O medo nunca conquistou direitos!
Carta aberta aos Trabalhadores/as Técnico-Administrativos em Educação do IFMG
Companheir...
Redistribuições e Flexibilização da Jornada de Trabalho (30 horas). Esses são temas prementes
à categoria.
Essas são as RA...
ANEXOS
Galera a ideia é ter dois anexos:
1 – Agenda de Greve (aqui colocar ponto a ponto o que já fizemos, as datas da
ass...
Greve Ping Pong
A greve é legal?
Ai respondemos a questão
O Governos foi notificado da Greve
Ai respondemos a pergunta
O R...
Para esclarecimentos das frequentes indagações da categoria a respeito do
movimento paredista dos TAEs do IFMG, importante...
Vivemos um relacionamento, por parte da direção do IFMG, truculento e
intransigente. Trabalhadores sofrendo perseguições, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O medo nunca_conquistou_direitos

134 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
134
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O medo nunca_conquistou_direitos

  1. 1. O medo nunca conquistou direitos! Carta aberta aos Trabalhadores/as Técnico-Administrativos em Educação do IFMG Companheiros e Companheiras, Caminhamos para nossa quinta semana de greve, que foi deflagrada no dia 27 de abril, seguindo as deliberações da Plenária Nacional da FASUBRA e da Assembleia de Base do SINDIFES no IFMG, que deliberaram pela greve por tempo indeterminado. Matemo-nos firmes na luta por nossos direitos e nos dirigimos a todos e todas para expor, mais uma vez, o sentido de nossas reivindicações. Mas, quais as RAZÕES para a greve? A Razão principal de nossa greve, o motivo de sua deflagração, é a pauta nacional, que atinge toda categoria. Em 2012 saímos da greve com um acordo entre FASUBRA e Governo, chegado 2014, parte desse acordo não foi cumprido pelo Governo então a categoria se viu diante de um novo enfrentamento para forçar o cumprimento integral do acordo. É nesse cenário que nasce nossa greve. O não cumprimento do acordo por parte do Governo envolve a resolutividade para as pautas dos Grupos de Trabalho (Democratização, Racionalização, Dimensionamento, Reposicionamento dos Aposentados e Terceirização) do acordo, o reconhecimento dos certificados de capacitação que os aposentados já possuíam quando da constituição da carreira e providências com relação aos casos de perseguição e criminalização da luta. Os pontos da pauta nacional têm impacto direto sobre o cotidiano do trabalho da imensa maioria da categoria, não é diferente com relação ao IFMG. Outro ponto que não pode ser negligenciado é a questão local, desde 2011, quando iniciamos nossa organização na base do SINDIFES/FASUBRA, existe a construção e diálogo de uma pauta local. Na greve de 2012 essa pauta foi amplamente divulgada à categoria e também comunicada à direção do IFMG. Como não poderia ser diferente, em 2014, essa pauta volta a ocupar espaço as questões referentes à Capacitação, Estágio Probatório, nosso modelo de Concurso Público, acessibilidade às informações internas, necessidade da regulamentação das Remoções e
  2. 2. Redistribuições e Flexibilização da Jornada de Trabalho (30 horas). Esses são temas prementes à categoria. Essas são as RAZÕES que nos move nesta greve, nossa luta é para o cumprimento integral do acordo de greve, o que vai beneficiar toda a categoria, possibilitando melhor de trabalho para uma categoria que convive com o menor piso salarial de todo funcionalismo público federal. A luta tem sido dura até o momento, mas a insensibilidade por parte do Reitor do IFMG tem dificultado a diálogo, mesmo com todo nosso esforço. Todos os nossos gestos no sentido de dialogar, com envio de documentos solicitando o diálogo e expondo a pauta, a resposta do Reitor foi com assédio moral, cortando o ponto dos/das Grevista, demonstrando o déficit civilizatório no trato com essas questões. Mantemos nossas luta, por sua justeza e porque é nosso direito. Com relação ao corte de ponto, o IFMG mostra estar na vanguarda do atraso, pertencendo ao seleto grupo do retrocesso e repressão, junto com a UFVJM. O SINDIFES já tem tomado todas as providências, políticas e judiciais, o ponto dos/das Grevista será pago pelo Fundo de Greve e uma ação já foi ajuizada para rever o destempero por parte do Reitor. Então, companheiros e companheiras, só existe um motivo para não ser sensível à greve, é discordar de toda defesa que fazemos nesse momento, é discordar da busca por melhor condições de trabalho. Em anexo encaminhamos uma agenda de toda a greve e também um “Ponto a Ponto” com esclarecimentos e nos colocamos a disposição para dialogar com aqueles e aquelas que tem disposição para lutar por melhores condições de trabalho, porquê o medo nunca conquistou direitos! Saudações a quem tem coragem! Comando Local de Greve IFMG SINDIFES #NegociaCaio #GreveÉDireito #ALutaContinua
  3. 3. ANEXOS Galera a ideia é ter dois anexos: 1 – Agenda de Greve (aqui colocar ponto a ponto o que já fizemos, as datas da assembleias, da entrega de todos os documentos – e ponto e fazer um resumo – 2 linhas – do que rolou) 2 – Greve ponto a ponto (aqui fazer um ping-pong, respondendo a todas as perguntas que nos tem sido feitas. Pra esse dois pontos, a segunda parte o texto que fizeram é um bom ponta pé, só não podemos ser muito longos no texto, é direto ao ponto, mostrar que cumprimos os ritos jurídicos e que a intransigência tem por parte da Reitoria. No meu texto ainda vou incluir um parágrafo sobre o corte de ponto (pra bater) Depois disso é lance e divulgar isso por e-mail, fazer circular mesmo e tentar panfletar, mas a prioridade é fecharmos o texto. Vou modificar esse texto amanhã, depois que sair da aula, hoje to muito, mas vamos aplicar nossas energias nesse texto pra sair da defensiva. Modem fazer as modificações que acharem necessárias no que escrevi, sintam-se a vontade. Abraços, Agenda de Greve: DIA XX/XX – Fasubra Aprova Indicativo de Greve; Dia XX/XX – Fasubra Notifica o Governo; Dia XX/XX – SINDIFES notifica Reitor do IFMG; Dia XX/XX – Assembléia de Greve delibera pela deflaração da Greve Dia XX/XX – Comando Local informa pauta local e convida reitor para negociar É mais ou menos isso que temos que fazer, pra deixar bem claro
  4. 4. Greve Ping Pong A greve é legal? Ai respondemos a questão O Governos foi notificado da Greve Ai respondemos a pergunta O Reitor foi informado da greve? Ai respondemos a pergunta As pautas foram informadas ao Reitor? Ai respondemos a pergunta E assim vamos respondendo a tudo.
  5. 5. Para esclarecimentos das frequentes indagações da categoria a respeito do movimento paredista dos TAEs do IFMG, importante informar e afirmar que a deflagração da greve não iniciou sem que houvesse a comunicação à direção do IFMG sobre a deliberação da plenária nacional da FASUBRA que apontou pela deflagração da greve no dia 17/03. Veja o arquivo [Anexo I] que faz o comunicado a direção do IFMG. Foram cumpridas todas as formalidades jurídicas para a deflagração da greve nacional, este processo envolve comunicação à direção das instituições regulamentadoras de nossa carreira e direções das unidades filiadas, além da veiculação em mídias de grande circulação. Ainda, informamos aos TAEs do IFMG que em acordo com deliberação em assembleia do dia 09 de abril foi encaminhado o ofício negocial para o Reitor do IFMG, solicitando a formalização da negociação de pauta conforme o arquivo [Anexo II]. Contudo, não obtivemos respostas por parte do interlocutor da direção, pró-reitor de Administração Edmar Geraldo de Oliveira. Reiteramos que o comando de greve sempre esteve aberto ao diálogo e, aguardamos a resposta da direção do IFMG sobre o oficio negocial já encaminhado e demais outros ofícios solicitando negociação desde o ano de 2012, frequentemente encaminhados à direção. O Comando de Greve ainda orienta a mobilização de todos os setores para participarem do movimento paredista, pois, somente com a luta conseguimos construir nossa carreira. O medo nunca conquistou nada! Histórico do Movimento A construção da pauta interna iniciou-se desde a greve de 2011 onde não houve adesão da reitoria, mas, percebemos que naquele momento tínhamos muitas dificuldades, preocupações e distorções na nossa carreira. Filiamos a uma força sindical democraticamente escolhida em assembleia pelos TAEs, definindo o Sindifes (segunda maior base da FASUBRA) compondo o grupo das mineiras UFMG, CEFET-MG e UFVJM. Neste momento já tentávamos diálogo e contato com a direção que em momento eleitoral fez promessas de abertura e apoio a nossa categoria, mas, nunca cumpriu com a proposta de campanha. Em 2012 participamos da greve e figuramos dentro da FASUBRA com expressão apesar de sermos pequenos. Essa greve nos trouxe conquistas e melhorias financeiras na carreira e firmou um acordo de reestruturação que não foi cumprido, ocasionando a greve deste ano.
  6. 6. Vivemos um relacionamento, por parte da direção do IFMG, truculento e intransigente. Trabalhadores sofrendo perseguições, assédio e ameaças e, mesmo assim, grande parte deste grupo aderiu fortemente a greve de 2012. Por isso, motivamos por meio deste o entendimento de nossas lutas e reivindicações, pois, os ganhos são para todos e não há resultado de impacto individual. Mesmo aqueles que em princípio não aderiram ao movimento receberam os benefícios conquistados pela luta.

×