SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Aula 2015
PRÉ-HISTÓRIA H I S T Ó R I A
Desenvol-
vimento
da Escrita
Queda do
Imp. Romano
do Ocidente
Tomada de Cons-
tantinopla pelos
Turcos Otomanos
Início da
Revolução
Francesa
4000 a.C. 476 1453 1789
Idade Antiga Idade Média Idade Moderna Idade Con-
temporânea
1
A ERA CRISTÃ
Em contagem tradicional do tempo:
Idade Média
Alta
Idade Média:
Francos
(“bárbaros”),
Bizantinos
e Árabes;
A formação do Feudalismo.
Baixa
Idade Média:
A decadência
do Feudalismo.
- crescimento
do comércio
e das cidades;
- fortalecimento dos reis.
Séculos: V X I XV
Queda do
Imp. Romano
do Ocidente
Tomada de Cons-
tantinopla pelos
Turcos Otomanos
476 1453
O FEUDALISMO
Foi o Modo de Produção
predominante da Europa
Ocidental durante a Idade
Média, caracterizado por
relações servis de produção.
A Origem do Feudalismo:
Elementos Romanos:
 a vila (unidade de produção rural que tendia à
autossuficiência;
 o regime de colonato, que produziu uma massa de
camponeses presos à terra;
 o declínio da vida urbana, em um processo de ruralização,
que fez da terra o bem econômica básico;
 o declínio do comércio;
 o enfraquecimento do Estado (Baixo Império).
Elementos Germânicos (“bárbaros”):
 a economia natural, caracterizada pela produção para o
consumo e pelo desconhecimento do uso da moeda;
 as relações de suserania e vassalagem, que enfraqueceram
ainda mais o poder central;
 o próprio clima de insegurança gerado pelas invasões, o
que acentuou as relações de suserania e vassalagem e
ampliou a dependência dos trabalhadores em relação à
elite de guerreiros que lhe daria a necessária proteção;
 a ausência do Estado.
O vassalo
oferece
fidelidade e
trabalho em
troca de
proteção e um
lugar no sistema
de produção.
O Feudalismo:
Organização Social
 Sociedade estamental (sem possibilidades de
ascensão);
 Sociedade de dependência e dividida assim:
 Clero: Exerciam cargos na Igreja (o Alto Clero
também possuía feudos);
 Nobreza: A camada privilegiada e dona das
terras (senhores feudais).
 Servos: Trabalhavam com a terra e não podiam
ser retirados dela para serem vendidos.
 Sociedade estamental
(sem possibilidades de
ascensão);
 Sociedade de dependência
e dividida assim:
 Clero: Exerciam cargos na
Igreja (o Alto Clero também
possuía feudos);
 Nobreza: A camada
privilegiada e dona das
terras (senhores feudais).
 Servos: Trabalhavam com
a terra e não podiam ser
retirados dela para serem
vendidos.
A Nobreza
Os senhores
feudais formavam
a nobreza e
possuíam controle
sobre os servos e
outros
camponeses
livres.
Viviam em castelos,
que serviam ao
mesmo tempo
como residência e
fortaleza.
O Clero
O clero era formado pelos
membros da Igreja Católica.
O clero dirigia a Igreja,
administrava suas
propriedades agrárias e
tinha grande influência
política e ideológica. O clero
era muito rico, a partir do
momento em que passou a
receber doações dos
católicos.
O clero estava dividido em
ALTO CLERO e BAIXO CLERO.
Presos à terra com inúmeras obrigações
feudais:
A vida dos servos.
O Feudalismo:
Pobre dos Servos!
- Corveia;
- Talha;
- Banalidades;
- Mão morta;
- Dízimo ou vintém...
Os ServosConstituíam a
maioria da
população
camponesa.
Eram os
trabalhadores
que sustentavam
a estrutura
feudal e não
eram livres.
Eles produziam
alimentos,
roupas e outros.
Eram presos ao
feudo.
O trabalho servil
era altamente
explorado e
legitimada pela
Igreja:
“Uns nasceram
para trabalhar,
outros para rezar
e outros para
proteger
militarmente a
sociedade”.
Catedral de Notre Dame
 O feudo era a principal unidade
produtora.
 Economia quase de subsistência,
baseada na agricultura e criação de
animais;
 Comércio pouco desenvolvido;
 Economia praticamente amonetária.
O Feudalismo:
Organização Econômica
O Feudo
O Feudo era quase
autossuficiente e
dividido em três
partes:
Manso Senhorial ou
Reserva: área explorada
pelos servos em benefício
do senhor, dentro do qual
se erguia o Castelo.
Manso Servil ou Tenência:
áreas arrendadas pelos
servos pagando
obrigações e taxas ao
senhor.
Manso Comunal: de uso
comum, pastos e bosques.
Manso
Comum
Manso
Servil
Manso
Senhorial
O Feudalismo:
Organização Política
 Poder fragmentado (descentralizado);
 Existiam reis, mas não tinham muitos
poderes. Os poderes eram apenas dos
senhores feudais;
 A relação entre suserano (quem doava
a terra) e vassalo (quem recebia a terra)
era de fidelidade. Era a relação de
suserania e vassalagem.
O castelo fortificado mostra que seu dono é um
guerreiro com poucos amigos.
 Cultura teocêntrica.
 Fortemente influenciada
pela Igreja Católica.
 O clero transmitia uma
visão de mundo na qual o
senhor devia obediência a
Deus e os servos deviam
obediência ao senhor.
O Feudalismo:
Organização Cultural
Idade Média
E Baixa
Idade Média?
E A Decadência
do Feudalismo?
(Fica para uma
próxima aula.)
Queda do
Imp. Romano
do Ocidente
Tomada de Cons-
tantinopla pelos
Turcos Otomanos
476 1453
O FEUDALISMO
www.
historiasdomedeiros
.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
FeudalismoPrivada
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francosCarlos Zaranza
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaEdenilson Morais
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade médiaEduard Henry
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaIsabel Aguiar
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slideIsabel Aguiar
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romanocattonia
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)eiprofessor
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptdmflores21
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraNívia Sales
 

Mais procurados (20)

Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Unificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanhaUnificação italia e alemanha
Unificação italia e alemanha
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
Alta Idade Média (Bizantinos e Muçulmanos)
 
O império carolíngio
O império carolíngioO império carolíngio
O império carolíngio
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 

Destaque

Destaque (6)

EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
 
O vestuário na Idade Média
O vestuário na Idade MédiaO vestuário na Idade Média
O vestuário na Idade Média
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 

Semelhante a O Feudalismo Prof Medeiros 2015

7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismoNivea Neves
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismoNivea Neves
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesjanahlira
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-históriaNivea Neves
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-históriaNivea Neves
 
Alta Idade Média
Alta Idade Média Alta Idade Média
Alta Idade Média Janayna Lira
 
Slide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdfSlide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdfCaiqueDantas4
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioniPatrícia Lima
 
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismoBruno-machado Bruno
 
povos barbaros e inicio do feudalismo
 povos barbaros e inicio do feudalismo povos barbaros e inicio do feudalismo
povos barbaros e inicio do feudalismoBruno-machado Bruno
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoEdenilson Morais
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoREYSDS
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesjanahlira
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeiaNTTL98
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Izaac Erder
 

Semelhante a O Feudalismo Prof Medeiros 2015 (20)

7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
7º ano-história
7º ano-história7º ano-história
7º ano-história
 
Alta Idade Média
Alta Idade Média Alta Idade Média
Alta Idade Média
 
Slide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdfSlide Idade média.pdf
Slide Idade média.pdf
 
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
Feudalismo   trabalho  michelle, carol e curioniFeudalismo   trabalho  michelle, carol e curioni
Feudalismo trabalho michelle, carol e curioni
 
Feudalismo 1°J
Feudalismo 1°JFeudalismo 1°J
Feudalismo 1°J
 
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo
14450 povos barbaros-e-inicio-do-feudalismo
 
povos barbaros e inicio do feudalismo
 povos barbaros e inicio do feudalismo povos barbaros e inicio do feudalismo
povos barbaros e inicio do feudalismo
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
 
Sistema Feudal
Sistema FeudalSistema Feudal
Sistema Feudal
 
Bárbaros e Feudalismo
Bárbaros e FeudalismoBárbaros e Feudalismo
Bárbaros e Feudalismo
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
 
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476
 

Mais de João Medeiros

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasJoão Medeiros
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesJoão Medeiros
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosJoão Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.João Medeiros
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.João Medeiros
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.João Medeiros
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.João Medeiros
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoJoão Medeiros
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.João Medeiros
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.João Medeiros
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosJoão Medeiros
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.João Medeiros
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras ImbatíveisJoão Medeiros
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.João Medeiros
 

Mais de João Medeiros (20)

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
 

Último

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 

Último (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 

O Feudalismo Prof Medeiros 2015

  • 2. PRÉ-HISTÓRIA H I S T Ó R I A Desenvol- vimento da Escrita Queda do Imp. Romano do Ocidente Tomada de Cons- tantinopla pelos Turcos Otomanos Início da Revolução Francesa 4000 a.C. 476 1453 1789 Idade Antiga Idade Média Idade Moderna Idade Con- temporânea 1 A ERA CRISTÃ Em contagem tradicional do tempo:
  • 3. Idade Média Alta Idade Média: Francos (“bárbaros”), Bizantinos e Árabes; A formação do Feudalismo. Baixa Idade Média: A decadência do Feudalismo. - crescimento do comércio e das cidades; - fortalecimento dos reis. Séculos: V X I XV Queda do Imp. Romano do Ocidente Tomada de Cons- tantinopla pelos Turcos Otomanos 476 1453
  • 4. O FEUDALISMO Foi o Modo de Produção predominante da Europa Ocidental durante a Idade Média, caracterizado por relações servis de produção.
  • 5. A Origem do Feudalismo: Elementos Romanos:  a vila (unidade de produção rural que tendia à autossuficiência;  o regime de colonato, que produziu uma massa de camponeses presos à terra;  o declínio da vida urbana, em um processo de ruralização, que fez da terra o bem econômica básico;  o declínio do comércio;  o enfraquecimento do Estado (Baixo Império). Elementos Germânicos (“bárbaros”):  a economia natural, caracterizada pela produção para o consumo e pelo desconhecimento do uso da moeda;  as relações de suserania e vassalagem, que enfraqueceram ainda mais o poder central;  o próprio clima de insegurança gerado pelas invasões, o que acentuou as relações de suserania e vassalagem e ampliou a dependência dos trabalhadores em relação à elite de guerreiros que lhe daria a necessária proteção;  a ausência do Estado.
  • 6. O vassalo oferece fidelidade e trabalho em troca de proteção e um lugar no sistema de produção.
  • 7. O Feudalismo: Organização Social  Sociedade estamental (sem possibilidades de ascensão);  Sociedade de dependência e dividida assim:  Clero: Exerciam cargos na Igreja (o Alto Clero também possuía feudos);  Nobreza: A camada privilegiada e dona das terras (senhores feudais).  Servos: Trabalhavam com a terra e não podiam ser retirados dela para serem vendidos.
  • 8.  Sociedade estamental (sem possibilidades de ascensão);  Sociedade de dependência e dividida assim:  Clero: Exerciam cargos na Igreja (o Alto Clero também possuía feudos);  Nobreza: A camada privilegiada e dona das terras (senhores feudais).  Servos: Trabalhavam com a terra e não podiam ser retirados dela para serem vendidos.
  • 9. A Nobreza Os senhores feudais formavam a nobreza e possuíam controle sobre os servos e outros camponeses livres. Viviam em castelos, que serviam ao mesmo tempo como residência e fortaleza.
  • 10.
  • 11.
  • 12. O Clero O clero era formado pelos membros da Igreja Católica. O clero dirigia a Igreja, administrava suas propriedades agrárias e tinha grande influência política e ideológica. O clero era muito rico, a partir do momento em que passou a receber doações dos católicos. O clero estava dividido em ALTO CLERO e BAIXO CLERO.
  • 13. Presos à terra com inúmeras obrigações feudais: A vida dos servos. O Feudalismo: Pobre dos Servos! - Corveia; - Talha; - Banalidades; - Mão morta; - Dízimo ou vintém...
  • 14.
  • 15. Os ServosConstituíam a maioria da população camponesa. Eram os trabalhadores que sustentavam a estrutura feudal e não eram livres. Eles produziam alimentos, roupas e outros. Eram presos ao feudo.
  • 16. O trabalho servil era altamente explorado e legitimada pela Igreja: “Uns nasceram para trabalhar, outros para rezar e outros para proteger militarmente a sociedade”. Catedral de Notre Dame
  • 17.  O feudo era a principal unidade produtora.  Economia quase de subsistência, baseada na agricultura e criação de animais;  Comércio pouco desenvolvido;  Economia praticamente amonetária. O Feudalismo: Organização Econômica
  • 19. O Feudo era quase autossuficiente e dividido em três partes: Manso Senhorial ou Reserva: área explorada pelos servos em benefício do senhor, dentro do qual se erguia o Castelo. Manso Servil ou Tenência: áreas arrendadas pelos servos pagando obrigações e taxas ao senhor. Manso Comunal: de uso comum, pastos e bosques. Manso Comum Manso Servil Manso Senhorial
  • 20.
  • 21. O Feudalismo: Organização Política  Poder fragmentado (descentralizado);  Existiam reis, mas não tinham muitos poderes. Os poderes eram apenas dos senhores feudais;  A relação entre suserano (quem doava a terra) e vassalo (quem recebia a terra) era de fidelidade. Era a relação de suserania e vassalagem.
  • 22.
  • 23. O castelo fortificado mostra que seu dono é um guerreiro com poucos amigos.
  • 24.  Cultura teocêntrica.  Fortemente influenciada pela Igreja Católica.  O clero transmitia uma visão de mundo na qual o senhor devia obediência a Deus e os servos deviam obediência ao senhor. O Feudalismo: Organização Cultural
  • 25. Idade Média E Baixa Idade Média? E A Decadência do Feudalismo? (Fica para uma próxima aula.) Queda do Imp. Romano do Ocidente Tomada de Cons- tantinopla pelos Turcos Otomanos 476 1453