MUNICÍPIO DO RECIFE – PE

Análise do Relatório Resumido da
Execução Orçamentária (RREO)
referente aos meses de janeiro a
o...
SUMÁRIO

1-

INTRODUÇÃO .....................................................................................................
1- INTRODUÇÃO
Geraldo Julio 2013 e o ano que não começou a mudar a vida dos recifenses
Inegável a enorme expectativa da po...
negativo de desempenho, sendo de apenas 10,8% do orçamento. Daí que nenhum novo
conjunto habitacional foi entregue.
Não de...
Em relação à mobilidade do dia a dia, a instalação de ciclofaixas, que poderiam ser uma forma
de deslocamento pela cidade,...
A tabela 2 e o gráfico 1 abaixo apresentam a evolução da receita corrente nos três anos
analisados (2005, 2009 e 2013). De...
3- Receita Corrente Líquida
A Receita Corrente Líquida (RCL) é representada pelo somatório das receitas tributárias, de
co...
A despesa corrente liquidada, com representação em relação à despesa total de 67,7%
correspondeu a R$ 2.018.874.094,26. As...
Todos os municípios, Estados e a União têm limites de endividamento pré-estabelecidos, de
acordo com a Lei de responsabili...
Tabela 7 – Evolução da Receita Corrente (Recife, Salvador e Fortaleza)
EVOLUÇÃO DA RECEITA CORRENTE
Recife
Fortaleza
Salva...
Gráfico 3 – Evolução da Despesa por Função em 2013 (Recife, Salvador e Fortaleza)

Execução da despesa por função
(quinto ...
Execução da despesa por função
(quinto bimestre 2013)
120,0%
100,0%
100,0%

84,5% 77,7%
81,1%
76,5%
77,8%
72,0% 72,6%
80,0...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

relatório das contas da PCR

4.862 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.541
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

relatório das contas da PCR

  1. 1. MUNICÍPIO DO RECIFE – PE Análise do Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) referente aos meses de janeiro a outubro de 2013.
  2. 2. SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO ........................................................................................................................ 3 2- Receitas ................................................................................................................................. 5 3- Receita Corrente Líquida ....................................................................................................... 7 4- Despesas Empenhadas .......................................................................................................... 7 5- Despesas por Secretaria ........................................................................................................ 8 6- Análise dos limites ................................................................................................................. 8 7- Comparação: Recife, Salvador e Fortaleza ............................................................................ 9 2
  3. 3. 1- INTRODUÇÃO Geraldo Julio 2013 e o ano que não começou a mudar a vida dos recifenses Inegável a enorme expectativa da população em torno da Gestão Geraldo Julio. Expectativa criada a partir de um conjunto de sedutoras promessas de campanha, muitas delas com ares de mudança, que mais tarde se mostraram inverídicas, embora aceitas, em função da desastrosa anterior gestão petista no Recife. Ano legislativo - Com uma enorme bancada governista na Câmara de Vereadores, o Prefeito não pode acusar a oposição de qualquer manifestação exagerada ou irresponsável. A bancada oposicionista, apesar de contar com apenas 4 integrantes, foi a fundo no papel que lhe compete, que é o de exercer a fiscalização do Executivo. Porém, e apesar da sua esmagadora maioria no Legislativo Municipal, quase nenhuma das leis propostas tocavam nas questões estruturais e que fazem a qualidade de vida dos recifenses. Balanço negativo - Ao final do ano passado, com os dados de execução orçamentária divulgados de janeiro a outubro, já foi possível adiantar que o ano de 2013 praticamente não existiu em termos de mudanças reais para a cidade do Recife. Propagou-se que, finalmente, a ordem urbana seria restabelecida. Mas o que se viu foram ações isoladas, sem a devida continuidade. Estabelecimentos comerciais continuam utilizando as calçadas como estacionamento. Ruas e passeios do Centro da Cidade permanecem, em sua grande maioria, loteados, sem qualquer solução alternativa de trabalho para os ambulantes. Foi prometido à população que a máquina pública se tornaria eficiente, e, neste momento, alardeia-se que nunca se viu tanto investimento na cidade. Porém, os dados financeiros apresentados pela própria Prefeitura não comprovam o discurso. Muito pelo contrário! Algumas secretarias apresentam resultados ridículos de execução orçamentária, segundo informações da própria Prefeitura do Recife, no balanço de janeiro até outubro de 2013. Sob o aspecto orçamentário/financeiro, o item Desporto/Lazer teve apenas 13,82% efetivamente realizado. Direitos da Cidadania, Ciência e Tecnologia e Saneamento também apresentaram resultados abaixo de qualquer crítica. Mas coube à área de Habitação o recorde 3
  4. 4. negativo de desempenho, sendo de apenas 10,8% do orçamento. Daí que nenhum novo conjunto habitacional foi entregue. Não deve ser coincidência o fato de o PT estar administrando esta Secretaria, em uma sociedade direta da gestão de Geraldo Julio com João da Costa. Isso tudo em uma cidade com enorme déficit habitacional, inclusive com catástrofes recentes, como aquela que ocorreu na comunidade dos Coelhos, no Centro do Recife. Na prática, pode-se dizer que algumas áreas não fizeram nada, a não ser o pagamento da folha de pessoal, eternizando a política do empreguismo sem resultados. Isto pode ser observado mais abaixo, na Tabela 4 – Despesas. Mascarando o prejuízo - Como forma de mascarar a situação de precariedade na gestão pública, utilizou-se a velha prática já conhecida em momentos de dificuldade: recapeamento de ruas como forma de propaganda, criando-se a sensação de que tudo está andando, quando, na verdade, a máquina pública insiste em não sair do lugar, em uma gestão tomada pela burocracia e pelo tecnicismo presentes em um Governo que não sai às ruas. Outra preocupação diz respeito à absoluta falta de autonomia do município, que parece ter se transformado em uma filial do Governo do Estado. Em alguns casos não se sabe onde acaba a responsabilidade de um e começa a do outro. Preocupam, essencialmente, as obras de mobilidade. Imobilidade - Aliás, no capítulo mobilidade urbana, a gestão Geraldo Julio, decorrido um ano, nada de significativo, fez ou realizou – fora a malfadada e derrotada proposta do Rodízio de veículos. Sequer apresentou um plano de mobilidade, após retirar da Câmara Municipal a obra de ficção deixada pelo seu antecessor. O temor inicial parece se tornar realidade: não teremos obra alguma concluída antes da Copa do Mundo. Em diversas matérias veiculadas pela Imprensa pernambucana, alerta-se que nenhuma obra estará concluída antes do início do torneio. Não teremos BRT, os terminais de passageiros não estarão concluídos e as obras que caberiam à Prefeitura, especialmente as que dizem respeito ao trânsito local, como os corredores de ônibus segregados nas principais avenidas, tardam a sair do lugar. 4
  5. 5. Em relação à mobilidade do dia a dia, a instalação de ciclofaixas, que poderiam ser uma forma de deslocamento pela cidade, parece só existir como forma de lazer da classe média nos fins de semana. Isso sem falar na absoluta falta de transparência do Poder Público local com a população, especialmente no que diz respeito às aprovações de enormes projetos de impacto urbanístico, aprovados sempre ao fim do ano, no apagar das luzes e sem o devido debate. Em meio a este cenário preocupante, elaboramos uma análise com os dados divulgados financeiros pela Prefeitura de janeiro até outubro de 2013. Os dados de fechamento do ano só estarão à disposição no início de fevereiro. 2- Receitas A previsão atualizada de receita do Município do Recife somou R$ 4.289.683.343,91 de janeiro a outubro de 2013. As receitas realizadas corresponderam a R$ 2.981.622.750,98, gerando um saldo de R$ 1.308.060.592,93. As receitas tributárias, segunda categoria de impostos, depois das transferências correntes, corresponderam a R$ 1.011.815.404,08 (34% da receita realizada total), já as transferências correntes, R$ 1.419.412.070,05 (48% da receita realizada total). Chama a atenção na tabela 1, o baixo desempenho das receitas de capital, apenas 29% do total, idem as receitas patrimoniais – 50%, e o montante das transferências correntes a se realizar no último bimestre, R$ 513 milhões. Tabela 1 – Composição da Receita Total – Recife 5° bimestre 2013 Item/Período Previsão inicial Receitas Correntes Receitas Tributárias Impostos Taxas Receitas de Contribuições Receitas de Serviços Receitas Patrimoniais Transferências Correntes Outras receitas correntes Receitas de Capital Receitas Correntes Intraorçamentárias Receita Total 3.392.822.000,00 1.153.347.000,00 1.029.412.000,00 123.935.000,00 124.800.000,00 22.623.000,00 88.615.000,00 1.899.479.000,00 103.958.000,00 692.728.000,00 124.350.000,00 4.209.900.000,00 Receitas realizadas Previsão atualizada (a) No Bimestre (b) % (b/a) Até o Bimestre (c) % (c/a) 343.660.534.391,00 512.056.653,11 14,90% 2.698.937.905,81 78,53% 1.163.347.000,00 188.903.202,55 16,24% 1.011.815.404,08 86,97% 1.039.412.000,00 172.926.808,72 16,64% 890.875.817,71 85,71% 123.935.000,00 15.976.393,83 12,89% 120.939.586,37 97,58% 124.800.000,00 27.005.547,59 21,64% 112.708.855,89 90,31% 22.623.000,00 1.032.726,44 4,56% 18.004.703,02 79,59% 88.615.000,00 7.617.736,26 8,60% 44.332.775,99 50,03% 1.933.262.343,91 268.010.250,91 13,86% 1.419.412.070,05 73,42% 103.958.000,00 19.487.189,36 18,75% 92.664.096,78 89,14% 728.728.000,00 93.091.040,33 12,77% 215.839.100,15 29,62% 124.350.000,00 18.909.944,97 15,21% 66.845.745,02 53,76% 4.289.683.343,91 624.057.638,41 14,55% 2.981.622.750,98 69,51% SALDO (a-c) 737.667.438,10 151.531.595,92 148.536.182,29 2.995.413,63 12.091.144,11 4.618.296,98 44.282.224,01 513.850.273,86 11.293.903,22 512.888.899,85 57.504.254,98 1.308.060.592,93 Fonte: Diário Oficial do Município 5
  6. 6. A tabela 2 e o gráfico 1 abaixo apresentam a evolução da receita corrente nos três anos analisados (2005, 2009 e 2013). De uma maneira geral a receita se mantém estável ao longo dos meses, à exceção do mês de fevereiro de 2013, quando a receita atingiu R$ 378.769.692,75. Tabela 2 – Evolução da Receita Corrente Líquida – valor nominal EVOLUÇÃO DA RECEITA CORRENTE - VALOR NOMINAL MÊS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out TOTAL - VALOR NOMINAL TOTAL - VALOR REAL (IPCA)* 2005 2009 2013 119.942.000,00 170.606.407,33 281.198.014,94 121.097.000,00 220.021.890,02 378.769.692,75 115.395.000,00 206.228.121,12 298.147.978,75 109.404.000,00 184.918.549,97 307.149.245,36 134.375.000,00 205.023.178,74 283.472.173,10 113.841.000,00 185.069.071,11 270.247.335,82 108.699.000,00 180.870.351,47 270.771.399,99 133.379.000,00 184.377.284,63 279.401.843,24 104.941.000,00 177.066.684,04 256.584.940,41 113.743.000,00 192.500.853,94 293.496.526,72 1.174.816.000,00 1.906.682.392,37 2.919.239.151,08 1.768.633.200,64 2.407.908.968,96 2.919.239.151,08 Fonte: Diário Oficial do Município. O índice de atualização utilizado foi o IPCA (IBGE) Gráfico 1 – Evolução da Receita Corrente – Valor real Evolução da Receita Corrente Valor Real (deflacionado pelo IPCA -IBGE) R$ 3.500.000.000,00 R$ 2.919.239.151,08 R$ 3.000.000.000,00 R$ 2.500.000.000,00 R$ 2.407.908.968,96 R$ 2.000.000.000,00 R$ 1.500.000.000,00 R$ 1.768.633.200,64 R$ 1.000.000.000,00 R$ 500.000.000,00 R$ 0,00 2005 2009 2013 Fonte: Elaboração nossa 6
  7. 7. 3- Receita Corrente Líquida A Receita Corrente Líquida (RCL) é representada pelo somatório das receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais, industriais, agropecuárias, de serviços, transferências correntes e outras receitas correntes, menos as deduções legais determinadas pelo artigo 2°, Inciso IV, da Lei de Responsabilidade Fiscal. Tabela 3 – Receita Corrente Líquida – Recife 5° bimestre 2013 Item/Período Receita Corrente Líquida Até o 1° Até o 2° Até o 31 de quadrimestre quadrimestre outubro de 2013 2013 2013 3.144.938.238,70 3.200.826.138,00 3.219.486.326,94 Fonte: Diário Oficial do Município A tabela 3 demonstra a RCL do Recife até o quinto bimestre (R$ 3.219.486.326,94). Ela é utilizada para determinar os limites do município com as despesas de pessoal, operações de crédito, dívida fundada, entre outros. Assim, quanto maior for a RCL maiores serão os limites de que o município pode dispor. 4- Despesas Empenhadas As despesas empenhadas atingiram no quinto bimestre de 2013 o montante de R$ 2.965.924.137,26, já as despesas liquidadas somaram R$ 2.981.622.750,98, restando um saldo a liquidar na ordem de R$ 1.951.399.214,46. Tabela 4 – Despesas – Recife 5° bimestre 2013 Item/Período Despesas (Exceto Intra-Orçamentárias) Despesas Correntes Pessoal e Encargos Juros e Encargos da Divida Outras Despesas correntes Despesas de Capital Investimentos Inversões Financeiras Amortizações da Divida Despesa Corrente Intraorçamentárias Depesa Total Dotação inicial (d) Créditos adicionais (e) 4.085.550.000,00 2.862.860.280,00 1.523.788.853,00 44.685.000,00 1.294.386.427,00 1.059.339.720,00 1.004.059.720,00 90.000,00 55.190.000,00 124.350.000,00 4.209.900.000,00 150.411.052,69 81.257.813,26 6.296.346,11 -4293860,42 79.255.327,57 87.153.239,43 87.112.176,80 41.062,63 -10.398.000,00 140.013.052,69 Dotação atualizada f= (d+e) 4.235.961.052,69 2.944.118.093,26 1.530.085.199,11 40.391.139,58 1.373.641.754,57 1.146.492.959,43 1.091.171.896,80 90.000,00 55.231.062,63 113.952.000,00 4.349.913.052,69 Despesas empenhadas No Bimestre Até o Bimestre 438.823.502,28 362.790.713,58 237.489.516,50 -490.862,29 125.792.059,37 76.032.788,70 76.263.390,93 -230.602,23 6.981.073,68 445.804.575,96 2.864.530.605,81 2.307.474.896,81 1.191.990.074,90 29.407.289,35 1.086.077.532,56 557.055.706,00 504.317.441,70 52.738.264,30 101.393.534,45 2.965.924.137,26 Despesas liquidadas Até o Bimestre (g) No Bimestre 579.949.458,85 491.198.957,81 252.464.217,32 5.089.894,82 233.644.845,67 88.750.501,04 80.665.838,23 8.084.662,81 19.981.576,75 599.931.035,60 2.315.997.788,45 2.018.874.094,26 1.154.538.179,76 25.701.503,38 838.634.411,12 297.123.694,19 251.298.087,80 45.825.606,39 82.516.049,78 2.981.622.750,98 % (g/f) Saldo a liquidar 54,67% 1.919.963.264,24 68,57% 925.243.999,00 75,46% 375.547.019,35 63,63% 14.689.636,20 61,05% 535.007.343,45 25,92% 849.369.265,24 23,03% 839.873.809,00 0,00% 90.000,00 82,97% 9.405.456,24 72,41% 31.435.950,22 55,14% 1.951.399.214,46 Fonte: Diário Oficial do Município Dois itens merecem destaque negativo (i). Apenas 25,9% das despesas de capital foram liquidadas e menos da metade empenhadas, (ii) idem investimentos, de um total de 1.0 bi previsto, menos da metade foi empenhado e parcos 23% liquidados. 7
  8. 8. A despesa corrente liquidada, com representação em relação à despesa total de 67,7% correspondeu a R$ 2.018.874.094,26. As despesas de pessoal representaram o principal gasto no período analisado, totalizando R$ 1.154.538.179.76. Em segundo lugar vêm as outras despesas correntes que abrigam os materiais de consumo e outros serviços de terceiros – pessoa jurídica, que totalizou R$ 838.634.411,12. 5- Despesas por Secretaria Historicamente, as Secretarias da Educação e Saúde são as maiores beneficiadas pelo volume de recursos colocados a sua disposição. Assim, as duas secretarias, junto com Urbanismo e Administração, receberam as quantias mais elevadas. A tabela 5, abaixo, demonstra as despesas por secretaria. No total, a Prefeitura só conseguiu liquidar 55,14% das despesas. Vale destacar que apenas 18,84% das despesas da Secretaria de Saneamento foram liquidadas. Na Habitação, a situação é ainda pior, correspondendo a 10,8%, Desporto e Lazer, apenas 13,82%. Tabela 5 – Despesas por Secretaria – Recife 5° bimestre 2013 Item/Período Urbanismo Saúde Administração Educação Previdência Social Saneamento Legislativa Cultura Encargos Especiais Assistência Social Habitação Comércios e Serviços Gestão Ambiental Ciencia e Tecnologia Direitos da Cidadania Desporto e Lazer Comunicações Trabalho TOTAL Dotação inicial 1.112.851.244,00 723.110.000,00 661.130.785,00 610.890.000,00 283.035.000,00 126.756.555,00 111.250.000,00 73.413.620,00 54.500.000,00 40.458.617,00 35.695.000,00 27.763.593,00 18.108.300,00 15.484.286,00 12.268.000,00 8.215.000,00 6.430.000,00 840.000,00 4.209.900.000,00 Despesas empenhadas Dotação atualizada (a) No Bimestre Até o Bimestre 1.133.376.907,71 790.813.728,56 645.246.231,53 642.150.407,38 283.035.000,00 101.224.787,33 111.120.000,00 88.132.316,04 57.730.211,59 48.538.437,85 36.817.800,79 31.599.208,49 27.297.829,00 8.494.626,76 34.959.601,55 34.640.575,00 15.376.000,00 57.383,11 4.349.913.052,69 54.807.160,05 109.248.610,05 76.018.547,70 84.119.374,08 47.699.927,47 11.444.086,55 8.425.585,73 5.950.531,85 2.808.118,23 4.450.269,52 10.003.357,40 2.004.515,83 5.797.810,62 1.383.174,46 2.745.787,05 2.016.645,69 9.900.000,00 734.602.363,05 602.001.022,25 500.240.645,67 449.292.277,15 204.294.932,44 46.218.584,78 95.616.946,76 67.590.269,21 56.024.770,08 25.688.379,25 12.126.449,35 15.534.834,36 23.707.066,81 3.695.233,22 8.627.578,38 5.032.307,25 14.179.559,69 57.383,11 445.804.575,96 2.965.924.137,26 Despesas liquidadas No Bimestre 149.091.907,31 136.392.784,57 92.093.112,98 93.796.897,39 47.826.261,10 3.699.798,16 17.177.894,57 6.556.394,77 10.769.366,72 5.942.020,74 1.961.767,06 2.828.364,94 5.137.448,18 1.069.394,70 3.228.849,79 1.868.304,64 508.891,23 Até o Bimestre % % (b/a) (b) (b/totalb) 483.052.078,51 523.677.687,97 447.064.813,81 377.521.170,21 203.698.512,21 19.073.081,34 82.786.654,84 56.753.204,97 48.794.889,48 21.030.469,38 3.977.524,28 12.799.540,71 16.628.713,45 2.365.020,23 7.783.780,70 4.788.030,21 4.145.233,04 57.383,11 599.931.035,60 2.398.513.838,23 Saldo a liquidar 20,14% 42,62% 650.324.829,20 21,83% 66,22% 267.136.040,59 18,64% 69,29% 198.181.417,72 15,74% 58,79% 264.629.237,17 8,49% 71,97% 79.336.487,79 0,80% 18,84% 82.151.705,99 3,45% 74,50% 28.333.345,16 2,37% 64,40% 31.379.111,07 2,03% 84,52% 8.935.322,11 0,88% 43,33% 27.507.968,47 0,17% 10,80% 32.840.276,51 0,53% 40,51% 18.799.667,78 0,69% 60,92% 10.669.115,55 0,10% 27,84% 6.129.606,53 0,32% 22,27% 27.175.820,85 0,20% 13,82% 29.852.544,79 0,17% 26,96% 11.230.766,96 0,00% 100,00% 100,00% 55,14% 1.951.399.214,46 Fonte: Diário Oficial do Município 6- Análise dos limites Captação ridícula e irresponsável – Se se quer uma síntese dos governos do PT, basta ver a ridícula captação de recursos externos, via operações de crédito, numa cidade faminta por infraestrutura e com larga capacidade de endividamento. 8
  9. 9. Todos os municípios, Estados e a União têm limites de endividamento pré-estabelecidos, de acordo com a Lei de responsabilidade Fiscal (RLF). Um município pode se endividar, afinal é assim que se adquirem financiamentos para construções civis, melhorias urbanas e benefícios à população. O que não pode acontecer é o comprometimento abusivo da Receita Corrente Líquida (RCL). A LRF diz que o endividamento não pode ultrapassar 1,2 vezes a RCL. A tabela 6 revela que aplicadas as deduções legais à dívida consolidada, obtêm-se o montante da dívida consolidada líquida de R$ 105.752.106,72 até outubro de 2013. Sua participação em relação à RCL não foi além dos 3,28%, quando o limite determinado de 120% da mesma receita corrente líquida. Tabela 6 – Dívida Consolidada Líquida – Recife 5° bimestre 2013 31 de dezembro 30 de abril de 31 de agosto de 31 de outubro Item/Período de 2012 2013 2013 de 2013 Divida Consolidada 580.843.638,45 552.609.521,50 644.150.730,06 723.669.802,24 Deduções 422.866.524,14 830.685.738,49 909.468.159,31 829.421.908,96 Divida Consolidada Liquida 157.977.114,31 278.076.216,99 265.317.429,25 105.752.106,72 Receita corrente líquida 3.099.850.699,49 3.144.938.238,70 3.200.826.138,00 3.219.486.326,94 DC/RCL 18,74% 17,57% 20,12% 22,48% DCL/RCL 5,10% 8,84% 8,29% 3,28% Limite legal (120% da RCL) 3.782.897.929,98 3.773.925.886,44 3.840.991.365,60 3.863.383.592,33 Fonte: Diário Oficial do Município 7- Comparação: Recife, Salvador e Fortaleza A menor arrecadação – De porte semelhante, das três maiores capitais do Nordeste analisadas, Recife apresentou a menor arrecadação correspondendo a R$ 2.369.157.683,95, ficando atrás de Salvador, R$ 2.908.439.242,85, e de Fortaleza, R$ 2.843.214.322,79. Em média, meio bilhão a menos. Com relação às despesas liquidadas, a Prefeitura do Recife apresentou o pior desempenho, correspondendo a 55,14%, Salvador executou 67,37% - mais de 10 pontos percentuais acima da Prefeitura do Recife - e a de Fortaleza, 77,37%. 9
  10. 10. Tabela 7 – Evolução da Receita Corrente (Recife, Salvador e Fortaleza) EVOLUÇÃO DA RECEITA CORRENTE Recife Fortaleza Salvador MÊS Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out TOTAL 281.198.014,94 305.691.467,54 321.868.351,54 378.769.692,75 461.650.172,65 592.751.351,58 298.147.978,75 347.258.668,31 310.795.506,38 307.149.245,36 360.631.246,10 328.277.991,77 283.472.173,10 371.249.552,92 345.683.019,49 270.247.335,82 333.428.370,79 324.640.857,82 270.771.399,99 321.127.015,32 349.588.358,80 279.401.843,24 342.177.829,16 334.833.805,47 256.584.940,41 338.183.072,40 336.384.102,37 293.496.526,72 351.759.187,36 344.936.541,76 2.919.239.151,08 3.533.156.582,55 3.589.759.886,98 Fonte: Elaboração própria, com dados dos municípios Gráfico 2 – Receita Corrente em 2013 (Recife, Salvador e Fortaleza) Receita Corrente (2013) 700.000.000,00 600.000.000,00 500.000.000,00 400.000.000,00 300.000.000,00 200.000.000,00 100.000.000,00 0,00 Jan Recife Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Fortaleza Set Out Salvador Fonte: Elaboração própria, com dados dos municípios Os gráficos abaixo fornecem dados comparativos abrangendo as três capitais já citadas no quinto bimestre de 2013. Das 18 áreas pesquisadas, Recife só é melhor que Salvador e Fortaleza em apenas três: Cultura, Trabalho e Ciência e Tecnologia. 10
  11. 11. Gráfico 3 – Evolução da Despesa por Função em 2013 (Recife, Salvador e Fortaleza) Execução da despesa por função (quinto bimestre 2013) 100,0% 86,6% 90,0% 80,0% 68,6% 70,0% 60,0% 50,0% 44,6% 43,5% Recife 40,0% 28,2% 30,0% 20,0% 31,1% 27,8% 22,3% 13,8% 14,7% 11,2% 10,8% Salvador 27,0% Fortaleza 18,8% 10,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% Execução da despesa por função (quinto bimestre 2013) 80,0% 74,9% 73,9% 70,0% 60,0% 61,8% 60,9% 54,5% 50,0% 40,5% 54,2% 42,6% 40,0% 30,0% 20,0% 45,2% 43,3% 68,1%67,3% 66,2% 64,5% 58,8% 52,6% 44,9% Recife 26,5% Salvador Fortaleza 10,0% 0,0% 11
  12. 12. Execução da despesa por função (quinto bimestre 2013) 120,0% 100,0% 100,0% 84,5% 77,7% 81,1% 76,5% 77,8% 72,0% 72,6% 80,0% 74,5% 68,7% 69,3% 64,4% 63,0% 63,2% 60,0% 38,7% 34,1% 40,0% 20,0% Recife 22,2% Salvador Fortaleza 0,0% 0,0% 12

×