEC
 Palestra 01_Visao PPEC Palestra 01_Visao PPEC
Palestra 01_Visao PPEC
 
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
Integrar uma Rede de Repositórios no Ecossistema de Gestão de Ciência Naciona...
 
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - Repositórios: Desafios de ali...
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - 	Repositórios: Desafios de ali...Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - 	Repositórios: Desafios de ali...
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - Repositórios: Desafios de ali...
 
Pps blimunda braga 26 nov 3
Pps blimunda braga 26 nov 3Pps blimunda braga 26 nov 3
Pps blimunda braga 26 nov 3
 
blimunda braga 26 nov
blimunda braga 26 nov blimunda braga 26 nov
blimunda braga 26 nov
 
Apresentações da Reunião RCAAP Online
Apresentações da Reunião RCAAP OnlineApresentações da Reunião RCAAP Online
Apresentações da Reunião RCAAP Online
 
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
O Acesso Aberto e o projecto RCAAP
 
Forum cidtff2018
Forum cidtff2018Forum cidtff2018
Forum cidtff2018
 
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
OpenAIRE - apresentação nas Jornadas da FCCN 2012 (relatório 2011 RCAAP)
 
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
Workshop III - A curadoria de repositórios e a disseminação em portais de pes...
 
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
SciCom Pt 2014 - O Acesso Aberto como prática padrão de disseminação da inves...
 
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte I
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte IJornadas 2016 - RCAAP - Parte I
Jornadas 2016 - RCAAP - Parte I
 

Mais de João Mendes Moreira

PCRIS parte II jornadas 2015
PCRIS parte II jornadas 2015PCRIS parte II jornadas 2015
PCRIS parte II jornadas 2015
João Mendes Moreira
 
PTCRIS parte I Jornadas 2015
PTCRIS parte I Jornadas 2015PTCRIS parte I Jornadas 2015
PTCRIS parte I Jornadas 2015
João Mendes Moreira
 
2018 PTCRISync
2018 PTCRISync2018 PTCRISync
2018 PTCRISync
João Mendes Moreira
 
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte IRCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
João Mendes Moreira
 
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystemAn ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
João Mendes Moreira
 
Jornadas 2015: PTCRIS Zapping
Jornadas 2015: PTCRIS ZappingJornadas 2015: PTCRIS Zapping
Jornadas 2015: PTCRIS Zapping
João Mendes Moreira
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte II
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IIJornadas 2015: PTCRIS: Parte II
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte II
João Mendes Moreira
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IJornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
João Mendes Moreira
 
Ptcris parte ii-jornadas2015
Ptcris parte ii-jornadas2015Ptcris parte ii-jornadas2015
Ptcris parte ii-jornadas2015
João Mendes Moreira
 
Jornadas 2015: RCAAP: Parte I
Jornadas 2015: RCAAP: Parte IJornadas 2015: RCAAP: Parte I
Jornadas 2015: RCAAP: Parte I
João Mendes Moreira
 
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
João Mendes Moreira
 
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systemsPT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
João Mendes Moreira
 
RCAAP: Jornadas 2014: Zapping
RCAAP: Jornadas 2014: ZappingRCAAP: Jornadas 2014: Zapping
RCAAP: Jornadas 2014: Zapping
João Mendes Moreira
 
Jornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
Jornadas FCCN 2013: b-on: ZappingJornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
Jornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
João Mendes Moreira
 
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
João Mendes Moreira
 
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: IntroductionRCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
João Mendes Moreira
 
RCAAP (Short): OA week 2011
RCAAP (Short): OA week 2011RCAAP (Short): OA week 2011
RCAAP (Short): OA week 2011
João Mendes Moreira
 
b-on - Biblioteca do Conhecimento Online
b-on - Biblioteca do Conhecimento Onlineb-on - Biblioteca do Conhecimento Online
b-on - Biblioteca do Conhecimento Online
João Mendes Moreira
 

Mais de João Mendes Moreira (18)

PCRIS parte II jornadas 2015
PCRIS parte II jornadas 2015PCRIS parte II jornadas 2015
PCRIS parte II jornadas 2015
 
PTCRIS parte I Jornadas 2015
PTCRIS parte I Jornadas 2015PTCRIS parte I Jornadas 2015
PTCRIS parte I Jornadas 2015
 
2018 PTCRISync
2018 PTCRISync2018 PTCRISync
2018 PTCRISync
 
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte IRCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
RCAAP: Reunião coordenação: 2-Jul-2015: Parte I
 
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystemAn ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
An ORCID based synchronization framework for a national CRIS ecosystem
 
Jornadas 2015: PTCRIS Zapping
Jornadas 2015: PTCRIS ZappingJornadas 2015: PTCRIS Zapping
Jornadas 2015: PTCRIS Zapping
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte II
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IIJornadas 2015: PTCRIS: Parte II
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte II
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IJornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
 
Ptcris parte ii-jornadas2015
Ptcris parte ii-jornadas2015Ptcris parte ii-jornadas2015
Ptcris parte ii-jornadas2015
 
Jornadas 2015: RCAAP: Parte I
Jornadas 2015: RCAAP: Parte IJornadas 2015: RCAAP: Parte I
Jornadas 2015: RCAAP: Parte I
 
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
Pt cris-casrai-rome-16-may-2014-v1
 
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systemsPT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
PT-CRIS: EUROCRIS: 2013: Eco-system of research information systems
 
RCAAP: Jornadas 2014: Zapping
RCAAP: Jornadas 2014: ZappingRCAAP: Jornadas 2014: Zapping
RCAAP: Jornadas 2014: Zapping
 
Jornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
Jornadas FCCN 2013: b-on: ZappingJornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
Jornadas FCCN 2013: b-on: Zapping
 
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
Jornadas FCCN 2013: b-on: SCOAP3
 
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: IntroductionRCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
RCAAP: Scientific Open Access Repository of Portugal: Introduction
 
RCAAP (Short): OA week 2011
RCAAP (Short): OA week 2011RCAAP (Short): OA week 2011
RCAAP (Short): OA week 2011
 
b-on - Biblioteca do Conhecimento Online
b-on - Biblioteca do Conhecimento Onlineb-on - Biblioteca do Conhecimento Online
b-on - Biblioteca do Conhecimento Online
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 

1 rcaap-sarc congresso-oftalmologiav2

  • 1. SERVIÇO DE ALOJAMENTO DE REVISTAS CIENTÍFICAS 8 de Dezembro 2012 João Mendes Moreira
  • 2. 1. Acesso Aberto 2. RCAAP 3. SARC
  • 3. O que é o Open Access? Open Access, "Acesso Livre" (ou “Acesso Aberto”) significa a disponibilização livre na Internet de cópias gratuitas, online, de artigos de revistas científicas revistos por pares (peer-reviewed), comunicações em conferências, bem como relatórios técnicos, teses e documentos de trabalho.
  • 4. Essencial: Acesso Livre acerca de 2.5 milhões de artigos Aos quê? publicados por ano, a nível mundial, em cerca de 25,000 revistas com peer-review em todas as disciplinas académicas e cientificas. Opcional: A comunicações, teses e dissertações, relatórios, working papers, artigos não revistos (preprints); monografias; etc. Não Aplicável: O Acesso Livre não se aplica a livros sobre os quais os autores pretendam obter receitas ou textos não académicos, como notícias ou ficção.
  • 5. Acesso Livre porquê? ● Aumentar a visibilidade, o acesso, a utilização e o impacto dos resultados de investigação. ● Acelerar e tornar mais eficiente o progresso da ciência. ● Melhorar a monitorização, avaliação e gestão da actividade científica.
  • 6. Duas vias para o Acesso Livre • Óptima (dourada): Publicar os artigos em revistas de acesso livre sempre que existam revistas adequadas para o efeito (presentemente cerca de 8462, ≃ 34% - ver www.doaj.org) • Boa (verde): Publicar os restantes artigos nas revistas comerciais habituais e auto-arquivá-los em repositórios da própria instituição (actualmente mais de 40(PT)/3003 – ver http://roar.eprints.org/)
  • 7. 1. Acesso Aberto 2. RCAAP 3. SARC
  • 8. Projecto RCAAP • Aumentar a visibilidade e difusão dos resultados de investigação • Facilitar o acesso à informação sobre a produção científica Objectivos nacional • Integrar Portugal num conjunto de iniciativas internacionais • MEC/FCT(Política/Financiamento) Governance • FCCN (Coordenação geral e infra-estruturas) • UM (Coordenação científica e técnica) • Serviços eletrónicos • Comunicação, disseminação e formação Actividades • Apoio e suporte • Advocacy e Networking
  • 9. ESSE Frassineti UAçores UTAD UAveiro
  • 10. Portal RI Oai-pmh SARI SARC SARI – Repositórios alojados pelo RCAAP IR – Repositórios alojados pela Instituição SARC – Serviço de Alojamento de Revistas Científicas RCA AP
  • 11. 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 11
  • 12. Disseminação e comunicação Web 2.0 ● Blog – http://blog.rcaap.pt ● Twitter – www.twitter.com/rcaap ● Facebook – www.facebook.com/rcaap ● Website Projecto http://projecto.rcaap.pt 19-Out-10 RCAAP 12
  • 13. 1. Acesso Aberto 2. RCAAP 3. SARC a. Objetivos b. Características c. Implementação d. Conclusões e recomendações
  • 14. Objetivos ● Aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão da produção científica nacional (revistas científicas) ● Formato impresso -> online ● Acesso restrito -> acesso aberto (AA) ● Online+AA => maior visibilidade e impacto ● Aumentar eficiência e qualidade da gestão do ciclo editorial e de publicação dos conteúdos ● Processo manual -> processo automatizado (ferramentas) ● Processo mais transparente ● Apoiar a requalificação das revistas científicas nacionais 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 14
  • 15. 1. Acesso Aberto 2. RCAAP 3. SARC a. Objetivos b. Características c. Etapas d. Conclusões
  • 16. Ciclo de vida editorial Submissão Revisão Publicação 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 16
  • 17. 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 17
  • 18. Integração no Portal RCAAP ● Ligação com B-On 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 18
  • 19. 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 19
  • 20. Modelo Serviço Características Responsabilidades Direitos da Principais da equipa Instituição • Entidade PT ou • Housing (Datacenter) • 1 TB sediada em PT • Gestão Infraestruturas • Preserva • PP científica em Identidade OA • Gestão de Software • Formação • Portal RCAAP • Gratuíto • Helpdesk e suporte • Regulado contrato • Baseado modelo SaaS 10-12-2012 RCAAP 20
  • 21. 1. Acesso Aberto 2. Projeto RCAAP 3. SARC a. Objetivos b. Características c. Etapas d. Conclusões
  • 22. Etapa de seleção Seleção Elegibilidade ● Revisão por pares dos ● Publicação periódica artigos publicados; científica ● Conselho editorial; ● entidade portuguesa ou ● Maior longevidade da sedeada em Portugal; publicação; ● Publicação em acesso ● Maior número de artigos aberto publicados Diversidade: ● Embargo/%Autores Ex • áreas científicas • entidades editoras Qualidade Científica não • distribuição geográfica avaliada 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 22
  • 23. Revistas selecionadas (10 em 48) Acta Pediátrica Portuguesa – Soc. Portuguesa de Pediatria Antropológicas – Univ. Fernando Pessoa Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática – Univ. Porto Interacções - IPSantarém Revista de História de Arte – Univ. Nova de Lisboa Revista de Motricidade – Univ. Trás-os-Montes Revista de Ciências Agrárias – Soc. de C.Agrárias de Portugal Revista Portuguesa de Geografia – Finisterra – Univ. Lisboa Sinais de cena – Assoc. Portuguesa de Críticos de Teatro Sociologia, problemas e práticas - ISCTE http://revistas.rcaap.pt 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 23
  • 25. Bastam 5 passos para configurar 1 revista 10-12-2012 RCAAP - Repositório Cientifico de Acesso Aberto de Portugal 25
  • 26. 1. Acesso Aberto 2. Projeto RCAAP 3. SARC a. Objetivos b. Características c. Etapas d. Conclusões
  • 27. Conclusões 1/2 ● Os gestores/editores de revistas científicas portuguesas revelaram um grande interesse pelo SARC ● O SARC contribuiu para aumentar a acessibilidade e difusão da produção científica nacional ● O modelo de serviço (SaaS) provou ser, tal como SARI, adequado ao contexto nacional ● A avaliar por feedback dos aderentes as expectativas dos aderentes foram atingidas ou mesmo superadas
  • 28. Conclusões 2/2 ● Tempo de implementação é substancial ● Parametrização da revista é “complexa” ● Ciclo de publicação das revistas é específico, as necessidades das revistas são distintas =>implementação à medida. ● Requer tempo e disponibilidade dos gestores de revistas para a curva de aprendizagem

Notas do Editor

  1. Existem várias definições de openaccess (por exemplo declaração de Berlim e de Budapeste) mas na sua essência o Openaccess traduzido por acesso aberto ou acesso livre pode ser definido como ...
  2. O principal foco do OA visa os cerca de 2,5 milhões de artigos publicados anualmente em cerca de 25000 revista com peer-reviewMas outro tipo de documentação pode ser considerados tais como ...O acesso livre não se aplica em literatura com fins comerciais ou fora da área científica.
  3. Porque é que o Open Access é importante e tem ganhoadeptosnosúltimosanos?Aumentar a visibilidadeQuando um artigo é publicadonumarevistacomercial (acessorestrito) apenasquem a compra tem acesso. (acessorestrito)Se essaproduçãocientíficaficardisponívelmaior é o impacto (até 3 vezesmais do queemacessorestrito)Logo acessolivreaumentavisibilidade, acessoutilização e impacto dos resultados de investigaçãoAcelerarArtigosdisponíveismesmoantes de serempublicados.Exemplo da física.Melhorar a monitorização e avaliação da ciência.A partir do momentoemque a produçãocientífica é registadaelapode ser trabalhada.Avaliação de investigadores, grupos e centros de investigação baseada na análise de citações de artigos individuais (e não no factor de impacto das revistas);Desenvolvimento de um “CitationRank” semelhante ao algoritmo “PageRank” do Google;Registo e seguimento de downloads, citações e padrões de uso;Avaliação do grau de endogamia/exogamia dos investigadores e unidades de investigaçãoDetecção de autores/trabalho não citados/ignorados e detecção de plágio por analises semânticas.
  4. como se pode atingir o acesso livre.Basicamente existem duas vias de obter o acesso livre. Dourada – Publicar os artigos em revista de acesso livre, isto é, que não têm qualquer entrave ao depósito ou ao acesso (não cobram assinatura, não têm nenhuma barreira). Existem cerca de 4700 revistas nesse acesso. Estas revistas têm diferentes modelos de negócio (subvenções, financiamento pelas instituições que as editam, ou até mesmo cobrando aos autores um valor pelo aceitação do seu artigo)Verde – Esta via destina-se a revistas cuja assinatura é necessária para se aceder aos artigos científicos. Nesta caso o acesso livre é facultado através do auto-arquivo num repositório da sua instituição.O projecto RCAAP foca-se na via VERDE e nacomponente de repositóriosinstitucionais.
  5. Barra FCCNMenu institucionalMenu de acçõesZona de destaques, notícias e eventosLigaçãoàsferramentas de web 2.0Sobre o RCAAP (identidade)Pesquisardocumentos (Ferramentas de pesquisa)Auto-arquivardocumentos (Direitos de autor, Vantagens do auto-arquivo)Criar um repositórioGerir um repositório (?, ferramentas)Recursos de apoio (tutoriais, formação, documentos de apoio, FAQ’s)
  6. aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão da produção científica nacional (revistas científicas) Deixar formato impressoOnline em acesso abertoapoiar as revistas científicas nacionais a realizarem a transição para a publicação em acesso aberto, tornando mais eficiente o ciclo editorial e de publicação dos conteúdos através da disponibilização de ferramentas para o efeito. - Surge como modelo alternativo de publicação para ampliar o acesso, a preservação e o impacto das pesquisas e dos resultados. - O objetivo do sistema é reduzir o tempo, a energia e o custo das tarefas de secretaria e gestão associadas à edição de uma revista, melhorando o processo editorial. Procura melhorar a qualidade das publicações científicas de forma a tornar as políticas da revista transparentes e melhorar a indexação dos artigos.
  7. Gestãocompleta e integrada do ciclo de vida editorialOJS e SARC permitedarapoioàsetapas de submissão, revisão e nãoapenas à questão da publicação.
  8. Informaçãosobreutilização, tantoparaosresponsáveis da revista comopara a equipado RCAAP
  9. Considerando sucesso do modelo de serviço SARC decidimos replicar o mesmo modelo para o SARC. Assim:ApoioDocumentaçãoFormaçãoIntegração com outros sistemasPortal RCAAPDOAJGestão de Infra-estruturasMonitorizaçãoBackupsSegurançaActualizaçõesGestão software baseApoio inicial parametrização
  10. Para levar a cabo o processo de selecção, o Júri, baseou-se em critérios de elegibilidade e selecção previamente anunciados.ElegibilidadePublicação científica periódica, publicando maioritariamente artigos científicos (sem prejuízo da publicação de outras tipologias como notícias, recensões, cartas, revisões de literatura, etc.);Publicação de uma entidade portuguesa ou sedeada em Portugal;Publicação em acesso aberto da versão digital (sem prejuízo da existência de outras edições).SeleçãoRevisão por pares dos artigos publicados;Existência de um conselho editorial com composição pública;Maior longevidade da publicação;Maior número de artigos publicados nos últimos 3 anos.Dado o elevado número de candidaturas recebidas o Júri, para além dos critérios de elegibilidade e selecção, teve em consideração o factorembargo (foram apenas consideradas revistas sem embargo) e a percentagem de artigos da revista submetidos por autores exteriores à Instituição próxima da entidade editora. DiversidadeO processo de selecção procurou ainda assegurar a diversidade de áreas científicas e de entidades editoras bem como a distribuição geográfica destas. QualidadeO Júri excluiu do processo de seleção qualquer consideração sobre a qualidade científica das revistas candidatas por ausência de elementos objetivos que a permitissem avaliar.
  11. Ciências da saúde
  12. Definidas três faseFase 11 reunião individual => contexto, espectativas, especificidades e mobilizar equipasrecolher informação de suporte à parametrização básica da revistaFase 2Formação presencialConfiguração avançada das revistasTestesFase 3Ensino à distânciaSubmissão, revisão e publicaçãoApoio para entrada em produção
  13. respondeu a uma necessidade positivamente a necessidade da comunidade complementando o portfólio de serviços eletrónicos