Trocas nutricionais

366 visualizações

Publicada em

Trocas nutricionais entre as plantas e o meio.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
366
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trocas nutricionais

  1. 1. ESCOLA BÁSICA ALEXANDRE HERCULANO Alimentação das Plantas
  2. 2.  Facto (F): As plantas necessitam de ser regadas regularmente, caso contrário, morrem.  Questão (Q): Por que razão sucede isto?  Resposta (R): As plantas necessitam de água para produzir o seu alimento.  Conceitos:  Absorção  Raiz  Vasos condutores  Seiva bruta  Fotossíntese
  3. 3. A importância dos minerais para as plantas. Com esta atividade experimental podemos concluir que só a planta do tubo C não morreu porque possuía água e sais minerais que ajudaram no seu correto desenvolvimento.
  4. 4. Absorção e raiz A raiz absorve água e sais minerais através da zona pilosa. Aí existem pêlos absorventes, responsáveis por esta absorção. Os sais minerais devem estar dissolvidos na água para poderem entrar na planta. No interior da planta, a água e os sais minerais constituem a seiva bruta.
  5. 5. Qual a zona da raiz responsável pela absorção? A região responsável pela absorção é a zona pilosa. É aí que se encontram os pelos absorventes que facilitam essa absorção.
  6. 6. Seiva bruta  Líquido constituído por água e sais minerais, absorvidos do solo através dos pêlos absorventes.  Circula através de vasos condutores, existentes no interior das plantas. Vasos condutores no interior de um caule
  7. 7. Vasos condutores  No interior das plantas existem tecidos condutores.  Existem dois tipos: xilema e floema.  O xilema e o floema, são tecidos condutores que realizam o transporte de seiva, comunicando o sistema radicular às estruturas foliares, intermediado pelo caule. A- Xilema (seiva bruta) B- Floema (seiva elaborada)
  8. 8. Fotossíntese  A seiva bruta tem como destino as folhas, subindo através do xilema.  Aqui a planta produz o seu próprio alimento: Fotossíntese.  As plantas são seres produtores ou autotróficos.  Possível graças à clorofila existente nos cloroplastos.  Existe grande quantidade de clorofila nas folhas, daí que a fotossíntese se realize mais intensamente nestes órgãos.  Para a fotossíntese é necessário: luz solar (fonte de energia), água (absorvida do solo) e dióxido de carbono (atmosfera).
  9. 9. Produtos da fotossíntese  Como resultado a planta liberta oxigénio para a atmosfera e produz substâncias orgânicas (utilizadas como fonte de energia e reparação/produção de novas células).  A principal substância orgânica é a glicose (hidrato de carbono), que mais tarde se transforma em amido.  A glicose e as outras substâncias orgânicas produzidas na fotossíntese, juntamente com a água, formam a seiva elaborada. Esta circula no floema.  A seiva elaborada é utilizada pelas partes da planta em crescimento ou recuperação. Também pode ser acumulada na forma de substâncias de reserva.
  10. 10. Fotossíntese Água e sais minerais Dióxido de carbono Luz solar Oxigénio Substâncias orgânicas
  11. 11. Trocas gasosas Ostíolo Células guarda ou células estomáticas As plantas realizam algumas trocas gasosas através dos estomas localizados nas folhas. Estoma
  12. 12. Trocas gasosas  Durante a fotossíntese as plantas absorvem dióxido de carbono e libertam oxigénio.  Tal como nos animais, as células das plantas realizam a respiração celular, na qual consomem oxigénio e libertam dióxido de carbono.  Também realizam a transpiração através das folhas, ou seja, libertam água que absorvem através das raízes. Dia Noite - Fotossíntese - Respiração celular - Transpiração - Respiração celular - Transpiração
  13. 13. AS PLANTAS TAMBÉM RESPIRAM Material: 1 vaso com planta verde 1 vaso sem planta (só terra) 2 campânulas opacas (de vidro com folha de alumínio, ou recipiente em plástico por exemplo) 2 caixas de Petri (outro recipiente similar) Água de cal Procedimento: Deitar a mesma porção de água de cal em cada recipiente Colocar um recipiente com água de cal junto do vaso A que contém a planta, e o outro junto do vaso B, que não tem planta Cobrir cada uma das montagens com uma campânula escurecida
  14. 14. AS PLANTAS TAMBÉM RESPIRAM Passadas 24 horas mais ou menos Conclusão: Vaso A – água de cal fica turva o que prova a existência de dióxido de carbono em abundância, isto é o que havia no ar que está dentro da campânula mais o que foi libertado pela planta durante a respiração Vaso B - água de cal quase inalterável – apenas existe o dióxido de carbono do ar da campânula. As plantas estão constantemente a respirar: captam oxigénio e libertam dióxido de carbono (fenómeno idêntico á respiração dos seres vivos animais). A observação é feita na obscuridade para não se realizar a fotossíntese. Se a experiência fosse feita em presença da luz, parte do dióxido de carbono libertado ia ser consumido na fotossíntese. A respiração das plantas realiza-se tanto na presença como na ausência da luz solar.
  15. 15. Acumulação de reservas  Quando a quantidade de alimento ingerido é superior às necessidades, as plantas acumulam o excesso na forma de reservas alimentares (amido, água, lípidos, açúcar, proteínas…)  Estas reservas são utilizadas em épocas de maior escassez ou para crescimento (Primavera).  Alguns seres vivos, incluindo o Homem, utilizam estas reservas para a sua alimentação.
  16. 16. Tipos de reservas A salsa e outras ervas aromáticas acumulam substâncias nas suas folhas que são usados no tempero dos alimentos. A azeitona acumula lípidos, utilizados na produção de azeite.
  17. 17. Tipos de reservas A soja acumula proteínas nas suas vagens. Por ser uma proteína vegetal, é muito procurada por vegetarianos e apreciadores de uma alimentação saudável. A cana-de-açúcar acumula açúcar no seu interior. Esta é utilizada pelo Homem na sua alimentação devido ao seu poder adoçante.
  18. 18. Tipos de reservas Os catos acumulam água, muito preciosa nos meios secos em que habitam. catos
  19. 19. Órgãos que acumulam reservas As cenouras são raízes aprumadas tuberculosas que acumulam substâncias de reserva. As suas reservas são usadas na nossa alimentação. A batata é um caule subterrâneo (tubérculo) usado na alimentação.
  20. 20. Órgãos que acumulam reservas Os frutos fazem parte do processo de reprodução das plantas. As suas reservas, das quais nos alimentamos, são usadas para o crescimento de uma nova planta. As sementes possuem reservas que permitem que, em condições favoráveis, novas plantas germinem.
  21. 21. Plantas: fontes de matérias-primas Da dedaleira são extraídas substâncias utilizadas no fabrico de medicamentos para o coração. A rosa e o jasmim são utilizados no fabrico de perfumes.
  22. 22. Plantas: fontes de matérias-primas Da seringueira é extraído o látex, usada no fabrico da borracha. Da oliveira é extraído o azeite.
  23. 23. Plantas: fontes de matérias-primas Do pinheiro é extraída a resina, utilizada no fabrico de cola e plásticos. O castanheiro fornece castanhas e madeira.
  24. 24. Plantas: fontes de matérias-primas O algodoeiro fornece algodão, utilizado na indústria do vestuário. O eucalipto fornece madeira e pasta de papel.
  25. 25. Plantas: fontes de matérias-primas O sobreiro é fonte de cortiça, utilizada na construção civil ou no fabrico de rolhas.

×