Maria Joana MoraisIluminismo
Índice   Introdução   Definição   Origem do Iluminismo   Ideologia Iluminista   Fundadores do Iluminismo   Pensadore...
IntroduçãoProponho-me a realizar o presente trabalho, que tem como tema oIluminismo, com o objetivo de dar a conhecer a to...
DefiniçãoO Iluminismo é a corrente de pensamento dominante no séculoXVIII, que defende o predomínio da razão sobre a fé e ...
Origem do IluminismoO iluminismo tem origem no Renascimento, o primeiro grandemomento de construção de uma cultura burgues...
Origem do IluminismoPor isso, políticos, diplomatas, homens de letras e cientistasdeixaram-se, então, dominar por uma filo...
Ideologia IluministaOs princípios do Iluminismo estavam relacionados com o comércio, uma dasprincipais atividades económic...
Fundadores do Iluminismo   Jonannes Kepler (1571-1630) contribuíu para que ocorresse arevolução científica no século XVII-...
Fundadores do IluminismoIsaac Newton (1642-1727) identificou o princípio da gravidadeuniversal e fundamentou os seus estud...
Pensadores IluministasJohn Locke era um filósofo inglês, que expôs suas ideiaspolíticas na sua obra “Tratado do Governo Cí...
Pensadores IluministasMontesquieu defendia a separação dos poderes.Charles Louis de Secondat (1689-1755), jurista francês,...
Pensadores IluministasVoltaire crítica a Igreja e a liberdade de pensamento. Um dosmais famosos pensadores do Iluminismo d...
Exemplo paradigmáticoEm Portugal…Marquês de Pombal nasceu em Lisboa, em 1699. Apesar depertencer a uma família Nobre, os s...
Exemplo paradigmáticoDefendia o Absolutismo, que é a ideia de que todos os poderes devemestar nas mãos do rei. Foi por iss...
Exemplo paradigmáticoMarquês de Pombal era também fortemente influenciado peloIluminismo, pois este insere se no quadro do...
Tendo, um poeta português chamado Bocage, apresentado oiluminismo do Marquês de Pombal ao Liberalismo através daentrada do...
Conclusão:Vários foram os representantes deste movimento de apelo aoexercício livre e autónomo da Razão. Atingindo diverso...
Bibliografia e Webgrafia As Razões Do Iluminismo   Autor: Sérgio Paulo Rouanet http://pt.wikipedia.org/wiki/Iluminismo ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj

16.149 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
513
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho sobre iluminismo maria joana morais 11ºj

  1. 1. Maria Joana MoraisIluminismo
  2. 2. Índice Introdução Definição Origem do Iluminismo Ideologia Iluminista Fundadores do Iluminismo Pensadores Iluministas Exemplo paradigmático Conclusão Bibliografia e Webgrafia
  3. 3. IntroduçãoProponho-me a realizar o presente trabalho, que tem como tema oIluminismo, com o objetivo de dar a conhecer a toda a turma aquelacorrente que permitiu lançar as bases para os ideais que hojedefendemos e que jamais podemos deixar cair: a liberdade, aigualdade e a tolerância, consubstanciados na Social Democracia e noLiberalismo Económico.
  4. 4. DefiniçãoO Iluminismo é a corrente de pensamento dominante no séculoXVIII, que defende o predomínio da razão sobre a fé e estabeleceo progresso como destino da humanidade.Ficou conhecido como sendo o Século das Luzes, A Ilustração.
  5. 5. Origem do IluminismoO iluminismo tem origem no Renascimento, o primeiro grandemomento de construção de uma cultura burguesa, na qual arazão e a ciência são as bases para o entendimento do mundo.A palavra Iluminismo originou-se de luz, referindo-se à razão, queconsegue tudo iluminar. Essa era a principal característica dasideias iluministas: a explicação racional para todas as questõesque envolviam a sociedade.
  6. 6. Origem do IluminismoPor isso, políticos, diplomatas, homens de letras e cientistasdeixaram-se, então, dominar por uma filosofia que exaltava arazão subjectiva e crítica como expressão de um novohumanismo. Dá-se, assim, aquilo que alguns autores designamcomo «crise de consciência europeia». Deveria, pois, cultivar-setudo o que esclarecesse o Homem e lhe desse consciência do seumundo.A razão crítica seria a principal responsável pela orientação doespírito em direcção às grandes verdades, que fariam do Homemum ser autónomo e pensante.
  7. 7. Ideologia IluministaOs princípios do Iluminismo estavam relacionados com o comércio, uma dasprincipais atividades económicas da Burguesia.Assim, o Iluminismo defendia a:Igualdade – no comércio, isto é, no ato de compra e venda, todas as eventuaisdesigualdades sociais entre compradores e vendedores não tinham importância. OsIluministas defendiam também que todos deveriam ser iguais perante a lei. Porisso, ninguém teria direito aos privilégios de nascença, como os da Nobreza.Tolerância religiosa – na realização do ato comercial, não importavam as convicçõesreligiosas dos participantes do negócio. Do ponto de vista económico, a Burguesiacompreendeu que seria irracional excluir compradores ou vendedores em funçãodas suas crenças pessoais. Fosse muçulmano, judeu e ou cristão, a capacidadeeconómica das pessoas definia-se pelo “ter” e não pelo “ser”.Liberdade pessoal e social – a atividade comercial burguesa só poderia desenvolver-se numa economia de mercado. Por isso, esta opôs se à escravidão humana e passoua defender uma sociedade livre. Afinal, sem trabalhadores com direito àliberdade, que recebessem salários, não poderia haver mercado comercial.
  8. 8. Fundadores do Iluminismo Jonannes Kepler (1571-1630) contribuíu para que ocorresse arevolução científica no século XVII-XVIII, demonstrando as trêsleis básicas do movimento planetário.- A primeira lei afirmava que os planetas do sistema solar giravam à volta do Sol e descreviam órbitas elípticas, aproximadamente circulares. A segunda lei, consistia na velocidade do movimento que se adaptava à posição do planeta na curva elíptica de modo uniforme, ainda que não constante. E, por fim, a terceira lei que estabelecia uma proporção fixa entre o raio da órbita e o tempo que o planeta leva para descrevê-la.
  9. 9. Fundadores do IluminismoIsaac Newton (1642-1727) identificou o princípio da gravidadeuniversal e fundamentou os seus estudos na ideia de que oUniverso foi criado por Deus e que é governado por leis físicas.Como também defendeu a experiência como meio defundamentação.
  10. 10. Pensadores IluministasJohn Locke era um filósofo inglês, que expôs suas ideiaspolíticas na sua obra “Tratado do Governo Cívil” ondedefendia principalmente a vida, a liberdade e a propriedadecomo direitos humanos naturais. Ensinava que os governoshaviam surgido em função de um contrato estabelecidoentre os homens que visava a preservação desses direitos.Assim, caso o governante não cumprisse essa sua razão deser, a sociedade teria direito à à substituição do Estadotirânico. Locke negava, desta forma, o absolutismomonárquico, fundando o liberalismo político.
  11. 11. Pensadores IluministasMontesquieu defendia a separação dos poderes.Charles Louis de Secondat (1689-1755), jurista francês, escreveu“O Espírito das Leis”. Nesta obra, defendeu a separação dospoderes do Estado em: legislativo, executivo e judiciário, comoforma de evitar abusos dos governantes e de proteger asliberdades individuais.
  12. 12. Pensadores IluministasVoltaire crítica a Igreja e a liberdade de pensamento. Um dosmais famosos pensadores do Iluminismo devido ao seu estiloliterário irónico, destacou-se pelas críticas ao Clero católico, àintolerância religiosa e à tirania dos poderosos. Em termospolíticos não era propriamente um democrata, mas sim odefensor de uma monarquia respeitadora das liberdadesindividuais, governada por um soberano “esclarecido”. Ficoumarcado por frases de impato tipo: “O povo tolo e bárbaroprecisa de uma canga, de um aguilhão e feno” e,“Posso nãoconcordar com nenhuma das palavras que você diz, masdefenderei até a morte o direito de você dizê-las”.
  13. 13. Exemplo paradigmáticoEm Portugal…Marquês de Pombal nasceu em Lisboa, em 1699. Apesar depertencer a uma família Nobre, os seus pais não tinham muitodinheiro. Mesmo assim, estudou na Universidade de Coimbra.Entre 1738 e 1749, representou Portugal em Londres(Inglaterra) e em Viena (Áustria) em missões diplomáticas.Quando D. José subiu ao trono, depois da morte de D. JoãoV, Marquês de Pombal foi chamado de volta à corte de Lisboapara ser ministro deste Rei, dando lhe assim dois títulos queestavam na sua posse. Primeiro, ganhou o título de Conde deOeiras, em 1759, e, depois, o de Marquês de Pombal, em 1769.
  14. 14. Exemplo paradigmáticoDefendia o Absolutismo, que é a ideia de que todos os poderes devemestar nas mãos do rei. Foi por isso que tomou uma série de medidas paralhe dar mais poder e retirá-lo a classes sociais como o Clero. Com esseobjectivo, protegeu o comércio português, criou companhiasmonopolistas, reformou a Universidade de Coimbra e reorganizou oexército. Tudo isto para dar mais poder ao rei, mas era o Marquês quetinha tudo nas mãos!Além das reformas que fez, Marquês de Pombal tornou-se uma figuramuito importante na História de Portugal por causa do terramoto deLisboa, que aconteceu em 1755.Depois do terramoto, este ficou responsável pela reconstrução da cidade.Reconstruindo assim, a baixa lisboeta com todas as ruas paralelas eperpendiculares. Para prevenir também a destruição de casas mandoualterar o modo de construção destas (antiterramotos).É por isso que a baixa lisboeta é conhecida como “Baixa Pombalina”.
  15. 15. Exemplo paradigmáticoMarquês de Pombal era também fortemente influenciado peloIluminismo, pois este insere se no quadro do despotismoesclarecido, em que monarcas, sem abandonar o poderabsolutista, adotam algumas práticas e princípios liberais.Daí, uma série de medidas e reformas que acabaram por torná-louma figura polémica na História portuguesa. Tais como, porexemplo, foi ele o principal responsável pela expulsão dosJesuítas (membros de uma ordem religiosa católica).
  16. 16. Tendo, um poeta português chamado Bocage, apresentado oiluminismo do Marquês de Pombal ao Liberalismo através daentrada do Neoclasicismo.“Monstro que em pranto, em sangue a fúria cevas,Que emmil quadros horríficos te enlevas, Obra da Iniquidade e doAteísmo: Assanhas o danado Fanatismo, Porque te escore o tronoonde te enlevas; Por que o sol da Verdade envolva em trevas Esepulte a Razão num denso abismo. Da sagrada Virtude o colopisas, E aos satélites vis da prepotência De crimes infernais o planogizas,Mas, apesar da bárbara insolência, Reinas só no extrior, nãotiranizas Do livre coração a independência.”
  17. 17. Conclusão:Vários foram os representantes deste movimento de apelo aoexercício livre e autónomo da Razão. Atingindo diversos países daEuropa, bem como os EUA, o Iluminismo derrubou, assim, toda aestrutura socioeconómica e política que marcou o AbsolutismoRégio: a razão oprimida, o Mercantilismo, o Absolutismo davamassim lugar aos ideais da Razão autónoma, da liberdade, daigualdade, da democracia, do liberalismo económico…Era o Século das Luzes...
  18. 18. Bibliografia e Webgrafia As Razões Do Iluminismo Autor: Sérgio Paulo Rouanet http://pt.wikipedia.org/wiki/Iluminismo http://www.citi.pt/cultura/temas/frameset_iluminismo.html http://educacao.uol.com.br/disciplinas/filosofia/iluminismo-a- fe-na-razao-e-a-valorizacao-da-ciencia.htm http://pt.scribd.com/doc/18672319/14-O-iluminismo-do- Marques-de-Pombal-ao-Liberalismo-A-entrada-do- neoclasicismo-Bocage

×