SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Um trabalho de:
João Miguel
Pereira
Agrupamento de
escolas de Resende
Uma realidade à qual
temos que dar um fim!
í
Introdução
A violência nas escolas é um tema que ultimamente tem
sido alvo de debates políticos e de notícias dos meios de
comunicação social.
Por vezes, este tema não é tratado no seu todo.
Normalmente, quando falamos em violência em meio
escolar apenas refletimos sobre a violência que ocorre
entre alunos, deixando assim de parte a violência entre
alunos e professores, alunos e funcionários, professores e
funcionários, pais e professores e pais e funcionários.
Introdução
Por este motivo, o trabalho que se segue
pretende dar relevo, não só a violência que
ocorre entre os alunos, mas também à violência
que por vezes ocorre entre outros membros da
comunidade educativa.
Na história:
A Violência entre alunos de facto não é normal
e muito menos é saudável para os seus
intervenientes.
Quem sofre violência por parte dos colegas
sente-se mal consigo mesmo, sente-se
desiludido, sente-se triste...
Na história da humanidade sempre houve
guerras. Se nos perguntar-mos se estas são
saudáveis, certamente ninguém no seu perfeito
juízo afirmará que sim!
Então, se as guerras são cruéis para a
humanidade e lhes queremos por fim, não é a
violência entre alunos cruel para estes e para
toda a sociedade.
Na realidade os alunos alvos de bullying são
como inocentes no meio de uma guerra.
Sofrem sem culpa alguma.
Também a esta guerra temos de por um ponto
final.
Entende-se por violência em meio
escolar, todo o tipo de violência, seja
ela verbal, física ou psicológica, que é
praticada em recinto escolar ou deriva
de ligações ao mesmo.
É comum substituirmos a expressão “violência em meio
escolar” pelo termo de origem do inglês “Bullying” com
semelhante significado.
Bullying é um termo inglês que pode ser
traduzido, em português, por intimidação.
É uma forma de violência entre pares,
geralmente crianças ou jovens, com a
intenção de magoar o outro.
A maioria das situações de intimidação ocorre em
contexto escolar (recreios, casas de banho,
refeitórios e salas de aula), no percurso entre a
casa e a escola ou a partir das novas tecnologias.
Habitualmente acontece quando não existem
adultos por perto ou sem o conhecimento destes.
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima
pode ser de caracter:
- Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar
calúnias ou gozar com alguma característica
particular do outro (“gordo”; “caixa de óculos”;
“trinca-espinhas”)
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima
pode ser de caracter:
- Físico: puxar, pontapear, bater, beliscar ou
outro tipo de violência física;
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima
pode ser de caracter:
- Emocional: excluir, atormentar, ameaçar,
manipular, amedrontar, chantagear, ridicularizar,
ignorar;
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima pode
ser de caracter:
- Cyberbullying: utilizar tecnologias de informação
e comunicação (Internet ou telemóvel) para
hostilizar, deliberada e repetidamente, uma
pessoa, com o intuito de a magoar;
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima pode
ser de caracter:
- Material: Roubar, destruir pertences materiais e
pessoais;
Tipos de agressões
A violência praticada pelo agressor à vítima pode
ser de caracter:
- Sexual: Abusar de alguém, apalpar uma rapariga
por exemplo sem o seu consentimento, ou até
mesmo violar sexualmente.
Participações registadas pelas Forças de Segurança
2008/2009
Ameaça de bomba
Furto
Roubo
Posse/Uso de Arma
Vandalismo/Dano
Injúrias/Ameaças
Ofensa à Integridade
Física
Posse/Consumo de
Estupefacientes
Participações registadas pelas Forças de Segurança
2010/2011
Ameaça de bomba
Furto
Roubo
Posse/Uso de Arma
Vandalismo/Dano
Injúrias/Ameaças
Ofensa à Integridade
Física
Posse/Consumo de
Estupefacientes
+
+
+
+
No entanto, para além da violência entre
alunos é cada vez mais evidente a
violência entre alunos e
funcionários e alunos e
professores.
Notícias recentes nos órgãos de
comunicação social dão-nos conta
de agressões a professores por
parte de alunos.
DN: “Aluna agride professora” ;
JN: “Aluna de 10 anos agride professora”;
Professore agridem alunos
Violência entre Pais e Professores
Por vezes, embora raramente, os pais intervém na vida escolar dos
seus educandos com um espirito demasiado protetor.
Assim, quando por vezes, um aluno é castigado por alguma atitude
incorreta, tem uma nota num teste ou final de período que acha
injusta ou outro tipo de circunstâncias os pais vão a escola e maltratam
verbalmente ou até mesmo fisicamente o professor.
Esta atitude é muitas vezes provocada por histórias mal contadas ou
mentiras dos filhos.
Agressões no interior das escolas em 2008/2009
Alunos - 1029
Professores - 284
Funcionários - 184
Fatores que podem causar violência nas escolas
São exemplo de fatores que podem favorecer a
ocorrência violência nas escolas os seguintes:
- Problemas financeiros;
- Problemas familiares;
- Problemas na educação a nível moral;
- Relações com álcool e droga;
- Más influencias;
Sinais que podem sugerir que se
está a ser vitima de violência
No caso dos professores e funcionários
e
No caso dos alunos
Caso um professor ou funcionário esteja a ser vitima de
bullying pode apresentar os seguintes sinais:
- Falta de vontade em desempenhar a sua profissão;
- Andar estafado com aspeto de quem esta farto do que
faz;
- Andar triste e desiludido;
- Por vezes deixar de se alimentar;
- Isolar-se o mais possível;
- Tentar suicídio ou mostrar vontade de morrer;
- …
No caso de professores e funcionários:
Caso um jovem (aluno) esteja a ser vitima de bullying pode
apresentar os seguintes sinais:
- Estar assustado ou não ter vontade de ir para a escola
- Apresentar fracos resultados escolares
- Isolar-se
- Começar a gaguejar
- Mostrar angústia
- Deixar de comer
- Tornar-se agressivo
- Deixar de ter as suas economias (ou estas irem desaparecendo)
- “Perder”, constantemente, o almoço ou outros bens
- Começar a roubar dinheiro
- Ter medo de falar sobre o que se está a passar
- Ter pesadelos
- Tentar fugir
- Tentar o suicídio
No caso de alunos:
Violência em meio escolar é crime
Público
O anterior governo, no qual a pasta da
educação estava a cargo da ministra Isabel
Alçada aprovou a proposta de criminalização da
violência em meio escolar. Assim, atos de
violência como maus tratos físicos ou
psíquicos, incluindo ofensas sexuais e castigos
corporais passaram a ser crime punido pela lei.
Assim como disse a TSF a ministra Isabel
Alçada; “No caso de se tratar de
menores, entre 12 e 16 anos, que são
inimputáveis para efeitos de lei penal, são
medidas tutelares educativas que lhe são
aplicadas. No caso de maiores, o paralelismo
pode ser feito em relação aos crimes de
violência domestica e, nesse caso, vai de um a
cinco anos de prisão…”
O que fazer para acabar com o
bullying?
Todos os alunos tem direito de se sentirem
seguros na escola.
Desta forma, quando um professor responsável
ou a direção de uma escola refletir sobre a
forma de punir alguém que praticou violência na
escola ou como evitar que tal aconteça deve ter
em conta que a escola tem de ser um local
seguro e livre de violências para que todos se
possam sentir bem.
É necessário tomar-se novas medidas para
acabar com a violência nas escolas.
A escola tem de ser um local seguro, alegre
onde haja um bom ambiente de estudo e de
trabalho.
É essencial educarmos bons cidadãos no
agora, pois dos alunos de hoje depende o futuro
do país no amanhã!
A prevenção é o fator principal para acabar com a
violência nas escolas. Assim um maior policiamento
e uma maior vigilância por parte de
funcionários, bem como ações de formação são
passos importantes para acabar com a violência.
A punição de agentes de bullying, não deve ser
apenas um ato de castigo, mas sim uma forma de
evitar que as agressões se voltem a repetir.
Vontade dos alunos:
Os alunos portugueses têm a
vontade de acabar com a violência
nas escolas portuguesas.
Em 2011, mais de 2000 jovens de
todo o país, no âmbito do projeto
Parlamento dos
Jovens, debateram medidas com o
objetivo de por fim ao Bulying.
Nós, jovens, temos noção que
temos de acabar com este drama.
Agora é necessário que os nossos
governos tomem mais medidas
com o mesmo objetivo.
Conclusão
Com este trabalho conclui-se que muito há a
fazer para por fim a violência nas escolas
Portuguesas. Temos de reconhecer que a
violência não é saudável e que o futuro do país
depende da educação que se vive nas nossas
escolas.
Uma escola não é um campo de batalha! Uma
escola, é sim, um local de aprendizagem e de
crescimento.
Anexos:
Documentos consultados
Bibliografia:
Violência nas escolas portuguesas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Bullying trabalho
Bullying trabalhoBullying trabalho
Bullying trabalho
 
Violência escolar
Violência escolarViolência escolar
Violência escolar
 
Bullying na Escola
Bullying na EscolaBullying na Escola
Bullying na Escola
 
A violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da históriaA violência escolar ao longo da história
A violência escolar ao longo da história
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunosBullying - Entre alunos
Bullying - Entre alunos
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Violência na escola
Violência na escolaViolência na escola
Violência na escola
 
O que é bully
O que é bullyO que é bully
O que é bully
 
bullying
bullyingbullying
bullying
 
Trabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullyingTrabalho sobre bullying
Trabalho sobre bullying
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
Violência no namoro
Violência no namoroViolência no namoro
Violência no namoro
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Escola de hotelaria e turismo do porto completo
Escola de hotelaria e turismo do porto completoEscola de hotelaria e turismo do porto completo
Escola de hotelaria e turismo do porto completo
 
ApresentaçãO Do Bullying Palestra 2007
ApresentaçãO Do Bullying Palestra 2007ApresentaçãO Do Bullying Palestra 2007
ApresentaçãO Do Bullying Palestra 2007
 
Apresentação bullying
Apresentação bullyingApresentação bullying
Apresentação bullying
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Semelhante a Violência nas escolas portuguesas

Semelhante a Violência nas escolas portuguesas (20)

Aula sobre bullying observatoriodainfancia
Aula sobre bullying observatoriodainfanciaAula sobre bullying observatoriodainfancia
Aula sobre bullying observatoriodainfancia
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullyingassedio
BullyingassedioBullyingassedio
Bullyingassedio
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Escola Contra Bullying
Escola Contra BullyingEscola Contra Bullying
Escola Contra Bullying
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullyingassedio 121127083910-phpapp01
Bullyingassedio 121127083910-phpapp01Bullyingassedio 121127083910-phpapp01
Bullyingassedio 121127083910-phpapp01
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
Bullying Bullying
Bullying
 
Violência e Escola
Violência e EscolaViolência e Escola
Violência e Escola
 
BULLYING
BULLYINGBULLYING
BULLYING
 
Bulling trabalho de stc 7
Bulling trabalho de stc 7Bulling trabalho de stc 7
Bulling trabalho de stc 7
 
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
 
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
Trabalho Edu Comparada 23 01 2010
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Bullying
BullyingBullying
Bullying
 
Gabriel e Jessica 7C
Gabriel e Jessica 7CGabriel e Jessica 7C
Gabriel e Jessica 7C
 
Bullingeg
BullingegBullingeg
Bullingeg
 

Mais de João Pereira

Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorJoão Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalJoão Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorJoão Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaJoão Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma AJoão Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasJoão Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 

Violência nas escolas portuguesas

  • 1. Um trabalho de: João Miguel Pereira Agrupamento de escolas de Resende Uma realidade à qual temos que dar um fim!
  • 2.
  • 3. í
  • 4. Introdução A violência nas escolas é um tema que ultimamente tem sido alvo de debates políticos e de notícias dos meios de comunicação social. Por vezes, este tema não é tratado no seu todo. Normalmente, quando falamos em violência em meio escolar apenas refletimos sobre a violência que ocorre entre alunos, deixando assim de parte a violência entre alunos e professores, alunos e funcionários, professores e funcionários, pais e professores e pais e funcionários.
  • 5. Introdução Por este motivo, o trabalho que se segue pretende dar relevo, não só a violência que ocorre entre os alunos, mas também à violência que por vezes ocorre entre outros membros da comunidade educativa.
  • 7. A Violência entre alunos de facto não é normal e muito menos é saudável para os seus intervenientes. Quem sofre violência por parte dos colegas sente-se mal consigo mesmo, sente-se desiludido, sente-se triste... Na história da humanidade sempre houve guerras. Se nos perguntar-mos se estas são saudáveis, certamente ninguém no seu perfeito juízo afirmará que sim!
  • 8. Então, se as guerras são cruéis para a humanidade e lhes queremos por fim, não é a violência entre alunos cruel para estes e para toda a sociedade. Na realidade os alunos alvos de bullying são como inocentes no meio de uma guerra. Sofrem sem culpa alguma. Também a esta guerra temos de por um ponto final.
  • 9.
  • 10. Entende-se por violência em meio escolar, todo o tipo de violência, seja ela verbal, física ou psicológica, que é praticada em recinto escolar ou deriva de ligações ao mesmo. É comum substituirmos a expressão “violência em meio escolar” pelo termo de origem do inglês “Bullying” com semelhante significado.
  • 11. Bullying é um termo inglês que pode ser traduzido, em português, por intimidação. É uma forma de violência entre pares, geralmente crianças ou jovens, com a intenção de magoar o outro. A maioria das situações de intimidação ocorre em contexto escolar (recreios, casas de banho, refeitórios e salas de aula), no percurso entre a casa e a escola ou a partir das novas tecnologias. Habitualmente acontece quando não existem adultos por perto ou sem o conhecimento destes.
  • 12. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar calúnias ou gozar com alguma característica particular do outro (“gordo”; “caixa de óculos”; “trinca-espinhas”)
  • 13. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Físico: puxar, pontapear, bater, beliscar ou outro tipo de violência física;
  • 14. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Emocional: excluir, atormentar, ameaçar, manipular, amedrontar, chantagear, ridicularizar, ignorar;
  • 15. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Cyberbullying: utilizar tecnologias de informação e comunicação (Internet ou telemóvel) para hostilizar, deliberada e repetidamente, uma pessoa, com o intuito de a magoar;
  • 16. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Material: Roubar, destruir pertences materiais e pessoais;
  • 17. Tipos de agressões A violência praticada pelo agressor à vítima pode ser de caracter: - Sexual: Abusar de alguém, apalpar uma rapariga por exemplo sem o seu consentimento, ou até mesmo violar sexualmente.
  • 18.
  • 19. Participações registadas pelas Forças de Segurança 2008/2009 Ameaça de bomba Furto Roubo Posse/Uso de Arma Vandalismo/Dano Injúrias/Ameaças Ofensa à Integridade Física Posse/Consumo de Estupefacientes
  • 20. Participações registadas pelas Forças de Segurança 2010/2011 Ameaça de bomba Furto Roubo Posse/Uso de Arma Vandalismo/Dano Injúrias/Ameaças Ofensa à Integridade Física Posse/Consumo de Estupefacientes + + + +
  • 21. No entanto, para além da violência entre alunos é cada vez mais evidente a violência entre alunos e funcionários e alunos e professores. Notícias recentes nos órgãos de comunicação social dão-nos conta de agressões a professores por parte de alunos. DN: “Aluna agride professora” ; JN: “Aluna de 10 anos agride professora”;
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 26.
  • 27. Violência entre Pais e Professores Por vezes, embora raramente, os pais intervém na vida escolar dos seus educandos com um espirito demasiado protetor. Assim, quando por vezes, um aluno é castigado por alguma atitude incorreta, tem uma nota num teste ou final de período que acha injusta ou outro tipo de circunstâncias os pais vão a escola e maltratam verbalmente ou até mesmo fisicamente o professor. Esta atitude é muitas vezes provocada por histórias mal contadas ou mentiras dos filhos.
  • 28. Agressões no interior das escolas em 2008/2009 Alunos - 1029 Professores - 284 Funcionários - 184
  • 29. Fatores que podem causar violência nas escolas São exemplo de fatores que podem favorecer a ocorrência violência nas escolas os seguintes: - Problemas financeiros; - Problemas familiares; - Problemas na educação a nível moral; - Relações com álcool e droga; - Más influencias;
  • 30. Sinais que podem sugerir que se está a ser vitima de violência No caso dos professores e funcionários e No caso dos alunos
  • 31. Caso um professor ou funcionário esteja a ser vitima de bullying pode apresentar os seguintes sinais: - Falta de vontade em desempenhar a sua profissão; - Andar estafado com aspeto de quem esta farto do que faz; - Andar triste e desiludido; - Por vezes deixar de se alimentar; - Isolar-se o mais possível; - Tentar suicídio ou mostrar vontade de morrer; - … No caso de professores e funcionários:
  • 32. Caso um jovem (aluno) esteja a ser vitima de bullying pode apresentar os seguintes sinais: - Estar assustado ou não ter vontade de ir para a escola - Apresentar fracos resultados escolares - Isolar-se - Começar a gaguejar - Mostrar angústia - Deixar de comer - Tornar-se agressivo - Deixar de ter as suas economias (ou estas irem desaparecendo) - “Perder”, constantemente, o almoço ou outros bens - Começar a roubar dinheiro - Ter medo de falar sobre o que se está a passar - Ter pesadelos - Tentar fugir - Tentar o suicídio No caso de alunos:
  • 33.
  • 34.
  • 35. Violência em meio escolar é crime Público O anterior governo, no qual a pasta da educação estava a cargo da ministra Isabel Alçada aprovou a proposta de criminalização da violência em meio escolar. Assim, atos de violência como maus tratos físicos ou psíquicos, incluindo ofensas sexuais e castigos corporais passaram a ser crime punido pela lei.
  • 36. Assim como disse a TSF a ministra Isabel Alçada; “No caso de se tratar de menores, entre 12 e 16 anos, que são inimputáveis para efeitos de lei penal, são medidas tutelares educativas que lhe são aplicadas. No caso de maiores, o paralelismo pode ser feito em relação aos crimes de violência domestica e, nesse caso, vai de um a cinco anos de prisão…”
  • 37. O que fazer para acabar com o bullying? Todos os alunos tem direito de se sentirem seguros na escola. Desta forma, quando um professor responsável ou a direção de uma escola refletir sobre a forma de punir alguém que praticou violência na escola ou como evitar que tal aconteça deve ter em conta que a escola tem de ser um local seguro e livre de violências para que todos se possam sentir bem.
  • 38. É necessário tomar-se novas medidas para acabar com a violência nas escolas. A escola tem de ser um local seguro, alegre onde haja um bom ambiente de estudo e de trabalho. É essencial educarmos bons cidadãos no agora, pois dos alunos de hoje depende o futuro do país no amanhã!
  • 39. A prevenção é o fator principal para acabar com a violência nas escolas. Assim um maior policiamento e uma maior vigilância por parte de funcionários, bem como ações de formação são passos importantes para acabar com a violência. A punição de agentes de bullying, não deve ser apenas um ato de castigo, mas sim uma forma de evitar que as agressões se voltem a repetir.
  • 40. Vontade dos alunos: Os alunos portugueses têm a vontade de acabar com a violência nas escolas portuguesas. Em 2011, mais de 2000 jovens de todo o país, no âmbito do projeto Parlamento dos Jovens, debateram medidas com o objetivo de por fim ao Bulying. Nós, jovens, temos noção que temos de acabar com este drama. Agora é necessário que os nossos governos tomem mais medidas com o mesmo objetivo.
  • 41. Conclusão Com este trabalho conclui-se que muito há a fazer para por fim a violência nas escolas Portuguesas. Temos de reconhecer que a violência não é saudável e que o futuro do país depende da educação que se vive nas nossas escolas. Uma escola não é um campo de batalha! Uma escola, é sim, um local de aprendizagem e de crescimento.
  • 42.