O mundo saido da guerra

4.806 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
210
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O mundo saido da guerra

  1. 1. Escola EB 2,3 D. João I da Baixa da Banheira O mundo saído da Guerra Trabalho elaborado por: Joana Sofia Ferreira, nº15 9ºA Ano Lectivo: 2010/2011 Disciplina: História Professora: Filipa Teixeira Classificação: ____________________ 0
  2. 2. ÍndiceIntrodução.................................................................................................. 2Comunismo e Capitalismo – Política de Blocos........................................... 3 O Plano Marshall e a NATO (EUA) ........................................................... 3 O Comecon e o Pacto de Varsóvia (URSS) ................................................ 4O conflito entre blocos – A Guerra Fria ...................................................... 5 Principais conflitos .................................................................................. 6Os primeiros movimentos de independência ............................................. 7Conclusão ................................................................................................... 9Bibliografia ............................................................................................... 10 1
  3. 3. Introdução Em 1945, com o terminar da Segunda Guerra, o Mundo conheceuuma nova realidade. O número de mortes ascendeu as 60 milhões, contabilizadas devido acombates, fomes e doenças. O povo judeu sofreu uma considerável redu-ção populacional devido ao holocausto, estimando-se cerca de 6 milhõesde mortes. Como agravante, apresentava-se uma Europa por reconstruir,danificada pela guerra, políticas para restaurar e uma economia depen-dente de outros países não tão prejudicados pelo efeito da Guerra – osEstados Unidos e a União Soviética. Estabeleceu-se então uma política de blocos, que será explicada aolongo deste trabalho, com o objectivo de uma melhor contextualização doque foi o pós-guerra de um dos acontecimentos mais marcantes de que aHistória tem memória. Figura 1 Figura 2 Vitória soviética em Berlim, Alemanha. Cemitério militar nos Estados Unidos da América. Existem vários cemitérios como este, onde jazem milhares de combatentes da Segunda Guerra Mundial. 2
  4. 4. Comunismo e Capitalismo – Política de Blocos Os Estados Unidos e a União Soviética, que tinham sido aliados naSegunda Guerra Mundial, saíram das conferências de Ialta e de Potsdamcom posições políticas diferentes. Os EUA defendiam uma política capita-lista, enquanto a União Soviética adoptava uma politica comunista. Assim,com ideologias e interesses diferentes, estas duas superpotências forma-ram dois blocos opostos. O Plano Marshall e a NATO (EUA) Os Estados Unidos, que não sofreramos efeitos materiais da Guerra, passarama assegurar cerca de 60% da produçãomundial, sobretudo no sector do arma-mento, e controlavam o comércio inter-nacional, detendo dois terços do stock deouro a nível mundial, provenientes dosempréstimos aos países aliados. Desta forma, defensores do sistemacapitalista, os Estados Unidos procuraramtravar a expansão do comunismo. Em1947, o então presidente, Harry Truman,chamou a Europa a participar num projec- Figura 3 “Independentemente doto que visava a recuperação económica e tempo, temos de nos moverfinanceira desse mesmo continente. O juntos” – Cartaz alusivo ao Plano Marshall.Plano Marshall, como era chamado esseprojecto, incluía, se necessário, apoio mili-tar. Tendo aderido 17 países ao Plano, foi criada a Organização Europeiade Cooperação Económica, com o objectivo de controlar a utilização dosmilhões de dólares emprestados à Europa. Em termos militares, a superioridade americana prevalece até hoje,tendo os EUA estabelecido uma rede de inúmeras bases militares por todo 3
  5. 5. o mundo, prontas a actuar em caso de conflito. Em 1949, a discrepânciaentre os ideais da democracia americana e do comunismo soviético pare-cia colocar a Europa na eminência de um novo conflito mundial. Assim,nesse mesmo ano e com vista a defender o Ocidente, criou-se a Organiza-ção do Tratado do Atlântico Norte (NATO), à qual aderiram os EstadosUnidos e outros onze países. O Comecon e o Pacto de Varsóvia (URSS) Se por um lado os Estados Unidos da América reconheceram a neces-sidade de criar organizações económicas e tratados de protecção milita-res, por outro lado do mundo a União Soviética sentiu essa mesma neces-sidade. Logo após o fim da Guerra, o governo soviético apoiou o estabele-cimento de governos comunistas, em redor do seu território – a Europa deLeste. Assim, em resposta ao Plano Marshall americano, em 1947, criou-sea Kominform, que controlaria e coordenaria a acção dos partidos comunis-tas e em 1949 o Comecon (Conselho de Ajuda Económica Mutua), com oobjectivo de recuperar não só a economia soviética mas também a dasdemocracias populares a si agregadas – Roménia, Checoslováquia, Bulgá-ria, entre outros. Estava assim criado o Bloco de Leste, liderado pela URSS. Militarmente, em resposta à NATO e com o mesmo género de fun-ção, foi criado o Pacto de Varsóvia (1955), assinado pela União Soviética epelos países a ela agregados. URSS Figura 4 Extensão do Pacto de Varsóvia. 4
  6. 6. Como resultado dos dois tratados militares efectuados e das duasdiferentes ideologias políticas em questão, o mundo foi como que divididoem dois, razão pela qual surgiu a expressão “Cortina de Ferro”, que “tra-çava” os limites da Europa Ocidental e da Europa Oriental. Figura 5 “A Cortina de Ferro”, em 1955. De azul estão representados os países aderentes à NATO, e de vermelho a União Soviética e os res- tantes países aderentes ao Pacto de Varsóvia.O conflito entre blocos – A Guerra Fria A tensão e os conflitos indirectos entre os dois blocos arrastaram-sedurante cerca de quinze anos, período que ficou conhecido como GuerraFria, por nunca ter havido um conflito directo. Um dos acontecimentos mais caracterís-ticos deste período foi o Bloqueio de Berlim.No final da Guerra dividiu-se a cidade de Ber-lim, capital alemã, pelas quatro potências –URSS, EUA, Inglaterra e França. Em 1948, astrês últimas, com o objectivo de travar oavanço comunista, uniram economicamenteas zonas que ocupavam em Berlim. Em res-posta, a URSS ordenou o bloqueio terrestreda cidade, tendo os Estados Unidos ordenado Figura 6 Divisão da cidade dea criação de uma ponte aérea para garantir o Berlim após a Segundaabastecimento de Berlim. Em 1949, ocorre a Guerra Mundial.criação da República Federal Alemã (na parteOcidental da cidade) e da República Democrá- 5
  7. 7. tica Alemã (na parte Oriental da cidade). Posteriormente a esta divisão, muitos cidadãos da RDA tentaram mudar-se para a zona de influência dos Alia- dos em busca de melhores condições de vida. Assim, a solução encontrada pelos soviéticos para evitar a fuga, foi a construção do chamado Figura 7 Muro de Berlim em manutenção por um Muro de Berlim, que dividia o operário da RDA. Construído em 1961 e bloco comunista do bloco derrubado em 1989, este muro era democrático. altamente protegido em todo o seu redor. A sua passagem era proibida, e todos os que a tentaram e foram apa- nhados, acabaram por ser executados. Principais conflitos Ainda em 1949, as forçasnacionalistas chinesas foram força-das a abandonar o poder, frente àsforças comunistas de Mao Tsé-Tung,apoiado pela URSS de Estaline. Entre 1950 e 1953, a Coreia doNorte, comunista, opôs-se à Coreia Figura 8do Sul então auxiliada pelos Estados Estaline e Mao Tsé-Tung, umaUnidos da América. A Coreia do Nor- aliança comunista.te contou com o apoio da URSS, eno final do confronto contaram-semais de um milhão e meio de mortos. Mas a situação de maior tensão na Guerra Fria foi a crise dos mísseisde Cuba, em 1962. Cuba (então governada por Fidel Castro), tinha umgoverno socialista, ou seja, aliado dos soviéticos, que instalaram na ilha 6
  8. 8. uma base de mísseis. Receosos com a proximidade e com um possívelataque, os EUA lançaram um ultimato a Cuba, exigindo a retirada doarmamento. Todos estes acontecimentos aumentaram a tensão entre os dois blo-cos. Conscientes do armamento de ambos, americanos e soviéticos com-preendiam a possibilidade de vir a ocorrer uma guerra nuclear, dado queambas as potências já possuíam armamento nuclear. Talvez devido a estaconsciência, as potências nunca se tenham envolvido em situações béli-cas, mantendo sempre uma mínima política de coexistência pacífica.Os primeiros movimentos de independência Pela mesma altura, surgiu uma onda anti-colonialista no continente asiático e mais tardeno africano. Desta forma, entre 1946 e 1975,foram vários os novos países que conquista-ram a sua independência, não sendo Goa (ter-ritório até então português) uma excepção.Por esta causa lutaram grandes nomes comoGandhi (na Índia), Sukarno (na Indonésia) eSenghor (no Senegal). Figura 9 Na base destes movimentos pela liberta- Mahatma Gandhi, luta-ção nacional estiveram presentes factores dor pela independência da Índia.como: A situação económica da Europa no pós-guerra, que acentuou a inca- pacidade de gerir os seus impérios ultramarinos, tendo assim que se desfazer dos mesmos, reconhecendo a sua independência; Os EUA e a URSS, que censuravam o colonialismo europeu e apoiavam os movimentos de libertação, de modo a alargar as suas áreas de influência; 7
  9. 9.  A defesa, por parte da ONU, do direito dos povos à autodeterminação e independência. Na Índia e no Paquistão, o movimento de autonomia foi pacífico, soba orientação de Gandhi. Por outro lado, em locais como a Indochina, alibertação ocorreu após diversos conflitos armados e, na Indonésia, devidoa pressões internacionais. Em 1955, o grupo de países que conquistara a sua soberania nacionale estatal, reuniu-se na Conferência de Bandung, com o objectivo de alar-gar a todos os territórios o princípio da autodeterminação. Figura 10 Conferência de Bandung, na Indonésia, onde estiveram presentes países como o Afeganistão, Arábia Saudita, Birmânia, Paquistão, Nepal, Iraque, entre outros. 8
  10. 10. Conclusão O período pós-guerra foi, então, um período de grandes mudançaseconómicas e sociais, acima de tudo caracterizadas pela tensão e peloreceio de uma guerra nuclear entre o bloco ocidental – com os EstadosUnidos à frente – e o bloco de leste – com a URSS à frente. Para além dos conflitos armados, o pós-guerra, agora caracterizadopor Guerra Fria, teve outros desafios – mudanças bruscas nos estilos devida das populações a nível mundial, corridas na investigação militar e atéa corrida ao espaço, na qual os EUA e a URSS se viram empenhadosdurante longos anos. Curiosamente, podemos ainda hoje ver os resultados dos aconteci-mentos retratados. As guerras no Médio Oriente foram e são, para alémde um reflexo do fanatismo religioso, uma demonstração da constantesuperioridade de algumas facções como os Estados Unidos sobre essemesmo território e no mundo em geral. 9
  11. 11. Bibliografia Para a realização deste trabalho, recorri às seguintes fontes:Manuais, livros e afins: - BARREIRA, Aníbal; MOREIRA, Mendes – “Sinais da História – 9ºANO”, 1ª Edição, Edições ASA, 2009 - CIRNE, Joana; HENRIQUES, Marília – “Cadernos de História 9”, ArealEditores 10

×