SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA DA FEIRA



                       Origens da Revolução Francesa




No princípio do Verão de 1789, Paris está febril. Após vários meses, a situação
é difícil. O Inverno de 1788 foi duro, e as colheitas foram desastrosas. Na
Primavera, tempestades e chuvas sucederam-se, anunciando sombrias
perspectivas para as futuras colheitas. O preço do pão passou de oito soldos
para vinte, em poucos dias. Marceneiros e ensambladores do bairro de Saint-
Antoine, sapateiros e estofadores do bairro de Saint-Marcel, peixeiras das
Halles que não ganham mais de trinta soldos por dia, murmuram contra os
governantes e os comerciantes de cereais. Pelo menos, espera-se que os
deputados    dos    Estados    Gerais   trabalhem     para   um    futuro   melhor.
Os movimentos de tropas à volta de Paris inquietam, porém, a população. A 12
de Julho, a demissão por Luís XVI do popular ministro Necker leva ao auge a
exasperação. (...) Tumultos, incidentes e pilhagens de casas de armeiros
multiplicam-se. Na manhã de 14 de Julho, uma multidão considerável,
arvorando emblema vermelho e azul, as cores da cidade de Paris, invade o
edifício dos Inválidos e distribui 40 000 espingardas e 12 canhões que aí se
encontram. Mas a pólvora e as munições estão na Bastilha... A enorme
fortaleza a leste de Paris, que Luís XVI já considerara mandar arrasar, torna-se
o objectivo dos amotinados. Este símbolo do absolutismo cai nas mãos deles
durante a tarde.

        Adaptado de A Era das Revoluções, col. "A História dos Homens", Lello & Irmão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 aula 8 formação e independência dos eua
2   aula 8 formação e independência dos eua2   aula 8 formação e independência dos eua
2 aula 8 formação e independência dos euaprofdu
 
D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)Helena
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônicasegundocol
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Imigração
ImigraçãoImigração
ImigraçãoJonas
 
O dia em que cv morreu
O dia em que cv morreuO dia em que cv morreu
O dia em que cv morreumiovi
 
6 apresentação periodo joanino estagio
6  apresentação periodo joanino estagio6  apresentação periodo joanino estagio
6 apresentação periodo joanino estagioaridu18
 
A corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasilA corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasilAlexandre Elias
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Vienaisameucci
 
A HistóRia De Nova Friburgo
A HistóRia De Nova FriburgoA HistóRia De Nova Friburgo
A HistóRia De Nova FriburgoValéria Martins
 

Mais procurados (17)

mh8_ppt4.pptx
mh8_ppt4.pptxmh8_ppt4.pptx
mh8_ppt4.pptx
 
O Absolutismo
O AbsolutismoO Absolutismo
O Absolutismo
 
2 aula 8 formação e independência dos eua
2   aula 8 formação e independência dos eua2   aula 8 formação e independência dos eua
2 aula 8 formação e independência dos eua
 
Período Joanino
Período JoaninoPeríodo Joanino
Período Joanino
 
D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)D.Carlos (Lacrimosa)
D.Carlos (Lacrimosa)
 
Artigo "Retornados da Troika" (Jornal de Negócios)
Artigo "Retornados da Troika" (Jornal de Negócios)Artigo "Retornados da Troika" (Jornal de Negócios)
Artigo "Retornados da Troika" (Jornal de Negócios)
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Imigração
ImigraçãoImigração
Imigração
 
O dia em que cv morreu
O dia em que cv morreuO dia em que cv morreu
O dia em que cv morreu
 
D.Carlos
D.CarlosD.Carlos
D.Carlos
 
Rf1
Rf1Rf1
Rf1
 
6 apresentação periodo joanino estagio
6  apresentação periodo joanino estagio6  apresentação periodo joanino estagio
6 apresentação periodo joanino estagio
 
A corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasilA corte portuguesa no brasil
A corte portuguesa no brasil
 
Família real no brasil
Família real no brasilFamília real no brasil
Família real no brasil
 
Era Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de VienaEra Napoleônica e Congresso de Viena
Era Napoleônica e Congresso de Viena
 
A HistóRia De Nova Friburgo
A HistóRia De Nova FriburgoA HistóRia De Nova Friburgo
A HistóRia De Nova Friburgo
 

Semelhante a Origens da revolução francesa

revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfJUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541JUNIOR MADRUGA MADRUGA
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução FrancesaDiego Silva
 
_ Revolução Francesa Especial
_ Revolução Francesa Especial_ Revolução Francesa Especial
_ Revolução Francesa EspecialLela Leite
 
Revista de história barbara
Revista de história barbaraRevista de história barbara
Revista de história barbaraThomas Custodio
 
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriaOs aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriathunderbold
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaÓcio do Ofício
 
A revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a quedaA revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a quedaJaime Fernandes
 

Semelhante a Origens da revolução francesa (20)

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdfrevoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
revoluofrancesa-090608171102-phpapp02-170603150541.pdf
 
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
Revoluofrancesa 090608171102-phpapp02-170603150541
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
_ Revolução Francesa Especial
_ Revolução Francesa Especial_ Revolução Francesa Especial
_ Revolução Francesa Especial
 
Revista de história barbara
Revista de história barbaraRevista de história barbara
Revista de história barbara
 
5 de outubro
5 de outubro5 de outubro
5 de outubro
 
5 de outubro
5 de outubro5 de outubro
5 de outubro
 
5 de outubro
5 de outubro5 de outubro
5 de outubro
 
Nova friburgo
Nova friburgoNova friburgo
Nova friburgo
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de históriaOs aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
Os aldeamentos indigenas no rio branco eletiva de história
 
História do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesaHistória do brasil, invasões holandesas e francesa
História do brasil, invasões holandesas e francesa
 
A era napoleônica
A era napoleônicaA era napoleônica
A era napoleônica
 
A revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a quedaA revolu‡æo republicana a e a queda
A revolu‡æo republicana a e a queda
 
Quix0
Quix0Quix0
Quix0
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução..
Revolução..Revolução..
Revolução..
 

Mais de Lucilia Fonseca

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Lucilia Fonseca
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Lucilia Fonseca
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivotaLucilia Fonseca
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marLucilia Fonseca
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibLucilia Fonseca
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Lucilia Fonseca
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)Lucilia Fonseca
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraLucilia Fonseca
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Lucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 

Mais de Lucilia Fonseca (20)

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
 
Recursos expressivos
Recursos expressivos Recursos expressivos
Recursos expressivos
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivota
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o mar
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Agostinho neto
Agostinho netoAgostinho neto
Agostinho neto
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLib
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leitura
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Origens da revolução francesa

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA DE SANTA MARIA DA FEIRA Origens da Revolução Francesa No princípio do Verão de 1789, Paris está febril. Após vários meses, a situação é difícil. O Inverno de 1788 foi duro, e as colheitas foram desastrosas. Na Primavera, tempestades e chuvas sucederam-se, anunciando sombrias perspectivas para as futuras colheitas. O preço do pão passou de oito soldos para vinte, em poucos dias. Marceneiros e ensambladores do bairro de Saint- Antoine, sapateiros e estofadores do bairro de Saint-Marcel, peixeiras das Halles que não ganham mais de trinta soldos por dia, murmuram contra os governantes e os comerciantes de cereais. Pelo menos, espera-se que os deputados dos Estados Gerais trabalhem para um futuro melhor. Os movimentos de tropas à volta de Paris inquietam, porém, a população. A 12 de Julho, a demissão por Luís XVI do popular ministro Necker leva ao auge a exasperação. (...) Tumultos, incidentes e pilhagens de casas de armeiros multiplicam-se. Na manhã de 14 de Julho, uma multidão considerável, arvorando emblema vermelho e azul, as cores da cidade de Paris, invade o edifício dos Inválidos e distribui 40 000 espingardas e 12 canhões que aí se encontram. Mas a pólvora e as munições estão na Bastilha... A enorme fortaleza a leste de Paris, que Luís XVI já considerara mandar arrasar, torna-se o objectivo dos amotinados. Este símbolo do absolutismo cai nas mãos deles durante a tarde. Adaptado de A Era das Revoluções, col. "A História dos Homens", Lello & Irmão