CIDESD Performance Desportiva V4 N9

513 visualizações

Publicada em

COMPUTACIONAL FLUID DYNAMICS

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CIDESD Performance Desportiva V4 N9

  1. 1. www.cidesd.utad.ptJANEIRO-MARÇO DE 2013VOLUME 4 , NÚMERO 9Performance Desportiva 9COMPUTACIONAL FLUID DYNAMICSAplicações para otreino na NataçãoLigações ao tecido empresarialCIDESD-M.A.R.KAYAKSInvestigação eDesenvolvimentodesportivo: Natação
  2. 2. www.cidesd.utad.ptEditorialJANEIRO-MARÇO DE 2013VOLUME 4 , NÚMERO 9BOLETIM TÉCNICO-CIENTÍFICOPUBLICAÇÃO TRIMESTRAL DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EMDESPORTO, SAÚDE E DESENVOLVIMENTO HUMANO (ISSN 1647-3280)EDITORES - MÁRIO COSTA, NUNO LEITE, BRUNO TRAVASSOSEDIÇÃO GRÁFICA - BRUNO FIGUEIRAPERFORMANCE DESPORTIVAA acompanhar as mudanças estruturais e funcionais em curso no país surge também um novo conceito para oboletim técnico-científico do grupo da Performance Desportiva do CIDESD. Suportado na retaguarda por umarenovada equipa de editores, as temáticas agora a tratar centrar-se-ão nas três grandes linhas de intervenção a queo CIDESD e a área da Performance Desportiva estão elenquadas (i) Dinâmica computacional de fluídos (CFD); (ii)CreativeLab, e; (iii) Factores genéticos, fisiológicos e biomecânicos determinantes do rendimento. A elaboração decada um dos números do boletim, que manterá a sua periodicidade trimestral, socorrer-se-á maioritariamente dasopiniões oriundas de diferentes personalidades (investigadores, treinadores e outros agentes desportivos) comênfase no desporto nacional. Simultaneamente, o boletim pautará pela diversidade desportiva, descriminando ocontributo técnico-científico num amplo leque de modalidades. Espera-se assim que o boletim seja assumido comouma ferramenta útil para equipas de carácter multidisciplinar. Mais do que um espaço de evidências científicas,pretenderemos que investigadores e treinadores possam encurtar as pontes entre si, nomeadamente entre a teoriae a prática.Os Editores
  3. 3. www.cidesd.utad.ptA investigação em ciências dodesporto visa o estudo da inter-acção entre fenómenos físicos,antropométricos e fisiológicosque concorrem para a produçãodo movimento humano. Numaprimeira instância, os investiga-dores debruçam-se na descriçãoe a caracterização do estado demovimento, bem como, nas suascausas; seguidamente procuramidentificar os factores deter-minantes da performance e aquantificação do contributo par-cial de cada um deles. Se por umlado, centram esforços no estudodo movimento humano per si. Poroutro, dedicam-se à análise dosfactores exógenos que poderãode alguma forma ter um papelrelevante no desempenho hu-mano, como são a título ilustrati-vo, os casos dos equipamentos emateriais desportivos.Uma das áreas emergentes deinvestigação em contexto despor-tivo, é a dinâmica computacionalde fluidos (CFD do inglês, com-puter fluid dynamics). A CFDconsiste num conjunto de simu-lações numéricas para a prediçãoquantitativa das características deescoamento de fluidos em tornode corpos (que neste caso ocorreem contexto desportivo).Com a emergência de pacotes deanálise para CFD em ambientegráfico e intuitivos, a investigaçãoneste domínio sofreu um aumentode interesse. Tanto mais, quehoje em dia estão disponíveisquer produtos comerciais a pre-ços relativamente acessíveis(p.e., Fluent®); quer deaplicações freeware (p.e. Open-FOAM®, Elmer®, SU2®). Entreoutras, as principais vantagensdestes pacotes é que não seránecessário um domínio aprofun-dado da pesada matemática quesubjaz a todo o processamentodos dados, ou da aprendizagemde linhas de comando para aexecutar a respectiva pro-gramação.Em contexto desportivo, a CFDtem potencial para explorartemáticas tão diversas como: (i) ainfluência de determinada roupadesportiva na performance develocistas e saltadores no Atletis-mo; (ii) a influência dos fatos debanho na performance dosnadadores; (iii) o número, ge-ometria e forma de costurar ospainéis numa bola de Futebol;(iv) a geometria das embar-cações nos desportos aquáticos;(v) a posição corporal em cimade uma bicicleta ou de uma moto;(vi) a optimização da geometriados capacetes de ciclistas e demotociclistas; (vii) o comporta-mento aerodinâmico dosengenhos nos concursos de lan-çamentos no Atletismo; (viii) oefeito do drafting no Ciclismo,Natação de águas abertas e/ouTriatlo; (ix) o comportamentoaerodinâmico da bola de Futebol,Andebol ou Voleibol em funçãodo tipo de efeito gerado (i.e.spins induzidos à bola); (x) osdiferentes tipos de asas (i.e. aero-fiol) que se podem colocar numcarro de Fórmula 1 em função dotraçado do circuito.Em muitas circunstâncias, numdado desporto, a diferença entreatletas de elite mede-se por pe-quenas fracções da unidade demedida da performance. A teoriados ganhos marginais (ou resid-uais) diz que por vezes melhoriastidas como estatisticamente nãosignificativas, quando obtidascumulativamente em vários fac-tores determinantes da perfor-mance podem ter um elevadopoder interpretativo do resultadodesportivo obtido. Neste contexto,a Biomecânica computacionalquando aplicada ao contexto des-portivo tem uma elevada latitudede actuação. Daí que diversasempresas da indústria de equi-pamentos desportivos se socorramrecorrentemente de técnicas deCFD para análise dos seusprodutos, sejam embarcaçõesdesportivas (p.e. Nelo®), vestuáriode atletismo (p.e. Nike®), fatos debanho (Speedo® e Arena®) ouequipas de desportos motorizados(p.e. F1 Mclaren team).Em jeito de conclusão, a CFD éuma técnica de avaliação emer-gente que permite o desenvolvi-mento de produtos e aperfeiçoa-mento de técnicas desportivas. Éclaramente uma técnica que dadoo seu poder visual aliado a in-formações válidas e precisas, facil-mente se transforma em in-formação útil para investigadores,analistas desportivos, técnicos eatletas. Logo, é uma ferramentaótima para a aproximação ecriação de vasos comunicantesentre a teoria e a prática, entre aCiência e a Tecnologia, entre ainvestigação e o controlo/avaliação do treino/competição.PÁGINA 3VOLUME 4 , NÚMERO 9Tiago M Barbosa1,2tia-go.barbosa@nie.edu.sg1NanyangTechnologicalUniversity Singapura2CIDESD“A CFD É UMATÉCNICA QUEPERMITE ODESENVOLVIMENTODE PRODUTOS E OAPERFEIÇOAMENTODE TÉCNICASDESPORTIVAS.”A dinâmica computacional de fluidos:aplicação ao contexto desportivo
  4. 4. www.cidesd.utad.ptPÁGINA 4PERFORMANCE DESPORTIVAVários estudos têm de-monstrado que os mem-bros superiores, nomea-damente a mão do nada-dor, desempenha um pa-pel primordial na produ-ção de força propulsivaem natação e consequen-temente na velocidade denado. A posição relativados dedos durante o tra-jecto subaquático da mãoé um dos temas em queparece não existir um con-senso no que se refere àposição mais vantajosa aadoptar. Esta é uma ques-tão controversa e que temlevantado muitas discus-sões na comunidade técni-co-científica da natação.Pode ser observada umagrande variabilidade deposições durante o treinoe a competição. Há nada-dores que colocam os de-dos totalmente unidos,outros que apresentam umligeiro afastamento dosmesmos e outros aindaque apresentam um afas-tamento mais pronuncia-do.Através de técnicas desimulação numérica com-putacional, foram testadasas características hidrodi-nâmicas de um modelo deuma mão de um nadadorde elite, obtido através detomografia axial computo-rizada, com diferentesespaçamentos entre osdedos. Foi desenvolvidoum volume computacionalpara simular o escoamen-to da água em torno domodelo de mão do nada-dor em três posições: (i)dedos juntos, (ii) dedoscom um pequeno afasta-mento (0,32 cm de distân-cia entre os dados) e, (iii)dedos com um grandeafastamento (0,64 cm).Foram calculadas as forçasproduzidas pela mão(coeficiente de força dearrasto propulsivo e deforça ascensional) comdiferentes orientações domodelo, tentando simulardiferentes orientações damão durante o trajeto mo-tor subaquático, com oprograma computacionalFluent®.Os principais resultadosencontrados revelaramque o modelo com umpequeno afastamento dosdedos apresenta valoresmais elevados de coefici-ente de arrasto propulsivoem comparação com osoutros dois modelos(dedos juntos e dedoscom um grande afasta-mento). Os valores do co-eficiente de força ascensi-onal apresentam apenaspequenas diferenças entreos três modelos, nos vá-rios ângulos de orientaçãotestados. Neste sentido, osdados parecem sugerirque a colocação da mãocom um ligeiro afastamen-to dos dedos pode permi-tir a criação de mais pro-pulsão durante o trajectosubaquático da mão dosnadadores, podendo levara um aumento da eficiên-cia propulsiva com umaconsequente melhoria daperformance de nado.ReferênciaMarinho DA, Barbosa TM,Reis VM, Kjendlie PL, Al-ves FB, Vilas-Boas JP, Ma-chado L, Silva AJ, RouboaAI. (2010). Swimming pro-pulsion forces are enhan-ced by a small fingerspread. Journal of AppliedBiomechanics, 26(1): 87-92.Nadar com dedos juntos ou com dedosafastados?“OS DADOSPARECEMSUGERIR QUE ACOLOCAÇÃO DAMÃO COM UMLIGEIROAFASTAMENTODOS DEDOS PODEPERMITIR ACRIAÇÃO DE MAISPROPULSÃO .”Daniel A. Marinho1,2dmarinho@ubi.pt1Departamento deCiências do Desporto,Universidade da BeiraInterior, Covilhã.2CIDESD
  5. 5. www.cidesd.utad.ptNovais, M.L., Silva, A.J., Mantha, V.R., Ramos, R.J., Rouboa, A.I., Vilas-Boas, J.P., Luís, S.R., & Marinho,D.A. (2012). The effect of depth on drag during the streamlined glide: a three-dimensional CFD analy-sis. Journal of Human Kinetics, 33(1), 55-62. I.F. (2011)=0.329The aim of this study was to analyze the effects of depth on drag during the streamlined glide in swimming using ComputationalFluid Dynamics. The Computation Fluid Dynamic analysis consisted of using a three-dimensional mesh of cells that simulatesthe flow around the considered domain. We used the K-epsilon turbulent model implemented in the commercial code Fluent®and applied it to the flow around a three-dimensional model of an Olympic swimmer. The swimmer was modeled as if he weregliding underwater in a streamlined prone position, with hands overlapping, head between the extended arms, feet togetherand plantar flexed. Steady-state computational fluid dynamics analyses were performed using the Fluent® code and the dragcoefficient and the drag force was calculated for velocities ranging from 1.5 to 2.5 m/s, in increments of 0.50m/s, which repre-sents the velocity range used by club to elite level swimmers during the push-off and glide following a turn. The swimmer mo-del middle line was placed at different water depths between 0 and 1.0 m underwater, in 0.25m increments. Hydrodynamicdrag decreased with depth, although after 0.75m values remained almost constant. Water depth seems to have a positive effecton reducing hydrodynamic drag during the gliding. Although increasing depth position could contribute to decrease hydrody-namic drag, this reduction seems to be lower with depth, especially after 0.75 m depth, thus suggesting that possibly perfor-ming the underwater gliding more than 0.75 m depth could not be to the benefit of the swimmer.Keywords: biomechanics; swimming; performance; simulationsMantha, V.R., Silva, A.J., Marinho, D.A., & Rouboa, A.I. (2012). Numerical simulation of two-phase flowaround flat-water competition kayak design-evolution models. Journal of Applied Biomechanics (inpress). I.F. (2011)=0.76The aim of the present study was to analyze the hydrodynamics of the 97 kg-class single-rower, flat water sports competition,full scale three kayak design evolution models (Nelo® K1 Vanquish L I, II and III) of M.A.R. Kayaks Lda., Portugal, which is oneof the fastest frontline kayak. The effect of kayak design transformation on kayak hydrodynamics performance was studied bythe application of computational fluid dynamics (CFD) method. The steady-state CFD simulations where performed by applica-tion of k-ω turbulent model and volume of fluid (VOF) method to obtain two-phase flow around kayak. The numerical result ofviscous, pressure drag and coefficients along with wave drag at individual average race velocities is obtained. At average ve-locity of 4.5 m/s reduction in drag was 29.4% for design change from LI to LII and 15.4% for change from LII to LIII, demonstra-ting and reaffirming a progressive evolution in design. Also, the knowledge of hydrodynamics of drag presented in the currentstudy facilitates in estimation of the paddling effort required from the athlete during his progression at different race velocities.This study finds an application during selection and training, where a coach can select the kayak with better hydrodynamics.PÁGINA 5VOLUME 4 , NÚMERO 9PUBLICAÇÕES NESTA LINHA DE INTERVENÇÃO (CFD)
  6. 6. www.cidesd.utad.ptPÁGINA 6PERFORMANCE DESPORTIVANatação em Portugal!Que futuro?O motivo principal da existência defederações desportivas é o de pro-porcionar as melhores condiçõespara a massificação, qualidade eelitização dos desportistas. Nãodeverão existir organizações den-tro deste âmbito que façam da per-petuação da sua existência o objec-tivo último da sua actividade. É omesmo que justificar a manutençãodo que existe, mesmo sabendo queoutras fórmulas de organizaçãopoderiam redundar em ganhos deeficiência e menos desperdícios,que seriam posteriormente canali-zados para o objectivo central sen-do este a actividade. Assim, deveri-am ser feitos esforços a todos osníveis no sentido de procurar siner-gias e vasos comunicantes comtransvases, para congregar von-tades numa tentativa de direccionaras melhores condições para oseleitos, ou na promoção destes,desde a formação até ao alto rendi-mento desportivo.Por outro lado, o fundamento daexistência de centros de investi-gação e instituições de ensino supe-rior na área das ciências do despor-to é o de, entre outros, propor-cionar as melhores condições,devidamente protocoladas, para oapoio neste processo complexo. Deentre estes centros de investigação,o CIDESD em particular através dogrupo de “Performance Desporti-va” ocupa um lugar determinanteneste âmbito de actuação.A Federação Portuguesa de Na-tação, por mim liderada assumeeste papel de coordenação na defe-sa dos seus melhores objectivos e,com base nestas sinergias, estamosa processar a criação de um Gabi-nete de Controlo e Avaliação doTreino e Competição (GACO). OGACO é uma estrutura multidisci-plinar no âmbito das ciências dodesporto e que terá como objectivogeral o apoio multidisciplinar deatletas e técnicos de natação puradesportiva no que concerne ao con-trolo e avaliação dos processos detreino e de competição. O seu cam-po de actuação passará numa estra-tégia de: (i) a longo prazo identi-ficar, seleccionar, promover e ori-entar os jovens nadadores dos es-calões de formação e; (ii) a curto emédio prazo apoiar os nadadoresde alta competição, através da suainclusão no grupo de elite e a aqui-sição de outros apoios/designaçõesgovernamentais que existam para oefeito a cada momento. A missão éclara, “Apoiar os nadadores portu-gueses a alcançar a excelência des-portiva e auxiliar na identificação eenquadramento de potenciais at-letas de alta competição para asgerações vindouras.”Os objectivos estão formulados:1º: desenhar, montar e colocar noterreno uma estrutura de apoio mul-tidisciplinar para nadadores deescalões de formação, esperançasolímpicas e nadadores integradosno plano olímpico;2º: disponibilizar a atletas dos esca-lões de formação e seus treinadoresserviços e programas de controlo eformação do processo de treino ede competição tendo em vista aidentificação de potenciais atletasde alta competição a médio/longoprazo;3º: disponibilizar a atletas de altacompetição e seus treinadores ser-viços e programas de controlo eformação do processo de treino ede competição tendo em vista aexcelência desportiva a curto/médio prazo;4º: Dar a conhecer a importância daactividade científica no domínio dasCiências do Desporto aplicadas ànatação, através de audiências aespecialistas e público em geral;Enquanto presidente da FederaçãoPortuguesa de Natação e directordo CIDESD perspectivo esta coor-denação, suportado por uma equi-pa técnico-científica multidiscipli-nar de agentes motivados e propos-tos a aproximar a natação portugue-sa da elite mundial! Para tal seránecessário o estabelecimento deparcerias com as demais organiza-ções científicas (Instituições de En-sino Superior e Centros de Investi-gação) do país, que possam seruma mais-valia na consecução dosobjectivos estratégicos traçados.António J. Silva1,2ajsilva@utad.pt1Presidente da FederaçãoPortuguesa de Natação2CIDESD
  7. 7. www.cidesd.utad.ptApplying Computational Fluid Dynamics to sports research: a hydrodynamic analysis. POCTI-FCT(92.000,00 €).Computational fluid dynamics: an analytical tool for the 21st century swimming research FCT (POCI/DES/58872/2004). (2004-2008 funding 38.521, 00€).Energy cost in swimming: characterization and relationship with other relevant bioenergetical andbiomechanical performance determinants. POCTI-FCT (126.000,00 €).Testing several types of sports boats. I&DT, M.A.R. Kayaks. Entity number 4608 Edictal number17/2008 – SI I&DT (32.250,00 €).Water Tree/CIDESD – FCT SI I&DT 06/SI/2009 (30.000,00 €).PÁGINA 7VOLUME 4 , NÚMERO 9PROJECTOS DESENVOLVIDOS NO ÂMBITO DO CFDEVENTOS FUTUROS
  8. 8. www.cidesd.utad.ptPÁGINA 8VOLUME 4 , NÚMERO 9(Manuel Ramos.Foto retirada doDiário de Notíciasde 4 de janeiro de2012)Desde a sua fundação, em1978, a empresa de Ma-nuel Ramos (NELO)“M.A.R.-kayaks” sediadaem Vila do Conde jáproduziu mais de 30 milbarcos de diferentesmodelos para o mundointeiro. Atualmente, emparceria com uma redealargada de instituiçõesentre as quais o Centro deInvestigação em Desporto,Saúde e DesenvolvimentoHumano (CIDESD/UTAD),dedica-se ao uso dadinâmica computacionalde fluídos (CFD) para aotimização do design dosequipamentos através daobservação do escoa-mento da água em tornodas embarcações. Todosos modelos emergentes einovadores são desenha-dos e concebidos pelaprópria empresa, com ocontributo de pessoal es-pecializado em técnicasavançadas a par de umelevado investimento emmaquinaria. A introduçãode modificações em deter-minada embarcação,surge tendo em contaquatro aspetos deter-minantes: (i) modificaçõesmanuais; (ii) Digitalização3D; (iii) processo CAD(computer aided design),e; (iv) Prototipagem. Amodificação manual de ummodelo é a forma maisexpedita de introduziralterações para que seobtenha a perceção imedi-ata do aspeto final. É ummomento inicial onde sãoefetuados pequenos ajus-tamentos nos diversos lo-cais para se obter o re-sultado esperado e avan-çar para a digitalização3D. Após as alteraçõesm a n u a i s , t o r n a - s enecessário transportar asideias para um programade CAD para que se iniciea etapa de engenhariainversa. Através da uti-lização de um scanner 3Dsão rapidamente digital-izadas as embarcações,peças ou componentes ecom uma precisão eleva-da. Este desenho assistidopor computador represen-ta uma etapa importanteno ciclo de desenvolvi-mento do produto. É nesteâmbito em que as simu-lações numéricas (CFD)podem ser um instrumentoimportante, na avaliaçãodas características da em-barcação. A prototipagemé a etapa remanescenteutilizada quando se quertestar uma solução nova.No desporto a engenhariatem que trabalhar em par-alelo com a ergonomia e odesign e é por este motivoque é necessária umasérie de soluções e mate-riais para a rápida proto-tipagem das ideias.Em termos de resultadosdesportivos, a únicamedalha de Portugal nosJogos Olímpicos de Lon-dres 2012 foi obtida naprova K2 1000 metros porEmanuel Silva e FernandoPimenta, com o uso deembarcações NELO. Sãoresultados deste calibreque refletem a importânciada aproximação de cen-tros de investigação paracom os fabricantes no sen-tido de inovar o materialdesportivo e potencializaro resultado competitivo.CIDESD em parceria com o maiorfabricante do mundo de Kayaks
  9. 9. www.cidesd.utad.ptPÁGINA 9VOLUME 4 , NÚMERO 9INTERNACIONALIZAÇÃO E DIFUSÃOO membro do CIDESD Daniel Marinho foipremiado com a distinção de INVESTIGA-DOR DO ANO 2012 na Natação! O prémio foiatribuído pela International Society of Swim-ming Coaching, e vem reconhecer o excelen-te trabalho desenvolvido pelo Professor daUniversidade da Beira Interior no âmbito doprocesso de treino.O Director do CIDESD António José Silva foi eleito no passado dia12 de Janeiro o novo presidente da Federação Portuguesa de Na-tação. O Pró-Reitor para o Desenvolvimento e Internacionalizaçãoda Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro apresenta na pági-na 7 as novas linhas orientadoras da Federação Portuguesa de Na-tação.A internacionalização do CIDESD continua bem patentenos mais diversos quadrantes, sejam eles científicos outécnicos. A estratégia de difusão do conhecimentoproduzido pelos membros do CIDESD reflete-se na qual-idade dos trabalhos apresentados worldwide bem comona assinatura de protocolos com diferentes instituições.O grupo da Performance Deportiva tem ao seu dispor um siteextremamente prático e intuitivo com inúmeras funcionali-dades. Para mais informações consulte http://www.cidesd.utad.pt/cidesd/sp/spigroup.html
  10. 10. www.cidesd.utad.ptCentro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento HumanoEdifício CIFOP – Rua Dr. Manuel CardonaUTAD – Apartado 1013 – 5001-801 Vila RealE-mail (secretariado): cidesd.geral@utad.ptE-mail (direcção): cidesd.direcao@utad.ptTelefone: 259 330 155Fax: 259 330 168O Boletim técnico-científico do grupo da Performance Desportiva tem o objectivo de publicar material quecombine os resultados provenientes do conhecimento científico mais actual com as aplicações práticas e oconhecimento profissional. Pretende divulgar informação e produzir conhecimento em três linhas de investi-gação prioritárias: 1) Dinâmica computacional de fluídos (CFD); 2) CreativeLab, e; 3) Factores genéticos,fisiológicos e biomecânicos determinantes do rendimento. O âmbito de aplicação destas linhas é durante ouapós o processo de treino ou competição desportivas e centra-se nos desportistas, nos treinadores e nosjuízes, masculinos e femininos, envolvidos no desporto de formação e no desporto de alto-rendimento.PERFORMANCE DESPORTIVADoutoramentoCiências do Desporto — Universidade de Trás-os-Montes e Alto DouroCiências do Desporto — Universidade da Beira InteriorMestradoJogos Desportivos Colectivos — Universidade de Trás-os-Montes e Alto DouroAvaliação nas Actividades Físicas e Desportivas — Universidade de Trás-os-Montes e Alto DouroCiências do Desporto — Universidade da Beira InteriorLicenciaturaCiências do Desporto. Ramos: Desportos Individuais; Jogos Desportivos Colectivos — Univer-sidade de Trás-os-Montes e Alto DouroLicenciatura em Desporto — Instituto Politécnico de BragançaLicenciatura em Ciências do Desporto—Universidade da Beira InteriorFormação técnica e científica no âmbito da Performance DesportivaCentro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento HumanoMAIS INFORMAÇÕES!WWW.CIDESD.UTAD.PTConselho EditorialAntónio Jaime Eira Sampaio; Antonio Jose Rocha Martins da Silva; Aldo Filipe de Matos Moreira Carvalho daCosta; Bruno Filipe Rama Travassos; José Carlos Gomes de Carvalho Leitão; Daniel Almeida Marinho; JoséAugusto Afonso Bragada; Mário António Cardoso Marques; Mário Jorge de Oliveira Costa; Nuno Miguel Cor-reia Leite; Roland Van den Tillaar; Rui Marcelino Maciel Moreira; Susana Cristina Araújo Póvoas; Tiago Ma-nuel Cabral dos Santos Barbosa; Victor Manuel de Oliveira Maçãs.O CreativeLab será o tema do próximonúmero do Boletim Performance Des-portiva. A temática do CreativeLabencontra-se fundamentada no estudo ecompreensão do trabalho colaborativoe do conceito de Criatividade, e serádevidamente escalpelizada no próxi-mo número.

×