Erros frequentes em uma redação

1.238 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Erros frequentes em uma redação

  1. 1. Erros frequentes em uma redação  Desenvolvimento em apenas um parágrafo;  Uso da 1ª pessoa do singular – “Para essa problemática, sugiro a seguinte solução: criação de mais centros...”. “Eu acho então que para melhorar o trânsito...”  Parágrafo de introdução sem ponto de vista, apenas com a exposição do assunto – “Diariamente se vê em jornais, rádios, telejornais entre outros meios de comunicação o caos e a violência que o trânsito brasileiro se encontra”.  Colocar a proposta de intervenção da problemática logo na introdução – “O trânsito hoje é muito obscuro e constantemente a cada dia pessoas morrem. Sabemos que para minimizar os governantes têm que tomar uma providência rápida...”  Em um tema questionativo, iniciar o parágrafo de introdução como se estivesse respondendo uma pergunta – “Os responsáveis pelas existentes guerras no trânsito brasileiro são...”  Uso de termos próximos ou sinônimos dando ideia de redundância – “Hoje em pleno século XXI, a maioria das pessoas tratam seus automóveis...”. “Hoje nos dias atuais...”.  Repetição de palavras ou expressões muito próximas – “... tem também a falta de regras ocorridas pelas leis de trânsito, onde, por exemplo, ocorre muito alcoolismo no trânsito...”  Uso de expressões no modo imperativo – “Uma das coisas que mais acontecem... no trânsito nos dias de hoje. Vamos acabar com isso.”  Expressões ou termos vagos – “É necessário que tomem medidas o mais rápido possível...”.  Subjetividade – “Responsabilidade para com o que abrange não só a vida pessoal, mas também o país em que habitamos, são tarefas árduas exigindo de ambos uma compreensão relativa e contínua.”  Uso da palavra COISA – “Só falar sobre trânsito vem na cabeça várias coisas...”.  Pontuação inadequada – “Só falar sobre trânsito vem na cabeça várias coisas relacionadas como, meios de transporte, pedestres,
  2. 2. sinalização e acidentes, os acidentes são causados pelo que chamamos de guerra de trânsito, na qual faz com que aumente a cada dia a quantidade de pessoas envolvidas em acidentes, certo que elas são os maiores causadores desses acidentes por estarem alcoolizados ou com sono”. Uso da 2ª pessoa (coloquial) –“Sair de uma festa com um nível de álcool muito elevado e dirigir, mesmo o nível estando baixo você coloca sua vida e a de outro em risco”. Uso do pronome relativo ONDE – Só deve ser empregado para indicar lugar. – “... com isso veio a necessidade de criar leis mais severas, onde algumas palavras foram reduzidas e até sinais criados.” Uso do mau e do mal – “... às vezes as pessoas acabam interpretando mau as leis de trânsito...”. (mal X bem / mau x bom) Uso do A e do Há – Usa-se A quando não significar faz, para expressar distância ou tempo futuro. / Usa-se HÁ (verbo haver) quando significar faz, para indicar tempo passado. Ex.: As eleições de prefeito e vereador ocorrerão daqui a poucos meses. / As reivindicações dos trabalhadores foram feitas há muito tempo. Não acentuar os verbos TER e VIR na 3ª pessoa do plural – “... pode- se afirmar que no mundo globalizado de hoje quase todos os jovens tem...”. (Não se usa mais o acento nas palavras terminadas em eem e oo(s), mas permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos TER e VIR, assim como de seus derivados (manter, deter, convir, intervir etc.) Ex.: Eles leem o livro. / Eles creem no padre Uso da expressão por tanto com sentido de concussão – “Por tanto, temos que saber que a solução da problemática no trânsito...”.O correto é portanto. Uso do este e esse de forma indevida – “...em condições precárias, muitas vezes desfavoráveis. Estes problemas...”. Começar um período usando o pronome esse (e seus derivados) sem haver outro período anterior para contextualizar – “Muitos desses problemas no trânsito brasileiro são causados...”.
  3. 3.  Mesmo estando de acordo com as normas gramaticais, separar uma palavra de forma a deixar uma vogal sozinha no início ou no fim da margem – “...facilitar o trânsito nas BRs a-través...”. Não usar as margens da página por completo Uso da expressão a gente para designar a 1ª pessoa do plural – “A gente pode perceber que os maiores responsáveis...”.Nós podemos perceber... Uso da expressão porque de forma equivocada – “... o que para muitos dificultou a situação, mas porque dificuldade?”.(...mas por que dificuldade?) seria o correto, já que se trata de uma interrogativa e fica subentendida a palavra razão ou motivo depois dela. A pessoalidade na conclusão do texto – “Concluímos dessa forma que para resolver os problemas no trânsito brasileiro...”. As expressões anexo, incluso e obrigado escritas de forma equivocada – Anexo e incluso exercem papel de adjetivo, por isso concordam com a palavra a que se referem. Ex.: Ele enviará anexos ao contrato os recibos. / As taxas inclusas na mensalidade eram ilegais. A locução em anexo é invariável. Ex.: As cópias irão em anexo.

×