Coesão e coerência

2.714 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.714
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
916
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coesão e coerência

  1. 1.  Coesão e coerência Quando escrevemos um texto, uma das maiores preocupações écomo amarrar a frase seguinte à anterior. Isso só é possível sedominarmos os princípios básicos de coesão. A cada fraseenunciadas devemos ver se ela mantém um vínculo com a anteriorou anteriores para não perdermos o fio do pensamento. A coesão,no entanto, não é só esse processo de olharmos constantementepara trás. É também o de olhar para adiante, ou seja, um termopode esclarecer-se somente na frase seguinte. O importante é cada enunciado estabelecer relações estreitas comos outros a fim de tornar sólida a estrutura do texto. No entanto, não basta costurar uma frase a outra para dizer queestamos escrevendo bem. Além da coesão, é preciso pensar nacoerência. Você pode escrever um texto coeso sem ser coerente.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  2. 2.  Veja o exemplo: Os problemas de um povo têm de ser resolvido pelo presidente.Este deve ter ideais muito elevados. Esses ideais se concretizarãodurante a vigência de seu mandato. O seu mandato deve serrespeitado por todos. Não falta coesão a esse parágrafo. Mas de que ele trata? Dosproblemas do povo, do presidente ou do seu mandato? Emboraele tenha coesão, não tem coerência. Enquanto a coesão se preocupa com a parte visível do texto, suasuperfície, a coerência se preocupa com o que se deduz do todo eexige uma concatenação perfeita entre as diversas frases, sempreem busca de uma unidade de sentido. Os problemas de um povo devem ser resolvidos pelo presidente.Este tem a incumbência de ter ideais elevados, de forma a seconcretizarem durante seu mandato, que deve ser respeitado portodos.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  3. 3.  Alguns recursos de coesão 1 – Epítetos – é a palavra ou frase que qualifica pessoa ou coisa. Ex.: Glauber Rocha fez filmes memoráveis. Pena que o cineastamais famoso do cinema brasileiro tenha morrido tão cedo. 2 – Nominalizações – Ocorre nominalização quando se empregaum substantivo que remete a um verbo enunciadoanteriormente. Ex.: Eles foram testemunhar sobre o caso. O juiz disse, porém,que tal testemunho não era válido por serem parentes doassassino. 3 – Palavras ou expressões sinônimas. Ex.: Os quadros de Van Gogh não tinham nenhum valor em suaépoca. Houve telas que serviram até de porta de galinheiro.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  4. 4.  4 – Um termo síntese Ex.: O país é cheio de entraves burocráticos. É precisopreencher um sem-número de papéis. Depois, pagaruma infinidade de taxas. Todas essas limitaçõesacabam prejudicando o importador.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  5. 5.  5 – Pronomes Ex.: Vitaminas fazem bem à saúde, mas não devemos tomá-las aoacaso. O colégio é um dos melhores da cidade. Seus dirigentes sepreocupam muito com a educação integral. Aquele político deve ter um discurso muito convincente. Ele já foieleito seis vezes. Há uma grande diferença entre Paulo e Maurício. Este guardarancor de todos, enquanto aquele tende a perdoar. Durante o passeio de barco, caiu um temporal, que nos assustoubastante. Chegará amanhã o material de que dependemos para terminar oprojeto. Recuso-me a fazer críticas a uma pessoa a respeito da qual/dequem não tenho informações.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  6. 6.  7 – Numerais Ex.: Não se pode dizer que toda a turma esteja preparada.Apenas um terço parece estar dominando o assunto. Recebemos dois telegramas. O primeiro confirmava asua chegada; o segundo dizia justamente o contrário. 8 – Elipse Ex.: O ministro foi o primeiro a chegar. (Ele) Abriu asessão às oito em ponto e (ele) fez então seu discursoemocionado.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  7. 7.  9 – Repetição do nome próprio (ou parte dele). Ex.: Manuel da Silva Peixoto foi um dos ganhadores do maior prêmioda loto. Peixoto disse que ia gastar todo o dinheiro na compra deuma fazenda. Lygia Fagundes Telles é uma das principais escritoras brasileirasda atualidade. Lygia é autora de “Antes do baile verde”, um dosmelhores livros de contos de nossa literatura. 10 – Metonímia – é o processo de substituição de uma palavra poroutra, fundamentalmente numa relação de contiguidadesemântica. Ex.: O governo tem se preocupado com os índices de inflação. OPlanalto diz que não aceita qualquer remarcação de preço. Santos Dumont chamou atenção de toda Paris. O Sena curvou-sediante de sua invenção.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  8. 8.  11 – Advérbios pronominais (aqui, ali, lá, aí) Ex. Não podíamos deixar de ir ao Louvre. Lá está aobra-prima de Leonardo da Vinci: a “Mona Lisa”. 12 – Associação – Na associação, uma palavra retomaoutra porque mantém com ela, em determinadocontexto, vínculos de significação. Ex. São Paulo é sempre vítima das enchentes de verão.Os alagamentos prejudicam o trânsito, provocandoengarrafamentos de até 200 quilômetros. Obs. A palavra alagamentos surgiu por estar associadaa enchentes. Mas poderia ter sido usada outra, comotranstornos, acidentes, transbordamento do Tietê etc.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  9. 9.  Atividade 01 – Utilizando os recursos de coesão, substitua oselementos repetidos quando necessário. A – O Brasil vive uma guerra civil diária e sem trégua.No país que se orgulha da índole pacífica e hospitaleirade seu povo, a sociedade organizada ou não para essefim promove a matança impiedosa e fria de crianças eadolescentes. Pelo menos sete milhões de menores,segundo estudos do Fundo das Nações Unidas para aInfância (Unicef), vivem nas ruas das cidadesbrasileiras.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  10. 10.  B – A poesia às vezes se impõe por sua própria força.Mesmo quem nunca leu Carlos Drummond deAndrade sabe que ele é um grande poeta. Drummondmarcou não só a literatura brasileira, mas também avida cotidiana de muitas pessoas com suas crônicaspublicadas no Jornal do Brasil. Sua poesia também sepreocupou com a nossa vida diária (o nosso dia-a-dia).Nesses momentos a poesia de drummondiana nos fazrefletir sobre sentimentos advindos de certos fatosque, ditos de outra forma, não nos teriam ticado tanto.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  11. 11.  Todos ficam sempre atentos quando se fala de mais umcasamento de Elizabeth Taylor. Casadoura inveterada,ela já está em sua oitava união. Agora, diferentementedas vezes anteriores, Liz Taylor casou-se com homem dopovo que [elipse] encontrou numa clínica paratratamento de alcoólatras, onde ela também estava.Com toda pompa, a cerimônia foi realizada na casa docantor Michael Jackson e a imprensa ficou proibida deassistir ao enlace da famosa atriz com um homemcomum. Ninguém sabe se será o seu último casamento.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  12. 12.  02 – Identifique no texto a seguir todos os termos queretomam as palavras em itálico. A – Em outubro de 1839 Paris ainda possuía a mesma místicaembriagadora que Chopin experimentara ao chegar lá emsetembro de 1831. A ausência de 11 meses só servira paraaumentar seu apaixonado fascínio pela magnífica metrópoleespraiada ao longo das sinuosas margens do Sena. Parishavia-se tornado a amante de Chopin muito antes de eleconhecer Mme. Sand e durante vários anos subsequentessuas afeições ficaram divididas entre as duas. Ambas aadoravam, do mesmo modo que eram, por sua vez, cultuadaspor ele, e ambas eram essenciais à sua existência. Com a saúdedebilitada, o jovem músico não podia sobreviver ao estímulode uma sem o amparo da outra.Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  13. 13.  Paris – lá ; magnífica metrópole espraiada ao longodas sinuosas margens do Sena; Paris; uma (em “sem oestímulo de uma”). Chopin – seu (apaixonado fascínio); Chopin; ele(conhecer); suas (afeições); o (adoravam); por ele; sua(experiência); o jovem músico. Mme. Sand – outra (em “sem o amparo da outra”). Paris e Mme. Sand – as duas; ambas; elas (“eramcultuadas”); sua (“por sua vez”).Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  14. 14. Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com
  15. 15. Redação – Prof. João MendonçaBlog - http://profjcmendonca.blogspot.com

×