Protpcolo MPLS

825 visualizações

Publicada em

Este trabalho tem por finalidade esclarecer, um pouco, sobre o "Protocolo MPLS", o que vem a ser e funcionalidade.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
825
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Protpcolo MPLS

  1. 1. Protocolo MPLS MULTIPROTOCOLO - MPLS COMPONENTES DO GRUPO Sweff Severino Renato DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  2. 2. Protocolo MPLS História Introdução Arquitetura Funcionamento Esquema de redes Tipos de Acesso Comparação com a camada OSI DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014 MPLS
  3. 3. Protocolo MPLS MPLS Em meados de 1997, a Internet Engineering Task Force (IETF), grupo internacional de padronização trabalhou para que fosse desenvolvida uma tecnologia padrão para a comutação de dados, que pudesse ser utilizada e implementada por qualquer fabricante. O MPLS surgiu a partir deste esforço, porém, com outro esquema de rotulação dos pacotes, o que trazia uma distinta vantagem: utilizar o mesmo esquema de endereçamento IP de roteamento nas redes e dos hosts – o protocolo mais utilizado atualmente. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA HISTÓRIA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  4. 4. Protocolo MPLS Multiprotocol porque pode ser aplicado em todos protocolos de rede da camada 3; Os drafts do IETF se referem ao MPLS como “a camada calço”; É uma tecnologia aberta de comutação IP; MPLS é a unificação de várias técnicas de comutação de pacotes IP, que surgiram nos anos 90; É uma técnica de comutação de pacotes centrada em labels (rótulos); MPLS pode ser implantado sobre redes ATM, DWDM, FR, Ethernet e etc. Fácil implantação de Engenharia de Tráfego; Possibilidade de extensão para controle das futuras redes óticas de DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA HISTÓRIA O que é MPLS? MultiProtocol Label Switching. Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014 transporte; Baixo custo de implantação; Possibilidade de implantação incremental.
  5. 5. Protocolo MPLS MPLS O QUE É O IETF? O IETF é um grupo informal e auto organizado, cujos membros contribuem para a engenharia e evolução das tecnologias de Internet e, também é o principal órgão envolvido no desenvolvimento de especificações para os novos padrões da Internet. O IETF é incomum no sentido de que consiste em uma série de eventos, sem estrutura ou diretoria estatutária e, sem membros ou candidatos. Consulte [BCP95] sobre "uma declaração de missão para o IETF", onde se encontra maiores detalhes disponíveis. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Site do IETF: http://www.ietf.org/tao-translated-br.html Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  6. 6. Protocolo MPLS MPLS SUA MISSÃO INCLUI O SEGUINTE: ► Identificar problemas técnicos e operacionais urgentes relacionados com a Internet e propor soluções; ► Especificar o desenvolvimento, o uso de protocolos e arquitetura, que resolvam tais problemas técnicos, em curto prazo; ► Recomendar ao IESG (Internet Engineering Steering Group), a padronização e o uso de protocolos aplicados à Internet; ► Facilitar a transferência de tecnologia entre o IRTF (Internet Research Task Force) e a comunidade ativa da Internet; ► Promover a troca de informações dentro da comunidade da Internet entre fornecedores, usuários, pesquisadores, empresários e gestores de redes. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  7. 7. Protocolo MPLS MPLS A motivação inicial para a criação da tecnologia MPLS foi a perspectiva de aumentar e melhorar a velocidade de encaminhamento de pacotes nas redes públicas, obtendo um custo menor de acesso do cliente à rede do provedor ou prestador de serviço, contudo, esta perspectiva não foi alcançada. Para as operadoras de serviço, não havia interesse em aprender mais uma tecnologia, mais complexa em função da velocidade de transmissão que ela proporciona e, se comparada às outras tecnologias já implantadas, não houve uma melhora significativa (ABREU, 9 jun 2007). DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA INTRODUÇÃO Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  8. 8. Protocolo MPLS MPLS O objetivo de uma rede MPLS não é o de se conectar diretamente a sistemas finais. Ao invés disto, ela é uma rede de trânsito, transportando pacotes entre pontos de entrada e saída. Ele é chamado de multiprotocolo pois pode ser usado com qualquer protocolo da camada 3, apesar de quase todo o foco estar voltado no uso do MPLS com o IP. Este protocolo é na verdade um padrão que foi feito com base em diversas tecnologias similares desenvolvidas por diferentes fabricantes. Ele é referido por documentos do IETF como sendo uma camada intermediária entre as camadas 2 e 3, fazendo com que estas se “encaixem” melhor. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA INTRODUÇÃO Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  9. 9. Protocolo MPLS MPLS Talvez a mais primordial destas necessidades seja a sobrecarga que esta sendo aplicada aos roteadores da rede devido ao sempre crescente número de usuários. Os roteadores IP possuem um algoritmo de roteamento que “é ineficiente” a medida que o tamanho da rede cresce, pois para definir qual será o próximo salto (hop) do pacote, cada roteador tem que analisar mais informações do que é realmente necessário. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA INTRODUÇÃO Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  10. 10. Protocolo MPLS MPLS Para aumentar a eficiência da rede são utilizados roteadores que trabalhem exclusivamente na leitura de rótulos e encaminhamento dos pacotes, fazendo análise e classificação do cabeçalho, e diminuindo o processamento nos roteadores principais da rede. (KUROSE el al, 2006) (KAMIENSKI et al, 2000). DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA ARQUITETURA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  11. 11. Protocolo MPLS MPLS ARQUITETURA / FUNCIONAMENTO A solução desenvolvida deve ser compatível com as tecnologias de rede e os protocolos de roteamento já existentes, podendo propor otimizações; ela deve permitir a atribuição de diferentes granularidades a um rótulo; deve considerar redes hierárquicas além de problemas de escalabilidade. Para atender a estes objetivos é necessário definir protocolos de manutenção e distribuição de rótulos que suportem unicast, multicast, roteamento explícito e roteamento hierárquico. Também é necessário especificar um encapsulamento, e tratar a integração com ATM, além de discutir QoS. O componente de encaminhamento do MPLS é independente do protocolo de rede, podendo ser utilizado com IP ou IPX, por exemplo. Além disso, MPLS é capaz de operar virtualmente sobre qualquer tecnologia de nível dois, sendo atualmente padronizada para Ethernet, ATM, FDDI, Frame-Relay e PPP. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  12. 12. Protocolo MPLS MPLS DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Funcionamento Básico Site do IETF: http://www.ietf.org/tao-translated-br.html Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014 Prefixo Etiq. S Introdução de Etiqueta Etiq. E Etiq. S Retirada de Etiqueta Etiq. E Etiq. S Troca de Etiquetas Etiq. E Etiq. S Troca de Etiquetas Transporte Nível 2 Transporte Nível 2 LSR LSR LER de Ingresso (Entrada no domínio MPLS) LER de Egresso (Saída do domínio MPLS) Domínio MPLS
  13. 13. Protocolo MPLS MPLS ARQUITETURA Formato genérico do cabeçalho DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  14. 14. Protocolo MPLS MPLS DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA ARQUITETURA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  15. 15. Protocolo MPLS MPLS NOMENCRATURAS e CONCEITOS Label - Identificador usado para identificar uma FEC, com significado local; FEC - Representação de um grupo de pacotes que tem os mesmo requisitos para o seu transporte; LER - Um nó MPLS que conecta um domínio MPLS com um nó fora deste domínio. LSR - Um nó do MPLS; LDF - Protocolo pelo qual um LSR informa outro das associações entre label/FEC que ele fez; LSP - Uma seqüência de rótulos em cada e, todos os nós ao longo do caminho da “origem ao destino”. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  16. 16. Protocolo MPLS MPLS TIPOS DE ACESSO / INFRAESTRUTURA SUPORTADA • Acesso corporativo a servidores de aplicações centralizadas como sistemas corporativos, e-mail e Intranet; • Integração de sistemas de telefonia; • Formação de redes para compartilhamento de arquivos; • Formação de sistemas de videoconferência; • Acesso remoto aos sistemas corporativos. • Frame Relay; • ATM; • PPP; • Ethernet; • Token Ring; • FDDI; • Comutação ótica (MPLS). DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  17. 17. Protocolo MPLS MPLS DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA ESQUEMA DE REDES Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  18. 18. Protocolo MPLS MPLS ESTUDO ATUAL DO GRUPO DE TRABALHO A primeira geração de padrões MPLS já está completa Alguns exemplos dos itens de estudo do grupo de trabalho atual: • MPLS ponto-multiponto (P2MP) • OAM framework geral para aplicações MPLS • Proposta de avaliação para estender os protocolos MPLS e GMPLS DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014
  19. 19. Protocolo MPLS MPLS COMPARAÇÃO COM A CAMADA OSI • Proporciona encaminhamento e comutação eficiente de fluxo de tráfego através da rede. O MPLS combina as vantagens das camadas 2 e 3 do modelo OSI (camada de enlace e rede). • O MPLS utiliza o roteamento IP tradicional para anunciar e estabelecer a comunicação na topologia de rede. • Utilizando os protocolos de roteamento padrões ( como OSPF, BGP ou RIP), o componente de controle é responsável por realizar a troca de informações com outros equipamentos adjacentes. DISCIPLINA - REDES DE BANDA LARGA M P L S Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014 O S I
  20. 20. Protocolo MPLS BRIGADO A TODOS Estácio de Natal – Faculdade Câmara Cascudo RN 18/09/2014 Bibliografia MPLS · Davie, B., Rekhter, Y., “MPLS Technology and Applications”, Morgan Kaufman Publishers · Duffy, J., “MPLS facing slow adoption, despite flurry of market hype”, Network World, Maio de 2001 · Gallaher, R., “An Introduction to MPLS”, Network Digest, Setembro de 2001 · Hassan, M., “ Routing & Switching”, CES, UNSW · High Speed Networks Lab., http://highspeed.iie.ncku.edu.tw/course/IPATM.ppt · McCutcheon, M., “Multi--Protocol Label Switching”, Julho de 1997 · Rosen, E., Wiswanathan, A., Callon, R., “RFC 3031 Multiprotocol Label Switching Architecture”, Janeiro de 2001 · Welcher, P., “Introduction to MPLS”, Agosto de 2000

×