Apresentao comunho a marca da igreja primitiva

2.601 visualizações

Publicada em

MENSAGEM

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.601
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentao comunho a marca da igreja primitiva

  1. 1.
  2. 2. Comunhão a Marca da Igreja Primitiva<br />Texto. Atos. 4. 32-37.<br />Introdução<br /> Comunhão significa partilhar juntos, no mesmo propósito a fim de, se fortalecer a unidade da Igreja. <br /> Essa passagem e a de atos 2. 42-47, se completam. Esses dois relatos revelam a vida comunal dos que se convertiam ao Evangelho. <br />Lucas mostra nesse breve relato como era o dia-a-dia dos primeiros cristãos.<br />
  3. 3. I. Um só Propósito<br />1. Comunhão dos Irmãos – Atos. 4. 32. <br />*Os cristãos, agora, já formavam uma grande multidão. <br />a) Quase três mil no dia de pentecostes. <br />b) Esse número elevou-se para quase cinco mil, após a cura do coxo na porta formosa. <br />Atos. 4. 4. <br /> Todos viviam em torno do nome de Jesus, pois assumiram uma nova postura de vida. Gozavam o companheirismo mútuo e, o Espírito Santo estava com eles.<br />
  4. 4. 2. Fruto do Espírito.<br />* Atos. 4. 32. “...mas todas as coisas lhes eram comuns”. <br />*O Espírito santo quebrou a natureza egoísta, tão comum no gênero humano, de modo que tudo lhes era comum. <br />*Antes da formação da Igreja, já havia já havia a comunidade dos essênios, que viviam na região do mar morto, deserto da Judéia. <br />* Eles tinham um padrão de vida parecido. A Diferença é que lá era uma imposição. Seus membros deviam seguir o manual de disciplina, regra básica deles.<br />Obs. Era o terceiro grupo religioso da época de Cristo.<br />
  5. 5. II. O Testemunho dos Apóstolos<br />1. A Ressurreição de Cristo é o Principal pilar do Cristianismo. V 33. <br />* A ressurreição de Cristo é o maior acontecimento da história. <br />* Pedro falou desse fato no discurso do dia de pentecoste, no pórtico de Salomão.<br />* Esse evento, é a viga-mestra da cristandade, responsável pela unidade dos irmãos, e pela comunhão no Espírito Santo.<br />
  6. 6. 2. A Grandeza da Ressurreição desfaz o escândalo da Cruz. <br />* O milagre foi tão extraordinário que, para os gregos, era loucura. Atos. 17. 32.<br />* A morte de Jesus foi testemunhada por muitos em Jerusalém. A noticia do acontecimento se espalhou por toda parte.<br />* Isto era escândalo para os judeus, admitir que seu messias fora um réu, pendurado em um madeiro. <br />
  7. 7. * A ressurreição desfazia esse escândalo. A dificuldade dos judeus era crer nisto, ainda mais, quando a consciência os acusava de traição.<br />* Pedro aproveitou a descida do Espírito Santo, no dia de pentecoste, para associar o evento a ressurreição de Cristo. <br />* Pedro Convenceu parcela da população de Jerusalém, ou de estrangeiros que peregrinavam na cidade santa, e eles se converteram a Cristo. <br />Obs.A ressurreição de Cristo, é o elo desta comunhão entre os que O aceitam.<br />
  8. 8. 3.Testemunhado o Cristo ressurreto. <br />a) Estes sinais estão ligados a ressurreição de Cristo. V 33<br />* Até então, todos sabiam da morte do Nazareno, mas só uma minoria, estava ciente de sua ressurreição.<br />* Não somente os sinais extraordinários, mas, também a ação conjunta da comunidade cristã eram a prova da ressurreição de Cristo. <br />* Essa unidade e comunhão devem ser a marca da Igreja atual. Discórdias, pelejas, disputas e competições, são fatores que levam à divisão do corpo de Cristo. E isto entristece o Espírito Santo. <br />
  9. 9. III. A Nova Vida dos Primeiros Cristãos<br />1. O Inicio de uma nova época. V 34<br />* Essa passagem nos faz lembrar o começo da nação de Israel, quando os hebreus foram libertos do cativeiro. Ex. 12. 35,36. <br />* Todos saíram do Egito, mais ou menos na mesma situação financeira. Deus proveu os meios para que o povo pudesse sobreviver à peregrinação no deserto, rumo à terra prometida. Era um novo começo. Uma nova nação despontava no horizonte. O mesmo aconteceu com a Igreja primitiva. V 35. <br />
  10. 10. 2. A Generosidade dos Irmãos<br />Atos. 4. 34-36. <br />* Barnabé é um nome aramaico que significa “Filho da Consolação”<br />* Era levita e natural de Chipre, ilha grega, no mediterrâneo. <br />* Ele vendeu suas propriedades e, levou o dinheiro para os apóstolos administrar, afim de suprir as necessidades dos irmãos. <br />*Lucas citou o seu nome, pela sua generosidade, que, incentivou os demais irmãos a pratica da generosidade, que selava a comunhão da Igreja. <br />
  11. 11. 3. Uma Distorção a Ser Corrigida<br />* O fato era uma ação voluntária, não é doutrina Bíblica, nem significa que isto é um sinônimo de estar cheio do Espírito Santo.<br />* Os exploradores da fé do povo, usam essa passagem, para extorquir suas vítimas.<br />* Nenhum apóstolo pediu que os discípulos vendessem suas propriedades, era um ato voluntário.<br />* A Igreja precisa estudar, e, procurar imitar os cuidados pelos necessitados. <br />Deuteronômio. 15. 4; II Corintios. 9. 9,10. <br />
  12. 12. Conclusão:A Igreja primitiva foi marcada pelo sentimento de comunhão, que envolvia os corações. Atos. 2. 42; 4. 32. <br /> Essa comunhão selava o crescimento da Igreja em Jerusalém, pois, todos os que viam desejava fazer parte daquela Igreja. At. 2. 46, 47.<br /> O próprio Deus afirma que, a comunhão é o ponto de partida, para alcançar qualquer propósito. Gênesis. 11. 6.<br /> O salmista adverte que os Irmãos precisam viver unidos. Salmos. 133. 1.<br /> O nosso mestre Jesus Cristo deixa bem claro em suas palavras que, quando há verdadeiramente unidade, tudo que pedimos ao Pai, Ele concede. <br /> Que Deus nos abençoe, que possamos viver esse sentimento tão maravilhoso. <br />

×