TRANSFERENCIA DE EMBRIÃO EM EQUINOS
1
FERREIRA, Livia da Silva Guerçoni
2
BROMERSCHENKEL, Ingrid
RESUMO
A transferência de...
2
INTRODUÇÃO
Buscando entender o conceito de transferência de embrião (TE), é preciso
saber que esta teve seu desenvolvime...
3
recém-coberta, que deu à luz a 2 coelhos Angorá e 4 lebres Belgian,
consequentemente este provou que é possível retirar ...
4
Figura 1. Representação ilustrativa do ciclo estral da égua.
Fonte: Ourofino, 2015.
O ciclo estral tem duração média de ...
5
2.1.2 Diestro
O diestro é representado pela fase luteínica, que dura em média 13 a 17 dias,
caracterizada pela produção ...
6
Segundo Hafez (2004), as principais funções do liquido folicular são: iniciar o
crescimento folicular, maturação, ovulaç...
7
Figura 3. Embrião equino (Grau 1) no estágio de de blastocisto inicial.
Fonte: McCUE,(2011).
Figura 4. embrião equino (G...
8
Figura 6. Par de ovócitos não fertilizados.
Fonte: McCUE, (2011)
.
2.4 Transferência de Embrião
A transferência de Embri...
9
Deve-se levar em consideração o histórico da égua doadora, assim sendo, a
fertilidade e genitores, completando a requisi...
10
A égua doadora é colocada em um tronco de contenção com a cauda
envolvida por uma luva de palpação e levantada para que...
11
Os embriões equinos são avaliados diante um escore que vai de 1 (excelente)
à 5 (degenerado ou morto). Os aspectos aval...
12
prenhez que variavam entre 70% a 75% uma semana após a transferência. Com o
advento de novos estudos com resultados pos...
13
Tal seleção fundamenta-se nas concentrações plasmáticas de progesterona,
naquele momento, contribuindo assim, para que ...
14
desenvolvimento do feto, o tubérculo migra para parte cranial em direção ao cordão
umbilical no feto másculo, e na fême...
15
meses de setembro, outubro e novembro, corroborando com possíveis taxas de
prenhez mais altas durante a primavera.
A ef...
16
Com a realização do trabalho foi possível concluir que a TE, atualmente
representa uma biotécnica economicamente rentáv...
17
DIAS. L. Diagnóstico de gestação, quantificação e sexagem fetais por meio de
ultrassonografia convencional em éguas e o...
18
SOCIEDADE BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DE EMBRIÕES, 18, 2006, Araxá.
Acta Scientiae Veterinariae, Porto Alegre, v. 34, p. 3...
19
PASTORELLO M., MEIRA C., FLEURY J.J. & DUARTE M.C.G. 1996. Transferência
não cirúrgica de embriões em equinos de hipism...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tcc versão final 21.09

585 visualizações

Publicada em

transferência de embriões

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
585
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tcc versão final 21.09

  1. 1. TRANSFERENCIA DE EMBRIÃO EM EQUINOS 1 FERREIRA, Livia da Silva Guerçoni 2 BROMERSCHENKEL, Ingrid RESUMO A transferência de embrião (TE), trata-se de uma ferramenta do melhoramento genético, para a espécie equina apresenta relevante importância vez que a mesma tem se tornado responsável pelo crescimento mundial da equideocultura. Com a sua utilização apresenta-se ganho na eficiência reprodutiva, com índices de fertilidades maiores que 75% aos 15 dias, trata-se de uma técnica em constante evolução, dessa forma presencia-se o aprimoramento das raças e seus cruzamentos. Baseia- se no princípio da multiplicação da progênie de fêmeas consideradas superiores dentro de um rebanho. Obtém-se embriões de uma fêmea doadora para em seguida transferi-los para fêmeas receptoras, com a finalidade de completar o período de gestação. Técnica altamente rentável capaz de melhorar geneticamente o rebanho. Palavras-chave: biotécnica; equideocultura, melhoramento genético. ABSTRACT The embryo transfer (ET), it is a breeding tool for equine species, has great importance since it has become responsible for the global equideocultura growth. With its use presents gain in reproductive efficiency, with higher fertility rates of 75% at 15 days, it is a technique constantly evolving, improving in this way is presence- breeds and their crosses. It is based on the principle of multiplication of female progeny considered superior within a herd. Embryos obtained from a female donor to then transfer them to recipient females, in order to complete the gestation period. Highly profitable technique to genetically improve the herd. Keywords: biotech; equideocultura, breeding. 1 Discente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário do Noroeste Paulista. 2 Docente do Curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário do Noroeste Paulista.
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO Buscando entender o conceito de transferência de embrião (TE), é preciso saber que esta teve seu desenvolvimento nos meados dos anos 70 e desde então vem sendo cada vez mais difundida. A eficiência de um programa de TE é determinada pelos índices de recuperação embrionária e taxa de prenhez. A receptora de embrião consiste no ponto crítico do programa de TE, e a correta seleção deste elo (fundamental) da cadeia é imprescindível para o sucesso da técnica (BORTOT, 2013). Segundo Evangelista (2012), a técnica de TE, inicia-se com a coleta de um embrião, portanto utiliza-se uma fêmea doadora e está torna-se ideal por ser geneticamente superior, em seguida faz-se a transferência deste para uma fêmea receptora, encarregada de levar a gestação a termo. Essa biotécnica tem sido muito utilizada na indústria equina. Constantemente a mesma vem passando por estudos e aperfeiçoamentos. Historicamente a primeira descrição do TE em éguas foi em 1972 e, seu uso comercial iniciou-se em 1980 e atualmente o Brasil é considerado o maior produtor de embriões equinos do mundo com cerca de 40 centros de TE em equinos, em sua maioria concentrados nos estados de Minas Gerais e São Paulo. No Brasil, as raças mais utilizadas são Mangalarga Marchador, Campolina, Quarto de Milha e Mangalarga Paulista. O uso do sêmen refrigerado e transportado é uma necessidade, devido à tendência de os garanhões pertencerem a diversos proprietários (LOSINNO; ALVARENGA, 2009). Outros países que também se destacam na técnica de produção de embriões são a Argentina e os Estados Unidos. Segundo a última publicação do Comitê Estatístico da Sociedade Internacional de Transferência de Embriões (IETS), em 2010 o Brasil foi responsável por 43% das TE em equinos no mundo, a Argentina, por 29% e os EUA, por 18% (EVANGELISTA, 2012). 2.REVISÃO DE LITERATURA Buscando a origem histórica da transferência de embriões, o seu registro encontra no ano de 1890, sendo a mesma realizada em mamíferos, por um método cirúrgico, realizada pelo cientista Walter Heape, na Inglaterra, este por sua vez fez a retirada de embriões de uma coelha Angorá, utilizando apenas uma lente de aumento para identificá-los no oviduto, e os implantou em uma lebre Belgian Hare
  3. 3. 3 recém-coberta, que deu à luz a 2 coelhos Angorá e 4 lebres Belgian, consequentemente este provou que é possível retirar embriões não implantados e transferi-los a um ambiente gestacional, sem afetar seu desenvolvimento (BORTOT, 2013). A utilização em embriões equinos foi registrada historicamente em 1972, em um estudo com 45% de taxa de recuperação de embriões, pelo método não cirúrgico. Estes foram transferidos, também pelo método não cirúrgico, porém sem sucesso de prenhez (CARMO, 2006). Em seu trabalho Evangelista (2012), cita que dois anos após a primeira TE, Oguri e Tsutsumi (1974), publicaram um estudo no qual recuperaram 18 embriões de 20 éguas doadoras (90% de taxa de recuperação), transferindo 15 destes e obtendo 6 éguas receptoras prenhes (40% de taxa de concepção). Destas, 2 abortaram e 4 pariram um potro saudável cada uma, atingindo o sucesso na TE em equinos pelo método não cirúrgico. Em 1974, foi criada a Sociedade Internacional de Transferência de Embriões (IETS) em Denver, Colorado, EUA. No Brasil, em 1985, foi criada a Sociedade Brasileira de Tecnologia em Embriões, que promove anualmente uma reunião científica onde são apresentados os principais avanços na área de embriologia. É preciso frisar que no Brasil, a técnica foi fortemente influenciada e divulgada pelo Médico Veterinário João Junqueira Fleury, este foi o responsável por diversos estudos e experimentos que envolvem a TE 2.1. Ciclo estral O ciclo estral da égua, ou simplesmente cio, é o período correspondente ao intervalo entre uma ovulação e a ovulação subsequente (figura 1). O conhecimento e a manipulação da duração do ciclo estral equino e suas fases têm-se tornado muito importante com a crescente utilização de técnicas de inseminação artificial e transferências de embriões na espécie (HAFEZ, 2004).
  4. 4. 4 Figura 1. Representação ilustrativa do ciclo estral da égua. Fonte: Ourofino, 2015. O ciclo estral tem duração média de 25 dias nas éguas (HAFEZ, 2004), podendo haver variações de acordo com o ambiente, a raça, comportamento e índole de cada animal, porém a dificuldade de predizer a fase exata de estro e do diestro se torna um fator predisponente a essa variação (LENZI, 2008). 2.1.1. Estro A característica do estro é marcada pelo período de receptividade sexual e tem duração média de 3 a 7 dias. Nesta fase, a égua apresenta um ou mais folículos pré-ovulatórios, também conhecidos como folículos de Graaf, contendo estradiol. (ROMANO; MUCCIOLO; SILVA, 1998). O comportamento do estro é induzido pelas quantidades de E2 que são secretadas pelos folículos ovarianos. O E2 também estimula a liberação de LH que são ativados pelos seus receptores, ocasionando a ovulação e formação do corpo lúteo (CL). As manifestações do estro geralmente ocorrem até 24 à 48 horas após ovulação (LENZI, 2008).
  5. 5. 5 2.1.2 Diestro O diestro é representado pela fase luteínica, que dura em média 13 a 17 dias, caracterizada pela produção de progesterona (P4) pelo CL (LEY, 2013). Além disso, a fase do diestro ou lútea finaliza as manifestações do estro. A prostaglandina (PGF2α) tem como função ocasionar a luteólise do corpo lúteo entre o 14 e 15º dia (LENZI, 2008). 2.1.3. Sazonalidade As éguas são classificadas como poliéstricas estacionais, ou seja, sua atividade reprodutiva ocorre na primavera e no verão. O fator determinante deste comportamento é a duração do período de luz nas regiões temperadas. Esse estimulo luminoso impede a produção de melatonina através do eixo pineal- hipotalâmico-hipofisário-gonadal. Quando a melatonina é liberada pela glândula pineal, bloqueia a produção de gonadotrofina (GnRH) no hipotálamo, afetando a produção hipofisária e diminuindo a liberação dos hormônios luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH). Esses hormônios são fundamentais para a seleção e dominância folicular induzindo ao recrutamento para o início de um novo ciclo estral (BORTOT, 2013). 2.2. Produção dos óvulos A produção dos folículos é denominada como foliculogênese, que consiste no processo de formação, crescimento e maturação dos folículos. Tendo início o desenvolvimento das oogonias e formação dos folículos primordiais, até sua transformação em folículo maduro. Esses folículos maduros são eleitos para ovulação e os chamados de folículos pré-antrais ou folículos de Graaf (LENZI, 2008). Os folículos ovarianos são compostos pelo liquido folicular que contém hormônios esteroides, que auxilia no seu desenvolvimento sendo o principal o E2, já os folículos próximos a ovulação contem p4 (LENZI, 2008).
  6. 6. 6 Segundo Hafez (2004), as principais funções do liquido folicular são: iniciar o crescimento folicular, maturação, ovulação, transporte do oócito para o oviduto, preparar folículo para formação do CL e regulação do ciclo folicular. 2.3.Fertilização e desenvolvimento embrionário Segundo Prestes (2012), a fertilização dos óvulos nas éguas ocorre na ampola do oviduto. A primeira clivagem ocorre 24 horas após a fecundação. A chegada do embrião ao útero ocorre aproximadamente no 6º dia após a fecundação, na forma de blastocisto inicial ou mórula. Nas éguas, somente os embriões viáveis são transportados até o útero e permanecem ligados aos processos de clivagem e liberação de PGF2α pelo embrião viável. Na espécie equina a clivagem do embrião ocorre através de um processo de deutoplasmolise na qual se observa desde os primeiros estágios de desenvolvimento a expulsão do material embrionário para o espaço perivitelíno (CAIXETA et al., 2008). Entretanto nos equinos, a partir do estádio de 16 blastômeros, o material extrudado diminui e desaparece, como pode ser visualizados nas figuras de 2 à 6 (PRESTES, 2012). Figura 2. Embrião equino (Grau 1) no estágio de mórula. Fonte: McCUE, (2011).
  7. 7. 7 Figura 3. Embrião equino (Grau 1) no estágio de de blastocisto inicial. Fonte: McCUE,(2011). Figura 4. embrião equino (Grau 1) no estágio de blastocisto, com massa celular interna visível. Fonte: McCUE,( 2011). Figura 5. embrião equino (Grau 1) no estágio de blastocisto expandido. Fonte: McCUE, (2011).
  8. 8. 8 Figura 6. Par de ovócitos não fertilizados. Fonte: McCUE, (2011) . 2.4 Transferência de Embrião A transferência de Embrião (TE) consiste na doação de um embrião de uma égua doadora para uma égua receptora, que levará adiante a gestação (LEY, 2013). O mesmo autor cita ainda que dentre as possíveis vantagens apresentadas pela TE, pode-se contar com a produção de vários potros em uma única égua por ano, potros de éguas doadoras com alto valor zootécnico, produção de potros de éguas mais velhas, que apresentam baixo rendimento reprodutivo e como somatório as vantagens têm-se ainda a obtenção de potros de éguas que estão em atividade esportiva. 2.4.1 Avaliação e Seleção das Receptoras e das Doadoras Sem dúvida, o fator mais importante que afeta as taxas de prenhez de TE é o manejo das doadoras e receptoras de embriões. Antes de serem admitidas nos centros, todas as éguas devem apresentar teste negativo para anemia infecciosa equina. Ao chegarem, devem passar por um exame físico geral, recebendo vermífugos e vacinas necessárias. Se houver um histórico reprodutivo, este deve ser cuidadosamente revisado, buscando características gerais e do ciclo estral (duração, incidência de dupla ovulação), pois a maioria desses achados se repete ano após ano. Além disso, uma avaliação reprodutiva deve ser realizada em cada égua que entra no programa de TE (EVANGELISTA, 2012).
  9. 9. 9 Deve-se levar em consideração o histórico da égua doadora, assim sendo, a fertilidade e genitores, completando a requisitos básicos e suas diretrizes; como o registro que contenha a raça e seu valor potencial de gestação. Colhendo assim, resultados satisfatórios quanto a cria. Quanto ao manejo, como via de regra, o monitoramento é indispensável para obtenção de resultados satisfatórios. Deve-se analisar o comportamento do animal, realizar exames clínicos, e também do exame ginecológico devendo abranger a avaliação do crescimento folicular, permitindo uma ótima oportunidade para implantação do sêmen, tanto fresco, refrigerado ou congelado (LIRA et al., 2009). A TE ocorre através da seleção das éguas receptoras que receberá a implantação do embrião e levará a gestação adiante. Deve-se atenção quanto ao peso e idade (400 a 550 kg), (3 a 10 anos), respectivamente. Deve-se obedecer a critérios quanto a sua índole e ótimo desenvolvimento mamário, isento de anormalidades uterinas e ovarianas, observando de modo reiterado o que compete ao monitoramento diário; estro, crescimento folicular e ovulação (LIRA et al., 2009). 2.4.2. Sincronização entre Doadora x Receptora Para realizar a sincronicidade entre doadoras e receptoras, as éguas devem ser examinadas uma vez ao dia através da palpação transretal guiada por ultrassonografia para a avaliação e identificação do folículo dominante no período estral, e determinar o dia da ovulação para decidir qual método será imposto; Inseminação artificial ou monta natural (EVANGELISTA, 2012). Outro método que pode ser realizado é a utilização de éguas receptoras com ciclo artificial, aplicando-se progesterona e estrógeno para assemelhar-se um ciclo natural (SOUZA, 2013). Porém o método mais utilizado para sincronização do estro é a administração de PGF2a, sendo necessário a presença do corpo lúteo (SILVA, 2003). 2.4.3 Técnica de Colheita A colheita embrionária é realizada entre o D7 e o D8 após a ovulação, sendo ideal no D8 (ZOCA, 2009).
  10. 10. 10 A égua doadora é colocada em um tronco de contenção com a cauda envolvida por uma luva de palpação e levantada para que não haja contato com a região perineal que será limpa. Em seguida toda região perineal é lavada com sabão neutro. Após a lavagem, é feito o esvaziamento das fezes através da palpação retal, assim minimizando a evacuação durante o procedimento e evitando contaminação (FRANÇA, 2011). 2.4.4. Embrionária A avaliação do estágio de desenvolvimento, da qualidade e do tamanho dos embriões é fundamental e a capacidade de diferenciar embriões de ovócitos não fertilizados (UFOs) e estruturas não embriônicas que possam vir a ser coletadas durante o procedimento de lavagem também é importante. Após a coleta do embrião, ele é identificado e qualificado morfologicamente (McCUE, 2011). O embrião deve ser avaliado da seguinte forma: estágio de desenvolvimento, tamanho e escore de qualidade. Os equipamentos necessários para ser realizada a avalição, consiste em um microscópio (lupa), dotado de um micrometro para ser feita a mensuração do diâmetro do embrião. Os embriões devem ser lavados pelo menos 3 vezes em meio de lavagem. O objetivo é remover maior quantidade possível de impurezas. Após a lavagem, o embrião é mantido no meio de manutenção para ser realizado a avaliação antes da transferência, seja para outro local para futura transferência ou criopreservação (McCUE, 2011). A avaliação do embrião é subjetiva, e relativamente simples, não necessitando de equipamentos sofisticados. O rastreamento dos embriões é realizado com auxílio de um microscópio estereoscópico (lupa) sob aumento de 10X e a classificação embrionária é realizada utilizando-se aumento de 40X. A placa de petri deve estar previamente riscada na sua parte inferior para facilitar a localização do embrião. Uma vez localizado, este é removido por aspiração com o auxílio de uma palheta de 0,5 ou 0,25 ml, acoplada a uma seringa de insulina, e transferido para uma placa de petri menor (35 x 10 mm), contendo o meio de manutenção TQC®, Ham F10, Encare®, dentre outros (LIRA et al., 2009).
  11. 11. 11 Os embriões equinos são avaliados diante um escore que vai de 1 (excelente) à 5 (degenerado ou morto). Os aspectos avaliados são referentes aos blastômeros, sendo eles compactos, extrusados ou danificados, coloração do embrião, forma, tamanho, e desenvolvimento e dano a zona pelúcida comparado à idade do embrião. Embriões de graus 1 e 2 exibem melhores taxas de prenhes (70 a 80%), comparado com embriões de graus >3 sofrendo decréscimo (20 a 30%) (ALONSO, 2007). Tabela 1. Critério de classificação do grau de qualidade de embriões em equinos Classificação Qualidade Grau 1 Excelente – Ideais, esféricos, com tamanho, cor e textura uniformes Grau 2 Bom – Pequenas imperfeições com poucos blastômeros extrusos, forma irregular ou separação de trofoblasto Grau 3 Razoável – Problemas não muito severos de blastômeros extrusos, células degeneradas ou bastocele colapsada Grau 4 Pobre – Blastocele colapsada, vários blastômeros extrusos e células degeneradas, mas com aparência viável da massa embrionária Grau 5 Degenerado – Oócito não fertilizado ou embrião totalmente degenerado Fonte: Lira et al., 2009. 2.4.5 Técnica da Implantação Embrionária Antes de ser realizada a TE, é aplicado acepromazina (0,04 mg/kg IV) com intuito de tranquiliza-la e promover o relaxamento vaginal. Logo após é feito a higienização da região perineal, removendo o conteúdo fecal para que não haja contaminação (FRANÇA, 2011). O equipamento mais utilizado para realizar a TE são as pipetas de inseminação artificial para equinos. A inovulação é realizada na região da bifurcação cornoal, localizada no corno do útero (BORTOT, 2013). A TE em equino pode ser realizada pela técnica cirúrgica, por incisão ao flanco, ou pela técnica não cirúrgica por via cervical. Historicamente, a primeira apresentava os resultados mais consistentes, resultando nas maiores taxas de
  12. 12. 12 prenhez que variavam entre 70% a 75% uma semana após a transferência. Com o advento de novos estudos com resultados positivos, a metodologia atualmente utilizada é a transferência não cirúrgica coberta, associada a avaliação e seleção da égua receptora. Ainda, esta é uma técnica muito menos invasiva, rápida e de alto percentual de prenhez, na qual consiste em depositar o embrião no corpo do útero com o uso de uma pipeta de inseminação que atravessa a cérvix (FLEURY et al., 2007). A complexidade da TE é relativamente baixa quando comparada com técnicas mais avançadas, desde que os embriões sejam transferidos por técnica não cirúrgica no útero de éguas receptoras, permitindo ao clínico executar facilmente tal procedimento na fazenda, uma vez que este seja proficiente no manejo reprodutivo equino (LIRA et al.,2009). O embrião é envasado em palheta plástica de 0,25 mL em porções alternadas de solução de manutenção e ar. este procedimento minimiza os movimentos do embrião dentro da palheta e assegura a perfeita expulsão do embrião para dentro do útero (Silva, 2003). A palheta que contém o embrião, é carregada com três colunas de meio que são separadas por mais 3 colunas de ar. Sendo a primeira para lubrificar a base da pipeta e a terceira garante que o embrião será depositado para fora da mesma (FRANÇA, 2011). O equipamento para inovulação mais amplamente utilizado pelos pesquisadores de embriões equinos é a pipeta de inseminação artificial. Contudo, vários outros aplicadores também têm sido descritos, como o modelo Hannover de transferência de embriões bovinos, o aplicador modelo Francês e uma adaptação de tubo de aço + tubo de polietileno. Testando esses quatro equipamentos, não observaram diferença significativa, muito embora, o modelo Hannover tenha sido o menos eficiente (LIRA et al.,2009). Empregando uma bainha plástica sobre o equipamento de transferência, denominada assim, técnica coberta, com objetivo de proteger o embrião da contaminação vaginal, foi relatado 54% de prenhez, comparado com 23% sem o uso da mesma (Squires, 1982). Com o emprego desta mesma técnica, Wilson et al., (1987) e Pastorello et al., (1996) obtiveram 77 % e 80% de gestação, respectivamente. A avaliação das receptoras, anteriormente ao ato da transferência, é de suma importância. Devendo-se selecionar a égua mais adequada para receber o embrião.
  13. 13. 13 Tal seleção fundamenta-se nas concentrações plasmáticas de progesterona, naquele momento, contribuindo assim, para que estas apresentem as melhores condições reprodutivas. Então, por palpação deve-se observar a cérvix firme e fechada, aumento de tônus uterino (cilíndrico e tubular). Além disso, não pode haver nenhuma evidência de dobras endometriais ou secreção uterina no exame ultrassonográfico. Administrando progesterona em receptoras equinas no período de D0 (dia da ovulação) a D5, possibilitaram a inovulação destas receptoras no D2, obtendo taxa de prenhez estatisticamente similar as éguas consideradas excelentes a boas para inovulação no D5 (BORTOT, 2013). 2.4.6. Nidação Durante o início da gestação o embrião está presente no corpo uterino e iniciará sua mobilidade a partir dos 9 à 10 dias de gestação. A sua atividade de mobilidade transuterina inicia-se entre os 11º e 15º dia e encerra por volta do 16º dia de gestação (CORTE et al., 1994). 2.5 Diagnostico de gestação O diagnóstico de gestação é realizado através da palpação retal, 20 dias pós- cobertura ou IA observando-se modificações uterinas. A ultrassonografia ginecológica equina permite a visualização da vesícula embrionária, sendo uma estrutura esférica, não ecogênica, e medindo aproximadamente 10 a 15mm de diâmetro após 10 à 14 dias da ovulação (CORTE et al., 1994). 2.5.1. Sexagem Fetal A técnica de sexagem permite a visualização de um determinado sexo, assim, auxiliando uma estimativa de valor zootécnico (OLIVEIRA; YASMIN E RAMOS). O exame se sexagem fetal é realizado através da ultrassonografia transretal, e a visualização pode ser feita pelo tubérculo genital ou da genitália externa. Através do tubérculo é que irá se originar em clitóris nas fêmeas e pênis nos machos. Até o 55º dia o tubérculo situa-se na região dos membros pélvicos, e conforme o
  14. 14. 14 desenvolvimento do feto, o tubérculo migra para parte cranial em direção ao cordão umbilical no feto másculo, e na fêmea para direção caudal. O período ideal para ser realizado o exame de sexagem fetal nas éguas é no período entre 59º à 68º dias de gestação (DIAS, 2007). 2.6 Taxas de prenhez As taxas de prenhez após a TE são influenciadas pelas variáveis que envolvem os 3 principais componentes de uma transferência: a receptora, o embrião e o procedimento de transferência. São algumas delas o método de TE, o técnico que realizou o procedimento, tamanho, idade e morfologia dos embriões, procedimentos de cultura e armazenamento destes, estação do ano, sincronia entre doadora e receptora, idade e histórico reprodutivo das doadoras. Muitos deles já foram explicados nos itens anteriores do trabalho (EVANGELISTA, 2012). Em relação aos materiais e meios utilizados, todos os utensílios devem ser estéreis e livres de resíduos tóxicos aos embriões. Apesar de muitos deles serem descartáveis, os reutilizáveis devem ser lavados com água destilada e esterilizados. Tubos, sondas, cateteres e filtros são normalmente esterilizados com óxido de etileno durante 24 horas. Entretanto, após a esterilização, deve-se permitir a ventilação destes, pois o óxido de etileno é tóxico a embriões e espermatozoides. Além disso, o embrião nunca deve ser exposto à luz do sol (EVANGELISTA, 2012). Qualquer desinfetante utilizado para lavagem de materiais pode ser potencialmente nocivo para o embrião. Utiliza-se os materiais apenas uma vez para TE, reutilizando-os somente para lavagens uterinas terapêuticas. Entretanto, apesar de mais seguro, os custos envolvendo a compra de novos materiais podem ser altos, não sendo aplicável a nossa realidade. De acordo com Riera (2009), as taxas de prenhez são normalmente maiores durante a primavera, provavelmente porque as melhores receptoras são usadas no início da temporada e a alimentação neste período é geralmente melhor. Além disso, o estresse causado pelo calor forte do verão pode afetar as taxas de prenhez. Durante o último terço da temporada a eficiência cai significativamente. Gomes e Gomes (2008) demonstraram taxas de lavados positivos superiores a 70% nos
  15. 15. 15 meses de setembro, outubro e novembro, corroborando com possíveis taxas de prenhez mais altas durante a primavera. A eficiência de um programa de TE envolve questões de organização e logística, onde cada item necessário para a operação da técnica deve estar disponível no momento certo. O manejo de doadoras, receptoras e garanhões deve ser bem feito, evitando perdas desnecessárias no plantel devido à falta de cuidados essenciais, ligados ao bem-estar básico destes animais. A disponibilidade de receptoras é um fator importantíssimo, que afetará as taxas de prenhez, assim como a fertilidade de éguas e garanhões. Os custos envolvidos em um programa de TE são muito altos, e fortemente dependentes do número de receptoras alojadas em uma central. Por isso, os valores devem ser todos analisados, buscando sempre uma melhor relação custo benefício e com isso, uma maior eficiência do programa. Por último, a habilidade do técnico que realiza a TE é um fator chave para boas taxas de prenhez, pois não adianta a natureza realizar o seu papel e o homem estragar tudo (PESSOA, 2012). Considerando que o inicio da manutenção embrionária requer vários processos combinados intrinsecamente, algumas éguas não podem sustentar a gestação além da fase embrionária. Isto pode resultar em enorme perda econômica na indústria de cavalos, em que 30-40% das gestações terminam dentro das duas primeiras semanas da concepção. As taxas de gestação após transferência de embrião são influenciadas pela variabilidade do método de transferência, o técnico, tamanho e idade do embrião, morfologia embrionária, estação do ano, sincronização entre doadoras e receptoras, procedimentos para cultura e armazenagem de embriões, e idade e histórico reprodutivo de doadoras de embrião (EVANGELISTA, 2012). Provavelmente, o aspecto mais importante do manejo clínico da perda embrionária precoce é reconhecer que esta ocorrerá inevitavelmente em algumas éguas, e o curso mais apropriado seria diagnosticar sua ocorrência assim que possível para prover uma oportunidade de aproveitar novamente a égua durante a mesma estação de monta. A descoberta da perda embrionária precoce pode ser realizada através de exames ultrassonográficos a cada 10 dias ou duas semanas durante o início da gestação (PESSOA, 2012). 3. CONCLUSÃO
  16. 16. 16 Com a realização do trabalho foi possível concluir que a TE, atualmente representa uma biotécnica economicamente rentável, que tem proporcionado o desenvolvimento da equinocultura, pois ela permite a produção de múltiplos potros por égua durante o ano, o melhor aproveitamento de éguas que possuam alto valor zootécnico e sejam idosas ou que estejam em atividade esportiva, obtenção de embriões de potras de dois anos, já que nesta fase a gestação é contraindicada e pode prejudicar o desenvolvimento da potra. Ainda, é capaz de gerar potros de éguas subférteis por problemas adquiridos, as quais ficam impedidas de exercer uma gestação a termo devido a uma variedade de razões, tais como idade, infecção uterina crônica, danos cervicais, etc. Além de todas essas vantagens está ainda é capaz de favorecer um maior controle de doenças. Devido a estes fatores tem aumento o número de adeptos a TE, tornando-a bem procurada por criadores de puro sangue. 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BORTOT, D.C. Aspectos da reprodução equina: inseminação artificial e transferência de embrião: Revisão de Literatura. Revista Cientifica Eletrônica de Medicina Veterinária. Ano XI, n. 21, julho de 2013. CAIXETA, E.S. FAGUNDES, E.S. FAGUNDES, N.S. PYLES, E.S.S. Desenvolvimento embrionário inicial equino – revisão. RPCV, n.103, p. 565-566, 2008. CARMO, M.T. Comparação entre Doses Constantes e Decrescentes de Extrato Pituitário Equina na Indução de Superovulação em Éguas. 2006, p 156. CORTE, J.L ALDA, I.N CASTRO, K.E BRASS Diagnóstico precoce de gestação na égua através da ultrassonografia. Braz. J. vet. Res. anim. Sei, São Paulo, v.31, n. 3/4. p.282-7, 1994.
  17. 17. 17 DIAS. L. Diagnóstico de gestação, quantificação e sexagem fetais por meio de ultrassonografia convencional em éguas e ovelha. Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, 2007. EVANGELISTA, R.M. A. Transferência de embriões em equinos e a importância da égua receptora. Monografia apresentada à Faculdade de Medicina Veterinária. Universidade Federal Do Rio Grande Do Sul. Porto Alegre, 2012. FLEURY P.D.C., ALONSO M.A., SOUSA F.A.C., ANDRADE A.F.C. ARRUDA R.P. Uso da gonadotrofina coriônica humana (hCG) visando melhorar as características reprodutivas e fertilidade de receptoras de embriões equinos. Rev. Bras. Reprod. Anim. 31:27-31, 2007. FRANÇA, N.A. Fatores que afetam as taxas de gestação após a transferência de embriões equinos. UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA, Lisboa, 2011. GOMES, G.M.; GOMES, L.P.M. Fatores que influenciam a produção de embriões em éguas doadoras. Acta Scientiae Veterinariae, Porto Alegre, v. 36, p. 199-206. Suplemento 2.2008. HAFEZ, E. S. E; HAFEZ, B. Ciclos Reprodutivos. In: HAFEZ, E. S. E; HAFEZ, B. Reprodução Animal, 7. ed. Barueri, SP: Ed. Manole, 2004. cap. 4, p. 55-67. LENZI, O. Transferência de embriões em equinos. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, 2008. LEY, W.B. Reprodução em éguas: para veterinários de equinos. Reimpressão. São Paulo: Rocca, 2013. LIRA, R.A. PEIXOTO, G.C.X. SILVA, A.R. Transferência de embrião em equinos: revisão. Acta Veterinária Brasílica, v.3, n.4, p.132-140, 2009. LOSINNO, L.; ALVARENGA, M.A. Fatores críticos em programas de transferência de embriões em equinos no Brasil e Argentina. In: REUNIÃO ANUAL DA
  18. 18. 18 SOCIEDADE BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DE EMBRIÕES, 18, 2006, Araxá. Acta Scientiae Veterinariae, Porto Alegre, v. 34, p. 39-49, 2009. McCUE, P. M. Transferência de embriões em equinos. Avaliação do embrião / Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV- SP. Journal of Continuing Education in Animal Science of CRMV-SP. São Paulo: Conselho Regional de Medicina Veterinária, v. 9, n. 3 (2011), p. 80–83, 2011. PESSOA, M.A. Custos envolvidos em central de reprodução equina (central de TE). In: CONFERÊNCIA ANUAL DA ABRAVEQ, 13., 2012, Campinas: ABRAVEQ, 2012. Revista Brasileira de Medicina Veterinária Equina, São Paulo, v. 41, p. 99-102, 2012. PRESTES, N.C. Obstetrícia Veterinária. Reimpressão. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. ROMANO, M.A. MUCCIOLO, R.G. SILVA, A.E.D. Biologia reprodutiva de éguas: estudo do ciclo estral e momento de ovulação. Braz. J. vet. Res. anim. Sci., São Paulo, v. 35, n. 1, p. 25-28, 1998. SQUIRES E.L., IMEL K.L., IULIANO M.F. & SHIDELER R.K. Fatores que afetam a eficiência reprodutiva em equinos programa de transferência de embriões. J. Reprod. Fertil. 32:409-414, 1982. OGURI, N.; TSUTSUMI, Y. Transferência embriões não cirúrgico em éguas. Journal of Reproduction and Fertility, Cambridge, v. 41, n. 2, p. 313-320, Dec. 1974. OLIVEIRA, R.S. YASMIM, I. PIVATO, A.F. RAMOS. Sexagem fetal em equinos. Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.1, p.37-42, jan./mar. 2014. Disponível em www.cbra.org.br. Acesso em setembro de 2015. OUROFINO. Ciclo estral. Imagem. Disponível em: http://site.ourofino.com/blog/wp- content/uploads/2010/11/equinos.jpg. Acesso em setembro de 2015.
  19. 19. 19 PASTORELLO M., MEIRA C., FLEURY J.J. & DUARTE M.C.G. 1996. Transferência não cirúrgica de embriões em equinos de hipismo. Arq. Fac. Vet. UFRGS 24:212. RIERA F.L. Transferência de embriões em equinos. In: SAMPER , J. C. (Ed.). Equine gestão reprodução e inseminação artificial, Philadelphia: Saunders Elsevier, 2009. p. 185-199. SILVA, L.A. Técnica de ultrassonografia de injeção intrauterina para transferência de embriões em equinos. Tese de Dissertação. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2003. SOUZA, R.T.R. Sincronização de receptoras no diestro para utilização em programa de Transferência de Embriões em equinos. Dissertação Programa de Pós- Graduação em Medicina Veterinária. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA, 2013. ZOCA, S.M. Fatores que interferem nas taxas de recuperação embrionária em éguas. Trabalho de conclusão (bacharelado – Medicina Veterinária) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Botucatu, 2009. WILSON J.M., ROWLEY W.K., SMITH H.A., WEBB R.L. & TOLLESON D.R. 1987. Transferência não cirúrgica bem sucedida de embriões equinos para pós-parto em lactação éguas. Theriogenology 27:295.

×