SlideShare uma empresa Scribd logo

Absolutismo

1 de 2
Baixar para ler offline
Absolutismo - Sistema politico dos seculos XVII e XVIII na Europa e que se caracterizava pela concentração de todo o poder no Rei
A origem do poder real era divina, o que tornava "sagrada" aos olhos dos súbditos, logo a sua obediência deveria ser total.
Fundamentos do Poder Real





Divino/Sagrado = O poder do Rei vem de Deus
Paternal = “Pai” do povo que deve proteger
Absoluto = Concentração de poderes (legislativo, judicial e executivo)
Racionalidade = Inteligência de bem governar (Rei é bondoso, generoso…)

Limitações/Deveres
 Utilização do poder real para bem público;
 Assegurar o bem-estar das populações;
 Respeitar as tradições e leis consuetudinárias.

O rei absoluto concentra em si toda a autoridade do Estado: ele legisla, ele executa, ele julga.
Os monarcas absolutos dispensam o auxílio das outras forças políticas. No entanto, abolir qualquer instituição seria uma afronta aos
privilégios estabelecidos que ao rei cabia preservar; Qualquer atropelo às leis fundamentais era olhado com desagrado e condenação.
O rei torna-se, assim, o garante da ordem social estabelecida. Qualquer tentativa feita no sentido de a alterar é vista como um desrespeito
do direito consuetudinário e quebra do juramente prestado.

Encenação do Poder
Tal como Luís XIV (rei sol) é o paradigma do rei absoluto, Versalhes é o paradigma da corte real.
Esta sociedade da corte servia de modelo aos que aspiravam à grandeza, pois representava o cume do poder e da influência.
Luís XIV tinha um sentido notável dos efeitos da propaganda. Por isso, a vida em Versalhes era uma encenação do poder e da grandeza do
soberano. Cada gesto do monarca adquiria um significado social ou mesmo político e diplomático. Todos estavam pendentes dele. O rei e a
sua família representavam o poder em todas as circunstâncias e mesmo os mais triviais atos do quotidiano se transformaram em cerimónias
semipúblicas, carregadas de protocolo e significado institucional.
O absolutismo joanino
D. João V procurou ser como Luís XIV:







Rei absoluto;
Ostentação e luxo;
Encenação do poder;
Controlo apertado da administração;
Mecenas da cultura e arte (Construção de edifícios);
Diplomacia reconhecido na Europa.

Além da recusa em reunir Cortes e do controlo pessoal que exerceu sobre a administração pública, D. João V procurou sempre expressar a
sua superioridade face à nobreza. Tal como Rei-Sol, D. João V realça a figura régia através do luxo e da etiqueta. O rei é o centro das
atenções e do poder. Em plena época barroca, o brilho e a ostentação significavam autoridade e poder. A construção do Convento de Mafra
só demonstra ainda mais o quanto as minas de ouro do Brasil contribuíram para este reinado glorioso e ostentoso.

Recomendados

04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4Vítor Santos
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugalVítor Santos
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História AAna Catarina
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeiaVítor Santos
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3Vítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
O absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumoO absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumoEscoladocs
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoBarbaraSilveira9
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 

Mais procurados (20)

Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumoO absolutismo régio resumo
O absolutismo régio resumo
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 

Destaque

Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUEJoana Filipa Rodrigues
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IJoana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIJoana Filipa Rodrigues
 
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaJoana Filipa Rodrigues
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIJoana Filipa Rodrigues
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalJoana Filipa Rodrigues
 

Destaque (20)

Sistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUESistema Político da União Europeia - SPUE
Sistema Político da União Europeia - SPUE
 
Policy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on BrexitPolicy Memorandum on Brexit
Policy Memorandum on Brexit
 
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais IApontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
Apontamentos de Teoria das Relações Internacionais I
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte II
 
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União EuropeiaO acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
O acordo de associação: Ucrânia e União Europeia
 
Parques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologiaParques de ciências e tecnologia
Parques de ciências e tecnologia
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
 
O bom uso da retórica
O bom uso da retóricaO bom uso da retórica
O bom uso da retórica
 
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte IIIImpacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
Impacto dos fluxos migratórios numa sociedade parte III
 
Falácias informais
Falácias informaisFalácias informais
Falácias informais
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
Estratégias de persuasão
Estratégias de persuasãoEstratégias de persuasão
Estratégias de persuasão
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Silogismos
SilogismosSilogismos
Silogismos
 
A Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte IA Crise dos Refugiados parte I
A Crise dos Refugiados parte I
 
Tentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterraTentativas absolutistas em inglaterra
Tentativas absolutistas em inglaterra
 
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
O Iluminismo (ou Filosofia das luzes)
 
Conferência de Berlim
Conferência de BerlimConferência de Berlim
Conferência de Berlim
 
Modelo Demografico Antigo e Novo
Modelo Demografico Antigo e NovoModelo Demografico Antigo e Novo
Modelo Demografico Antigo e Novo
 

Semelhante a Absolutismo

Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoJoanaRitaSilva
 
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013historiando
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptNunoFilipeFelixFaust
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia socialEscoladocs
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).pptAnabela Costa
 
Texto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - AbsolutismoTexto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - AbsolutismoPIBID HISTÓRIA
 
Texto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismoTexto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismoEmilia Andrade
 
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoCarla Teixeira
 
aula_absolutismo_12.pptx
aula_absolutismo_12.pptxaula_absolutismo_12.pptx
aula_absolutismo_12.pptxRafaelGalvo29
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpPéricles Penuel
 

Semelhante a Absolutismo (20)

Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
Caderno diário O Absolutismo n.º6 1415
 
Absolutismo 1
Absolutismo 1Absolutismo 1
Absolutismo 1
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo 2013
Absolutismo   2013Absolutismo   2013
Absolutismo 2013
 
Absolutismo 2014
Absolutismo   2014Absolutismo   2014
Absolutismo 2014
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
 
Caderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo RégioCaderno diário O Absolutismo Régio
Caderno diário O Absolutismo Régio
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
 
Texto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - AbsolutismoTexto Introdutório - Absolutismo
Texto Introdutório - Absolutismo
 
Texto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismoTexto introdutório absolutismo
Texto introdutório absolutismo
 
O ab solutismo
O ab solutismoO ab solutismo
O ab solutismo
 
O absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º anoO absolutismo 11º ano
O absolutismo 11º ano
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
aula_absolutismo_12.pptx
aula_absolutismo_12.pptxaula_absolutismo_12.pptx
aula_absolutismo_12.pptx
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
Prova de historia 2ano 3bimestre
Prova de historia 2ano 3bimestreProva de historia 2ano 3bimestre
Prova de historia 2ano 3bimestre
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)Joana Filipa Rodrigues
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxJoana Filipa Rodrigues
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joana Filipa Rodrigues
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoJoana Filipa Rodrigues
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoJoana Filipa Rodrigues
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1Joana Filipa Rodrigues
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 

Mais de Joana Filipa Rodrigues (20)

O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
O Acordo Nuclear entre o Irão e o P5 + 1/UE (2015)
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Soberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by SorensenSoberania - Sovereignty by Sorensen
Soberania - Sovereignty by Sorensen
 
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
Joint Comprehensive Plan of Action - JCPOA (2015)
 
Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?Comunidade Europeia: OPNI?
Comunidade Europeia: OPNI?
 
Victor Gavin
Victor GavinVictor Gavin
Victor Gavin
 
Liberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. IgualdadeLiberdade vs. Igualdade
Liberdade vs. Igualdade
 
Globalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos HumanosGlobalização e Direitos Humanos
Globalização e Direitos Humanos
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Fidel Castro
Fidel CastroFidel Castro
Fidel Castro
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
O racionalismo de Descartes
O racionalismo de DescartesO racionalismo de Descartes
O racionalismo de Descartes
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
As TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impactoAs TIC e o seu impacto
As TIC e o seu impacto
 
Evolução Democrática
Evolução DemocráticaEvolução Democrática
Evolução Democrática
 

Último

2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 

Último (20)

Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 

Absolutismo

  • 1. Absolutismo - Sistema politico dos seculos XVII e XVIII na Europa e que se caracterizava pela concentração de todo o poder no Rei A origem do poder real era divina, o que tornava "sagrada" aos olhos dos súbditos, logo a sua obediência deveria ser total. Fundamentos do Poder Real     Divino/Sagrado = O poder do Rei vem de Deus Paternal = “Pai” do povo que deve proteger Absoluto = Concentração de poderes (legislativo, judicial e executivo) Racionalidade = Inteligência de bem governar (Rei é bondoso, generoso…) Limitações/Deveres  Utilização do poder real para bem público;  Assegurar o bem-estar das populações;  Respeitar as tradições e leis consuetudinárias. O rei absoluto concentra em si toda a autoridade do Estado: ele legisla, ele executa, ele julga. Os monarcas absolutos dispensam o auxílio das outras forças políticas. No entanto, abolir qualquer instituição seria uma afronta aos privilégios estabelecidos que ao rei cabia preservar; Qualquer atropelo às leis fundamentais era olhado com desagrado e condenação. O rei torna-se, assim, o garante da ordem social estabelecida. Qualquer tentativa feita no sentido de a alterar é vista como um desrespeito do direito consuetudinário e quebra do juramente prestado. Encenação do Poder Tal como Luís XIV (rei sol) é o paradigma do rei absoluto, Versalhes é o paradigma da corte real. Esta sociedade da corte servia de modelo aos que aspiravam à grandeza, pois representava o cume do poder e da influência. Luís XIV tinha um sentido notável dos efeitos da propaganda. Por isso, a vida em Versalhes era uma encenação do poder e da grandeza do soberano. Cada gesto do monarca adquiria um significado social ou mesmo político e diplomático. Todos estavam pendentes dele. O rei e a
  • 2. sua família representavam o poder em todas as circunstâncias e mesmo os mais triviais atos do quotidiano se transformaram em cerimónias semipúblicas, carregadas de protocolo e significado institucional. O absolutismo joanino D. João V procurou ser como Luís XIV:       Rei absoluto; Ostentação e luxo; Encenação do poder; Controlo apertado da administração; Mecenas da cultura e arte (Construção de edifícios); Diplomacia reconhecido na Europa. Além da recusa em reunir Cortes e do controlo pessoal que exerceu sobre a administração pública, D. João V procurou sempre expressar a sua superioridade face à nobreza. Tal como Rei-Sol, D. João V realça a figura régia através do luxo e da etiqueta. O rei é o centro das atenções e do poder. Em plena época barroca, o brilho e a ostentação significavam autoridade e poder. A construção do Convento de Mafra só demonstra ainda mais o quanto as minas de ouro do Brasil contribuíram para este reinado glorioso e ostentoso.