Administração aplicada na Segurança do Trabalho

3.138 visualizações

Publicada em

Tópicos de administração aplicada à Segurança do Trabalho

Publicada em: Educação
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.138
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
167
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Administração aplicada na Segurança do Trabalho

  1. 1. Livro base: Tópicos de administração aplicada à segurança do trabalho. Autor: José da Cunha Tavares ADMINISTRAÇÃO APLICADA À SEGURANÇA DO TRABALHO.
  2. 2. O êxito de qualquer atividade empresarial é diretamente proporcional ao fato de se manter a sua peça fundamental – o trabalhador – em condições ótimas de saúde.
  3. 3. É o conjunto de medidas técnicas, educacionais, médicas e psicológicas, empregadas para prevenir acidentes, quer eliminando as condições inseguras do ambiente, quer instruindo ou convencendo as pessoas da implantação de práticas preventivas e ainda, é o conjunto de atividades relacionadas com a prevenção de acidentes e com a eliminação de condições inseguras de trabalho. (Chiavenato, 1997, pg. 448)
  4. 4. A Segurança do Trabalho segundo autores surgiu junto ao primeiro homem, pois sempre que o ser humano executa algum trabalho, se pensa em segurança e com o passar dos tempos o crescimento da população, surgiu a necessidade de um profissional somente para se preocupar com a segurança do ser humano. Esta pesquisa foi feita através de consulta a livros, sites. Conclui-se que o profissional de administração tem uma missão essencial dentro da área de segurança do trabalho, pois esta área é uma das bases primordiais para uma empresa funcionar sem ter acidentes de trabalho. O administrador precisa entender dos perigos e riscos da sua empresa e trabalhar junto ao técnico de segurança.
  5. 5. A segurança do trabalho assim como a administração são duas áreas vitais para a conservação da empresa, tanto para a saúde, quanto para a preservação da integridade física e saúde dos funcionários. O administrador na Segurança do Trabalho tem a função de dar suporte para SESMT (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho), pois, é ele que irá aprovar as mudanças sugeridas pelos profissionais e fará toda gestão e interação dos departamentos e dos funcionários junto aos assuntos pertinentes à segurança do trabalho. (TAVARES, 2008).
  6. 6. Acidente de trabalho é aquele que acontece no exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional podendo causar morte, perda ou redução permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.
  7. 7. 8
  8. 8. Além de ser exigido por lei a Segurança do Trabalho faz com que a empresa se organize, aumentando a produtividade e a qualidade dos produtos, melhorando as relações humanas no trabalho.
  9. 9. O que é administração na Segurança do trabalho??
  10. 10. Função do administrador na segurança do trabalho segundo o site Zona de Risco (2008), quando uma empresa investe em segurança do trabalho, ela passa a cumprir a legislação exigida no país e faz com que os colaboradores da empresa comecem a ter vontade de zelar por si mesmo e pelos seus companheiros com relação ao acidente, assim respeitando as leis e normas da segurança.
  11. 11. A ADMINISTRAÇÃO SURGE: a) Solucionar problemas; b) Prever os problemas que poderão surgir; c) Minimizar ou até evitar problemas futuros; d) Melhor Organização; e) Melhorar o fluxo e o processo de trabalho; f) Administração de conflitos no trabalho; g) Alcançar propostas das políticas da empresa; A necessidade da administração surge em qualquer lugar, desde uma fila de banco ou de um simples atendimento. ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
  12. 12. ADMINISTRAÇÃO A Administração é uma ciência e uma arte. Ciência porque exige um conjunto organizado de conhecimentos. Arte porque administrar é aplicar um “know-how” para atingir um resultado desejado. São dois (02) os objetivos da administração: Eficiência e Eficácia. A EFICIÊNCIA diz respeito ao meio, ou seja, aos metódos, processos e normas que se empregam na empresa a fim de que os recursos sejam adequadamente utilizados. A EFICÁCIA diz respeito aos fins, ou seja, aos objetivos e resultados a serem alcançados.
  13. 13. Com base na tradição e nas modernas teorias administrativas, podemos considerar princípios gerais de administração: A divisão do trabalho A autoridade e a responsabilidade A Hierarquia A unidade de Comando A amplitude administrativa A definição das metas a ser atingidas A principal tarefa da administração é interpretar os objetivos da empresa e estabelecer maneiras de alcançá-las por ações administrativas. Esquematicamente teremos: PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE
  14. 14. · PLANEJAR: definir metas, como será alcançado, o que será necessário e definir o futuro da empresa. · ORGANIZAR: depois das metas traçadas, vem a etapa de definir o que deve ser feito, por quem deve ser feito, como deve ser feito, a quem a pessoa deve reportar-se e o que é preciso para a realização da tarefa. · LIDERAR: distribuir tarefas e metas para os subordinados a fim alcançar e ultrapassar metas estabelecidas. · CONTROLAR: estando a organização devidamente planejada, organizada e liderada, é preciso que haja um acompanhamento das atividades, a fim de se garantir a execução do planejado e a correção de possíveis desvios.
  15. 15. Estas etapas, adaptadas ao âmbito do SESMET, serão abordadas nos itens que seguem. PLANEJAMENTO Planejar é pensar antes de agir, é indicar o caminho a ser percorrido. O Planejamento consiste em traçar planos de ação, antecipando-se aos eventos futuros. Tipos de planos  Programas – Conjuntos integrado de planos de segurança  Procedimentos – Planos que prescrevem a sequencia cronológica das tarefas de segurança a ser executada.  Métodos – Planos que detalham como as atividades ou procedimentos de segurança devem ser executados.  Normas – Regulamentos para definir o que deve e o que não deve ser feito ( é o caso de normas de segurança)
  16. 16.  Cronograma – Representação esquemática com a função de relacionar atividades como o tempo, mostrando o início e o término de cada uma, tendo em vista o cumprimento das metas no tempo predeterminado.
  17. 17. MODELO DE CRONOGRAMA DA SEMANA SIPAT
  18. 18. Fluxograma – Gráfico que representa o fluxo ou a sequencia de uma rotina, a partir do qual são visualizados as atividades e sua respectivas operações.
  19. 19. Identificar as atividades de trabalho Avaliar riscos (probabilidade e impacto) Elaborar Plano de Ação p/ Redução e Controle de Riscos* Monitorar e Avaliar implementação e resultados do Plano Implementar o Plano de Ação p/ Controle de Riscos Estabelecer e manter registros das ações relevantes (opcional). Início Identificar os perigos (fontes de riscos) Fim Risco tolerável ? Plano adequado ? Atividade segura ? N S S S N
  20. 20. É a função administrativa que agrupa e estrutura as atividades necessárias à consecução dos objetivos da empresa.
  21. 21. Organograma – É gráfico da estrutura hierárquica de uma organização.
  22. 22. Exemplo de Organograma da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Presidente Vice Presidente Secretário Subcomissão de Divulgação Subcomissão de Fiscalização Subcomissão de Inspeção de Segurança Subcomissão de Investigação Subcomissão de trabalhos especiais Subcomissão de Analise de acidentes
  23. 23. Direção
  24. 24. Direção Constitui o comando e a orientação para que se possa executar adequadamente o que foi planejado e organizado. PRINCÍPIOS Unidade de comando - para evitar duplicidade de ordens; Delegação de tarefa; Amplitude de controle – há um número legal de subordinados; Coordenação – para estabelecer um objetivo comum. MEIOS • Instruções e ordens - para a segurança do trabalho (ordens gerais, verbais ou escritas); • Comunicação - para a segurança do trabalho; • Motivação - para a segurança do trabalho; • Liderança - para a segurança do trabalho; • Coordenação - para a segurança do trabalho.
  25. 25. Comunicação na Segurança do Trabalho Em todas as relações interpessoais está presente o processo de comunicação, seja para ensinar procedimentos de segurança a um funcionário ou contratado, seja para promover amplo programa de treinamento por meio de uma SIPAT ou contatos com imprensa.
  26. 26. O segmento de segurança do trabalho exige que o profissional tenha um senso de antecipação apurado além de exigir do profissional um jogo de cintura tremendo para trabalhar com poucos recursos e gerar grandes resultados (na maioria das empresas conseguir investimento em segurança do trabalho é sempre um desafio). Outro item que o profissional precisa é ter poder de comunicação… É impossível convencer os empregados e empregadores que segurança é importante sem saber se comunicar pelo menos de forma razoável!
  27. 27. COMUNICAÇÃO DURANTE CRISES Lembre-se • Providencie o controle da emergência; • Comunique aos órgãos de segurança da empresa e públicos; • Comunique aos porta-vozes; • Entre em contato com a Equipe de Comunicação • Redija boletim sobre o acidente
  28. 28. Motivação/Campanha Genericamente, motivação é o conjunto de fatores psicológicos que, agindo entre si, determinam o comportamento de um individuo ou grupo. Do ponto de vista do SESMET -Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, constitui poderoso instrumento de direção. Nesse caso, a motivação leva uma pessoa ou um grupo de pessoas a praticar uma ação ( a prevenção de acidentes), e motivar que dizer “despertar o interesse e o entusiasmo pelos assuntos de segurança”.
  29. 29.  Teatro-Empresa
  30. 30. O ponto alto de qualquer atividade promocional e motivacional de segurança do trabalho são as campanhas, que constituem uma forma de incentivar atitudes que permitam conhecer e corrigir condições e práticas que podem provocar acidentes. Essas campanhas tem por objetivos: Divulgar conhecimentos de normas de segurança Ajudar na educação dos trabalhadores quanto à pratica constante da prevenção de acidentes. Acrescentar conhecimentos de segurança, higiene e medicina do trabalho.
  31. 31. “Liderança é a influência interpessoal exercida numa situação e dirigida através do processo da comunicação humana à consecução de um ou diversos objetivos específicos. ”
  32. 32. 1. Perguntar sobre as providências a serem tomadas 2. Buscar as coisas certas para a empresa 3. Ter um plano de ação claro 4. Não fugir das responsabilidades 5. Ser um bom comunicador 6. Ter foco em oportunidades, não em problemas 7. Transformar as reuniões em acontecimentos produtivos 8. Usar o pronome pessoal “nós” e evitar o “eu” Peter Drucker:
  33. 33. LÍDERES • Verificam as normas de segurança; • Integram os trabalhadores nas políticas preventivas; • Ensinam os subordinados a trabalhar com segurança; • São responsáveis pela segurança no seu local de trabalho; • Responsabilizam-se pelo atendimento de primeiros socorros; • Relatam à chefia os acidentes ocorridos e suas causas; • Conhecem os riscos em seus locais de trabalho e procuram mantê-los seguros; • Colaboram com a CIPA.
  34. 34. Diferença entre um líder nato e um líder desenvolvido! Líder Desenvolvido Líder Nato É o profissional que aprende com o tempo de experiência. É o homem que nasce com o dom da liderança.
  35. 35. Líder Chefe Solicita Ordena Está aberto a sugestões Impõe seu ponto de vista Confia ao delegar funções Controla as atividades Presta atenção em cada um dos seus subordinados (sabe explorar as habilidades) É paternalista (protege uns e persegue outros) É democrático É autoritário Conquista positiva de credibilidade através da admiração e do respeito mútuos Cria um clima negativo de segurança e ameaça Comunica-se bem Tem dificuldades para se expressar
  36. 36.  Coordenar significa unir harmonizar todas as atividades e esforços das diferentes pessoas, tendo em vista um objetivo comum. Ou seja eliminar os acidentes e das doenças profissionais. Todas as atividades relacionadas à segurança do trabalho precisam ser integradas e sincronizadas para que seus objetivos sejam plenamente alcançados.
  37. 37. ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Alguns profissionais viam o conflito de forma negativa, como resultante da ação e do comportamento de pessoas indesejáveis, associado à agressividade, ao confronto físico e verbal e a sentimentos negativos, os quais eram considerados prejudiciais ao bom relacionamento entre as pessoas e, consequentemente, ao bom funcionamento das organizações.
  38. 38. O conflito é fonte de idéias novas, podendo levar a discussões abertas sobre determinados assuntos, o que se revela positivo, pois permite a expressão e exploração de diferentes pontos de vista, interesses e valores. Em alguns momentos, e em determinados níveis, o conflito pode ser considerado necessário se não se quiser entrar num processo de estagnação. Assim, os conflitos não são necessariamente negativos; a maneira como lidamos com eles é que pode gerar algumas reações.
  39. 39.  Empresas dos mais variados segmentos, passam pelos mais variados tipos de situações quanto à Segurança do Trabalho;  AGORA, VOCÊ SERÁ O ADMINISTRADOR!  Qual decisão você tomaria em relação às perguntas que surgirão dos acionistas da empresa?
  40. 40.  1- Como minimizar os custos com Segurança do trabalho?
  41. 41. Correto: Investir na prevenção de acidentes. Idéias errôneas sobre os custos com segurança do trabalho Diminuir os investimentos em Equipamentos de Proteção Individual (EPI); Redução do quadro de pessoal de Segurança do trabalho; Um acidente leva a inúmeros prejuízos para a Empresa Encargos com Advogados; Perda de tempo e de materiais na produção; Risco de fechar as porta por causa de indenização.
  42. 42.  2- A empresa nunca teve acidente de trabalho, seria perda de tempo e dinheiro investir em Segurança do Trabalho? Porquê?
  43. 43. Não é uma atitude prudente. Investir em Segurança aumenta o grau de conscientização dos empregados; Treinamento de Segurança melhora o relacionamento entre empregadores e empregados. Nunca saberemos a hora que irá acontecer um acidente, por isso é importante ser prevenido. “Vai que...”; Como diz uma passagem da Bíblia: “Vigiai e orai, pois não sabeis o dia e nem a hora.” (Mateus 26.41).
  44. 44. O QUE É O TEMPO? “Quando pomos a mão num fogão aceso por um minuto, parece uma hora. Por outro lado, quando estamos sentados ao lado de uma linda moça por uma hora parece que se passou apenas um minuto.” (Albert Eisten)
  45. 45. O QUE É O TEMPO? • Invisível; • Insubstituível; • Consumido logo que se recebe; • Não passível de não se utilizar; • Não passível de ser armazenado; • Não é possível comprá-lo, alugá-lo, fabricá-lo ou reciclá-lo.
  46. 46. O QUE É A ADMINISTRAR O TEMPO? “O tempo é o recurso mais escasso e, a não ser que seja bem administrado, nada mais pode ser gerenciado.” (Peter F. Drucker)
  47. 47. LADRÕES DO TEMPO Desorganização pessoal; Excesso de centralização de tarefas (ou seja, dificuldade em delegar); Treinamento deficiente; Excesso de material para ler (relatórios, catálogos, e-mails, propostas comerciais, etc.); Inexistência de padrões e critérios; Arquivos desorganizados; Não saber dizer não; Entre inúmeras outras. Ligações telefônicas constantes; Falta de planejamento diário; Indisciplina; Indefinição de objetivos; Indefinição de prioridades; Má utilização de recursos disponíveis (celular, internet, email, TV, etc.); Visitas não previamente agendadas; Reuniões prolongadas; Atrasos; Falhas de comunicação;
  48. 48. As medidas de segurança não devem solucionar problemas de forma não sistemática, isto é, a medida que surgem os acidentes (ou incidentes). Devem pelo contrário, ser metodicamente programadas e integradas na gestão da empresa. Esta integração exigirá um elevado grau de organização da segurança e higiene da empresa com visto a uma metodologia de trabalho consequente, sem intervenções ou correções isoladas, conforme os passos abaixo: Medidas de Segurança
  49. 49. Medidas de Segurança
  50. 50. A administração na segurança do trabalho é a base de sustentação para que tudo ocorra de forma correta. Dentre as funções do administrador em uma empresa e exercendo elas na segurança do trabalho, temos: - Planejar: definir juntamente com os responsáveis pelo SESMT o planejamento das atividades relativas a segurança e saúde no trabalho e prover os meios necessários para que as metas sejam cumpridas (os meios podem ser, dinheiro, equipamentos, pessoal, treinamentos externos à empresa, etc.), plano de entrega de epi’s, planejar reciclagem e novos treinamentos dos colaboradores e definir metas de segurança para chegar ao zero acidente.
  51. 51. Organizar: analisar custos envolvidos no que diz respeito à segurança do trabalho (compra de epi’s, por exemplo), Além de conversar com os gestores das demais áreas para identificar e analisar as necessidades de cada departamento para que a segurança do trabalho seja vivenciada a cada dia.
  52. 52. Liderar: distribuir tarefas aos técnicos de segurança, colocar metas para a realização de treinamentos, afim de diminuir os riscos de acidentes.
  53. 53. Controlar: realizar minutos de segurança, descrevendo a importância do uso de epi’s, campanhas de conscientização para as normas de segurança da empresa e sempre estar ciente com os assuntos pertinentes a segurança da organização.
  54. 54. Brincando de planejamento....
  55. 55. Um pescador esta do lado de um rio, ele tem um barco e precisa levar um saco de milho, uma galinha e uma raposa para o outro lado, o barco só aguenta ele e mais alguma coisa ( milho ou a galinha ou a raposa ). Ele não pode deixar a galinha com o milho, porque a galinha comeria o milho, e nem pode deixar a galinha com a raposa, se não a raposa comeria a galinha…  O que ele deve fazer? Ele leva a galinha,  volta para buscar o milho.  Trás a galinha de volta.  Leva a raposa e deixa a galinha.  Deixa a raposa do outro lado com o milho e volta sozinho para buscar a galinha .
  56. 56. 1 Você precisa cozinhar um ovo por dois minutos exatos, mas tem somente uma ampulheta que marca 5 minutos e outra que marca 3 minutos. Como fazer? Aciona as duas ampulhetas. Espera acabar o tempo da ampulheta de 3 minutos  Começa a cozinhar os ovos com os 2 minutos restantes da ampulheta de 5 minutos
  57. 57. Condução de Reuniões Reunião é uma atividade de grupo que propicia intercambio de ideias e experiências sobre certo assunto, no sentido de obter o acordo entre todos os membros. Entre seus objetivos de obter a definição e classificação de problemas, com estabelecimentos de decisões, etc. Em suma uma reunião propicia cooperação, integração e participação, permitindo que o grupo resolva problemas que nem sempre podem ser resolvidos individualmente. Para a SESMET - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, cujo o pessoal costuma gastar 30% de seu tempo útil em reuniões, é um instrumento fundamental.
  58. 58. Etapas  Formulação de Objetivos precisos ( O que queremos?)  Identificação dos participantes ( Quem participará e o que pensam eles sobre o assunto?)  Elaboração de um roteiro ( anote todos os pontos que pretende abordar)  Preparação do Material ( pense nos recursos visuais que podem ser utilizados – Folhetos, slides, vídeos...)  Escolha de local adequado  Convocação dos participantes com certa antecedência  Abertura da reunião ( o clima deve ser informal, com apresentações pessoais, exposição dos motivos e dos tópicos da reunião)  Avaliação da reunião  Controle dos resultados
  59. 59. Condução • Ao se dirigir a um dos participantes, chame-o sempre pelo o nome. • Incentive a participação de todos. • Desperte a atenção dos participantes. • Ao expor os assuntos, apresente-os objetivamente, procurando ser lógico e claro. • Resuma o assunto com frequência . • Antes de terminar a reunião, procure chegar a um resultado conclusivo, determinando as providencias necessárias, se for o caso. • Evite a utilização de termos técnicos sem o devido esclarecimento • A postura( apresentação pessoal, gestos, atitudes, tom de voz, etc) é fator importante na condução de reunião.
  60. 60. Contribuição como membro da reunião • Escute com atenção, buscando conhecer realmente o ponto de vista dos demais. • Aceite a responsabilidade de tomar decisões, ao invés de omitir-se no grupo e acreditar que a responsabilidade de todos é a responsabilidade de ninguém. • Integre os pontos de vista, sem destruir a individualidade de cada um. • Contribua efetivamente para a discussão.
  61. 61. R E U N I Õ E S D A C I P A O R D I N Á R I A M E N S A L Calendário pré-estabelecido protocolado na DRT e Sindicatos. Dica: Definir dia e semana do mês fixos. Ex.: Toda 2ª quinta-feira do mês. EXTRA ORDINÁRIA E X P O R Á D I C A 1 – Denuncia de situação de Risco Grave e Iminente. 2 – Ocorrer acidente de trabalho Grave ou fatal. 3 – Solicitação expressa de uma das Representações.
  62. 62. Ata de reunião Uma ata de reunião da Cipa é um instrumento oficial de registro de ocorrências. Destina-se à consignação dos atos, opiniões, decisões e resultados a quem de direito, de modo que esses fatos sejam considerados autênticos e apresentados publicamente como verdadeiros. Deve ser lavrado em livro próprio, contendo um termo de abertura e um termo de encerramento. Não se utiliza paragrafo nas atas: o texto deve ser transcrito em bloco único, observando-se apenas as margens.
  63. 63. A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo com o calendário preestabelecido; As reuniões ordinárias da CIPA serão realizadas durante o expediente normal da empresa; As reuniões da CIPA terão atas assinadas pelos presentes; Só participam das reuniões os membros titulares
  64. 64. Modelo de Ata de Reunião Ordinária CIPA da Empresa XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXª Reunião Ordinária Gestão 2011 / 2012 Aos (XXXXXX) dias do mês de (XXXXXX) de dois mil e onze, com início às (XXhXX), na sala (XXXXXXX) – realizou-se a XXª reunião ordinária da CIPA, gestão 2011 / 2012. A reunião foi conduzida pelo Presidente Sr. (XXXXXX). Contou com a participação dos seguintes membros: (XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX). Estavam presentes também, (XXXXXXXXXXXXXXXXXX). Cipeiros Ausentes justificados foram: (XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX). O Sr. (XXXXXXXXXXXXX) deu início à reunião verificando o status dos problemas relatados na reunião anterior: Itens Existentes: Itens Novos: Assunto: Risco Envolvido: Situação Atual: Responsável: Prazo:
  65. 65. Modelo ATA DA REUNIÃO Nº 10 DA CIPA DO UNIBANCO - UNIÃO DE BANCOS BRASILEIROS S/A - CAU - GESTÃO 2002/2003 Aos vinte e cinco dias do mês de setembro de dois mil e três, nas dependências do CAU - CENTRO ADMINISTRATIVO UNIBANCO, sito à Rua João Moreira Sales, 130 realizou-se a 10ª reunião ordinária da CIPA - Gestão 2002/2003. Dando início aos trabalhos às 15h00, o Sr. Presidente pediu que fosse verificada a lista de presença, constatando-se a ausência justificada de Maria Cleide dos Santos. COMENTÁRIOS DE SEGURANÇA: 1 – Será realizado em 15.10 a eleição da CIPA Gestão 2003/2004. 2 – SESMT/Segurança estão confeccionando panfleto orientativo quanto à segurança nos estacionamentos SUGESTÕES DE SEGURANÇA: 1 – Verificar vazamento de água próximo ao bloco A-1 que voltou a ocorrer. 2 – Solicitado posicionamento quanto aos problemas do estacionamento galpão. Comentou-se sobre o problema das canaletas de coletas de água que estão defeituosas, causando risco de acidentes. 3 – Ainda não foi solucionado o problema do buraco na entrada do CAU, em frente ao hidrante do estacionamento da Gerência conforme ata anterior. 4 – Solicitado posicionamento quanto a iluminação de emergencia nos banheiros. Não houve acidentes no período. Nada mais havendo a ser tratado, deu-se por encerrada a reunião às 16h40min. Luiz Antônio Doddi José do Egito Sombra Xiroxi Iritsu Luís Carlos Momi Sônia Lopes Osvaldo Cardoso Sanchez
  66. 66. Relatório é a apresentação ou a prestação de contas de tarefa executada ou de atividade desenvolvida em determinado período no exercício de uma função ou, ainda, o relato de ocorrência verificada.
  67. 67. Como elaborar um relatório de Segurança do Trabalho Tipo de relatórios: •Gestão (empresariais, periódicos, etc) •Rotina •Inspeção de condições e comportamento inseguros •Investigação de Acidentes e Incidente •Controle de perdas •Pesquisa •Laudo
  68. 68. Características: Todo relatório deve ser exato, fiel, correto, claro e conciso e deve responder as seguintes perguntas: •O que se passou? (exposição do fato) •O que pensa sobre o fato? (análise e conclusões) •O que fazer? (apresentação de soluções e justificativas)
  69. 69. Estrutura A estrutura básica do relatório deve apresentar dados ordenados de forma mais ou menos convencional, como o modelo abaixo:
  70. 70. APRESENTAÇÃO (Introdução): Na apresentação deve ser realizado a introdução e apresentado o problema, delimitando e expondo os objetivos e a estrutura do trabalho. SUMÁRIO: No sumário sintetiza-se, resume-se todo os capítulos do relatório. CORPO (Desenvolvimento): • O corpo de um relatório é a parte na qual são descritos os fatos e os detalhes. • Nesta etapa é importante: • Apresentar os fatos de maneira objetiva, sem rodeios e sem "viajar no assunto”. • Seja honesto com as informações apresentadas, não invente dados. • Documenta e Ilustrar, quando necessário, com mapas, tabelas, figuras e fotografias. • Verificar o grau de sigilo necessário dos dados apresentados.
  71. 71. CONCLUSÕES: As conclusões deverão ser baseadas nos fatos apresentados no conteúdo do corpo do relatório. As conclusões dever ser referentes às informações apresentadas e nunca sobre outras que ali não foram declaradas. RECOMENDAÇÕES: As recomendações, por sua vez, deverão se fundamentadas nas conclusões, e oferecer uma solução a algum problema, isto supondo-se que o relatório tenha sido escrito para este fim. ANEXOS: Esta parte final é dedicada aos anexos, os quais serão usados com o objetivo de dispor as informações que não sejam imediatamente necessárias ao corpo do relatório, com mais detalhes. Informações como certificados, ART, tabelas, etc.
  72. 72. De acordo com o tamanho, poderemos classificar um empresa como: Grande - Muitos empregados e grandes instalações Média - Porte intermediária, de 50 a 250 empregados Pequena - Menos de 50 empregados
  73. 73.  O quadro de Segurança do trabalho é formado de uma equipe multidisciplinar. ◦ Engenheiro de Segurança do Trabalho; ◦ Técnico de Segurança do Trabalho; ◦ Médico do trabalho; ◦ Enfermeiro do trabalho; ◦ Auxiliar de Enfermagem do trabalho.  Formação do SESMT ◦ Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho
  74. 74.  Tenha sempre essa frase em mente; ◦ No seu dia-a-dia; ◦ No trabalho.  Há uma(s) pessoa(s) que está(ão) esperando que você volte são e salvo para a casa.
  75. 75. PENSAMENTOFINAL Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, pois o triunfo pertence a quem se atreve... A vida é muita para ser insignificante. (Charles Chaplin)

×