St Ambrósio de Milão

32 visualizações

Publicada em

Trabalho de Patrística. Sobre a Exortação à virgindade.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
32
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

St Ambrósio de Milão

  1. 1. 1 DADOS HISTÓRICOS A partir da Catequese do Papa Bento XVI na audiência geral de 24 de Outubro de 2007, in: https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2007/documents/hf_ben-xvi_aud_20071024.html. Penitência do imperador Teodósio após o massacre de Tessalónica contra Máximo, imposto por St. Ambrósio. Marca o início da soberania do poder espiritual sobre o poder civil. Mais+
  2. 2. Santo Ambrósio: • Nasceu “por volta de 340 d. C. em Tréveros, onde o pai era prefeito das Gálias”; • “A família era cristã”; • “Quando o pai faleceu, a mãe levou-o a Roma quando ainda era adolescente, e preparou-o para a carreira civil, garantindo-lhe uma sólida instrução retórica e jurídica”; • “Por volta de 370 foi enviado a governar as províncias da Emília e da Ligúria, com sede em Milão”; Nota: Constantino, em 313, legalizou a religião cristã por meio do Édito de Milão, iniciando-se a Paz na Igreja. [Cf. COMBY, Jean, Para ler a História da Igreja (1), pp 71-77].
  3. 3. Santo Ambrósio: • “Precisamente ali [(em Milão)] fermentava a luta entre ortodoxos e arianos, sobretudo depois da morte do Bispo ariano Auxêncio. Ambrósio interveio para pacificar os ânimos das duas facções adversas, e a sua autoridade foi tal que ele, sendo simples catecúmeno, foi aclamado pelo povo Bispo de Milão”; Nota: Arianismo: «Ário, um sacerdote austero e considerado de uma paróquia de Alexandria, quer, como outros antes dele, salvaguardar os privilégios do Deus único, o único que não tem princípio. Se Deus é Pai é porque engendrou numa determinada altura. O Filho teve, portanto, um começo. Não é exatamente da mesma natureza que o Pai. Está subordinado a Ele… […] Finalmente, Jesus salva o homem convidando-o a seguir o Seu próprio exemplo para ser um dia glorificado com Ele». [COMBY, Jean, Para ler a História da Igreja (1), pg. 93].
  4. 4. Santo Ambrósio: • “Até àquele momento Ambrósio era o mais alto magistrado do Império na Itália setentrional. Culturalmente muito preparado, mas de igual modo despreparado na abordagem às Escrituras, o novo Bispo pôs-se a estudá-las entusiasticamente. Aprendeu a conhecer e a comentar a Bíblia pelas obras de Orígenes, o mestre indiscutível da ´escola alexandrina`”; • “Faleceu em Milão na noite de 3 para 4 de Abril de 397”. “Era a alvorada do Sábado Santo”;
  5. 5. Santo Ambrósio: • A Sagrada Escritura intimamente assimilada é base da sua pregação e testemunho pessoal: “Ambrósio lia as Escrituras sem pronunciar palavra, só com os olhos (cf. Conf. 6, 3). De facto, nos primeiros séculos cristãos, a leitura era estritamente concebida para a proclamação, e ler em voz alta facilitava a compreensão também de quem lia. Que Ambrósio pudesse ler as páginas só com os olhos, assinala a Agostinho admirado uma capacidade singular de leitura e de familiaridade com as Escrituras. Pois bem, naquela "leitura com os lábios", onde o coração se empenha a alcançar a inteligência da Palavra de Deus eis "o ícone" do qual estamos a falar pode-se entrever o método da catequese ambrosiana: é a própria Escritura, intimamente assimilada, que sugere os conteúdos a serem anunciados para levar à conversão dos corações”.
  6. 6. Santo Ambrósio: • “Ambrósio transferiu para o ambiente latino a meditação das Escrituras iniciada por Orígenes, começando no Ocidente a prática da lectio divina”. • St. Agostinho “escreve textualmente que, quando se encontrava com o Bispo de Milão, o achava regularmente empenhado com grande número [catervae] de pessoas cheias de problemas, por cujas necessidades ele se prodigalizava. Havia sempre uma longa fila que esperava para falar com Ambrósio para dele obter conforto e esperança”.
  7. 7. Santo Ambrósio: • Foi responsável pela conversão de St. Agostinho: “É evidente que o testemunho pessoal do pregador e o nível de exemplaridade da comunidade cristã condicionaram a eficiência da pregação. Sob este ponto de vista é significativo um trecho das Confissões de Santo Agostinho. Ele tinha vindo de Milão como professor de retórica; era céptico, não cristão. Estava procurando, mas não era capaz de encontrar realmente a verdade cristã. A comover o coração do jovem reitor africano, céptico e desesperado, e a estimulá-lo à conversão definitivamente, não foram antes de tudo as belas homilias (mesmo se por ele muito apreciadas) de Ambrósio. Mas sim o testemunho do Bispo e da sua Igreja milanesa, que rezava e cantava, compacta como um só corpo”.
  8. 8. 1 Escritos Este separador está construído com base na consulta da seguinte obra: CARDOSO, José, OPÚSCULOS (II Vol.), Edições APPACDM DISTRITAL DE BRAGA, Braga, 1995, 208-285 [Biblioteca da Faculdade de Teologia, Braga – Cota: 33B].
  9. 9. Escritos de Ambrósio: «Santo Ambrósio foi um polígrafo notável. Deixou-nos uma obra vasta e variada – tanto em prosa como em verso. Foi operoso e fecundo; todavia, a sua actividade mental exercitou-se mais no domínio da prosa. Escreveu obras do domínio da exegese e hermenêutica bíblicas, da teologia dogmática, da teologia moral, da mística e ascética, da apologética, da catequese e da sociologia»229.
  10. 10. Escritos de Ambrósio: Surgimento dos hinos ambrosianos: «Na sua luta tenaz contra os arianos, Ambrósio, bispo de Milão, visionou que um dos processos mais eficazes de combater a heresia ariana consistia na reforma da liturgia e na introdução de hinos litúrgicos que ajudassem a uma maior dinamização e galvanização da assembleia do povo de Deus»220. «A par com o rito ambrosiano, que se propõe renovar a liturgia dos mistérios e/ou dos actos de culto em geral, apareceram os hinos litúrgicos ambrosianos» 220.
  11. 11. Escritos de Ambrósio: Ambrósio compôs muitos hinos. [Também muitos outros, de autoria desconhecida, foram a ele atribuídos.] Como exemplo apresento os seguintesCf.220-225: 1. Deus creator omnium (cântico de Vésperas); 2. Aeterne rerum conditor (hino de Matinas); 3. Veni, redempor genium (hino de natal) – Segundo E. Paratore, resulta das exigências da polémica anti-ariana; 4. Iam surgit hora tertia (Sobre a Paixão e Morte de Cristo); 5. Te Deum Laudamus chegou a ser atribuído a Ambrósio de Milão. Todavia, por opinião de S. Paulino de Nola, as três primeiras partes desse hino devem-se a Nicetas, bispo de Remesiana, na atual Sérvia.
  12. 12. Escritos de Ambrósio: Opúsculos de teologia moralcf.230-231: 1. De poenitentia – Acerca da penitência ou do sacramento da confissão; 2. De bono mortis – Acerca do bem (=felicidade) da morte; 3. De officiis ministrorum – Acerca dos deveres dos ministros (do culto); 4. De fuga saeculi – Acerca da fuga deste mundo; 5. De Helia et jejunio – Acerca de Hélia e do jejum (jejum como exercício espiritual e meio de aperfeiçoamento e depuração das almas que almejam o amor místico.
  13. 13. Escritos de Ambrósio: Obras de natureza intencionalmente dogmáticacf.231: 1. De fide – Acerca da fé; 2. De incarnationis dominicae sacramento – Acerca do sacramento da incarnação do Senhor; 3. De mysteriis – Acerca dos mistérios (provavelmente além da natureza dogmática também o é de natureza moral, mística e litúrgica); 4. De spiritu sancto – Acerca do Espírito Santo
  14. 14. Escritos de Ambrósio: Diz-se que terá sido o primeiro orador sagrado a fazer elogios fúnebres cf.231-232: 1. De obitu Velentiniani consolatio – Consolação na morte de Valentiniano (supõe-se que I); 2. De obitu Theodosii oratio – Oração acerca do passamento de Teodósio (-o-Grande). Acerca do sacramento da incarnação do Senhor;
  15. 15. Escritos de Ambrósio: Exerceu uma notável atividade escriturística. São-lhe atribuídos os comentários e tratados que se seguemcf.268: 1. De Cain et Abel 2. De Isaac et Anima 3. De Jacob et vita beata 4. De interpellatione Job et David 5. De Joseph 6. De Naboth 7. De Noe 8. De paradiso 9. De patriarchis 10. Enarrationes en psalmos XII 11. De Tobia
  16. 16. Escritos de Ambrósio: Ainda do âmbito da Escriturística cf.232: 1. Expositio evangelii secundum Lucam – Exposição do Evangelho segundo São Lucas. Trata-se de uma obra de comentários (exegese e hermenêutica) ao Evangélho de Lucas. É a obra mais vasta de Ambrósio, depois da coleção de cartas;
  17. 17. Escritos de Ambrósio: A propósito da luta contra o arianismo cf.233: 1. Sermo contra Auxentium de basilicis tradendis – Sermão contra Auxêncio a propósito da entrega das basílicas (= igrejas); Outras obras cf.233: 1. Sermones; 2. De Trinitate – Acerca da (santíssima) Trindade. Era o dogma que os arianos negavam. Era até o cerne do corpo de doutrina que constitui o arianismo.
  18. 18. Escritos de Ambrósio: Escritos acerca da virgindade cf.230: Exhortatio virginitatis – Exortação à Virgindade; De Virginibus – Acerca das Virgens; De Virginitate – Acerca da Virgindade; De institutione Virginis – Acerca da instituição de uma Virgem E ainda relacionado com estes ensaios – de ordem ascética, mística, apologética e ética – escreveu: De Viduis – A propósito das viúvas. Exemplo da notável doutrina social de Santo Ambrósio.
  19. 19. 2 Exortação à Virgindade
  20. 20. Escritos sobre a Virgindade • O imperador Valeriano caiu e no trono do Ocidente instalou-se o tirano Eugénio. «Mas, não podendo ser verdadeiro imperador enquanto se não tornasse senhor daquela cidade de Milão, que era a capital da prefeitura da Itália, endereçou a Ambrósio o anúncio oficial da sua ascensão, mas o Santo não respondeu. Então Eugénio dirigiu-se, por sua vez, a Milão, para enfrentar aquele homem, cuja fama ultrapassava os confins das terras conhecidas, mas o Santo Bispo, não querendo encontrar-se com o novo soberano, que se arvorava claramente em protetor e defensor do paganismo, fugiu através da Itália»55.
  21. 21. Escritos sobre a Virgindade • Nessa fuga, passou por Bolonha onde «descobertos os sepulcros dos Santos Vital e Agrícola, celebrou solenemente o seu encontro». • Os Florentinos convidaram-no para consagrar uma nova Igreja e ele, aceitando, levou consigo algumas relíquias dos mártires atrás mencionados para nela colocar. • «No discurso pronunciado na ocasião (Páscoa de 393), Ambrósio elogia a viúva Juliana que mandara construir a Igreja. E, depois de referir as palavras da dita viúva às filhas aconselhando-as à virgindade, junta também as suas exortações à prática duma virtude que «nobilita o homem e o avizinha dos anjos»56. • É notório o seu conhecimento do Antigo Testamento, testemunhado nas muitas alusões que lhe são feitas.
  22. 22. 2.1 ASPETOS PRINCIPAIS
  23. 23. ASPETOS PRINCIPAIS • Serviço a Cristo: «Não há maior dignidade do que a de servir a Cristo. Também o Apóstolo se chama a si mesmo servo de Cristo e se gloria desta sua servidão! E não será glória suma termos sido julgados dignos de ser remidos com o sangue do Senhor?»59.
  24. 24. ASPETOS PRINCIPAIS • Virgindade como graça de Deus: «Aos apóstolos, que tinham dito: Se tal é a condição do marido, que não pode repudiar a mulher, se não no caso de adultério*, não convém casar-se, o Filho de Deus responde: Nem todos entendem esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido. Nem todos, por causa de enfermidade da natureza humana, mas somente àqueles nos quais a graça de Deus refulgiu de modo a torna-los capazes de renunciar aos prazeres dos sentidos para conseguirem o reino dos céus»65- 66. * πορνείᾳ (Mt. 19,9): A tradução mais correta deverá ter em conta os vários tipos de relação sexual ilícita: a relação entre duas pessoas não casadas comumente é chamada de fornicação; se uma dessas pessoas for casada, o pecado é adultério; se essas pessoas forem parentes próximos, ocorre o incesto; se são pessoas do mesmo sexo, homossexualismo; se a relação se dá entre um ser humano e um animal, o pecado é a bestialidade; etc. Mais+
  25. 25. ASPETOS PRINCIPAIS • Virgindade vs. núpcias: «O fruto da virgindade, de facto, é semelhante a uma vinha, e as núpcias assemelham-se a uma plantação de ervas expostas frequentemente ao gelo. À semelhança destas, depressa caem e murcham, a não ser que a velhice lhes ponha termo, ou a continência as leve a maior perfeição»71.
  26. 26. ASPETOS PRINCIPAIS • Maria, exemplo de virgindade: «Este é Aquele que vem sobre as leves nuvens: Eis o Senhor, que, sentado sobre uma nuvem leve, virá para o Egito. Para o Egito, isto é, para as aflições deste mundo; virá trazido pela Virgem. Chama, a Maria, nuvem, porque revestida de carne, e di-La leve, porque virgem e não oprimida pelos pesos nupciais. Ela é a vergôntea de que desabrocha a flor. Toda pura, na verdade, é a virgindade, que, não se vergando sob o peso dos cuidados mundanos, com todo o coração se levanta direita para o Senhor»72.
  27. 27. ASPETOS PRINCIPAIS • No seguimento de Jesus, “temos uma Mãe”: «Por isso, da Cruz, Ele A confiou a S. João, discípulo predileto, que disse ao pai e à mãe: não vos conheço, e, chamado por Cristo, abandonou o pai e seguiu o Verbo. A ele, que renunciou aos seus e atingiu a Sabedoria do Coração de Cristo, a ele, que não conheceu irmãos nem teve filhos, foi confiada a Virgem, a Mãe do Senhor. E desde aquele momento o discípulo A teve em sua casa» 72.
  28. 28. ASPETOS PRINCIPAIS • Matrimónio: «As esposas, de facto, são veladas pelo véu nupcial como que por uma nuvem, mas são nuvens pesadas, porque sustentam os pesos do matrimónio» […] «Se bem que o matrimónio seja uma coisa boa, todavia os cônjuges têm de que se envergonhar»74.
  29. 29. ASPETOS PRINCIPAIS • Procurai em Cristo as sementes da castidade: «Sim, possua Ele o vosso afeto, a fim de que permaneçam nele os germes da castidade, incentivos à virtude. Consagrai-vos a Cristo e confessai-o dizendo: O senhor é a minha porção. / A esposa não pode dizer isto, mas pode dizê-lo a virgem, porque a esposa procura agradar ao marido, a virgem esforça-se por agradar a Cristo» 77.
  30. 30. ASPETOS PRINCIPAIS por St. Ambrósio: • As tentações à virgindade: «A virgindade é verdade; a corrupção é mentira. O vosso coração seja como uma vinha fecunda de boas vides. Muitas são as tentações a que a virgem está sujeita. Ela é tentada por muitos pretendentes, e, se quer preservar-se no seu propósito, surgem opositores»79.
  31. 31. ASPETOS PRINCIPAIS • Louvor à virgindade: «A virgindade é coisa boa. Aquele que resolveu, no seu coração, conservar virgem a sua filha, faz bem. Aquele que a casar faz bem; aquele que a não casar faz melhor. Aquele faz bem, porque afugenta os perigos; este faz melhor, pela vantagem que disso deriva. Aquele atende ao remédio; este, à recompensa. No entanto, esta será mais feliz – prossegue o Apóstolo, - se permanecer assim, segundo o meu conselho. E creio possuir eu também o espírito de Deus. Segui, filhos, o conselho do Apóstolo: dom do Espírito Santo»80.
  32. 32. ASPETOS PRINCIPAIS • Mortificai a sensualidade: «Mortificai os vossos membros, como se fossem tambores: não anda mais neles o fogo da sensualidade, mas neles se extinga o ardor dos prazeres corporais. Domine somente, neles, o espírito entre as apagadas voluptuosidades dos sentidos. Se morrerdes para o pecado e, nos vossos membros, não reinar qualquer concupiscência, vivereis em Deus. Apertai nas vossas mãos a cruz do Senhor Jesus, e, erguendo-a, pisai este mesquinho* mundo, passando além. Continua… *Mesquinho: mediante a previsão da última parusia evidente: “tudo isto é passageiro, o final estará para breve”.
  33. 33. ASPETOS PRINCIPAIS O mundo, qual fogoso ginete atraído pelas paixões, nada tenha a fazer convosco, e seja submerso todo aquele que, seguindo-vos, procurar alcançar-vos. Circundai-vos com um muro de água, para que nela se extingam os ardores das paixões. Circundai-vos até quando a divina misericórdia se dignar conduzir-vos àquelas doze fontes místicas, àqueles setenta palmitos, ao repouso do grande sábado, e Lhe aprouver transplantar-vos para o monte da sua herdade, onde Maria guia os corações»80-81.
  34. 34. ASPETOS PRINCIPAIS • A viúva entregou o filho e as filhas ao serviço do Senhor: Ler pág. 83: «Portanto, tu, meu filho, que me foste dado pelo verdadeiro Alcana, por aquele que está possuído de Deus; tu, que eu pedi com oração e súplicas (assim aconteceu a Samuel*); tu, repito, que foste obtido pelas minhas orações e pelos meus votos, reconheces Aquele por quem me foste dado. Deus, a cujo templo e serviço te consagrei antes de nasceres, ouviu as minhas súplicas. Não foste, nem para os teus pais nem para ti mesmo, mas para Deus. Todos somos seus, mas tu de um modo especial. Se foste prometido, entrega-te ao Senhor»83- 84. Continua… * Questão do Nazirato – consagração no Antigo Testamento…
  35. 35. ASPETOS PRINCIPAIS […] «Ela é exemplo da vida de viúva e mestra da virgindade. Vem à Igreja rodeada pelas virgens, suas filhas, glória da família, e, aí, já encontra alguma coisa de seu: o filho. / Este lê as Sagradas Escrituras, e as irmãs, ouvindo-o, têm a impressão de serem instruídas na sua própria casa. A mãe, a exemplo da Virgem Maria, sente-se feliz, ao ver, no filho, o seu mestre de perfeição, e acolhe, com sentimentos de verdadeira devoção, todas as suas palavras, conservando-as cuidadosamente no coração»85.
  36. 36. ASPETOS PRINCIPAIS • Virgem, mantem-te pura e disponível para o Senhor: «Também na tua luz, ó virgem, procura Cristo. Busca-O, isto é, nos bons pensamentos e nas santas ações, a fim de que estas resplandeçam diante do teu Pai, que está nos céus. Busca-O, de noite, no teu cubículo: Também de noite Ele vem e bate à porta. Ele quer que tu vigies sem interrupção. Quer encontrar as portas da tua alma abertas em cada momento!. E também a porta da tua boca deve estar aberta para cantar os louvores do Senhor, as prendas do Esposo, a fé na Cruz! Que, quando Ele vier, te encontre, portanto, vigilante, preparada para a sua vinda. Durma o teu corpo, mas vigie o teu espírito»86. Continua…
  37. 37. ASPETOS PRINCIPAIS «Durmam as ilusões dos sentidos, mas vigie a prudência do coração. Expandam os teus membros o perfume da Cruz de Cristo e a fragrância do seu sepulcro, a fim de que o sono neles não influa qualquer estímulo nem excite nenhum movimento sensual. É esta a alma que se abre a Cristo, e que não é agitada pelas paixões! / Encontrando-te assim, o esposo passará à frente, mas a tua alma siga-O: desça do leito, saia à sua palavra, como está escrito: A minha alma saiu à tua palavra. Isto é, afaste-se dos prazeres corporais para se tornar presente a Deus, pois, enquanto procurar estes, estará longe d`Ele» 87-88. «Quão doce é o Senhor, pelo qual até as injúrias são doces e a morte suave! E, justamente, suave, porque nos dá a imortalidade»89.
  38. 38. ASPETOS PRINCIPAIS • Que há de mais puro?: «Diz o Eclesiastes: As tuas vestes sejam sempre Cândidas. Mas que há de mais cândido que a virgindade? Que coisa haverá mais pura que a veste imaculada da castidade? Boa, certamente, é a castidade conjugal: boa, a castidade de viuvez; pura, toda a castidade, mas, às vezes, ou não é toda cândida ou não é cândida sempre. Não é cândida, quando tem domínio sobre o próprio corpo. Não é sempre cândida, quando se interrompe, embora por pouco tempo, a oração. Com razão, portanto, foi dito da virgindade: Sejam sempre as tuas vestes cândidas e exista essência sobre a tua cabeça, a fim de que as tuas lâmpadas resplandeçam sempre e nenhuma se extinga à chegada do Esposo celeste» 90-91.
  39. 39. ASPETOS PRINCIPAIS • O verdadeiro valor interior: «Também os Apóstolos disseram que as mulheres não devem cuidar demasiadamente em adornar-se, nem com adornos do corpo – como ensina S. Pedro – nem com frisados, ouro, pérolas e vestes preciosas – como diz S. Paulo, mas antes com ornamentos espirituais. Homem rico aos olhos de Deus, é aquele que tem uma vida interior e escondida, e que é pobre aos olhos do mundo»92. «Rico é aquele que não tem na consciência culpa grave: Rico, ainda que tenha necessidade de muitas coisas» […] «O simples não murmura nem inveja; está contente com o que é seu; não deseja o que é dos outros, e, se bem pobre, considera-se rico, se tem o necessário»92.
  40. 40. ASPETOS PRINCIPAIS Sinagoga vs. Igreja: «Com razão a Sinagoga foi chamada belíssima, não entre as virgens, mas entre as mulheres. Ela seguia, de facto, a mulher: Eva, causa da nossa queda. A Igreja, pelo contrário, é belíssima entre as virgens, porque é virgem sem mancha. Todos sejam homens ou mulheres, devem saber que foram feitos à imagem e semelhança de Deus. Procure-se, portanto, a beleza do espírito e não a do corpo. Em que consiste a nossa essência? Continua…
  41. 41. ASPETOS PRINCIPAIS Na substância espiritual da alma e no poder do intelecto. É isto quanto nos foi dado, por isso, David diz: Esperarei no Senhor e não temerei nada do que me possa fazer a carne. Por conseguinte, não somos carne mas espírito. Dos Judeus foi dito: Não continuará neles o meu espírito, porque são carne. Não somos ouro, nem dinheiro, nem riquezas, mas alma e intelecto»93.
  42. 42. ASPETOS PRINCIPAIS • Conselhos de pureza para a Virgem: • Ler páginas 94-96: «Cuida de ti mesma, ó virgem, sendo assídua na oração, e que a sua continuidade faça empalidecer o teu rosto. Mas, antes da oração, prepara a tua alma, e não queiras imitar aquele que tenta a Deus. Que a tua atitude exprima o que pedes; que a fé te sustenha; que as obras te tornem querida de Deus. / Cuida de ti, repito, e guarda-te de quem é imodesto nos olhares […] Não saias de casa sem a mãe […] A jovenzinha vá raramente à Igreja» 94-95.
  43. 43. ASPETOS PRINCIPAIS • Conselhos de moderação no rir (como no Eclesiastes): «Tal como o crepitar dos espinhos sob a caldeira, assim é o riso do estulto. Os espinhos, ardendo, crepitam; consomem- se depressa e não dão calor. Por isso, dos Judeus foi dito: Arderam como o fogo entre espinhos. Eles, inflamados pelo seu riso, arderam na paixão do Senhor, quando, no incêndio da ira, o escarneciam, dizendo: Pôs a sua confiança em Deus: Venha libertá-lo da cruz. […] Mas aquele riso queimou eternamente a Sinagoga» 97-98.
  44. 44. ASPETOS PRINCIPAIS «Mas sois filhas de Deus, filhas d`Aquele que se não transfigura em Anjo de Luz, mas que é Luz verdadeira de Luz verdadeira» 100-101. «O Senhor é bom: Ele instrui, ensina e, às vezes, repreende, mas ainda quando repreende, dá felicidade. Bem-aventurado é o homem que o Senhor repreende. Não fugir, pois, das suas correções, porque são correções de caridade e de graça. Ele fere, mas sendo bom médico, com as mãos, sara: Durante sete vezes te subtrairá às aflições, e, na sétima, o mal não te tocará. Na fome te libertará da morte, e, na batalha, te salvará da espada. Do flagelo da má língua te defenderá. Se tu não falares mal de ninguém, não terás a temer o flagelo da língua de outrem» 103.
  45. 45. ASPETOS PRINCIPAIS Cuidado no que se diz: «E são feridas mais graves aquelas que recebemos de nós mesmos, quando, pelo muito falar, incorremos no pecado. Por isso, ó virgem, guarda os teus caminhos, para não pecares com a tua língua. Algumas vezes, até o dizer coisas boas é mau para uma virgem. E que maravilha que exija dela silêncio, quando, à mulher, é mesmo ordenado aprender em silêncio. O pudor é bom, acompanhado dele!» 104.
  46. 46. ASPETOS PRINCIPAIS Esperança na vida eterna e na Graça do auxilio: «Aqui, lutamos, mas, noutra parte, seremos coroados. Não falo só de mim, mas de todos os homens. E que mérito tenho eu, se a minha coroa for o perdão? Aqui, a luta, lá, o prémio; aqui, o combate, lá, a recompensa. Enquanto estou neste mundo, luto, combato, e ainda estou em perigo de cair, mas o Senhor, que é poderoso, pode suster-me nos choques: parar- me, se estou para escorregar; revigorar-me, se vacilo. Havemos de admirar-nos se alguém é acometido de aflições? Enquanto estivermos neste mundo, não haverá coroa, mas combate. Nem será aprovado senão aquele que preservar até ao fim, para que seja coroado o que legitimamente tenha combatido»106.
  47. 47. ASPETOS PRINCIPAIS «Ninguém deseja que venha depressa o dia do juízo senão aquele que está seguro da sua inocência ou espera nas obras da penitência e é sustentado pela graça divina e pelas batalhas combatidas por Cristo. / Terá também este prémio a viúva que tiver educado bem os seus filhos e, nos filhos, for glorificada, especialmente aquela que os ofereceu todos ao Senhor»107.
  48. 48. ASPETOS PRINCIPAIS «Agora, Senhor, peço-Te que lances os teus olhos, todos os dias, sobre esta casa, sobre estes altares que hoje Te dedicamos, sobre estas pedras espirituais, em cada uma das quais se consagra a Ti um templo vivo. Acolhe, com a tua misericórdia, as súplicas que Teus servos Te dirigem. Suba até junto de Ti, em odor de suavidade, todo o sacrifício que, com viva fé e religiosa piedade, Te for oferecido neste templo. E, assim como olhas por aquela Hóstia santa, pela qual é tirado do mundo todo o pecado, olha também para estas vítimas de castidade. Protege-as com a tua contínua ajuda, a fim de que Te sejam hóstias aceites e agradáveis. Digna-te conservar, íntegro, o seu espírito, ilibados, a sua alma e o seu corpo, até à vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, teu Filho»107-108.
  49. 49. «Como o apóstolo João, o Bispo Ambrósio que nunca se cansava de repetir: "Omnia Christus est nobis!; Cristo é tudo para nós!" permanece uma testemunha autêntica do Senhor. Com as suas próprias palavras, cheias de amor a Jesus, concluímos assim a nossa catequese: "Omnia Christus est nobis! Se queres curar uma ferida, ele é o médico; se estás a arder de febre, ele é a fonte; se estás oprimido pela iniquidade, ele é a justiça; se precisas de ajuda, ele é a força; se temes a morte, ele é a vida; se desejas o céu, ele é o caminho; se estás nas trevas, ele é a luz... Saboreai e vede como o Senhor é bom: bem-aventurado é o homem que n'Ele depõe a sua esperança" (De virginitate 16, 99). Confiemos também nós em Cristo. Seremos assim bem-aventurados e viveremos em paz». Papa Bento XVI
  50. 50. Bibliografia principal: SantoAmbrósio – Escritos sobre a Virgindade (II Vol.), (Coleção «Patrística», 14), Edições Paulistas, Lisboa, 1974, 55-108.
  51. 51. Para saber mais sobre Santo Ambrósio de Milão, consulte-se: «VIDA DE SANTO AMBRÓSIO, BISPO DE MILÃO, ESCRITA PARA SANTO AGOSTINHO POR PAULINO, SECRETÁRIO DO PRIMEIRO» CARDOSO, José, OPÚSCULOS (II Vol.), Edições APPACDM DISTRITAL DE BRAGA, Braga, 1995, 238- 281 [Biblioteca da Faculdade de Teologia, Braga – Cota: 33B]. Tradução portuguesa em:

×