SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
RESINA COMPOSTA - ANTERIORES
Materiais restauradores: diretos e indiretos. A diferença entre eles está no momento da restauração e propriedade.
 Diretos: amálgama, ionômero de vidro e resina composta
OBS: quando usamos ionômero restaurador deve-se passar glaze (selante de superfície) após a restauração e prime próprio do
ionômero (com ácido poliacrílico 10%).
Ácido poliacrílico 10%: é especialmente para ionômero e não precisa lavar
A resina tem carga maior que do ionômero
 Indiretos: metais, porcelanas e resinas compostas laboratoriais
Conceitos de Black (antigos): resistência do material e preparo estendido além da cárie
Conceitos modernos: preservar estrutura dental, não sendo necessário um preparo maior que a cárie
OBS: preparos para peças indiretas devem ter paredes planas, possibilitando a entrada e saída da peça, sem interferências. Se
tiver uma cúspide influenciando deverá ser removida ou aplicada resina composta até deixá-la pana.
Resina composta:
 módulo de elasticidade (rigidez) e resiliência semelhante a dentina
 unida aos tecidos através do sistema adesivo
 diversidade de cores
OBS: o ataque ácido elimina Smear Layer e reduz a água nos túbulos dentinários
Adiciona-se clorexidina para inibir a metaloproteinase que degrada a camada híbrida
Requisitos do material restaurador:
 restabelece a função do elemento dental
 boa adaptação marginal
 resistência a abrasão
 biocompatibilidade com a estrutura dental
 possibilidade de reparo
 reprodução da cor do dente
Vantagens
Amálgama resina
Amplas condições clínicas preparo
Reabilitação da função Cor
Manipulação Reabilita função
Rapidez Reforça a estrutura remanescente
Custo baixo Reparo
Restauração subgengival Estética
Vedamento
Desvantagens
Amálgama resina
Corrosão Sensibilidade à técnica
Cor Extensão da área
Preparo Impossibilidade de isolamento
Fratura Desgaste do material
Baixa resistência a tração Custo
Toxidade
Indicações da resina
 restaurações pequenas a médias (extensão)
 suporte dentinário
 núcleos de preenchimento
 cimentação de pinos e coroas
 colagem de brackets
Composição da resina
1. Massa orgânica – Matriz: contem inibidor e ativador / iniciador
Ativadores: desencadeiam a polimerização do compósito e variam com o tipo de polimerização
2. Agente de união – as part. vítreas ficam embbdas no agente de união p ficar inseridas na matriz, por ligaç covalente.
Deficiências do agente de união: se tiver distribuição não uniforme, durante a mastigação ocorrerá penetração de água
na interface carga-resina
3. Partículas inorgânicas – vidro
Se baseia em um material plástico com partículas vítreas. A parte plástica sofre porosidades e mudança na coloração
Compõe a fase orgânica:
 monômeros diluentes: UDMA, DEGMA, TUDMA e TEGMA
 iniciador: peróxido de benzoíla e canforoquinona
 ativador: amina terciária
 inibidor: hidroquinona
 radiopacificadores: bário e estrônico (proservação radiográfica)
A escolha depende de:
 tamanho das partículas: macropartículas, micropartículas, híbrida, microhíbrida e nanopartículas
 método de polimerização: quimio, foto e dual (cimentos resinosos)
 escoamento: alto (Flow), médio (Charisma, Z350) e baixo (condensáveis)
OBS: quanto mais BISGMA (matriz), tem mais lisura, porém menos resistência. Quanto menores as partículas terá mais matriz
na composição
Microparticuladas: usadas na última camada e na face vestibular. Não têm resistência mecânica, por isso não se deve fazer um
dente inteiro dela
Definição: luz, cor, opalescência e fluorescência
1. Luz: o comprimento de onda que corresponde ao olho humano está entre a faixa dos raios infravermelhos (700nm) e
raios ultravioletas (400nm)
2. Cores: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta
Os sistemas de ordenação de cores se baseiam em: matiz, saturação e valor
- Matiz: define a cor, é determinada pelo comprimento de onda refletido pelo dente
A -> vermelho-marrom
B -> laranja-amarelo
C -> verde-cinza
D -> rosa-cinza
- Croma/saturação: variação da intensidade da cor. A1, A2, A3, A4
- Valor: brilho ou luminosidade, definido pelo quanto a cor se aproxima do branco (alto valor) ou do preto (baixo
valor)
3. Opalescência: transmissão de ondas longas e reflexão de ondas curtas em meios translúcidos ou transparentes. O
esmalte é opalescente em toda sua extensão com mais evidência na incisal (oferece aspecto azulado)
onda de luz que consegue atravessar o esmalte: vermelha e laranja
onda de menor comprimento são refletidas: verde, violeta e azul
4. Fluorescência: capacidade de absorver luz de um comprimento de onda e emitir luz de comprimento de onda em
resposta
Propriedades:
1. Baixa resistência ao desgaste: não tem efeito prejudicial imediato, mas leva a perda da forma anatômica da restauração
2. Lisura superficial: está relacionada ao tamanho e natureza das partículas
3. Contração de polimerização: na aplicação do foto a resina se contrai para onde tem o adesivo
4. Adesividade
5. Estabilidade de cor
6. Expansão higroscópica (absorção de água)
7. Expansão térmica
8. Radiopacidade
9. Fator C
Mecanismos de presa:
-processo de polimerização
-transformação
Grau de conversão: mediado pela porcentagem de ligações duplas da resina, capaz de converter-se em polímeros (pontencial
para polimerizar)
Grau de polimerização:
Bisel: ângulo de 45° em relação ao cavo-superficial, a extensão depende da relação de contato com o dente vizinho, da
quantidade de esmalte sem apoio dentinário e da necessidade estética. A tendência é utilizar por razões estéticas
Escolha de cor:
 iluminação artificial que simule a iluminação natural
 ambiente claro e neutro
 antes do isolamento
 evitar fadiga, escolher rápido, no máximo em 10s
 sempre com refletor desligado
 primeiramente escolher o matiz e depois o croma
 escolher por escala ou porção de resina
 pedir opinião para auxiliar (menos indicado)
 em casos difíceis, fazer um ensaio restaurador
Planejamento:
1. Ficha de anamnese
2. Verificação da pasta radiográfica (infiltrações, cáries)
3. Exames periodontais e análise das raízes
--moldagem
4. Verificar oclusão anterior e posterior
5. Altura da linha do sorriso
6. Mudança de cor
7. Plástica gengival
8. Clareamento
9. Perfil do rosto, sexo, idade, proporções (proporção áurea, diagonal ou quadrado)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zinco
Odonto ufrj
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
Valdemir Junior
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
profguilhermeterra
 

Mais procurados (20)

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Cimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidroCimento de ionômero de vidro
Cimento de ionômero de vidro
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
Resumo de Endodontia - Medicação Intracanal - Hidróxido de Cálcio, Otosporin,...
 
AMÁLGAMA DENTÁRIO
AMÁLGAMA DENTÁRIOAMÁLGAMA DENTÁRIO
AMÁLGAMA DENTÁRIO
 
Propriedades opticas e termicas 2015 2
Propriedades opticas e termicas 2015 2Propriedades opticas e termicas 2015 2
Propriedades opticas e termicas 2015 2
 
Gessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo IGessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo I
 
Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
 
Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zinco
 
Oze irm civ
Oze irm civOze irm civ
Oze irm civ
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 
Resinas
ResinasResinas
Resinas
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 

Semelhante a Resina composta anteriores

Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of PhotoactivationDicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Eduardo Souza-Junior
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third november
Carlos Soares
 
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
André Milioli Martins
 
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptxResina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
EdwinCardoso3
 

Semelhante a Resina composta anteriores (20)

Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of PhotoactivationDicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third november
 
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
Classificação e Composição das Resinas Compostas - Concurso Odontologia - Que...
 
Sistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdfSistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdf
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptxResina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
 
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
Revisão de Materiais Dentários não metálicos (PERGUNTAS)
 
Modulo 2 química e formulações
Modulo 2   química e formulaçõesModulo 2   química e formulações
Modulo 2 química e formulações
 
Folder Comercial_Português - AMBAR. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina
Folder Comercial_Português - AMBAR. Sistema Adesivo para Esmalte e DentinaFolder Comercial_Português - AMBAR. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina
Folder Comercial_Português - AMBAR. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina
 
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
 
Ambar. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina.
Ambar. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina.Ambar. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina.
Ambar. Sistema Adesivo para Esmalte e Dentina.
 
2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - Prótese2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - Prótese
 
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3  - Matérias Primas e FormulaçõesModulo 3  - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
 
Curso de Tintas e Vernizes
 Curso de Tintas e Vernizes  Curso de Tintas e Vernizes
Curso de Tintas e Vernizes
 
Tintas
TintasTintas
Tintas
 
Classificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas CompostasClassificações das Resinas Compostas
Classificações das Resinas Compostas
 
resina acrilia de uso odontolotogico.pdf
resina acrilia de uso odontolotogico.pdfresina acrilia de uso odontolotogico.pdf
resina acrilia de uso odontolotogico.pdf
 
(20170903204951)artigo pino
(20170903204951)artigo pino(20170903204951)artigo pino
(20170903204951)artigo pino
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 

Mais de Dr.João Calais.:

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Dr.João Calais.:
 

Mais de Dr.João Calais.: (20)

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
 
Mutação
MutaçãoMutação
Mutação
 
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
 
Flúor
FlúorFlúor
Flúor
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
 
Embriologia bucal
Embriologia bucalEmbriologia bucal
Embriologia bucal
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 

Resina composta anteriores

  • 1. RESINA COMPOSTA - ANTERIORES Materiais restauradores: diretos e indiretos. A diferença entre eles está no momento da restauração e propriedade.  Diretos: amálgama, ionômero de vidro e resina composta OBS: quando usamos ionômero restaurador deve-se passar glaze (selante de superfície) após a restauração e prime próprio do ionômero (com ácido poliacrílico 10%). Ácido poliacrílico 10%: é especialmente para ionômero e não precisa lavar A resina tem carga maior que do ionômero  Indiretos: metais, porcelanas e resinas compostas laboratoriais Conceitos de Black (antigos): resistência do material e preparo estendido além da cárie Conceitos modernos: preservar estrutura dental, não sendo necessário um preparo maior que a cárie OBS: preparos para peças indiretas devem ter paredes planas, possibilitando a entrada e saída da peça, sem interferências. Se tiver uma cúspide influenciando deverá ser removida ou aplicada resina composta até deixá-la pana. Resina composta:  módulo de elasticidade (rigidez) e resiliência semelhante a dentina  unida aos tecidos através do sistema adesivo  diversidade de cores OBS: o ataque ácido elimina Smear Layer e reduz a água nos túbulos dentinários Adiciona-se clorexidina para inibir a metaloproteinase que degrada a camada híbrida Requisitos do material restaurador:  restabelece a função do elemento dental  boa adaptação marginal  resistência a abrasão  biocompatibilidade com a estrutura dental  possibilidade de reparo  reprodução da cor do dente Vantagens Amálgama resina Amplas condições clínicas preparo Reabilitação da função Cor Manipulação Reabilita função Rapidez Reforça a estrutura remanescente Custo baixo Reparo Restauração subgengival Estética Vedamento Desvantagens Amálgama resina Corrosão Sensibilidade à técnica Cor Extensão da área Preparo Impossibilidade de isolamento Fratura Desgaste do material Baixa resistência a tração Custo Toxidade
  • 2. Indicações da resina  restaurações pequenas a médias (extensão)  suporte dentinário  núcleos de preenchimento  cimentação de pinos e coroas  colagem de brackets Composição da resina 1. Massa orgânica – Matriz: contem inibidor e ativador / iniciador Ativadores: desencadeiam a polimerização do compósito e variam com o tipo de polimerização 2. Agente de união – as part. vítreas ficam embbdas no agente de união p ficar inseridas na matriz, por ligaç covalente. Deficiências do agente de união: se tiver distribuição não uniforme, durante a mastigação ocorrerá penetração de água na interface carga-resina 3. Partículas inorgânicas – vidro Se baseia em um material plástico com partículas vítreas. A parte plástica sofre porosidades e mudança na coloração Compõe a fase orgânica:  monômeros diluentes: UDMA, DEGMA, TUDMA e TEGMA  iniciador: peróxido de benzoíla e canforoquinona  ativador: amina terciária  inibidor: hidroquinona  radiopacificadores: bário e estrônico (proservação radiográfica) A escolha depende de:  tamanho das partículas: macropartículas, micropartículas, híbrida, microhíbrida e nanopartículas  método de polimerização: quimio, foto e dual (cimentos resinosos)  escoamento: alto (Flow), médio (Charisma, Z350) e baixo (condensáveis) OBS: quanto mais BISGMA (matriz), tem mais lisura, porém menos resistência. Quanto menores as partículas terá mais matriz na composição Microparticuladas: usadas na última camada e na face vestibular. Não têm resistência mecânica, por isso não se deve fazer um dente inteiro dela Definição: luz, cor, opalescência e fluorescência 1. Luz: o comprimento de onda que corresponde ao olho humano está entre a faixa dos raios infravermelhos (700nm) e raios ultravioletas (400nm) 2. Cores: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul, anil e violeta Os sistemas de ordenação de cores se baseiam em: matiz, saturação e valor - Matiz: define a cor, é determinada pelo comprimento de onda refletido pelo dente A -> vermelho-marrom B -> laranja-amarelo C -> verde-cinza D -> rosa-cinza - Croma/saturação: variação da intensidade da cor. A1, A2, A3, A4 - Valor: brilho ou luminosidade, definido pelo quanto a cor se aproxima do branco (alto valor) ou do preto (baixo valor) 3. Opalescência: transmissão de ondas longas e reflexão de ondas curtas em meios translúcidos ou transparentes. O esmalte é opalescente em toda sua extensão com mais evidência na incisal (oferece aspecto azulado) onda de luz que consegue atravessar o esmalte: vermelha e laranja onda de menor comprimento são refletidas: verde, violeta e azul 4. Fluorescência: capacidade de absorver luz de um comprimento de onda e emitir luz de comprimento de onda em resposta
  • 3. Propriedades: 1. Baixa resistência ao desgaste: não tem efeito prejudicial imediato, mas leva a perda da forma anatômica da restauração 2. Lisura superficial: está relacionada ao tamanho e natureza das partículas 3. Contração de polimerização: na aplicação do foto a resina se contrai para onde tem o adesivo 4. Adesividade 5. Estabilidade de cor 6. Expansão higroscópica (absorção de água) 7. Expansão térmica 8. Radiopacidade 9. Fator C Mecanismos de presa: -processo de polimerização -transformação Grau de conversão: mediado pela porcentagem de ligações duplas da resina, capaz de converter-se em polímeros (pontencial para polimerizar) Grau de polimerização: Bisel: ângulo de 45° em relação ao cavo-superficial, a extensão depende da relação de contato com o dente vizinho, da quantidade de esmalte sem apoio dentinário e da necessidade estética. A tendência é utilizar por razões estéticas Escolha de cor:  iluminação artificial que simule a iluminação natural  ambiente claro e neutro  antes do isolamento  evitar fadiga, escolher rápido, no máximo em 10s  sempre com refletor desligado  primeiramente escolher o matiz e depois o croma  escolher por escala ou porção de resina  pedir opinião para auxiliar (menos indicado)  em casos difíceis, fazer um ensaio restaurador Planejamento: 1. Ficha de anamnese 2. Verificação da pasta radiográfica (infiltrações, cáries) 3. Exames periodontais e análise das raízes --moldagem 4. Verificar oclusão anterior e posterior 5. Altura da linha do sorriso 6. Mudança de cor 7. Plástica gengival 8. Clareamento 9. Perfil do rosto, sexo, idade, proporções (proporção áurea, diagonal ou quadrado)