Slides estado do desenvolvimento humano (PNDU 2014)

188 visualizações

Publicada em

Trabalho feito sobre o artigo do PNDU 2014

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides estado do desenvolvimento humano (PNDU 2014)

  1. 1. Equipe: Aline Brito Ana Freitas Danielle Marinho Fátima Leal Jerana Santos Vanessa Taurino
  2. 2. ESTADO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO • Mesmo que mais de 40 países tenham registrado aumento no seu IDH, não podemos dar por garantia estas conquistas, pois a taxa de progresso global está decrescendo e isto é muito preocupante. PROGRESSO HUMANO • O progresso do desenvolvimento humano assegura-se com oportunidades de vidas iguais para todos.
  3. 3. PROGRESSO DESIGUAL E DESACELERADO NO DESENVOLVIMENTO HUMANO • Desde 1990, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) tem na sua essência uma medida de progresso importante, com relação à esperança de vida, anos de escolaridade e rendimento. Atualmente, o IDH global é de 0,702, com a maioria dos países em desenvolvimento continua a registrar avanços. • Porém iremos verificar que o IDH ainda continua muito baixo em muitas regiões. E mesmo com as melhorias registradas no IDH em todas as regiões, começa a cair a taxa de crescimento do IDH.
  4. 4. DESIGUALDADE PERSISTENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO • Principal obstáculo para o desenvolvimento: • DesigualdadeDesigualdade • Saúde • Rendimento • Educação • Vulnerabilidade da baixa renda Riscos de saúde Calamidades ambientais Choques econômicos
  5. 5. REVISITAR O PROGRESSO ECONÔMICO  O RNB PER CAPITA AJUSTADO À DESIGUALDADE UTILIZA O ÍNDICE DE ATKISON.  DADOS RELATIVOS A 2013. O RNB per capita é mais elevado nos Estados Unidos do que no Canadá, mas o inverso é verdadeiro para o RNB per capta ajustado a desigualdade. No Botsuama, Brasil e Chile há que introduzir largos ajustamentos ao RNB per capta devido a elevada desigualdade.
  6. 6. • Dia 8 de março de 1857 • 1910 na Dinamarca • 1975 ONU • Dia 24 de Fevereiro de 1932 DESIGUALDADE DE GÊNERO
  7. 7.  Em 1788 - o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.  Em 1840 - Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.  Em 1862 - durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.  Em1865 - na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.  Em 1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.  Em 1874 - criada no Japão a primeira escola normal para moças.  Em 1878 - criada na Rússia uma Universidade Feminina.  Em 1893 - a Nova Zelândia torna-se o primeiro país do mundo a conceder direito de voto às mulheres (sufrágio feminino).  Em 1951 - a OIT (Organização Internacional do Trabalho) estabelece princípios gerais, visando a igualdade de remuneração (salários) entre homens e mulheres (para exercício de mesma função). MARCOS HISTÓRICOS DAS CONQUISTAS DAS MULHERES
  8. 8. ÍNDICE DA DESIGUALDADE DE GÊNERO EM 149 PAÍSES
  9. 9. • Rendimento - diminuir os impostos, e equidade salarial. • Educação - aumentar o número escolas, faculdades federais e estaduais. • Saúde - alimentação, hospitais e moradia. COMBATE À POBREZA
  10. 10. • Em 104 países em desenvolvimento 1,2 milhões pessoas ganham U$1,25 por dia, e 91 países vivem em penúria. • No Camboja 47% da população vivem em situação multidimensional em 2010, porém 19% vivem com menos de U$1,25 por dia. Já no Brasil e na Indonésia a pobreza de rendimento é superior. PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO
  11. 11. NÚMERO DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE POBREZA EXTREMA POR REGIÕES E PAÍSES 2010-2050 Região ou País 2010 2020 2030 2040 2050 – Caso Básico 2050 – Caso Acelerado Estados Árabes 25 19 17 16 17 1 Ásia Oriental e Pacifico 211 74 42 29 29 9 China 94 13 5 1 1 0 Europa e Ásia Central 14 2 3 3 4 1 América Latina e Caraíbas 34 29 26 27 32 13 Ásia do Sul 557 382 243 135 81 13 Índia 416 270 134 53 21 2 África Subsaariana 371 333 297 275 267 60 Mundo 1.212 841 627 485 430 96 Nota: A pobreza é definida como 1,25 dólares ao dia em termos de paridade do poder de compra. Fonte: Cálculos do GRDH com base em Centro de Pardee para os futuros Internacionais (2013).
  12. 12. EMPREGO VULNERÁVE E SALÁRIOS ESTAGNADOS • Emprego vulnerável: é o que podemos chamar de emprego casual. Os trabalhadores não têm relações formais com um empregador, ou seja, não tem nenhum vínculo empregatício, bem como, não são acobertados por nenhuma lei trabalhista. Geralmente são os autônomos (que trabalham por “conta própria”), no comércio informal, praticando a agricultura de subsistência, dentre outros exemplos. Em 2013, o crescimento econômico desacelerou e teve sua taxa mais baixa desde 2009. A recuperação econômica baixa e irregular afeta diretamente o mercado de trabalho. Fazendo com que a taxa de emprego vulnerável aumente, principalmente, nos países em desenvolvimento.
  13. 13. PROPORÇÃO DE TRABALHADORES VULNERÁVEIS 2003-2008 X 2008-2013 A desaceleração da diminuição da taxa de emprego vulnerável afetou diversas regiões, sendo maior na Ásia Ocidental. Nessa região a taxa de emprego vulnerável diminuiu apenas 1.2% entre 2008-2013, enquanto que de 2003-2008 havia diminuído mais de 8%. A taxa de emprego vulnerável aumentou na América latina e Caribe, enquanto que na Oceania diminuiu significativamente maior em 2008-2013.
  14. 14. ASSEGURAR E SUSTENTAR O DESENVOLVIMENTO HUMANO A sustentabilidade do desenvolvimento humano está diretamente ligada ao meio social, econômico e ambiental em que o indivíduo está inserido. Sendo notória a devastação e todos os impactos ambientais causados pelo desenvolvimentos das sociedade, acaba por prejudicar o desenvolvimento do próprio homem. A pressão de consumo das populações humanas sobre os recursos naturais é maior do que a capacidade que o planeta oferece.
  15. 15. Para diminuir a taxa de emprego vulnerável se faz necessária a implementação de políticas públicas que estimulem o crescimento econômico inclusivo, que resultará na mitigação da pobreza, através de políticas de inclusão social, garantindo serviços sociais básicos, e proteção social. Melhorando a qualidade de vida da população, com empregos dignos e bem remunerados. E para assegurar e sustentar o desenvolvimento humano, o maior desafio, é encontrar um modo de continuar o desenvolvimento de forma sustentável, minimizando os impactos causados pelo progresso e garantindo recursos para as gerações futuras.
  16. 16. AMEAÇAS GLOBAIS AO DESENVOLVIMENTO HUMANO Os choques econômicos, sociais e ambientais causam um grande impacto na vida das pessoas, afetando diretamente a promoção e a sustentabilidade do desenvolvimento humano.
  17. 17. Econômico •Aumento dos preços dos produtos •conflitos políticos •Aumento de impostos Ambiental •Mortalidade •Fome •Desabrigados •Doenças Social •desigualdade social •desemprego •violência
  18. 18. Existem quatro ameaças globais capazes de aumentar a vulnerabilidade e prejudicar o progresso do desenvolvimento humano: • Instabilidade financeira • A volatilidade dos preços • As catástrofes naturais • Conflitos violentos
  19. 19. INSTABILIDADE FINANCEIRA Os choques econômicos trazem consequências negativas a longo prazo, principalmente se desencadearem um ciclo vicioso de baixo desenvolvimento humano e de conflitos. As crises econômicas geram o desemprego e dificuldades, aumentam a desigualdade, podendo assim, contribuir para a próxima crise.
  20. 20. CRISES SOCIAIS E DE VALORES CAUSADAS PELA INSTABILIDADE FINANCEIRA
  21. 21. CRISES NA EDUCAÇÃO E NA SAÚDE CAUSADAS PELA INSTABILIDADE FINANCEIRA
  22. 22. A causa mais provável de regressão do IDH são os choques financeiros – crises bancárias - que são exemplos de instabilidade crescente, e a desigualdade pode ser tanto uma causa como uma consequência dessa instabilidade.
  23. 23. CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA REGRESSÃO DO IDH O atual quadro de instabilidade econômica em âmbito mundial comprova que as atividades financeiras no nível local não são objeto da atenção das grandes instituições financeiras, até mesmo as oficiais, que não consideram a economia popular. Prova disso é o fato de os governos destinarem volumosos recursos públicos para evitar um colapso financeiro em escala mundial, enquanto cresce o número de pobres no planeta.
  24. 24. VOLATILIDADE DOS PREÇOS DOS PRODUTOS ALIMENTARES Os preços elevados e voláteis dos alimentos passaram a ser uma ameaça crescente ao desenvolvimento humano.
  25. 25. CONSEQUÊNCIAS • Forçam famílias de baixa renda a comprarem produtos mais baratos, menos nutritivos, suprir refeições e reduzir o alimento. • Fazer com que trabalhem mais horas para se ganhar mais. • Fazerem cortes em outros gastos, como os da educação e saúde. • Trazendo como sua maior consequência o bem-estar físico e mental dos indivíduos.
  26. 26. Os preços tendem a permanecer elevados e voláteis, pois o crescimento da população e o aumento do rendimento nas economias emergentes e em desenvolvimento elevam a procura até níveis recorde.
  27. 27. CATÁSTROFES NATURAIS Os desastres ambientais são fenômenos cada vez mais frequentes e intensos no cenário mundial contemporâneo, agravado em decorrência das mudanças climáticas.
  28. 28. CONFLITOS VIOLENTOS • Os conflitos armados continuam a ser o maior empecilho para o desenvolvimento humano porque eles aumentam a vulnerabilidade às mudanças climáticas, pois a infraestrutura, as instituições o capital social e a disponibilidade dos recursos naturais são necessários a adaptação aos impactos.
  29. 29. “A educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo.” Nelson MandelaNelson Mandela

×