Proto

5.356 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
166
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proto

  1. 1. Protozooses
  2. 2. Filo Protozoa <ul><li>Cerca de 6000 espécies conhecidas - ~10000 são parasitas. </li></ul><ul><li>Eucariotos unicelulares </li></ul><ul><li>Apresentam variadas formas, processo de alimentação, reprodução e locomoção </li></ul>
  3. 3. Classificação <ul><li>De acordo com a estrutura de locomoção </li></ul><ul><li>Sarcodina (Rhizopoda) - presença de pseudópodes </li></ul><ul><li>Ex.: Amoeba, Entamoeba . </li></ul><ul><li>Mastigophora (Flagelatta) - presença de flagelos </li></ul><ul><li>Ex.: Trypanosoma, Leishmania </li></ul>
  4. 4. Classificação <ul><li>Cilliata (Ciliophora) - presença de cílios </li></ul><ul><li>Ex.: Paramercium </li></ul><ul><li>Sporozoa - ausência de estrutura para locomoção, todos parasitas </li></ul><ul><li>Ex.: Plasmodium, Toxoplasma </li></ul>
  5. 6. Protozooses <ul><li>Amebíase </li></ul><ul><li>Giardíase </li></ul><ul><li>Doença de Chagas </li></ul><ul><li>Leishmaniose visceral </li></ul><ul><li>Leishmaniose tegumentar </li></ul><ul><li>Malária </li></ul>
  6. 7. Amebíase
  7. 8. Amebíase <ul><li>Agente etiológico: Entamoeba histolytica. </li></ul><ul><li>~100.000 de mortes/ano. </li></ul><ul><li>Forma de transmissão: ingestão de cistos maduros, juntamente com água e/ou alimentos contaminados. </li></ul><ul><li>Cistos permanecem viáveis por 20 dias. </li></ul>
  8. 10. Ciclo <ul><li>Monoxênico - apenas um hospedeiro </li></ul>Ingestão de cistos maduros Chegada no intestino delgado onde ocorre o desencistamento Metacisto sofre várias divisões celulares transformando-se em trofozoíto Migração para o intestino grosso Produção de cistos e liberação nas fezes Invasão da mucosa intestinal
  9. 11. Profilaxia <ul><li>Educação sanitária </li></ul><ul><li>Saneamento básico </li></ul><ul><li>Lavar bem os alimentos crus </li></ul><ul><li>Combate às moscas </li></ul><ul><li>Tratamento dos doentes </li></ul><ul><li>Realização de exames em “manipuladores de alimentos” com freqüência </li></ul>
  10. 12. Giardíase
  11. 13. Giardíase <ul><li>Agente etiológico: Giardia lamblia </li></ul><ul><li>Causas mais comuns de diarréias em crianças - freqüentemente encontrado em ambientes coletivos. </li></ul><ul><li>Forma de transmissão: ingestão de cistos maduros </li></ul><ul><li>O cisto resiste até 2 meses no meio exterior </li></ul>
  12. 14. Giardia lamblia
  13. 15. Ciclo <ul><li>Monoxênico </li></ul>Ingestão de cistos Desencistamento no duodeno e liberação de trofozoítos Colonização do intestino delgado Várias divisões binárias Invasão da mucosa intestinal - diarréia Produção de cistos e liberação nas fezes
  14. 16. Profilaxia <ul><li>Higiene pessoal </li></ul><ul><li>Saneamento básico </li></ul><ul><li>Proteção dos alimentos - moscas e baratas </li></ul><ul><li>Tratamento da água </li></ul><ul><li>Tratamento dos doentes </li></ul>
  15. 17. Doença de Chagas
  16. 18. Doença de Chagas <ul><li>Agente etiológico: Trypanosoma cruzi </li></ul><ul><li>Doença freqüente na América Latina </li></ul><ul><li>Vetor: o barbeiro Triatoma infestans </li></ul>
  17. 19. Doença de Chagas <ul><li>Morfologia: </li></ul><ul><li>epimastigota – presente no trato intestinal do barbeiro </li></ul><ul><li>tripomastigota – presente na parte final do trato intestinal do barbeiro e no sangue do vertebrado </li></ul><ul><li>amastigota – presente nos músculos do vertebrado </li></ul>
  18. 20. amastigota tripomastigota epimastigota
  19. 21. Transmissão <ul><li>Via vetor - FEZES </li></ul><ul><li>Transfusão sangüínea </li></ul><ul><li>Transmissão congênita </li></ul><ul><li>Via leite materno </li></ul><ul><li>Acidentes de laboratório </li></ul>
  20. 22. Ciclo <ul><li>Heteroxênico (dois hospedeiros) </li></ul><ul><li>Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos (tatu gambá, rato)- multiplicação intracelular </li></ul><ul><li>Hospedeiro invertebrado: barbeiros triatomíneos - multiplicação extracelular </li></ul>
  21. 23. Picada do barbeiro e fezes na pele do hospedeiro vertebrado Fezes com formas tripomastigotas caem no sangue do vertebrado Entrada nas fibras musculares Transformação para amastigotas Mitoses Algumas amastigotas saem das céls., caem no sangue e se transformam em tripomastigotas Liberação de epimastigotas nas fezes Divisões celulares das epimastigotas Transformação para epimastigotas no trato digestivo do barbeiro Picada e defecação Picada Homem Barbeiro
  22. 25. Profilaxia <ul><li>Melhoria das habitações rurais - casas de pau-a-pique </li></ul><ul><li>Combate ao barbeiro </li></ul><ul><li>Controle do doador de sangue </li></ul><ul><li>Controle de transmissão congênita </li></ul><ul><li>vacinação - ainda em estudos. </li></ul>
  23. 26. Leishmaniose Visceral e Tegumentar
  24. 27. Leishmaniose <ul><li>Leishmaniose tegumentar (úlcera de Bauru) – lesões ulcerosas cutâneas. </li></ul><ul><li>Agente etiológico: Leishmania braziliensis, L. amazonensis, L. guyanensis </li></ul><ul><li>Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha) </li></ul>
  25. 28. Leishmaniose <ul><li>Leishmaniose visceral (calazar) – hepatoesplenomegalia, anemia, edema, dentre outros </li></ul><ul><li>Agente etiológico: Leishmania donovani, L. chagasi </li></ul><ul><li>Vetor: flebotomíneo Lutzomya longipalpis (mosquito-palha) </li></ul>
  26. 29. <ul><li>Transmissão: </li></ul><ul><li>picada do flebotomíneo </li></ul><ul><li>Acidentes de laboratório </li></ul><ul><li>Transfusão sanguínea </li></ul><ul><li>Via congênita </li></ul><ul><li>Reservatórios: </li></ul><ul><li>Cães </li></ul><ul><li>Raposas </li></ul><ul><li>Preguiças </li></ul><ul><li>Gambás </li></ul><ul><li>Roedores em geral </li></ul>
  27. 30. Formas do parasita <ul><li>Amastigota : encontrado no vertebrado, não apresenta flagelo. </li></ul><ul><li>Promastigota : forma infectante, encontrado no flebotomíneo. </li></ul>
  28. 31. Ciclo Biológico <ul><li>Heteroxênico </li></ul><ul><li>Hospedeiro vertebrado: homem e outros mamíferos </li></ul><ul><li>Hospedeiro invertebrado: Lutzomya </li></ul>
  29. 32. Inoculação de formas promastigotas na corrente sanguínea do vertebrado Promastigotas penetram em macrófagos e se transformam em amastigotas Várias divisões celulares e liberação de amastigotas na corrente sanguínea Migração de promastigotas para glândula salivar do flebotomíneo No intestino do flebotomíneo amastigotas se transformam em promastigotas Várias divisões celulares Ingestão de macrófagos infectados Homem Lutzomya Picada Picada
  30. 34. Profilaxia <ul><li>Evitar desmatamento </li></ul><ul><li>Uso de repelentes, telas nas portas e janelas </li></ul><ul><li>Construção de casas a ~500 metros da mata. </li></ul><ul><li>Combate a cães vadios (leishmaniose visceral) </li></ul><ul><li>Tratar os doentes </li></ul>
  31. 35. Malária <ul><li>Ou paludismo, febre palustre, impaludismo, maleita, sezão. </li></ul><ul><li>Agente etiológico: </li></ul><ul><li>Plasmodium falciparum – febre terçã maligna </li></ul><ul><li>Plasmodium vivax – febre terçã benigna </li></ul><ul><li>Plasmodium malariae – febre quartã benigna </li></ul>
  32. 36. <ul><li>Vetor: mosquitos do gênero Anopheles (mosquito-prego) </li></ul><ul><li>Transmissão: </li></ul><ul><li>Picada do mosquito </li></ul><ul><li>Transfusão sanguínea </li></ul><ul><li>Acidentes de laboratório </li></ul><ul><li>Compartilhamento de seringas contaminadas </li></ul><ul><li>Via congênita </li></ul>Mais raras
  33. 37. Formas do Parasita <ul><li>Esporozoítos – forma infectante, encontrada na glândula salivar do mosquito-prego </li></ul><ul><li>Trofozoítos – encontrado nos hepatócitos </li></ul><ul><li>Merozoítos – encontrado nas hemácias </li></ul><ul><li>Gametócitos – encontrado na corrente sanguínea </li></ul><ul><li>Macro e microgameta – encontrado no tubo digestivo do mosquito </li></ul>
  34. 38. Formas de reprodução do Plasmodium Esquizogonia (divisão múltipla): um núcleo sofre várias mitoses e após isso o citoplasma de divide em várias células – reprodução assexuada, ocorre no hospedeiro intermediário (homem)
  35. 39. Formas de reprodução do Plasmodium Fecundação R! Esporogonia: fusão do gameta feminino com o masculino formando o zigoto. Após várias meioses são liberados esporozoítos. Reprodução sexuada – hospedeiro definitivo ( Anopheles ) Gametas
  36. 40. Ciclo Biológico <ul><li>Heteroxênico: dois ou mais hospedeiros </li></ul><ul><li>Hospedeiro definitivo – Anopheles </li></ul><ul><li>Hospedeiro intermediário – homem e outros primatas </li></ul>
  37. 41. Inoculação de esporozoítos no sangue do vertebrado Invasão dos hepatócitos – trofozoítos Esquizogonia e liberação de merozoítos Invasão das hemácias – trofozoítos Esquizogonia, liberação de merozoítos e gametócitos Ingestão de sangue do vertebrado contendo merozoítos e gametócitos Formação dos macro e microgametas Fecundação, esporogonia e liberação de esporozoítos no intestino do mosquito Migração dos esporozoítos para glândula salivar do mosquito Homem Anopheles Picada Picada Ciclo exo-eritrocítico Ciclo eritrocítico
  38. 43. Profilaxia <ul><li>Uso de repelentes </li></ul><ul><li>Uso de telas nas portas e janelas </li></ul><ul><li>Evitar o desmatamento </li></ul><ul><li>Combate ao vetor (adultos e larvas) </li></ul><ul><li>Evitar a formação de “criadouros” </li></ul><ul><li>Tratamento dos doentes </li></ul>
  39. 44. The End...

×