A Pesquisa CientíFica E O Uso Da InformaçãO

17.532 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Turismo, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.532
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
80
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
284
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Pesquisa CientíFica E O Uso Da InformaçãO

  1. 1. CAMPUS CARIRI REDE DE VALORIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR – REVES A PESQUISA CIENTÍFICA E O USO DA INFORMAÇÃO: IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS Jonathas Luiz Carvalho Silva [email_address]
  2. 2. PROPOSTA DE EXPLANAÇÃO <ul><li>PRIMEIRO MOMENTO </li></ul><ul><li>DISCUSSÃO/EXPOSIÇÃO TEÓRICO/EPISTEMOLÓGICA DOS CONCEITOS, CARACTERÍSTICAS, ATRIBUIÇÕES E FINALIDADES DOS TERMOS QUE SEGUEM: </li></ul><ul><li>PESQUISA/PESQUISA CIENTÍFICA </li></ul><ul><li>INFORMAÇÃO </li></ul><ul><li>MÉTODO E METODOLOGIA </li></ul><ul><li>ÉTICA </li></ul>
  3. 3. PROPOSTA DE EXPLANAÇÃO <ul><li>SEGUNDO MOMENTO </li></ul><ul><li>APLICAÇÃO E RELAÇÃO DOS TERMOS DISCUTIDOS NO MOMENTO ANTERIOR </li></ul><ul><li>A PESQUISA CIENTÍFICA E O USO DA INFORMAÇÃO </li></ul><ul><li>PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS </li></ul>
  4. 4. PESQUISA - CONCEITOS <ul><li>De acordo com Aurélio B. Holanda Ferreira, pesquisa é a “investigação e estudo, sistemáticos, com o fim de descobrir e estabelecer fatos ou princípios relativos a um campo qualquer do conhecimento”. </li></ul>
  5. 5. PESQUISA/PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITOS <ul><li>Gil (1991, p.19) considera a pesquisa como “procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos”. </li></ul><ul><li>Comungam também dessa idéia Lakatos e Marconi (2001) e Cervo e Bervian (1996) que a definem como uma atividade voltada à busca de respostas e à solução de problemas para questões propostas, através da utilização de método científicos. </li></ul>
  6. 6. PESQUISA/PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITOS <ul><li>Para Minayo (1993, p.23), a pesquisa é uma atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta da realidade, construindo-se em uma atitude e prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente. “É uma atividade de aproximação sucessiva da realidade que nunca se esgota, fazendo uma combinação particular entre teoria e dados”. </li></ul>
  7. 7. PESQUISA CIENTÍFICA PRESSUPOSTOS <ul><li>Delimitação do fato; </li></ul><ul><li>Problematização; </li></ul><ul><li>Reflexão; e </li></ul><ul><li>Solução, explicação ou discussão do que foi delimitado, problematizado e refletido. </li></ul>
  8. 8. TIPOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA <ul><li>Tomando como base Pedro Demo (1994), podemos identificar quatro tipos de pesquisa: </li></ul><ul><li>Pesquisa teórica - Trata-se da pesquisa que é &quot;dedicada a reconstruir teoria, conceitos, idéias, ideologias, polêmicas, tendo em vista, em termos imediatos, aprimorar fundamentos teóricos”. </li></ul><ul><li>Pesquisa metodológica - Refere-se ao tipo de pesquisa voltada para a inquirição de métodos e procedimentos adotados como científicos. &quot;Faz parte da pesquisa metodológica o estudo dos paradigmas, as crises da ciência, os métodos e as técnicas dominantes da produção científica”. </li></ul>
  9. 9. TIPOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA <ul><li>Pesquisa empírica - É a pesquisa dedicada ao tratamento da &quot;face empírica e fatual da realidade; produz e analisa dados, procedendo sempre pela via do controle empírico e fatual”. </li></ul><ul><li>Pesquisa prática - Trata-se da pesquisa &quot;ligada à práxis, ou seja, à prática histórica em termos de conhecimento científico para fins explícitos de intervenção; não esconde a ideologia, mas sem perder o rigor metodológico”. </li></ul>
  10. 10. PARA QUE PESQUISAR? <ul><li>Para resolver problemas – comumente são pesquisas realizadas no meio acadêmico ou no mercado. Exemplo: Na educação, existem muitas pesquisas para detectar a eficiência dos métodos de ensino, ou mesmo uma indústria que faz pesquisa para determinar efeitos da música ambiental na produtividade dos empregados. </li></ul><ul><li>Para formular teorias – muito utilizada nas Ciências Sociais. Exemplo: um pesquisador em Educação estuda o efeito das mudanças que o método de ensino produz no rendimento escolar de uma turma. </li></ul><ul><li>Para testar teorias – semelhante ao estilo anterior, mas é utilizada mais na área das Ciências Exatas, como forma de constatação das teorias ou fórmulas. </li></ul>
  11. 11. ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA <ul><li>Antes de proceder as etapas de uma pesquisa, o pesquisador deve conceber as seguintes interpelações: </li></ul><ul><li>O que é pesquisa? </li></ul><ul><li>Porque pesquisar? </li></ul><ul><li>Para que pesquisar? </li></ul><ul><li>Como pesquisar? </li></ul><ul><li>Onde pesquisar? </li></ul>
  12. 12. INFORMAÇÃO - CONCEITO ETIMOLÓGICO <ul><li>O termo informação remonta à Antiguidade, sua origem prende-se ao latim informare: dar forma a. </li></ul>
  13. 13. INFORMAÇÃO - CONCEITOS EPISTEMOLÓGICOS <ul><li>Para Le Coadic (2004, p.4), informação é “um conhecimento inscrito (registrado) em forma escrita (impressa ou digital), oral ou audiovisual, em um suporte”. </li></ul><ul><li>“ A informação comporta um elemento de sentido. É um significado transmitido a um ser consciente por meio de uma mensagem inscrita em um suporte espacial-temporal: impresso, sinal elétrico, onda sonora, etc. inscrição feita graças a um sistema de signos (a linguagem), signo este que é um elemento da linguagem que associa um significante a um significado; signo alfabético, palavra, sinal de pontuação”. </li></ul>
  14. 14. INFORMAÇÃO - CONCEITOS EPISTEMOLÓGICOS <ul><li>Capurro (2003, p.3) faz uma diferenciação entre mensagem e informação afirmando que: “uma mensagem é dependente do emissor, isto é, ela é baseada em uma estrutura heteronômica e assimétrica. Este não é o caso da informação: nós recebemos uma mensagem, mas nós solicitamos uma informação”. </li></ul>
  15. 15. MÉTODO - CONCEITO <ul><li>Vem do Grego, methodos, met’ hodos que significa, literalmente, “caminho para chegar a um fim”. O método é o caminho para se chegar à verdade, a uma conclusão. O método ganha caracterizações diferenciadas em cada área. </li></ul>
  16. 16. MÉTODO <ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>Em ciência, de um modo geral, o método científico é constituído por uma série de passos que se têm de tomar, de forma mais ou menos esquemática para atingir um determinado objetivo científico. </li></ul>
  17. 17. METODOLOGIA - CONCEITOS <ul><li>A metodologia é a explicação minuciosa, detalhada e rigorosa de toda ação desenvolvida no método (caminho) do trabalho de pesquisa. </li></ul><ul><li>É a explicação do tipo de pesquisa, do instrumental utilizado (questionário, entrevista etc), do tempo previsto, da equipe de pesquisadores e da divisão do trabalho, das formas de tabulação e tratamento dos dados, enfim, de tudo aquilo que se utilizou no trabalho de pesquisa. </li></ul>
  18. 18. METODOLOGIA <ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>Foi realizada uma pesquisa de caráter comparativa descritiva com 8 professores das escolas da rede municipal de Pinheiro Machado, escolhidos dentre os que possuíam mais de cinco anos de docência. Este critério foi utilizado considerando a necessidade de verificar as concepções teórico-metodológicas de professores mais experientes. </li></ul>
  19. 19. ÉTICA - CONCEITOS <ul><li>Kant no século XVIII explicitou sobre uma ética formal baseada na idéia de boa vontade como indicativo da constituição do fato da moralidade e do conhecimento humano. </li></ul><ul><li>Aristóteles (2002, p.40) tem a visão de que a ética, trata da ação e do bem no contexto do indivíduo, mas é considerada como uma ciência prática auxiliar a política, a ciência prática maior. </li></ul>
  20. 20. ÉTICA - CONCEITOS <ul><li>Vasquez (1987, p. 12) diz que “ética é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em sociedade. Ou seja é a ciência de uma forma específica do comportamento humano”. </li></ul><ul><li>Hegel (1997), afirma que a ética pressupõe a realização do conceito de consciência-de-si, ao qual exige que uma consciência abandone uma postura isolada para se relacionar com os outros, visando estabelecer uma coletividade mais concreta. </li></ul>
  21. 21. A PESQUISA CIENTÍFICA E O USO DA INFORMAÇÃO <ul><li>Dois critérios são importantes para se conceber o uso da informação no desenvolvimento da pesquisa: </li></ul><ul><li>Conhecimento acerca dos valores de uso inerentes à informação; e </li></ul><ul><li>Conhecimento acerca da utilização das fontes de informação. </li></ul>
  22. 22. A PESQUISA CIENTÍFICA E O USO DA INFORMAÇÃO <ul><li>Os valores de uso da informação: </li></ul><ul><li>Produtividade; </li></ul><ul><li>Venda; </li></ul><ul><li>Troca; </li></ul><ul><li>Compra; </li></ul><ul><li>Compartilhamento; e </li></ul><ul><li>Sociação </li></ul>
  23. 23. A PESQUISA CIENTÍFICA E O USO DA INFORMAÇÃO <ul><li>Utilização das fontes de informação </li></ul><ul><li>Fontes de pesquisa documentária </li></ul><ul><li>Biblioteca </li></ul><ul><li>Arquivos </li></ul><ul><li>Museus </li></ul><ul><li>Internet </li></ul><ul><li>Fontes de pesquisa bibliográfica </li></ul><ul><li>Livros </li></ul><ul><li>Artigos </li></ul><ul><li>Outros tipos de trabalhos acadêmico-científicos </li></ul>
  24. 24. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>Implicações metodológicas: </li></ul><ul><li>Delimitação do tema </li></ul><ul><li>Problematização </li></ul>
  25. 25. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>Levantamento de bibliografia </li></ul><ul><li>Seleção de bibliografia </li></ul><ul><li>Escolha do método </li></ul>
  26. 26. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>Segmento das etapas do processo da pesquisa científica: </li></ul><ul><li>ESCOLHA DO TEMA </li></ul><ul><li>PROBLEMÁTICA </li></ul><ul><li>JUSTIFICATIVA </li></ul><ul><li>OBJETIVOS </li></ul><ul><li>HIPÓTESES E A SUA RELAÇÃO COM A INTUIÇÃO </li></ul><ul><li>REFERENCIAL TEÓRICO </li></ul><ul><li>METODOLOGIA </li></ul><ul><li>ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS </li></ul><ul><li>REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS </li></ul>
  27. 27. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>Implicações éticas: </li></ul><ul><li>A coleta é feita sem alterar o ritmo e o planejamento da Instituição? </li></ul><ul><li>Motta (1998, p. 212) afirma que os interesses da pessoa têm prioridade sobre os interesses da ciência e da sociedade. </li></ul>
  28. 28. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>A Instituição e os informantes/participantes estão devidamente informados sobre os objetivos da pesquisa ? </li></ul><ul><li>Caso não seja possível o esclarecimento prévio, pelo menos que o esclarecimento seja efetivado após a coleta dos dados. </li></ul><ul><li>Polio (1996, p. 74) aconselha que, </li></ul><ul><li>quando um pesquisador consegue o consentimento de professores para observar ou gravar suas salas de aula, apenas parte do objetivo do estudo pode ser revelado para não afetar o comportamento do professor. No entanto, depois da conclusão do estudo, qualquer pesquisador tem a obrigação de informar ao professor os detalhes do estudo. </li></ul>
  29. 29. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>O pesquisador se preocupa em dar retorno aos seus informantes? </li></ul><ul><li>Ao usar questionários e entrevistas, o pesquisador respeita as preocupações do informante? </li></ul><ul><li>Assim, faz-se necessário questionar os próprios questionários. Muitas vezes, o informante responde a qualquer coisa para se ver livre do pesquisador ou, até mesmo, para agradá-lo. Outras vezes, as questões propostas não são relevantes para aquele indivíduo, ou ele nunca se questionou sobre aquilo, e o entrevistador não lhe dá tempo suficiente para refletir antes de responder. Não seria isso uma forma de imposição? </li></ul>
  30. 30. PESQUISA CIENTÍFICA, USO DA INFORMAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES METODOLÓGICAS E ÉTICAS <ul><li>O pesquisador omite informações sobre o pesquisado de forma a ressaltar o foco de seu trabalho? </li></ul><ul><li>É muito comum lermos relatos de pesquisa sobre a sala de aula em que apenas os aspectos negativos são relatados, passando a impressão errônea de que o(s) pesquisado(s) não têm nada de positivo para ser registrado. Mesmo que os aspectos positivos não sejam o foco do trabalho, é justo que sejam mencionados, mesmo quando o anonimato está preservado. </li></ul>
  31. 31. REFERÊNCIAS <ul><li>CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Makron Books, 1996. </li></ul><ul><li>DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994. </li></ul><ul><li>GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991. </li></ul><ul><li>KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. </li></ul>
  32. 32. REFERÊNCIAS <ul><li>LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001. </li></ul><ul><li>MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec,1993. </li></ul><ul><li>MOTA, J. A. C. A criança como sujeito de experimentação científica: uma análise histórica dos aspectos éticos . 1998. (Tese de doutorado em Medicina). Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. </li></ul>
  33. 33. REFERÊNCIAS <ul><li>POLIO, C. Issues and problems in reporting classroom research. In: SCHACHTER, J.; GASS, S. (Ed.). Second language classroom research: issues and opportunities. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1996. </li></ul><ul><li>RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1999. </li></ul><ul><li>ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de caso . 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999. </li></ul><ul><li>VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração . 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000. </li></ul>
  34. 34. FRASES DE ESTUDIOSOS SOBRE PESQUISA <ul><li>&quot;Pesquisar é ver o que outros viram, e pensar o que nenhum outro pensou.&quot; (Albert Szent-Gyorgyi); </li></ul><ul><li>&quot;Para pesquisar a verdade é preciso duvidar, quanto seja possível, de todas as coisas, uma vez na vida.&quot; (René Descartes); </li></ul><ul><li>&quot;Aquele que dúvida e não pesquisa, torna-se não só infeliz, mas também injusto.&quot; (Blaise Pascal); </li></ul><ul><li>&quot;Se eu soubesse o que eu estava fazendo, não seria chamada pesquisa .&quot;(Albert Einstein). </li></ul>
  35. 35. FRASES DE ESTUDIOSOS SOBRE PESQUISA <ul><li>&quot; Pesquisa é curiosidade formalizada. Estar mexendo e estar procurando com um propósito.&quot; (Zora Neale Hurston). </li></ul><ul><li>&quot; Pesquisa é o processo de entrar em vielas para ver se elas são becos sem saída.&quot; (Marston Bates). </li></ul><ul><li>&quot;Bastante pesquisa tenderá a apoiar suas conclusões.&quot; (Arthur Bloch). </li></ul>

×