Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015

9.046 visualizações

Publicada em

Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros - Para o ENEM 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.046
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.465
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
253
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil: Revoltas, Lutas e Conquistas - Prof. Medeiros 2015

  1. 1. “Aulão” para o ENEM com o Prof. Medeiros Dia 27/Agosto/2015 – 17h2018h30 Auditório Dom Malan – CSSG – Cuiabá-MT
  2. 2.  Estado Absolutista, uma sociedade de privilégios. Sem noção de Estado, de Direito e de Cidadania.  Lutas de resistência: de indígenas e escravos pela liberdade. Resistência Indígena Zumbi, o último líder do centenário Quilombo dos Palmares
  3. 3. Rebeliões coloniais ocorridas até a primeira metade do século XVIII, marcadas por um caráter local e parcial, atentando contra aspectos isolados da colonização, sem questionar o Pacto Colonial como um todo.
  4. 4. Séculos XVII/XVIII Movimentos Nativistas: Aclamação de Amador Bueno (SP-1641); Revolta de Beckman (MA-1684); Guerra dos Emboabas (MG-1709/1710); Guerra dos Mascates (PE-1710); Revolta de Vila Rica (MG-1720); Guerras Guaraníticas (RS...-1750/1756).
  5. 5. Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641)
  6. 6. Aclamação de Amador Bueno (SP – 1641) O Rei D. João IV (dinastia de Bragança) assume o trono e se preocupa mais com o nordeste. Os Paulistas estavam insatisfeitos com os Jesuítas e, como o rei não se pronunciava, resolvem protestar e aclamar Amador Bueno (rico comerciante local) como Rei, mas Bueno não aceita ser coroado temendo retaliações violentas de Portugal. Esse movimento entra para a história pelo fato de ser a primeira tentativa de se contestar a autoridade portuguesa.
  7. 7. Revolta de Beckman (MA – 1684)
  8. 8. Revolta de Beckman (MA – 1684) O principal produto comercializado era o algodão com a mão de obra escrava indígena. Mas atendendo os Jesuítas, em 1680 a coroa proíbe a escravidão de índios (só no Maranhão), desagradando os proprietários de terras, onde era cultivado o algodão. A proibição gera a revolta dos proprietários e os comerciantes, insatisfeitos com a Companhia de comércio portuguesa, se aliam à revolta. Liderados pelos irmãos Beckman, os revoltosos pegam em armas e dominam o Maranhão, mas a revolta é abafada pela coroa e seus líderes executados. Mesmo com a revolta controlada o problema continua, mas de acordo com a coroa, os índios poderiam ser escravizados se fossem pegos em "Guerra Justa“. Como não se estipulava o que seria guerra justa, os índios continuavam sendo escravizados. A lei só funcionava nos papéis para Jesuíta ver.
  9. 9. Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710)
  10. 10. Guerra dos Emboabas (MG – 1708-1710) Os paulistas (bandeirantes) foram os pioneiros na descoberta das jazidas de metais preciosos (em Minas Gerais). Julgavam-se no direito de possuir a exclusividade de extração destas jazidas, não aceitando que forasteiros (“emboabas”), em sua maioria baianos e portugueses, também se beneficiassem da atividade mineradora. Estas divergências entre bandeirantes, colonos da Bahia e portugueses acabaram desencadeando um conflito armado. Neste, os emboabas saíram vitoriosos, visto que estavam em maior número, possuíam mais e melhores armamentos e tinham o apoio do Estado português, para o qual interessava que o maior número possível de mineradores explorasse a região. Afinal, quanto maior fosse a mineração, mais ouro seria extraído e consequentemente mais lucro teria a metrópole.
  11. 11. Guerra dos Mascates (PE – 1710)
  12. 12. Guerra dos Mascates (PE – 1710) A Aristocracia Rural Olindense, produtora de açúcar, vinha empobrecendo com a crescente desvalorização deste produto devido a crise açucareira. X Os Comerciantes Recifenses (mascates) estavam prosperando com o intenso comércio que se praticava na região e com os empréstimos que faziam a altos juros aos olindenses falidos.
  13. 13. Guerra dos Mascates (PE – 1710) À medida que os mascates ganhavam importância econômica, mais se incomodavam com a condição de subordinação política a Olinda, estabelecida pelo fato de ser apenas da segunda o título de Município, implicando que se localizasse e fosse comandada por esta Câmara Municipal, força política de ambas as regiões. Insatisfeito com a condição de freguesia de Olinda e com as decisões políticas que barganhavam as crescentes dívidas da elite rural, Recife busca a autonomia junto a Portugal. Inicialmente a Coroa pendeu para o lado dos proprietários de terra, mas não deixando de ignorar a importância cada vez maior dos comerciantes, o governo luso acabou por, em 1709, privilegiá-los, elevando a fre- guesia à categoria de município, com sua própria Câmara Municipal. Os olindenses, inconformados, invadem e dominam os reci- fenses, nomeando um governador. A reação local gera um conflito armado que prossegue até a chegada de um novo governador enviado pelo Reino. Este prende os principais envolvidos na revolta e mantém a autonomia de Recife, que no ano seguinte viria a ser elevado a categoria de sede administrativa de Pernambuco.
  14. 14. Revolta de Vila Rica ou Filipe dos Santos (MG – 1720)
  15. 15. Revolta de Vila Rica ou Filipe dos Santos (MG – 1720) Revolta contra a rigorosa política fiscal e opressiva tributação. A causa imediata foi a criação das Casas de Fundição, onde 20% do ouro extraído era confiscado como impostos a Portugal. Rebeldes fazem suas exigências ao governador, que fingiu aceitá-las até conseguir organizar uma ofensiva, reunindo forças militares necessárias. Os rebeldes foram aprisionamento e alguns mandados para o exílio. Filipe dos Santos foi enforcado, as Casas de Fundição mantidas e ocorreu a separação das capitanias de São Paulo e Minas Gerais, aumentando a autoridade real sobre ambas.
  16. 16. Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
  17. 17. Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
  18. 18. Guerras Guaraníticas (RS... – 1750-1756)
  19. 19. Movimentos coloniais ocorridos já num quadro de crise do Sistema Colonial, caracterizados por uma consciência de que a solução para os problemas coloniais só poderia vir com a independência. Influenciados pelas ideias Iluministas. Ocorreram a partir da segunda metade do século XVIII.
  20. 20. Século XVIII / XIX Movimentos Emancipacionistas: A Inconfidência Mineira (1789); A Conjura do Rio de Janeiro (1794); A Conjuração Baiana (1798); A Insurreição Pernambucana (1817).
  21. 21. INCONFIDÊNCIA MINEIRA – 1789 Causas: • Esgotamento do ouro. • Crise econômica. • Exploração abusiva de Portugal. • Penetração de ideias Iluministas. Objetivos: • Proclamação da República e fim do exclusivismo comercial. • Apoio à industrialização. • São João Del Rei como capital do país. • Criação de universidades.
  22. 22. INCONFIDÊNCIA MINEIRA – 1789 Líderes do movimento: Tomás Antônio Gonzaga Cláudio Manuel da Costa Pe. José de Oliveira Rolim Pe. Carlos Correia de Toledo e Melo TC. Francisco de Paula Freire Andrade Cel. Joaquim Silvério dos Reis Alferes Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes) Desfecho: A revolta é denunciada, principalmente pelo Cel. Joaquim Silvério dos Reis. Tiradentes: condenado a morte (21/abril/1792). O suicídio de Claudio Manuel da Costa. Degredo de Tomás Antônio Gonzaga.
  23. 23. Tiradentes: herói da Inconfidência Mineira? Francisco Aurélio de Figueiredo e Mello. Pintura de 1893. Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro Como Tiradentes é representado nessa imagem, produzida em 1893? Qual é a imagem que o pintor queria passar da figura de Tiradentes? Por que Tiradentes é considerado até hoje um herói nacional?
  24. 24. Praça Tiradentes, Ouro Preto/MG. Museu da Inconfidência, antiga prisão de Vila Rica
  25. 25. Conjuração Baiana ou Revolta dos Alfaiates - 1798 • Desde que a coroa transferiu a sede do governo colonial para o Rio de Janeiro, em 1763, iniciara-se um processo de declínio socioeconômico e político de Salvador. Ideias principais: • Fim da escravidão; • Separação entre Igreja e Estado; • Fim da dominação colonial; • Criação de uma República; • Igualdade de direitos, sem distinção de cor; • Pagamento de melhor soldo para os soldados; • Instalação de um governo democrático; • Punição para os opositores ao movimento; • Liberdade de comércio.
  26. 26. * A sociedade Cavaleiros da Luz: moderados e radicais. * A influência da independência do Haiti. TOUSSANT LOVERTURE
  27. 27. Inconfidência Mineira X Conjuração Baiana Comparando os movimentos: Ambos conheceram a influência das ideias iluministas, a admiração pela vitória dos EUA contra a Inglaterra, a revolta contra a exploração colonial e o objetivo básico de conquistar a independência. Apenas na Conjuração Baiana esteve clara a ideia de abolição da escravidão.
  28. 28. A Insurreição Pernambucana – 1817 (Revolução Pernambucana / Revolução dos Padres) Lojas maçônicas: influência das ideias iluministas. Monopólio comercial e aumento dos impostos: D. João VI e a corte no Brasil. As novas ideias francesas repercutiam com intensidade muito grande na capitania pernambucana. Os padres João Ribeiro e Miguelinho, juntamente com Domingos José Martins e Antônio Cruz, organizavam, em torno das ideologias, debates que preparavam terreno para que germinasse a consciência nacional quanto aos abusos metropolitanos.
  29. 29. 1824
  30. 30. A Confederação do Equador – 1824 – Pernambuco O D. Pedro I era muito autoritário e impopular, provocando uma revolta na capitania de Pernambuco: a Confederação do Equador. Após a imposição da Constituição de 1824, a elite rural pernambucana e as camadas médias urbanas uniram-se e proclamaram-se independentes em relação ao Brasil, criando a República da Confederação do Equador.
  31. 31. A Confederação do Equador – 1824 – Pernambuco  Principais líderes: o jornalista Cipriano Barata e o frei Joaquim do Amor Divino Rabelo Caneca.  O desfecho: com a ajuda da Inglaterra, as tropas imperiais reprimiram o movimento com violência. Os principais líderes foram executados. Frei Caneca  Causas: o autoritarismo de D. Pedro I, a alta de impostos, a pobreza generalizada, a imposição da Constituição de 1824.
  32. 32. O BRASIL EM PÉ DE GUERRA! No Período Regencial, uma série de contradições tornou particularmente tensas as relações entre o Rio de Janeiro e algumas províncias.
  33. 33. Sabinada 1837-1838 Rusga 1834 No geral, podemos afirmar que as Revoltas Regenciais ocorreram provocadas pelas disputas políticas entre as elites locais, assim como, pelas condições sociais e econômicas de cada província, que passavam por um momento difícil, de grandes injustiças sociais.
  34. 34. RUSGA Contexto: Movimento Social ocorrido em Mato Grosso, no ano de 1834. Essa revolta aconteceu durante o Período Regencial. Fatores: Devido à instabilidade política presente no Império, duas sociedades ambicionavam a tomada do poder provincial. De um lado os políticos liberais defendiam a autonomia política dos provincianos e as reformas de antigas práticas. Do outro, os portugueses defendiam uma política centralizada e manutenção de privilégios, respectivamente pela “Sociedade dos Zelosos Indepen- dentes” e “Sociedade Filantrópica”. Além dos fatores sociais (miséria e desejo de expulsar os portugueses), houve os econômicos (domínio do comércio) e também os políticos (poder local). Atores: Liberais (“Sociedade dos Zelosos da Independência”) e conservadores (“Sociedade Filantrópica”). João Poupino Caldas (Líder Liberal); o fazendeiro José Alves Ribeiro, o capitão da Guarda Nacional, José Jacinto de Carvalho, o bacharel Pascoal Domingues de Miranda, o professor de filosofia Braz Pereira Mendes e o vereador Bento Franco de Camargo; e populares. Antonio Correa da Costa era o Presidente da Província (com apoio dos conservadores). Objetivos: Inicialmente, possuía objetivos políticos moderados, mas assumiu caráter violento, pois os integrantes da Sociedade dos Zelosos da Independência desejavam tomar poder das mãos de seus adversários (os bicudos). “Bicudo” era um termo depreciativo dirigido aos portugueses que foi inspirado pelo nome do bandeirante Manuel de Campos Bicudo, primeiro homem branco que se fixou na região. Desfecho: Apesar de nenhum dos envolvidos sofrerem algum tipo de punição das autoridades, o clima de disputa política continuava a se desenvolver em Cuiabá. O último capítulo dessa revolta aconteceu em 1836, quando João Poupino Caldas, politicamente desprestigiado resolveu deixar a Província. No exato dia de sua partida um misterioso conspirador o alvejou pelas costas com uma bala de prata. Na época esse tipo de projétil era especialmente usado para matar alguém considerado traidor.
  35. 35. CABANAGEM Contexto: Entre 1835 e 1840, na província do Grão-Pará. Fatores: No início do Período Regencial, a situação da população pobre do Grão-Pará era péssima. Mestiços e índios viviam na miséria total. Sem trabalho e sem condições adequadas de vida, os cabanos sofriam em suas pobres cabanas às margens dos rios. Esta situação provocou o sentimento de abandono com relação ao governo central e ao mesmo tempo, muita revolta. As lutas pela independência na província tiveram um caráter popular, além da libertação. No Pará existiam tradições de autonomia na Região do Grão-Pará, que estava ligado diretamente à Metrópole portuguesa, relacionando-se pouco com o resto do Brasil. Tais tradições fizeram com que os paraenses resistissem com frequência às imposições do Rio de Janeiro. Atores: Envolve os moradores pobres da cidade e dos vilarejos ribeirinhos (os cabanos): índios, ne- gros e mestiços. Na liderança houve representantes das várias vertentes sociais como: o padre Batista Campos, o jornalista Lavor Papagaio e o latifundiário Félix Malcher. Com o tempo, os governos cabanos seriam exercidos por lideranças populares, como Francisco Vinagre e Eduardo Angelim. Objetivos: Reivindicavam uma distribuição de terras e pediam à classe dominante, formada pelos grandes fazendeiros e comerciantes portugueses de Belém, o fim da escravidão. A pressão das massas sobre os governadores nomeados pelo Rio de Janeiro tornou-se cada vez maior. Então os cabanos tomam o poder e passam a controlar Belém. O objetivo principal era a conquista da independência da província do Grã-Pará. Os cabanos pretendiam obter melhores condições de vida (trabalho, moradia, terra, comida...). Já os fazendeiros e comerciantes, que lideraram a revolta, pretendiam obter maior participação nas decisões administrativas e políticas da província. Desfecho: O governo central enviou tropas para acabar com esse movimento. Vencidos na capital pelas forças do governo, os cabanos reorganizaram as massas rurais, continuaram lutando até 1840, quando pela violência e opressão, foram obrigados a aceitar a pacificação. Para muitos historiadores, a Cabanagem, mesmo reprimida e, ao final, derrotada, foi uma revolta popular que passou da simples manifestação para uma ascensão efetiva ao poder.
  36. 36. Monumento à Cabanagem, projetado por Oscar Niemeyer, em 1985. Belém, Pará.
  37. 37. BALAIADA Contexto: Revolta de caráter popular, ocorrida entre 1838 e 1841, no interior da então província do Maranhão. Fatores: Durante o período regencial Brasileiro, o Maranhão, região exportadora de algodão, passava por uma grave crise econômica devido à forte concorrência com o algodão produzido pelos Estados Unidos. Além disso, a fome e a miséria assolavam a região e a falta de assistência da Regência deixou a classe média insatisfeita politicamente. Atores: Realizada por pobres da região, escravos, fugitivos e prisioneiros, essa revolta teve como principais atores o Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, Cosme Bento (liberto), Raimundo Gomes e como combatente à Balaiada, o Barão de Caxias. Objetivos: Proclamação dos seus ideais republicanos; Fim da fome e da miséria na província do Maranhão; Redistribuição das terras (Reforma Agrária); Luta pela abolição da escravatura. Desfecho: O combate aos balaios foi bastante violento. O movimento de revolta foi contido em 1841. Cerca de 12 mil sertanejos e escravos morreram nos combates. Os revoltosos presos foram anistiados pelo imperador Dom Pedro II. A vitória sobre a Balaiada levou o Coronel Luís Alves de Lima e Silva a ser condecorado pelo imperador com um título de nobreza: Barão de Caxias.
  38. 38. REVOLTA DOS MALÊS Contexto: Foi uma revolta que aconteceu na Bahia (1835) no período regencial e no início do século XIX. O movimento de 1835 é conhecido como Revolta dos Malês, por serem assim chamados os negros muçulmanos que o organizaram. A expressão malê vem de imalê, que na lingua iorubá significa muçulmano. Fatores: A revolta foi contra a escravidão da população negra que era de grande maioria na Bahia e contra a imposição do catolicismo aos negros que tinham por constituição a religião Islâmica. Atores: Inspirados por escravos e libertos Islâmico-Haussás, Mandigas e outros grupos denominados genericamente de Malês, mas que contou também com a ampla participação de negros de origem Nagô, entre os quais Licutam, Dandara, Ahuna, Luiz Sanin, Manoel Galafate, que foram os principais líderes da revolta. Objetivos: A Revolta de Malês propunha o fim da imposição do catolicismo, o assassinato e confisco de bens de todos os brancos e mulatos e a implantação de uma monarquia islâmica, com a escravidão dos não muçulmanos (brancos, mulatos e negros). De acordo com o plano de ataque, assinado por um escravo de nome Mala Abubaker, os revoltosos sairiam da Vitória (atual bairro da Barra em Salvador) “tomando a terra e matando toda a gente branca”. De lá rumariam para a Água de Meninos e depois para Itapacipe, onde se reuniriam do restante das forças. O passo seguinte seria a invasão dos engenhos do Recôncavo e a libertação com armas em punho. Desfecho: O Malês lançava-se a luta apesar de terem perdido a vantagem da surpresa e, ao serem derrotados, fugiram para o Recôncavo, atacando os coviais. Foram vencidos também nas áreas rurais e submetidos a severas punições. Os castigos físicos mais violentos recaíram sobre os libertos, pois os escravos eram valiosos bens de capital dos proprietários que passaram a vigiá-los mais atentamente.
  39. 39. SABINADA Contexto: A revolta se estendeu entre os anos de 1837 e 1838. Ganhou este nome, pois seu líder foi o jornalista e médico Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira. Fatores: Os revoltosos eram contrários as imposições políticas e administrativas impostas pelo governo regencial. Estavam profundamente insatisfeitos com as nomeações de autoridades para o governo da Bahia, realizado pelo governo regencial. O estopim da revolta ocorreu quando o governo regencial decretou recrutamento militar obrigatório para combater a Guerra dos Farrapos, que ocorria no Sul do país. Atores: Foi uma revolta feita por militares, integrantes da classe média e rica da Bahia. O seu líder foi o jornalista e médico Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira. Objetivos: Os revoltosos queriam mais autonomia política e defendiam a instituição do federalismo republicano, sistema que daria mais autonomia política e administrativa as províncias. A Sabinada, liderada por Sabino Rocha Vieira, destacou-se pela visualização de um separatismo provisório, isto é, a República Bahiense existiria somente até a maioridade de D. Pedro II. Desfecho: A cidade de Salvador Foi cercada e retomada pelas tropas militares enviadas pelo governo central. Muita violência foi usada na repressão. Centenas de casa foram queimadas pelas forças militares do Governo Federal. Entre revoltosos e integrantes das forças do governo, ocorreram mais de 2 mil mortes durante a revolta. Mais de 3 mil revoltosos foram presos. Assim, em Março de 1838, terminava mais uma rebelião do período regencial. Francisco Sabino refugiou-se em Mato Grosso, foi morar em uma fazenda próxima a Cáceres, a fazenda Jacobina.
  40. 40. GUERRAS DOS FARRAPOS ou FARROUPILHA Contexto: A guerra iniciou em 1835, no Rio Grande do Sul, na época em que o Brasil era governado pelo regente Feijó (Período Regencial), mas se estendeu por Santa Catarina e terminou apenas em 1845, já no Segundo Reinado. Fatores: O estopim para essa rebelião foi a grande diferença de ideais entre dois partidos: um que apoiava os republicanos (Liberais) e outro que dava apoio aos conservadores (Legalistas) o movimento foi deflagrado por causas político-econômico como os altos impostos nas charqueadas, a escassez de moeda circulante no Rio Grande do Sul durante todo o período colonial e o pagamento das dividas do governo central da província. Atores: Bento Gonçalves, Bento Manoel, Giuseppe Garibaldi, Anita Garibaldi, Vicente da Fontura, Pedro Boticário e David Canabarro. Objetivos: Pretendiam conquistar maior parcela de autonomia política e econômica, porém mantendo os vínculos com o império. Embora, durante o movimento, surgiu a ideia de separatismo, possuíam consciência que o mesmo poderia significar a perda do mercado brasileiro de charque. Eram a favor de um governo federativo e republicano. Desfecho: Em novembro de 1836 os revolucionários proclamaram a República em Piratini e Bento Gonçalves, ainda preso foi nomeado presidente. Somente em 1837 após fugir da prisão é que Bento Gonçalves finalmente assume a presidência da República de Piratini. Após três anos de batalha e várias derrotas, os “Farrapos” tiveram que aceitar a paz proposta por Duque de Caxias (o Tratado do Poncho Verde). Com isso, em 1845 a rebelião foi finalizada.
  41. 41. Bento Gonçalves Giuseppe Garibaldi
  42. 42.  Revolução Praieira (1848-1849, em Pernambuco): os liberais, liderados pelo republicano Pedro Ivo da Silveira (e outros), queriam a expulsão dos portugueses e a nacionalização do comércio, a extinção do Poder Moderador, a liberdade de pensamento e o direito ao trabalho. Eram mudanças O Segundo Reinado (1840-1889) que afetariam as estruturas social e política vigentes no Brasil, por isso a repressão imperial foi imediata.
  43. 43. O Segundo Reinado (1840-1889) O Movimento Republicano “A proposta republicana ganhava espaço cada vez maior no país, ao mesmo tempo em que a Monarquia assumia um imagem retrógrada e incompatível com a nova realidade, inclusive internacional.”  O Manifesto Republicano;  A cisão dentro do Partido Liberal e a fundação do Partido Republicano Paulista (PRP);  O Federalismo (apoio das províncias);  O Apoio dos setores médios urbanos;  O Abolicionismo.
  44. 44. O Segundo Reinado (1840-1889) A Queda da Monarquia  A Monarquia em crise;  A propaganda republicana;  A aliança oligarquia cafeeira paulista e Exército;  Os reflexos da Guerra do Paraguai;  O Golpe de Estado em 15 de Novembro de 1889.
  45. 45. Um período de grande banditismo social ! O pior desses banditismo, ocorreu em 01/09/1910:
  46. 46. Um período de grande banditismo social ! O pior desses banditismo, ocorreu em 01/09/1910:
  47. 47. A Guerra de Canudos; A Guerra do Contestado; O Cangaço; A Revolta de Juazeiro. A Revolta da Vacina; A Revolta da Chibata; O Tenentismo; O Mov. Operário; A Semana da Arte Moderna. Rurais: Urbanos:
  48. 48.  Resistência x Estado Oligárquico: greves operárias, cangaço e messianismo. Canudos (1896-97): Antonio Conselheiro e seus seguidores no interior da Bahia Lampião e os cangaceiros Contestado: uma revolta nos “trilhos” das desigualdades que marcaram a República Velha Revolta de Juazeiro ou Sedição de Juazeiro, foi uma revolta de caráter popular, embora liderada pelos coronéis da região, que ocorreu no sertão do Nordeste em 1914. A revolta foi liderada pelo Pe. Cícero Romão Batista e pelo médico e político Floro Bartolomeu da Costa. Teve como epicentro a cidade de Juazeiro do Norte, localizada no sertão do Cariri (interior do estado do Ceará).
  49. 49. Irani (SC) - Berço do Contestado Um dos principais palcos da Guerra do Contestado, o Município de lrani insere-se numa área que foi disputada, inicialmente por Brasil e Argentina, na questão dos limites entre os dois países e, posteriormente, pelos estados do Paraná e Santa Catarina. O território começou a ser desbravado em meados do Século passado. As terras de Irani pertenciam ao Município de Palmas (PR) e em virtude de disputas pelas mesmas ocorreu a Guerra do Contestado entre 1912 e 1916. Na área, onde hoje situa-se o Município de lrani, foi travada uma das mais famosas batalhas da Guerra do Contestado. O chamado "Combate de lrani", foi o marco inicial de uma série de lutas travadas entre as tropas do Governo Federal e os jagunços, seguidores do messiânico Monge João Maria, considerado o líder espiritual de uma espécie de "Exército Encantado ". O Município de lrani ainda preserva alguns lugares que serviram de redutos para aqueles que combateram nessa Guerra, que entrou para a história, como o maior conflito social do Brasil, tirando a vida de mais de 10 mil pessoas, entre 1912 e 1916.
  50. 50. Obaporu, de Tarcila Amaral
  51. 51. Estado brasileiro pós-1930  Direitos trabalhistas, sindicais, previdenciários; e voto feminino.  Porém: mecanismos de controle da classe trabalhadora pelo Estado x Cidadania plena.  Ditadura do Estado Novo (1937-45). Manifestações públicas em favor do presidente Getúlio Vargas
  52. 52. A Carteira de Trabalho foi criada em 1932 e tornou- se obrigatória a partir de 1934. Estado brasileiro pós-1930
  53. 53. Estado brasileiro pós-1930
  54. 54. Estado brasileiro pós-1930
  55. 55. Estado brasileiro pós-1930 Dia 1º de maio de 2015 a Consolidação das Leis do Trabalho completou 72 anos. A CLT foi criada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e sancionada pelo presidente Getúlio Vargas, durante o período do Estado Novo.
  56. 56. 1945-1964 – A República Populista  Redemocratização constitucional do país. Controle político das massas por líderes populistas e por grupos oligárquicos.  Movimentos de resistência dos trabalhadores urbanos e rurais. Getúlio Vargas Retorna ao poder em 1951, aclamado pelo povo. Ligas Camponesas proliferam-se pelo Brasil no final dos anos 50.
  57. 57. Golpe militar e implantação de ditadura (1964-1985)  Supressão das garantias de direitos.  Prisões, torturas e mortes de opositores pelo Estado.  Arrocho salarial. Tanques nas ruas após o golpe de 1964 Perseguições a estudantes e outros setores de oposição Manifestações populares contra o regime militar
  58. 58.  Movimentos da sociedade civil x a ditadura. Lei da Anistia (1979). Volta dos exilados políticos. Vladimir Herzog (1975): sua morte dá inicio a uma onda de protestos de toda a imprensa mundial pelos Direitos Humanos no Brasil. 1978 - Movimento pela formação do Comitê Brasileiro de Anistia (CBA), e a voltas dos exilados em 1979. 2ª metade dos anos 1970
  59. 59. Anos 1980 “Pra não dizer que não falei das flores”  1ª Metade da década de 1980: crise do regime militar. Movimento pelas Diretas-Já (1984) e fim do Regime Militar (1985).  1987: Congresso Nacional Constituinte.  Constituição de 1988: garantia de direitos liberais clássicos + direitos novos (sociais, econômicos, culturais, ambientais...). Manifestações pelo fim da Ditadura
  60. 60. Tancredo Neves e José Sarney são eleitos (voto indireto) no Congresso Nacional em 15 de Janeiro de 1985.
  61. 61. José Sarney toma posse em 15 de Março de 1985.
  62. 62. Uma Constituição promulgada, com características liberais e democráticas: uma “Constituição Cidadã”.5 de Outubro de 1988
  63. 63. A Constituição Brasileira de 1988.  Direito de voto para os analfabetos;  Voto facultativo para: jovens entre 16 e 18 / acima de 70 anos;  Eleições diretas para presidente e mandato de 5 anos;  (Emenda Constitucional em 1997: mandato de 4 anos, com direito a uma reeleição.)  Eleições em dois turnos (para os cargos de presidente, governadores e prefeitos de cidades com mais de 200 mil eleitores);  Direito a greve e liberdade sindical;  Diminuição da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais;  Licença maternidade de 120 dias (sendo atualmente discutida/regulamentada a ampliação) e paternidade de 5 dias;  Abono de férias: acréscimo de 1/3 na remuneração;  Décimo terceiro salário para os aposentados;  Seguro desemprego;  Criação do Sistema Único de Saúde (SUS);  Preocupação ambiental.
  64. 64.  Crimes inafiançáveis: Os crimes de "tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem (Art. 5º, inciso XLIII). Ainda segundo a Carta Magna de 1988, são inafiançáveis "a prática do racismo" (Artigo 5.º, inciso XLII), e "a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático" (Artigo 5.º, inciso XLIV). A Constituição Brasileira de 1988.
  65. 65. TÍTULO X – ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 67. A União concluirá a demarcação das terras indígenas no prazo de cinco anos a partir da promulgação da Constituição. A Constituição Brasileira de 1988.
  66. 66. Final da década de 1980:  Globalização: Confronto entre defensores da supressão de direitos (neoliberalismo) e defensores do alargamento dos direitos (multiculturalismo).  Governos brasileiros: Eleição do Collor; assinatura e ratificação de alguns documentos, declarações e resoluções internacionais de garantia de direitos, aprovados pelo Congresso Nacional.  Multiplicidade de movimentos sociais e identitários em luta pela inclusão social. 1989 – Collor foi o primeiro presidente brasileiro eleito diretamente após 29 anos.
  67. 67. Início da década de 1990:
  68. 68. Década de 2000 No plano jurídico-normativo:  Estatuto do Idoso (2003).  Decreto de Acessibilidade (2004).  Diretrizes Nacionais para a Educação das relações Étnico-raciais e para o ensino de História e cultura afro-brasileira e africana (2004).  Decreto 5.626 – Língua Brasileira de Sinais (2005) – LIBRAS.  PNEDH (2006).  Lei Maria da Penha (2006).
  69. 69. Década de 2000 No plano da política de Direitos Humanos: Programa Nacional de Ações Afirmativas (2002); Plano de Erradicação do Trabalho Escravo (2003); Brasil sem Homofobia (2004); Brasil Quilombola (2004); Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (2005) Campanhas pela Diversidade Sociocultural; Plano de Desenvolvimento da Educação (2007)
  70. 70. 67 Anos da Declaração dos Direitos Humanos! Que juntos possamos transformar a nossa realidade. 2015
  71. 71. www. historias do medeiros .blogspot .com www. historias do medeiros .blogspot .com
  72. 72. Presidenta Dilma Rousseff durante a cerimônia de sanção da lei que institui o Estatuto da Juventude. (Brasília - DF, 05/08/2013).
  73. 73. Marcha das Vadias.
  74. 74. Professores em luta em SP, PR...
  75. 75. Os professores da rede pública de educação fizeram uma greve de 63 dias em 2013 e receberam 100% de aumento do seu poder de compra, parcelado em 10 anos. Os professores da rede pública de educação fizeram uma greve de 63 dias em 2013 e receberam 100% de aumento do seu poder de compra, parcelado em 10 anos. Os professores da rede pública de educação fizeram uma greve de 63 dias em 2013 e receberam 100% de aumento do seu poder de compra, parcelado em 10 anos. Os professores da rede pública de educação fizeram uma greve de 63 dias em 2013 e receberam 100% de aumento do seu poder de compra, parcelado em 10 anos. Os professores da rede pública de educação fizeram uma greve de 63 dias em 2013 e receberam 100% de aumento do seu poder de compra, parcelado em 10 anos.
  76. 76. http://www.revistaforum.com.br/blogdaeconomiapolitica/2014/10/09/inflacao-moderada-e-sob-controle-ou-alta-e-descontrolada/
  77. 77. IPCA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ACUMULADO NO ANO 1999 0,70 1,05 1,10 0,56 0,30 0,19 1,09 0,56 0,31 1,19 0,95 0,60 8,94% 2000 0,62 0,13 0,22 0,42 0,01 0,23 1,61 1,31 0,23 0,14 0,32 0,59 5,97% 2001 0,57 0,46 0,38 0,58 0,41 0,52 1,33 0,70 0,28 0,83 0,71 0,65 7,67% 2002 0,52 0,36 0,60 0,80 0,21 0,42 1,19 0,65 0,72 1,31 3,02 2,10 12,53% 2003 2,25 1,57 1,23 0,97 0,61 -0,15 0,20 0,34 0,78 0,29 0,34 0,52 9,30% 2004 0,76 0,61 0,47 0,37 0,51 0,71 0,91 0,69 0,33 0,44 0,69 0,86 7,60% 2005 0,58 0,59 0,61 0,87 0,49 - 0,02 0,25 0,17 0,35 0,75 0,55 0,36 5,69% 2006 0,59 0,41 0,43 0,21 0,10 - 0,21 0,19 0,05 0,21 0,33 0,31 0,48 3,14% 2007 0,44 0,44 0,37 0,25 0,28 0,28 0,24 0,47 0,18 0,30 0,38 0,74 4,45% 2008 0,54 0,49 0,48 0,55 0,79 0,74 0,53 0,28 0,26 0,45 0,36 0,28 5,90% 2009 0,48 0,55 0,20 0,48 0,47 0,36 0,24 0,15 0,24 0,28 0,41 0,37 4,31% 2010 0,75 0,78 0,52 0,57 0,43 0,00 0,01 0,04 0,45 0,75 0,83 0,63 5,90% 2011 0,83 0,80 0,79 0,77 0,47 0,15 0,16 0,37 0,53 0,43 0,52 0,50 6,50% 2012 0,56 0,45 0,21 0,64 0,36 0,08 0,43 0,41 0,57 0,59 0,60 0,79 5,83% 2013 0,86 0,60 0,47 0,55 0,37 0,26 0,03 0,24 0,35 0,57 0,54 0,92 5,91% 2014 0,55 0,69 0,92 0,67 0,46 0,40 0,01 0,25 0,57 0,42 0,51 0,78 6,40% 2015 1,24 1,22 1,32 0,71 0,74 0,79 0,62 - - - - - 6,82% http://www.portalbrasil.net/ipca.htm
  78. 78. IPCA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ACUMULADO NO ANO 1980 6,62 4,62 6,04 5,29 5,70 5,31 5,55 4,95 4,23 9,48 6,67 6,61 99,27% 1981 6,84 6,40 4,97 6,46 5,56 5,52 6,26 5,50 5,26 5,08 5,27 5,93 95,65% 1982 6,97 6,64 5,71 5,89 6,66 7,10 6,36 5,97 5,08 4,44 5,29 7,81 104,80% 1983 8,64 7,86 7,34 6,58 6,48 9,88 10,08 9,11 10,30 8,87 7,38 8,68 163,99% 1984 9,67 9,50 8,94 9,54 9,05 10,08 9,72 9,35 11,75 10,44 10,53 11,98 215,27% 1985 11,76 10,87 10,16 8,20 7,20 8,49 10,31 12,05 11,12 10,62 13,97 15,07 242,24% 1986 14,37 12,72 4,77 0,78 1,40 1,27 1,71 3,55 1,72 1,90 5,45 11,65 79,65% 1987 13,21 12,64 16,37 19,10 21,45 19,71 9,21 4,87 7,78 11,22 15,08 14,15 363,41% 1988 18,89 15,70 17,60 19,29 17,42 22,00 21,91 21,59 27,45 25,62 27,94 28,70 980,22% 1989 37,49 16,78 6,82 8,33 17,92 28,65 27,74 33,71 37,56 39,77 47,82 51,50 1.972,91% 1990 67,55 75,73 82,39 15,52 7,59 11,75 12,92 12,88 14,41 14,36 16,81 18,44 1.620,96% 1991 20,75 20,72 11,92 4,99 7,43 11,19 12,41 15,63 15,63 20,23 25,21 23,71 472,69% 1992 25,94 24,32 21,40 19,93 24,86 20,21 21,83 22,14 24,63 25,24 22,49 25,24 1.119,09% 1993 30,35 24,98 27,26 27,75 27,69 30,07 30,72 32,96 35,69 33,92 35,56 36,84 2.477,15% 1994 41,31 40,27 42,75 42,68 44,03 47,43 6,84 1,86 1,53 2,62 2,81 1,71 916,43% 1995 1,70 1,02 1,55 2,43 2,67 2,26 2,36 0,99 0,99 1,41 1,47 1,56 22,41% 1996 1,34 1,03 0,35 1,26 1,22 1,19 1,11 0,44 0,15 0,30 0,32 0,47 9,56% 1997 1,18 0,50 0,51 0,88 0,41 0,54 0,22 -0,02 0,06 0,23 0,17 0,43 5,22% 1998 0,71 0,46 0,34 0,24 0,50 0,02 -0,12 -0,51 -0,22 0,02 -0,12 0,33 1,66% 1999 0,70 1,05 1,10 0,56 0,30 0,19 1,09 0,56 0,31 1,19 0,95 0,60 8,94% 2000 0,62 0,13 0,22 0,42 0,01 0,23 1,61 1,31 0,23 0,14 0,32 0,59 5,97% 2001 0,57 0,46 0,38 0,58 0,41 0,52 1,33 0,70 0,28 0,83 0,71 0,65 7,67% 2002 0,52 0,36 0,60 0,80 0,21 0,42 1,19 0,65 0,72 1,31 3,02 2,10 12,53% 2003 2,25 1,57 1,23 0,97 0,61 -0,15 0,20 0,34 0,78 0,29 0,34 0,52 9,30% 2004 0,76 0,61 0,47 0,37 0,51 0,71 0,91 0,69 0,33 0,44 0,69 0,86 7,60% 2005 0,58 0,59 0,61 0,87 0,49 - 0,02 0,25 0,17 0,35 0,75 0,55 0,36 5,69% 2006 0,59 0,41 0,43 0,21 0,10 - 0,21 0,19 0,05 0,21 0,33 0,31 0,48 3,14% 2007 0,44 0,44 0,37 0,25 0,28 0,28 0,24 0,47 0,18 0,30 0,38 0,74 4,45% 2008 0,54 0,49 0,48 0,55 0,79 0,74 0,53 0,28 0,26 0,45 0,36 0,28 5,90% 2009 0,48 0,55 0,20 0,48 0,47 0,36 0,24 0,15 0,24 0,28 0,41 0,37 4,31% 2010 0,75 0,78 0,52 0,57 0,43 0,00 0,01 0,04 0,45 0,75 0,83 0,63 5,90% 2011 0,83 0,80 0,79 0,77 0,47 0,15 0,16 0,37 0,53 0,43 0,52 0,50 6,50% 2012 0,56 0,45 0,21 0,64 0,36 0,08 0,43 0,41 0,57 0,59 0,60 0,79 5,83% 2013 0,86 0,60 0,47 0,55 0,37 0,26 0,03 0,24 0,35 0,57 0,54 0,92 5,91% 2014 0,55 0,69 0,92 0,67 0,46 0,40 0,01 0,25 0,57 0,42 0,51 0,78 6,40% 2015 1,24 1,22 1,32 0,71 0,74 0,79 0,62 - - - - - 6,82% http://www.portalbrasil.net/ipca.htm
  79. 79. Fim não, a luta continua...
  80. 80. Fim não, a luta continua... Professor Medeiros www.historiasdomedeiros.blogspot.com
  81. 81. www. historias do medeiros .blogspot .com www. historias do medeiros .blogspot .com

×