Pescaria

1.178 visualizações

Publicada em

Operação especial na perfuração de poços

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pescaria

  1. 1. Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Pescaria Professora: Luciana Viana Amorim Aluna: Jeniffer Silva Martins
  2. 2. Introdução Pescaria: Operação referente à recuperação de objetos perdidos ou estranhos ao poço. Exemplos: Parte da coluna, brocas, cones de brocas, acessórios de perfuração. É uma operação sempre indesejável. Este trabalho tem como objetivo estudar as técnicas e os tipos de pescaria adotados na indústria.
  3. 3. Recuperação de pequenos objetos Objetos como cones de brocas, rolamentos, chaves, pinos e pequenas ferramentas devem ser recuperados. Duas ferramentas criadas: ferramentas magnéticas e cestas de pescaria.
  4. 4. Ferramentas Magnéticas Podem ser: ferramentas de ímãs permanentes e eletromagnéticas. Ferramenta de ímã permanente: Possuem um poderoso ímã na parte inferior. Ela é posta em contato com o “peixe”, logo após a lavagem do mesmo para retirar detritos. Assim, o “peixe” é puxado até a superfície.
  5. 5. Ferramentas Magnéticas Ferramenta eletromagnética: É descida no poço por meio de um cabo. Quando alcançam o peixe corrente elétrica é enviada para o eletroímã, gerando um campo magnético que atrai o “peixe”, que é então puxado para a superfície.
  6. 6. Cesta de pescaria Barrilete oco, tendo na parte inferior uma sapata cortadora, capaz de penetrar em rochas duras, que possui garras para sustentar o “peixe”. A ferramenta é baixada no poço, rotação e circulação é estabelecida, a sapata vai cortando um testemunho e o “peixe” vai entrando na cesta. Quando o “peixe” está deitado utiliza- se a sapata “Mão de amigo”.
  7. 7. Cesta de pescaria Quando o “peixe” tem um tamanho maior, reduz-se o tamanho dele através de uma broca trituradora ou de um cortador de fundo de poço, que contém um explosivo de alto poder detonante.
  8. 8. Recuperação de coluna partida Detectada a quebra da coluna deve- se verificar a quantidade de Kelly abaixo da mesa rotativa para determinar o exatamente o topo do “peixe”. A pescaria é feita com o auxílio de agarradores (overshot), além de uma sapata para ajudar no encamisamento. A operação segue da forma descrita a
  9. 9. Recuperação de coluna partida  Verifica-se o diâmetro interno externo do pescador.  Desce o pescador enroscado na coluna.  Para a ferramenta a poucos pés do “peixe” e circula-se para limpar o poço e o “peixe”.  Gira-se a coluna e a baixa vagarosamente sobre o “peixe”.  Manobra-se com atenção para não perder a pescaria.  Na superfície, o “peixe” é facilmente retirado.
  10. 10. Recuperação de coluna presa A coluna pode ficar presa devido a objetos estranhos no poço, desmoronamento das formações, enceramento de broca, pressão diferencial, deposição de cascalhos. Deve-se determinar o free-point, ou seja, deste ponto para cima a ferramenta está solta. Fonte:
  11. 11. Recuperar a coluna Presa: métodos usados para se liberar a coluna de um modo que ela venha intacta métodos usados onde a liberação da coluna é total, porém não se dar de uma só vez, é por partes.
  12. 12. Recuperação de coluna intacta Se a prisão é longe do fundo do poço, ou em profundidade pequena, pode- se tentar liberá-la através de pancadas firmes aplicadas na coluna, para baixo. Esta operação pode ser feita através de um bate-estaca Fonte: http://www.maxicabos.com.br/subconstrucao.htm
  13. 13. Recuperação da coluna intacta Quando a prisão de dá bem próxima do fundo, ou a uma profundidade alta, a melhor forma é utilizar a injeção de óleo. Assim a operação é feita assim: determina-se o free-point; condiciona a lama; determina o espaço anular na parte da coluna presa; desloca-se o óleo com lama até que o mesmo esteja localizado exatamente na zona onde a coluna está presa; após 1 ou 2 horas injeta-se mais 1 barril de lama; geralmente após 24 a 48 horas a coluna está liberada.
  14. 14. Recuperação da coluna por partes Este tipo de recuperação obedece uma sequência operacional que abrange duas fases:  Desenroscamento da parte livre (operação de string-shot – back-off).  Lavagem da parte presa a fim que possa ser recuperada.
  15. 15. Operação de string-shot – back- off Detona-se uma carga frente a luva que se quer desenroscar. Previamente determina-se o free-point a fim de que possa ser detectada a luva livre mais próxima do ponto de prisão. A coluna livre é retirada. Liberada a parte livre, é descida um “jar”, a fim de, através de batidas, liberar o restante. Nem sempre isto é satisfatório, tendo-se que recuperar a coluna através de uma coluna de lavagem.
  16. 16. Operação de lavagem A lavagem é feita afim de que os detritos que causam a prisão sejam removidos. Uma sapata rotativa é acoplada ao fundo da coluna de lavagem; esta então é enroscada à coluna de tubos de perfuração e descida no poço; desce a coluna até uns 5 a 10 pés do topo do “peixe” e circula o poço; a coluna é baixada vagarosamente com rotação;
  17. 17. Operação de lavagem Após ter sido lavado o “peixe”, é retirada a coluna de lavagem e descido o overshot para a retirada da tubulação. As vezes a coluna presa é muito longa, assim a operação de lavagem ocorre várias vezes.
  18. 18. Ferramentas de corte Em determinados casos, a recuperação só pode ser efetuada utilizando ferramentas de corte. Cortadores externos: É usando quando não é possível desenroscar os tubos. Desenrosca os tubos em qualquer lugar, ocorre a lavagem e uma ferramenta realiza o corte, e então o tubo é retirado. Cortadores internos: São usados para recuperar revestimentos em partes não cimentadas.
  19. 19. Recuperação de comandos Pode-se usar o overshot, mas há casos que o espaço anular é muito pequeno que não permite o seu uso. Spears são ferramentas que descem dentro do comando e através de cunhas pegam firmemente o “peixe” e traze-o até a superfície. Tapered-tap é usado quando há quebra da coluna e o pino fica enroscado na caixa.
  20. 20. Conclusões A pescaria deve ser realizada sempre que necessário para evitar a perda do poço. Mas deve sempre evitar de necessitar fazê-la, pois aumenta o custo do poço, além de poder danificá-lo mecanicamente. Existem várias técnicas de pescaria, que devem ser bem escolhidas a fim de evitar custos exacerbados com a operação. Caso a pescaria não surta efeito, o poço tem que ser abandonado.
  21. 21. Referências ALMEIDA, A. C. Manual de perfuração. PETROBRAS, 1980.

×