Trabalho têxteis

2.906 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre os têxteis, Educação tecnológica
Secundária de Resende
João Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho têxteis

  1. 1. 1ÍndicePágina 1ÍndicePágina 2IntroduçãoPagina 3História do desenvolvimento dos têxteisPágina 4Fibras têxteis naturaisLãPágina 5LãSedaPágina 6AlgodãoBibliografiaPágina 7LinhoPágina 8JutaSisalCocoPágina 9Fibras têxteis não NaturaisFibras celulósicasFibras sintéticasPágina 10MisturaNoção de filamento contínuo edescontínuoPágina 11Limpeza e conservação dos têxteisTecnologia da tecelagemPágina 12ConclusãoPágina 13Bibliografia
  2. 2. 2IntroduçãoFoi – me proposto na disciplina de Educação Tecnológica a elaboração de um trabalho sobreos têxteis visto que é um tema que estamos a tratar durante as nossas aulas.Neste trabalho pretendo falar sobre os têxteis, a sua origem e outras informações relacionadascom estes.Um dos meus principais objectivos é aprofundar os meus conhecimentos sobre os têxteis,adquirindo assim mais conhecimentos.Pretendo por isso encontrar informação da qual eu não tenha conhecimento. Para tal ireirealizar várias pesquisas, consultar em sites e livros, com informações a cerca deste tema doqual espero gostar.Também neste trabalho irei colocar várias imagens, gráficos ou esquemas de forma a que, estetenha um aspecto mais atraente e criativo.Espero como resultado final ter um trabalho informativo e ter mais conhecimentos.
  3. 3. 3História do desenvolvimento dos têxteisDesde primitivo, o ser humano tem necessidade de se proteger das altas e baixas temperaturas. Por estemotivo o Homem teve de recorrer a utilização de materiais que lhe pudessem oferecer a capacidade de semanter quente quando o tempo esta frio e vice – versa.O Homem inicialmente sentiu necessidade de se proteger do frio, de seguida observou e depois reagiu.Da observação de outros animais cobertos de pelo, o Homem pode concluir que este protegia – os do frio.Como estes eram fonte de alimento o Homem começou por utilizar as suas peles com o formato do animal,apenas fazendo alguns orifícios e “convencionando” de forma a ajustar estas ao seu corpo.Mais tarde o Homem acabou por passar a utilizar essencialmente o pelo dos animais, deixando assim deutilizar apenas as peles.Com o desenvolvimento tecnológico (sobre tudo o aparecimento do tear), o homem passou também autilizar fibras de origem vegetal, como por exemplo o linho.Os descobrimentos e a expansão dos povos, foram dois importantes factores que levaram aodesenvolvimento dos têxteis, com o conhecimento de novos animais e de novas plantas das quais se podiamextrair fibras.Em finais do século XIX o conhecimento científico em conjugação com a tecnologia, tornaram possível aprodução de fibras têxteis artificiais capazes de imitar fibras naturais como por exemplo a ceda. Estadescoberta deveu – se a ideia de produção de têxteis artificiais do cientista Hooke, no século XVII. Estadescoberta proporcionou o aumento da variedade e a satisfação das necessidades no que conta a diminuiçãode fibras de origem animal. Inicialmente a produção de têxteis artificiais foi pouco rentável e satisfatória,mas mais tarde obteve – se fibras com características específicas a uma fibra têxtil capaz de se associar ouate mesmo substituir as fibras naturais.
  4. 4. 4As fibras têxteis de origens NaturaisLãObtemos a lã da camada fibrosa que cobre o corpo de certos animais herbívoros.De todas as lãs a mais conhecida é a lã do carneiro embora existam outrosanimais dos quais esta pode ser extraída como por exemplo:A cabra, angora, o lama, o camelo, a alpaca, etc.As fibras divergem destes animais divergem de uns para os outros, pelo seucumprimento e finura.Tipos de classificações da lã quanto a sua obtenção:-Lã virgem – resultante da tosquia periódica dos animais;-Lã de peles – extraída da pele de animais já abatidos recorrendo-se aprodutos de depilação. Esta lã é de qualidade inferior a lã virgem;-Lã recuperada – obtêm – se pela neutralização de fibras de lã que jáestavam sobre a forma de fibras ou tecidos;Processos de transformação e fiação:Tosquia – extracção do pelo do animalSelecção – separação dos vários tipos de fibras do veloLavagem – retirar impurezas em água quenteSecagemEnzimagem – tornar as fibras macias;Após estas fazes temos a fibra capaz de ser transformada em fio – fiação.
  5. 5. 51 – Cardação – Separação do emaranhado de fibras num conjunto ordenado.2 – Penteação – Separação das fibras curtas longas de forma a obter – se fios macios, regulares, e de boaelasticidade.3 – Fiação – Transformação das fibras cardadas e/ou penteadas em fios, através de estiragem e torção.4 – Torção – Tornar o fio resistente e coeso. Através de dois ou mais fios torcidos poder – se – á obter novofio mais resistente através da retorção.SedaA seda resulta de filamentos contínuos retirados dos casulos fabricadospelo bicho – da – seda o Bombyx mori.O Bombyx mori é uma larva que se transforma por metamorfose emcrisálida e depois em borboleta. Esta irá romper o casulo sair deste e pôrovos, que vão dar origem a novas larvas, completando assim o ciclo.Em termos históricos a China é o pais de nacionalidade da seda. Há mais de4000 anos que a china cria a larva e produz artigos de seda.O Japão foi o primeiro país a aprender a técnica proveniente da China.Em Portugal a produção de seda foi introduzida pelos árabes, o que se assemelha a muitos outros países daEuropa.Processo de transformação da Seda:O desenrolar do filamento do casulo vai dar origem ao fio da Seda.O casulo deve estar intacto, não tendo sofrido ainda a perfuração daborboleta.O filamento é constituído por sericina e fibroína. Aquele tem a vantagem deconferir resistência mecânica.
  6. 6. 6Na fase de acabamento procede – se à fervura da seda: dilui – se a sericina, deixando a descoberto a fibroína,substância brilhante que confere ao tecido o seu apreciado brilho.AlgodãoO algodão é um conjunto de fibras que se encontram emredor da semente de uma planta com nome de algodoeiro.Dois meses após a floração desta planta a cápsula (frutomaduro) rebenta devido a força exercida pelas fibras doalgodão, expondo-se assim uma penugem branca.Para o seu cultivo são necessários climas quentes e húmidos.Estudos históricos afirmam que os mais antigos fragmentosdo algodão foram encontrados na índia e datam de 3000 a. C.Com a revolução industrial, começou a ser produzido emgrandes quantidades nos E. U. A.Processos de transformação doalgodão:Após o rebentar da cápsula:Procede – se a apanha, de seguida a secagem, descaroçamento(retirada da semente), enfardamento, cardação (retirada deimpurezas e uniformizar grosseiramente o sentido das fibras),penteação (definir o sentido das fibras e uniformizar o seucumprimento para as fazer passar em laminadores), fiação(reduzir as fibras a fios torcidos.
  7. 7. 7LinhoO linho é uma fibra extraída do caule da planta com o mesmonome.A planta atinge cerca de um metro e as suas folhas são azuis ebrancas.A colheita é efectuada quando as sementes começam a amadurecer.A planta do linho é anual e adapta – se bem em climas temperados, cultiva – se essencialmente na Europa.Exploradores das pirâmides do Egipto encontraram fragmentos de linho nos túmulos dos egípcios.A melhor qualidade de linho é de origem da Bélgica mas é a Rússia que possui as maiores plantações.O linho faz parte das tradições Portuguesas mas infelizmente tem vindo a ser abandonado o seu cultivodevido a falta de sementes seleccionadas e de mecanização eficiente.Processos de transformação do linho:Após o corte:Realiza – se a ripagem (retirada de semente), curtimento(apodrecimento em água da parte lenhosa facilitando a separaçãodas suas fibras), secagem, massagem (libertação das fibras daspartes lenhosas), espadelagem (libertação das fibras das parteslenhosas ainda agarradas, assedagem (selecção das fibras longasdas curtas), flor (passagem das fibras a fios com a ajuda da roca e do fuso ou roda de fiar), passagem ameada (cozedura em barretos; lavagem; secagem; dobagem).
  8. 8. 8JutaAs fibras de juta são extraídas do caule da planta com o mesmo nome.Tem um processo de transformação e fiação semelhante ao do linho.A sua cultura necessita de climas quentes e húmidos, sendo os seusprincipais produtores a Índia e o Paquistão.SisalAs fibras de sisal são extraídas das folhas da agave sinsalana por processos delavagem e raspagem ou fibragem. É uma planta originária da América Central enecessita de climas tropicais para florescer como por exemplo a Tanzânia,Quénia e Uganda são os maiores produtores. É uma fibra muito utilizada naindústria da cordoaria.CocoÉ uma fibra que provem do fruto do coqueiro. É uma planta de climastropicais. É sobre a casca do coco que se pode extrair a fibra.Processos de transformação das fibras do coco:
  9. 9. 9A sua preparação obedece a operações tais como: desmanchamento, maceração, batimento, lavagem,secagem.AmiantoO amianto é uma fibra de origem mineral. È a única que possui umafibra fibrosa da qual se podem produzir fios.Tem óptima qualidade no isolamento do calor e electricidade e nãoarde em contacto com a chama.O principal país produtor é o Canada.Actualmente a fibra do amianto é pouco utilizada devido a descobertade esta fibra ter um carácter cancerígeno.Fibras têxteis não NaturaisAs fibras têxteis não naturais são obtidas através de transformações ou processos químicos.Tradicionalmente chamamos - lhes não naturais para as diferenciar das fibras naturais.Estas fibras classificam – se segundo a matéria prima que lhes da origem.Obtêm – se os filamentos têxteis, fazendo passar a substância pastosa (pasta) passar por orifícios (fieira),solidificando – os seguidamente. Esta reacção denomina – se extrusão.Fibras CelulósicasA pasta que dá origem aos fios é obtida de matérias – primas existentes na natureza, casos de celulose demadeira ou das sementes que cobrem o algodão “linters”. Após as transformações necessárias, os produtosobtidos concederão – se ainda celulose – fibras de celulose regenerada – ou apenas derivados – fibras dederivados da celulose.Fibras sintéticasA matéria – prima a lançar nas fieiras tem uma estrutura molecular semelhante ás fibras celulósicas, mas éobtida por sínteses químicas, com base em resíduos de petróleo ou carvão, resultado daí o chamadopolímero.Para o fazer passar na fieira é necessário que se apresente no estado líquido ou pastoso.
  10. 10. 10Noção de filamento contínuo e descontínuoA fieira é uma máquina que tem como fim a produção de fios. É no essencial, constituída por um conjuntoorifícios variáveis tanto no número como na sua disposição de secção.Os filamentos daí resultantes poderão ser contínuos, sofrendo então a operação de enrolamento nasbobinas, ou descontínuos, entrando os filamentos, após a solidificação, nas operações de corte eenfardamento. Normalmente os filamentos saídos de cada orifício da fieira são torcidos com os filamentosde outros orifícios, formando um cabo.As fibras descontínuas obtidas são semelhantes aos tamanhos e espessuras das fibras naturais, às quais seassociam para se fabricarem os tecidos.MisturaÀ mistura de duas fibras chamamos binária. Podem obter – se têxteis produzidos com duas ou mais fibras nointuito de aumentar propriedades que apresentam desvantagens. Esta mistura poderá fazer – se:- no fabrico das fibras – juntando componentes diferentes no mesmo filamento;- na fiação – misturando fibras ou fios por retorção;- na tecelagem – utilizando fios de natureza diferentes na teia e trama;Exemplos de associaçõesFibra natural Fibra não natural Resultados obtidos com estas associaçõesAlgodão Viscose Baixa o preço de fibra.Linho Viscose – Polyester Resulta nas mesmas características do linho, mais barato(viscose) e não enruga (polyester).Lã Polyester Resulta com as características da lã, mas com maior capacidadepara reter o vinco e não enrugar.Lã Acrílico Reduz o preço sem prejudicar muito as características da lã,diminuindo a feltragem e conservando o poder isolante datemperatura.
  11. 11. 11Limpeza e conservação dos artigos têxteisExistem regulamentos que normalizam a simbologia para a conservação dos têxteis – NP 1332. Estasnormas não só fazem regulamentar o produto, como também esclarecem o consumidor, através da etiqueta edos cuidados a ter nas respectivas operações de conservação.São estas regras de conservação que se encontram na seguinte tabela.Fonte: Manual “Ideias e Projectos” Porto Editora (pág. 100)Tecnologia da tecelagemA tecelagem é uma técnica que permite a produção de tecidos. Normalmente o tecido obtêm - se pelocruzamento ortogonal de dois sistemas de fios paralelos. Um sistema é chamado de teia e o outro de trama.Esta operação de tecer exige a ajuda de uma máquina: o tear, que pode ser rudimentar ou com sofisticadastecnologias de construção, a fim de apresentar índices de rentabilidade e qualidade elevados.
  12. 12. 12ConclusãoFoi possível aprender com todas as pesquisas elaboradas informações relacionadas com os têxteis das quaisainda não tinha conhecimento. Este trabalho foi útil nessa aquisição de conhecimentos que serão úteis nofuturo e também agora no presente.Tentei tratar o máximo do tema visto que este tem grande importância na nossa cultura.O tema “têxteis” é na realidade um tema de grande importância pois através deste é possível perceber umpouco do desenvolvimento tecnológico e também do ser humano.Este trabalho foi realizado também com a aquisição de conhecimentos com a visualização de reportagenstelevisivas no canal RTP 2.
  13. 13. 13BibliografiaPara a realização deste trabalho foram consultados os seguintes Web sites:http://www.petfriends.com.br/news/news_materia134.htmhttp://aprenderabrincar.blogspot.com/2007_05_01_archive.htmlhttp://valegouvinhasmeuamor.blogspot.com/2009/01/como-se-cria-seda.htmlhttp://www.discoverlife.org/mp/20o?search=Bombyx+morihttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bombyx_mori_Cocon_02.jpghttp://www.afugadocaracol.com/?p=2233http://selvafashion.blogspot.com/http://dona-anita2.blogspot.com/2009_05_01_archive.htmlhttp://brochierprocouros.com.br/modules.php?mod=prd&act=2&cat=Manuten%E7%E3o%20E%20Diversos%20&pg=4http://blogdofigueira.blogspot.com/2009/04/angelus-denuncia-preco-minimo-aviltado.htmlhttp://www.natural-mystique.com/story-kenyan-bags-sisalhttp://www.thenaturalflooringcompany.co.uk/Sisal_light_browns.htmlhttp://autoestimaebemestar.blogspot.com/2010/05/as-vantagens-e-as-propriedades-do-coco.htmlhttp://tudoquevejoegosto.blogspot.com/2010/07/decoracao-natural-milao.htmlhttp://www.meioambienteeanimais.com.br/SiteMeioAmbienteEAnimais/sistema/materia.asp?pint_IdCaderno=6http://todosafavordoamianto.blogspot.com/http://www.italgi.it/p-prod-c1.htmE o seguinte livro:A. Mendes Ribeiro, Augusto G. Ferreira, José Barros - Ideias e Projectos. 1ª edição. Porto: Porto Editora.2004. ISBN: 972-0-33259-x.

×