Eclesiologia "nota" de catolicidade da Igreja

27 visualizações

Publicada em

(Trabalho de síntese)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
27
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eclesiologia "nota" de catolicidade da Igreja

  1. 1. UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA MESTRADO INTEGRADO EM TEOLOGIA (1.º grau canónico) JOÃO MIGUEL PEREIRA A “nota” de catolicidade na essência da Igreja Trabalho realizado no âmbito de Eclesiologia, sob orientação de: Prof. Dr. Pe. Tiago Freitas Braga 2017
  2. 2. 1 Introdução «O Credo Niceia e Constantinopla [(381)] disse: “Cremos na Igreja una, santa, católica e apostólica”. Estas quatro propriedades são basicamente idênticas à essência de Igreja: expressam-na em concreto sob quatro aspetos distintos. Por tanto, não se podem separar, mas formam um todo em que se implicam reciprocamente»1 e só se distinguem pela sua análise (Y. Congar). «A Igreja não existe antes das suas próprias “notas” pois estas são a sua essência e identidade»2 . A terceira propriedade essencial da Igreja é a catolicidade. De seguida procurarei desenvolver o que isto significa. Apontamento histórico: Atualmente, compreendemos “igreja católica” num sentido delimitador face à igreja ortodoxa, às igrejas evangélicas e às comunidades eclesiais evangélicas. No entanto, no sentido original do termo, “católico” não teria que ver com essa significação limitadora, mas antes pelo contrário: queria dizer universal ou totalidade, no sentido de plenitude, que é mais que uma soma das partes3 , ou seja, «como expressão sinónima de Igreja “verdadeira”, “ortodoxa”, “completa”, “integra”, na qual se manifesta a plenitude de graça e de verdade que nos foi dada em Jesus Cristo»4 . O termo “católico” não se encontra no Novo Testamento mas tem significados equivalentes, como a plenitude salvífica abrangente em Jesus Cristo (Col 1, 19;2,9)5 . «O conceito em si, encontrámo-lo a primeira vez em Inácio de Antioquia: “Ali onde está o bispo, está a comunidade, como onde está Jesus Cristo, está a Igreja católica”. Aqui, Igreja católica significa, diferentemente de comunidade particular cuja cabeça jurídica é o bispo, a Igreja global, que está em todas as partes em que está Jesus Cristo e a sua Palavra»6 . Assim, «cada uma das 1 Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 227. 2 Albino Cazzago, «As “Notas” da Igreja no cristão», Communio, XXIX (2012/4), 424. 3 Cf. Walter Kasper, «Catolicidade como unidade na multiplicidade», Communio, XXIX (2012/4), 392. 4 José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 406. 5 Cf. Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 260. 6 Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 260. Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.
  3. 3. 2 Igrejas locais, cuja cabeça é o bispo, torna-se presente na Igreja católica que está onde se acolhe a palavra de Jesus Cristo»7 . Catolicidade, plenitude da verdade na universalidade: «A Igreja católica é a Igreja una, que está estendida pelo mundo inteiro»8 e cada uma das igrejas dispersas participa desta plenitude desde, como especifica Agostinho, estejam em comunhão e unidade de amor9 , ou seja, superando obstáculos e objeções humanas: longe da heresia10 . O adjetivo “católico” «ainda que não deixe de valorizar a dimensão “quantitativa” do conceito (seja em termos geográficos, históricos, numéricos ou sociológicos) [(…) admite] como determinante o “sentido qualitativo“ da palavra, traduzindo a consciência de se estar perante a verdadeira Igreja espalhada pelo mundo ou a comunidade local em união com ela»11 e, como tal, perante a «plenitude de verdade e de salvação que brota da ação redentora de Jesus Cristo, testemunhada e vivida na comunidade eclesial»12 . As tentativas pioneiras de voltar a recuperar o sentido de “católico”, presente na patrística, podem verificar-se em pensadores como Johann Sebastian Drey e Johann Adam Möhler ou em movimentos como o denominado “Movimento de Oxford” (Sec. XIX). Incentivados por estes e outros, Henri de Lubac e Yves Congar, por exemplo, voltaram a redescobrir o sentido totalizante do “católico”13 . A ideia é «sublinhar-se o plano salvífico universal de Deus, concretamente em Jesus Cristo, é conduzir os seres humanos de todos os tempos, de todas as raças, de todos os lugares e em todas a relações através da ação do Espírito Santo numa unidade orgânica e viva em Cristo»14 . «O Concílio Vaticano II fez sua esta renovada visão global, e voltou a pôr em vigência o alcance universal e totalizante [(omniabarcante)] do 7 Idem, «Catolicidade como unidade na multiplicidade», Communio, XXIX (2012/4), 392. 8 Idem, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 260. 9 Cf. Ibidem. 10 Cf. Albino Cazzago, «As “Notas” da Igreja no cristão», Communio, XXIX (2012/4), 430. 11 José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 406. 12 Ibidem. 13 Cf. Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 264. 14 José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 406-407. Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.
  4. 4. 3 católico, a sua unidade na multiplicidade interna dos povos, culturas, igrejas locais e carismas (LG 13), sem abandonar, desde logo, a vinculação especial à igreja católica em sentido institucional, que é a única que possui a plenitude dos meios salvíficos (LG8; UR3)»15 . Deste modo, e mesmo sem que os ortodoxos reconheçam o primado do bispo de Roma, o Vaticano II abriu as portas a uma aproximação entre as igrejas do Ocidente e Oriente: «reconheceu que toda a herança espiritual, litúrgica, disciplinaria e teológica das igrejas do Oriente, com as suas diversas tradições, pertence à plena catolicidade e apostolicidade da Igreja (UR 17)»16 . Complementariamente, esta dimensão da catolicidade da igreja deixa espaço à diversidade de expressões, teológicas, litúrgicas, espirituais, e canónicas da fé católica no seio das igrejas particulares, valorizando-se a colegialidade episcopal em instâncias intermédias, revalorizando a sacramentalidade do episcopado (Cf. LG 22) e tomando-se consciência de que a Igreja está integralmente presente em cada uma das igrejas particulares17 , «sem detrimento do primado da cátedra de Pedro, que preside à universal assembleia da caridade» (LG 13)18 . Todos os bispos em conjunto têm colegialmente solicitude pela Igreja universal; fica contudo por esclarecer, como defenderam Hervé Legrand, Y. Congar e J. Famerée, as formas de efetiva participação do episcopado no governo pastoral da igreja universal conciliando a jurisdição nas igrejas particulares com a da igreja universal19 . Os bispos são vistos desde o Séc. II como a personalização da comunhão das igrejas locais ao passo que na sé romana se coloca o centro da consciência, até normativa, de uma igreja única de extensão virtualmente universal. Mais vigente na atualidade, a «“especulação moderna”, preocupa-se sobretudo com o “poder pleno e supremo” do colégio sobre a Igreja universal e a maneira de o equilibrar com o “poder supremo” do papa»20 . 15 Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 264. 16 Ibidem. 17 Cf. José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 412. 18 Ibidem, 407. 19 Ibidem, 410-411. 20 José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 414. Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.
  5. 5. 4 A Igreja é sacramento de Cristo e «tem por única missão tornar presente Jesus Cristo no meio dos homens»21 , Ele em quem habita «toda a plenitude da divindade» (Cl 2,9). Diria Balthasar: «“a Igreja pode ser católica só porque em primeiro lugar Deus é católico, e porque em Jesus Cristo e por último no Espírito Santo esta catolicidade de Deus se abriu ao mundo: revelando-se e dando-se ao mesmo tempo»22 , e ainda, «a catolicidade é a totalidade da verdade revelada por Deus e dirigida ao mundo inteiro: a Igreja é simplesmente o instrumento para que esta verdade chegue aos homens»23 . Falar-se de “plenitude católica” significa que o seu fundamento é, em última instância, trinitário e cristológico: a Igreja é o corpo de Cristo; ela é a plenitude daquele que tudo preenche em todos (cf. Ef 1, 23), é «sacramento, isto é, sinal de íntima união com Deus» (LG1). «Percebeu-se melhor, ao aprofundar-se o mistério da Igreja como communio, ícone da Trindade, que estava em jogo a compreensão da sua catolicidade: “A multiplicidade na unidade e a unidade na multiplicidade é mais adequada para a compreensão da unidade trinitária do que um modelo monolítico de unidade”»24 . «Universalizar e realizar esta catolicidade essencial é obra do Espírito Santo, que a introduz em toda a verdade (Jo 1, 23) e a impulsiona à missão, ou seja, a estender-se a todos os povos e suas culturas»25 . A catolicidade tem a sua dimensão escatológica e não é uma realidade estática mas dinâmica. Ela tem a missão de crer no conhecimento da plenitude e nas riquezas de Cristo, de as realizar em todas as dimensões da sua vida e do homem, de fazê-las presentes por via da missão em todos os povos e todas as culturas, inclusive, dar sempre novo espaço nas suas linhas aos múltiplos carismas e superar divisões, aniquilamentos e toda forma de horizontes estreitos26 sem querer com isto fazer corresponder a catolicidade «a qualquer sincretismo de religiões e mundividências, em que elementos estranhos e contraditórios 21 Albino Cazzago, «As “Notas” da Igreja no cristão», Communio, XXIX (2012/4), 420. 22 Ibidem, 424. 23 Ibidem, 429. 24 José E. Borges Pinho, «Ministério petrino e colegialidade episcopal ao serviço da catolicidade da igreja», Communio, XXIX (2012/4), 412. 25 Walter Kasper, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 265. 26 Cf. Ibidem, 266. Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.
  6. 6. 5 entre si se misturam numa amálgama indefinida e onde se perca tudo o que no cristianismo é inequívoco e distintivo»27 . Proponho as palavras de Walter Kasper: «Pode, pois, dizer-se que a Igreja católica está ali onde se mantem não um evangelho passado pelo crivo, nem uma ideologia partidista, mas toda a fé de todos os tempos e lugares, sem nenhuma subtração da sua plenitude, e onde se dá testemunho dela ao longo de todo o mundo, em todos os povos, em todas as culturas, ante todos os homens, sem considerar a sua posição social, o sexo, a etnia a que pertencem, a sua cultura peculiar; está ali onde a fé se vive de modo total e se a refere a todas as dimensões humanas; ali onde, dentro da unidade, se deixa espaço para a maior multiplicidade possível, e onde, no Espírito Santo, se está sempre disposto a escutar e aprender mais e mais novidade da plenitude de Jesus Cristo. Catolicidade quer dizer o contrário de estreitamento, o contrário de não ter dois dedos de testa, o contrário da mentalidade que se limita a fazer delimitações polémicas e apologéticas. Significa amplitude, totalidade, plenitude, universalidade»28 . Catolicidade e unidade: Nesta síntese, procurei tratar da “nota” da catolicidade essencial para a compreensão da Igreja, ela que é uma das quatro “notas” (unidade, santidade, catolicidade e apostolicidade) que, como vimos, são inseparáveis e «formam um todo em que se implicam reciprocamente»29 . Desde logo, ao tratar apenas da “nota” de catolicidade fica vigente que esta toca todas as outras e deixa- se ser por elas tocada em especial pela “nota” de unidade. Como acima falei na renovada visão global que o Concílio Vaticano II fez procurando pôr em vigência o alcance universal e totalizante do católico, gostava de terminar tocando a importância da consciência de unidade na multiplicidade para levar adiante a união do corpo de Cristo na reconciliação dos seus membros. Desde logo, fica claro que todas as igrejas que tomam Cristo como centro, à medida que dele se aproximam, as suas divergências não podem deixar de se esbater30 : «Jesus morrendo em dom 27 Walter Kasper, «Catolicidade como unidade na multiplicidade», Communio, XXIX (2012/4), 404. 28 Idem, Iglesia Católica – Esencia – Realidad – Missió, (Salamanca: Ediciones Sígueme, 2013), 266. 29 Ibidem, 227. 30 Cf. Irmão François, «Estará Cristo dividido?», Communio, XXIX (2012/4), 430. Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.
  7. 7. 6 total de si mesmo na cruz, fez morrer, no coração da natureza humana, a necessidade de oposição que existe em cada um de nós»31 e Deus espera que a sua Igreja incarne essa reconciliação. A unidade dos apóstolos foi preocupação de Cristo na cruz (cf. Jo. 17,11) pois ela é e permite o testemunho do Pai32 . A unidade dos cristãos «deve, agora e sempre, testemunhar o carácter único da revelação do Pai em seu Filho»33 , mantendo, para isso, a caridade e um renovado acordo entre vontades, consciente da gratuidade da salvação porque: «a única condição exigida para pertencer a Cristo será a “confiança da fé” (Ef. 3,12), pois nenhum estilo de vida, património cultural ou código moral deverão sobrepor-se ao Evangelho, e impedir de se aproximarem de Cristo aqueles que procuram»34 . Concluo com a ideia de que a “nota” de catolicidade parece-me ser possibilidade indutora da união entre as igrejas particulares e sustento do ecumenismo Ocidente- Oriente, superando os confrontos da diversidade35 . 31 Irmão François, «Estará Cristo dividido?», Communio, XXIX (2012/4), 438. 32 Cf. Ibidem, 439. 33 Irmão François, «Estará Cristo dividido?», Communio, XXIX (2012/4), 440. 34 Ibidem, 441. 35 Cf. Walter Kasper, «Catolicidade como unidade na multiplicidade», Communio, XXIX (2012/4), 397: «Reconhece-se que fora dos limites institucionais da Igreja católica se encontram múltiplos elementos de catolicidade». Elaboradopor:JoãoMiguelPereira,joaofreigil@hotmail.com,3ºanodeMestradoIntegradoemTeologia–UniversidadeCatólicaPortuguesa, FaculdadedeTeologia(Braga)–2016/2017.

×