SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Teologia, Braga
Mestrado Integrado em Teologia
Teologia Filosófica
Professor: José Rui Costa Pinto
Ricardo Martins
Ricardo Afonso
João Pereira
O argumento do desígnio
(o antigo e o novo)
O antigo argumento do desígnio
O antigo argumento do desígnio
O ponto de partida do antigo argumento de desígnio é o
nosso sentimento de assombro, não por existirem coisas, mas por
muita das coisas que existem no nosso universo manifestarem ordem
e desígnio.
Partindo deste sentimento de assombro, o argumento procura
convencer-nos de que seja o que for que produziu o universo tem de
ser um ser inteligente.
O antigo argumento do desígnio
Talvez a formulação mais famosa do argumento esteja nos Diálogos
sobre a religião Natural, de David Hume:
«olhai o mundo em volta: contemplei o todo e cada parte: descobrireis que não
é senão uma enorme máquina, subdividida no número infinito de máquinas
menores, que por sua vez se subdividem para lá do que os sentimentos e
faculdades humanas conseguem seguir e explicar. Todas estas diversas
máquinas, e mesmo as suas partes mais diminutas, ajustam-se entre si com uma
precisão que deixa estupefactos todos os homens que já as contemplaram. A
curiosa adaptação de meios a fins em toda a natureza assemelha-se
exactamente, embora em muito os exceda, aos produtos do engenho humano;
do desígnio, do pensamento, da sabedoria inteligência humanos.
1
O antigo argumento do desígnio
Talvez a formulação mais famosa do argumento esteja nos Diálogos
sobre a religião Natural, de David Hume:
Visto que, portanto, os efeitos se assemelham entre si,
somos levados a inferir, segundo todas as regras da
analogia, que as causas também se assemelham; e que o
autor da natureza é de algum modo similar à mente do
homem, embora detentor de faculdades muito mais vastas,
proporcionais à grandiosidade da obra que executou. Com
este argumento a posteriori, e apenas com este argumento,
provamos de uma vez só a existência de uma Divindade, e a
sua semelhança com a mente e inteligência humanas.»
2
O antigo argumento do desígnio
Visto que muitas coisas na natureza se assemelham intimamente a
máquinas, “segundo todas as regras da analogia” podemos concluir que seja o que for
que tenha produzido esses objetos naturais é um ser inteligente:
Argumento por analogia:
1 - As máquinas são produzidas por desígnio inteligente.
2 – O Universo assemelha-se a uma máquina.
Logo,
Provavelmente o universo foi produzido por um desígnio inteligente.
O antigo argumento do desígnio
O argumento do desígnio procura responder à questão do universo
resultar ou não de desígnio inteligente. Como não temos qualquer
conhecimento ou experiência de outros universos além do nosso, temos de
usar o raciocínio analógico; temos de começar com coisas que se assemelham
mas não são o mesmo que o universo e inferir que, uma vez que essas coisas
surgiram por desígnio inteligente, é provável que o universo tenha surgido
por desígnio inteligente.
O antigo argumento do desígnio
Chegado a este ponto temos de colocar duas questões:
1ª Em função de que características se diz que o universo se
assemelha a uma máquina?
2ª São estas características relevantes para a questão de o universo
ter ou não surgido por desígnio inteligente?
O antigo argumento do desígnio
O universo como máquina:
De que maneira ou maneiras se assemelhará o universo a uma máquina?
Willian Paley comparou o universo a um relógio.
Afirmou que toda a manifestação de desígnio que há no relógio há também no
funcionamento da natureza.
O modo como o universo supostamente se assemelha a uma máquina assenta na
ideia de que há partes da natureza que se relacionam entre si do mesmo modo que as
partes de uma máquina se relacionam entre si.
O antigo argumento do desígnio
Se examinarmos o relógio de bolso, observamos que as suas partes
estão conectadas de tal modo que, quando uma parte se move, isto causa
também movimento de outra das partes. Embora isto seja verdade, não diz
todavia tudo acerca de como as partes das máquinas se relacionam entre si.
Visto que, se olharmos novamente para o nosso relógio, descobrimos não só
que as suas partes estão dispostas de modo a funcionarem conjuntamente,
mas que, sob as condições adequadas, funcionam conjuntamente para servir
a uma determinada finalidade.
O antigo argumento do desígnio
As partes de uma máquinas relacionam-se todas entre si de modo
que funcionam conjuntamente sobre as condições adequadas para servir uma
finalidade.
Captemos esta interessante característica das máquinas
introduzindo a ideia de sistema teleológico.
Digamos que um sistema teleológico é qualquer sistema composto
de partes em que estas se encontram dispostas de tal modo que funcionam
conjuntamente sobre as condições adequadas para servir uma determinada
finalidade. Na sua maior parte, as máquinas são claramente sistemas
teleológico.
O antigo argumento do desígnio
Os defensores do argumento do desígnio afirmam que a base
da analogia entre universo e as máquinas é que se encontra, no
mundo natural, muitas coisas, e partes de coisas, que são sistemas
teleológicos.
Exemplo: o olho humano é claramente um sistema teleológico:
as suas partes exibem uma ordem intrincada e estão dispostas de tal
modo que, sob condições adequadas, funcionam conjuntamente para
permitir que uma pessoa veja.
O antigo argumento do desígnio
Parece razoável pensar que as plantas e os animais que compõem
uma grande parte do mundo natural são sistemas teleológicos.
Se olharmos cuidadosamente para muitas coisas da natureza
descobrimos que as suas partes exibem uma disposição ordenada, adequada
a uma finalidade (sobrevivência do organismo e reprodução da sua espécie).
Seria um absurdo supor que o mundo natural surgiu por acidente,
em vez de desígnio inteligente.
O antigo argumento do desígnio
Uma coisa é acreditar que o universo contém muitas partes que são
sistemas teleológicos; outra completamente diferente é acreditar que o
universo em si é um sistema de teleológico. Nada que temos considerado até
agora mostra que o universo em si é um sistema teleológico. Para mostrar,
teríamos de afirmar que o próprio universo tem uma finalidade e que as suas
partes estão dispostas de tal modo que funcionam conjuntamente para a
realização dessa finalidade.
O antigo argumento do desígnio
Se soubermos que Deus criou o universo e também porque razão o
criou, podemos razoavelmente inferir que universo em si é sistema teológico.
Mas como argumento de desígnio é um argumento a favor da existência de
Deus não pode pressupor a sua existência e as suas finalidades sem
pressupor aquilo que está a tentar provar.
O antigo argumento do desígnio
Podemos dizer é que o universo contém muitas partes (além dos
objetos feitos por seres humanos como máquinas) que são sistemas de
teleológico. Isto significa que não temos justificação para afirmar que o
universo em si é como uma máquina.
O antigo argumento do desígnio
Talvez tenhamos justificação para afirmar é que o universo contém
muitas partes naturais (isto é, partes que não são feitas pelos seres humanos)
que se assemelham a máquinas; estas assemelham-se a máquinas porque,
como elas, são sistemas teleológicos.
Aceitando esta limitação podemos rever a nossa formulação do argumento
do desígnio, do seguinte modo:
1 - As máquinas são produzidas por desígnio inteligente.
2 - Muitas partes naturais do universo assemelham-se a máquinas.
Logo,
Provavelmente, o universo (ou pelo menos muita das suas
partes naturais) foi produzido por desígnio inteligente.
AS CRÍTICAS DE HUME AO
ARGUMENTO DO DESÍGNIO
CRÍTICAS DE HUME
Podemos dividir as críticas de Hume em 2 grupos:
1 - Críticas à afirmação de que o universo é como uma máquina;
2 - À afirmação de que o argumento do desígnio nos dá uma base
adequada para acreditar no Deus teísta;
CRÍTICAS DE HUME
1 - Hume sublinha que a vastidão do universo enfraquece a afirmação de que
este se assemelha a uma máquina ou a qualquer outra criação humana;
sublinha, em segundo lugar, que, embora haja ordem e desígnio na parte do
universo onde habitamos, tanto quanto sabemos pode haver vastas
extensões do universo onde reine o caos absoluto.
CRÍTICAS DE HUME
2 - O segundo grupo dirige-se a qualquer tentativa de interpretar o
argumento como base adequada para a crença teísta – a crença de que existe
um ser sumamente perfeito que criou o universo. Hume tem razão. Ao
inspeccionar o universo, podemos concluir que surgiu por desígnio
inteligente, mas o argumento do desígnio é incapaz de ir para além
disso, ou seja, não nos dá
base racional para pensar que seja o que for que criou o
universo é perfeito, uno ou racional.
CRÍTICAS DE HUME
Hume resume este segundo grupo de objecções fazendo notar que quem limita a
base da sua crença ao argumento do desígnio “poderá talvez afirmar que, a dada
altura, o universo surgiu por algo semelhante ao desígnio: mas além dessa
posição não pode estar seguro de uma única circunstância que seja; e terá então
de corrigir cada detalhe da sua teologia recorrendo ao maior desregramento
caprichoso e hipotético”. Este segundo grupo de críticas, embora mostre
claramente as limitações do argumento do desígnio, não afecta a afirmação mais
geral de que os argumentos tradicionais a favor da existência de Deus,
tomados em conjunto, dão ao teísmo uma base racional.
Novo Argumento do Desígnio
(Séc. XX)
Novo Argumento do Desígnio
Ao contrário dos defensores do argumento que
Darwin e Hume criticam, os defensores deste argumento
não começam pela existência de seres vivos “procurando
uma explicação para o facto de serem sistemas teleológicos
tão intricados”. Em vez disso perguntam:
“Que condições tem de haver no
universo para que seja sequer possível
a existência de seres vivos”?
O Novo Argumento do Desígnio surge “alimentado por
descobertas científicas e teóricas respeitantes tanto à origem do nosso
universo como às condições que nele tiveram de prevalecer desde o
início para que o tipo de vida que conhecemos tivesse alguma hipótese
sequer de acontecer”.
Novo Argumento do Desígnio
Aceitando a mais prometedora explicação para a origem do universo disponível na ciência
moderna – a teoria do Big-Bang – “as hipóteses de o universo se desenvolver de tal modo
que a vida é possível são incrivelmente pequenas, muito menos do que uma hipótese num
milhão”, pois:
Novo Argumento do Desígnio
“Havia milhões de maneiras diferentes de o universo se poder ter
desenvolvido a partir do Big-Bang. E apenas de uma dessas
maneiras o universo viria a ter características necessárias para a
emergência e a existência contínua do tipo de vida que
conhecemos”.
(É caso disso a taxa de expansão do universo.)
Sendo que existem “muitas condições diferentes que tinham
de estar exatamente ajustadas para que a vida fosse possível no
universo, a hipótese do criador inteligente que ajustou o estado inicial
do universo parece uma explicação muito mais plausível do que o apelo
ao mero acaso para o facto de que o universo é adequado à vida”.
Novo Argumento do Desígnio
Taxa de expansão do universo:
Ligeiramente mais rápida – não teria sido possível a
formação das galáxias, as estrelas e os planetas;
Ligeiramente menor – o universo teria voltado a ser
uma bola de fogo quente;
 Como tal a vida não teria hipóteses de existir.
Contudo, concluir algo mais acerca da natureza desse criador,
como Hume nos ensinou, seria um erro. O argumento apenas nos
permite sustentar “a ideia de que a existência de desígnio inteligente
teve um papel no início do universo”. Assim, fica ainda em aberto a
questão de o criador inteligente do universo ser ou não o Deus teísta.
Novo Argumento do Desígnio
Este argumento a favor de um
criador inteligente das condições
iniciais tem algum mérito.
Possível objeção a esta teoria:
Existe a possibilidade da ocorrência de outros Big-Bangs sem as condições
indispensáveis à vida. Tal poderia provar o surgimento do acaso do
universo que experimentamos pois, num desses Big-Bang´s, por mero acaso, poderiam ter-
se produzido as condições necessárias à vida.
Novo Argumento do Desígnio
Contra isto argumenta razoavelmente Miller ao defender que, “sendo os
indícios para a hipótese do universo múltiplo inalcançáveis, há
justificação intelectual para levar a sério a alternativa tradicional: que o
nosso universo, em vez de ter ocorrido por acaso, foi criado por Deus[*]”.
* (Note-se que isto não prova ainda que esse criador tenha sido o Deus teísta pois, “qualquer ser sobrenatural com poder
absoluto e conhecimento suficiente seria também capaz de criar o nosso universo”.)
Conclusão
“Os argumentos [Cosmológico, Ontológico e do Desígnio] são
insuficientes para nos dar uma base racional persuasiva para pensar que o
Deus teísta existe”.
“Alguns filósofos e teólogos contemporâneos, portanto, concentram-
se em pensar não que os argumentos provam a existência de Deus, mas que
mostram que a existência de Deus é uma hipótese plausível para explicar o
mundo e a nossa experiência”.
Conclusão
“Os argumentos, nesta perspetiva, dão-nos razões para defender
que a crença em Deus é racional. São argumentos aceitáveis no sentido em
que apresentam considerações a favor da hipótese de que Deus existe”.
“Embora se tenha visto que a afirmação tradicional de que estes
argumentos provam a existência de Deus está incorreta, isto não exclui a
possibilidade de que um ou mais dos argumentos possam desempenhar um
papel importante na defesa intelectual do teísmo”.
Vídeos:
“Creador Supremo: Pruebas de su Existencia”
https://www.youtube.com/watch?v=OJOtcf_njKs

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de DescartesJorge Barbosa
 
Objeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-viciosoObjeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-viciosoIsabel Moura
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeFrancis Mary Rosa
 
Sintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoSintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoIsabel Moura
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da naturezaLuis De Sousa Rodrigues
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesAntónio Fernandes
 

Mais procurados (20)

Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária
 
Contributo de Descartes
Contributo de DescartesContributo de Descartes
Contributo de Descartes
 
Objeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-viciosoObjeção-do-círculo-vicioso
Objeção-do-círculo-vicioso
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
argumento-ontologico
argumento-ontologicoargumento-ontologico
argumento-ontologico
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Sintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_CosmológicoSintese_Argumento_Cosmológico
Sintese_Argumento_Cosmológico
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 

Semelhante a Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Teologia, Braga

Argumento do Desígnio
Argumento do DesígnioArgumento do Desígnio
Argumento do DesígnioJoão Pereira
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusIsabel Moura
 
O sistema divino - eBook grátis
O sistema divino   - eBook grátisO sistema divino   - eBook grátis
O sistema divino - eBook grátisJAIRO ALVES
 
Do mito a ciência verônica 11 mp
Do mito a ciência verônica 11 mpDo mito a ciência verônica 11 mp
Do mito a ciência verônica 11 mpalemisturini
 
Ciência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilCiência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilArgos Arruda Pinto
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalCláudio Ferreira
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoOlavo Neto
 
Argumento cosmológico
Argumento cosmológicoArgumento cosmológico
Argumento cosmológicoJoão Pereira
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoBernardo Motta
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Erica Frau
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusIsabel Moura
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoMarta Gomes
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deuspaulomanesantos
 
Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deuspaulomanesantos
 

Semelhante a Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Teologia, Braga (20)

Argumento do Desígnio
Argumento do DesígnioArgumento do Desígnio
Argumento do Desígnio
 
Argumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deusArgumento a favor da existência de deus
Argumento a favor da existência de deus
 
O sistema divino - eBook grátis
O sistema divino   - eBook grátisO sistema divino   - eBook grátis
O sistema divino - eBook grátis
 
Do mito a ciência verônica 11 mp
Do mito a ciência verônica 11 mpDo mito a ciência verônica 11 mp
Do mito a ciência verônica 11 mp
 
Kant (1) copia
Kant (1)   copiaKant (1)   copia
Kant (1) copia
 
Ciência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútilCiência versus religião: uma discução inútil
Ciência versus religião: uma discução inútil
 
Porquê Deus? Uma Causa Inteligente
Porquê Deus? Uma Causa InteligentePorquê Deus? Uma Causa Inteligente
Porquê Deus? Uma Causa Inteligente
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
 
Criacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismoCriacinismo e evolucionismo
Criacinismo e evolucionismo
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Merda de filosofia
Merda de filosofiaMerda de filosofia
Merda de filosofia
 
Argumento cosmológico
Argumento cosmológicoArgumento cosmológico
Argumento cosmológico
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
 
Filosofia aula 7
Filosofia aula 7Filosofia aula 7
Filosofia aula 7
 
Síntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_DeusSíntese_provas_existência_Deus
Síntese_provas_existência_Deus
 
Deus - Descobrindo
Deus - DescobrindoDeus - Descobrindo
Deus - Descobrindo
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do Universo
 
Apresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de DeusApresentação provas da existência de Deus
Apresentação provas da existência de Deus
 
Apresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deusApresentação provas da existência de deus
Apresentação provas da existência de deus
 
O método científico segundo alguns filósofos
O método científico segundo alguns filósofosO método científico segundo alguns filósofos
O método científico segundo alguns filósofos
 

Mais de João Pereira

Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorJoão Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalJoão Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorJoão Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaJoão Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma AJoão Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasJoão Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Teologia, Braga

  • 1. Universidade Católica Portuguesa - Faculdade de Teologia, Braga Mestrado Integrado em Teologia Teologia Filosófica Professor: José Rui Costa Pinto Ricardo Martins Ricardo Afonso João Pereira O argumento do desígnio (o antigo e o novo)
  • 2. O antigo argumento do desígnio
  • 3. O antigo argumento do desígnio O ponto de partida do antigo argumento de desígnio é o nosso sentimento de assombro, não por existirem coisas, mas por muita das coisas que existem no nosso universo manifestarem ordem e desígnio. Partindo deste sentimento de assombro, o argumento procura convencer-nos de que seja o que for que produziu o universo tem de ser um ser inteligente.
  • 4. O antigo argumento do desígnio Talvez a formulação mais famosa do argumento esteja nos Diálogos sobre a religião Natural, de David Hume: «olhai o mundo em volta: contemplei o todo e cada parte: descobrireis que não é senão uma enorme máquina, subdividida no número infinito de máquinas menores, que por sua vez se subdividem para lá do que os sentimentos e faculdades humanas conseguem seguir e explicar. Todas estas diversas máquinas, e mesmo as suas partes mais diminutas, ajustam-se entre si com uma precisão que deixa estupefactos todos os homens que já as contemplaram. A curiosa adaptação de meios a fins em toda a natureza assemelha-se exactamente, embora em muito os exceda, aos produtos do engenho humano; do desígnio, do pensamento, da sabedoria inteligência humanos. 1
  • 5. O antigo argumento do desígnio Talvez a formulação mais famosa do argumento esteja nos Diálogos sobre a religião Natural, de David Hume: Visto que, portanto, os efeitos se assemelham entre si, somos levados a inferir, segundo todas as regras da analogia, que as causas também se assemelham; e que o autor da natureza é de algum modo similar à mente do homem, embora detentor de faculdades muito mais vastas, proporcionais à grandiosidade da obra que executou. Com este argumento a posteriori, e apenas com este argumento, provamos de uma vez só a existência de uma Divindade, e a sua semelhança com a mente e inteligência humanas.» 2
  • 6. O antigo argumento do desígnio Visto que muitas coisas na natureza se assemelham intimamente a máquinas, “segundo todas as regras da analogia” podemos concluir que seja o que for que tenha produzido esses objetos naturais é um ser inteligente: Argumento por analogia: 1 - As máquinas são produzidas por desígnio inteligente. 2 – O Universo assemelha-se a uma máquina. Logo, Provavelmente o universo foi produzido por um desígnio inteligente.
  • 7. O antigo argumento do desígnio O argumento do desígnio procura responder à questão do universo resultar ou não de desígnio inteligente. Como não temos qualquer conhecimento ou experiência de outros universos além do nosso, temos de usar o raciocínio analógico; temos de começar com coisas que se assemelham mas não são o mesmo que o universo e inferir que, uma vez que essas coisas surgiram por desígnio inteligente, é provável que o universo tenha surgido por desígnio inteligente.
  • 8. O antigo argumento do desígnio Chegado a este ponto temos de colocar duas questões: 1ª Em função de que características se diz que o universo se assemelha a uma máquina? 2ª São estas características relevantes para a questão de o universo ter ou não surgido por desígnio inteligente?
  • 9. O antigo argumento do desígnio O universo como máquina: De que maneira ou maneiras se assemelhará o universo a uma máquina? Willian Paley comparou o universo a um relógio. Afirmou que toda a manifestação de desígnio que há no relógio há também no funcionamento da natureza. O modo como o universo supostamente se assemelha a uma máquina assenta na ideia de que há partes da natureza que se relacionam entre si do mesmo modo que as partes de uma máquina se relacionam entre si.
  • 10. O antigo argumento do desígnio Se examinarmos o relógio de bolso, observamos que as suas partes estão conectadas de tal modo que, quando uma parte se move, isto causa também movimento de outra das partes. Embora isto seja verdade, não diz todavia tudo acerca de como as partes das máquinas se relacionam entre si. Visto que, se olharmos novamente para o nosso relógio, descobrimos não só que as suas partes estão dispostas de modo a funcionarem conjuntamente, mas que, sob as condições adequadas, funcionam conjuntamente para servir a uma determinada finalidade.
  • 11. O antigo argumento do desígnio As partes de uma máquinas relacionam-se todas entre si de modo que funcionam conjuntamente sobre as condições adequadas para servir uma finalidade. Captemos esta interessante característica das máquinas introduzindo a ideia de sistema teleológico. Digamos que um sistema teleológico é qualquer sistema composto de partes em que estas se encontram dispostas de tal modo que funcionam conjuntamente sobre as condições adequadas para servir uma determinada finalidade. Na sua maior parte, as máquinas são claramente sistemas teleológico.
  • 12. O antigo argumento do desígnio Os defensores do argumento do desígnio afirmam que a base da analogia entre universo e as máquinas é que se encontra, no mundo natural, muitas coisas, e partes de coisas, que são sistemas teleológicos. Exemplo: o olho humano é claramente um sistema teleológico: as suas partes exibem uma ordem intrincada e estão dispostas de tal modo que, sob condições adequadas, funcionam conjuntamente para permitir que uma pessoa veja.
  • 13. O antigo argumento do desígnio Parece razoável pensar que as plantas e os animais que compõem uma grande parte do mundo natural são sistemas teleológicos. Se olharmos cuidadosamente para muitas coisas da natureza descobrimos que as suas partes exibem uma disposição ordenada, adequada a uma finalidade (sobrevivência do organismo e reprodução da sua espécie). Seria um absurdo supor que o mundo natural surgiu por acidente, em vez de desígnio inteligente.
  • 14. O antigo argumento do desígnio Uma coisa é acreditar que o universo contém muitas partes que são sistemas teleológicos; outra completamente diferente é acreditar que o universo em si é um sistema de teleológico. Nada que temos considerado até agora mostra que o universo em si é um sistema teleológico. Para mostrar, teríamos de afirmar que o próprio universo tem uma finalidade e que as suas partes estão dispostas de tal modo que funcionam conjuntamente para a realização dessa finalidade.
  • 15. O antigo argumento do desígnio Se soubermos que Deus criou o universo e também porque razão o criou, podemos razoavelmente inferir que universo em si é sistema teológico. Mas como argumento de desígnio é um argumento a favor da existência de Deus não pode pressupor a sua existência e as suas finalidades sem pressupor aquilo que está a tentar provar.
  • 16. O antigo argumento do desígnio Podemos dizer é que o universo contém muitas partes (além dos objetos feitos por seres humanos como máquinas) que são sistemas de teleológico. Isto significa que não temos justificação para afirmar que o universo em si é como uma máquina.
  • 17. O antigo argumento do desígnio Talvez tenhamos justificação para afirmar é que o universo contém muitas partes naturais (isto é, partes que não são feitas pelos seres humanos) que se assemelham a máquinas; estas assemelham-se a máquinas porque, como elas, são sistemas teleológicos. Aceitando esta limitação podemos rever a nossa formulação do argumento do desígnio, do seguinte modo: 1 - As máquinas são produzidas por desígnio inteligente. 2 - Muitas partes naturais do universo assemelham-se a máquinas. Logo, Provavelmente, o universo (ou pelo menos muita das suas partes naturais) foi produzido por desígnio inteligente.
  • 18. AS CRÍTICAS DE HUME AO ARGUMENTO DO DESÍGNIO
  • 19. CRÍTICAS DE HUME Podemos dividir as críticas de Hume em 2 grupos: 1 - Críticas à afirmação de que o universo é como uma máquina; 2 - À afirmação de que o argumento do desígnio nos dá uma base adequada para acreditar no Deus teísta;
  • 20. CRÍTICAS DE HUME 1 - Hume sublinha que a vastidão do universo enfraquece a afirmação de que este se assemelha a uma máquina ou a qualquer outra criação humana; sublinha, em segundo lugar, que, embora haja ordem e desígnio na parte do universo onde habitamos, tanto quanto sabemos pode haver vastas extensões do universo onde reine o caos absoluto.
  • 21. CRÍTICAS DE HUME 2 - O segundo grupo dirige-se a qualquer tentativa de interpretar o argumento como base adequada para a crença teísta – a crença de que existe um ser sumamente perfeito que criou o universo. Hume tem razão. Ao inspeccionar o universo, podemos concluir que surgiu por desígnio inteligente, mas o argumento do desígnio é incapaz de ir para além disso, ou seja, não nos dá base racional para pensar que seja o que for que criou o universo é perfeito, uno ou racional.
  • 22. CRÍTICAS DE HUME Hume resume este segundo grupo de objecções fazendo notar que quem limita a base da sua crença ao argumento do desígnio “poderá talvez afirmar que, a dada altura, o universo surgiu por algo semelhante ao desígnio: mas além dessa posição não pode estar seguro de uma única circunstância que seja; e terá então de corrigir cada detalhe da sua teologia recorrendo ao maior desregramento caprichoso e hipotético”. Este segundo grupo de críticas, embora mostre claramente as limitações do argumento do desígnio, não afecta a afirmação mais geral de que os argumentos tradicionais a favor da existência de Deus, tomados em conjunto, dão ao teísmo uma base racional.
  • 23. Novo Argumento do Desígnio (Séc. XX)
  • 24. Novo Argumento do Desígnio Ao contrário dos defensores do argumento que Darwin e Hume criticam, os defensores deste argumento não começam pela existência de seres vivos “procurando uma explicação para o facto de serem sistemas teleológicos tão intricados”. Em vez disso perguntam: “Que condições tem de haver no universo para que seja sequer possível a existência de seres vivos”?
  • 25. O Novo Argumento do Desígnio surge “alimentado por descobertas científicas e teóricas respeitantes tanto à origem do nosso universo como às condições que nele tiveram de prevalecer desde o início para que o tipo de vida que conhecemos tivesse alguma hipótese sequer de acontecer”. Novo Argumento do Desígnio
  • 26. Aceitando a mais prometedora explicação para a origem do universo disponível na ciência moderna – a teoria do Big-Bang – “as hipóteses de o universo se desenvolver de tal modo que a vida é possível são incrivelmente pequenas, muito menos do que uma hipótese num milhão”, pois: Novo Argumento do Desígnio “Havia milhões de maneiras diferentes de o universo se poder ter desenvolvido a partir do Big-Bang. E apenas de uma dessas maneiras o universo viria a ter características necessárias para a emergência e a existência contínua do tipo de vida que conhecemos”. (É caso disso a taxa de expansão do universo.)
  • 27. Sendo que existem “muitas condições diferentes que tinham de estar exatamente ajustadas para que a vida fosse possível no universo, a hipótese do criador inteligente que ajustou o estado inicial do universo parece uma explicação muito mais plausível do que o apelo ao mero acaso para o facto de que o universo é adequado à vida”. Novo Argumento do Desígnio Taxa de expansão do universo: Ligeiramente mais rápida – não teria sido possível a formação das galáxias, as estrelas e os planetas; Ligeiramente menor – o universo teria voltado a ser uma bola de fogo quente;  Como tal a vida não teria hipóteses de existir.
  • 28. Contudo, concluir algo mais acerca da natureza desse criador, como Hume nos ensinou, seria um erro. O argumento apenas nos permite sustentar “a ideia de que a existência de desígnio inteligente teve um papel no início do universo”. Assim, fica ainda em aberto a questão de o criador inteligente do universo ser ou não o Deus teísta. Novo Argumento do Desígnio Este argumento a favor de um criador inteligente das condições iniciais tem algum mérito.
  • 29. Possível objeção a esta teoria: Existe a possibilidade da ocorrência de outros Big-Bangs sem as condições indispensáveis à vida. Tal poderia provar o surgimento do acaso do universo que experimentamos pois, num desses Big-Bang´s, por mero acaso, poderiam ter- se produzido as condições necessárias à vida. Novo Argumento do Desígnio Contra isto argumenta razoavelmente Miller ao defender que, “sendo os indícios para a hipótese do universo múltiplo inalcançáveis, há justificação intelectual para levar a sério a alternativa tradicional: que o nosso universo, em vez de ter ocorrido por acaso, foi criado por Deus[*]”. * (Note-se que isto não prova ainda que esse criador tenha sido o Deus teísta pois, “qualquer ser sobrenatural com poder absoluto e conhecimento suficiente seria também capaz de criar o nosso universo”.)
  • 30. Conclusão “Os argumentos [Cosmológico, Ontológico e do Desígnio] são insuficientes para nos dar uma base racional persuasiva para pensar que o Deus teísta existe”. “Alguns filósofos e teólogos contemporâneos, portanto, concentram- se em pensar não que os argumentos provam a existência de Deus, mas que mostram que a existência de Deus é uma hipótese plausível para explicar o mundo e a nossa experiência”.
  • 31. Conclusão “Os argumentos, nesta perspetiva, dão-nos razões para defender que a crença em Deus é racional. São argumentos aceitáveis no sentido em que apresentam considerações a favor da hipótese de que Deus existe”. “Embora se tenha visto que a afirmação tradicional de que estes argumentos provam a existência de Deus está incorreta, isto não exclui a possibilidade de que um ou mais dos argumentos possam desempenhar um papel importante na defesa intelectual do teísmo”.
  • 32. Vídeos: “Creador Supremo: Pruebas de su Existencia” https://www.youtube.com/watch?v=OJOtcf_njKs